Ensino Médio- As muitas linguagens da arte contemporânea

4,243 views
3,934 views

Published on

Published in: Education

Ensino Médio- As muitas linguagens da arte contemporânea

  1. 1. Ensino Médio “AS MUITAS LINGUAGENS DA ARTE CONTEMPORÂNEA NA EUROPA” Por Elisa B. Herrera Peres Professora de Artes Visuais 1
  2. 2. Além da Op Art e da Pop Art, na segunda metade do século XX desenvolveram-se inúmeras tendências artísticas. Por isso, em vez de descrever as características de cada tendência, destacamos o trabalho de alguns artistas: os norte-americanos: Edward Hopper (1882-1967) David Smith (1906-1965) George Segal (1924-2000) Donald Judd (1928-1994) Bill Viola (1951) Jean-Michel Basquiat (1960-1988) 2
  3. 3. Os alemães: Josef Beuys (1921-1986) e Frank Auerbach (1931); O búlgaro: Javacheff Christo (1935); O colombiano: Fernando Botero (1932); O indiano: Anish Kapor (1954); O inglês: Tony Cragg (1949) E a francesa: Louise Bourgeois (1911) 3
  4. 4.  Performance  Instalação  Land Art ou Arte ambiental  INTERFERÊNCIAS 4
  5. 5. Artistas: Joseph Beuys Spencer Tunik Christo e Jean-Claude 5
  6. 6. PERFORMANCE ou Arte efêmera LINGUAGEM ARTÍSTCA MODERNA A art performance ou performance artística é uma modalidade de manifestação artística interdisciplinar que - assim como o happening - pode combinar teatro, música, poesia ou vídeo. É característica da segunda metade do século XX, mas suas origens estão ligadas aos movimentos de vanguarda (dadaísmo, futurismo, Bauhaus, etc.) do início do século passado. Difere do happening por ser mais cuidadosamente elaborada e não envolver necessariamente a participação dos espectadores. Em geral, segue um "roteiro" previamente definido, podendo ser reproduzida em outros momentos ou locais. É realizada para uma plateia quase sempre restrita ou mesmo ausente e, assim, depende de registros - através de fotografias, vídeos e/ou memoriais descritivos - para se tornar conhecida do público. 6
  7. 7. A performance foi introduzida durante a década de 1960, pelo grupo Fluxus e, muito especialmente, através das obras de Joseph Beuys. Numa de suas performances, Beuys passou horas sozinho na Galeria Schmela, em Düsseldorf, com o rosto coberto de mel e folhas de ouro, carregando nos braços uma lebre morta, a quem comentava detalhes sobre as obras expostas. Em alguns casos, as performances ligadas à body art se tornaram sensoriais ou até masoquistas. Chris Burden rastejou sobre um piso coberto com cacos de 7 vidro, levou tiros e foi crucificado sobre um automóvel.
  8. 8. Joseph Beuys Foi um artista alemão que produziu em vários meios e técnicas, incluindo escultura, performance, vídeo e instalação. Ele é considerado um dos mais influentes artistas europeus da segunda metade do século XX. Frases: "Toda a gente é um artista." "Libertar as pessoas é o objetivo da arte, portanto a arte para mim é a ciência da liberdade." "Tornai os segredos produtivos." 8
  9. 9. • A Matilha (1969) - instalação com uma Kombi Volkswagen e 24 trenós de madeira contendo feltro, lanternas e gordura; • Como Explicar Desenhos a uma Lebre Morta (1965) - o artista vaga pela galeria com o rosto recoberto de mel e ouro, carregando no colo uma lebre morta com quem ele fala; • Terno de Feltro (1970) - um terno de feltro em um cabide de arame; • Canto Gorduroso (1973) - gordura de porco no canto de um espaço. A gordura derrete e se torna rançosa com o tempo; • Eu Amo a América e a América me Ama (EUA, 1974) - performance em que o artista ficou envolvido em feltro em uma sala com um coiote durante cinco dias; • Bomba de Mel no Local de Trabalho (Documenta de Kassel, 1977) - instalação / performance em que alunos da Universidade Livre Internacional de Criatividade e Pesquisa Interdisciplinar tomam parte; • 7.000 Carvalhos (1979) - Sete mil pedras foram espalhadas em Kassel durante uma documenta: para cada pedra retirada, Beuys determinou que seria plantado em seu lugar um carvalho, na esperança de que a ideia se espalharia para 9 mais cidades.
  10. 10. Dizem que a constante utilização dos matérias como feltro e gordura ocorreu após sua quase morte na queda de um avião atingido pelos bombardeios dos tanques anti aéreos russos, quando muito ferido, foi resgatado por tártaros nômades que trataram suas feridas com gordura e a utilização de feltro.Dai que surgiu o profundo respeito pela natureza e pelas atividades cósmicas por parte de Beuys. 10
  11. 11. Performance Como Explicar Desenhos a uma Lebre Morta (1965) - Joseph Beuys com mel e folhas de ouro no rosto e o coelho morto no colo com quem ele con
  12. 12. Terno de feltro, 1970 12
  13. 13. “The pack (a matilha), 1969 ″. Em A Matilha, Beuys apresenta uma instalação com uma Kombi e 24 trenós de madeira contendo feltro, gordura e lanternas.. 13
  14. 14. 14 “Cadeira com gordura, 1963″.
  15. 15. Fotografia de: “Coiote/Joseph Beuys: “I like America and America likes Me”, 1974″. 15
  16. 16. “A MORTE DE MARAT” de Vik Muniz, Imagem do documentário “Lixo extraordinário” (“Waste land”) ganhou dois prêmios no Festival de Cinema de Berlim (a Berlinale): um de audiência e outro da organização de defesa dos direitos16humanos Anistia Internacional (AI).
  17. 17. Performance Marina Abramovic Nasceu em Belgrado,Sérvia, dia 30 de novembro de 1946. É uma artista performativa que iniciou sua carreira no início dos anos 70 e manteve-se em atividade desde então. Considera-se a “avó da arte da performance". Seu trabalho explora as relações entre o artista e a plateia, os limites do corpo e as possibilidades da mente. 17
  18. 18. 18
  19. 19. 19
  20. 20. 20
  21. 21. Performance Spencer Tunick É um fotógrafo que nasceu nos Estados Unidos, Middeltown, em 1967 conhecido pelas suas polémicas fotografias onde utiliza grandes aglomerações de pessoas em corpo nu. Por exemplo, em 2005 foi detido pela polícia de Nova Iorque quando fotografava uma modelo nua frente uma árvore de natal no Rockfeller Center. O fotógrafo americano Spencer Tunick é a única pessoa vestida nas suas sessões de fotos. Ele recruta, ao redor do mundo, milhares de voluntários para ficarem nus nos mais diferentes cenários, do calor australiano às geleiras suíças. 21
  22. 22. Spencer Tunick PERFORMANCE LINGUAGEM ARTÍSTCA MODERNA 22
  23. 23. 23
  24. 24. 24
  25. 25. Spencer Tunick despe Munique Segue ... 25
  26. 26. Cerca de 1700 pessoas despiram-se para o artista norte-americano Spencer Tunick no centro da cidade de Munique, na Alemanha. A instalação de Tunick marca o arranque do festival de ópera Bayerische Staatsoper na cidade alemã e relembrava elementos da obra "O anel de Nibelungo" do compositor Wagner. A grande marca do trabalho do fotógrafo norte-americano são as instalações que reúnem um grande número de pessoas nuas. Em Munique, o ponto de encontro foi a praça de Marstall. Com uma inovação em relação a outras instalações: as pessoas pintaram o corpo de amarelo e de vermelho. http://www.dn.pt/inicio/artes/interior.asp x?content_id=2627473&seccao=Artes%20Pl% E1sticas 26
  27. 27. Spencer Tunick Numa parceria entre Tunik e o Greenpeace, voluntários posam na geleira de Aletsch, Suíça, para chamar a atenção sobre o aquecimento global. 27
  28. 28. Spencer Tunick Quatrocentas e cinquenta mulheres são dispostas ao redor do terminal de informações do Grand Central Terminal de Nova York, a maior estação de trens do mundo. 28
  29. 29. Spencer Tunick Milhares de pessoas posam em Sidney, Austrália. 29
  30. 30. INSTALAÇÃO LINGUAGEM ARTÍSTICA MODERNA instalação (krafts) é uma manifestação artística onde a obra é composta de elementos organizados em um ambiente. A disposição de elementos no espaço tem a intenção de criar uma relação com o espectador. 30
  31. 31. D E F I N I Ç Ã O DE INSTALAÇÃO É uma obra de arte que só "existe" na hora da exposição, é montada na hora, e após isto é desmontada, sendo que a lembrança da mesma só ficam em fotos e recordações..... Uma das possibilidades da instalação é provocar sensações: frio, calor, odores, som ou coisas que simplesmente chamem a atenção do público ao redor. 31
  32. 32. O pavilhão principal é dedicado às melhores obras, e a entrada principal é da artista brasileira Lygia Pape, constit uída de fios de ouro presos do chão ao teto, forman do uma instalação em que o espectador anda no meio, fazend o parte dela. INSTALAÇÃO Na Bienal de São Paulo 32
  33. 33. 33 Instalação em exposição escolar
  34. 34. “Somewhere Over the Rainbow “ 34 Márcio Lima©Associação Cultural Video-Brasil
  35. 35. “Estrutura Volátil”- O artista paranaense Geraldo Zamproni apresentou sua primeira exposição individual na capital federal com a instalação “Estrutura Volátil”. A mostra foi aberta dia 9 de fevereiro, na Marquise do Complexo 35 Cultural da Funarte, em Brasília. O projeto foi contemplado com o Prêmio Funarte de Arte Contemporânea 2011, para ocupação do espaço.
  36. 36. Turquia Visitante observa instalação chamada 'Public Page 48,49,51', do artista chinês Wang Du, que integra a Feira Internacional de Arte Contemporânea em Istambul. Mais de 350 artistas de todo o mundo expõem no evento. 36
  37. 37. Palácio de Versailles- 2009 –Exposição de Arte contemporânea. 37
  38. 38. Joana Vasconcelos (Paris, 1971) é uma artista plástica portuguesa. Vive e trabalha em Lisboa no circuito internacional da arte contemporânea. As participações na Bienal de Veneza, em 2005, 2007 e 2012 38 A obra Sr. Vinho de Joana Vasconcelos
  39. 39. Espaço Frans Krajcberg, em Curitiba. 39 É um pintor, escultor, gravador e fotógrafo, artista plástico nascido na Polônia em 1921 e naturalizado brasileiro.
  40. 40. Trabalhos de Frans Krajcberg na mostra Natura, em São Paulo. 40
  41. 41. Cildo Meireles é um dos artistas mais importantes da arte contemporânea. 41
  42. 42. Land Art A Land Art, (Arte ambiental) também conhecida como Earth Art ou Earthwork é o tipo de arte em que o terreno natural, em vez de prover o ambiente para uma obra de arte, é ele próprio trabalhado de modo a integrar-se à obra. A Land Art surgiu em finais da década de 1960, em parte como consequência de uma insatisfação crescente em face da deliberada monotonia cultural pelas formas simples do minimalismo, em parte como expressão de um desencanto relativo a sofisticada tecnologia da cultura industrial, bem como ao aumento do interesse às questões ligadas à ecologia. 42
  43. 43. O conceito estabeleceu-se numa exposição organizada na Dwan Gallery, Nova York, em 1968, e na exposição Earth Art, promovida pela Universidade de Cornell, em 1969. É um tipo de arte que, por suas características, não é possível expor em museus ou galerias (a não ser por meio de fotografias). Devido às muitas dificuldades de colocar-se em prática os esquemas de land art, suas obras muitas vezes não vão além do estágio de projeto. Assim, a afinidade com a arte conceitual é mais do que apenas aparente. 43
  44. 44. Capital fluminense ganha museu a céu aberto com inauguração do projeto Outras Ideias para o Rio (07 de setembro de 2012) No projeto, o olhar estrangeiro sobre a cidade está expresso em obras como a enorme cabeça flutuante do espanhol Jaume Plensa, instalada nas águas da Enseada de Botafogo. Nesta semana, antes mesmo da abertura da mostra, a obra, de 12 metros de altura. 44
  45. 45. Obra de Arte no centro do Rio de Janeiro. 9/set/2012 – turistas visitam labirinto de vidro feito pelo artista americano Robert Morris na praça da Cinelândia. Morris é considerado um dos criadores do Minimalismo e de Land Art. 45
  46. 46. Robert Smithson, “Broken Circle” 46
  47. 47. Espiral", realizada por Robert Smithson em 1970, no Great Salt Lake, construída com terra e pedra sobre a água, numa extensão superior a quatrocentos metros, posteriormente destruída pela própria água. 47
  48. 48. Shiro Hayami (b 1927) - "Land Art“painted stones on a beach (pedras pintadas na praia). 48
  49. 49. 49 “O Campo de Luz” Walter De Maria, 1977
  50. 50. A Arte Ambiental, pela sua enorme dimensão, é exposta ao ar livre, aproveitando o ambiente externo das ruas e da natureza. O artista Walter de Maria realiza em 1977 a obra “O Campo de Luz”, que consiste em 100 para-raios colocados no deserto de Quemados no Novo México, nos Estados Unidos. A obra acontece nos dias de tempestade. Os espectadores têm que assinar um termo de responsabilidade, isentando o artista de culpa, caso sejam eletrocutados. 50
  51. 51. INTERFERÊNCIAS LINGUAGEM ARTÍSTICA CONTEMPORÂNEA Christo Vladimirov Javacheff e Jeanne -Claude Denat de Guillebon são um casal que se dedica à arte de “embrulhar” grandes monumentos e cenários pelo mundo. Muitos consideram esse trabalho uma forma de arte ecológica ou até mesmo um protesto, porém, eles afirmam que o fazem somente pelo seu apelo estético. Chisto afirma que é um artista com coragem pois além dos desenhos preparatórios nada sobra de sua obra de arte. “É preciso muito mais coragem para criar peças que irão desaparecer do que para criar peças que ficam” diz Christo. Para conhecer mais sobre o trabalho do casal acesse o site oficial de Christo e JeanneClaude. 51
  52. 52. Como a pintura já não é claramente definível e deixou de ser a única fornecedora de memoráveis imagens visuais. Alguns artistas interferem na paisagem, colocam cortinas, guardasóis, embrulhos em locais públicos. Atualmente, ressaltamos Christo, o único artista que se destaca com suas interferências. Obras Destacadas:: Cortina no Vale, Ponte Neuf (Paris) embrulhada para presente, Guarda-sóis colocados em um vale da Califórnia e mais recentemente o Reichstag ( Parlamento Germânico em 1988 Berlim), que foi envolvido em tecido sintético com duração de duas semanas. 52
  53. 53. 53 Christo e Jean-Claude
  54. 54. INTERFERÊNCIAS LINGUAGEM ARTÍSTICA CONTEMPORÂNEA 54 Árvores embrulhadas na Suíça
  55. 55. 55
  56. 56. Palácio do Reichstag em Berlin, Alemanha 56
  57. 57. 57
  58. 58. Pont Neuf, Paris 58
  59. 59. Interferências: Pont Neuf, Paris, 1985 – trabalho de interferência de Christo e Jean-Claude. 59
  60. 60. 60
  61. 61. Central Park de Nova York 61
  62. 62. Parte sul do Central Park com os "portões" de Christo As criações da dupla sempre foram cercadas de polêmica. 62
  63. 63. 63
  64. 64. Olhando de frente o Vallley Curtain, Rifle, Colorado, 1970-72 64
  65. 65. Fernando Botero (1932) Nascido em Medellín, Colômbia. Nas obras satíricas de Fernando Botero, políticos, mili tares e religiosos, músicos e a realeza, são retratados com figuras rotundas e sem movimento, assumind o a característica de vida humana estática. De natureza humorística à primeira vista, as pinturas de Botero são geralmente um 65
  66. 66. 1956. Durante sua estadia no México, nasce seu interesse pela Arte Pré-colombiana e o trabalho dos artistas do Surrealismo mexicano, que o atriam e acreditava que era ai onde estava a escencia da arte latinoamerica. Foi no México onde pintou Naturaleza muerta con mandolina”, descobre a possibilidade de aumentar o volume. Um dia esgotado de tanto trabalho fez uma pequena marca no centro da mandolina que estava desenhando, subitamente viu que esse pequeño ponto tinha por onde sai o som do instrumento, tinha dado o volume e a solidez que acabaria dando a proporção “boteriana” que seria o ponto central do estilo que leva seu nome “estilo boteriano”, é a volumetria do seu estilo. “Foi como atravesar uma porta para entrar em outro quarto”. 66
  67. 67. Anish Kapoor - "Ascension" Anish Kapoor diz que quer fazer objetos e instalações que pareçam importados "de outro mundo". Esta é mais ou menos a sensação que se tem ao olhar para cima, na cúpula circular do CCBB (Centro Cultural Banco do Brasil) do Rio, e ver subir, em espiral, um fio de fumaça rumo ao céu estrelado (veja fotos no álbum ao lado) visível por conta do teto de vidro, também formando um círculo no centro do prédio. Batizada de "Ascension", a instalação dá nome à exposição do artista plástico indiano-britânico, um dos mais importantes escultores contemporâneos do mundo. Esta é a primeira mostra em uma galeria que ele faz no Brasil - antes, participou duas vezes da Bienal Internacional de São Paulo (em 1983 e em 1996) Conhecido por obras de grande porte apresentadas tanto em importantes museus e galerias - como a londrina Tate Modern e o nova-iorquino MOMA - quanto em espaços públicos, o artista traz para o Brasil instalações, esculturas e o único vídeo de sua carreira, que exploram, por meio de diferentes formas e materiais, as relações e sensações espaciais, o resultado da interação do indivíduo com seu trabalho, com o objetivo, segundo o artista, de abordar o "o medo da inconsciência, do vazio", e a descrição do "vácuo". Entre os trabalhos da exposição há três obras inéditas, entre67elas a instalação "Ascension"..
  68. 68. Anish Kapor no CCBB Rio de Janeiro 68
  69. 69. Anish Kapor (1954) 69
  70. 70. 70
  71. 71. Gravura Gravura é uma imagem representando algo, como pintura, desenho, relevos, etc. O material pode variar e classifica-se a gravura de acordo com o material de 71
  72. 72. Gravura em metal de Paula Almozara, 1989 72
  73. 73. Gravura em metal de aluno de Gravura da Escola de Belas Artes da UFMG (EBA). 73
  74. 74. Xilogravura é a técnica de gravura na qual se utiliza madeira como matriz e possibilita a reprodução da imagem gravada sobre papel ou outro suporte adequado. È um processo muito parecido com um carimbo. É uma técnica em que se entalhar na madeira, com ajuda de instrumento cortante, a figura ou forma (matriz) que se pretende imprimir. Em seguida usa-se um rolo de borracha embebecida em tinta, tocando só as partes elevadas do entalhe. O final do processo é a impressão em alto relevo em papel ou pano especial, que fica impregnado com a tinta, revelando a figura. Entre as suas variações do suporte pode-se gravar em linóleo (linoleogravura) ou qualquer outra superfície plana. A xilogravura popular é uma permanência do traço medieval da cultura portuguesa transplantada para o Brasil e que se desenvolveu na literatura de cordel. xilogravura- Escher 74
  75. 75. Xilogravuras de Maurits Cornelis Escher (artista conhecido pelas suas xilogravuras, litografias e meiostons (mezzotints), que tendem a representar construções impossíveis, preenchimento regular do plano, explorações do infinito e as metamorfoses padrões geométricos en trecruzados que se transformam gradualmente para formas completamente diferentes. Ele também era conhecido pela execução de transformações geométricas (isometrias) nas suas obras. 75
  76. 76. No ano de 2011, no Centro Cultural Banco do Brasil, no centro de São Paulo, esteve aberta a exposição denominada “O Mundo Mágico de Escher”, que contava com diversas obras do artista holandês que fez história graças aos seus trabalhos confusos e que pregam peças em nossa visão. Tudo isso utilizando apenas de perspectiva e pontos de vista diferentes. 76
  77. 77. Maurits Cornelis Escher 77
  78. 78. 78
  79. 79. 79
  80. 80. Uma prensa usada na litografia Litografia(Do grego -lithos pedra e -graféin grafia, escrita) é um tipo de gravura. Essa técnica de gravura envolve a criação de marcas (ou desenhos) sobre uma matriz (pedra calcária) com um lápis gorduroso. A base dessa técnica é o princípio da repulsão entre água e óleo. Ao contrário das outras técnicas da gravura, a Litografia é plano gráfica, ou seja, o desenho é feito através do acúmulo de gordura sobre a superfície da matriz, e não através de fendas e sulcos na matriz, como na xilogravura e na gravura em metal. Seu primeiro nome foi poli autografia significando a produção de múltiplas cópias de manuscritos e desenhos originais. 80 Prensa usada na litografia
  81. 81. Uma pedra litográfica na prensa Pedra litográfica na prensa 81
  82. 82. Serigrafia ou silk-screen é um processo de impressão no qual a tinta é vazada – pela pressão de um rodo ou puxador – através de uma tela preparada. A tela (Matriz serigráfica), normalmente de poliéster ou nylon, é esticada em um bastidor (quadro) de madeira, alumínio ou aço. É utilizada na impressão em variados tipos de materiais (papel, plástico, borracha, madeira, vidro, tecido, etc.). Pode ser feita de forma mecânica (por pessoas) ou automática (por 82 máquinas).
  83. 83. 83
  84. 84. Fim

×