Sessao 1 pso ecm d pl

  • 1,640 views
Uploaded on

 

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
1,640
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1

Actions

Shares
Downloads
48
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Psicossociologia Profª Doutora Sónia Galinha [email_address] Instituto Politécnico de Santarém Centro de Investigação em Educação da Universidade da Madeira European Health Psychology Society Consolidação do Processo de Influência no Comportamento Organizacional
  • 2.
  • 3. Psicologia Social
    • Possui como objecto de estudo os processos psicológicos que têm origem no grupo.
    • Estuda também a dependência e a interdependência das condutas humanas.
  • 4.
  • 5.
  • 6. Psicologia Social Europeia
    • Corresponde a um movimento de objectivação que teve lugar através da criação de uma associação denominada – Associação Europeia de Psicologia Social Experimental.
    • A PSE revela-se muito forte nas relações intergrupo – Tajfel.
  • 7. Psicologia Social Americana
    • O tópico forte é o processo de influência social:
    • Fenómenos de conformidade – Asch
    • Fenómenos de convergência – Sherif
    • Inovação – Moscovici
  • 8. O Homem e a Socialização
    • A socialização é a capacidade de o ser humano se adaptar ao meio, transformando-o. É a integração do indivíduo numa determinada sociedade.
    • Decorre ao longo da vida e só termina quando o indivíduo morre.
    • É um processo dinâmico, interactivo e permanente de integração social.
  • 9.
  • 10.
    • Influência social
    • Influência é uma dimensão da interacção que se estabelece no interior do grupo, devendo-se ao facto de se estar junto do outro.
    • Indivíduos modelam o seu comportamento segundo as normas e valores dos grupos que fazem parte: família, escola, grupos de trabalho, etc.
  • 11. O grupo
    • Um grupo é um conjunto de indivíduos com um objectivo comum e que em interdependência cooperam para atingir o fim que os reuniu, obedecendo a certas normas.
  • 12. Características de um grupo
    • Conjunto de pessoas com uma obra para realizar;
    • Um mesmo objectivo;
    • Fenómeno de interacção entre os elementos;
    • Cooperação entre os elementos;
    • Cont.
  • 13.
    • Os elementos do grupo têm que se sentir parte integrante do mesmo;
    • Têm que obedecer a normas;
    • Cada elemento tem que desempenhar um determinado papel (função);
    • Tem que ter um carácter de permanência.
  • 14.
  • 15.
    • Nas organizações/ grupos realizam-se aprendizagens que emergem dos modelos e se exercitam nos papéis sociais.
    • O facto de se estar em grupo faz com que tenhamos opiniões e atitudes próprias:
    • Mas, dentro de um grupo à indivíduos que se comportam de acordo com as expectativas do grupo sendo conformistas.
  • 16.
    • Em grupos coesos há uma maior tendência a atitudes conformistas por parte dos seus membros.
    • Razões para tal conformismo:
    • Tamanho do grupo
    • Unanimidade do grupo
    • Sentimento de pertença
    • Normas e percepções grupais
  • 17.
    • Outros, embora, conheçam essas expectativas, agem de forma oposta, demonstram inconformidade.
    • São considerados independentes.
    • Algumas vezes são indutores de mudança.
  • 18.
    • São inferidas e directamente observáveis.
    • Constituídas por três elementos:
    • Cognitivo : crenças, ideias
      • Afectivo : Gosto, não gosto, aprecio...
      • Comportamental : comportamentos = junção dos outros dois
  • 19.
    • Definição: Conjunto de comportamentos que indicam a posição de um indivíduo na sociedade.
    • Cada indivíduo pode assumir vários estatutos:
      • Familiar (mãe, pai, filho...)
      • Profissional (professor, educador, gestor).
  • 20.
    • A cada estatuto corresponde um papel social
    • Definição: conjunto de deveres que a sociedade espera do indivíduo.
  • 21.
    • Definição: ideias feitas que são generalizadas e tende a considerar que todos os elementos de um grupo social têm as mesmas características e comportam-se do mesmo modo.
  • 22.
    • Definição: atitudes que derivam de pré-julgamentos que conduz os sujeitos a avaliar negativa ou positivamente objectos, pessoas ou grupos sociais.
  • 23.
    • Para crescer o grupo/ organização deve:
    • 1. Ter uma homogeneidade de grupo constituída por:
      • 1. Coesão e cooperação (como base)
      • 2. Consciência colectiva (indivíduos pensam, agem, decidem unidos, segundo a perspectiva sociocognitiva)
      • 3.Sentimento positivo de Si (Martin Seligman)
      • 4. Abertura (deve estar disponível a interagir com outros grupos estando consciente dos fundamentos da singularidade humana (Edgar Morin) e da Inteligência Emocional (Goleman) e das Inteligências Múltiplas (Gardner)
      • 2. Inserir-se numa organização/ holding/ rede
      • (para estabelecer relações com outros grupos - relações políticas, desportivas, religiosas, afectivas, laborais,etc.)
  • 24.
  • 25.
  • 26.
    • Interacção Grupal
    • Interacção refere-se à reciprocidade de acção entre os elementos de um grupo.
    • Interacção implica a influência mútua dos comportamentos, o que passa pela adopção de condutas e expressões linguísticas próprias que vão ganhar dimensão no grupo, e que muitas vezes o distinguem de outros grupos.
  • 27.
    • Num interior de um grupo estabelecem-se múltiplas relações.
    • Com o aumento de indivíduos aumenta o número de interacções, mas o número de relações aumenta muito mais rapidamente do que o número de elementos.
    • Grupo não é o somatório de pessoas, mas sim um todo , um conjunto de pessoas interdependentes que estabelecem entre si relações – Gestaltismo “O todo é diferente da soma das partes”
  • 28.
  • 29.
    • Grupos Primários
    • Grupos Secundários
    • Vs.
    • Grupos Passivos
    • Grupos de Influência
    • Grupos Determinantes
  • 30.
    • Vinculados por motivações afectivas
    • Pequenas dimensões;
    • Relações frequentes caracterizadas pela espontaneidade e informalidade;
    • Comunicação é directa.
    • Ex.: Família, Amigos...
  • 31.
    • Maior número de elementos;
    • Marcados pela formalidade e impessoalidade;
    • Comunicação e relações não directas,
    • Ex.: Empresas, Sindicatos...
  • 32.
    • Grupos que não têm qualquer tipo de implicação ao nível da intervenção social, logo não pretendem modificar a sociedade.
  • 33.
    • São os grupos que possuem uma influência ao nível do emocional mas também social, do indivíduo.
    • Ex.: Família, Amigos, Classe Social, Profissão...
  • 34.
    • São todos os grupos que se encontram vocacionados para a intervenção social, querendo desta forma modificar a sociedade.
    • Ex.: Partidos, Sindicatos...
  • 35.
    • Conceito em sentido restrito:
    • Conjunto de teorias elaboradas por Kurt Lewin;
    • Este estudou os fenómenos de grupo;
    • Aqui, o grupo é considerado como um conjunto dinâmico, onde forças opostas se confrontam, procurando o equilíbrio.
  • 36.
    • Conceito em sentido lato:
    • Faz parte da Psicossociologia;
    • Estuda a experiência de vida dos grupos, tratando uma série de problemáticas de inter-relação: do indivíduo com o grupo ou grupos de que faz parte, do indivíduo no grupo, e dos grupos entre si.
  • 37.
  • 38.
    • Triplo significado do conceito de dinâmica de grupo:
    • Estudo dos problemas que surgem no seio da vida dos grupos;
    • Ciência que estuda a psicologia dos grupos;
    • Técnica, que favorece o desabrochar da personalidade do indivíduo.
  • 39.
    • Saber escutar e observar;
    • Dar o exemplo;
    • Motivar os indivíduos e as equipas;
    • Favorecer uma certa autonomia;
    • Proporcionar a inovação e a criatividade;
    • Facilitar a tomada de decisões;
    • Proporcionar a descoberta de talentos e o treino de competências
    • Ajudar cada participante a tomar uma responsabilidade no grupo.
  • 40.
    • Comportamento na Gestão
    • Directivo . Quanto à Forma
    • . Quanto ao Fundo
    • Não Directivo
  • 41.
  • 42.
    • Princípios Morais:
    • Princípio de Competência;
    • Princípio do Respeito pelo Próximo;
    • Principio de Lealdade;
  • 43. Liderança
    • Qualidades que definem a Liderança:
    • Visão
    • Confiança
    • Adesão .
  • 44. Procura de Liderança eficaz
    • Tipos de Líder:
    • Líder Autoritário
    • Líder Laissez-Faire
    • Líder Democrático
  • 45.
    • Líder Autoritário:
    • As decisões são tomadas sem a consulta dos membros do grupo;
    • Não há espaço para a iniciativa pessoal;
    • Gerador de conflitos e agressividade;
    • Produtividade elevada mas não há satisfação na realização das tarefas.
  • 46.
    • Líder Laissez-Faire:
    • O grupo levanta os problemas e decide;
    • O líder não intervém na discussão.
  • 47. Liderança eficaz
    • Líder Democrático:
    • Liberdade e profundidade de comunicação entre os membros do grupo;
    • O líder tem uma atitude de apoio;
    • Produtividade é satisfatória.
  • 48. Coesão de Grupo e comunidades
    • Factores de Coesão;
    • Condições de Coesão no grupo;
    • - Correlação dos objectivos;
    • - Intensidade das necessidades dos indivíduos e do grupo;
    • - Aptidão do grupo para satisfazer as suas necessidades.
  • 49. Elementos da comunicação
    • Emissor : Um indivíduo ou grupo que tem posições a defender ou algo a comunicar. Há Receptor (es).
    • É tributário do seu meio, carácter, sua formação, experiência, etc.
    • Mensagem : Algo que se utiliza para exprimir o que se quer dizer, através da linguagem verbal ou não-verbal.
  • 50.
    • Para que uma mensagem seja recebida, tem que ser primeiro compreendida , pois é necessário haver um ajustamento por parte do emissor ao modo de pensar do receptor.
    • O emissor e o receptor têm de se pôr ao alcance um do outro, para que possam comunicar.
  • 51. Redes de comunicação
    • No interior do grupo por mais pequeno que ele seja estabelece-se a comunicação entre os seus membros. É impossível não se comunicar. Axiomas de Palo Alto.
    • Canais e modos de se relacionarem dentro do grupo designa-se por redes de comunicação.
  • 52.
    • A escolha de uma rede centralizada ou descentralizada tem a ver com:
    • a competência das pessoas,
    • com a sua personalidade,
    • com o tipo de actividade e
    • com a maior ou menor complexidade dos problemas a resolver.
  • 53. Conflitos
    • Podem surgir entre vários intervenientes:
      • Indivíduo-indivíduo
      • Indivíduo-grupo
      • Indivíduo-líder
      • Grupo-grupo
    • Causas dos conflitos:
        • Não privacidade
        • Não dirigir-se à pessoa certa
        • Considerar que a razão está só de um lado
        • formação e educação
        • Motivações diferentes
        • Imprecisão de objectivos
        • Estrutura precária e má organização do grupo
  • 54.
  • 55. Conflitos
    • Reacção perante conflitos:
      • Agressividade
      • Fuga
      • Resignação
      • Integração
      • Transferência
    • Para resolver os conflitos cada indivíduo deve:
      • harmonizar a vida em grupo
      • Respeitar as opiniões opostas
      • contribuir nas tarefas em grupo
      • intervir nas decisões
      • responsabilizar-se pelo cargo que exerce