Your SlideShare is downloading. ×
Século xix no brasil  a modernização da arte
Século xix no brasil  a modernização da arte
Século xix no brasil  a modernização da arte
Século xix no brasil  a modernização da arte
Século xix no brasil  a modernização da arte
Século xix no brasil  a modernização da arte
Século xix no brasil  a modernização da arte
Século xix no brasil  a modernização da arte
Século xix no brasil  a modernização da arte
Século xix no brasil  a modernização da arte
Século xix no brasil  a modernização da arte
Século xix no brasil  a modernização da arte
Século xix no brasil  a modernização da arte
Século xix no brasil  a modernização da arte
Século xix no brasil  a modernização da arte
Século xix no brasil  a modernização da arte
Século xix no brasil  a modernização da arte
Século xix no brasil  a modernização da arte
Século xix no brasil  a modernização da arte
Século xix no brasil  a modernização da arte
Século xix no brasil  a modernização da arte
Século xix no brasil  a modernização da arte
Século xix no brasil  a modernização da arte
Século xix no brasil  a modernização da arte
Século xix no brasil  a modernização da arte
Século xix no brasil  a modernização da arte
Século xix no brasil  a modernização da arte
Século xix no brasil  a modernização da arte
Século xix no brasil  a modernização da arte
Século xix no brasil  a modernização da arte
Século xix no brasil  a modernização da arte
Século xix no brasil  a modernização da arte
Século xix no brasil  a modernização da arte
Século xix no brasil  a modernização da arte
Século xix no brasil  a modernização da arte
Século xix no brasil  a modernização da arte
Século xix no brasil  a modernização da arte
Século xix no brasil  a modernização da arte
Século xix no brasil  a modernização da arte
Século xix no brasil  a modernização da arte
Século xix no brasil  a modernização da arte
Século xix no brasil  a modernização da arte
Século xix no brasil  a modernização da arte
Século xix no brasil  a modernização da arte
Século xix no brasil  a modernização da arte
Século xix no brasil  a modernização da arte
Século xix no brasil  a modernização da arte
Século xix no brasil  a modernização da arte
Século xix no brasil  a modernização da arte
Século xix no brasil  a modernização da arte
Século xix no brasil  a modernização da arte
Século xix no brasil  a modernização da arte
Século xix no brasil  a modernização da arte
Século xix no brasil  a modernização da arte
Século xix no brasil  a modernização da arte
Século xix no brasil  a modernização da arte
Século xix no brasil  a modernização da arte
Século xix no brasil  a modernização da arte
Século xix no brasil  a modernização da arte
Século xix no brasil  a modernização da arte
Século xix no brasil  a modernização da arte
Século xix no brasil  a modernização da arte
Século xix no brasil  a modernização da arte
Século xix no brasil  a modernização da arte
Século xix no brasil  a modernização da arte
Século xix no brasil  a modernização da arte
Século xix no brasil  a modernização da arte
Século xix no brasil  a modernização da arte
Século xix no brasil  a modernização da arte
Século xix no brasil  a modernização da arte
Século xix no brasil  a modernização da arte
Século xix no brasil  a modernização da arte
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Século xix no brasil a modernização da arte

23,710

Published on

9o. Ano -aulas do bimestre

9o. Ano -aulas do bimestre

Published in: Education
0 Comments
5 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
23,710
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
334
Comments
0
Likes
5
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. 9º Ano SÉCULO XIX NO BRASIL:A MODERNIZAÇÃO DA ARTE Professora Elisa Herrera 1
  • 2. Em meados do séc. XIX o Brasil passou porum período de crescimento econômico,estabilidade social e incentivo às letras ,ciência e arte por parte do imperadordom Pedro II.A arte, entretanto, ainda refletia ainfluência da escola conservadoraeuropeia. 2
  • 3. •A pintura acadêmica no BrasilDesse período destacam-se, na pintura, asobras dos brasileiros Pedro Américo, VítorMeireles e Almeida Junior, que estudaramna Academia Imperial de Belas Artes. 3
  • 4. Pedro Américo de Figueiredo e Melo (1843-1905) nasceu na Paraíba,foi para o Rio de Janeiro em 1854 e frequentou a Academia. De 1859 a1864 estudou na Escola de Belas Artes de Paris. Pintou temas bíblicos ehistóricos, alegorias e figuras humanas.Pedro Américo foi a Europa na época em que começavam as primeirasmanifestações impressionistas, mas se manteve fiel à Academia: suapintura refletia a tradição da pintura de idealizar a realidade. Como eraum excelente desenhista, fez também caricaturas, criação que dependebastante da capacidade de observação do artista. Nelas exagera-se coma intenção de humor alguma característica do retratado. Seu prestigionesse campo lhe permitiu participar, em 1870 e 1871, de uma revista decaricaturas chamada A Comédia social. 4
  • 5. De sua obra destacam-se “Rabequista árabe”,é uma pintura muitoconhecida pelosestudantes, esta obrase encontra no MuseuNacional de BelasArtes, Rio de Janeiro.Rabeca é uminstrumento musical,seu nome foi usadopor muito tempo parao que hoje chamamosviolino. 5
  • 6. .“Independência ou morte”-1888- de Pedro Américo 7,60 x 4,14 m. Museu Paulista, São Paulo 6
  • 7. Pedro Américo e a caricaturaEsta imagem representa oescritor José de Alencar (àesquerda) e o diplomataVisconde do Rio Branco (àdireita). Os dois estão comuma das mãos em umvespeiro; isso significa que, naépoca, certamente eles seenvolveram em algumassunto delicado para ocenário político do pais.A expressão “por a mão emvespeiro” significa “envolver-se em situação perigosa oudelicada”. 7
  • 8. 8
  • 9. 9
  • 10. 10
  • 11. Retrato deCandido de Almeida 1888 11
  • 12. Pedro II fala ao trono 12
  • 13. 13
  • 14. Vitor Meireles de Lima (1832-1903), nasceu emSanta Catarina e ainda muito jovem viajou parao Rio de Janeiro onde se matriculou naAcademia. Visitou a França e a Itália e conheceumelhor o trabalho dos pintores desses países.Em Paris produziu sua obra mais famosa, Aprimeira missa no Brasil, exibida com grandesucesso no Salão de Paris. 14
  • 15. 15
  • 16. São João Batista no cárcere, 1852Museu Nacional de Belas Artes. 16
  • 17. A degolação deSão João Batista, 1855Tela realizada emseu período como bolsista da Academia na Europa- Museu Victor Meirelles. 17
  • 18. Juramento da Princesa Regente, 1871 -Museu Imperial. 18
  • 19. Estudo para Panorama do Rio de Janeiro, c. 1885. Museu Nacional de Belas Artes. 19
  • 20. O combate naval do Riachuelo, 1882-83 Museu Histórico Nacional. 20
  • 21. Batalha de Guararapes, 1879Museu Nacional de Belas Artes. 21
  • 22. José Ferraz de Almeida Junior (1850-1899).Considerado o mais brasileiro dos pintores do séc. XIX,nasceu no interior de São Paulo. Em 1869 começou afrequentar a Academia, no Rio de Janeiro, onde foi alunode Vitor Meireles. Viveu em Paris entre 1876 e 1882. devolta ao Brasil, fez uma exposição no Rio de Janeiro eretornou a sua cidade natal, Itú, onde produziu obras queficaram famosas como Saudades. Nesse quadro oselementos que representam a simplicidade das pessoas edas casas como são: o chapéu pendurado perto da janela; 22
  • 23. A roupa da moça, as paredes e o piso dacasa. Os gestos da moça, com uma mãosegura papeis, talvez seja uma carta, que lêatentamente, com a outra mão cobre o rostocom um xale. Sua tristeza justifica o titulo doquadro. Note-se ainda o jogo de luz utilizadopelo artista, toda a claridade da cena parecevir da janela da qual a moça está próxima. Saudades, 1899- 1.97 x 1.01 Pinacoteca do Estado de São Paulo 23
  • 24. Apóstolo São Paulo, 1869 Igreja Matriz deNossa Senhora da Candelária,Itu 24
  • 25. O DerrubadorBrasileiro, 1879Museu Nacional de Belas Artes, Rio de Janeiro 25
  • 26. CaipiraPicando Fumo, 1893Pinacoteca doEstado de São Paulo, São Paulo 26
  • 27. O Violeiro, 1899Pinacoteca do Estado, São Paulo 27
  • 28. Leitura, 1892Pinacoteca do Estado, São Paulo 28
  • 29. Fuga para o Egito, 1881Museu Nacionalde Belas Artes, Rio de Janeiro 29
  • 30. Amolação Interrompida, 1894 Pinacoteca doEstado, São Paulo 30
  • 31. O academismo é superadoBelmiro Barbosa de Almeida e Benedito Calixto 31
  • 32. Os artistas que frequentaram a Academia seguiram ospadrões trazidos pela Missão Artística Francesa: a belezaperfeita é um conceito ideal; portanto não existe nanatureza . Assim, o artista não deve imitar a realidade,mas tentar criar a beleza ideal por meio da imitação dosclássicos, notadamente dos gregos, que mais seaproximaram da perfeição criadora. Como as pinturasoriginais gregas não foram encontradas, a referência deperfeição artística é encontrada nas pinturas doRenascimento, principalmente Rafael. 32
  • 33. Os artistas da Academia seguiam, então, rígidos princípiospara o desenho, o uso das cores e a escolha dos temas –mitológicos, religiosos e históricos.Entretanto, os artistas brasileiros da segunda metade doséculo XIX começaram a tomar outras direções. Essatendência se acentuou no final do século, com a influênciados artistas que foram à Europa e conheceram oImpressionismo e o Pontilhismo.Tal mudança já aparecenas obras de Belmiro de Almeida e Benedito Calixto, maispode ser vista mais claramente na obra de Eliseu Visconti. 33
  • 34. Belmiro Barbosa de Almeida (1858-1935)Nasceu em Minas Gerais, também foi aluno daAcademia. Mais tarde foi estudar na Europa efoi influenciado pelos pintores franceses. Noquadro Efeitos de sol podemos ver com clarezaessa influência. 34
  • 35. Observe nessa tela que não épossível ver com nitidez apaisagem e a moça quecaminha . Pois toda a cenaestá tomada de sol.Concluímos então, que oartista conseguiu criar osefeitos de claridade comoanuncia o título do quadro.Observe que ele representoua cena ao ar livre com efeitosda luz natural,evidentemente influenciadopela pintura impressionista. 35
  • 36. 36
  • 37. Benedito Calixto (1853-1927)Nasceu no litoral de São Paulo. Provavelmente começouseus estudos artísticos como autodidata. Em 1883 viajoupara Paris, onde estudou desenho e pintura. No anoseguinte, voltou ao Brasil e foi morar no litoral. É assimque podemos observar que suas obras retratam apaisagem litorânea das cidades de Santos e São Vicentee outras pinturas urbanas – no caso da cidade de SãoPaulo. Também pintou retratos e temas históricos. 37
  • 38. Inundação da Várzea do Carmo (1892)- 1,24 x 4 m – Museu Paulista de São Paulo – Benedito Calixto 38
  • 39. Cubatão, 1826 – Benedito Calixto 39
  • 40. Benedito Calixto -Proclamação da República, 1893 40
  • 41. •O Impressionismo chega ao Brasil:Eliseu D´Ángelo Visconti (1866-1944) – são asobras de Eliseu Viconti que definitivamente abremcaminho da modernidade à arte brasileira. Foipintor, decorador e desenhista, ele não sepreocupa mais em seguir os renascentistasitalianos, busca sim, registrar os efeitos d luz solarnos objetos e seres humanos que retrata em suastelas. 41
  • 42. Nascido na Itália, veio para o Brasil com menos de 1 anode idade. Em 1884 matriculou-se no Liceu de Artes eOfícios e no ano seguinte, na Academia onde estudouaté 1889. em 1892 viajou para Paris onde estudou naEscola de Belas Artes e o curso de Arte Decorativa naEscola Guérin. Durante sua permanência na França tevecontato com a obra dos Impressionistas. A influencia querecebeu deles foi tão forte que é considerado o maiorrepresentante dessa tendência na pintura brasileira,como vemos em seu quadro Roupa estendida. 42
  • 43. Voltou para o Brasil em 1900 e passou a realizardiversos trabalhos: ensinou pintura histórica naEscola Nacional de Belas Artes, criou imagenspara selos postais, pintou o pano de boca* doTeatro Municipal do Rio de Janeiro.*na linguagem teatral de hoje, é a cortina quesepara a plateia do palco. 43
  • 44. Roupa estendida, Eliseu Visconti- 67 x 82 cm Coleção Agnaldo de Oliveira 44
  • 45. PANO DE BOCA DO THEATRO MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO – “A INFLUÊNCIA DASARTES SOBRE A CIVILIZAÇÃO” – 1908 - ÓLEO SOBRE TELA DE LONA – 12 m x 16 45 m
  • 46. 46
  • 47. Moça no trigal- Eliseu Visconti ( 1866-1944 ). Óleo sobre tela, 65 x 80 cm 47
  • 48. A arquiteturareflete a riqueza: O Ecletismo eArt Nouveau (Arte Nova) 48
  • 49. No final do séc. XIX a arquiteturabrasileira passou por mudançassurgindo duas tendênciaseuropeias: o Ecletismo e o ArtNouveau ou Arte Nova. 49
  • 50. O Ecletismo: reunia estilos do passado,principalmente os de finalidade decorativa.Assim, alguns arquitetos mesclavam, nummesmo edifício elementos greco-romanos,góticos, renascentistas e mouriscos (refere-se a elementos ligados aos mouros, antigopovo árabe que habitou o norte da África). 50
  • 51. As casas dos mais ricos passaram a serornamentadas com estuque (mistura de pó demármore, cal fina, gesso e areia, técnica usadapara pintar paredes), também foi usadoplatibandas (grandes vidraças e ferragensimportadas da França e da Bélgica). As cidades donorte do país, ricas em borracha, desenvolveramuma arquitetura requintada e de acordo com asconcepções ecléticas. 51
  • 52. Teatro Amazonas (Manaus) inaugurado em 1896, construído comestruturas metálicas, mármores e decorado com cristais importados. 52
  • 53. O Teatro Amazonas éum teatro brasileiroconstruído no centrode Manaus, capital doAmazonas, inauguradoem 1896, é a expressãomais significativada riqueza da regiãodurante o Ciclo daBorracha, advindado látex da seringueira,produto altamentevalorizadopelas indústrias europeiase americanas. 53
  • 54. 54
  • 55. 55
  • 56. Mercado de Belém do Pará 56
  • 57. Situado na região portuária de Belém, o mercado foi criado em 1688 com o nome de Ver o Peso. 57
  • 58. O Mercado de Belém do Pará e as construções em voltadele, sofreram diversas modificações ao longo do tempo.No final do séc. XIX as mudanças se acentuaram porqueteve inicio o comercio da borracha da Amazônia paraatender as necessidades da industria de pneus quecomeçaram a ser fabricados nos Estados Unidos e naEuropa. A riqueza promoveu novas mudanças na região: aconstrução de um novo mercado com ferro trazido daInglaterra, construído conforme o estilo eclético. 58
  • 59. O Art Nouveau ou(Arte Nova), no final do séc. XIX oEcletismo foi superado pelo Art Nouveau, desenvolvidonos Estados Unidos e boa parte da Europa. É um estiloque valoriza os elementos ornamentais e caracteriza-sepelo uso de linhas curvas, semelhantes às linhas dasformas vegetais. Em São Paulo existe um exemplosignificativo da arquitetura Art Nouveau: a VilaPenteado. Em 1948 passou a abrigar a Faculdade deArquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo. 59
  • 60. A construção foi projetada pelo arquiteto suecoCarlos Ekman para ser a residência do CondeÁlvares Penteado.Esse estilo persistiu por algum tempo até sersuperado, entre os anos 1920 e 1950, pelomovimento Modernista e pela industrialização emodernização da vida urbana. 60
  • 61. 61
  • 62. 62
  • 63. 63
  • 64. 64
  • 65. 65
  • 66. A Confeitaria Colombo, localizada no centro, do Rio deJaneiro, fundada em 1894 pelos imigrantesportugueses Joaquim Borges de Meireles e ManuelJosé Lebrão, é hoje um dos pontos turísticos da cidade. 66
  • 67. 67
  • 68. 68
  • 69. 69
  • 70. joias Objetos decorativos 70
  • 71. Linhas e formas vegetais na arte 71
  • 72. A fotografiachega ao Brasil 72

×