Programas e ações da sme

4,322 views
4,114 views

Published on

Trabalhos realizados pela Secretaria Municipal de Educação de Quatis nos anos de 2009 e 2010.

Published in: Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
4,322
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
230
Actions
Shares
0
Downloads
24
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Programas e ações da sme

  1. 1. QUATIS
  2. 2. História e Origem de Quatis <ul><li>A história do município de Quatis está ligada diretamente à história de Barra Mansa, município ao qual pertencia, até recentemente, como sede distrital. Originalmente habitada pelos índios Puris, a região custou muito a ser desenvolvida, devido à barreira geográfica da Serra do Mar. No ano de 1724, com a abertura de um novo caminho para São Paulo, sem os inconvenientes da travessia marítima até Paraty, Quatis passou a ser o caminho natural dos bandeirantes, tropeiros e boiadeiros, além daqueles que recebiam concessões de sesmarias e se encaminhavam para as atuais cidades de Volta Redonda e Barra Mansa. </li></ul><ul><li>O desbravamento da região veio a tomar impulso, no entanto, no final do século XVIII, coincidindo com o declínio do ouro de Minas Gerais. A formação do primeiro povoado data de 1832, com o início da construção de uma capela em homenagem à Nossa Senhora do Rosário, fato que determinou uma cultura particularmente impregnada de manifestações religiosas, o que lhe é peculiar. Em 1897, houve a fundação do primeiro colégio, o Ateneu Quatiense. A conclusão, em 1915, do trecho da Estrada de Ferro Oeste de Minas, atravessando quase todo o distrito em direção a Minas Gerais, resultou na vinda de muitos colonos e fazendeiros daquele Estado para aquisição de fazendas de café, trocando muitas vezes a atividade de lavoura pela pecuária. </li></ul>
  3. 3. <ul><li>Por volta de 1950, surgiu a primeira linha de ônibus, que ligava Falcão a Barra Mansa, passando por Quatis. Ainda naquele ano foi inaugurado pela Associação de Proteção e Assistência à Maternidade e à Infância de Quatis o primeiro hospital. Somente em 1958 foi feito o calçamento da rua principal do distrito, a Rua Nossa Senhora do Rosário. </li></ul><ul><li>O ano de 1963 foi o auge do &quot;Trem Mineiro&quot;, que ligava Quatis a Andrelândia, com viagens diárias, transporte muito procurado por estudantes de Resende, Porto Real, Quatis, Barra Mansa e Volta Redonda que iam passar o final de semana nas cidades do sul de Minas. </li></ul><ul><li>A cidade de Quatis permaneceu como distrito durante 158 anos, e, em 1990, por meio de um plebiscito popular, foi emancipada, juntamente com dois outros distritos de Barra Mansa: Falcão e Ribeirão de São Joaquim. O decreto, que criou um dos mais novos municípios do Estado, data de 9 de janeiro de 1991. </li></ul><ul><li>A divisão político-administrativa do município consiste em: Quatis, cidade sede, Ribeirão de São Joaquim é o 2º distrito e Falcão, o 3º distrito. A última coleta de dados da contagem populacional do município foi feita pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, no ano 2000, e do censo agropecuário, em 1996. Segundo os dados contabilizados pelo órgão do governo federal, Quatis possui 12.182 habitantes, dos quais, 8,4 mil eleitores. </li></ul><ul><li>O município de Quatis possui dezoito bairros, sendo: Centro, Água Espalhada, Pilotos, Boa Vista, Jardim Polastri, Jardim Independência, Bondarovsky, Santa Bárbara, Mirandópolis, Nossa Senhora do Rosário, Barrinha, Santo Antônio, São Benedito, Bela Vista, Alto Paraíso, Céu Azul, Glicério e Industrial. </li></ul><ul><li>Fazem limite com o município de Quatis as cidades fluminenses de Resende, Porto Real, Valença e Barra Mansa e cidades do estado de </li></ul><ul><li>Minas Gerais. </li></ul>
  4. 4. Secretária: Aldjane Prata Natural de Volta Redonda, RJ, pedagoga e com especialização em Supervisão Escolar, já foi presidente do Conselho Municipal de Educação de Barra Mansa, professora de Filosofia da Rede Estadual de Ensino e tutora do Centro de Ensino à distância do Rio de Janeiro. Para esta administração, a secretária de Educação do município tem suas expectativas e trabalha para isso. “ Eu não falo do ‘atual governo’, eu falo do ‘nosso governo’. A minha expectativa é de que atinjamos todas as metas estabelecidas no começo do mandato. São iniciativas que trarão desenvolvimento e prosperidade para Quatis, mas, são iniciativas que constroem, principalmente, uma Cidade Educadora em cada um dos habitantes do município”, disse Aldjane Prata
  5. 5. PREFEITURA MUNICIPAL DE QUATIS CONSTRUINDO UMA CIDADE EDUCADORA Rua Faustino Pinheiro, nº 205, centro, Quatis - RJ, CEP: 27.410-170 Telefone: (24) 3353-2918 Fax: (24) 3353-3509 Serviço de Atendimento ao Cidadão: sac@quatis.rj.com.br
  6. 6.   Vice Prefeito Municipal Profº Hélio Ricardo Pereira Batista Prefeito Municipal José Laerte d'Elias                                                                                               Equipe de Governo  
  7. 7. SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO Praça Getulio Vargas, n 6 – Centro – Quatis Tel: 3353-6036 <ul><li>À Secretaria Municipal de Educação cabe desenvolver, implementar e zelar pela política de Educação no município; desenvolver, promover e apoiar programas e eventos difusores da área; propor, desenvolver, adotar e adaptar métodos e técnicas capazes de fazer da Educação um processo atraente e acessível a todas as faixas da população; propor inovações e modernizações de valor reconhecido na área, tornando a Educação instrumento de conscientização e formação de cidadania. </li></ul>
  8. 8. Secretária de Educação Assessor de Departamento Recepcionista Departamento Técnico Departamento Pedagógico Departamento Administrativo Departamento Nutrição Inspeção Escolar Assessor Escolas Direção Assessor de Secretaria Coordenações NUCLESQ Escolas OP OE Alunos Assessor de Secretaria Assistente Administrativo Assessor Divisão de Patrimônio Telefonista Nutricionista Servente Assistente Administrativo Servente Coordenação Projetos Especiais FLUXOGRAMA
  9. 9. NÍVEIS E MODALIDADES DE ENSINO As Instituições de Ensino e Educação mantidas pelo poder público municipal compõe-se de: I. Educação Infantil; II. Ensino Fundamental Regular e na modalidade Educação de Jovens e Adultos; III. Ensino Médio na modalidade Educação de Jovens e Adultos.
  10. 10. PROJETOS REALIZADOS
  11. 11. XADREZ NAS ESCOLAS Prof. Irandy Teixeira Botelho e Profª Francesca Pimenta de Andrade <ul><li>Partindo da premissa de que o desenvolvimento do raciocínio é elemento fundamental para que a cidadania se efetive, apresentamos o jogo de xadrez como complemento à educação escolar. A implantação do Projeto Xadrez nas Escolas do Município de Quatis é uma iniciativa que caminha em sintonia com as novas tendências educacionais do país e do mundo. Esta atividade proporciona não apenas mais uma opção de lazer, mas a possibilidade de valorizar o raciocínio através de um exercício lúdico. Segundo Charles Partos, o aprendizado e a prática do xadrez desenvolvem as seguintes habilidades: </li></ul><ul><li>Atenção e concentração </li></ul><ul><li>Julgamento e planejamento </li></ul><ul><li>Imaginação e autocontrole </li></ul><ul><li>Memória </li></ul><ul><li>Paciência e autocontrole </li></ul><ul><li>Espírito de decisão e coragem </li></ul><ul><li>Lógica matemática, raciocínio analítico e sintético </li></ul><ul><li>Criatividade </li></ul>
  12. 12. <ul><li>O xadrez ensina às crianças o mais importante na solução de um problema, que é saber olhar e entender a realidade que se apresenta. Foi constatado que o xadrez desempenha um importante papel socializante, por ensinar a lidar com a derrota e com a vitória, mostrando que a derrota não é sinônimo de fracasso, nem vitória é sinônimo de sucesso. O xadrez é capaz de mostrar as conseqüências de atitudes displicentes, que não tenham sido previamente calculadas e, por conseguinte, estimula o hábito de refletir antes de agir, além de ensinar a arcar com as responsabilidades dos próprios atos. </li></ul><ul><li>Acreditamos que o projeto Xadrez nas Escolas possa desenvolver as habilidades cognitivas citadas, bem como democratizar este jogo-arte-ciência. </li></ul><ul><li>Objetivo Geral: Promover e difundir o xadrez nas escolas da Rede Municipal de Ensino de Quatis, como instrumento de apoio a construção da cidadania. </li></ul>
  13. 13. <ul><li>Objetivos Específicos: </li></ul><ul><li>Divulgar e incentivar a prática do xadrez em âmbito escolar e promover a massificação de atividades lúdico-pedagógicas; </li></ul><ul><li>Proporcionar aos alunos da Rede Municipal de Ensino a oportunidade de conhecer e aprender o jogo de xadrez e utilizá-lo para desenvolver suas habilidades cognitivas, democratizando este jogo nas escolas; </li></ul><ul><li>Oferecer aos alunos uma opção de atividade extra-classe. </li></ul><ul><li>Dar oportunidade aos alunos praticantes do xadrez tornarem-se monitores. </li></ul><ul><li>Preparar alunos da Rede Municipal para torneios e competições como espaço de vivências e aprimoramento das relações intra e inter pessoais; </li></ul><ul><li>Promover, organizar e realizar torneios intra e entre as escolas da rede Municipal de Ensino de Quatis; </li></ul><ul><li>Criar intercâmbio entre as escolas municipais estabelecendo uma vez por mês o grande encontro pelo xadrez na educação; </li></ul><ul><li>Implantar definitivamente um clube de xadrez escolar; </li></ul>
  14. 14. INFORMÁTICA EDUCATIVA Profª Ana Lígia Marinho da Silva <ul><li>O Projeto Informática Educativa atende alunos da Educação Infantil ao Ensino Médio das 11 escolas municipais. Tendo como intenção otimizar o uso dos laboratórios do Proinfo, a Secretaria Municipal de Educação organizou através de uma coordenação e grupo de professores monitores (professores estes com formação adicional em informática educativa), uma capacitação continuada para os alunos da rede municipal. </li></ul><ul><li>Objetivos específicos: </li></ul><ul><li>Familiarizar os alunos com o computador e periféricos </li></ul><ul><li>Orientar a utilização da Internet como instrumento de apoio à construção do conhecimento. </li></ul><ul><li>Orientar a utilização ética da Internet e domínio dos instrumentos de comunicação virtual. </li></ul><ul><li>Estrutura: </li></ul><ul><li>Turmas de 10 alunos </li></ul><ul><li>Atuação no contra turno escolar por adesão dos interessados. </li></ul><ul><li>Carga horária: educação Infantil 45 minutos e demais séries 60 minutos </li></ul><ul><li>Professor monitor itinerante </li></ul><ul><li>Atendimento: 1 aula semanal por turma </li></ul><ul><li>Processo avaliativo: reuniões periódicas com a coordenação geral, professor monitor e equipe pedagógica da escola </li></ul><ul><li>Objetivo geral: possibilitar a inserção dos alunos no universo digital </li></ul>
  15. 15. HORTA NA ESCOLA Prof. José Arcanjo do Nascimento <ul><li>Entende-se a realização de hortas escolares como uma alternativa pedagógica para favorecer o desenvolvimento integral da educação e do ensino, mediante a vivência de práticas agrícolas. A escola é um dos formadores de hábitos alimentares. As questões acerca da alimentação perpassam todas as áreas do conhecimento e precisam ser discutidas de forma integral, por meio da articulação entre as disciplinas, a fim de estimular a integralidade do ensino, a interdisciplinaridade e a promoção da educação para saúde. </li></ul><ul><li>Objetivo Geral: Possibilitar a aprendizagem de uma atividade pedagógica que favoreça o desenvolvimento do educando através da vivência de práticas agrícolas que exijam responsabilidade e comprometimento com o trabalho em grupo. </li></ul>
  16. 16. <ul><li>Objetivos Específicos: </li></ul><ul><li>Incentivar a produção e o consumo de alimentos saudáveis em especial hortaliças: verduras, legumes e temperos. </li></ul><ul><li>Promover estudos, pesquisas e atividades sobre questões ambiental, alimentar e nutricional; </li></ul><ul><li>Enriquecer a alimentação escolar; </li></ul><ul><li>Promover o trabalho pedagógico dinâmico, participativo, lúdico e interdisciplinar; </li></ul><ul><li>Oportunizar a participação da comunidade escolar e parcerias diversas; </li></ul><ul><li>Incentivar o reaproveitamento de alimentos através de oficinas </li></ul>
  17. 17. APRENDIZES DA MÚSICA Profª Clarete Braz do Patrocínio <ul><li>O projeto Percussão de Quatis atende alunos do primeiro e segundo segmento do Ensino Fundamental das escolas municipais. Através da reciclagem de materiais reutilizáveis, os alunos com a supervisão da professora coordenadora, criam seus instrumentos de percussão e aprendem ritmos variados através de aulas semanais. </li></ul><ul><li>Objetivo Geral: apresentar a música e a musicalização como elementos contribuintes para o desenvolvimento da inteligência e a integração do ser. </li></ul><ul><li>Objetivos Específicos: </li></ul><ul><li>Possibilitar a vivência musical como apoio ao processo de ensino aprendizagem </li></ul><ul><li>Contribuir para o desenvolvimento das coordenações sensório-motoras. </li></ul><ul><li>Desenvolver a sensibilidade musical, baseada no ritmo, no som e na palavra. </li></ul><ul><li>Estrutura: </li></ul><ul><li>Turmas de 25 alunos </li></ul><ul><li>Atuação no contra turno por adesão dos interessados. </li></ul><ul><li>Carga horária: 1 hora e 30 minutos </li></ul><ul><li>Professor coordenador itinerante </li></ul><ul><li>Atendimento: 1 aula semanal por turma </li></ul><ul><li>Processo avaliativo: reuniões periódicas com a coordenação geral , professor coordenador e equipe pedagógica das escola. </li></ul>
  18. 18. SAÚDE BUCAL S ecretarias envolvidas: Secretaria Municipal de Educação e Secretaria Municipal de Saúde. <ul><li>Coordenação Geral/Responsável técnico: Vera Lúcia Ramos de Oliveira </li></ul><ul><li>Técnicos: Leiliane Moraes Silva e Liliane Ramos Parreiras </li></ul><ul><li>Pensar preventivamente em Saúde Bucal para a Rede Pública de Ensino, vem ao encontro às ações do Programa “Quatis – Cidade Educadora”, no que tange a importância de conscientizar Gestantes, Pais, Professores, Monitores e Alunos, para prevenção e tratamento de doenças bucais, tais como, a cárie, que além de trazer prejuízos à saúde da criança. Também afeta seu rendimento escolar. Cabe frisar que, para o Município, o custo com a Odontologia Preventiva/Educativa é menor do que com a Odontologia Curativa. </li></ul><ul><li>Pensar em Educar para a saúde, baseando na idéia de que o conhecimento adquirido na infância refletirá na idade adulta, além de serem as Escolas locais responsáveis por uma formação ampla e integral do indivíduo, o que inclui a aquisição de conhecimentos, valores, e comportamentos positivos em relação à saúde (Tones e Tilford, 1994). </li></ul>
  19. 19. <ul><li>Objetivo Geral: Reduzir o índice de cárie nas crianças de 0 a 10 anos da Rede Pública de Ensino do Município de Quatis. </li></ul><ul><li>Objetivos Específicos: </li></ul><ul><li>Motivar para introdução e manutenção de hábito de higiene </li></ul><ul><li>Fortalecer a importância da visita regular ao dentista </li></ul><ul><li>Propor medidas para controle da dieta </li></ul><ul><li>Atuar preventivamente desde a vida intra-uterina </li></ul><ul><li>Analisar índice epidemiológico </li></ul>
  20. 20. <ul><li>Principais Ações: </li></ul><ul><li>Promover palestras </li></ul><ul><li>Realizar campanhas educativas </li></ul><ul><li>Realizar questionários de Avaliação de Saúde </li></ul><ul><li>Realizar concurso de redação sobre o tema específico </li></ul><ul><li>Implantar escovódromos </li></ul><ul><li>Distribuir Kits para escovação </li></ul><ul><li>Acompanhar através de escovação supervisionada </li></ul><ul><li>Realizar atendimento curativo de acordo com a demanda </li></ul><ul><li>Elaborar levantamento epidemiológico </li></ul>
  21. 21. ESCOLA DE PAIS O Projeto Escola de Pais versa sobre a importância da escola e da família manter uma relação de ajuda na formação do ser humano. No momento em que escola e família conseguirem estabelecer uma parceria na maneira como irão promover a educação de seus filhos, muitos dos conflitos hoje observados em sala de aula, serão aos poucos superados. Todavia, para que isso possa acontecer é necessário que a família realmente participe da vida escolar de seus filhos, que tenha comprometimento e envolvimento com a escola, gerando assim, na criança/adolescente um sentimento de amor, fazendo sentir-se amparado e valorizado como ser humano. Neste contexto, o Projeto atua diretamente com os pais dos alunos sob orientação de um psicólogo, que trabalha temas pertinentes a educação dos filhos frente à demanda da sociedade moderna. Estrutura: O projeto atua em todas as escolas municipais sob coordenação do Departamento de Projetos Especiais da Secretaria Municipal de Educação. Dinâmica: Reuniões mensais com o grupo de pais da unidade escolar.
  22. 22. ENTALHADORES Prof. Fernando Castelo Branco O projeto atende alunos da rede municipal com o objetivo de apoiar o processo ensino aprendizagem através da Arte de entalhar, propiciando assim, experiência estética e o desenvolvimento da psicomotricidade. Estrutura: Turmas de 15 alunos (totalizando 2010 com 80 alunos) Atendimento três vezes por semana no contra turno por adesão dos interessados. O projeto ocorre em uma escola pólo que ampara os alunos da rede municipal. Carga horária: 2 horas por turma Processo avaliativo: reuniões periódicas com a coordenação geral e professor coordenador.
  23. 23. JORNADA PEDAGÓGICA <ul><li>Por entender que o exercício docente exige competências próprias que vão além da área de conhecimento específico à sua profissão e diploma, a Secretaria Municipal de Educação investe no aperfeiçoamento dos profissionais da educação através da Jornada Pedagógica, que tem como objetivo ser um momento de problematização da prática educativa, através de trocas de experiências, reflexão e construção do conhecimento coletivo. </li></ul><ul><li>Estrutura: </li></ul><ul><li>A Jornada Pedagógica ocorre anualmente por dois dias consecutivos através de círculos de palestra. </li></ul>
  24. 24. BIENAL DE LITERATURA E ARTE <ul><li>A Bienal de Literatura e Arte do Município de Quatis surgiu da necessidade de se criar um espaço onde pudéssemos comemorar o aniversário da cidade de uma forma mais envolvente. Assim, educadores e sociedade civil se reuniram e aceitaram o desafio de concretizar este sonho. </li></ul><ul><li>E assim, por ocasião do XV aniversário de Quatis nos dias 23 e 24 de novembro, foi realizada a I Bienal de Cidadania e Artes de Quatis, com o tema: “Letras, Textos e Contextos.” </li></ul><ul><li>Nasce um projeto permanente da cidade, justificando-se por viabilizar de forma permanente a criação de um espaço para se garantir que os educandos e todos os munícipes tenham oportunidades de expressar seus dons artísticos e literários, oportunizando assim a construção da Quatis – Cidade Educadora, resgatando valores e formando cidadãos plenos que respeitem a cultura local e busquem transformações de progresso para o nosso município. </li></ul>
  25. 25. <ul><li>Objetivo Geral: Garantir a expressão de obras de artes plásticas, musicais e literárias dos cidadãos quatienses. </li></ul><ul><li>Objetivos Específicos: </li></ul><ul><ul><ul><li>Proporcionar o envolvimento dos alunos, dos professores da Rede Municipal de Ensino e dos munícipes com os diferentes estilos literários e artísticos. </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Possibilitar aos alunos a visão de agente leitor e produtor de obras literárias e artísticas valorizando suas produções. </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Fomentar a valorização da literatura e expressão cultural da sociedade quatiense. </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Propiciar espaço de interação entre as manifestações culturais e artísticas de Quatis e cidades da região. </li></ul></ul></ul>
  26. 26. PEA – PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL <ul><li>Chegamos a um ponto de nossa trajetória de ocupação e de exploração da Terra, em que sua capacidade de suporte dá mostras de esgotamento, sendo urgente a necessidade de revermos as premissas do crescimento econômico baseado no alcance de índices satisfatórios de desenvolvimento humano e de conservação ambiental. </li></ul><ul><li>É preciso, para tanto, que a sociedade torne-se ciente de que o desenvolvimento deve ser atrelado ao ambiente, não como se este fosse um obstáculo, mas em concordância com ele, aproveitando-se adequadamente suas potencialidades, de forma a não exaurir os recursos naturais. </li></ul><ul><li>Mudar radicalmente nossa concepção de desenvolvimento é o principal desafio do novo século. O conceito de sustentabilidade necessita ser urgentemente internalizado nos processos produtivos e nas condutas cotidianas da sociedade, impondo-se como condição de existência para todas as nações. Para a execução de tamanha tarefa é indispensável a atuação da Educação Ambiental na escola, que possui grande papel formador e multiplicador de opiniões. </li></ul>
  27. 27. <ul><li>A escola é o espaço social e o local onde o aluno dará seqüência ao seu processo de socialização. O que nela se faz, se diz e se valoriza representa um exemplo daquilo que a sociedade deseja e aprova. Comportamentos ambientalmente corretos devem ser aprendidos na prática, no cotidiano da vida escolar, contribuindo para a formação de cidadãos responsáveis. </li></ul><ul><li>Considerando a importância da temática ambiental e a visão integrada do mundo, no tempo e no espaço, a escola deverá oferecer meios efetivos para que cada aluno compreenda os fenômenos naturais, as ações humanas e sua conseqüência para consigo, para sua própria espécie, para os outros seres vivos e o ambiente. É fundamental que cada aluno desenvolva as suas potencialidades e adote posturas pessoais e comportamentos sociais construtivos, colaborando para a construção de uma sociedade justa, em um ambiente saudável. </li></ul><ul><li>A questão ambiental vem sendo considerada como cada vez mais urgente e importante para a sociedade, pois o futuro da humanidade depende da relação entre a natureza e o uso pelo homem dos recursos naturais disponíveis. Essa consciência já chegou a escola e muitas iniciativas tem sido desenvolvidas em torno desta questão, por educadores de todo o país. </li></ul>
  28. 28. <ul><li>Por estas razões, vê-se a importância de se incluir a temática do Meio Ambiente como tema transversal dos currículos escolares, permeando toda prática educacional, já que a principal função do P.E.A é contribuir para a formação de cidadãos conscientes, aptos para decidirem e atuarem na realidade socioambiental de um modo comprometido com a vida, com o bem estar de cada um e da sociedade, local e global. Para isso é necessário que, mais do que informações e conceitos, a escola se proponha a trabalhar com atitudes, com formação de valores, com o ensino e aprendizagem de habilidades e procedimentos. E esse é o grande desafio para a educação. </li></ul><ul><li>Objetivo Geral: Oferecer meios efetivos para que a comunidade escolar compreenda a importância da temática ambiental, desenvolva suas potencialidades e adote posturas pessoais e comportamentos sociais que lhe permitam viver numa relação construtiva consigo mesmo e com seu meio, colaborando para que a sociedade seja ambientalmente sustentável e socialmente justa. </li></ul>
  29. 29. <ul><li>Objetivos Específicos: </li></ul><ul><li>Conhecer e compreender, de modo integrado e sistêmico, as noções básicas relacionadas ao meio ambiente. </li></ul><ul><li>Adotar posturas na escola, em casa e em sua comunidade que os levem a interações construtivas, justas e ambientalmente sustentáveis. </li></ul><ul><li>Construir instrumentos de pesquisa de campo para levantamento de dados socioambientais. </li></ul><ul><li>Observar e analisar fatos e situações do ponto de vista ambiental, de modo crítico, reconhecendo a necessidade e as oportunidades de atuar de modo reativo e propositivo para garantir um meio ambiente saudável e a boa qualidade de vida. </li></ul><ul><li>Perceber, em diversos fenômenos naturais, encadeamentos e relações de causa-efeito que condicionam a vida no espaço (geográfico) e no tempo (histórico), utilizando essa percepção para posicionar-se criticamente diante das condições ambientais de seu meio. </li></ul><ul><li>Compreender a necessidade e dominar alguns procedimentos de conservação e manejo dos recursos naturais com os quais interagem, aplicando-os em seu cotidiano. </li></ul><ul><li>Contribuir para a preservação e manutenção do ambiente mais imediato em que vive. (pensar global, agir local) </li></ul>
  30. 30. <ul><li>Metodologia: </li></ul><ul><li>Com os conteúdos ambientais permeando todas as disciplinas do currículo e contextualizados com a realidade da comunidade, a escola ajudará o aluno a perceber a correlação dos fatos e a ter uma visão holística, ou seja, integral do mundo em que vive. Para isso a Educação Ambiental deve ser abordada de forma construtivista, sistemática e transversal, em todos os níveis de ensino, assegurando a presença da dimensão ambiental de forma interdisciplinar nos currículos das diversas disciplinas e das atividades escolares. </li></ul><ul><li>A fundamentação teórico/prática dos projetos ocorrerá por intermédio do estudo de temas (Água, Saneamento Básico, Agenda 21, Legislação Ambiental, Política de Educação e Parâmetros Curriculares Nacionais) que serão trabalhados em forma de palestras, oficinas e saídas a campo. Esse processo oferece subsídios aos profissionais da Educação para atuarem de maneira a envolver toda a comunidade escolar na coleta de dados a fim de resgatar a história da área para, enfim, conhecer seu meio e levantar os problemas ambientais. </li></ul><ul><li>Os conteúdos trabalhados serão necessários para o entendimento dos problemas e, a partir da coleta de dados, à elaboração de pequenos projetos de intervenção, que a própria comunidade escolar deverá construir com o apoio das parcerias que sustentam o projeto Cidade Educadora. </li></ul><ul><li>Considerando a Educação Ambiental um processo contínuo e cíclico, o método utilizado pelo Programa de Educação Ambiental (P.E.A) para desenvolver os projetos e capacitação de professores conjuga os princípios gerais básicos da Educação Ambiental. (Smith, Apud Sato, 1995). </li></ul>
  31. 31. AUTONOMIA FINANCEIRA – DINHEIRO DIRETO NA ESCOLA <ul><li>Suprimento de recursos diretos às Escolas Municipais para: </li></ul><ul><li>manutenção, conservação e pequenos reparos das dependências escolares. </li></ul><ul><li>Aquisição de material de consumo e desenvolvimento de atividades educacionais diversas. </li></ul>
  32. 32. Outras ações... <ul><li>Acompanhamento do Processo Ensino- aprendizagem das Unidades Escolares, visando garantir o aprimoramento das ações pedagógicas e educacionais; </li></ul><ul><li>Visita as Unidades Escolares ; </li></ul><ul><li>Participação nos Conselhos de Classe; </li></ul><ul><li>Participação em atividades, eventos e reuniões pedagógicas realizados pela Unidade Escolar; </li></ul><ul><li>Acompanhamento e intervenção sistemática de especificidades sempre que necessário; </li></ul>
  33. 33. <ul><li>Realização de reuniões pedagógicas e educacionais com as Orientadoras Pedagógicas e Orientadoras Educacionais das Unidades Escolares; </li></ul><ul><li>Atualização educacional e pedagógica as Orientadoras Pedagógicas e Educacionais; </li></ul><ul><li>Construção e implementação da Proposta Filosófica da Orientação Educacional na Rede Municipal, pautado na “Filosofia da Convivência”. </li></ul><ul><li>Implantação de Projetos como: o Conselho Escolar na Rede Municipal, “Construindo valores”, Conhecendo o Estatuto da Criança e do Adolescente em seus pormenores – direitos e deveres; Formação Comportamental dos Educandos. </li></ul><ul><li>PROERD – parceria com a Policia Militar do Estado do Rio de Janeiro </li></ul><ul><ul><li>Programa Educacional de Resistência às Drogas </li></ul></ul><ul><ul><li>Promover ações educativas e preventivas que desenvolvam a consciência da Comunidade Escolar e Local, na busca de uma vida mais saudável. </li></ul></ul><ul><ul><li>Encontros mensais com o grupo de Orientadores Educacionais </li></ul></ul>
  34. 34. <ul><ul><li>Implantar no Município o “Programa do MEC – Mobilização Social pela Educação”. </li></ul></ul><ul><ul><li>Promover a mediação das escolas viabilizando ações conjuntos com a saúde – atendimentos especializados aos educandos, ações conjuntas, palestras/oficinas. </li></ul></ul><ul><ul><li>Conselho Tutelar parceria na prevenção/mediação de conflitos </li></ul></ul><ul><ul><li>CRAS/CREAS – encaminhamentos Assistência Social; </li></ul></ul><ul><ul><li>Redirecionamento e implementação da proposta pedagógica municipal da Educação Infantil: Pedagogia de Projetos; </li></ul></ul><ul><ul><li>Avaliação da Educação Infantil do município através do documento: Indicadores de Qualidade na Educação Infantil; </li></ul></ul>
  35. 35. <ul><li>Acompanhamento das ações do PDE das Unidades Escolares que foram contempladas com o programa. </li></ul><ul><li>Implantar Prova Quatis com o objetivo de diagnosticar a qualidade do Ensino no Município e traçar ações pertinentes à superação das dificuldades encontradas. </li></ul><ul><li>Capacitação com oficinas de Linguagem e matemática para os profissionais da educação que atendem este segmento. </li></ul><ul><li>Adequação da prática pedagógica à realidade por meio da construção e execução da Proposta Curricular e do Projeto Político Pedagógico; motivação dos profissionais; capacitações continuadas; garantia do Td; </li></ul>
  36. 36. <ul><li>Organização do Encontro: Minha Experiência de Sucesso onde as professoras do Ciclo Básico de Alfabetização apresentarão uma experiência de sucesso desenvolvida no 1º semestre / 2010. </li></ul><ul><li>Acompanhar a implementação das estratégias diversificadas para as crianças do Ciclo Concluinte que precisam de maiores intervenções. </li></ul><ul><li>Implementação da Ficha referente ao Registro do Desenvolvimento dos alunos do Ciclo Básico de Alfabetização em relação ao Nível de Escrita. </li></ul><ul><li>Encontro com a Equipe Pedagógica e Educacional para apreciação por amostragem do registro trimestral do desenvolvimento da criança. </li></ul><ul><li>Coordenar /Acompanhar o programa do Governo Federal Pró-Letramento - Alfabetização e Linguagem, atendendo a 31 cursistas ( Professoras de Educação Infantil e primeiro segmento do Ensino Fundamental, Orientadores Educacionais e Pedagógicos), com término previsto para agosto de 2010, somando 21 encontros presenciais. </li></ul>
  37. 37. <ul><li>Curso do Pró-Letramento de Matemática atendendo a 23 cursistas (Professores e professoras de Educação Infantil e primeiro segmento Ensino Fundamental, Orientadores Educacionais e Pedagógicos, com término previsto para outubro de 2010 somando 21 encontros presenciais. </li></ul><ul><li>Projeto de correção do Fluxo Escolar, atendendo a 30 alunos de 2ª e 3ª série do Ensino Fundamental com distorção idade/série com mais de 3 anos de atraso escolar. </li></ul><ul><li>Café pedagógico – momento de encontro com os docentes; </li></ul><ul><li>Programa Aluno Integrado – em parceria com o MEC; </li></ul><ul><li>Projeto Humanizar; </li></ul><ul><li>Implantação Programa Gerenciar – utilização da informática como recurso pedagógico no planejamento de aulas de forma lúdica e dinâmica; Sistematização controle de freqüência e avaliação; </li></ul>
  38. 38. <ul><li>Construção da sede do Núcleo de Educação Especial de Quatis (NUCLESQ). </li></ul><ul><li>Composição da equipe multidisciplinar do NUCLESQ (Fisioterapeuta, psicólogo, fonoaudiólogo, Psicopedagogo, terapeuta ocupacional). </li></ul><ul><li>Implantação de três Salas de Recursos Multifuncionais. Totalizando cinco salas. Ampliando o número de atendimentos nas Salas de Recursos Multifuncionais. </li></ul><ul><li>Garantia de turmas reduzidas nas salas com alunos com deficiência quando necessário. Avaliação realizada pela Coordenação de Educação Inclusiva, equipe do NUCLESQ e apreciação do Departamento Pedagógico.18 alunos Educação Infantil e 20 alunos Ensino Fundamental e Ensino Médio. </li></ul><ul><li>Seleção de estagiários para atuação como auxiliar nas turmas com alunos incluídos. </li></ul>
  39. 39. <ul><li>Garantia de Estagiário auxiliar nas salas com alunos com deficiência quando necessário. Avaliação realizada pela Coordenação de Educação Inclusiva, equipe do NUCLESQ e apreciação do Departamento Pedagógico. </li></ul><ul><li>Capacitação dos estagiários que atuarão com auxiliar nas turmas com alunos incluídos. </li></ul><ul><li>Orientação da inclusão de alunos(as) com deficiência nas atividades disponibilizadas pelo projeto “Cidade Educadora”. </li></ul><ul><li>Construção do diagnóstico da Educação Inclusiva. </li></ul>
  40. 40. PROJETO MERENDA BOA e SEGURANÇA NO TRABALHO JUSTIFICATIVA: Intervir oferecendo maior quantidade de leite, frutas, cereais integral, folhosos e outros vegetais ricos em fontes de Ferro, Vitamina A, Fibras, Cálcio, Zinco e Magnésio. Fortalecer o Self-service com adequação de equipamentos específicos, evitando maior desperdício dos alimentos e ainda contribuindo para o desenvolvimento de habilidades e autonomia dos alunos na escolha dos alimentos. Serão introduzidas mais 02 refeições: o café da manhã e o lanche da tarde, para isso, faz-se necessário uma mudança na dinâmica dessa atividade. OBJETIVO Construção de uma Política de Alimentação Escolar voltada para a conquista da Cidadania dos alunos e profissionais de apoio (serventes e merendeiras), da Rede Municipal de Ensino. AÇÃO E ATIVIDADES A SEREM DESENVOLVIDAS Ofertar café da manhã, almoço e lanche da tarde. a) Adquirir equipamentos para o self – service b) Adquirir equipamentos (EPI’S) e uniformes profissionais completo c) Valorizar os profissionais (serventes e merendeiras)
  41. 41. ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO Tem por objetivo apresentar o quanto o aluno da Rede Municipal de Ensino de Quatis gosta e o quantitativo de alunos beneficiados com o café da manhã, almoço e lanche da tarde para o Ensino Fundamental e todas estas refeições mais a colação e o jantar para as Creches (Municipal e Comunitária), oferecida pela prefeitura Municipal de Quatis, através da Secretaria Municipal de Educação. O acompanhamento será feito diariamente pelo controle dessas atividades. Ao final de cada mês será realizado pela Unidade Escolar o percentual de aceitação dessas atividades, separadamente, enviando junto com os mapas de controle da Alimentação Escolar.
  42. 42. <ul><li>SEMANA DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL </li></ul><ul><li>Pensada para ser um meio de aproximar a comunidade escolar e sensibilizar alunos, professores, diretores, responsáveis e funcionários para o tema Alimentação Saudável no ano de 2007; </li></ul><ul><li>A partir de 2008, além de conter as propostas de 2007, foram incluídas sugestões atividades para professores em aula e apostila “Semana da Alimentação Saudável” das Escolas Municipais do Rio de Janeiro. A culminância ocorre com almoço com os pais e exposição de trabalhos realizados pelos alunos e relacionados ao tema; </li></ul><ul><li>Houve também a agregação do “Projeto Educação Nutricional Interdisciplinar na Escola”, o qual vem atender a Portaria Interministerial 1010 do Ministério da Educação. Como parte deste projeto foram feitas duas apostilas com o que há de mais atual em Educação Nutricional, contendo textos, atividades e jogos que permeiam todas as disciplinas, havendo portanto, instrumentos capazes de atender a interdisciplinaridade exigida pela Legislação Federal aqui citada. </li></ul><ul><li>PROJETO ALIMENTAÇÃO E SAÚDE </li></ul><ul><li>O projeto teve início em 2006, através de sub-projetos, com o objetivo de trabalhar a Educação Nutricional com o alunos da Rede Municipal de Ensino. </li></ul><ul><li>OS SUB-PROJETOS: </li></ul><ul><li>Prato Limpo: </li></ul><ul><li>Objetivo: evitar o desperdício através do controle de restos e contribuir para a interdisciplinaridade; </li></ul><ul><li>Útil para se medir desperdício nas escolas que não fizeram uso do self-service em 2009; </li></ul><ul><li>Para 2010 desejamos fortalecer o self-service e aperfeiçoar o controle de restos em todas as unidades. </li></ul>
  43. 43. <ul><li>OBJETIVO </li></ul><ul><li>Este Projeto tem por objetivos promover valores para uma alimentação saudável e criar a noção de que a questão da alimentação pode ser vista de maneira ampla, ou seja, social, histórica e cultural, partindo da perspectiva interdisciplinar, extrapolando a forma clássica de abordagem, a qual seria apenas na disciplina Ciências . </li></ul><ul><li>TEMA </li></ul><ul><li>O assunto central do Projeto Educação Nutricional Interdisciplinar é a Alimentação Saudável. Anualmente será abordado um tema em consonância com esse assunto, direcionado pelo NUCANE-RJ (Núcleo Colaborador em Alimentação e Nutrição Escolar), celebrando a Semana de Educação Alimentar (SEA). </li></ul><ul><li>METODOLOGIA </li></ul><ul><li>O Projeto Educação Nutricional Interdisciplinar na Escola (Portaria Interministerial nº 1010 de 08 de maio de 2006), será trabalhado ao longo do ano letivo, tendo início na 3ª semana do mês de maio (Lei Estadual nº 4856 de 28 de setembro de 2006) – “Semana da Educação Alimentar” e a culminância na 3ª semana do mês de outubro; </li></ul><ul><li>Utiliza a interdisciplinalidade nas escolas e em 2010 também a intersetorialidade entre as Secretarias de Educação e Saúde; </li></ul><ul><li>O Departamento de Nutrição se encarregará de dar o suporte às unidades escolares facilitando o trabalho a ser realizado , enviando material para consultas, sugestões de atividades, etc... </li></ul>PROJETO EDUCAÇÃO NUTRICIONAL INTERDISCIPLINAR NA ESCOLA ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÂO O Acompanhamento do projeto dar-se-á através dos materiais que deverão ser enviados, mensalmente a esse Departamento: Cronograma das atividades realizadas, (01) modelo de atividade desenvolvida ou material confeccionado (por série ou turma) e fotografias tiradas dos eventos (em CD).
  44. 44. <ul><li>Na Minha Escola tem Horta: </li></ul><ul><li>Para 2010, passada essa fase de adaptação dos novos diretores às escolas, chamaremos a Secretaria de Desenvolvimento Rural para um trabalho intersetorial onde esta dê condições técnicas para o incremento e manutenção das hortas escolares da Zona Rural. </li></ul><ul><li>Compra de alimentos fonte de Cálcio : </li></ul><ul><li>No segundo semestre de 2009 retomamos o fornecimento de leite. Para 2010 o mesmo será mantido para que se atenda a Resolução 38 FNDE no que se refere ao quantitativo consumido deste mineral pelos alunos da Rede Municipal de Ensino. </li></ul><ul><li>Projeto Polpa : </li></ul><ul><li>Tem o objetivo de captar doações do excedente de frutas existentes na comunidade quatiense. Apenas as Escolas Rurais conseguiram efetivar tal ação em 2009. </li></ul><ul><li>Direções: doações em fevereiro de 2010. </li></ul><ul><li>“ Prêmio Cozinha Nota 10” </li></ul><ul><li>Tem o objetivo de valorizar escolas e profissionais de cozinha que se destacaram ao longo do ano com sua criatividade e outras qualidades; </li></ul><ul><li>Neste ano não foi realizado a entrega do “Prêmio Cozinha Nota 10”, mas consideramos o trabalho das profissionais de cozinha e serventes de primordial importância para a Alimentação Escolar. Com os problemas ocorridos no fornecimento, relacionados ao setor de Licitação e Compras, produzindo menor variedade de gêneros alimentícios, consideramos impróprio fazer qualquer tipo de premiação relacionada ao trabalho das nossas profissionais este ano; </li></ul><ul><li>Esperamos realizá-lo em 2010, quando certamente não haverá problemas de mesma natureza. </li></ul>
  45. 45. <ul><li>Uniformes: </li></ul><ul><li>Em 2010 possivelmente teremos os uniformes junto com todos os equipamentos de proteção individual para profissionais de cozinha e serventes. </li></ul><ul><li>Convite à articuladora nacional para a Agricultura Familiar </li></ul><ul><li>Com o objetivo de atender a Lei 11.947 no que se refere aos 30% do montante de verba destinada à compra da produção familiar de alimentos, convidamos a Articuladora Cristiane Mendonça para que nos auxiliasse na caminhada em direção à agricultura familiar. A articuladora orientou que se fizesse reuniões onde todos os setores envolvidos com a compra da produção familiar estivessem presentes; </li></ul><ul><li>A reunião, com a presença da articuladora, foi realizada em 8 de dezembro de 2009, promovendo a mobilização dos setores Secretaria Rural, Secretaria de Administração, agricultores, Vigilância Sanitária, Secretaria de Finanças e CAE. </li></ul><ul><li>Equipamentos </li></ul><ul><li>No que se refere aos equipamentos, para o acondicionamento adequado de carnes é necessário um isolamento cada tipo de proteína (carnes vermelhas, frango, peixe e outros); </li></ul><ul><li>Evitar ao máximo o contato entre estes e possíveis contaminações. Há locais que por falta de espaço nos refrigeradores, alimentos cozidos são congelados no mesmo compartimento que um alimento cru (carnes), o que contraria normas de cuidados sanitários. </li></ul><ul><li>Freezers/ geladeiras para atender a essa demanda </li></ul>

×