Trabalho completo de Ciborgues e a História

3,755 views

Published on

Monografia para a aula de Cultura Digital da PUC-SP
1º semestre/2010
Tema: "Ciborgues: passado, presente e futuro"
Subtema: "Ciborgues e a História"
Grupo: Gabriela Freitas (redatora), Gerson Victor dos Santos, Leonardo Lauricella e Thiago Mittermayer

Published in: Technology
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
3,755
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
7
Actions
Shares
0
Downloads
79
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Trabalho completo de Ciborgues e a História

  1. 1. PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO CAMPUS MARQUÊS DE PARANAGUÁ Departamento de Ciências da Computação Tecnologia e Mídias Digitais 1º Semestre / 2010 CIBORGUES: PASSADO, PRESENTE E FUTURO CIBORGUES E A HISTÓRIA Cultura Digital – Prof Fábio Fernandes Gabriela de Sá Teles Freitas RA 00062791 Gerson Victor do Santos RA 00062813 Leonardo Lauricella RA 00066367 Thiago Mittermayer RA 00062807
  2. 2. 1. Introdução Embora haja um sistema lingüístico subjacente a cada língua, ele não impede a variação1. Todo vocábulo pode sofrer ampliações ou restrições de sentido, até ser necessária a criação de novos termos. Esse fenômeno lingüístico é visto freqüentemente, principalmente em áreas ligadas à tecnologia. Com o termo “cyborg” não foi diferente. A palavra cyborg – em português, ciborgue – cunhada por Manfred Clynes e Nathan Kline em 1960, na publicação do artigo “Cyborgs and Space”, é a união das palavras cybernetic organism. Cyber provém do grego “Khyber” que significa orientação. Assim, ao pé da letra, cyborg seria o resultado da ciência do controle empregada em um organismo. Mas, na sua origem, o termo ciborgue foi criado para designar aquele que, deliberadamente, incorpora componentes exógenos utilizados para estender as funções humanas, com o objetivo de adaptá-lo a novos ambientes. Por fim, o termo cyborg foi incorporado no nosso cotidiano para designar os seres compostos parcialmente por materiais orgânicos e parcialmente por materiais inorgânicos, os quais melhorariam as funções naturais destes organismos. O cyborg é conhecido por sua veiculação nos meios artísticos, especialmente na ficção literária e nos filmes. Um bom exemplo é o seriado americano, produzido e exibido entre 1974 e 1979, “Ciborgue, O Homem de Seis Milhões de Dólares” (The Six Million Dollar Man), inspirado no livro Cyborg, de Martin Caidin (1972). Apesar disso, esse termo é freqüentemente empregado em estudos e na vida real. 1 [2005] MARCUSCHI, Luiz Antônio e XAVIER, Antônio Carlos: Hipertexto e Gêneros Digitais – Novas formas de construção de sentido. Editora Lucerna. – pág. 30.
  3. 3. O termo ciborgue, a primeira vista, remete a uma união entre humanos e tecnologias, porém, essa visão é um tanto parcial. Há muito mais a explorar sobre o termo ciborgue. Poderíamos começar a analisar desde as variedades dos equipamentos e computadores de vestir até as variedades dos tipos de próteses e implantes existentes na área da cibernética que cabe à biomedicina. Por exemplo: em 1997, a Creapole École de Création et de Design e o cientista Alex Pentland produziram, em Paris, uma Mostra de Moda de Roupa Inteligente (Smart Clothes Fashion Show). O objetivo era prever o casamento iminente da moda com os computadores para vestir. Mas, com isso, estariamos nos distanciando do nosso foco principal: por meio de pesquisas em sites confiáveis da internet, vídeos disponíveis na internet, artigos de revistas, consulta em livros e uma entrevista realizada por nós com o Prof. Dr. Antônio Quevedo – engenheiro elétrico responsável pelo Laboratório de Reabilitação Sensório-motora do Centro de Engenharia Biomédica (CEB) da UNICAMP – por Skype; analisamos a história do cyborg, a evolução das teorias e das tecnologias desenvolvidas que envolvem os cyborgs e os estudos e realizações nessa área, com a finalidade de especular sobre o futuro, o próximo passo da história: seriam os cyborgs o próximo passo da evolução humana? Em suma: analisamos o passado para entender o presente e especular sobre o futuro. 2. Desenvolvimento 2.1. Passado 2.1.1. Principais Conceitos / Estudos O primeiro ciborgue – antes mesmo de existir esse termo, no final dos anos 50 – foi um rato de laboratório do Hospital Estadual de Rockland, em Nova York. Pertencente a um programa experimental, foi implantado nele uma bomba osmótica. Sua
  4. 4. função era a de injetar doses controladas de substâncias químicas, alterando diversos dos seus padrões fisiológicos. Ele foi usado como um dos exemplos no artigo “Cyborg and Space”, de 1960 – época auge da corrida espacial pela qual o mundo bipolarizado passava. Artigo no qual Manfred Clynes e Nathan Kline usaram o termo cyborg pela primeira vez, para designar um “homem ampliado”; um homem melhor adaptado aos rigores da viagem espacial: o objetivo dos autores era tornar automático e inconsciente a união entre o sistema cibernético e o orgânico de um astronauta no espaço, assim, ele não teria que se preocupar com os ajustes feitos por uma máquina para continuar vivo, tornando-se escravo dela. Imaginavam um austronauta com um coração controlado por anfetaminas e, no lugar dos pulmões, haveria uma “célula energética inversa”, a qual seria alimentada por energia nuclear. Nobert Wiener, em 1947, definiu a cibernética como “a particularidade de sistemas em que a retroalimentação (o feedback) é fundamental”. Anos mais tarde, Marcela Antelo – aplicando essa idéia em seu artigo “O corpo se anima” – defendeu que o ciborgue implicaria em um governo do corpo, em que o governante e o governado são, ambos, partes fundamentais do sistema. Com isso, é possível concluir que a auto- regulação é uma característica definidora do conceito de cyborg – afinal, ela se manteve desde a concepção da idéia até os dias de hoje. Donna Haraway, professora de História da Consciência na Universidade da Califórnia, foi uma das primeiras pensadoras a refletir sobre a relação antagônica de amor e ódio entre pessoas e máquinas. Entre suas idéias, ela defende que todos os seres humanos já podem ser considerados ciborgues, pois há uma relação tão profunda entre o homem e as máquinas que já não se sabe quando um começa e outro termina.
  5. 5. Para ela, vivemos em um mundo de conexões em que é importante saber quem é que é feito e desfeito, pois tanto o ser humano está dentro do resultado de suas ações como esse está dentro do ser humano; vivemos em um mundo que é um entrelaçado de redes híbridas – redes com partes humanas e partes máquinas, acabando com conceitos como “natural” e artificial” – as quais não apenas nos cercam como nos incorporam. Essas redes híbridas são os ciborgues. Para Donna Haraway, um ciborgue é uma criatura de ficção e também de realidade social – a qual constitui das relações sociais vividas, da construção política mais importante e da ficção que tem a capacidade de mudar o mundo – tendo a onipresença e a invisibilidade como características. Em 1985, ela escreveu o ensaio “A Cyborg Manifesto: Science, Technology, and Socialist-Feminism in the Late Twentieth Century” no qual usou a imagem do ciborgue não como ícone de soberania, como ele era visto na época da Guerra Fria, mas como um símbolo de libertação feminina: “se as mulheres (e os homens) não são naturais [seus papéis não podem ser mudados], mas construídos, tal como um ciborgue, então dados os instrumentos adequados, todos nós podemos ser reconstruídos” (1997, KUNZRU, Hari. “Você é um ciborgue”). Os dualismos foram mantidos em nossa cultura como instrumento de dominação, não só da mulher, como dos trabalhadores, pessoas de cor e etc. O ciborgue destrói o dualismo. Em suma, ela acredita que, a partir do final do século XX, todos podiam ser considerados ciborgues, sendo esse um símbolo da junção ocorrida da realidade material e da imaginação, pontos que estruturam qualquer possibilidade de transformação histórica. Além disso, defende que a natureza e a cultura foram reestruturadas com o advento do ciborgue, não havendo mais uma relação hierárquica ou de dominância entre elas.
  6. 6. Hari Kunzru, crítico britânico, diz que a característica essencial que torna os ciborgues de hoje diferentes de seus ‘ancestrais mecânicos’ é a informação. Essa seria a chave do sistema de feedback proposto por Wiener. Ele se baseia, mais uma vez, em Donna Haraway, quando esta explica que os ciborgues “são máquinas de informação. Eles trazem dentro de si sistemas causais circulares, mecanismos autônomos de controle, processamento de informação – são autônomos com uma autonomia imbutida”. Hari Kunzru compara o ser humano com um ‘computador de carne’ que executa diversos sistemas de informação que se auto-ajustam para adaptarem-se a outros sistemas e ao ambiente. O sonho médico de construir um corpo melhor implicaria em melhorar os mecanismos de feedback ou em conectar o corpo a um outro sistema, um melhor (exemplo: olho biônico). Em 1995, os autores Gray, Mentor e Figueroa-Sarriera apresentaram uma proposta taxonomica das tecnologias-ciborgues, separando-as em: restauradoras (responsáveis pela restauração de algumas funções, com a substituição membros e órgãos perdidos); normalizadoras (dão novamente ao organismo uma indiferente normalidade); reconfiguradoras (criação de pós-humanos, termo que veremos no item 2.3.1.); e melhoradoras (criação de organismos relativamente melhores do que o padrão). Em 1997, Alec McHoul em “Cyberbeing and ~Space”, diz que: "O cyber não é atual nem virtual simplesmente; reside mais num entre-dois, em espaços que não são nem aqui nem ali, nem presente nem ausente, nem material nem imaterial, (...)". Assim como ele, muitos autores definem cyborg como um ser híbrido. Em 2001, Marko Monteiro diz no seu artigo “O Ciborgue como recurso heurístico” que o conceito de ciborgue – tal como explorado por alguns autores – caracteriza uma pessoa que escapa
  7. 7. das distinções tão comuns difundidas em nossa sociedade, como humano/máquina ou natureza/cultura, que parecem fazer cada vez menos sentido em nosso mundo. Tomaz Tadeu da Silva abordou em seu artigo questionador “Nós, ciborgues: o corpo elétrico e a dissolução do Humano” (publicado no livro “Antropologia do ciborgue – as vertigens do pós-humano”, em 2000) as conseqüências sofridas pelos humanos com a realidade dos ciborgues. Ele defende que, com os ciborgues, nós deixamos questões subjetivas, cujas respostas buscávamos há anos, como “quem é o sujeito?” para nos focar em questões como “queremos ser apenas sujeitos?” e “quem vem depois do sujeito?”. Apesar disso, ele acredita que a realidade do ciborgue é, para muitas pessoas, aterrorizante por ela acabar com a ‘originalidade’ do ser humano, e não por pôr em dúvida a sua origem ‘divina’. Ele defende que o ciborgue é a intersecção do conjunto de organismos (o qual contém seres humanos cada vez mais artificiais) e do conjunto de máquinas (as quais não simulam características humanas, mas se apresentam como uma “versão melhorada dos ‘apenas’ humanos”). Para ele, a questão mais importante que aflinge o nosso tempo é: onde termina o homem e onde começa a máquina? Essa questão, desse jeito, já foi abordada por vários autores antes dele, como a Donna Haraway, já vista anteriormente, mas ele propõe que nós consideremos a onipresença da tecnologia para analisarmos, também, o sentido inverso da questão: onde termina a máquina e onde começa o homem? Com base nesses conceitos, vemos que o termo ciborgue é associado a duas características principais: a hibridização entre homem e máquina, natureza e cultura de modo que não sabemos mais ver a fronteira que separa os dois; e a auto-regulação do sistema homem-máquina. No começo como uma vestimenta, mais tarde, como implantes
  8. 8. de chips e próteses mecânicas. No começo para ajudar aqueles que não tinham corpos capazes para realizar algumas funções, mais tarde, também para ajudar os que tem mais dificuldade na realização de tarefas diárias, talvez, no futuro, também para libertar os humanos de suas capacitações limitadas. Também é possível perceber que o ciborgue não é usado apenas para estudos científicos, militares e medicinais, mas também como um recurso heurístico e como uma ferramenta de estudo ontológico. 2.1.2. Exoesqueletos O Exoskeleton é um projeto de um exoesqueleto robótico que, quando vestido pelo usuário, garante a ele força extra. Ele está sendo desenvolvido pela Raytheon (EUA) desde 2000. Através de sensores, a roupa percebe movimentos mínimos no corpo do usuário e ela aumenta em 20 vezes a força deste. O principal objetivo da criação do Exoskeleton é para uso militar (cf. Foto 1). A Estrutura chamada HAL, desenvolvida por Yoshiyuki Sankai pela empresa japonesa Cyberdyne, consiste no mesmo princípio que o Exoskeleton, mas com algumas diferenças básicas: seu principal objetivo é para o uso de idosos e pessoas com limitações físicas (principalmente para as pessoas que sofreram derrame ou tem um dano na medula espinhal); seu design é bem mais bonito; ele está disponível para venda desde 2008 – apenas no Japão – e ele pode aumentar a força do usuário de 2 a 10 vezes. Segundo o site da empresa (em inglês), o “HAL” suporta seu próprio peso, foi criado para ser usado na escalada de montanhas e no trabalho com condições adversas, como a neve, mas, mesmo assim, eles recomendam que os usuários usem o traje dentro de casa (cf Foto 2).
  9. 9. Em 2007, antes do “HAL” sair no mercado, foi feita uma exposição em Tóquio para a apresentação de robôs criados para ajudar a cuidar de pacientes doentes, idosos e pessoas com limitações físicas. Algo que chamou a atenção foi a “Roupa Robótica” apresentada pelos pesquisadores do Instituto de Tecnologia de Kanagawa. O exoesqueleto motorizado é movido a ar comprimido, permitindo que um enfermeiro, por exemplo, carregue um paciente em seu colo, como se ele tivesse metade do seu peso real. São necessários 10 minutos para vestir o traje de 30 kg. Ele só é produzido por encomenda e também pode ser usado para trabalhadores em construções civis e etc. O “Assistente de Gerenciamento de Passada”, ou “Walking Assist Device” (cf. Foto 3) e o “Assistente de Suporte de Peso Corporal” (cf. Foto 4) são os gadgets mais recentes no mercado, lançados em 2009, apesar de estarem em desenvolvimento desde 1999, produzidos pela Divisão de Robótica e Tecnologia da Honda. Derivados das pesquisas realizadas para a construção do robô Asimo, o objetivo desses gadgets é mobilizar e reabilitar a população de idosos. O primeiro regula a passada e a velocidade do passo da caminhada da pessoa, tornando o andar muito mais fácil, ao mesmo tempo em que fortalece os músculos e melhora a postura do usuário. Já o segundo, reduz a carga sobre as pernas da pessoa, fazendo com que atividades como subir escadas e agachar se tornem mais fáceis. Isso se deve aos dois sensores de pegada que existem nas solas dos tênis embutidos e aos dois sensores de alçamento nas pernas, os quais reagem instantaneamente aos movimentos do usuário, sem controlá-los. O design é polido e seu peso é leve, apesar de não ser discreto. Com a pequena taxa de natalidade e a crescente expectativa de vida, o Japão tem um número cada vez maior de idosos, os quais necessitam de cuidados
  10. 10. especiais. Essa é uma realidade já presente na maioria dos países desenvolvidos e tende a se espalhar e se agravar cada vez mais. O desenvolvimento de ferramentas para ajudá-los em diversas tarefas cotidianas, como os trajes robotizados, é um mercado promissor. Enquanto isso, os EUA – que se tornou o pólo mundial durante a 2ª Guerra Mundial quando vendia mercadorias para uma Europa destruída e, desde então, deixa sua Indústria Bélica dominar sua economia, o principal fator de soberania de uma nação – investe em exoesqueletos para seu exército. 2.2. Presente 2.2.1. Ciborgue hoje: Popularidade Para saber como o cyborg é visto atualmente, é necessário fazer um estudo de toda sua história, como foi feito no item 2.1.. É preciso ter em mente, também, que, desde sua concepção, a idéia do ciborgue tem sido um projeto técnico, uma espécie de sonho científico e militar. Nos anos 70, milhões de dólares da Força Aérea estadounidense foram aplicados em P&D (Pesquisa & Desenvolvimento) e em projetos de construção de exoesqueletos, braços robóticos do tipo mestre-escravo, dispositivos de biofeedback e sistemas especializados. Ciborgues representavam um grande negócio: nas pesquisas militares, na ficção literária, nos seriados da TV e na medicina. A chance de melhorar as capacidades humanas estava mais perto de se tornar realidade por meio dos dispositivos artificiais. As obras de ficção científica e os cyberpunks surgiram com as preocupações que a população tinha com o rumo da tecnologia, da ciência, e de como a sociedade ficava no meio disso. As pesquisas científicas se inspiravam na arte, querendo saber até onde chegariam. Cyborgs passaram a ser vistos pela população, ora como algo a
  11. 11. ser temido, ora como um objeto de fascínio. A popularidade dos ciborgues, difundida pelas mídias e pelas descobertas no meio acadêmico, foi crescente desde sua concepção (cf. Foto 5). 2.2.2. Tecnologia-Ciborgue que se pode obter hoje O primeiro implante de marca-passo foi realizado em um homem de 43 anos, em 1958. Esse tipo de implante é feito quando a freqüencia de batimentos cardíacos está muito baixa. O marca-passo é um aparelho eletrônico posto debaixo da pele e conectado ao coração por eletrodos, que levam estímulos elétricos produzidos por um gerador. Esses estímulos garantem os batimentos cardíacos. Talvez seja uma das primeiras tecnologias-ciborgues a ser implantada em um organismo humano. Hoje há até um marca-passo wireless que se conecta a internet, enviando ao médico o desempenho do aparelho e dos batimentos do paciente (cf. Foto 6). O implante coclear, também conhecido como ouvido biônico, é um dispositivo eletrônico que estimula eletricamente as fibras neurais remanescentes em diferentes regiões da cóclea, permitindo a transmissão do sinal elétrico para o nervo auditivo, com a finalidade de ser decodificado pelo córtex cerebral, possibilitando ao usuário a capacidade de perceber o som (cf. Foto 7). O seu funcionamento difere do Aparelho de Amplificação Sonora Individual (AASI), o qual amplifica o som. Entre os implantes cocleares de gerações mais avançadas utilizados nos principais centros internacionais dedicados ao tratamento da surdez, estão: Nucleus 24, desenvolvido na Austrália pela Cochlear Corporation; Combi 40+, desenvolvido na Áustria pela Med-EL; e Clarion, desenvolvido nos Estados Unidos pela Advanced Bionics.
  12. 12. Inspirados no sucesso dos implantes cocleares, já há algum tempo que chips prometem devolver a visão a quem não enxerga: em 2002, resultados promissores na restauração da visão foram obtidos em uma pesquisa sobre implante de chip no cérebro e outra sobre implante de chip na retina; mas estes estavam longe de “virar realidade”, pois não davam aos pacientes a capacidade de reconhecer rostos e letras grandes. Já em 2009 (essa data foi quando a notícia foi liberada para a imprenssa, as pesquisas começaram em 1999 e os testes clínicos em 2006), o Laboratório de Pesquisas de Eletrônicos do MIT começou a desenvolver um chip que, implantado no globo ocular, leva a informação visual diretamente para o cérebro, sem o uso de fios (cf. Foto 8) e que concede aos pacientes estas capacidades. O implante é destinado a pessoas que perderam a visão em função da retinite pigmentosa, ou degeneração macular, causada pelo envelhecimento. Esse sistema não irá restabelecer 100% da visão, mas, ao menos, dará ao paciente a capacidade de navegar por uma sala e reconhecer rostos, podendo se integrar socialmente ao ambiente. Os pesquisadores esperam obter com os testes clínicos informações que permitam refinar o algoritmo usado no chip para produzir visão útil. Não são apenas chips que querem alterar a visão humana. Cientístas da Universidade de Washington desenvolveram lentes de contato biônicas que contêm circuitos, minúsculas LEDs e componentes elétricos tão pequenos que são chamados de “pó acizentado”. Ela deveria ser capaz de dar a um ser humano normal a habilidade de projetar imagens que seriam sobrepostas às imagens reais. Ela também pode ter aplicativos como: zoom; web; games; informações úteis surgindo no campo de visão do usuário e muitos outros. O time de pesquisadores está, até mesmo, sugerindo uma TV wide-screen. Um dos grandes problemas que tiveram na hora de desenvolvê-la foi a
  13. 13. criação de um design biologicamente saudável, mas as lentes já foram testadas em coelhos e não houve nenhum efeito colateral. Os cientístas esperam que, no futuro, as lentes possam se conectar com outros aparelhos por sem a necessidade de fios. Também esperam poder construir lentes que se recarreguem com luz solar, mas eles estão focando num modelo básico para um futuro próximo (cf. Foto 9). O implante de órgãos artificiais é um sonho já possível atualmente. Desde 2006 foi aprovado, pela U.S. Food and Drug Administration, a venda de um coração totalmente artificial, produzido pela empresa de Massachucets, Abiomed, chamado AbioCor. Ele só poderá ser usado em pacientes fracos demais para correr o risco de transplante e que não tenham nenhuma alternativa (cf. Foto 10). Há também o pulmão artificial, o BioLung, criado e patenteado pelos engenheiros da MC3, que pode substituir o pulmão real enquanto o paciente está se recuperando de uma doença ou até acharem um doador compatível (cf. Foto 11). Rins também são outra opção, desde 1980 há rins artificiais em hospitais, mas só em 2008 que foi feito um que evita diálises e é vestível – um colete chamado de AWAK (cf. Foto 12) –, por dois pesquisadores da UCLA e pelo Sistema de Saúde de Los Angeles. Por fim, uma companhia de Boston chamada HepaLife está desenvolvendo um fígado artificial que, apesar de ser um dispositivo externo, tem como base a união entre homem e máquina. Um órgão que ainda não foi criado artificialmente foi o estômago, mas cientistas britânicos estão chegando perto. Eles construiram o primeiro estômago artificial do mundo. Ele não é uma tecnologia-ciborgue propriamente dita já que não pode ser implantado, mas foi construido para servir de estudo sobre a digestão humana visando
  14. 14. essa possibilidade. Essa máquina tem metade da capacidade de um estômago humano e seu material agüenta as enzimas e os ácidos corrosivos que compõe a digestão. Os cientistas o vêem como um futuro instrumento de luta contra a obesidade (cf. Foto 13). Também é possível implantar músculos artificiais, como o Air Muscle da Schadow Robot Company, os quais são feitos de borracha e têm a capacidade de se contrairem em diferentes níveis (cf. Foto 14). Durante testes feitos com uma perna mecânica, cujo joelho era composto por dois músculos artificiais, os resultados mostraram que, ao andar, há um retorno aos músculos contraidos (perna esticada) de mais de 30% da energia que foi gasta para se esticarem (perna dobrada). Mas tecnologias-ciborgues mais conhecidas são as próteses que substituem membros externos do corpo, como braços, pernas, mãos e pés. Foi na China que descobriram que o corpo, na realidade, “se move a eletricidade”. Durante séculos, cientistas especularam se poderiam mexer dentro desse sistema elétrico para restaurar funções perdidas e reparar o corpo humano, como se o homem fosse mesmo uma máquina. Por volta de 2008 foi lançado no mercado o primeiro braço biônico “controlado pela mente”: ao pensar no movimento, impulsos elétricos vão até as células residuais do braço, interpretados pelos eletrodos e o movimento é feito pelo braço biônico (cf. Foto 15). Cientistas visam não apenas melhorá-lo a ponto de desempenhar as mesmas funções com a mesma habilidade do braço humano, mas ultrapassar esse ponto. A C-Leg da Otto Bock é uma perna biônica (cf. Foto 16) cujo joelho tem um microprocessador responsável pelo feedback. Uma única peça tem diversos modos, para a realização de
  15. 15. diversas atividades, como o modo para andar, o modo para dirigir, o modo para pedalar, entre outros, e eles podem ser trocados por um controle remoto. 2.2.3. Exemplos Reais Hugh Herr, chefe do laboratório de biomecatrônica do MIT, diz que: “Um terço da população mundial tem algum tipo de deficiência. Centenas de milhões usam próteses. Lentes de contato são próteses oculares, e ninguém estranha”. A ex-fuzileira norte-americana Claudia Mitchell, em 2006, foi a primeira humana a receber um braço biônico controlado diretamente pela sua mente — os nervos que controlavam seu braço amputado foram retirados do ombro e conectados a nervos na musculatura peitoral. Após alguns meses, eles cresceram no tecido muscular. Posteriormente, eletrodos conectados a uma placa no ombro foram usados para detectar impulsos emitidos dos nervos para o músculo e daí para o braço. Depois disso, há apenas uma remodelagem do braço por questões estéticas, pondo próteses de silicone e aplicando botóx. Atualmente, existem no mundo mais de 60.000 usuários de implante coclear. Entre eles há a paulista Júlia Albuquerque. Ela nasceu surda e recebeu o “ouvido biônico” com 10 meses de idade, cedo o suficiente para passar pelo processo de aprendizagem da fala igual a uma criança de corpo naturalmente capaz. Mas, o “ciborgue” que teve uma grande repercursão na mídia foi o corredor sul-africano Oscar Pistorius. Ao nascer sem as tíbias, ele amputou as pernas abaixo dos joelhos quando ainda criança. Agora, usa as próteses Cheetah, fabricadas pela
  16. 16. empresa Ossur. Foi campeão de todas as modalidades de corridas nas Para-olimpíadas e lutou por ter a chance de participar nas Olimpíadas. Ele, a empresa Ossur e diversos médicos diziam que o formato de suas próteses não dava a ele nenhuma vantagem em relação aos outros competidores de corpos capazes, mas a Associação Internacional de Federações de Atletismo (IAAF) afirmava que ele tinha uma vantagem injusta, já que poderia trocar as próteses enquanto os corredores não poderiam trocar as pernas. Eles acabaram dando permissão para Pistorius tentar a classificação nos Jogos Olímpicos de Pequim, mas ele passou do limite de tempo para a classificação, não conseguindo sua vaga. Alegando ter perdido por não ter treinado o necessário durante o ano, já que ficou lutando nos tribunais, ele diz que essa foi a prova de como tal 'vantagem' não existia. Tanya Vlach não é uma cyborg. Mas essa é a meta dela desde o acidente de carro que sofreu em 2005, no qual perdeu o olho esquerdo. Ela recebeu uma prótese ocular para fins estéticos e decidiu usá-la de forma mais útil. Tanya montou um blog e apresentou uma proposta de instalar uma câmera na sua cavidade ocular. Como escritora, ela pesquisou muito sobre o assunto para poder fazer tal proposta ser realista e conseguiu reunir argumentos suficientes para tentar persuadir engenheiros a ajudá-la ao mesmo tempo em que cativa o público e o convida a fazer doações financeiras para sua causa. A camêra teria uma série de itens obrigatórios, tais como: Bluetooth wireless, Firewire / USB drive, Mini A/V out, 4 GB SD mini Card; uma lista de itens que ela deseja: Carregador Wireless; Sensores que respondam ao piscar para fotos, zoom, foco e ligar e desligar; Infravermelho / Ultravioleta. Ela promete fazer um 'Truman Show aos olhos de Tanya' se conseguir alcançar esse objetivo. Ela é um exemplo de como nossos corpos são limitados e de como usamos a tecnologia para ampliarmos nossas funções.
  17. 17. 2.3. Futuro 2.3.1. Especulações em torno da palavra ciborgue Com as tecnologias avançando constantemente, nós temos nos tornado cada vez mais impacientes com o corpo que a natureza nos deu. Envelhecimento, morte, limites. Se pudessemos construir um corpo melhor; usar tecnologia para consertar essa forma humana, então, realmente, melhorariamos o corpo, deixando-o mais forte; mais rápido; mais inteligente e criariamos, assim, o humano do futuro. Só que hoje. André Lemos, professor da Universidade Federal da Bahia, defende em seu livro, “Cibercultura, tecnologia e vida social na cultura contemporânea” (2008), que o cyborg confunde-se com a própria história da humanidade. Para ele é possível por o cyborg como característica da estrutura da humanidade e como característica evidente da cybercultura. Assim, o cyborg constituiria num processo da evolução da sociedade. O pesquisador-chefe do Instituto de Robótica da Universidade de Reading, Kevin Warwick, também acredita que os ciborgues serão o próximo passo da evolução humana. Para ele, ser humano é se contentar com muito pouco; é ter habilidades ultrapassadas. Para tanto, em 1998, ele implantou seu primeiro chip (2,5 cm x 3 mm). Este ficou debaixo da pele de seu braço durante nove dias e servia para controlar mecanismos em seu laboratório, como o abrir das portas e o acender das luzes. Com seus 55 anos ele já possuiu, ao todo, 2 chips e 100 eletrodos. De modo empírico, ele diz que as pessoas que implantam chips (ou próteses e marca-passos) se acostumam em tê-los, de tal forma que começam a vê-los como parte de si mesmos, ao invés de vê-los como aparatos tecnológicos.
  18. 18. Seu segundo chip, em 2002, comandava os movimentos de uma mão-robô por sinais emitidos diretamente pelo seu sistema nervoso. Era possível até mesmo controlá-la a longa distância, pela internet. Ele já criou, e fez uso, de um boné com eletrodos conectados ao implante. Este emitia sinais ao seu cérebro sempre que um objeto ou uma pessoa se aproximava dele – quanto mais perto, maior a quantidade de sinais recebidos – funcionando como um radar de um morcego. Ele colocou uma venda e tentou se guiar em uma sala fazendo uso, apenas, desse artifício. O objetivo era a ampliação dos outros sentidos. Esses dois últimos experimentos o levaram, respectivamente, à busca de duas de suas grandes ambições: a comunicação mente-a-mente (o que ele pretende atingir em 20 ou 25 anos) e a criação de mais sentidos (o que ele acha ser possível em 15 anos), ambos por meio de chips implantados. A linguagem, para ele, é um sistema de códigos extremamente pobre para expressar os verdadeiros conceitos e abstrações que queremos transmitir. Um chip de comunicação pela mente mudaria isso, passando verdadeiros sentimentos e pensamentos de uma mente para a outra, na velocidade da luz – para ele, só de deixar a comunicação mais rápida, vale a pena. Isso mudaria o modo humano de se socializar. Para isso, ele pretende pôr, dentro de 4 ou 5 anos, um chip em seu próprio cérebro, como um teste. Apesar de soar uma idéia ficcional, isso já está sendo investigado desde que usaram pela primeira vez um chip para fazer com que um tetraplégico se expressasse controlando mentalmente um cursor virtual. Ele tem diversas outras visões para o futuro, como o download de informações ao invés de aprender e o armazenamento de arquivos no próprio cérebro. Tudo isso o leva a crer que o conceito do que é humano deverá ser, em breve, repensado.
  19. 19. Existiriam assim dois tipos de seres humanos: a espécie aprimorada, com chips e outros implantes, devir ciborgue; e a espécie “não tão melhor” e “não tão inteligente”, uma subespécie. Haraway se opõe aos dois pensamentos anteriores ao propor que os ciborgues não serão o próximo passo evolucional, pois os humanos já são ciborgues: a TV, o carro, os aparelhos de acadêmia; toda a tecnologia, os cercam e os incorporam, deixando-os ciborgues. Andy Clark, filósofo britânico, reforçou essa linha de racicínio ao criar sua teoria de Mente Estendida, defendendo que o ser humano não precisa por chips, implantes ou computadores vestíveis para ser chamado de ciborgue. Ele seria naturalmente ciborgue, pois desde sempre ele fica dependente de novas tecnologias, incorporando ferramentas que o ajudam a sobreviver no ambiente inóspito; ferramentas que ampliam sua mente. Assim, nessa teoria não há apenas uma redefinição no conceito de mente (ela não seria mais apenas o cérebro, mas ele em conjunto do corpo, das ações humanas e do ambiente); mas há, também, uma “proposta” de criação de um novo termo para conceituar os humanos/ciborgues do futuro visto por Kevin Warwick, ou um novo termo para designar aquele indivíduo que faz pleno uso do potencial das novas tecnologias ao seu dispor (indivíduo-objeto de estudo na teoria de Andy Clark). Esse caso expressa a necessidade de expansão do vocabulário: a expressão “pós-humano” passou a designar esse indivíduo que explora a cibercultura. Importante notar que, o pós-humano e o ciborgue não se excluem, ou seja, é possível que um pós-humano seja, também, um ciborgue, por exemplo.
  20. 20. Uma visão interessante dos ciborgues foi dada para nós pelo Prof. Dr. Antônio Augusto Fasolo Quevedo2. Ao perguntarmos se ele concordava com a visão de que os ciborgues – aqueles que implantam próteses, chips e outros aparatos tecnológicos – seriam o próximo passo da evolução humana, ele se mostrou bem cético. Ele explica como o nosso organismo é algo dinâmico e como nosso sistema de proteção tenta expelir todo objeto estranho a ele. Assim como uma farpa de madeira no dedo dá uma inflamação, nem é preciso tirá-la já que o nosso próprio corpo a expele naturalmente, um marca-passo, há cada dez anos, tem que ter seus eletrodos mudados de posição porque, naquela parte do coração, já houve a formação de uma “camada de tecido orgânico”, a qual os impede de funcionarem apropriadamente. Ele acredita que os ciborgues não serão o futuro enquanto os implantes não puderem ser mantidos por um longo prazo, precisando de uma manutenção constante. Com o avanço das pesquisas na área da nanotecnologia, pode haver a construção de máquinas a partir de moléculas compatíveis com as dos nossos corpos. E, então, surgiria o problema da acessibilidade. A possível criação desse tipo de máquina – isso se ainda pudermos chamar algo de carbono, por exemplo, de máquina – usaria uma tecnologia muito cara. Poucas pessoas poderiam dar o tão desejado upgrade em seus corpos. Assim, os ciborgues seriam uma parcela muito pequena da população mundial, não o suficiente para serem considerados o padrão ou uma nova espécie. 3. Conclusão 2 Prof. Dr. Antônio Augusto Fasolo Quevedo, responsável pelo Laboratório de Reabilitação Sensório-motora do Centro de Engenharia Biomédica (CEB) da UNICAMP, graduação, pós-graduação, mestrado e doutorado em Engenharia Elétrica. Entrevista feita no dia 09 de abril de 2010, por Skype.
  21. 21. Ciborgue, de maneira bem simples, é o termo que designa o organismo que fez uso de componentes mecânicos para melhorar seu desempenho. Sua principal característica, além da hibridização entre homem e máquina, é a auto-regulagem. O ciborgue passou por grandes transformações em sua história: de sonho louco e distânte da realidade, mas presente na ficção; até futuro evolutivo, parte real do nosso presente e do nosso futuro. O sonho de se dar um upgrade – sempre presente nos seres humanos, junto com a necessidade imposta na Guerra Fria de mostrar ao mundo qual povo era o melhor –, causou o investimento de milhares de dólares na realização do mito ciborgue. E conseguiram. Exoesqueletos, próteses e chips se tornam cada vez mais frequentes. Inicialmente simples, querendo fornecer uma vida mais tranqüila aos enfermos, como o marca-passo, hoje são exoesqueletos para trabalhadores de fábricas, idosos e militares; implantes que dão, aos surdos, audição; chips que visam melhorar a vida social dos deficientes visuais; próteses que chegam a oferecer melhores funções do que as originais do corpo humano... E sonhos. Muitos sonhos controversos: o ser humano não quer ficar limitado ao seu corpo, ele quer melhorá-lo, empurrar seus limites para mais longe e o “tornar-se ciborgue” – possível apenas pelos estudos e avanços tecnológicos – é visto como um modo de tornar esses sonhos uma realidade; ao mesmo tempo em que muitos defendem que avançar essa tecnologia para corpos capazes seja “brincar de Deus”. De qualquer modo, esse sonho de evoluír nossos corpos e de nos tornarmos ciborgues é visto por muitos como uma futuro alcançável, assim como há os
  22. 22. que defendem que já somos ciborgues: em todo lugar, dependemos da tecnologia, ela nos rodeia e nos engloba. O que mudaria no futuro seria a qualidade dessa tecnologia, da qual dependemos, uma vez que ela está sempre se inovando. Mas uma coisa é importante ressaltarmos: não importa a maneira que o ser humano use para tentar evoluir, ele o fará garantindo que tenha total controle. Ele sempre limitará a máquina para que esta não o supere, garantindo, assim, seu posto de dominância. Afinal, são ferramentas criadas pelos humanos, para auxiliarem os humanos e não para dominá-los.
  23. 23. Anexos Foto 1 - Retirada do site da Terra Foto 2 – Retirada do site da empresa Cyberdyne. Foto divulgação do “HAL”, com 30Kg em Exoskeleton com peso de 200lbs (90,72 kg) sacos de arroz Foto 3 – Retirada do site “Gizmodo” Foto 4 – Retirada do site “Gizmodo” Demonstração do Assistente de Demonstração do Assistente de Suporte de Gerenciamento de Passada Peso Corporal
  24. 24. Foto 5 – Retirada do cronograma do Google Gráfico de quantidade de arquivos na rede associados a robôs, andróides e cyborgs. Foto 6 – Retirado do site “Popular Sciense” In: < http://www.si14.com.br/wp- content/uploads/2009/08/marca_passo.jpg> Marca-passo sem fio Foto 7 – Retirada do site oficial de Implante Coclear Ilustração de um Implante Coclear (componente externo e interno). Foto 8 – Retirada do site “MIT News” Foto divulgação do modelo do implante retinal.
  25. 25. Foto 10 – Retirada do site de notícias da Foto 9 – Retirada da galeria do site “Oobject” Discovery Channel Lente biônica AbioCor Foto 12 – Retirada do site “Science News” Foto 11 – Retirada do site oficial da MC3 BioLung, o pulmão biônico AWAK – A Wearable Artificial Kidney (Um Rim Artificial Vestível).
  26. 26. Foto 13 – Retirada do site “Science Ahead” Foto 14 – Retirada do site “VUB: Applied Sciences” Diferentes níveis de contração de um músculo artificial Estômago artificial para estudo Foto 15 – Retirada do site “Popular Sciense” Foto 16 – Retirada do site da empresa Otto Bocks C-Leg – Perna Biônica Braço Biônico “Neuro-Controlado”
  27. 27. Bibliografia: SITES: Google Timeline. In: <http://www.google.com.br/search?q=cyborg+timeline&hl=pt- BR&safe=off&client=firefox-a&hs=X&tbo=p&rls=org.mozilla:pt- BR:official&tbs=tl:1,tl_num:100&ei=_iWIS4KsPMH61wffk8x0&oi=timeline_navigatio n_bar&ct=timeline-navbar&cd=3&ved=0CF0QywEoBA> Autor desconhecido. “Exoesqueleto Promete Super Força Para Soldados”. In: <http://icaju.wordpress.com/2008/05/16/exoesqueleto-promete-super-forca-para- soldados/> FAQ do site da empresa Cyberdyne. In: <http://www.cyberdyne.jp/english/faq/index.html> Parte “Technology & Innovation” do site da Raytheon Company. In: <http://www.raytheon.com/newsroom/technology/rtn08_exoskeleton/index.html> Site “Olhar Digital” da UOL. “Exoesqueleto robótico ajuda japoneses a cuidar de idosos”. In: <http://olhardigital.uol.com.br/digital_news/noticia.php?id_conteudo=3401&/EXOESQU ELETO+ROBOTICO+AJUDA+JAPONESES+A+CUIDAR+DE+IDOSOS> ANDERS, Charlie Jane. “Pop-Culture Cyborgs Through The Ages: A Gallery”. In: <http://io9.com/5403606/pop+culture-cyborgs-thoriugh-the-ages-a-gallery> Site “Oobject – Daily User Ranked Lists”. “16 Genuine Cyborg Technologies”. In: <www.oobject.com/category/16-genuine-cyborg-technologies/> NEWITZ, Annalee. “Tecnologias ciborgue que você pode implantar agora”. In: <www.gizmodo.com.br/conteudo/tecnologias-ciborgue-que-voce-pode-implantar-agora> ANTELO, Marcela. “O Corpo se Anima”. In: <http://membres.multimania.fr/jlacan/ornicar/ornicardigital/Articles_d_Ornicar_digital/o _corpo_se_anima_marcela_antelo_28199.html> LEVY, Thomás. “A Honda apresenta grandes inovações em uma feira”. In: <http://www.onne.com.br/conteudo/3299> LEE, Odelia. “Sensação de Andar com as Pernas Ciborgues da Honda”. In: <http://www.gizmodo.com.br/conteudo/sensacao-de-andar-com-pernas-ciborgues-da- honda> Do G1, São Paulo. “Roupa Robótica Transforma Soldados em ‘Super-Homem’ futurista”. In: <http://g1.globo.com/Noticias/Tecnologia/0,,MUL470825-6174,00.html>
  28. 28. Do site da Terra. “Roupa robótica aumenta 20 vezes a força do usuário”. In: <http://tecnologia.terra.com.br/interna/0,,OI2889687-EI8328,00.html> Do site da Terra. “Exército dos EUA terá armadura inspirada em ‘Robocop’”. In: <http://tecnologia.terra.com.br/interna/0,,OI2748721-EI8328,00.html> Da EFE. “Roupa Futurista Aumenta Força do Usuário em até Dez Vezes”. In: <http://g1.globo.com/Noticias/Tecnologia/0,,MUL396833-6174,00- ROUPA+FUTURISTA+AUMENTA+FORCA+DO+USUARIO+EM+ATE+DEZ+VEZ ES.html> SANTOS, Lionês Araújo dos. “A Condição Ciborgue”. In: <http://pt.shvoong.com/social-sciences/anthropology/1857339- condi%C3%A7%C3%A3o-cyborg/> GONÇALVES, Tonantzin Ribeiro; SILVA, Rosane Neves da. “Pscicologia & Sociedade”. In: <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102- 71822005000100006&script=sci_arttext> http://www.facom.ufba.br/ciberpesquisa/lemos/cap6.html EÇA, Teresa.“Desenho sem corpo? Desenho na era dos ‘cyborgs’”. In: <http://www.prof2000.pt/users/mglfm/cyborg.htm> RIBEIRO, Gisele. “Implante de chip para visão”. In: <http://blog.hsw.uol.com.br/gadgets/2009/10/23/implante-de-chip-para-visao/> Site “RLE at MIT” (Research Laboratory of Electronics at Massachusetts Institute of Technology). In: <http://www.rle.mit.edu/> Site “MIT News” (Massachusetts Institute of Technology). In: <http://web.mit.edu/newsoffice/search/chip.html?ordering=newest&tags=0&startMonth= 0&endMonth=0&startYear=0&endYear=0&searchtype=simple&searchphrase=all&autho r=> BEVILACQUA, Maria Cecília; FILHO, Orozimbo Alves Costa. Site oficial “Implante Coclear”. In: <http://www.implantecoclear.com.br/> Grupo de Implante Coclear do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP. Site “Implante Coclear”. In: <http://www.implantecoclear.org.br/> Site “Fono&Saúde”. In: <http://www.fonoesaude.org/implantecoclear.htm> Ji-Jon Sit; Rahul Sarpeshkar. Paper “Implantable Electronics”. In: <http://www.rle.mit.edu/avbs/publications/journal_papers/sit_pervasive.pdf>
  29. 29. Fantástico. “A nova realidade da cyberciência”. In: <http://fantastico.globo.com/Jornalismo/FANT/0,,MUL697166-15605,00.html> AQUINO, Renata. “O Homem Quer Ser Ciborgue”. In: <http://www.terra.com.br/informatica/especial/estiloweb/000315.htm> ZYGA, Lisa. “Superhuman Vision with the ‘Bionic’ Contact Lense”. In: <http://sweetnotsoft.com/goodies/?p=48#more-48> BRIDGES, Andrew. “Artificial Heart OK'd by FDA”. In: <http://dsc.discovery.com/news/2006/09/06/artificialheart_hea.html?category=health&gu id=20060906160030> Site “PopSci”. “Neuro-Controlled Bionic Arm”. In: <http://www.popsci.com/scitech/article/2005-11/neuro-controlled-bionic-arm> Site “Otto Bock”. In: <http://www.cleg.ottobockus.com/> Site MedGadget. “HepaLife Artificial Liver Shows Promise”. In: <http://medgadget.com/archives/2008/02/hepalife_artificial_liver_shows_promise.html> Site MC3 – Medical Device, Design and Development. “Artificial Lung (Biolung)”. In: <http://www.mc3corp.com/case_studies/artificial_lung_bio/> ScienceDaily (July 12, 2008). “Model For Automated, Wearable Artificial Kidney Designed”. In: <http://www.sciencedaily.com/releases/2008/07/080710153015.htm> Site “VUB: Applied Sciences – Department of Mechanical Engineering”. In: <http://lucy.vub.ac.be/gendes/actuators/muscles.htm> Site “Science Ahead”. “World’s First Artificial Stomach Built!”. In: <http://www.scienceahead.com/entry/worlds-first-artificial-stomach-built/> Site “Boa Saúde”. In: <http://boasaude.uol.com.br/Lib/ShowDoc.cfm?LibDocID=4170&ReturnCatID=357> Instituto do Coração – Marcapasso. In: <http://www.incor.usp.br/marcapasso/orientacao_mp.html#5> PAVARIN, Guilherme. “Mulher quer Construir Prótese Ocular Caseira”. In: <http://info.abril.com.br/aberto/infonews/112008/13112008-19.shl> Blog da Tanya Vlach. In: <http://tanyavlach.wordpress.com/2009/12/15/body-tech/> http://updateordie.com/updates/blogroll/2008/11/tanya-vlach-eye-webcam/
  30. 30. VÍDEOS: Beyond Human: The Cyborg Revolution. In: <http://www.youtube.com/watch?v=urVXWUD8Q3Y&playnext_from=TL&videos=Eh0 0kRfvNZI> Acesso em: 4 de abril de 2010 Beyond Human: The Invasion of the Inhuman. In: <http://www.youtube.com/watch?v=tW7Fy5rHLgk&feature=channel> Acesso em: 5 de abril de 2010 REVISTAS: OLIVEIRA, Fátima Regis de; PIZZI, Fernanda e GONÇALVES, Márcio Souza. Artigo “Ciborgue: humano e comunicação”. Revista Ghrebh, São Paulo, n.6, nov. 2004. In: <http://www.revista.cisc.org.br/ghrebh6/artigos/06fatima.htm> Acesso em: 15 de março de 2010 LOIOLA, Rita. Artigo “Eu, ciborgue”. REVISTA GALILEU, n.220, nov. 2009. In: <http://revistagalileu.globo.com/Revista/Galileu/0,,EDG87206-7855,00.html> e <http://revistagalileu.globo.com/Revista/Galileu/0,,EDG87206-7855-220-2,00- EU+CIBORGE.html> Acesso em: 15 de março de 2010 Revista ÉPOCA – 8 de fevereiro de 2010 – “O NOVO HOMEM BIÔNICO” por Peter Moon, Aline Ribeiro e Marcela Buscato. LIVROS: Tadeu da Silva, Tomaz (org.). Antropologia do Ciborgue – as vertigens do pós-humano. Belo Horizonte: Autêntica, 2000.

×