0
Principais
Oportunidades em
CUBA
1
Índice
1. Objetivo.........................................................................................................
2
1. Objetivo
Este trabalho tem como objetivo a definição das oportunidades para os exportadores brasileiros em Cuba, tend...
3
Fonte: ONE. Elaboração: UIC, Apex-Brasil Fonte: ONE. Elaboração: UIC, Apex-Brasil
3. Balança Comercial
O Brasil é atualm...
4
4. Oportunidades Identificadas
Para estabelecer as oportunidades em cada mercado, primeiramente classificaram-se as expo...
5
Tabela 1.4 - Subgrupos de produtos classificados como “a desenvolver”
Fonte: GTIS. Elaboração: UICC, Apex-Brasil.
Por ou...
6
Tabela 1.6 – Classificação dos grupos de produtos de exportações expressivas
Fonte: GTIS. Elaboração: UICC, Apex-Brasil....
7
Tabela 1.7 – Classificação dos subgrupos de produtos dos grupos a “consolidar”
Fonte: GTIS. Elaboração: UICC, Apex-Brasi...
8
grupo de produtos apresenta maiores possibilidades para o aumento das exportações brasileiras e, portanto, são
detalhado...
9
Por fim, os subgrupos produtos classificados como “consolidados” podem ser encontrados nas Tabelas 1.9. Apesar
de se tra...
10
pagamento das importações e deve ser solicitada com um prazo mínimo de 16 dias antes da assinatura do contrato
com o fo...
11
adequado com as corporações aptas a realizar importações em cada segmento constitui um dos pilares para o
sucesso dos n...
12
O grupo Cimex9
é a maior corporação cubana, contando com empresas na área de logística, armazenagem,
desembaraço aduane...
13
licença exclusiva para operar nos free-shops dos aeroportos cubanos. No segmento financeiro, controla o Banco
Financier...
14
O ITH – Instituto Tecnológico Hoteleiro é responsável pela autorização de importação do sistema hoteleiro. Este
institu...
15
ANEXO
Tabela-Resumo da Metodologia de Levantamento das Oportunidades
Fonte: GTIS. Elaboração: UICC, Apex-Brasil.
Tipolo...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Oportunidades de negócios em Cuba

3,247 views

Published on

Published in: Business, Travel
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
3,247
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
64
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Oportunidades de negócios em Cuba

  1. 1. 0 Principais Oportunidades em CUBA
  2. 2. 1 Índice 1. Objetivo.....................................................................................................................................................2 2. Perfil de Cuba............................................................................................................................................2 3. Balança Comercial.....................................................................................................................................3 4. Oportunidades Identificadas.....................................................................................................................4 5. Compras públicas e trâmites de importação............................................................................................9 ANEXO.........................................................................................................................................................15
  3. 3. 2 1. Objetivo Este trabalho tem como objetivo a definição das oportunidades para os exportadores brasileiros em Cuba, tendo em vista auxiliar as empresas e entidades parceiras que irão participar da XXVII Feira Internacional de Havana – FIHAV, que acontecerá de 02 a 07 de novembro de 2009. 2. Perfil de Cuba Cuba é a maior ilha das Antilhas, localizada no mar do Caribe. Limita-se a Norte com o Golfo do México, o estreito da Flórida e o Oceano Atlântico, que a separa das Bahamas, a leste com o Canal do Vento, a Sul com o mar das Caraíbas e a Oeste com o canal de Yucatán. O território de Cuba compreende a ilha de Cuba, a da Juventude e os pequenos arquipélagos de Sabana, Camaguey, dos Canarreos e dos Jardins da Rainha. A área total é de 109,9 mil km21 . Principais Cidades: Havana, Santiago de Cuba, Las Tunas, Camagüey e Holguín. Dados Sócio-Econômicos: • Moeda: Peso Cubano (CUP)2 e Peso Conversível (CUC)3 • Inflação (2007)1 : 2,8% • PIB4 (2008)1 :: US$ 62,7 bilhões5 • Crescimento da economia (2008)1 : 4,3% • Renda per capita estimada (2007)1 : US$ 5.210,00 • População (2008)1 : 11,2 milhões de habitantes Principais países fornecedores (2008)1 : Venezuela(28,9%);Espanha(8,7%), China (6,6%), Panamá(5,7%) e Canadá(5,6%). (ver gráfico 1) Principais destinos das exportações cubanas (2008)1 : Canadá (20,9%); China (18,4%); Venezuela (11,3%); Países Baixos (7,8%); Espanha (5,4%).(ver gráfico 2) 1 ONE: Oficina Nacional de Estadísticas de Cuba, Escritório Nacional de Estatísticas de Cuba 2 Utilizada nas transações internas do país. 3 Utilizada nas transações externas do país e no turismo. CUC 1,002 = US$1,00 (16/09/08, Banco Central do Brasil) 4 PIB – Produto Interno Bruto 5 Para conversão foi utilizado o CUC, com a proporção 1:1
  4. 4. 3 Fonte: ONE. Elaboração: UIC, Apex-Brasil Fonte: ONE. Elaboração: UIC, Apex-Brasil 3. Balança Comercial O Brasil é atualmente o oitavo maior fornecedor de produtos para Cuba e as relações comerciais entre os dois países vêm se intensificando nos últimos anos, com um crescimento das exportações brasileiras para Cuba. No período de 2003 a 2008, o crescimento médio anual das exportações brasileiras para Cuba foi de aproximadamente 50%, enquanto que de 2007 para 2008 houve um aumento significativo: 63%. O total exportado para a ilha em 2008 foi de US$ 526,85 milhões e está concentrado principalmente em alimentos, sendo os principais: óleo de soja, café, carne de aves, arroz, açúcar e leite. Fonte: ALICE-Web. Elaboração: UIC, Apex-Brasil 28.9% 8.7% 6.6% 5.7%5.6% 5.6% 4.1% 3.5% 3.4% 3.3% 24.6% 1- Venezuela 2- Espanha 3- China 4- Panamá 5- Canadá 4- EUA 7- Jamaica 8- Brasil 9- Países Baixos 10-Itália Outros Totaldas importações:US$14,2bi 21% 18% 11% 8% 5% 3% 2% 2% 2% 1% 27% 1-Canadá 2-China 3-Venezuela 4-Países Baixos 5-Espanha 6-Cingapura 7-Antilhas Holandesas 8-Itália 9-Rússia 10- Panamá Total das exportações:US$3,7bi 132 246 344 324 527 0 100 200 300 400 500 600 2004 2005 2006 2007 2008 EmUS$Milhões Gráfico 1 – Principais fornecedores de Cuba Gráfico 2 – Principais destinos das exportações de Cuba Gráfico 3 –Evolução das exportações brasileiras para Cuba
  5. 5. 4 4. Oportunidades Identificadas Para estabelecer as oportunidades em cada mercado, primeiramente classificaram-se as exportações brasileiras em dois grupos: as incipientes e expressivas. Neste último grupo, inserem-se aquelas em que o desempenho brasileiro é comparativamente mais incisivo; em outras palavras, trata-se de produtos com participação das exportações brasileiras superiores a 1% das importações do mercado-alvo, presença dentre os 75% dos produtos com maior participação no mercado-alvo e, continuidade de exportações. Os demais produtos são incorporados às exportações incipientes. Esta primeira subdivisão pode ser encontrada na Tabelas 1.1. Tabela 1.1 - Classificação de produtos importados por Cuba Fonte: GTIS. Elaboração: UICC, Apex-Brasil. No que se refere às exportações incipientes, os produtos são organizados em grupos e subgrupos e classificados em "a desenvolver" e “outros” (não destacados), segundo seu dinamismo e Vantagem Comparativa revelada (VCR). Estes conceitos e detalhes metodológicos de seu cálculo podem ser encontrados na Tabela-Resumo da Metodologia de Levantamento das Oportunidades, apresentada em anexo. Em relação aos mercados ora em análise, a divisão dos grupos e subgrupos das exportações incipientes é apresentada nas tabelas 1.2 e 1.3. Tabela 1.2 - Classificação dos grupos de produtos de exportações incipientes Fonte: GTIS. Elaboração: UICC, Apex-Brasil. Tabela 1.3 - Classificação dos subgrupos de produtos de exportações incipientes dos grupos “a desenvolver” Fonte: GTIS. Elaboração: UICC, Apex-Brasil. Por sua vez, dentre os grupos “a desenvolver”, a Tabela 1.4 lista os subgrupos de mesmo nome, considerados oportunidades no âmbito das exportações ditas incipientes. Classificação Qtd. de SH6 % de Sh6 Importações Totais Cuba 2009 (US$) % de Importações Totais Cuba 2009 Exportações Brasileiras para Cuba 2009 (US$) % das Exportações Brasileiras para Cuba 2009 (US$) Expressivos 370 7,98% 1.587.518.649,00 15,60% 243.332.123 76,17% Incipientes 4269 92,02% 8.586.072.853,00 84,40% 76.106.574 23,83% Total 4639 100,00% 10.173.591.502,00 100,00% 319.438.697 100,00% Classificação No. de Grupos Procentagem do No. de Grupos Valor das Importações Cubanas Incipientes em 2008 (US$) Porcentagem do Valor das Importações Cubanas em 2008 A desenvolver 4 5,88% 236.691.799,00 2,76% Demais 64 94,12% 8.349.381.054,00 97,24% Total 68 100,00% 8.586.072.853,00 100,00% Classificação No. de Subgrupos Procentagem do No. de Subgrupos Valor das Importações Cubanas em 2008 (US$) Porcentagem do Valor das Importações Cubanas de Grupos "A desenvolver" em 2008 A desenvolver 5 2,60% 114.701.023,00 1,34% Demais 187 97,40% 8.471.371.830,00 98,66% Total 192 100,00% 8.586.072.853,00 100,00%
  6. 6. 5 Tabela 1.4 - Subgrupos de produtos classificados como “a desenvolver” Fonte: GTIS. Elaboração: UICC, Apex-Brasil. Por outro lado, no que concerne às exportações expressivas, os produtos foram divididos em cinco categorias: “consolidados”, “a consolidar”, “em risco”, “em declínio” e “desvio de comércio”, definidos segundo seu volume exportado e crescimento do fluxo comercial. Essa classificação é mostrada nas tabelas 1.5, 1.6, 1.7. Tabela 1.5 – Classificação dos grupos de produtos de exportações expressivas Fonte: GTIS. Elaboração: UICC, Apex-Brasil. GRUPOS DE PRODUTOS SUBGRUPOS DE PRODUTOS Valor importado pelo mercado em 2008 (U$S) Quantidade SH6 DINAMISMO VCR METAIS NÃO-FERROSOS Alumínio em bruto 1.468.025,00 1 Muito dinâmico 6,22 AVIÕES Aviões 57.327.761,00 3 Dinâmico 2,62 FARINHAS PARA ANIMAIS Farinhas para animais 39.250.444,00 11 Intermediário 0,80 METAIS NÃO-FERROSOS Ligas de alumínio 16.006.462,00 1 Muito dinâmico 2,51 OUTROS PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL Outros produtos de origem animal 648.331,00 10 Intermediário 3,18 Classificação Importações Totais do Mercado em 2008 (US$) (A) Exportações Brasileiras para o Mercado em 2008 (US$) (B) No. de Grupos Particpação (B)/(A) A consolidar 1.051.709.745,00 132.657.427,00 13 12,61% Consolidado 125.006.724,00 66.759.461,00 3 53,40% Desvio de comércio 222.968.447,00 19.971.547,00 2 8,96% Em declínio 65.623.418,00 1.443.951,00 2 2,20% Em risco 15.658.827,00 5.757.446,00 1 36,77% Total 1.480.967.161,00 226.589.832,00 21 15,30%
  7. 7. 6 Tabela 1.6 – Classificação dos grupos de produtos de exportações expressivas Fonte: GTIS. Elaboração: UICC, Apex-Brasil. GRUPO DE PRODUTOS Valor importado pelo mercado em 2006 (U$S) Exportações Brasileiras para o Mercado em 2006 (U$S) Nº SH6 Crescimento Médio das exp. do Brasil 2003- 2006 (%) Participação Brasileira em 2006 (%) Principal Concorrente Participação do Principal Concorrente em 2006 (%) VCR Brasil VCR Principal Concorrente Classificação BEBIDAS DESTILADAS 4.030.371,00 875.473,00 4 2.462,99 21,72 Espanha 32,12 0,05 0,68 A consolidar BORRACHA E SUAS OBRAS 60.143.351,00 4.162.873,00 11 28,89 6,92 China 27,64 1,83 1,13 A consolidar CAFÉ 15.658.827,00 5.757.446,00 2 25,99 36,77 Vietnã 40,26 23,78 45,49 Em risco CALÇADOS E SUAS PARTES 68.060.168,00 9.860.809,00 7 16,66 14,49 China 66,11 3,59 4,07 A consolidar CARNE DE AVES 110.427.829,00 13.353.837,00 5 33,79 12,09 EUA 85,53 30,73 2,41 A consolidar HIGIENE PESSOAL E COSMÉTICOS 21.832.922,00 12.450.408,00 5 218,41 57,03 Rep. Dominicana 9,06 0,64 1,99 Consolidado INSTRUMENTOS DE PRECISÃO 30.552.869,00 1.987.581,00 13 21,34 6,51 Alemanha 16,97 0,21 1,21 A consolidar LEITE E LATICÍNIOS 91.575.481,00 9.649.532,00 3 1.944,46 10,54 Nova Zelândia 42,24 0,56 75,49 A consolidar MÁQUINAS E MOTORES 187.906.193,00 18.186.984,00 47 63,88 9,68 Espanha 19,21 1,39 1,03 A consolidar MASSAS ALIMENTÍCIAS E PREPARAÇÕES ALIMENTÍCIAS 25.049.835,00 7.368.129,00 9 62,19 29,41 Chile 14,43 0,42 1,04 A consolidar MATERIAIS ELÉTRICOS E ELETRO- ELETRÔNICOS 224.770.269,00 43.805.863,00 51 164,16 19,49 Espanha 16,65 0,51 0,96 A consolidar METAIS NÃO- FERROSOS 39.340.540,00 693.858,00 8 -5,26 1,76 México 49,03 0,38 0,56 Em declínio MÓVEIS 55.002.267,00 5.407.296,00 11 13,80 9,83 Espanha 24,97 1,15 1,17 A consolidar PAPEL E CELULOSE 56.047.261,00 19.157.604,00 17 22,13 34,18 Espanha 21,18 1,71 1,18 Consolidado PLÁSTICOS E SUAS OBRAS 91.352.464,00 4.958.406,00 19 23,40 5,43 Espanha 27,11 0,67 1,20 A consolidar PREPARAÇÕES DE CARNES, PEIXES E CRUSTÁCEOS 47.126.541,00 35.151.449,00 7 71,58 74,59Estados Unidos 7,25 7,81 0,74 Consolidado PRODUTOS CERÂMICOS 33.466.953,00 3.060.544,00 3 -10,05 9,14 China 42,50 2,77 0,97 Desvio de comércio PRODUTOS METÁLURGICOS 36.069.846,00 2.280.073,00 22 23,24 6,32 Espanha 28,91 0,77 1,32 A consolidar SOJA (grãos, óleos e farelo) 66.768.802,00 10.760.571,00 2 9.060,15 16,12Estados Unidos 79,95 31,08 4,97 A consolidar TINTAS 26.282.878,00 750.093,00 5 -20,88 2,85 Espanha 52,78 0,63 1,24 Em declínio VEÍCULOS AUTOMOTORES E SUAS PARTES 189.501.494,00 16.911.003,00 17 19,85 8,92 China 34,52 1,27 0,11 Desvio de comércio
  8. 8. 7 Tabela 1.7 – Classificação dos subgrupos de produtos dos grupos a “consolidar” Fonte: GTIS. Elaboração: UICC, Apex-Brasil. De um modo geral, essas categorias avaliam o posicionamento do Brasil em relação a seus concorrentes em cada grupo de produtos, tomando-se em consideração a participação brasileira e a do principal concorrente nas importações do mercado no último ano do período de análise e o crescimento médio das exportações brasileiras contra o crescimento médio das exportações dos concorrentes. Outro critério utilizado na classificação dos grupos de produtos é a especialização do Brasil na exportação de produtos daquele grupo contra a especialização exportadora do principal concorrente, definida a partir do cálculo do VCR de cada país. Estabeleceu-se como um grupo de produtos “consolidado” aquele em que o Brasil já atingiu uma participação de mercado de no mínimo 30% e em que o crescimento médio das exportações brasileiras acompanhe ou supere o crescimento médio das exportações dos concorrentes nos anos considerados. A característica principal desses grupos é a de que eles já gozam de uma situação confortável no mercado-alvo, a qual demanda esforços apenas para sua manutenção. Em contraposição, grupos de produtos “em risco” são os casos em que o Brasil também tem uma participação de mercado igual ou superior a 30%, mas o crescimento médio das exportações dos concorrentes supera em mais de 50% o crescimento médio das exportações brasileiras, o que significa que a posição brasileira encontra-se ameaçada. Caracteriza-se o “desvio de comércio” em qualquer situação em que o crescimento médio das exportações brasileiras seja inferior ao das exportações dos concorrentes, sendo que o Brasil apresenta vantagens na exportação do grupo de produtos observado, ao contrário de seu principal concorrente. Isso indica que há algum elemento não determinado pela simples observação dos fluxos comerciais globais favorecendo nosso principal concorrente naquele mercado específico (como acordos comerciais, proximidade geográfica, etc.), o qual provavelmente demanda um esforço distinto da promoção comercial para essa situação ser contornada pelo Brasil. Ainda, um grupo de produto estará “em declínio” se tanto o Brasil como seu principal concorrente estão em semelhantes condições no que se refere à especialização na exportação do grupo de produtos e o crescimento médio das exportações brasileiras é negativo. O grupo de produtos também estará “em declínio” caso o crescimento das exportações brasileiras seja positivo, porém pequeno (inferior a 15%), e metade da taxa de crescimento dos concorrentes. Os demais grupos de produtos serão classificados como “a consolidar”. Mais especificamente, esses grupos são aqueles que ainda têm um grande espaço de mercado a explorar (a participação brasileira é inferior a 30%), e as exportações brasileiras evoluem acompanhando o ritmo dos concorrentes ou de modo mais acelerado. Esse tipo de Classificação Importações Totais do Mercado em 2008 (US$) (A) Exportações Brasileiras para o Mercado em 2008 (US$) (B) No. de Grupos Particpação (B)/(A) A consolidar 1.051.709.745,00 132.657.427,00 13 12,61% Consolidado 125.006.724,00 66.759.461,00 3 53,40% Desvio de comércio 222.968.447,00 19.971.547,00 2 8,96% Em declínio 65.623.418,00 1.443.951,00 2 2,20% Em risco 15.658.827,00 5.757.446,00 1 36,77% Total 1.480.967.161,00 226.589.832,00 21
  9. 9. 8 grupo de produtos apresenta maiores possibilidades para o aumento das exportações brasileiras e, portanto, são detalhados por subgrupos para determinação das principais oportunidades no mercado. Em seguida, os subgrupos são classificados de modo semelhante. As principais oportunidades para o mercado são, portanto, os subgrupos “a consolidar”, que se inserem nos grupos também “a consolidar”. Estes estão explicitados nas Tabelas 1.8. Tabela 1.8 - Subgrupos de produtos classificados como “a consolidar” – Exportações expressivas Fonte: GTIS. Elaboração: UICC, Apex-Brasil. GRUPOS DE PRODUTOS SUBGRUPOS DE PRODUTOS Valor importado pelo mercado em 2008 (U$S) Exportações Brasileiras para o Mercado em 2008 (US$) Nº SH6 Crescimento Médio Concorrentes 2003-2008 (%) Crescimento Médio Brasil 2003-2008 (%) Participação Brasileira em 2008 (%) MÁQUINAS E MOTORES Aparelhos de ar condicionado 7.666.259,00 1.426.780,00 1 2,15 1,61 18,61 MATERIAIS ELÉTRICOS E ELETRO-ELETRÔNICOS Aparelhos e dispositivos eletr.de ignição/arranque 13.084.482,00 364.149,00 6 30,45 22,84 2,78 MATERIAIS ELÉTRICOS E ELETRO-ELETRÔNICOS Aparelhos eletro-mecan.térmicos,de uso doméstico 6.918.184,00 1.683.097,00 4 6,69 5,02 24,33 MÁQUINAS E MOTORES Aparelhos mecan.p/projetar/pulverizar líquidos/pos 9.924.735,00 559.151,00 3 27,15 20,36 5,63 MATERIAIS ELÉTRICOS E ELETRO-ELETRÔNICOS Aparelhos p/interrup.,prot.de energia,suas partes 87.618.263,00 6.013.216,00 12 35,80 26,85 6,86 MÁQUINAS E MOTORES Aquecedor e secador 2.148.083,00 171.406,00 1 11,06 8,29 7,98 BEBIDAS DESTILADAS Bebidas destiladas 4.030.371,00 875.473,00 4 -11,42 -8,57 21,72 CAFÉ Café cru 15.127.427,00 5.723.296,00 1 53,28 39,96 37,83 CALÇADOS E SUAS PARTES Calçados 68.060.168,00 9.860.809,00 7 6,22 4,67 14,49 CARNE DE AVES Carne de frango "in natura" 108.303.969,00 11.839.071,00 3 11,93 8,95 10,93 MÁQUINAS E MOTORES Compressores e bombas 45.684.446,00 1.910.680,00 7 15,75 11,81 4,18 MATERIAIS ELÉTRICOS E ELETRO-ELETRÔNICOS Condensadores eletr.fixos,variáveis ou ajustáveis 256.602,00 62.423,00 2 12,05 9,04 24,33 MATERIAIS ELÉTRICOS E ELETRO-ELETRÔNICOS Demais materiais elétricos e eletrônicos 2.076.181,00 176.447,00 7 -9,68 -7,26 8,50 BORRACHA E SUAS OBRAS Demais produtos de borracha e suas obras 5.457.730,00 1.575.884,00 5 18,68 14,01 28,87 PRODUTOS METÁLURGICOS Demais produtos metalúrgicos 27.015.621,00 2.164.948,00 18 22,71 17,03 8,01 MATERIAIS ELÉTRICOS E ELETRO-ELETRÔNICOS Fios,cabos e condutores para uso elétrico 14.921.765,00 3.976.893,00 4 16,80 12,60 26,65 INSTRUMENTOS DE PRECISÃO Instrumentos,apars.de ótica,precisão,partes,peças 30.509.584,00 1.977.850,00 11 23,16 17,37 6,48 LEITE E LATICÍNIOS Leite e derivados 91.575.481,00 9.649.532,00 3 16,53 12,40 10,54 MÁQUINAS E MOTORES Máquinas e apars.p/encher,fechar,etc.recipientes 17.572.393,00 1.676.674,00 2 26,11 19,58 9,54 MASSAS ALIMENTÍCIAS E PREPARAÇÕES ALIMENTÍCIAS Massas alimentícias e preparações alimentícias 25.049.835,00 7.368.129,00 9 15,37 11,53 29,41 MÓVEIS Móveis e mobiliário médico-cirúrgico 55.002.267,00 5.407.296,00 11 17,11 12,83 9,83 MÁQUINAS E MOTORES Partes de motores para veículos autómoveis 17.601.641,00 711.894,00 1 11,32 8,49 4,04 PLÁSTICOS E SUAS OBRAS Plásticos e suas obras 91.352.464,00 4.958.406,00 19 14,85 11,14 5,43 MÁQUINAS E MOTORES Refrigeradores e congeladores 13.111.131,00 861.986,00 5 3,66 2,75 6,57
  10. 10. 9 Por fim, os subgrupos produtos classificados como “consolidados” podem ser encontrados nas Tabelas 1.9. Apesar de se tratarem de produtos já consolidados no mercado, com uma alta participação das exportações brasileiras, esses ainda podem ser promovidos no mercado cubano, visando uma manutenção dessa participação. Tabela 1.9- Subgrupos de produtos classificados como “consolidados” – Exportações expressivas Fonte: GTIS. Elaboração: UICC, Apex-Brasil. 5. Compras públicas e trâmites de importação O processo de compra das empresas cubanas se dá de forma similar às licitações, quando um comitê técnico da empresa compradora analisa as três melhores ofertas e decide pela mais adequada. As decisões de compra são tomadas baseando-se principalmente nas seguintes variáveis: preço, qualidade e financiamento. Como as empresas cubanas têm dificuldade em acessar mecanismos de financiamento internacionais, geralmente elas esperam que os próprios fornecedores possam financiar suas compras. A rigidez e o funcionamento destas “licitações” variam grandemente em função do porte da empresa e do tipo de produto a ser adquirido. Em alguns casos, pode se transformar em uma simples formalidade, onde o fornecedor apresenta sua proposta com o contrato já praticamente assinado. Em outros casos, pode haver extensas negociações e vencerá a proposta que melhor atender aos requisitos do comprador. O sistema de comércio exterior de Cuba prevê a autorização de certo número de empresas para a realização de importações e exportações. Estas autorizações são outorgadas pelo Ministério de Comércio Exterior (MINCEX) exclusivamente para empresas cubanas e são válidas pelo tempo em que a empresa estiver em funcionamento. Atualmente existem 876 empresas em Cuba autorizadas a realizar importações, em todos os segmentos de mercado. Alguns produtos sensíveis (bebidas alcoólicas, pneus, carnes, alumínio, madeira, computadores, equipamentos de automação, grupos eletrogêneos, entre outros) têm suas importações controladas por um Comitê de Produtos, que regula quantidade e preços de importação e distribui as licenças entre as empresas autorizadas a importar estas categorias de produtos. Nenhuma empresa fora destes comitês possui autorização para importar tais produtos. Além desta autorização para importação, a cada negócio fechado no valor superior a 10.000 CUC7 a empresa deve solicitar uma autorização de pagamento para o Comitê de Aprovação de Divisas8 (CAD) do ministério que controla sua área de atuação. Esta autorização consiste na aprovação para a compra das divisas necessárias para o 6 Dado fornecido pelo MINCEX, Ministério do Comércio Exterior de Cuba 7 Peso Cubano Conversível 8 CAD – Comité de Aprobación de Divisas ou, em portugués, Comitê de Aprovação de Divisas GRUPOS DE PRODUTOS SUBGRUPOS DE PRODUTOS Valor importado pelo mercado em 2006 (U$S) Exportações Brasileiras para o Mercado em 2006 (US$) Nº SH6 Crescimento Médio Concorrentes 2003-2006 (%) Crescimento Médio Brasil 2003-2006 (%) Participação Brasileira em 2006 (%) CARNE DE AVES Carne de peru "in natura" 2.123.860,00 1.514.766,00 2 -17,47 64,39 71,32 MÁQUINAS E MOTORES Demais máquinas,aparelhos e instrumentos mecânicos 6.810.582,00 2.256.986,00 8 5,85 66,50 33,14 MATERIAIS ELÉTRICO E ELETRÔNICOS Geradores e transformadores,elétricos 75.495.557,00 31.034.153,00 11 59,64 333,50 41,11 MÁQUINAS E MOTORES Máquinas e aparelhos p/fabr.ind.alimentos/bebidas 11.326.254,00 7.001.350,00 3 15,40 350,10 61,82 SOJA Óleo de soja refinado 31.394.649,00 10.657.537,00 1 -6,81 9.030,82 33,95
  11. 11. 10 pagamento das importações e deve ser solicitada com um prazo mínimo de 16 dias antes da assinatura do contrato com o fornecedor estrangeiro. A obtenção desta autorização, que vem ocorrendo desde 2005, é a garantia de que a empresa cubana terá os recursos necessários para a realização do pagamento no prazo acordado com o fornecedor. Trata-se, portanto, não de um fato que poderá dificultar o processo de exportação para Cuba, mas sim, de uma segurança que é dada ao exportador. A forma de pagamento mais comum para as vendas para empresas cubanas é a cobrança a prazo. Observando-se as autorizações necessárias do CAD, esta forma de pagamento não costuma apresentar riscos para os exportadores brasileiros além dos inerentes às vendas a prazo em geral. No entanto, é uma forma de pagamento que requer do exportador o empenho de recursos próprios para o financiamento da produção e do embarque, exigindo, portanto, maior fôlego financeiro da empresa brasileira. Os setores que geram divisas estrangeiras em Cuba (turismo, agronegócios, farmacêutico) naturalmente terão maior facilidade para conseguir a autorização do CAD e, portanto, a negociação e pagamento com eles tende a ser mais fácil. Já os setores que dependem diretamente do financiamento do Estado apresentam maiores dificuldades de obtenção das autorizações junto aos seus ministérios, uma vez que dependem das distribuições de cotas do governo central para realizar suas compras. Todos os segmentos do mercado cubano são controlados pelo Estado, através de ministérios dedicados a cada área econômica. São eles: • Transporte • Construção • Informática e Comunicações • Alimentação • Pesca • Agricultura • Saúde • Indústria básica, pesada e leve • Pólo Científico • Aviação • Açúcar • Esporte • Educação • Rádio e Televisão • Recursos Hidráulicos • Turismo • Defesa • Meio Ambiente • Cultura As importações de Cuba podem ser divididas de acordo com o seu destinatário final: as compras governamentais, voltadas para o atendimento das necessidades da população, e as compras voltadas para o abastecimento das redes de varejo para turistas. Geralmente as compras voltadas para a população caracterizam-se por produtos de qualidade inferior e preços reduzidos, enquanto as compras para a rede de varejo para turistas englobam produtos com maior valor agregado e preços mais altos. Os grupos empresariais cubanos, também chamados corporações, caracterizam-se pelo controle estatal e por certa verticalização das atividades dentre as empresas de uma mesma corporação. Assim, uma única corporação pode abranger uma empresa importadora, uma distribuidora e a rede de pontos de venda ao cliente final. O contato
  12. 12. 11 adequado com as corporações aptas a realizar importações em cada segmento constitui um dos pilares para o sucesso dos negócios em Cuba, sendo fundamental verificar se a empresa com que se está negociando possui as autorizações necessárias para dar continuidade às negociações. Algumas corporações são especializadas em segmentos de produtos (alimentos, fármacos, material de construção, etc), de acordo com a área de atuação do ministério ao qual estão vinculadas. Outras, por sua vez, são multisetoriais e obtêm licenças de importação mais amplas, não vinculadas a um tipo específico de produto. As corporações cubanas, apesar de estatais, vêm adotando um sistema de gestão cada vez mais próximo do capitalismo, com decisões de compra descentralizadas e baseadas em relações custo/benefício do produto em questão. Aquelas ligadas aos setores com receita em dólares (turismo e comércio) apresentam melhor capacidade financeira e, conseqüentemente, menores riscos para o exportador brasileiro. A seguir, apresentam-se algumas das principais corporações de Cuba e suas respectivas áreas de atuação. Além das corporações apresentadas no quadro, existem diversos outros grupos empresariais especializados em determinados segmentos do mercado em Cuba, como a Farmacuba e a Medicuba, do segmento médico-odontógico-hospitalar, e os grupos Gestcon e GMG, no segmento de máquinas, equipamentos e material de construção.
  13. 13. 12 O grupo Cimex9 é a maior corporação cubana, contando com empresas na área de logística, armazenagem, desembaraço aduaneiro, atacado, varejo e serviços. No segmento de varejo, a Cimex detém mais de 50% do mercado cubano, destacando-se entre as suas empresas as Tiendas Panamericanas, com mais de 1700 pontos de venda em todo o país. As Tiendas Panamericanas comercializam produtos de consumo em diversos setores (utensílios domésticos, alimentos, roupas, calçados, cosméticos, etc) sempre com preços baixos, dado o baixíssimo poder aquisitivo da população. Também atua no segmento de restaurantes de alimentação rápida e é detentora de 9 www.cimexweb.com Varejo Atacado Serviços CARACOL Ministerio de Turismo (MINTUR) Tabaco, cigarros, souvenirs, cosméticos, acessórios de luxo, relógios, bebidas, equipamentos eletrônicos e artigos para colecionadores - - CIMEX Conselho de Estado Alimentos, cosméticos, confecções, calçados, utensílios domésticos Artigos de metalurgia, geração de energia, equipamentos eletrônicos, refrigerantes, Postos de gasolina, revelação de fotos e aluguel de fitas de vídeo, restaurantes fast-food, serviços bancários e financeiros, logística e armazenagem, serviços turísticos (aluguel de veículos, agências de viagem), publicidade COPEXTEL Forças Armadas - Mobiliário e decoração, computadores, periféricos e acessórios, equipamentos para hotéis e restaurantes, material gráfico e de papelaria, eletrodomésticos, acessórios para automóveis, antenas para TV e rádio, celulares, equipamentos de vigilância Serviços de iluminação e sonorização, venda e manutenção de elevadores, serviços de limpeza e lavanderia, sistemas de automação para instalações comerciais e industriais, serviços gráficos, informática, acesso à internet, montagem de eletrodomésticos, telecomunicações, serviços de vigilância e rastreamento de frota, geração de energia, engenharia de projetos CUBALSE Conselho de Estado Alimentos, confecções, calçados, cosméticos, bijuterias, móveis, decoração, brinquedos, eletrodmésticos e artigos de informática - Postos de gasolina, aluguel de veículos, concessionárias e oficinas de automóveis, lanchonetes e restaurantes, imobiliária, serviços financeiros e transporte de cargas CUBANACAN Ministerio de Turismo (MINTUR) Medicamentos e produtos óticos, perfumes, confecções high end, artigos esportivos, brinquedos, equipamentos eletrônicos - Hotelaria, turismo náutico, restaurantes, foto e vídeo, academias, agência de viagens, lavanderia industrial, transporte de turistas, assessoria jurídica GAVIOTA Forças Armadas Souvenirs, produtos de luxo - Hotelaria, restaurantes, aluguel de veículos e embarcações, turismo náutico, agência de viagens. GRAN CARIBE Ministerio de Turismo (MINTUR) - - Hotelaria, restaurantes e agência de viagens HABAGUANEX Ministerio de Turismo (MINTUR) Souvenirs, produtos de luxo (perfumes, charutos, relógios), produtos de consumo (alimentos, eletrodomésticos, confecções) - Restaurantes, cafeterias, hotéis, construção, restauração do patrimônio histórico cubano Setores de Atuação Principais corporações cubanas Empresa Órgão de Controle
  14. 14. 13 licença exclusiva para operar nos free-shops dos aeroportos cubanos. No segmento financeiro, controla o Banco Financiero Internacional, o mais importante banco comercial de Cuba. O grupo Cubalse10 é a segunda maior corporação cubana, atuando principalmente nos setores de distribuição varejista de bens de consumo, venda, aluguel e manutenção de veículos para o turismo e no incipiente setor imobiliário cubano. No segmento de distribuição varejista, destaca-se a rede Meridiano, com mais de 200 pontos de venda em todo o país comercializando produtos de consumo desde alimentos até eletrodomésticos, passando por confecções, cosméticos, artigos de decoração, móveis e brinquedos. A Copextel11 é uma corporação independente especializada no setor de tecnologia, sendo líder neste segmento em Cuba. Atua nos setores de atacado e prestação de serviços no segmento eletrônico e de informática, não dispondo, no entanto, de licença do governo para atuar na rede varejista. No segmento de turismo, a maior corporação cubana é a Cubanacan12 , detentora de hotéis, restaurantes, academias e agências de viagem. Também atua na rede varejista voltada para o atendimento a turistas, com especial destaque para as Tiendas Universo, com 300 pontos de vendas em todo o país, vários deles instalados nos próprios hotéis do sistema Cubanacan. As Tiendas Universo vendem diversos tipos de artigos de luxo voltados para os turistas, tais como perfumes, confecções, artigos esportivos, brinquedos e equipamentos eletrônicos. Também no segmento de turismo está o grupo Gaviota, formado em 1988 e que vem apresentando as maiores taxas de crescimento e investimento no setor nos últimos anos. Este grupo oferece serviços de hotelaria, transporte, restaurantes e abastecimento de produtos a hotéis. Além da prestação de serviços em diversas esferas da hotelaria e do turismo, controla também as Tiendas Gaviota, rede de lojas de souvenirs e artigos de luxo localizada nos hotéis da rede. A atuação do grupo não se limita ao turismo convencional, compreende também o de saúde. A rede Habaguanex13 foi criada em 1994 com a função principal de levantar recursos para a restauração da parte antiga de Havana. Sua principal fonte de recursos é a sua rede varejista, composta por cerca de 70 pontos de venda divididos entre comércio para turistas com produtos de alta qualidade (perfumes, charutos, relógios, etc) e comércio para a população local com produtos de qualidade média-baixa (venda de todo tipo de mercadoria, desde alimentos até eletrodomésticos). Outras áreas de atuação do grupo são a administração hoteleira e a construção e manutenção do centro histórico de Havana. O grupo Gran Caribe14 é a segunda maior rede hoteleira de Cuba, com mais da metade de suas atividades administrada em sistema de parceria com grandes grupos hoteleiros internacionais, entre eles o Sol Meliá e o Accor. Também atua no segmento de restaurantes e agência de viagens, sendo responsável pela administração de dois dos mais famosos restaurantes de Cuba: La Floridita e La Bodeguita de en Medio. Finalmente, no segmento de comércio para turistas, o líder de mercado é o grupo Caracol (Tiendas Caracol), que dispõe de cerca de 300 pontos de venda nos principais hotéis e aeroportos de Cuba. A venda é totalmente voltada para os turistas, oferecendo produtos de alto luxo, artigos para colecionadores e souvenirs regionais. Está ligado diretamente ao Ministério de Turismo. 10 www.cubalse.cu 11 www.copextel.com.cu 12 www.cubanacan.cu 13 www.habaguanex.com 14 www.gran-caribe.com
  15. 15. 14 O ITH – Instituto Tecnológico Hoteleiro é responsável pela autorização de importação do sistema hoteleiro. Este instituto faz as compras nos mercados externos de acordo com os pedidos das instituições atuantes no setor. O ITH importa diversos tipos de produtos, como alimentos, têxteis e equipamentos para construção. O TRD – Caribe é a instituição voltada ao comércio varejista, ligada a Forças Armadas cubanas. O grupo atua nos segmentos de alimentos, turismo, hotelaria, construção civil, entre outros. A rede de comércio possui mais de 1000 pontos de vendas, dos quais 260 são supermercados, correspondendo ao 2° líder de mercado e líder de vendas no interior do país. Ainda, podemos citar outras corporações notadamente importantes em setores específicos, como Matco e Imeco, que atuam no segmento de materiais de construção. Ministerio del Azúcar e Ministerio de la Agricultura – controla todas as outras áreas agrícolas e pecuária.
  16. 16. 15 ANEXO Tabela-Resumo da Metodologia de Levantamento das Oportunidades Fonte: GTIS. Elaboração: UICC, Apex-Brasil. Tipologia Exportações Expressivas Exportações Incipientes Seleção Classificação Grupos de Produtos divididos em: A Consolidar, Em Risco, Consolidado, Desvio de Comércio, Em Declínio. Subgrupos de Produtos divididos em: A Consolidar, Em Risco, Consolidado, Em Declínio. Grupos e Subgrupos de Produtos "A Desenvolver" e outros (não destacados), segundo seu dinamismo e VCR. Consolidado: Participação brasileira mínima de 30% e crescimento médio das exportações dos concorrentes não superior ao crescimento médio das exportações brasileiras em mais de 50% no período. Grupos classificados como "a desenvolver": Dinâmicos ou Muito Dinâmicos e com VCR > 0,7. Em Risco: Participação brasileira igual ou superior a 30% no market- share, mas com o crescimento médio das exportações dos concorrentes superior em mais de 50% a do Brasil em média do período. Subgrupos classificados como "a desenvolver": Intermediários, Dinâmicos ou Muito Dinâmicos e com VCR > 0,7. Desvio de Comércio: Situação em que o Brasil apresenta vantagens na exportação do grupo de produtos observado (VCR>1) e o principal concorrente não (VCR<1) , mas seu crescimento médio das exportações é inferior a do principal concorrente. Não é utilizado para análise de subgrupos. Considerar para análise de dinamismo dos Grupos de Produtos: média entre os crescimentos do primeiro e último biênio do período das importações mundiais totais (Dw) e as importações do grupo de produtos no mercado-alvo (Di). Em Declínio: O Brasil tem crescimento médio das exportações negativo (ou taxa inferior a 15% e metade do principal concorrente) , com semelhantes condições em relação ao principal concorrente no que se refere à especialização na exportação do grupo de produtos. Considerar para a análise do dinamismo dos Subgrupos de produtos: média entre os crescimentos do primeiro e último biênio do período das importações do grupo de produtos pelo mercado (Dw) e as importações do subgrupos de produtos pelo mercado (Di). A Consolidar: Participação brasileira inferior a 30%, com seu crescimento médio das exportações igual ou superior a dos concorrentes em média do período. Faixas de dinamismo: Em decadência: Di < 0 Baixo dinamismo: 0 < Di < (Dw - Dw⁄3) Intermediários: (Dw - Dw⁄3) < Di < (Dw + Dw⁄3) Dinâmicos: (Dw + Dw⁄3) < Di <2Dw Muito Dinâmicos: Di > 2Dw Destaques Produto com maior contribuição para o crescimento das exportações brasileiras no subgrupo e com tendência de crescimento positiva (comparação de seu valor exportado pelo Brasil no último ano do período em análise frente à média de seu valor exportado nos últimos três anos). Análise restrita para Produtos de Subgrupos "A Consolidar". Produtos dentro de Subgrupos "A Desenvolver" para os quais a VCR do Brasil seja maior que 0,7 e que tenham sido mais importados pelo mercado-alvo no último ano de análise que na média dos últimos três anos . Observação Geral Exp. Bras. Do Grupo de Prod. "A" para o mundo Exp. Bras. Totais para o Mundo Exp. Mundiais do Grupo de Produtos "A" Exp. Mundiais Totais O mesmo grupo ou subgrupo de produtos pode constar tanto do conjunto de exportações expressivas como de incipientes. No entanto, os produtos que conformam o grupo em exportações expressivas e em incipientes são distintos. Produtos com participação das exportações brasileiras superiores a 1% das importações do mercado-alvo, presença dentre os 75% dos produtos com maior participação no mercado-alvo e, continuidade de exportações entram para o conjunto de exportações expressivas. Os demais produtos são incorporados às exportações incipientes. Após o processo de seleção, os produtos são organizados em grupos e subgrupos de produtos. Critérios Legenda VCR =

×