Papel das Universidades nos Parques Tecnológicos
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Papel das Universidades nos Parques Tecnológicos

on

  • 686 views

Descreve a responsabilidade social das universidades e a importância da estrutura dos parques tecnológicos para o pleno exercício das funções universitárias de pesquisa, extensão e inovação.

Descreve a responsabilidade social das universidades e a importância da estrutura dos parques tecnológicos para o pleno exercício das funções universitárias de pesquisa, extensão e inovação.

Statistics

Views

Total Views
686
Views on SlideShare
686
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
12
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

     Papel das Universidades nos Parques Tecnológicos Papel das Universidades nos Parques Tecnológicos Presentation Transcript

    • Papel das Universidades nos Parques TecnológicosAntônio Diomário de QueirozDiretor de Ciência, Tecnologia e Inovação Reunião dos Conselhos Consultivos Florianópolis, 21 de novembro de 2012
    • Papel das Universidades nos Parques Tecnológicos1. Extensão e responsabilidade social da Universidade para o desenvolvimento do país2. Parque Tecnológico, estrutura de apoio ao exercício pleno das funções universitárias
    • Papel das Universidades nos Parques Tecnológicos1. Extensão e responsabilidade social da Universidade para o desenvolvimento do país
    • Responsabilidade Social da Universidade A Constituição Federal dispõe em seu Art. 207:  “As universidades gozam de  autonomia didático-científica,  administrativa e de gestão  financeira e patrimonial, e  obedecerão ao princípio de  indissociabilidade entre ensino,  pesquisa e extensão”. 
    • Lei de Diretrizes e Bases da EducaçãoNacionalLei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. TÍTULO I Da Educação Art. 1º. A educação abrange os processos formativos que se desenvolvem na vida familiar, na convivência humana, no trabalho, nas instituições de ensino e pesquisa, nos movimentos sociais e organizações da sociedade civil e nas manifestações culturais. (...) §2º. A educação escolar deverá vincular-se ao mundo do trabalho e à prática social.
    • Lei de Diretrizes e Bases da EducaçãoNacionalLei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. CAPÍTULO IV Da Educação Superior Art. 43º. A educação superior tem por finalidade:VI – estimular o conhecimento dos problemas do mundopresente, em particular os nacionais e regionais, prestarserviços especializados à comunidade e estabelecer com estauma relação de reciprocidade;VII – promover a extensão, aberta àparticipação da população, visando à difusãodas conquistas e benefícios resultantes dacriação cultural e da pesquisa científica etecnológica geradas na instituição.
    • E Extensão Pesquisadu Ensinocaçã Desenvolvimento Regional eo Melhoria da Qualidade de Vida
    • Como a ação da universidade contribui para valorizar os recursos locais, promovendo o  desenvolvimento regional e a melhoria da  qualidade de vida?
    • A Eficácia Social da Universidade A qualidade da instituição se mede pelos resultados junto à sociedade. Diário Indústria & Comércio, 1995
    • Responsabilidade Social da UniversidadeA Universidade tem a responsabilidade social de alimentarcontinuamente com novos conhecimentos o processo de desenvolvimento econômico e social de um país. Jornal da Andes (resposta às perguntas)
    • Conhecimento é fator de produção determinante da formação do valor eda competitividade na nova economia.
    • A economia do conhecimento consiste num fluxoimenso de oportunidades inovadoras de elevado valor agregado, com ampla dispersão social. Management, nº 18, novembro-dezembro 1998, p. 9
    • A extensão, entendida como uma das funções básicas da Universidade, é a interação sistematizada desta com a comunidade, por meio da mútua prestação de serviços, visando contribuir para o desenvolvimento dessa comunidade e dela buscar saberes e experiências para a avaliação e vitalização do ensino e da pesquisa.Extensão Normas de Extensão da UFSC, 1987.
    • ExtensãoA extensão significa a recuperaçãoda unidade do conhecimentoque fundamenta o ensinoe a pesquisa, pois recuperasua dimensão do real. Queiroz, D. 1987. A Política de Extensão da UFSC: Reflexos no Ensino de Serviço Social.
    • A relação entre o ensino e a extensão supõe transformações no processo pedagógico, poisprofessores e alunos se constituem como sujeitos do ato de ensinar e aprender, levando à socialização do saber acadêmico, propiciando melhoras ao ensino e desencadeando mudanças sociais importantes. Fórum Nacional de Pró-Reitores de Extensão, 2001.
    • O profissional do mundo novo Em todos os campos de conhecimento, o ensino de qualidade se definirá pela formação do profissional crítico, agente transformador da sociedade, consciente de sua cidadania, capaz de enfrentar e solucionar problemas, a mente aberta para um processo contínuo de inovação.nel: O ensino, a universidade e o mundo novo, 1994
    • Extensão Pela extensão, a Universidade assume plenamente sua responsabilidade social de agente do desenvolvimento. Ela ajuda a compreender a dinâmica do meio físico, econômico e social que a envolve. E difundindo conhecimento, dá sua contribuição às mudanças que assegurem às populações a transição a níveis mais elevados de qualidade de vida.Queiroz, D. 1987. A Política de Extensão da UFSC: Reflexos no Ensino de Serviço Social.
    • Nova economia: horizontes da era da informação e do conhecimento A Universidade tende a ser cada vez mais aberta e solidária, ter compromissos sociais, perseguir a qualidade de vida da população como parte ativa doprocesso de desenvolvimento, gerando conhecimentos e atuando em conjunto com os demais parceiros para a solução das grandes questões regionais e nacionais. Indústria & Comércio, 1995
    • Nova economia: horizontes da era da informação e do conhecimento Ou seja, uma Universidade empreendedora e que não perca de vista tanto seu papel no ensino, pesquisa e extensão quanto sua função libertária e cultural, como guardiã dos princípios mais elevados da cidadania e da relação livre entre as pessoas. Indústria & Comércio, 1995
    • Desenvolvimento é o processo de transição de determinada estrutura econômica e social a outrasestruturas que possibilitem um nívelmais elevado das forças produtivas. Queiroz, Diomário.1971. Une approche structurale du sous developpement et du developpement. Paris.
    • Os sistemas vivos seguem processos naturais:crescer, reproduzir, regenerar, reciclar, valorizar.
    • Os sistemas de colonização e de industrialização do Brasil obedecem o fluxo linear deextrair, explorar, vender, usar, descartar.
    • Da exploração à valorizaçãoEXPLORAÇÃO CONCENTRAÇÃO MISÉRIA DE RENDA MELHORIA DEVALORIZAÇÃO MULTIPLICAÇÃO DA VIDA RIQUEZA PARA TODOS
    • Ciência, Tecnologia e Inovação Desenvolvimento científico e tecnológico Desenvolvimento econômico e social com distribuição de renda e inclusão social
    • Educação Inovação Tecnologi a Ciênci a “É imperativo reconhecer que a inovação é elemento essencial para consolidar a funcionalidade do trinômio ”.Brasil. Ministério da Ciência e Tecnologia.LIVRO BRANCO :CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO;Brasília : Ministério Calendula officinalisda Ciência e Tecnologia, 2002.
    • CiênciaConjunto organizadodos conhecimentosrelativos a umdeterminado objeto. Chaui, 1997
    • TecnologiaProcesso contínuoatravés do qual ahumanidade molda,modifica e gera a suaqualidade de vida.Bueno, Natalia de LimaCEFET-PR. 1999
    • A inovação é aconvergência dahistória dediversas pessoaspara encontraruma soluçãode futuro. 2003. Queiroz, Diomário
    • Inovação e Criatividade Das idéias à realizaçãoInovar éintroduziralgo novo narealidade.A imaginaçãoprepara essaintrodução. Fusão Pitch Generalização Seleção Brief Projetos Realização Lançamento de idéias Enriqueci -mentoMarc Giget Adaptado de Marc Giget
    • Criatividade Criatividade é uma habilidade humana, a qual permite chegar a soluções novas para problemas a partir de associação de informações anteriores.Alexandre Hering de Queirozhttp://www.eps.ufsc.br/disserta99/queiroz
    • Imaginação, Criatividade e Inovação “A apresentação de novas dúvidas ou possibilidades, e o estudo de antigos problemas baseado em novos pontos de vista, requerem uma  imaginação fértil e trazem real progresso para a ciência". Albert Einstein e Leopold Infeld. Evolution of Physics, Simon & Schuster, New York.
    • Ideias criativasResolvem GeramProblemas InovaçõesCientíficos Método Ciência Tecnologia
    • Produtos da pesquisa Sistemas inovadoresModelos Protótipos PublicaçõesArtigos Dissertações Livros Teses CD-rom
    • Importância da Inovação Tecnológica “Inovação é a implementação com êxito de idéias criativas” Marc Adam vice presidente de marketing da 3M
    • Inovações Científicas e Tecnológicas A emergência e difusão de novas tecnologias vinculadas à informática e microeletrônica, àtelemática, à biotecnologia, aos novos materiais e à química fina estão provocando a globalização e mudanças fundamentais nas organizações, no trabalho e no emprego. Adaptado - Engº Sérgio Roberto Arruda
    • Criatividade Produtiva Criatividade direcionada para resultadosNeri dos Santos, Dr. Ing
    • Inovação e empreendedorismo "A inovação é o  instrumento específico dos empreendedores, o processo pelo qual eles  exploram a mudança  como uma  oportunidade para um  negócio diferente ou  um serviço diferente".  Drucker (1987)
    • Importância da Inovação Tecnológica Otimização dos projetos de produtos $ $ $ $ $ $ $ ETAPAS DE TRIAGEM E DESENVOLVIMENTO Geração de ideias Produto inovador Custo Novas Prazo EFICIÊNCIA tecnologias Qualidade Qualidade EFICÁCIAAlexandre Hering de Queiroz das Ideiashttp://www.eps.ufsc.br/disserta99/queiroz
    • Valorização das Potencialidades Regionais pela Pesquisa O grande problema da empresa brasileira é que geralmente ela é simples reprodutora de conhecimentos alienígenas. Jornal de Santa Catarina, 1995
    • Valorização das Potencialidades Regionais pela Pesquisa No exterior as empresas são concebidas como núcleos de desenvolvimento. Aqui freqüentemente só se atêm à função de fabricação, negligenciando-se a pesquisa e a inovação. Jornal de Santa Catarina, 1995
    • Desenvolvimento tecnológico e inovação Estamos convencidos que qualidade eprodutividade são fundamentais para a abertura do País para os mercados internacionais.
    • Desenvolvimento tecnológico e inovação Mas isso não se alcança da noite para o dia, énecessário sustentação científica e tecnológica, e aí está o papel da educação.
    • O novo paradigma do desenvolvimento A economia baseada no conhecimento DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO Trabalho Capital Produtividade Capital Humano Uso das TIC Inovacão e Ciência Impulso Emprendedor • Nível de formação • Base de Ciência • Investimento • Criatividade • Formação em C&T • Difusão • Uso • Capital de Risco • Formação em Gestão • Relação Ciência-Indústria • Facilidade de • Cultura “inovacão” NegociaçãoAdaptado de Angel Landabaso • Empresa Internacional • Emp. forte crescimentoConselheiro C & T Entorno FavorávelDelegação da Comissão Européia no Brasil
    • “A inovação é o resultado de um conjunto de relações que unem três mundos sociais distintos, que possuem culturas próprias e, não raro, francamente conflitantes”. FLICHY, P. 1995. L’ innovation tecnique apud Renato de Oliveira. Ciência e Tecnologiauma agenda para a Democracia e o Desenvolvimento
    • Os três mundos sociais da inovação FLICHY, P. 1995. L’ innovation tecnique apud Renato de Oliveira. Ciência e Tecnologia: uma agenda para a Democracia e o Desenvolvimento 1. Relações internas à comunidade de pesquisadores com abordagens inovadoras, porém freqüentemente inibidas por estruturas institucionais rígidas.2. Relações entre a comunidade de pesquisadores e os agentes econômicos e sociais. 3. Relações com os agentes do Estado e do Governo, operadores do sistema político-econômico.
    • "A Lei da Inovação passa avigorar em um contexto dedesafios e de esperanças. Comela, avançam a ciência, atecnologia e a inovaçãobrasileiras. E o governocumpre, mais uma vez, o seucompromisso de mudar essePaís, na perspectiva de suasmaiorias excluídas e daconstrução de umdesenvolvimento soberano, Ministro Eduardo Camposcom justiça social". 02/12/2004
    • Lei da inovação“Inovação: introdução de novidade ou aperfeiçoamento noambiente produtivo ou social, que resulte em novos produtos, processos ou serviços”.Lei 10.973, de 2-dez-2004
    • As cinco seções da leiEstímulo à construção de ambientes especializados ecooperativos de inovaçãoEstímulo à participação das ict no processo deinovaçãoEstímulo à inovação nas empresasEstímulo ao inventor independenteDos fundos de investimento
    • Lei N° 14.328 de 15/01/2008Artigo 1°XI - Parque Tecnológico: Tecnológico O complexo de organizações empresariais, científicas e tecnológicas estruturadas de maneira planejada, concentrada e cooperativa para promover a cultura e a prática da inovação, a competitividade empresarial e a geração de riquezas por meio da criação e fortalecimento de empresas inovadoras e da interação com Centros de Pesquisa e Desenvolvimento e com Instituições Científicas e Tecnológicas.
    • PCCT&I“É a síntese do passado de trabalho competente de muitas pessoas e instituições, e, ao mesmo tempo, o desafio estratégico que une governo, academia e agentes econômicos e sociais, visando à qualidade de vida dos habitantes e ao desenvolvimento de Santa Catarina, com sustentabilidade ambiental e equilíbrio regional.”
    • OBJETIVOP CONHECIMENTOC Princípios DesenvolvimentoC Eixos Sustentável e Qualidade de EstratégicosT Linhas de Ação Vida da População,& Prioridades com Equilíbrio RegionalI
    • Papel das Universidades nos parques Tecnológicos 2. Parque Tecnológico, estrutura deapoio ao exercício pleno das funções universitárias
    • Parques Tecnológicos e Incubadoras
    • Lei N° 14.328 de 15/01/2008Artigo 1°XI - Parque Tecnológico: Tecnológico O complexo de organizações empresariais, científicas e tecnológicas estruturadas de maneira planejada, concentrada e cooperativa para promover a cultura e a prática da inovação, a competitividade empresarial e a geração de riquezas por meio da criação e fortalecimento de empresas inovadoras e da interação com Centros de Pesquisa e Desenvolvimento e com Instituições Científicas e Tecnológicas.
    • Inovação & SustentabilidadeRealização Apoio
    • Inovação & SustentabilidadeUm lugar para aplicar conhecimentos científicos e empíricos na geração de algo novo útil para a sociedade.“Ambiente dotado de infraestrutura e sistemas para atrair/formar talentos e empreendimentos capazes de gerar ideias e conhecimentos e transformá-los em novos produtos e serviços para a sociedade, promovendo o desenvolvimento sustentável sócio-econômico-ambiental da região”
    • Conhecimento Sociedade Sabedoria Ser Humano
    • Inovação e Empreendedorismo em Florianópolis CELESC, Incubadora e ELETROSUL e Condomínio Parqtec Alfa Sapiens Parque TELESC Décadas 60 e 70 1986 1993 2002 - 2006 20201960 1984 1991 1995 2007 - 2010 Fundação CERTI Tecnópolis CELTA e FAPESC Empreendimento s
    • Parqtec Alfa e CELTAParqtec Alfa e Celta Parque tecnológico 75 empresas de tecnologia instaladas Mais de 3.000 postos de trabalho Receitas anuais de R$ 400 milhões Incubadora celta 42 empresas incubadas e 65 graduadas Mais de 600 postos de trabalho (2500 graduadas) Receitas anuais de R$ 45 M (R$ 600 M graduadas)
    • Parques Tecnológicose Incubadoras em SC • Florianópolis: CELTA, GENESIS/FEESC, MIDI Tecnológico/SEBRAE • Blumenau: BLUSOFT, GENE Blumenau 10 Em 2 inc 00 • Joinville: SOFTVILLE, MIDIVILLE,INOVAPARQ ub 2: ad ora s • Criciúma: MIDISUL • Rio do Sul: TECNOPARK • Chapecó: MIDIOESTE •OBS: Existiam outras iniciativas em fase de desenvolvimento.
    • Arranjos ProdutivosSuinoculturaFAPESC:R$ 619.030,00 Continuidade do APL Madeira e MóveisFinep: R$ 804.959,00 FINEP: R$ 500.000,00 FAPESC : R$ 699.357,00Perdigão: R$ Finep: R$ 915.700,00608.000,00 Processos Têxteis FAPESC:R$ 200.000,00 Finep: R$ 249.599,92 Existentes Empresas: R$ 93.600,00 Novos Arranjos TIC FAPESC : R$ 904.500,00 Cerâmica Vermelha Finep: R$ 786.000,00 FAPESC: R$ 746.620,00 Empresas:R$ 400.000,00 Empresas: R$ 192.000,00 Finep: R$ 655.300,80 Malacocultura FAPESC: R$ 485.032,32 Carvão Finep: R$ 479.977,36
    • Programa estruturante do sistema catarinense de C&T&I Norte Oeste P&D em madeira e móveisDiversidade genética Vale do Itajaí P&Dde espécies vegetais Inovação tecnológica em Fitoterápicos da fruticultura de Inovação Têxtil Grande Florianópolis clima temperado Rede de Pesquisa P&D em na área de software manejo dos solos Sul Serrana P&D em recuperação ambiental pela valorização do carvão
    • Parques Tecnológicos e Incubadoras em SC CONTESTEC - Planalto Norte SOFTVILLE ITFETEP MIDIVILLE Incubadora São Bento do Sul Pré Incubadora da Unerj Caçador JARAGUATEC NECTAR IncubadoraPré-Incubadora de São Informática, Biotecnologia BLUSOFTMiguel Agronegócios e Alimentos Ibirama GENE Blumenau G-TEC Incubadora Inc. Unifebe Inc. Univali TECNOVALE - Luzerna Rio do Sul MIDIOESTE ACITA - Itapema do Rio do Peixe UNC CETEC CITEB INTECH Chapecó IAC – Agroindustrial ACIT/INCEVALE Biguaçu IESJ - São José Curitibanos Tijucas SC-Entretenimento de Concórdia Incubadora de Itá Base Tecnológica Unisul Florianópolis Software Incubadora Virtual de Empresas da Uniplac 2010: + 13 aprovadas CP 12/2009 MIDI Lages Carvão 2002: 10 incubadoras MIDISUL Agronegócios - Fapeu2004: 30 incubadoras/pré-incubadoras INOVASUL Software - Senai/CTAI2007: 35 incubadoras/pré-incubadoras Eng. Biomédica CELTA 2009: 44 incubadoras/pré-incubadoras GENESS/FEESC MIDI Tecnológico/SEBRAE
    • Evolução das Incubadoras 2010 2009 2008 2007 2006 +13 Incubadoras para 2010 pela CP 12/2009 2005ANO 2004 2003 2002 8 novas 2001 5 consolidações 2000 1999 10 11 15 20 25 28 35 36 42 44 QUANTIDADE
    • Organização sistêmica dos setores econômicos ABRADI OCESC CÂMARA e-NET SEPIJ FIESC ASSESPRO-SC FUNDAÇÃO CERTISUCESU-SC ACATE BLUSOFT SEBRAE/SCCETIC SEINFLO CDI-SC SIESC SOFTVILLE FECOAGRO SEPROSC
    • Associação Catarinense de Empresas de Tecnologia
    • Ecossistema Incubadora de Instituto de Empresas Tecnologia Parqtec Alfa Parque TecnológicoInstituto deTecnologia Programa de Empreendedorismo Parque de Inovação Fundos de Seed e Venture
    • Inovação eEmpreendedorismo em Florianópolis• 550 empresas de tecnologia• 3 Parques Tecnológicos• 6 Incubadoras de Empresas• 15 Universidades• 8 Centros de Tecnologia• 7 Complexos Empresariais para Empresas de Tecnologia• Investimentos diretos do Estado de R$ 50M ao longo de 25 anos• Setor com maior arrecadação de impostos – cerca de R$ 150 milhões anuais• Mudança do perfil econômico e cultural da região
    • Empreendimentos no Sapiens ParqueCentro de Fármacos Softplan– INPETRO – Cluster – Cluster Life – Energia– 9.500 m2 Cluster TIC– 20.000 5.200 m2 m2 Ed4. 9.800 m2 Ed5. 15.000m2 InovaLAB – Cluster de Energia e Econ.CriativaAcate 20mil Reason
    • Novos projetos UFSC no Sapiens Parque INEP Bio☼Santa CRF
    • Sapiens Parque – Estruturação Jurídica Assembléia Assembléia Assembléia Geral Conselho Conselho Fiscal Conselho Conselhos Consultivos Conselho Conselho de Conselho 1. Político-Institucional - Administraç Administração de Administraç 2. Social e Ambiental; de Sapiens Parque SA 3. Empresarial; 4. Científico Tecnológico - Codesc Diretor Diretor Diretor President Presidente President SC-Parcerias Fundação CERTI Diretor Diretor Inst.Sapientia Diretor President Executivo President Diretor Diretor de Diretor Diretor Diretor Diretor deCiência Ciência Ciência Diretor Diretor de Diretor Administrativ Administrativo Administrativ de Tecnologia Tecnologia e Tecnologia Operaçõe Operações de Operaçõe Financeir o Financeiro de o Financeir e Inovaçã Inovação ss o e Inovaçã o oo
    • Parque de Inovação para Promoção de Políticas Públicas em Ciência, Tecnologia e Educação Muito Obrigado!!! diomarioq@terra.com.bradq@sapiensparque.com.brwww.sapiensparque.com.br