Com possível compra da credicard, ITAU UNIBANCO ganha sinergia em processamento
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Com possível compra da credicard, ITAU UNIBANCO ganha sinergia em processamento

on

  • 379 views

 

Statistics

Views

Total Views
379
Views on SlideShare
379
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
1
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Com possível compra da credicard, ITAU UNIBANCO ganha sinergia em processamento Com possível compra da credicard, ITAU UNIBANCO ganha sinergia em processamento Document Transcript

  • [09/05/2013 - 17:23]Com possível compra da Credicard, Itaú Unibancoganha sinergia em processamentoSão Paulo, 09/05/2013 - A aquisição da Credicard pelo Itaú Unibanco, não oficializada, masdada como certa pelo mercado, não só ressalta o foco estratégico da instituição em cartões,como pode trazer ganhos de sinergia na área de processamento, conforme analistas. Comoatualmente este negócio é terceirizado por uma empresa estrangeira, ao comprar o ativo, obanco traria esse serviço para dentro de casa que poderia ser feito pelo braço de adquirênciado grupo, a Redecard."O serviço de processamento de cartões é contratado. Eventualmente numa aquisição,poderia ser processado pela Redecard, gerando sinergia para o grupo uma vez que aempresa já desempenha este papel no Itaú", avalia André Riva, analista de bancos do GrupoBursátil Mexicano (GBM).A compra da Credicard também representa, conforme analistas, uma questão estratégicapara o Itaú Unibanco em meio à base de clientes ofertada. Riva, do GBM, lembra que há umabase maior de correntistas do Itaú neste portfólio. Numa eventual aquisição por umconcorrente, o banco poderia perder clientes da sua carteira. "O segmento de cartões decrédito funciona como uma boa janela para a vida financeira do cliente. O banco tem acessoa seus pagamentos, volume de transações e inadimplência, podendo oferecer diversos tiposde produtos para retê-lo", atenta RivaPor ter tido uma participação na Credicard, vendida em 2006 para o Citi por R$ 280 milhões,o banco não só conhece bem o negócio como ajudou a originar parte dele antes de sedesfazer do mesmo.Além disso, crescer em cartões para o Itaú significa, conforme analistas, se fortalecer noposto de liderança. Com base nos números divulgados pela Associação Brasileira dasEmpresas de Cartões de Crédito e Serviços (Abecs), o banco tem hoje cerca de 35% destemercado, sendo 28% das bandeiras tradicionais mais 7% da Hipercard. Seus principaisconcorrentes, Bradesco e Banco do Brasil dividem o segundo lugar com cerca de 21% demarket share cada.Com sete milhões de clientes, a Credicard possui 4,7 milhões de cartões de crédito eresponde por cerca de 5% do faturamento do setor no País. Com a aquisição, o Itaú poderiaelevar seu market share para mais de 40%.O analista de bancos da Austin Rating, Luis Miguel Santancreu, lembra que além de a basede clientes da Credicard ser conhecida, ao incorporá-la, o Itaú Unibanco amplia sua carteira,porém, elimina custos de prospecção de novos clientes. Também conta a favor, segundo ele,o atual cenário da economia brasileira, no qual os bancos estão com menos apetite por riscoe, por isso, estão num ritmo de crescimento menor de empréstimos e, consequentemente,mais capital livre para investir."O Itaú tem capital e cultura de parceria. Tradicionalmente, a instituição traz especialistaspara dentro da sua bandeira e desde os anos 70 iniciou um trabalho de fusões e aquisiçõesque nunca parou", observa Santacreu.A compra da Credicard, conforme o especialista, entra neste conceito já visto em outrasparcerias como a Porto Seguro, referência em seguro de veículos, e o BMG, especialista emPágina 1 de 2AE Conteúdo09/05/2013http://www.aeconteudo.com.br/negocios/setoriais/financeiro/noticia.htm?d=2013-05-09&id=450
  • crédito consignado. Nas aquisições do Unibanco e também do BBA, que deu origem ao ItaúBBA, o Itaú, conforme o analistas da Austin, também fez o mesmo, assumindo o controle,mas preservando a identidade dos negócios.Embora os detalhes do negócios ainda sejam alimentados mais com rumores do mercado doque com informações fidedignas, analistas consultados pelo Broadcast não veem pontosnegativos na aquisição da Credicard. O negócio em questão envolve não só a emissora decartões do Citi, mas a parte de financiamento ao consumo, que inclui imobiliário econsignado. Há ainda as operações de varejo do Citi no Uruguai que, segundo fontes ouvidaspelo Broadcast, também podem ser negociadas com a compra da Credicard.Carlos Daltozo, analista do BB Investimentos, lembra que o negócio tanto já era dado comocerto pelo mercado que não impactou no desempenho das ações do banco hoje na bolsa. Às17h19, os papéis PN do banco cediam 0,51%, cotados em R$ 34,82. No mesmo horário, oIbovespa recuava 0,96%, aos 55.268 pontos.Em resposta ao questionamento da BM&FBovespa sobre possível aquisição de carteirade cartões de crédito da Credicard no Brasil e na América Latina, o Itaú informou que, nestemomento, "não há qualquer transação ou contrato firmado que justifique a divulgação defato relevante". Segundo comunicado do banco ao mercado, o mercado será informadoimediatamente da conclusão de qualquer negociação. "O Itaú está continuamente analisandopotenciais operações que agreguem valor aos nossos acionistas", conclui a instituição nocomunicado.Procurados, Itaú Unibanco e Citibank não comentam o assunto. (Aline Bronzati -aline.bronzati@estadao.com)Copyright © 2013 Agência Estado. Todos os direitos reservadosPágina 2 de 2AE Conteúdo09/05/2013http://www.aeconteudo.com.br/negocios/setoriais/financeiro/noticia.htm?d=2013-05-09&id=450