9o. ano história da fotografia

1,882 views

Published on

9o. Ano- História da fotografia

Published in: Education
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
1,882
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
3
Actions
Shares
0
Downloads
49
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

9o. ano história da fotografia

  1. 1. História da fotografia “A Fotografia, o declínio da artenaturalista e a ruptura com a arte acadêmica” 9º. Ano do Ensino Fundamental Professora Elisa B. Herrera 1
  2. 2. A Fotografia Uma invenção que influenciou as mudanças de rumo da arte no século XIXA fotografia, mais um dos frutos da Revolução Industrial, talveztenha sido o descobrimento mais revolucionário dos últimos 500anos. A partir dela a arte de pintar foi inteiramente transformada elevada a repensar o seu próprio sentido. Antes da fotografia, pintarera reproduzir o mundo da forma mais naturalista possível. Osartistas especializavam-se nos detalhes, no perfeccionismo, nassutilezas, na reprodução fiel e idêntica à natureza. Eranecessariamente um processo complicado, lento, caro, difícil, eapenas bons pintores possuíam capacidade para esta tarefa. 2
  3. 3. A invenção da máquina fotográficaO ponto de partida para a invenção da fotografia foramos trabalhos do pintor e físico francês Daguerre (1787-1851), no ano de 1839, na França. O primeiro processode fixar imagens na câmara escura, aparelho primitivode reprodução exata das imagens, chamou-sedaguerreótipo e consistia numa peça única com umprocesso caro de obtenção da imagem. A burguesia viunesse invento uma oportunidade de perpetuar a suaimagem, como os nobres faziam ao contratar ospintores para fazer seus retratos. Nas décadas de 1850e 1860, com o aprimoramento dos recursos técnicos,houve um barateamento dos custos de um retrato, oque o tornou acessível a um grande número de pessoase apressou a divulgação da fotografia pelo mundo afora. 3
  4. 4. Quando surge a fotografia, ela cria algo que parecia até entãoimpossível. Fixa cenas que estão acontecendo e de maneira rápida,barata e acessível as pessoas. É a partir dela que vão sedesenvolver outros mecanismos de constituição da imagem, comoo cinema, até que a eletrônica altere radicalmente essa forma dereprodução do mundo. Nas cidades europeias do final do séculoXIX e início do século XX, o ritmo de vida se acelerou a partir daexpansão dos meios de transporte – a carruagem e, mais tarde, otrem. Através das janelas os homens veem as imagens tornarem-secada vez mais rápidas devido à velocidade dos veículos. Issoalterou significativamente a sua forma de ver o mundo. 4
  5. 5. A fotografia consegue deter esse processo deaceleração de imagens que passam pela nossa frente,através do trem e depois do automóvel, e fixá-las. Apintura não tinha essa capacidade de apreender cenasque aconteciam muito rapidamente. A máquinafotográfica congela uma ou muitas cenas e consegueestabelecer um momento de contemplação daquele/sfragmento/s da realidade veloz que foram capturados eagora se encontram estáticos. 5
  6. 6. FOTO/GRAFIA = ESCRITA DA LUZDa fotografia surgiu o cinema, que grosso modo não passa de umasérie de fotografias colocadas em sequencia (24 poses porsegundo), a tal ponto que sua exibição num certo ritmo provoca ailusão de movimento. A fotografia inicia, segundo o filósofo WalterBenjamim, a “era da reprodutibilidade técnica”, onde as imagensnão mais são produzidas em escala artesanal, pelas mãos dohomem, mas, em série, como a intermediação da máquina,mudando a nossa concepção sobre o tempo, sobre o mundo quenos cerca e sobre nós mesmos. 6
  7. 7. Uma das primeiras fotografias realizadas com odaguerreótipo 27 máquina, mudando a nossaconcepção sobre o tempo, sobre o mundo que noscerca e sobre nós mesmos.Mas, por mais técnica que seja a fotografia, nãopodemos esquecer que quem manipula e opera estamáquina é o ser humano, com toda sua subjetividadee intencionalidade. 7
  8. 8. Louis Jacques Daguerre (1787-1851)-Uma das primeiras fotografias realizadas com o daguerreotipo. 8
  9. 9. Foto tirada em 1825 por Joseph Niepce, parte do acervo da Biblioteca Nacional Francesa.No dia 9 de maio de 1816, o francês Joseph Nicéphore Niepce conseguiu, pela primeira vezna história, gravar uma imagem com ajuda de uma caixa de madeira numa folha de papel sensibilizado quimicamente. 9
  10. 10. •A FOTOGRAFIA CHEGA AO BRASILA criação do daguerreótipo, em 1839, é considerada o pontode partida da fotografia. Acredita-se que a fotografia tenhachegado ao Brasil em 1840.Inicialmente, a produção de imagens por meio de umamáquina fotográfica era muito cara, apenas os mais ricosencomendavam seus retratos, assim como os nobrescontratavam pintores para fazer seus retratos. Nas décadas de1850 e 1860, com o aperfeiçoamento técnico, esse tipo dereprodução tornou-se acessível a um maior número maior depessoas. No Brasil, o passo seguinte foi o documentofotográfico, isto é, o registro fotográfico de ruas e regiões dascidades brasileiras. Nesse campo destacam Marc Ferrez eMilitão Augusto de Azevedo. 10
  11. 11. •O Rio antigo visto por Marc FerrezBoa parte das imagens do Brasil do século XIX queconhecemos foi captada pelas lentes do fotógrafo franco-brasileiro Marc Ferrez (1843 — 1923). De 1863 a 1915,Ferrez registrou paisagens urbanas e rurais do Pará ao RioGrande do Sul. Nesse período, cobriu boa parte do territórionacional a serviço da Marinha e da Comissão Geológica doImpério. Metade de seu trabalho mostra o Rio de Janeiro. 11
  12. 12. São dele muitos dos primeiros cartões-postais dacapital imperial e um dos retratos maisconhecidos do escritor Machado de Assis. Suaobra constitui o mais importante acervo deimagens brasileiro nos primeiros anos dafotografia. Graças ao arquivamento cuidadoso denegativos e reproduções, das 5.500 imagens queele deixou, 80% estão em perfeitas condições. 12
  13. 13. Marc FerrezRetratou cenas dosperíodos doImpério e início daRepública, entre1865 e 1918, sendo Praia de Copacabana, 1895que seu trabalho éum dos maisimportanteslegados visuaisdaquelas épocas. 13
  14. 14. Arcos da Lapa 14
  15. 15. 15
  16. 16. Marc Ferrez: O Corcovado, século XIX 16
  17. 17. Pão de Açúcar 17
  18. 18. Praia de Ipanema 18
  19. 19. Morro da Urca 19
  20. 20. No alto dos 710 metros do Corcovado, Ferrez usou uma câmera panorâmica para captar a Enseada de Botafogo, em 1885, quando o Pão de Açúcar ainda estava longe de ter bondinho.Avenida Central (atual RioBranco), no Rio. Em 1910,ela era repleta deconstruções em estiloneoclássico. 20
  21. 21. Marc FerrezJornais, 1899 21
  22. 22. •Militão Augusto de Azevedo (1837-1905)Tem como obra importante o Álbum comparativo da cidade de SãoPaulo, em que mostra fotos de um mesmo local tiradas dos mesmosângulos mas em ocasiões diferentes. Ele documenta, assim, asmudanças que a cidade sofreu entre os anos de 1862 e 1887.A fotografia brasileira desenvolveu-se muito na passagem para oséculo XX e esteve presente em exposições internacionais. Exemplodisso é o trabalho de Valério Vieira (1862-1941) que criou ainteressante fotomontagem Os trinta Valérios. Em 1908, Valérioganhou o primeiro premio na Exposição Nacional do Rio de Janeirocom uma fotografia de 12 metros de extensão chamada Panoramada cidade de São Paulo. 22
  23. 23. Os trinta Valérios (1890) fotomontagem de Valério Vieira, arquivo de Maria Lucia Vieira –Repare que aparecem 30 personagens e todos tem o rosto do fotógrafo. 23
  24. 24. Santos vista da Ilha Barnabé – Militão Augusto Azevedo 1864 24
  25. 25. Militão Augusto de Azevedo-Vista em direção ao Largo São Francisco, São Paulo 25
  26. 26. 26
  27. 27. Henry Cartier-Bresson (1908-2004)Seu trabalho caracterizou-se, como elepróprio dizia, pela captura do “momentodecisivo”.Esta foto revela um momento comum:um casal se beijando num bar e ocachorro atento ao beijo, é ummomento breve, mas que o fotografo oeternizou como uma imagem decarinho.Boulevar Diderot, (1969) 27
  28. 28. Behind The Gare Saint- Lazare (1932), por Bresson: Place de l´ Europe (1932)Uma cena do cotidiano de umacidade, uma pessoa tentando saltarpoças de água.Veja, como o fotógrafo conseguiu fixaresse ação, que é muito rápida e criouuma imagem interessante. Note aindacomo ele produziu efeitos de sombrae claridade. 28
  29. 29. Ao combinar oinstantâneo fotográficocom uma filosofia doinstante decisivo,Cartier-Bresson abriu umenorme continente paraa fotografia no universodas artes.Observe a expressão dasenhora olhando paramoça sentada, em lugarde estar lendo seupróprio jornal. 29
  30. 30. A Bordo da Marne, 1938 - Henri Cartier-Bresson -os trabalhadores cansados emJuvisny passando uma preguiçosa tarde às margens do rio Marne. 30
  31. 31. 31
  32. 32. The Vulture (1994), por Kevin Carter:Esta foto, ganhadora do prêmio Pulitzer de 1994 mostra uma criança famintatentando se locomover para chegar até a área onde ficava guardada a comida nocampo das Nações Unidas, localizado 1km a frente. O abutre está notoriamentefitando a criança, esperando qualquer momento de deslize para entrar em ação e sealimentar. Ninguém sabe o que aconteceu com a criança, inclusive o própriofotógrafo Kevin Carter, que deixou o local logo após a fotografia ser tirada. Trêsmeses depois, o autor da imagem entra numa depressão tão profunda que o leva aosuicídio, e eu seu diário foram encontrados os seguintes dizeres: “Dear God, Ipromise I will never waste my food no matter how bad it can taste and how full Imay be I pray that He will protect this little body, guide and deliver him away fromhis misery. I pray that we will be more sensitive towards the world around us and notbe blinded be our own selfish nature and interests.” Que na tradução significa algocomo dizer que nunca mais na vida iria desperdiçar comida, mesmo que o gosto 32esteja ruim, etc.
  33. 33. 33
  34. 34. Etapa final daconstrução do Cristo Redentor. 34
  35. 35. As imagens que valem mais que mil palavras....... Guerra do Vietnã (1972), Christopher Wain: Kim Phuc, a menina vietnamita que é vista em uma foto icônica fugindo nua de um ataque a bomba durante a Guerra no Vietnã em 1972. 35
  36. 36. Omayra Sánchez (1985), por Frank Fournier:Omayra Sánchez foi uma das 25 mil vítimas do vulcão Nevado del Ruiz na Colômbia, queentrou em erupção no dia 14 de novembro de 1985. Omayra tinha 13 anos de idade naépoca e ficou presa em destroços de concreto e água por 3 dias. A imagem foi feita logoantes dela morrer, e o trabalho do fotógrafo de registrar causou uma controvérsia nomundo por causa do aparente descaso do governo Colombiano. 36
  37. 37. Tianasquare (1989), por Jeff Widene:Um homem bloqueia a coluna detanques indo para o leste de Beijing’sChang’an Boulevard (Avenida da PazEterna) próximo a Tiananmen Squaredurante os protestos de TiananmenSquare protestos, em 1989. Estafotografia foi tirada do sexto andardo Beijing Hotel, com uma distânciade aproximadamente 1,6km atravésde uma lente de 400mm. Dá pra veras bolsas na mão esquerda dele,indicando que ele estava indo pracasa voltando do shopping. Não sesabe o nome do rapaz. A foto foitirada em 5 de junho de 1989, porJeff Widene. 37
  38. 38. WorldTradeCenter(2001):o ataque 38
  39. 39. Afghan Girl (1984), por SteveMcCurry:Com certeza você já viu estafoto. Feita pelo fotógrafo SteveMcCurry, da NationalGeographic, Gula era uma dasestudantes de uma escolainformal em um campo derefugiados; como o costumelocal é esconder o rosto,imagens assim de moçasafegãs são absolutamentedifícil de serem feitas, aindamais por um fotógrafo vindode fora. Na época, SharbatGula tinha 12 anos de idade;tornou-se capa da revistaNational Geographic no anoseguinte, e sua identidade foidescoberta depois, em 1992. 39
  40. 40. The Plight of Kosovo refugees (1999), por Carol Guzy:A foto mostra como um refugiado do Kosovo chamado Agim Shala, de 2 anos deidade, passa por uma cerca de arame farpado nas mãos dos avós em umacampamento dirigido por Emirados Árabes Unidos em Kukes, Albânia. Os membrosda família Shala foram reunidos depois de fugir do conflito em Kosovo. 40
  41. 41. Dorothea Lange – Migrant Mother (1936)FAMOSO RETRATO DA “GRAN DEPRESÃO” 41
  42. 42. A fotografia à seguir é V-J Day In Times Square (1945), por Alfred Eisenstaedt:Esta é uma famosa fotografia de Alfred Eisenstaedt que retrata um marinheironorte-americano beijando uma jovem mulher em um vestido branco no Dia V-J naTimes Square em 14 de agosto de 1945. A fotografia foi originalmente publicadauma semana após na revista Life, entre muitas fotografias das celebrações emtorno do país que foram apresentados em uma seção de doze páginas chamadaVictory.A pose beijando era a favorita dos fotógrafos que cobriam a guerra na época emuitos deles incentivavam as pessoas a fazer esta pose, mas Eisenstaedt estavafotografando um acontecimento espontâneo, que ocorreu em Times Square comoo anúncio do fim da guerra contra o Japão feito pelo Presidente Truman. 42
  43. 43. FIM DA2ª GUERRA MUNDIALAlfred Eisenstaedt - The Kiss (1945) O beijo 43
  44. 44. Philippe Halsman - Dalí Atomicus (1948) 44
  45. 45. Alberto Korda - Che Guevara (1960)“HASTA LA VICTORIA SIEMPRE” 45
  46. 46. Gente que faz a noticia.....com imagens 46
  47. 47. SebastiãoSalgadoSebastião Salgado presenteia opresidente Lula com seu novo livro Sebastião Salgado no Fórum Socialem 31 de outubro de 2006. Mundial, em 2002. 47
  48. 48. Sebastião SalgadoNasceu em Aimorés, 8 de fevereiro de 1944, é um fotógrafobrasileiro reconhecido mundialmente por seu estilo único defotografar. Nascido em Minas Gerais, é um dos mais respeitadosfoto jornalistas da atualidade. Nomeado como representanteespecial do UNICEF em 3 de abril de 2001, dedicou-se a fazercrônicas sobre a vida das pessoas excluídas, trabalho que resultouna publicação de dez livros e realização de várias exposições, tendorecebido vários prêmios e homenagens na Europa e no continenteamericano. "Espero que a pessoa que entre nas minhas exposiçõesnão seja a mesma ao sair" diz Sebastião Salgado. "Acredito queuma pessoa comum pode ajudar muito, não apenas doando bensmateriais, mas participando, sendo parte das trocas de ideias,estando realmente preocupada sobre o que está acontecendo nomundo". 48
  49. 49. Pela Objetiva de Sebastião SalgadoEm toda situação de crise, seja guerra, miséria ou desastre natural, as crianças são asmaiores vítimas. Todo fotógrafo que já tenha trabalhado entre refugiados verificou queas crianças ao verem uma câmara, dão pulos de alegria, riem, acenam, empurram-seumas às outras na esperança de serem fotografadas. No decorrer de minhas viagens,repetidas vezes encontrei situações em que as crianças não tinham razões para sentiresperança. O futuro das crianças refugiadas é particularmente incerto. Esse paradoxofoi o ponto de partidas dessas fotos que fazem parte de um longo ensaio".FOTOS: SEBASTIÃO SALGADO/ AMAZONAS IMAGENSwww.memorial.sp.gov.br/.../24/port/12-exodo.htm 49
  50. 50. 50
  51. 51. 51
  52. 52. 52
  53. 53. Sua preocupação com apreservação ambiental ea matança das baleias. 53
  54. 54. 54
  55. 55. 55
  56. 56. Os caras pintadas 56
  57. 57. Fim 57

×