GBM: Crescimento ainda forte do crédito entre os bancos públicos pressiona spreads

  • 61 views
Uploaded on

 

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
61
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
1
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. [26/04/2013 - 13:28]GBM: crescimento ainda forte do crédito entre osbancos públicos pressiona spreadsSão Paulo, 26/04/2013 - Apesar de os números divulgados hoje pelo Banco Central sobre aoferta de crédito no acumulado do ano não trazerem mudanças de tendências, o crescimentoforte dos empréstimos nos bancos públicos chama atenção, segundo Andre Riva Gargiulo,analista de bancos do Grupo Bursátil Mexicano (GBM). "Os bancos públicos estão demorandoa arrefecer a oferta de crédito e isso está gerando um problema maior para a indústriabancária, uma vez que tem pressionado o nível dos spreads (diferença de quanto o bancopaga para captar e cobra para emprestar)", avalia ele, em entrevista ao Broadcast.Com os spreads caindo, conforme Gargiulo, os bancos privados estão preferindo crescermenos no crédito e optando por riscos menores e, consequentemente, com taxas menores.O estoque de crédito total nos bancos públicos teve expansão de 4,1% no primeiro trimestrede 2013 em relação ao saldo verificado em dezembro de 2012, informou há pouco o BancoCentral, somando R$ 1,180 trilhão. Nas instituições privadas nacionais, a alta foi de 1,5%,para R$ 859 bilhões.Na comparação anual, a oferta de crédito via bancos públicos cresceu 29,0% em 12 mesesenquanto nos privados, a alta foi de apenas 7,1% no mesmo período. Na opinião do analistado GBM, não é sustentável a oferta de crédito apenas via os bancos públicos. "Vai ter umahora que o governo precisará dos bancos privados. As instituições públicas não têm comosustentar o nível de expansão atual por muito tempo", avalia ele.Também preocupa, segundo Gargiulo, o patamar elevado do número de calotes. Ainadimplência do sistema financeiro, referente aos atrasos superiores a 90 dias, permaneceuestável em 3,6% do saldo total dos créditos com recursos livres e direcionados, acumulandodeclínio de 0,2 p.p. em doze meses. Já os calotes acima de 60 dias passaram de 3,90% emfevereiro para 3,96% em março."A inadimplência de curto prazo continua subindo, o que mostra que a situação ainda inspiracuidados", alerta Gargiulo, acrescentando que há preocupação também com o nível deprovisionamento das instituições privadas de controle estrangeiro, que atingiu 107,1% dacarteira vencida há mais de 90 dias versus 140,0% das privadas nacionais e 200,0% das decontrole público.O Banco Central informou nesta manhã que o estoque de operações de crédito do sistemafinanceiro cresceu 1,8% em março ante fevereiro, chegando a R$ 2,426 trilhões. No primeirotrimestre deste ano, a carteira cresceu 2,5% e, em 12 meses, 16,7%. (Aline Bronzati -aline.bronzati@estadao.com)Copyright © 2013 Agência Estado. Todos os direitos reservadosPágina 1 de 1AE Conteúdo26/04/2013http://www.aeconteudo.com.br/negocios/setoriais/financeiro/noticia.htm?d=2013-04-26&id=254