Your SlideShare is downloading. ×
Resumo Expandido Sobre Aprendizagem Significativa - UEG
Resumo Expandido Sobre Aprendizagem Significativa - UEG
Resumo Expandido Sobre Aprendizagem Significativa - UEG
Resumo Expandido Sobre Aprendizagem Significativa - UEG
Resumo Expandido Sobre Aprendizagem Significativa - UEG
Resumo Expandido Sobre Aprendizagem Significativa - UEG
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Resumo Expandido Sobre Aprendizagem Significativa - UEG

1,689

Published on

- Este resumo expandido discute a temática da aprendizagem significativa e foi elaborado para fundamentar uma palestra com os docentes do curso Stricto Senso em Ensino de Ciências, da UEG - …

- Este resumo expandido discute a temática da aprendizagem significativa e foi elaborado para fundamentar uma palestra com os docentes do curso Stricto Senso em Ensino de Ciências, da UEG - Universidade Estadual de Goias. O mesmo resumo substanciou outra palestra com os alunos do referido curso, no ano de 2013. O texto é de autoria da professora Ms. Andréa Kochhann, coordenadora do projeto de extensão "Conhecendo a aprendizagem significativa na perspectiva de David Ausubel".
E-mail: andreakochhann@yahoo.com.br

Published in: Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
1,689
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
28
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Ciências Exatas e Tecnológicas Coordenação do Curso de Mestrado Profissional em Ensino de Ciências A APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA PELO USO DE MAPAS CONCEITUAIS: uma abordagem possível na Pós-Graduação Strito Sensu1 Andréa Kochhann2 RESUMO: A aprendizagem significativa na concepção de David Ausubel não é um assunto recente, mas precisa ser conhecido por muitos. A valorização dos subsunçores, a utilização dos mapas conceituais, a aula introdutória, a análise de conteúdos e da modalidade de aprendizagem para a escolha de metodologias e elaboração de material didático são pontos fundamentais da teoria. PALAVRAS-CHAVE: Aprendizagem Significativa; Mapas Conceituais; Mudanças Paradigmáticas. SUMMARY: Significant learning in the design of David Ausubel is not a recent issue, but needs to be known by many. The valuation of subsumers, the use of concept maps, the introductory lecture, the content analysis and learning mode for choice of methodologies and development of teaching materials are key points of the theory. KEYWORDS: Meaningful Learning, Concept Maps; Paradigmatic Change. INTRODUÇÃO A teoria da aprendizagem significativa de Ausubel (1982) é uma teoria cognitivista que procura explicar os mecanismos internos que ocorrem na mente humana com relação ao 1 Resumo expandido escrito para a palestra sobre a Aprendizagem Significativa com os docentes da Pós-Graduação Stricto Sensu Mestrado Profissional em Ensino de Ciências, no dia 06/11/2013 e com os discentes no dia 12/12/2013. O resumo e as palestras foram pensadas com base no Projeto de Pesquisa e no Projeto de Extensão, ambos pela UEG, com acadêmicos bolsistas. 2 Pedagoga, Mestre em Educação pela PUC, Docente Efetiva – DE da UEG. Gerente de Extensão. gerext@ueg.br
  • 2. aprendizado e a estruturação do conhecimento e, que precisa ser melhor compreendida não somente em cursos de Psicologia mas, também de Pedagogia, cujos seus atores, atuam diretamente com sujeitos em fase de desenvolvimento e aprendizagem. A discussão temática nesta área não é recente, mas é ampla, necessária, urgente e não se esgota. Sobre a teoria ausubeliana, Moreira, Caballero e Rodriguez (1997, p.19), asseveram que “Atualmente as palavras de ordem são aprendizagem significativa, mudança conceitual e construtivismo. Um bom ensino deve ser construtivista, promover a mudança conceitual e facilitar a aprendizagem significativa.”. DISCUSSÕES EPISTEMOLÓGICAS SOBRE A APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA E MAPAS CONCEITUAIS A aprendizagem para ser significativa, na concepção de Ausubel (1982), depende da estrutura cognitiva e da interação social em medidas simultâneas, visto que como diz Praia (2000, p.122), “[...] a aprendizagem significativa é um processo dinâmico.”. Para compreender melhor a aprendizagem significativa é importante discutir sobre as tipologias de que ela possa ocorrer, segundo alguns teóricos. De acordo com a teoria de Ausubel (1982), a aprendizagem significativa no processo de ensinagem necessita ter sentido para o aluno, no qual a informação deverá interagir nos conceitos já existentes na estrutura cognitiva do aluno, com base nos subsunçores. Ausubel (1982) concentra-se principalmente nesta questão, percebendo nos seus trabalhos uma proposta para o cotidiano acadêmico, sendo o seu maior legado as técnicas e reflexões acerca da aula do tipo tradicional, bem como do tipo de enfoque, cuidado e trabalho primordiais que o professor deveria possuir nesse contexto, visando propiciar uma melhor aprendizagem para seus alunos, com base nos mapas conceituais. Os mapas conceituais podem ser vistos como uma metodologia de ensino, na qual os alunos se expressam livremente sobre o tema que será abordado, de maneira que consigam escrever tudo o que sabem sobre o assunto, em forma de esquemas ou de palavras ligadas a outras, tendo como base central um conhecimento, assunto ou ideia. Essa metodologia pode ser utilizada para conhecer os subsunçores e para avaliação da evolução do conhecimento, em todos os níveis de ensino em que há predominância da escrita. De acordo com Alegro (2008, p.50) “Os elementos básicos de um mapa conceitual
  • 3. consistem nas palavras que expressam o conceito, conectadas umas às outras por meio de palavras ou frases de ligação – conectivos – formando frases - proposições – que traduzem a estrutura cognitiva do sujeito.”. Moreira (2006), aponta que os mapas mentais ou mapa conceitual é uma técnica que não se encaixa nos moldes tradicionais que podem ser usados como instrumentos de ensino ou de aprendizagem, bem como de avaliação em qualquer idade escolar. Como assevera Moreira (2006, p.6) o mapa conceitual é “Uma técnica não tradicional de avaliação que busca informações sobre os significados e relações significativas ente conceito-chave da matéria de ensino segundo o ponto de vista do aluno.”. O autor alega que o mapeamento conceitual pode ser utilizado tanto na educação básica como no ensino superior como instrumento didático, de avaliação e de análise do conteúdo. Autores como Pierre Will e Marylum Ferguson discutem que quando uma pessoa recebe informações de maneira cartesiana e linear a mesma poderá não obter resultados satisfatórios quanto à aquisição de novos conhecimentos advindos dessas informações recebidas, pois como alega Moreira, Caballero e Rodrigues (1997, p. 20) “Quando o material de aprendizagem é relacionável a estrutura cognitiva somente de maneira arbitrária e literal que não resulta na aquisição de significados para o sujeito, a aprendizagem é dita mecânica ou automática.”. Essa alegação se faz mediante a análise do ensino cartesiano que está impregnado no paradigma newtoniano-cartesiano. Há necessidade, portanto da aprendizagem significativa como uma forma de trabalho holístico, que valoriza os conhecimentos já construídos pelo indivíduo, a criatividade, o autoconhecimento, bem como a autonomia. Lemos (apud ALEGRO, 2008, p.31) afirma que “[...] o processo de ensino e de aprendizagem implica em co-responsabilidade do professor e do aluno.”. Ou seja, a tarefa do professor não gira entorno de passar informações prontas e acabadas aos alunos, mas através dos conhecimentos prévios dos alunos construir conhecimentos juntamente com os mesmos, visto que como discute Shön (apud ALEGRO, 2008, p.31) “Nesta dinâmica a tarefa do professor não limita-se à transmissão de conteúdos e aparenta mais aquela do coach [...].”. A postura didático-metodológica do professor enquanto coach pode se entendida e usada, tanto na sala de aula quanto fora, e tem como princípios norteadores a palavra, a aprendizagem e a mudança, segundo Pérez (2009). Para o autor a palavra do professor é muito importante porque por meio dela ocorrerá o diálogo entre o professor e o aluno, ou seja, entre o coach e o coachee. A teoria da aprendizagem significativa de Ausubel (1982) apresenta-se em sua originalidade como a que mais propícia reflexão sobre as questões didáticos-metodológicas, ou seja, uma teoria voltada para a sala de aula. Moreira, Caballero e Rodriguez (1997, p. 35) alegam que “[...] a teoria original de Ausubel, enriquecida por Novak, [...] é a que mais oferece, explicitamente,
  • 4. diretrizes instrucionais, princípios e estratégias que pode vislumbrar mais facilmente como por em prática, que estão mais perto da sala de aula. [...] a teoria de Ausubel é uma teoria de aprendizagem em sala de aula.”. Ausubel (1982) defende que os professores necessitam criar situações pedagógicas e didáticas com a finalidade de desvelar os conhecimentos que os alunos já sabem, sendo designado pelo próprio autor como conhecimentos prévios, que são os suportes em que o novo conhecimento se apoiaria, sendo este processo conhecido como ancoragem, conforme defende Praia (2000). Como a teoria ausubeliana discute os princípios didático-metodológicos de sala de aula é necessário entender a importância de se realizar uma análise conceitual do conteúdo a ser ministrado para então planejar as metodologias. Outro detalhe é o cuidado para não sobrecarregar o aluno com informações sem muita necessidade, pois isso pode dificultar sua organização cognitiva, segundo Moreira, Caballero e Rodriguez (1997). Para evitar informações desnecessárias é preciso que o professor faça a análise conceitual do conteúdo. Essa análise conceitual do conteúdo se inicia com o entendimento do que vai ser ensinado e que muitas questões do currículo precisam ser questionadas, pois é preciso pensar no aluno e em sua disponibilidade cognitiva, pois como discute Moreira, Caballero e Rodriguez (1997, p. 26) “De nada adianta o conteúdo ter boa organização lógica, cronológica ou epistemológica, e não ser psicologicamente aprendível.”. Além disso é preciso escolher as metodologias adequadas alinhadas aos subsunçores dos alunos, partir de uma visão geral para o específico, fazer uma lista de palavras ou principais conceitos para introduzir o conteúdo, elaborar atividades de sala e avaliações que propiciem o envolvimento no aluno com clareza de sua relevância. Moreira (2000) com base nas propostas de Postman e Weingartner, os quais se alicerçam em Ausubel, para apresentarem estratégias facilitadoras da aprendizagem significativa, discute estas estratégias. Dessa forma, Moreira (2000) discute oito estratégias facilitadoras da aprendizagem significativa da qual deve compor a postura didático-metodológica do professor, sendo a interação social e o questionamento, descentralidade do livro, aprendiz perceptor/construtor, linguagem clara, consciência semântica, erro, desaprendizagem e incerteza do conhecimento. Cachapuz (2000, p. 67) aponta que “Não é demais salientar a importância actual de uma reflexão educacional.” discutindo que existem muitas dificuldades para a aprendizagem significativa, como a sobrevalorização dos saberes conceituais, organização hierárquica dos conceitos mentais, não atribuir relevância as habilidades e competências individuais e a ausência de problematização entre a aprendizagem e o desenvolvimento. Concordando com Moreira (2000) e Cachapuz (2000), mediante as estratégias facilitadoras
  • 5. e as limitações da aprendizagem significativa é necessário que ocorra primeiro uma ruptura epistemológica para então ocorrer didática e metodologicamente. Portanto, a postura do professor deve ser de atualizar-se epistemológica, didática e metodologicamente. Cachapuz (2000) apresenta três questões que mostram a dificuldade do professor para alcançar essa atualização, sendo à falta de segurança para correr o risco de transgressões teóricas, o enquadramento teórico e a índole metodológica do professor. CONSIDERAÇÕES A teoria de Ausubel tem o que proporcionar, ainda mais no que diz respeito a efetiva e significativa aprendizagem por parte do ser que aprende, bem como do ser que ensina. Para tanto, se faz imprescindível que o professor tenha em mente que a responsabilidade é dele quanto a escolha dos conteúdos e da metodologia a ser aplicada em sala de aula vislumbrando uma aprendizagem significativa. A aprendizagem significativa está para todos os níveis de ensino. Cabe ao professor assumir que o modelo de ensino e aprendizagem se transforma e acompanhar as transformações é papel do professor. Despertar o professor para conhecer novas teorias e pensar novas metodologias é o grande objetivo dessa escrita. REFERÊNCIAS AUSUBEL, D.P. A APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA: a teoria de David Ausubel. São Paulo: Moraes, 1982. CACHAPUZ, Antonio F. A PROCURA DA EXCELENCIA NA APRENDIZAGEM. In: NOVAK, J.D., MOREIRA, M.A., VALADARES, A.J., CACHAPUZ, A.F., PRAIA, J.F., MARTINEZ, R.D., MONTERO, Y.H. e PEDROSA, M.E. TEORIA DA APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA: Contributos do III Encontro Internacional sobre aprendizagem significativa. Penche, 2000. Cap. 5, p. 121-134. KOCHHANN, Andréa e MORAES, Ândrea Carla. MANUAL DIDÁTICO-PEDAGÓGICO DA APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA NA PERSPECTIVA DE DAVID PAUL AUSUBEL Anápolis – GO: UEG, 2012. PRAIA, J.F. APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA EM DAVID AUSUBEL: contributos para um adequada visão da sua teoria e incidências no ensino. In: NOVAK, J.D., MOREIRA, M.A., VALADARES, A.J., CACHAPUZ, A.F., PRAIA, J.F., MARTINEZ, R.D., MONTERO, Y.H. e
  • 6. PEDROSA, M.E. TEORIA DA APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA: Contributos do III Encontro Internacional sobre aprendizagem significativa. Penche, 2000. Cap. 5, p. 121-134. MASSINI, Elcie F. Salzano; MOREIRA, Marco Antônio. APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA – A teoria de David Ausubel. São Paulo: Moraes, 1982. MOREIRA, Marco Antonio. A TEORIA DA APRENIDZAGEM SIGNIFICATIVA E SUA IMPLEMENTAÇÃO EM SALA DE AULA. Brasília: Editora da Universidade de Brasília, 2006. MOREIRA, M. A., CABALLERO, M.C., RODRIGUEZ, M.L. (orgs) 1997. ACTAS DEL ENCUENTRO INTERNACIONAL SOBRE EL APRENDIZAJE SIGNIFICATIVO. España. p, 19-44.

×