E gov(5)
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Like this? Share it with your network

Share

E gov(5)

on

  • 1,031 views

Seminário sobre governo eletrônico.

Seminário sobre governo eletrônico.

Statistics

Views

Total Views
1,031
Views on SlideShare
1,031
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
28
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

E gov(5) Presentation Transcript

  • 1. 1
    Governo EletrônicoGestão pública apoiada por tecnologia/sistemas de informação
    André Luiz F. de Castro
    José Gleydson O. Pereira
    Bruno Pinto A. Mascarenhas
    1
    Governançaeletrônica
  • 2. 2
    Tópicos abordados:
    O que é Governo Eletrônico
    Tipos de Governo Eletrônico
    Objetivos
    Desafios
    Diretrizes do Governo Eletrônico no Brasil
    Fatores de Sucesso
    CONIP
    Problemas
    Exemplos
    Dados
    2
  • 3. 3
    Tópicos abordados:
    11. Governo Eletrônico no Brasil
    12. Modelo de referência de Governo Eletrônico
    13. Considerações finais
  • 4. 4
    1. O que é Governo Eletrônico?
    Definições:
    Adoção das TICs pelas organizações da Administração Pública, como diferentes vias através das quais se conectam e interagem com outras organizações e pessoas, especialmente mediante suas páginas web, mas também através de correio eletrônico e outras ferramentas como o telefone móvel, os PDAs, a vídeo conferência, intranets privadas, extranets, TV a cabo, ondas de radio, o satélite (CRIADO e RAMILO, 2001)
    “The utilization of the Internet and the world-wide-web for delivering government information and services to the citizens.’ (United Nations, 2006;AOEMA, 2005)”
    4
  • 5. 5
    1. O que é Governo Eletrônico?
    • Governo eletrônico não é formado apenas por “sites do governo na internet”
    • 6. A ONU classifica de acordos com índices: “Serviços Online” , “Infraestrutura de telecomunicação” e “Capital Humano”
    • 7. Capital Humano:
    Índice de educação(taxa analfabetismo e taxa de matrículas nas escolas)
    • Serviços Online:
    Serviços devem ter consistência entre todos os países
    • Infraestrutura de Telecomunicação:
    Computadores/1000 pessoas
    Usuários de Internet/1000 pessoas
    Linhas de Telefone/1000 pessoas
    TV’s/1000 pessoas
    5
  • 8. 6
    6
  • 9. 7
    5/20/2011
    Footer Text
    7
  • 10. 8
    8
    Fonte : www2.unpan.org/egovkb/documents/2010/E_Gov_2010_Complete.pdf
  • 11. 9
    2. Tipos de Governo Eletrônico
    Os tipos de Governo Eletrônico são classificados quanto à comunicação:
    Government-to-Citizen: Comunicação se dá entre o governo e o cidadão( prestação de serviços)
    Government-to-Government: Comunicação entre diferentes esferas do governo.
    Government-to-Business: Comunicação entre governo e empresas.
    Goverment-to-Employee: Comunicação entre governo e funcionários
    9
  • 12. 10
    3. Objetivos do Governo Eletrônico
    Criar um melhor ambiente de negócios(reduzindo redundâncias e burocracia)
    Aumentar Transparência e facilitar a comunicação
    Melhorar a produtividade e eficiência de agências governamentais
    Facilitar a vida dos cidadãos com acesso a informações e serviços do governo à qualquer instante
    10
  • 13. 11
    3. Objetivos do Governo Eletrônico
    Principais temas que as TICs aplicadas aos organismos de governo deveria focalizar
  • 14. 12
    4. Desafios
    Com o aumento da complexidade dos sistemas de governo eletrônico diminui a privacidade dos que o utilizam
    Há um risco de ocorrer grandes investimentos sem retorno esperado
    Dificuldade de acesso de determinados grupos como pessoas com necessidades especiais, pessoas de baixa renda e idosos
    Falsa impressão de transparência, visto que os dados são controlados pelo governo
    Risco de invasão e vazamento de dados
    12
  • 15. 13
    4. Desafios
    Equilíbrio: Redução de Gastos e Participação Social
    Necessidade de inclusão social e digital
    Dificuldade de colocar em prática a cultura organizacional necessária
    Falta de interesse dos funcionários em aprender coisas novas, visto que muitas vezes estes não receberão prêmios ou progressão por tais conhecimentos
    Contratação sem entrevista dificulta seleção de pessoas aptas a passar o conhecimento
    13
  • 16. 14
    5. Diretrizes do Governo Eletrônico no Brasil
    A prioridade do Governo Eletrônico é a promoção da cidadania
    A inclusão Digital é indissociável do Governo Eletrônico
    O Software Livre é um recurso estratégico para a implementação do Governo Eletrônico
    O Governo Eletrônico deve racionalizar o uso de recursos
    Integração das ações do Governo Eletrônico com outros níveis de governo e outros poderes
    14
  • 17. 15
    6. Fatores de Sucesso
    http://www.korea.go.kr/html/img/about_03_img02.gif
    15
  • 18. 16
    6. Fatores de Sucesso
    • O Site de e-government Coreano lista alguns fatores que levaram ao sucesso do seu sistema de governo eletrônico:
    Forte Liderança Governamental
    • Liderança do Presidente
    • 19. Planos para 20 anos
    • 20. Programa de mudanças nacional
    • 21. Diferentes Projetos se alinham e tem sua performance avaliada
    Serviços orientados ao cliente(seja ele empresa ou cidadão)
    • Serviços devem estar relacionado com a vida cotidiana das empresas e das pessoas
    16
  • 22. 17
    6. Fatores de Sucesso
    Gestão Baseada em Performance:
    Objetivos claros, planos a curto e longo prazo com custos prazos e orçamentos definidos
    Índice nacional para avaliar quantitativamente e qualitativamente
    Suporte de Tecnologia:
    Participação de empresas que já tenham experiência em integração de sistemas
    17
  • 23. 18
    7. CONIP
    • Busca tornar públicas as boas iniciativas governamentais que visem fortalecer a democracia, desenvolver a cidadania e melhorar a qualidade dos serviços públicos.
    • 24. Categorias:
    • 25. Administração pública eficiente e eficaz: aplicações internas;
    • 26. Administração pública eficiente e eficaz: aplicações voltadas para o cidadão;
    • 27. Inovação tecnológica;
    • 28. Participação e transparência;
    • 29. Construindo uma sociedade mais justa;
    • 30. E-gov para o desenvolvimento e geração de empregos.
    18
  • 31. 19
    7. CONIP
    Estatísticas(2009):
    Administração pública eficiente e eficaz: aplicações internas (60 – 45,45%);
    Administração pública eficiente e eficaz: aplicações voltadas para o cidadão (32 – 24,24%);
    Inovação tecnológica (20 – 15,15%);
    Participação e transparência (8 – 6,06%);
    Construindo uma sociedade mais justa (9 – 6,82%);
    E-gov para o desenvolvimento e geração de empregos (3 – 2,27%).
    19
  • 32. 20
    8. Problemas
    Usabilidade:
    Ações complicadas.
    Apenas 23% dos sites contavam com recursos para pessoas especiais (2007).
    98% das páginas do governo não são acessíveis (E-mag 2010)
    Foco dos serviços disponíveis na Internet pelo governo Brasileiro.
    Exclusão digital.
    20
  • 33. 21
    8. Problemas
    24,6 milhões de pessoas com deficiências no Brasil, 14,5% da população.
    Destes apenas 3,2 milhões freqüentavam creche ou escola até o Censo de 2000.
    Em 53% falta habilidade com o computador/internet
    Fonte: Pesquisa TIC Domicílios 2009 –CGI.br
    Pessoas que nunca acessaram a internet, mas usaram um computador
  • 34. 22
    8. Problemas
    22
  • 35. 23
    9. Exemplos
    Site do PAC
    Orçamento participativo (Belo Horizonte)
    Fix my street
    Processo eleitoral no Brasil
    Bahrein, Canadá
    23
  • 36. 24
    10. Dados
    • Austrália:
    • 37. Melhoranaentrega do serviço- 80 % dos usuário do e-govjulgamque a melhoranaentrega do serviçotrouxe um benefício social significativooumoderado;
    • 38. Redução dos custospara as pessoas- 45 % dos queresponderam a pesquisadisseramqueeconomizaramdinheirousandoosserviços do e-gov. 10 % das pessoas e 23 % dos intermediáriosdisseramqueeconomizarammaisque 25 dólaresportransação;
    • 39. Benefíciossociais- 86 % dos usuáriosachamqueosbenefíciosemgeral dos serviçosforamsignificantes (36%) oumoderados (50%).
    24
  • 40. 25
    10. Dados
    Pessoas acessando serviços do e-gov:
    80% – Uma melhora significativa na facilidade de encontrar informações;
    75% – Melhora na qualidade do serviço;
    75% – Estão mais preparadas para tomar melhores decisões;
    68% – Consideram que o acesso a informações públicas melhorou;
    52% – Melhoria nas oportunidades de trabalho e negócios.
    25
  • 41. 26
    11. No Brasil
    http://igov.com.br/tigov/?p=38
  • 42. 27
    11. No Brasil
    Opera com baixa eficiência interna
    Altos custos econômicos
    Baixa competitividade de nossa economia
    Impactos sobre a renda e o nível de qualidade de vida dos cidadãos.
    Multiplicidade e precariedade de soluções tecnológicas para os mesmos problemas
  • 43. 28
    11. No Brasil
    Deficiências:
    - Ausência de alinhamento estratégico das ações de TIC aos programa do governo
    - Ausência de uma estrutura formal do governo
    - Ausência de um modelo estruturado que defina os serviços que serão oferecidos ao cidadão
  • 44. 29
    11. No Brasil
    Importância das TIC no governo do Brasil:
    -Grande participação que o setor público tem no produto nacional, que chega a mais de 40%. Racionalização de uso desses recursos e de agilização de processos tem enormes impactos.
    - Atraso relativo que os organismos públicos no Brasil apresentam no uso da TI em relação a outros países ou à iniciativa privada.
    - Adotar modelos operacionais e organizacionais mais ágeis – o que sempre demanda novas tecnologias – ganhamos em melhores serviços aos cidadãos, menores custos governamentais, maior poder de competição para as empresas privadas no mercado internacional.
  • 45. 30
    11. No Brasil
    Exemplos de iniciativas do governo eletrônico no Brasil:
    Serviços fazendários:
    Portal de Gestão do Dinheiro Público, no Paraná: prestação de contas
    Compras e licitações:
    CidadeCompras, da Confederação Nacional de Municípios.
    Sistema Gestor de Compras (SGC) do governo do Mato Grosso do Sul.
    Vendas do governo:
    Tesouro Direto, da Secretaria do Tesouro Nacional em parceria com a Companhia Brasileira de Distribuição e Custódia.
  • 46. 31
    11. No Brasil
    Informatização de escolas:
    Communis: integrar a comunicação entre a Secretaria de Educação e as escolas da rede estadual de ensino.
    Universidade Corporativa da Previdência Social, para educação on-line de servidores do INSS.
    Saúde:
    Monitoramento de epidemias por meio de georreferenciamento. Hospital Virtual Brasileiro da Unicamp.
    Segurança pública:
    Mapeamento do crime usando GIS em Belo Horizonte e Recife.
  • 47. 32
    11. No Brasil
    Tribunais de Justiça:
    Vídeo-audiência. Identificação on-line de criminosos em Rondônia.
    Integração de agentes financeiros:
    SPB2 – Sistema de Pagamentos Brasileiro ampliado para instituições não bancárias.
    Legislativo:
    Sileg – Sistema de Informações Legislativas da Câmara dos Deputados.
  • 48. 33
    11. No Brasil
    Informações públicas
    Portal Interestadual de Informações Fiscais
    Agência Embrapa de Informação
    e-Democracia:
    Orçamento participativo via web em Porto Alegre (RS), Ipatinga (MG).
    Chats com personalidades públicas no Mato Grosso e Paraná.
  • 49. 34
    12. Modelo de referência
    O modelo considera as relações contidas em diferentes contextos, considerando o objetivo fundamental do estado em prover serviços ao cidadão.
    Foco no cidadão (Contexto externo).
    Foco na gestão da administração pública (Contexto interno).
  • 50. 35
    12. Modelo de referência
    O modelo proposto por Barbosa et al (2004) “considera a tecnologia de informação como indutor e catalisador do processo de transformação do estado e tem como filosofia os princípios do governo centrado no cidadão, na qualidade e produtividade nos serviços públicos”.
    Explora as quatro categorias de ralacionamento:
    - G2B (Governo-Empresas)
    - G2C (Governo-Cidadão)
    - G2E (Governo-Servidor público)
    - G2G (Governo-Governo)
  • 51. 36
    12. Modelo de referência
    Infra-estrutura da Tecnológica permite:
    - Disseminação de padrões de excelência
    - Serviços de classe-mundial
    - Fluxo de informações e transações de serviços de forma homogênea, consistente e integrada.
    Entrega de informações e de serviços:
    - Portais Governamentais
    - Serviços Web
  • 52. 37
    12. Modelo de referência
    Uso de canais onde haja a interação do cidadão com o funcionário público:
    a) Lojas de Atendimento: espaço físico com objetivo de prestar serviços de qualidade.
    b) Call Center: permite ao cidadão contatar um serviço público através de um único número telefônico.
    c) Ouvidoria: mediação de conflitos entre o cidadão e os agentes governamentais.
  • 53. 38
    12. Modelo de referência
    Modelo de referência proposto por Barbosa et al (2004) de Governo Eletrônico.
    http://www6.ufrgs.br/norie/tic2007/artigos/A1111.pdf
  • 54. 39
    13. Considerações finais
    Estamos vivendo um período de profundas transformações na forma dos organismos públicos operarem, com conseqüências de alto impacto sobre o atendimento à sociedade, redução de custos operacionais, maior agilidade nos processos administrativos, entre outras grandes mudanças.
    Novas tecnologias e sistemas poderão transformar profundamente as ações governamentais, possibilitando a realização de papéis muito mais estratégicos.
  • 55. 40
    13. Considerações finais
    Ainda tem muito o que se projetar e com ações proativas realizadas agora, certamente poderemos ter dentro de poucos anos a “máquina pública” completamente reconfigurada, muito mais capaz de atender às demandas da sociedade, com menores custos operacionais e muito maior efetividade.
  • 56. 41
    Referências
    • http://www2.unpan.org/egovkb/
    • 57. http://www2.unpan.org/egovkb/documents/2010/E_Gov_2010_Complete.pdf
    • 58. http://en.wikibooks.org/wiki/E-government/
    • 59. http://www.agimo.gov.au/archive/__data/assets/file/0012/16032/benefits.pdf
    • 60. http://www.governoeletronico.gov.br/o-gov.br/principios
    • 61. http://www.microsoft.com/brasil/setorpublico/temas/egov.mspx
    • 62. http://www.ip.pbh.gov.br/ANO11_N1_PDF/
    • 63. United Nations E-Government Survey 2010
    • 64. http://www.cgi.br/publicacoes/revista/edicao02/txt.htm
    • 65. http://www.fixmystreet.com/
    • 66. http://www.korea.go.kr/new_eng/service/viewContent.do?enContId=00001264605141679000_151
    41
  • 67. 42
    Referências
    http://www.slideshare.net/garotadpi/apresentao-geralemag
    http://igov.com.br/tigov/?p=38
    http://www.gestaodinheiropublico.pr.gov.br/Gestao/
    https://cidadecompras.cnm.org.br/site.php/pagina/regulamento
    http://www.tesouro.fazenda.gov.br/tesouro_direto/
    http://www.hospvirt.org.br/
    http://www.bcb.gov.br/?SPBREFART
    http://www.encat.org/
    http://www.agencia.cnptia.embrapa.br/
    http://www2.portoalegre.rs.gov.br/op/
    http://www.buscalegis.ufsc.br/arquivos/T00228.pdf
    http://www6.ufrgs.br/norie/tic2007/artigos/A1111.pdf