• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Resumo   exame do aparelho cardiovascular
 

Resumo exame do aparelho cardiovascular

on

  • 4,598 views

 

Statistics

Views

Total Views
4,598
Views on SlideShare
4,598
Embed Views
0

Actions

Likes
3
Downloads
82
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Resumo   exame do aparelho cardiovascular Resumo exame do aparelho cardiovascular Document Transcript

    • EXAME DO APARELHO CARDIOVASCULAR Vitor Amaral Gonçalves – Medicina – SEMIOLOGIA - 4º período – 2011.21. Inspeção e palpação do precórdio: -Foco pulmonar: 2º EIE justaesternal. Nesse foco verifica-se o desdobramento da 2ª bulha pulmonar (fisiológico ou patológico).Devem ser realizados simultaneamente. Devem ser analisados: pesquisa deabaulamentos, análise do ictus cordis, análise de batimentos visíveis ou pal- -Outras regiões de ausculta: bordas esternais, mesocárdio, regiões infra epáveis e pesquisa de frêmito cardiovascular. supra-claviculares e regiões laterais do pescoço.1.1. Pesquisa de abaulamentos: 2.2. Bulhas cardíacas:Deve ser visto em duas incidências: tangencial (no lado direito) e frontal (nospés do paciente). Abaulamentos podem indicar cardiomegalia, derrame peri-cárdico, aneurisma da aorta. É principalmente a dilatação do VD que provocaabaulamentos precordiais. O abaulamento “não-cardíaco” é diferenciado pelanão impulsão do precórdio.1.2. Ictus cordis:Devem ser analisados: localização, extensão, mobilidade, intensidade, formada impulsão, ritmo e freqüência.A localização é comum no 5º EIE na LHC e corresponde a 1-2 polpas digitais(aumenta em casos de hipertrofia do VE). Pode não palpável em pacientescom DPOC. O deslocamento indica dilatação e/ou hipertrofia do VE, comumna estenose aórtica, insuficiência aórtica, hipertensão arterial, miocardioes-clerose, miocardiopatias, cardiopatias congênitas, etc. O ictus não se deslocaem casos de sínfise pericárdica. Pode aumentar de intensidade com exercício,hipertrofia do VE, insuficiência aórtica, hipertireoidismo, etc. O ritmo degalope é facilmente reconhecido pela palpação. - Primeira bulha (B1): Fechamento das valvas atrioventriculares (mitral e tri-Quando o ictus é >3-4 polpas digitais, diz-se que é difuso (dilatação do VE). cúspide), com o componente mitral antecedendo o tricúspide. Coincide comQuando levanta a mão espalmada, diz-se que é propulsivo (hipertrofia do VE). o ictus cordis e com o pulso carotídeo.1.3. Batimentos ou movimentos: - Segunda bulha (B2): Fechamento das valvas aórtica e pulmonar. Ausculta- se apenas o componente aórtico, com exceção do foco pulmonar (compo-Além do ictus, podem ser encontrados: retração sistólica apical (hipertrofia do nente pulmonar). Durante a inspiração, onde ocorre prolongamento daVD), impulsão sistólica do precórdio (hipertrofia do VD), choques valvares sístole do VD, observa-se o desdobramento fisiológico de B2.(bulhas cardíacas palpáveis), pulsações na fúrcula esternal (normal, HAS,insuficiência aórtica, etc.) e pulsação epigástrica. - Terceira bulha (B3): É um ruído protodiastólico de baixa freqüência que se origina do enchimento ventricular rápido. Comumente é normal em crianças e adultos jovens.A pulsação epigástrica pode ser normal, ou indicar hipertrofia do VD. Outracausa é o pulso hepático, que pode ser causado por estenose tricúspide - Quarta bulha (B4): É um ruído telediastólico que ocorre pelo impacto do(pulsação pré-sistólica) ou insuficiência tricúspide (pulsação sistólica). sangue proveniente do átrio com o do ventrículo. É normal em crianças e adultos jovens.1.4. Frêmito cardiovascular: 2.3. Ritmo e freqüência cardíaca:São vibrações produzidas no coração ou nos grandes vasos. Quando encon-trado, devem ser analisados: localização (utilizando-se os focos de ausculta), O ritmo pode ser em dois tempos (TUM-TA, TUM-TA) ou em três tempos/situação no ciclo cardíaco (sistólico, diastólico, sistodiastólico) e intensidade tríplice (TUM-TA-TU, TUM-TA-TU). A freqüência cardíaca varia de 60-100bpm,(+ a ++++). Correspondem aos sopros. sendo bradicardia <60 e taquicardia >100.2. Ausculta cardíaca: 2.4. Alterações das bulhas cardíacas:É o principal meio de examinar a região precordial. Devem ser analisados: 2.4.1. Alterações da primeira bulha (B1):bulhas cardíacas, ritmo e freqüência cardíaca, ritmos tríplices, alterações dasbulhas cardíacas, cliques ou estalidos, sopros e outros ruídos. -Intensidade: Avalia-se nos focos mitral e tricúspide. O principal fator que influi na intensidade é a posição dos folhetos no instante da contraçãoLocalização dos fenômenos estetoacústicos: protossístole, mesossístole, ventricular. A hiperfonese ocorre em situações que levam à diminuição dotelessístole, protodiástole, mesodiástole, telediástole (pré-sístole). enchimento ventricular (taquicardia, hipertireoidismo, extra-sístoles), aumen- to a pressão atrial (estenose mitral), fibrose valvar. A hipofonese ocorre nas2.1. Focos de ausculta: miocardiopatias, ICC, IAM, calcificações valvares, choque cardiogênico.-Foco mitral: 5º EIE na LHC, correspondendo ao ictus cordis. -Timbre e tonalidade: Na estenose mitral, ocorre fibrose valvar com ruídos mais intensos e de timbre metálico.-Foco tricúspide: Base do processo xifóide. Durante a inspiração ocorreaumento da intensidade de sopros de origem tricúspide. -Desdobramento: É fisiológico em crianças e jovens. Aparece nos bloqueios de ramo direito, retardando o fechamento da tricúspide (TLUM-TA, TLUM-TA).-Foco aórtico: 2º EID justaesternal. O melhor local de ausculta, entretanto, éno 3º-4º EIE justaesternal (foco aórtico acessório). -Mascaramento: Ocorre nos sopros sistólicos de regurgitação. EXAME DO APARELHO CARDIOVASCULAR – Vitor Amaral Gonçalves
    • 2.4.2. Alterações da segunda bulha (B2): 2.6.3. Intensidade:-Intensidade: Avalia-se nos focos aórtico e pulmonar. A posição das valvas no (+): Sopros que só são audíveis em locais silenciosos e com atenção.início de seu fechamento é o principal fator (quanto maior a distância, maior oruído). Ocorre hiperfonese nas condições que aumentam o débito cardíaco (++): Sopros de intensidade moderada.(persistência do canal arterial, CIA) e nas hipertensões arteriais sistêmica epulmonar. Hipofonese ocorre quando há diminuição do débito (estenose (+++): Sopros intensos.aórtica, estenose pulmonar, miocardiopatias) e calcificações valvares. (++++): Sopros muito intensos, mesmo quando se afasta o estetoscópio.-Desdobramento: Quando constante (TUM-TLA, TUM-TLA) pode ser por blo-queio de ramo direito ou por estenose pulmonar. É fisiológico durante a 2.6.4. Timbre e tonalidade:inspiração. Os mais comuns são: suave, rude, musical, aspirativo (IAo), em jato de vapor,2.4.3. Alterações da terceira e quarta bulhas (B3 e B4): granuloso (estenose aórtica), piante e ruflar (estenose mitral).Podem ser normais como citado acima. B3 é patológica em casos de insu- 2.6.5. Modificações do sopro:ficiência mitral, miocardiopatias, CIA, CIV, PCA. B4 é patológica nas situaçõesque diminuem a complacência ventricular (estenose aórtica, estenosepulmonar, hipertensão arterial, miocardiopatias hipertróficas, etc.). -Com a respiração: Utiliza-se a manobra de Rivero-Carvalho, que diferencia o sopro da insuficiência tricúspide (aumenta com a inspiração) da insuficiência mitral (não se modifica). Quando modifica, diz-se +.2.5. Cliques e estalidos: -Com a posição do paciente: aumentam de intensidade os sopros da basePodem ser classificados em sistólicos e diastólicos. Os estalidos diastólicos (posição sentada), estenose mitral (decúbito lateral esquerdo) e diminuem nopodem ocorrer nas estenoses das valvas mitral (estalido intenso, seco, de rumor venoso (decúbito dorsal).curta duração; TUM-TA-TÉ) e tricúspide (audível na borda esternal esquerda).Os estalidos protossistólicos são de origem vascular (pulmonar e aórtico;TUM-TÉ-TA). Os meso e telessistólicos ocorrem nas bridas pericárdicas, pleu- -Com o exercício: aumenta a velocidade sanguínea e o sist. adrenérgico.ropericárdicas e prolapso da valva mitral. 2.7. Atrito pericárdico:2.6. Sopros cardiovasculares: A causa mais comum é a pericardite fibrinosa, não coincide com nenhumaSão sons produzidos por vibrações decorrentes de alterações do fluxo san- fase do ciclo cardíaco, é auscultado entre o ictus e a borda esternal esquerda,guíneo. Podem aparecer por: aumento da velocidade da corrente sanguínea não se irradia, tem ruído característico e pode se modificar com freqüência.(exercício, febre, anemia), diminuição da viscosidade do sangue (anemia),passagem de sangue através de uma zona estreitada (estenoses valvares,insuficiências valvares, CIA, CIV, PCA) e passagem de sangue para uma zonadilatada (aneurismas).As características semiológicas são: situação no ciclo cardíaco, localização,irradiação, intensidade, timbre e tonalidade, modificação com a fase darespiração, com a posição do paciente e com o exercício físico.2.6.1. Situação no ciclo cardíaco: Sopros CaracterísticasSistólicos De ejeção: Aparece na estenose aórtica e estenose pulmonar. É um sopro panssistólico. Cresce na protossístole, é máximo na mesossístole e decresce na telessístole. De regurgitação: Aparece na insuficiência mitral, insuficiência tricúspide e CIV. Também é panssistólico, só que mascara B1.Diastólicos Aparecem nas estenoses mitral e tricúspide e nas insuficiências aórtica e pulmonar. Na estenose mitral, é mesossistólico, com reforço na pré-sístole (contração atrial), de baixa freqüência, com caráter de “ruflar”. Na insuficiência aórtica, podem ser pan- diastólicos, de alta freqüência, com caráter “aspirativo”.Contínuos Recobrem e mascaram B1 e B2. Aparecem na PCA, fístulas aterio- venosas, anomalias dos septos aortopulmonares e rumor venoso. Não devem ser confundidos com sistólicos + diastólicos.2.6.2. Localização e irradiação:Localiza-se um sopro na área em que ele é mais audível. Deve ser associada àirradiação, para entendimento do local de origem.Quando um sopro irradia-se para o pescoço, é indicativo de estenose aórtica.Irradiação para a axila é indicativo de insuficiência mitral. EXAME DO APARELHO CARDIOVASCULAR – Vitor Amaral Gonçalves