• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Programa de controle de energias perigosas   pcep
 

Programa de controle de energias perigosas pcep

on

  • 5,327 views

 

Statistics

Views

Total Views
5,327
Views on SlideShare
5,327
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
166
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Programa de controle de energias perigosas   pcep Programa de controle de energias perigosas pcep Document Transcript

    • PCEP - PROGRAMA DE CONTROLE DE ENERGIAS PERIGOSAS
    • PROGRAMA DE CONTROLE DE ENERGIAS PERIGOSAS - PCEP Introdução: Criada nos Estados Unidos em 1990, a norma OSHA 1910.147 que trata sobre oControle de Energia Perigosa, teve o propósito de diminuir e evitar a ocorrência deaproximadamente 100 mortes e 60.000 lesões anuais decorrentes de acidentes em serviços e/oumanutenção de máquinas e equipamentos envolvendo as chamadas “Energias Perigosas”. O PCEP - Programa de Controle de Energias Perigosas, enfatiza o bloqueio emsegurança, não apenas alertando, mas impedindo física e logicamente os acidentes através dautilização de bloqueios, travamentos e sinalização industrial adequada, o PCEP também possibilitaa redução significativa ou eliminação de custos diretos e indiretos gerados por conseqüência deenergia não controlada. “Em determinados segmentos industriais essa relação pode ser de até 50 vezes, ouseja, para cada dólar de custo direto de acidente (que é o custo da lesão), implica 50 dólares decustos indiretos (demais custos que não o da lesão). É muito significativo para não ser contabilizadoou desprezado, ou para não se tomar uma ação efetiva sobre estes números. Portanto, a certificaçãoé um compromisso com a vida do profissional, agregando também valor ao negócio da empresa”(Asfene Macciantelli, Gerente da Divisão de Elétrica da Panduit Brasil). Nem sempre tem-se condições de examinar e perceber o grau de importância deuma energia perigosa. Por exemplo, uma pedra no alto de uma montanha, ao rolar, há umatransformação da energia potencial, relacionada a altura, com a energia cinética relacionada aomovimento. Em um circuito elétrico temos a energia elétrica em movimento. Contudo, um grandetrecho de cabo de cobre enrolado em um carretel pode conter energia capacitiva, ou relativa aoarmazenamento. Quando queremos cortar uma prancha em uma obra utilizamos o disco de corte oua serra circular. Ao cortarmos a madeira e ao desligarmos o equipamento percebemos que o discoainda continua em movimento, pela inércia. Assim, mesmo com o equipamento desligado ooperário distraído pode ferir-se. A água que bebemos pode cortar grossas chapas de metal, bastandopara isso que ajustemos a pressão com que ela irá sair da tubulação e o diâmetro da mesma. Oestabelecimento de critérios para que se trabalhe com fontes de energias perigosas, assimdenominadas por serem capazes de apresentar riscos, serve para que possamos nos proteger,evitando que pessoas acidentalmente possam reconectar ou religar circuitos. 2
    • As Máquinas e Equipamentos exigem que os dispositivos de isolamento sejampreviamente desligados e isolados, quando submetidos a serviços de manutenção, limpeza ereparos. Muitos acidentes ocorrem em decorrência do acionamento inesperado de dispositivos decontrole que provocam liberação acidental de energias armazenadas, causando lesões e mortes emtrabalhadores durante a execução de trabalhos. São acidentes que podem ser evitados de umamaneira simples e eficaz, utilizando-se os bloqueios físicos da fonte de energia, acompanhado deetiqueta sinalizadora e o treinamento adequado dos envolvidos nas atividades de manutenção,limpeza e reparos. Objetivos: A implantação do PCEP na empresa visa criar procedimentos de controle para ouso de travas e cadeados de segurança, a fim de prevenir os acionamentos acidentais ou indevidosde chaves elétricas, válvulas ou outro tipo de comando e evitar a ocorrência de acidentes. Energia Entende-se como energia, todas as forças eletromecânicas utilizadas paraacionamento de máquinas e equipamentos, como por exemplo, a eletricidade, ar comprimido, óleoou água sob pressão, vapor, etc.. Muitas vezes a energia encontra-se armazenada, é perigosa para ocontato humano e não a percebemos, como a energia elétrica capacitiva. Outras formas de energiamuitas vezes são inimagináveis para nós, como a energia estática que passa a existir quando a águadesce por um tubo, ou qualquer outro fluido, mesmo que a tubulação seja plástica. Se houver algumtipo de conexão metálica certamente será por ali que se formará um arco elétrico. O vapor e o ar comprimido, mesmo quando utilizados para outros fins, continuamclassificados como energia para efeito de segurança, uma vez que, pôr suas características próprias,podem causar lesões. DefiniçõesDispositivo de bloqueio (lockout device) – dispositivo que utiliza meios positivos de travamento,prevenindo a reenergização. Exemplos: cadeados, bloqueadores de disjuntores, de válvulas, deplugs, etc..DIE – Dispositivo de Isolamento de Energia – um dispositivo que fisicamente previne atransmissão ou fuga da energia, por exemplo: chaves elétricas, disjuntores, fusíveis, válvulas,raquete, etc, podendo ser bloqueado através de dispositivo de bloqueio ou mesmo no seu projetoprever bloqueio através de cadeado. 3
    • Energia (contempladas nesta OSHSMT) – qualquer tipo de energia que possa causar lesões ouperdas à propriedade se inesperadamente liberadas.EIE - Estado Intermediário de Energia - Esse termo indica que durante a realização de umadeterminada atividade, as fontes de energias perigosas foram eliminadas enquanto aindapermanecem energias não perigosas necessárias para a realização da tarefa. Exemplos típicos destastarefas no estado EIE podem ser: alinhamento de equipamentos, correias, esteiras, ajuste deequipamentos em velocidade de introdução. Todas as energias devem ser conhecidas e quando foraplicável o EIE este deve estar documentado, contemplando meios alternativos de proteção emprocedimentos escritos (Ex. Análise Preliminar de Riscos) e todo o pessoal envolvido com aatividade deve estar devidamente treinado.EZE – Estado Zero Energia - é uma condição alcançada quando as múltiplas formas de energiaque se encaminham ou que estão presentes no interior de uma máquina, equipamento, instalação ousistema foram anuladas, proporcionando condições seguras para a execução de um trabalho, ou seja,eliminando a possibilidade de energização inesperada ou fuga das energias residuais.Equipamento energizado - conectado a alguma fonte de energia ou que mesmo após desligadoainda contenha energia residual (remanescente ou armazenada).Sinalização – aviso de perigo (etiqueta), visando informar que o DIE não deve ser operado antes desua remoção.Energia residual – energia remanescente ou armazenada a qual mesmo após o desligamento,bloqueio e sinalização da fonte de energia pode ocasionar lesões.Fonte de energia – qualquer fonte de energia, entre elas: elétrica, pneumática, hidráulica, térmica,mecânica (cinética, potencial), química, etc.Multibloqueador – dispositivo que permite a aplicação de vários cadeados pelos executantes,bloqueando o DIE até que todos eles retirem seu respectivo cadeado.Operação – Operador responsável pelo equipamento e que assina Cartão Vermelho ou Supervisorresponsável pela área.Operações de produção normal – utilização da máquina ou parte dela para realizar sua funçãooriginal de produção. Qualquer trabalho antes da operação normal voltado a preparar a máquinapara a produção não é considerado “operação de produção normal”. Assim, atividades limpeza,desmontagem de rolos, troca de faca, não são consideradas “operações de produção normal”.Pessoal Afetado – Somente aqueles que atuam nas áreas que não sejam operação e manutenção eque não realizam qualquer trabalho em máquina ou equipamento, não estando expostos à inesperadaenergização ou fuga das energias residuais. Na IP são exemplos de Pessoal Afetado: pessoaladministrativo, limpeza de áreas, segurança patrimonial, entre outros. 4
    • Pessoal Autorizado – Uma pessoa que esteja habilitada a controlar as energias (inclusive bloquearas fontes de energia) para a realização de serviços ou manutenção em máquinas ou equipamentos, afim de executar reparos ou manutenção em tal máquina ou equipamento. Esta pessoa pode ser umprofissional da área de manutenção, operação, prestador de serviço, etc. Para ser considerada umapessoa autorizada, deve ser dado treinamento específico (conforme contemplado nesteprocedimento).Na IP são considerados Pessoal Autorizado: todos os Executantes IP, todos os profissionais demanutenção, todos profissionais de Segurança do Trabalho, todos aqueles que realizam serviços emmáquinas, como: instalação, construção, inspeção, limpeza, lubrificação, reparos, montagem eajustes.Serviços menores – para uma tarefa ser considerada menor, não pode envolver desmontagem doequipamento ou barreiras de proteção, reparos, trocas de peças, etc. Por exemplo, remover papelobstruído não é considerado serviço menor se parte da máquina é removida para acessar aobstrução.Tarefa rotineira – tarefa normal que faz parte do processo, ou seja, o que é esperado ser feitodurante a produção normal. Exemplos: Passagem de ponta de papel em rebobinadeira, troca do rolodo filme plástico, etc.. Formas manifestação de energias perigosasEnergia Elétrica: compreende-se como energia elétrica perigosa a vida, para efeito desta norma, àsque se enquadram como baixa, média e alta tensão aonde o perigo tornar-se-á imediato por contatoou na transformação em energia cinética e/ou térmica e seus subprodutosMecânica : Resultado típico de ação / reação de transformação de energia primária, tem comoexemplo o movimento de partes unidas com objetivo de realizar um trabalho.Química: Diversos elementos químicos encontrados na natureza possuem características que,associada a outras substâncias químicas simples e/ou compostas, permitem a liberação de energiaem diferentes formas.Hidráulica: É uma das mais difundidas fontes de energia e muito empregada na movimentação decargas e provedora de “força” para a movimentação de braços e pistões. Uma empilhadeira é umexemplo clássico do uso deste tipo de energia. Sendo o fluido mais eficaz que os gases para estetipo de trabalho, é portanto mais empregado porém não menos perigoso.Energia Residual: Este é um tipo espacial que compreende basicamente qualquer tipo de energiaque possa ser acumulada através de confinamento e/ou reação. Uma tubulação de ar comprimido,um pistão hidráulico, tubulação de água ou outro fluido contém energia acumulada seja através daforça de gravidade ou por meio de bombas em determinado ponto da rede. 5
    • Energia Pneumática: Este tipo de energia é empregado para prover movimentação rápida de partesde uma máquina ou equipamento, movimentação de pistões, motores, pressurização de câmarasdiversas e etc. Entrada de energia É o ponto de entrada da energia para alimentar o equipamento, tais como aQuadro de Distribuição Geral, válvula principal de ar comprimido/vapor, etc. Neste ponto (entrada) é que se deve dar a interrupção e travamento para fins desegurança. Não havendo possibilidade de permanecer interrompida a energia na chave geral ou naválvula principal e, desde que não haja uma entrada na máquina onde possam ser colocados a travae o cadeado, deverá ser aplicada qualquer outra medida que possa realmente impedir, comsegurança o acionamento das fontes de energia. Pressão Residual É a pressão que ainda permanece na tubulação depois de fechada ou interrompidaa fonte de fornecimento de energia, hidráulica, pneumática ou a vapor. A menos que a válvulapossua meios próprios para sangria, uma seção do tubo deve ser desacoplada para aliviar a pressão,se existir o risco. Cadeados de Segurança São cadeados cuja finalidade é manter travada e interrompida as entradas deenergia. Devem ser de marca ou tipo diferentes dos demais usados na fábrica, de modo a não seremconfundidos ou usados para outros fins. Não devem pertencer as séries de cadeados que possam serabertos com chave mestra. 6
    • Trava de Segurança É um dispositivo com duas hastes articuladas que, aplicado no local detravamento, permite a colocação de até seis diferentes cadeados no mesmo ponto de interrupção deenergia. Finalidades: A finalidade do uso de trava e cadeado de segurança é propiciar o máximo deproteção aos empregados que estiverem envolvidos em trabalhos de manutenção, reparos elimpezas de maquinas e outros equipamentos, cujas partes moveis ou condutores elétricosconstituem risco de acidentes, se as fontes de energia não estiverem interrompidas e devidamentetravadas. Para que todos os trabalhos sejam executados com todas as condições desegurança necessárias, devem ser tomadas as seguintes precauções:a) Interromper todas as fontes de energia que alimentam as máquinas e/ou equipamentos que fazem parte do processo ou trabalho que será executado;b) Sangrar ou remover a pressão residual nos equipamentos operados pôr: Sistema a vapor; Sistema de ar comprimido; Sistema hidráulico.c) Providenciar aterramento de todos os circuitos capazes de acumular energia elétrica, sejam indutivos ou capacitivos, tais como: Transformadores em geral (secundário e primário) Condensadores.d) Aplicar cadeado de segurança em todas as fontes de energia, de modo que só a pessoa responsável pelo trabalho possa retirá-lo;e) Aplicar a trava de segurança para permitir a colocação de tantos cadeados quantos forem os empregados envolvidos no trabalho. Aplicação da Trava e Cadeado: Em todos os trabalhos de manutenção, reparos, limpeza, preparo, etc., de máquinas, instalações e outros equipamentos, nos quais os empregados correm o risco de sofrer alguma 7
    • lesão, em caso de acionamento indevido, é obrigatório o uso de cadeados de segurança paratravar as fontes de energia, que devem ser previamente interrompidas.Quando mais de um empregado for trabalhar no mesmo serviço, é obrigatório a aplicação detrava de segurança com tantos cadeados quantos forem os empregados envolvidos.Quando se tratar de chave elétrica, o botão de partida deve ser desligado, a alavanca dachave puxada NA POSIÇÀO DESLIGADA E TRAVADA COM CADEADO.O ar comprimido deve ser fechado, travado e sangrado para evitar qualquer movimento nomecanismo do equipamento. Procedimento idêntico deve ser observado com máquinasacionadas pôr sistema hidráulico ou a vapor.Em casos de sistema hidráulico de máquinas e equipamentos, a própria bomba deve ter achave desligada e travada.Nos casos de travamento de válvula que não possua local adequado para colocação docadeado deve ser usada corrente ou outro meio auxiliar.Depois de travada a fonte de energia, os comandos da máquina devem ser acionados paracertificar-se de que realmente o fornecimento de energia está neutralizado.A colocação da trava e cadeado de segurança, assim como a conservação dos mesmos nodevido lugar, até que o serviço seja terminado, deve ser atribuição do empregado de maiorresponsabilidade em relação ao serviço.A Segurança do Trabalho, através do seu técnico, colocará um cadeado na trava desegurança se julgar necessário ou se for a última a dar a palavra para liberação da máquina,instalação, etc.Em casos de serviços temporários onde os empregados da produção são designados paraexecutar trabalhos de limpeza, ajuste ou troca de ferramentas, que se incluem entre os querequerem o travamento de fontes de energia, o supervisor da execução dos trabalhos deveráprovidenciar o cadeado de segurança e dar as devidas instruções quanto a aplicação domesmo. 8
    • Cadeados Extras: A supervisão dos grupos que usam cadeados de segurança poderá ter sob seucontrole, e de comum acordo com a Seção de Segurança, alguns cadeados extras para serem usadosem casos especiais ou de emergência. Esses cadeados serão usados nas seguintes circunstâncias:a) Nos casos em que um mesmo empregado necessite de mais de um cadeado no mesmo serviço, isto é, quando há mais de uma fonte de energia a ser travada;b) Quando o serviço ficar pronto, mas a máquina ou equipamento deva permanecer parado pôr motivo de segurança;c) Quando o supervisor achar conveniente manter um cadeado na trava, por exemplo, para verificar as condições da máquina ou equipamento antes de entregar o serviço.Um dos dispositivos para o controle de válvulas de registro é o que se segue: 9
    • Para o controle de extensões pode-se empregar o dispositivo a seguir, que pode ter ou não aidentificação do operador dos serviços.Para a proteção de disjuntores de circuitos que estejam sendo submetidos a intervenções variadaspode-se utilizar dispositivos como o apresentado a seguir.Painel elétrico protegido por porta com dispositivo de travamento, identificando o operador que seencontra realizando o trabalho por intermédio de um cartão plástico com a fotografia do mesmo,nome, matrícula e ramal telefônico. Recomenda-se que junto a esse se coloque também a Ordem deServiço. 10
    • Se o cadeado não puder ser aplicado Uma etiqueta usada sem trava precisa ser complementada por ao menos uma última e adicional medida de segurança que proveja um nível de segurança igual ao do cadeado Exemplos: Remoção de elemento de isolação de circuito como um fusível Bloqueio de chave controladora Uso de EPIs especiais isolantes Uso de EPCs isolantes Cartão de "Perigo": Cartão "Perigo" é usado adicionalmente ao cadeado e serve para identificar aprincipal pessoa envolvida no trabalho, que deverá preenchê-lo corretamente e assiná-lo. 11
    • O cartão não substitui o cadeado de segurança. É apenas uma medida suplementar. O uso do cartão serve também para indicar algum equipamento que não esteja em condições de uso e que deverá ser reparado ou substituído. Quando afixado, o cartão deverá estar devidamente preenchido. Somente em casos extremos, em que não houver outro meio, é que o cartão poderá ser usado sozinho. Nesses casos, deverá haver maior vigilância pôr parte das pessoas, mas o cartão deverá ser respeitado como um dispositivo de segurança. Posse de Cadeados e Travas: Mecânicos, eletricistas, preparadores de máquina, Coordenadores de área, etc...,são entre outros, os profissionais que deverão possuir cadeados e travas de segurança. Todos oscadeados e respectivas chaves, assim como as travas, são identificadas pôr numeração progressiva,para controle do setor competente. A distribuição e controle dos cadeados ficara a cargo das áreasde Segurança do Trabalho e de Operação. Para distribuição e controle serão usados os mesmosformulários empregados para controle de outros tipos de cadeados e chaves.a) "Ficha de Controle de Armários e Cadeados" - anotando-se em observações que se trata de cadeado de segurança;b) "Controle de Chaves". Remoção de Cadeado esquecido: Um cadeado que tenha sido deixado travando uma fonte de energia, pôr algumempregado que tenha se afastado, por motivos que o impedirão de retomar ao trabalho paraliberação do equipamento, somente poderá ser removido com chave ou através do corte de sua haste 12
    • pelo supervisor de quem esqueceu o cadeado ou pôr pessoa autorizada pela Gerência, acompanhadopela Segurança do Trabalho. Na impossibilidade desse acompanhamento a Segurança do Trabalhodeverá ser comunicada, pôr escrito, do ocorrido. Modelo de procedimento de segurança - desligamento e trava Objetivo: Evitar danos pessoais e materiais quando trabalhando com equipamentosmecânicos e elétricos. Prevenir a ligação acidental de equipamentos por outra pessoa ou tambémuma falha no sistema ou equipamento. Responsabilidade: É responsabilidade do supervisor de turno ou, no impedimento dele, o operador decontrole preparar o equipamento para o desligamento e também garantir condições de segurança aopessoal que realizará o serviço no equipamento. Em caso de parada programada, devido ao grandevolume de serviços, além do supervisor de turno e operador de controle, também poderá darpermissão de trabalho o supervisor de produção e os engenheiros de processo, naquelas tarefasdesignadas pela coordenação da parada. Desligamento e Trava:1- A operação é responsável por desligar o equipamento e determinar quando este estará pronto para a trava. O Supervisor de turno ou operador de controle e o pessoal que realizará o serviço colocará sempre o seu cadeado na trava dos disjuntores do equipamento na sala do CCM. Cada pessoa responsável pela execução do serviço deverá ter um cadeado que trave o disjuntor. Exemplo: trabalhando 3 pessoas numa tarefa, todas devem ter um cadeado devidamente identificado , além daquele que seria da operação (supervisor); 13
    • 2- Colocar os nomes dos envolvidos na etiqueta “Não opere”, juntamente com o TAG do equipamento que está sendo liberado, para saber quem são os responsáveis pelo serviço;3- O supervisor de turno e todas as pessoas que irão trabalhar no equipamento devem testar se o mesmo foi travado corretamente acionando a botoeira ou chave de campo por, no mínimo, 05 segundos. Para assegurar que o equipamento não dará partida. Em seguida, passar a chave de campo para a posição de desligado;4- Todas as pessoas que necessitem proteção de desligamento e trava deverão solicitar ao supervisor de turno a liberação do equipamento e só após liberado e travado com cadeado pela operação, é que o solicitante deve colocar seu cadeado;5- Limpeza, lubrificação e ajustes só devem ser realizados em equipamento com partes moveis quando não houver nenhum risco de ação;6- Os seguintes trabalhos não precisam deste procedimento:6.1- Trocar a manta do filtro de sal, filtro de pasta, filtro do DBX e Filtro Prensa, somente quando a manta a ser substituída servir como guia para a nova manta;6.2- Ajustar a manta do filtro de pasta (F-302 A);6.3- Limpeza dos transportadores de rosca e chutes com tubo de alumínio;7- Elevadores de Canecas (EC-308 / EC-326):7.1- Limpeza do Fundo: Desligar a chave de campo prox. à base e colocar a etiqueta de Não Opere; Solicitar à sala de controle o acionamento do equipamento na botoeira prox. à descarga do equipamento, para checar se o mesmo está com o acionamento bloqueado;7.2- Limpeza das Canecas: O operador comanda o equipamento na chave de campo dando toques, deixando sempre a botoeira no manual, com uma etiqueta de Não Opere”. Este serviço não pode ser executado durante a Limpeza de Fundo, no mesmo equipamento;7.3- Para qualquer outro serviço o Elevador de Canecas tem que estar travado com cadeados no CCM;8- Uma análise deve ser feita pelo supervisor de turno para averiguar a necessidade de desligar e travar também o equipamento anterior e posterior ao que será trabalhado;9- No caso de haver cadeados no disjuntor do CCM , o eletricista fica proibido de extrair este disjuntor;10- No caso de serviços no sistema de média tensão:10.1- Chave seccionadora principal, disjuntor a pequeno volume de óleo extraível, rede subterrânea lado (alta tensão) , painel de média tensão e caixa de ligação (lado AT – lado da cerca da CAII) dos transformadores de força; o supervisor da elétrica deverá acompanhar a abertura da chave seccionadora principal, inspecionar visualmente se as facas principais e 14
    • secundárias estão totalmente abertas, travar a chave seccionadora principal, liberando assim o serviço;11- Ao final de cada turno, o funcionário que tiver colocado o seu cadeado deve retirá-lo e o seu rendeiro colocar o dele imediatamente, inclusive o Supervisor;12- Havendo troca de pessoal que está executando o serviço, deve haver nova liberação;13- É de responsabilidade de cada dono do cadeado, identificar claramente o mesmo com seu nome. Condição especial:a. Bombas Peristálticas Para trocar uma mangueira velha por uma nova, sem abrir a carcaça da bomba, não é necessário travar a mesma. Deve ser seguido o procedimento de trabalhos em tubulações (NP-01-023-03- 1295) para instalação de uma nova mangueira. O procedimento de Desligamento e Trava deve ser seguido em caso de abrir a carcaça da bomba.b. Serviço Simultâneo: Quando houver a necessidade de se executar um serviço simultâneo em um equipamento e em, seu respectivo cubículo, o supervisor deverá acompanhar a extração total do cubículo antes de liberar o serviço no equipamento e, o eletricista só poderá inserir o cubículo novamente quando todos os cadeados forem retirados. Seqüência das açõesSupervisor de turno / substituto1. Preparar equipamento para o desligamento;2. Desligar o equipamento;3. Garantir condições de segurança ao pessoal que realizará o serviço;4. Analisar a necessidade de travar equipamentos anterior ou posterior ao equipamento a ser liberado;5. Determinar quando o equipamento estará pronto para a trava;6. Colocar o seu cadeado no disjuntor do equipamento;7. Preencher a etiqueta “Não Opere” colocando o nome dos envolvidos e o TAG do equipamento;8. Supervisionar a colocação dos cadeados dos executantes do serviço;9. Colocar a chave de campo na posição manual e testar pressionando por 5 segundos;10. Remover seu cadeado após todos os executantes. 15
    • Executantes (Mecânicos/Eletricistas/Instrumentistas/Operadores E Terceiros)1. Solicitar ao supervisor de turno a liberação do equipamento;2. Colocar seu cadeado no disjuntor do equipamento indicado pelo supervisor;3. Colocar a chave de campo na posição manual e testar pressionando-a por 5 segundos;4. Após conclusão do serviço informar ao supervisor e remover seu cadeado;OBS: Havendo troca de pessoal deve haver nova liberaçãoModelo de procedimento de segurança - desligamento e trava Objetivo Os procedimentos de Segurança desenvolvidos têm a finalidade de estabelecermedidas de controle visando preservar a integridade física do trabalhador, bem como danos apropriedade e o meio ambiente. Definição Os Procedimentos para Travamento e Sinalização de Fontes de Energia visamestabelecer normas mínimas para neutralizar todas as fontes de energia, incluindo elétrica,mecânica, hidráulica, pneumática, química,etc.; assegurando que máquinas e/ou equipamentossejam mantidos em “Estado de Zero Energia” e, prevenindo a ocorrência de Acidentes que possamresultar do acionamento acidental de máquinas e equipamento. Procedimento1. Estado de zero energia1.1. Para obter-se o máximo de proteção diante da possibilidade de um movimento mecânicoinesperado, se faz necessário estabelecer passo a passo um “Estado de Zero Energia”.1.2. Todas as fontes de energia que possam gerar movimento de parte da máquina devem estarbloqueadas1.3. Bloquear os fluidos pressurizados (ar, óleo, etc.), fechar válvulas e reduzir a pressão no lado damáquina através do escape para atmosfera ou escoamento para um tanque/reservatório.1.4. Todos os tanques/reservatórios de ar-comprimido devem se reduzidos à pressão atmosférica outratados como fonte de energia e serem bloqueados. 16
    • 1.5. O potencial de energia mecânica de todas as partes da máquina deve estar abaixo de valorespráticos (operacionais), assim o rompimento de uma tubulação ou mangueira não produzirá ummovimento inesperado.1.6. A energia cinética das partes da máquina deve ser mantida em baixos valores.1.7. As partes da máquina, soltas ou livres devem estar assegurados contra movimentos acidentais(calçadas, amarradas, etc.).1.8. Peças ou materiais suportados ou controlados pela máquina serão considerados como partes damáquina e deverão estar em conformidade com este procedimento.1.9. O “Estado de Zero Energia” será alcançado executando-se passo a passo os procedimentos,assegurando-se da inexistência de pressão residual em qualquer tubulação e/ou componentes domaquinário.2 . Operação – bloqueio de energias2.1. Todos os operacionalmente envolvidos deverão rever os procedimentos de segurança paratrabalhos em espaço confinados2.2. Todos os funcionários deverão ser instruídos e conscientizados sobre a necessidade eobrigatoriedade da aplicação efetiva destes procedimentos.2.3. Avisar o (s) operador (es) que a energia está sendo desativada.2.4. Antes de iniciar os trabalhos o executante deverá fonte de assegura-se do desligamento daenergia e da implementação e manutenção do “Estado de Zero Energia”.2.5. Para garantir a manutenção do “Estado de Zero Energia” devem ser utilizados cadeadosindividuais (um para cada trabalhador envolvido na tarefa).2.6. Onde houver mais de um funcionário trabalhando, deverá ser utilizada uma Multitrava, na qualcada funcionário deverá manter seu cadeado individual até o final do trabalho.2.7. Ao final do trabalho cada trabalhador poderá remover apenas o seu cadeado. “Nenhuma outrapessoa poderá remover o cadeado e restaurar a energia”.2.8. Em situações muito especiais, um supervisor poderá utilizar um único cadeado para todo o seupessoal. A única chave deverá estar em poder do supervisor que deverá assegurar-se de que todos osmembros da equipe estão livres antes de remover o cadeado2.9. Após a conclusão do trabalho, todas as proteções precisam ser recolocadas antes da remoçãodos cadeados.2.10. As partes do equipamento que possam movimentar-se por ação da gravidade também devemser bloqueadas (Ex.: Martelo de Prensa Mecânica). 17
    • 3. Troca de equipe de trabalho e/ou de seus componentes3.1. Quando necessária a continuação do trabalho por uma próxima equipe (turno de trabalho), osfuncionários que iniciaram o trabalho, devem remover os cadeados, na presença daqueles que darãocontinuidade e que imediatamente devem inserir seus cadeados no Bloqueio.3.2. Todos os envolvidos devem ser efetivamente informados sobre a troca das equipes e/ouqualquer um de seus componentes (Operadores, Mecânicos, Eletricistas, Supervisores, etc).4. Conectar ou desconectar equipamentos através de plugs/tomadas4.1. A conexão ou desconexão de energias através de plug será aceitas apenas para equipamentosportáteis em 110V ou 220V.4.2. Observadas as recomendações do item anterior (4.1), uma máquina ou equipamento estará emconformidade com este procedimento quando o plug estiver desconectado e sinalizado (rotulado eetiquetado).5. Supervisão dos trabalhos de bloqueio e sinalização5.1. Antes do início dos trabalhos, a Supervisão deverá certificar-se de que todos os seussubordinados conhecem e estarão atuando em conformidade com este procedimento.5.2. Após o término do trabalho supervisor deverá assegurar que a máquina ou equipamento estápronto para ser reativado, observando-se os seguintes passos: • Remover todos os itens não necessários, tais como ferramentas e outros objetos espalhados; • Certificar-se de que todos os componentes estão operacionalmente intactos, inclusive grades e dispositivos de segurança; • Verificar a existência de trabalhos parciais ou incompletos; • Grades ou dispositivos de segurança devem ser reparados antes da remoção dos cadeados; • Vistoriar para garantir que todos estão fisicamente afastados dos equipamentos antes de restabelecer a energia.6. Sinalização de advertência6.1. Todos os cadeados utilizados no bloqueio deverão receber uma etiqueta de sinalização eadvertência.6.2. A etiqueta de sinalização e advertência deverá conter no mínimo as seguintes informações eadvertência. • “Perigo, Não Opere Este Equipamento”; • Nome e departamento de trabalho de cada um dos responsáveis pelo bloqueio; 18
    • • Data de realização do bloqueio.6.3. As etiquetas somente deverão ser removidas juntas com os cadeados individuais. Reenergização dos equipamentos: Efetue testes de inspeção para assegurar que todas as ferramentas, “jampeadores” elétricos, curtos circuitos, aterramentos e outros dispositivos tenham sido removidos Avise ou sinalise aos outros para se manterem longe dos circuitos e equipamentos. Cada cadeado e etiqueta precisa ser removido pela pessoa que o aplicou Cheque visualmente se todos os empregados estão longe dos circuitos e equipamentos. Perguntas importantes:1- Como as pessoas podem se proteger dos acidentes relacionados com Eletricidade?Todos devem checar os sistemas elétricos de suas casas e locais de trabalho, em especial astomadas e as extensões para terem certeza de que elas não estão sobrecarregadas. Devemexaminar a fiação elétrica para terem certeza que não há fios desencapados, danificados oucolocados sob tapetes ou carpetes. Se forem fazer pequenos reparos, como a troca de um fusível oudisjuntor, devem seguir algumas precauções fundamentais: desligar a energia, observar acapacidade adequada em amperes, estar com as mãos secas e pisar sobre piso seco.2- Se eu tenho uma casa ou escritório antigo, com a instalação elétrica antiga, como possosaber se é necessário uma reforma?Sistemas elétricos envelhecem e podem tornar-se sobrecarregados, particularmente em casas ouedifícios antigos. Com o passar dos anos, mais lâmpadas, dispositivos e equipamentos sãoacrescentados, o sistema elétrico torna-se ultrapassado e os problemas se desenvolvem. Fusíveis oudisjuntores podem queimar ou desarmar freqüentemente. Interruptores e tomadas ficam aquecidos.A intensidade das lâmpadas varia muito com o funcionamento de outros aparelhos. Novos circuitose outros reparos podem ser necessários.3- Para que serve um plugue de três pinos? Qual a vantagem de utilizá-lo?O terceiro pino fornece um caminho para a terra para a corrente elétrica que está "escapando" docircuito elétrico normal por falha no isolamento do equipamento. Isso ajuda a proteger oequipamento e, em alguns casos, a prevenir o choque elétrico.4- E os plugues que têm pinos de tamanho diferentes, para que servem?Os plugues polarizados são aqueles com um dos pinos mais largo ou maior do que o outro. Essa 19
    • característica garante que o plugue seja inserido na posição correta, isto é, os condutores fase eneutro da tomada ligados adequadamente nos equipamentos. Isso ajuda a prevenir o choqueelétrico.5- O que é um interruptor de corrente de fuga? Como ele funciona?Sua denominação completa é dispositivo de proteção a corrente diferencial-residencial (dispositivoDR). É um dispositivo de prevenção de choques elétricos. Ele monitora constantemente o fluxo dacorrente elétrica de um circuito para detectar qualquer alteração. Se a corrente apresentar umdesequilíbrio, ou seja, valores diferentes na entrada e saída do circuito, o dispositivo interrompe ocircuito, prevenindo acidentes. A vantagem de utilizá-lo é que ele pode detectar variações bempequenas para as quais os fusíveis e disjuntores comuns não atuam. Considerações sobre aterramento elétrico: Responsabilidades:1. A aplicação destes procedimentos esta sob a responsabilidade da Gerência de Manutenção, quedeverá assegurar-se que: • Os cadeados utilizados sejam duráveis e possuam código (segredos) individuais. • Todos os seus subordinados tenham adequado suprimento de Multitrava e cartões de advertência para uso no procedimento. 20
    • • Todos os seus subordinados sejam responsáveis pelo cuidado e manutenção de seus cadeados, travas e cartões.2. O Setor de segurança e Meio Ambiente é responsável por assessorar a Gerência/ Chefia quantoaos aspectos técnicos relativos ao Bloqueio e Sinalização de Fontes de Energia. Penalidades: A não observância desta Norma de Segurança do Trabalho caracterizado ato deindisciplina e/ou insubordinação, passível de aplicação de penas disciplinares, conforme legislaçãovigente, cabendo ao RH, analisar a ocorrência e aplicar as sanções disciplinares cabíveis.NOTA: Todos os trabalhadores que irão operar com energias perigosas, tanto em reparos quanto eminstalações ou substituições deverão assinar o comprovante de que tomaram conhecimento e nãotêm dúvidas sobre as responsabilidades e riscos das tarefas.. Bibliografia:http://www.panduit.com.br/http://www.cdc.gov/nasd/menu/topic/electrical_safety.htmlhttp://www.qualisseg.com.br/qualisseg/lockouts.htmhttp://content.honeywell.com/sensing/products/safety/2cps/http://www.conectonline.com.br/c_news.asp 21