0
AULAS DE RECUPERAÇÃO- LÍNGUAPORTUGUESA E LITERATURA1° trimestreFunções da linguagem:Funções da linguagem são recursos de ê...
   3) Função Apelativa ou Conativa     Seu objetivo é influenciar o receptor ou destinatário, com a intenção de convencê-...
HOMONÍMIA Homógrafas- mesma grafia, mas significado e  pronuncia diferentes. Ex: Eu gosto do gosto da maçã verde. Homóf...
 REGRAS DE ACENTUAÇÃO Monossílabos Tônicos: São acentuados os  monossílabos tônicos terminados com a(s), e(s), o(s) −  d...
   Paroxítonas: são acentuadas as paroxítonas terminadas em:   i(s), us- táxi, tênis, vírus   Um, uns: fórum, álbuns. ...
   Proparoxítonas: Todas são acentuadas − árabe, câmara,    blasfêmia (blasfémia), dinâmico, fêmea , glória, lúdico, mágo...
C)Não se separam os dígrafos- duas letras usadas para  representar um mesmo som, um mesmo fonema- ch, lh,  nh, gu, qu.Ex: ...
Usa-se Z em palavras derivadas de uma palavra grafada com Z:EX: Luz- luzeiro; equalize- equalizar.f) Emprego de AR e IZAR:...
o   Verbos terminados em ND geram substantivos e adjetivos terminados    em NS.Ex:Ascender- ascensão; suspender- suspensão...
o Nas formas dos verbos pôr e querer.Ex: puser, quisesse, quis.o Em palavras que derivam de palavras primitivamente  grafa...
   Figura de Palavra    A figura de palavra consiste na substituição de uma palavra por outra, isto é, no emprego    figu...
COMPARAÇÃO- Estabelece comparação entre seres, geralmente usa o termo COMO:EX:Eles não têm ideal, são como folhas levadas ...
Figuras de Pensamento: consiste em construir-se por meio de processos estilísticos do   pensamento, emoção, paixão.Antítes...
HipérboleÉ a expressão intencionalmente exagerada com o intuito de realçar uma ideia.Exemplos: Faria isso milhões de vezes...
Figuras de Construção ou SintáticasAs figuras de construção ocorrem quando desejamos atribuir maior   expressividade ao si...
AnáforaÉ a repetição de uma ou mais palavras no início de várias frases, criando assim, um   efeito de reforço e de coerên...
Figuras de Som ou estilística: é voltada a construção da palavra, som, fonética.AliteraçãoConsiste na repetição de consoan...
LITERATURA:Função da Literatura: Sensibilizar e fazer com que seu leitor reflita sobre  seu tempo.TEXTOS EM VERSO E PROSA:...
1234567Oh!/ que/ sau/ da/ des/ que eu/ te-nho1234567Da au/ ro/ ra/ da/ mi/ nha/ vi-da1234567Da/ mi/ nhá in/ fân/ cia/ que/...
   b) Interpolada: (ABBA) O primeiro verso rima com o quarto, e o    segundo com o terceiro:   "Para canto de amor tenro...
2° trimestrePROCESSO DE FORMAÇÃO DA PALAVRA:DerivaçãoDerivação é o processo pelo qual se obtém uma palavra nova, chamada d...
Derivação Parassintética ou ParassínteseOcorre quando a palavra derivada resulta do acréscimo simultâneo de prefixo e  suf...
Composição é o processo que forma palavras compostas, a partir da junção de dois ou mais  radicais. Existem dois tipos:Com...
HibridismoOcorre hibridismo na palavra em cuja formação entram  elementos de línguas diferentes.Por Exemplo: auto (grego) ...
   SUBSTANTIVO é tudo o que nomeia as "coisas" em geral.   Classificaçãoo   Substantivo Comum   Substantivo comum é aqu...
   Formação dos substantivos    Os substantivos, quanto à sua formação, podem ser:   Substantivo Primitivo    É primitiv...
GRAU DO SUBSTANTIVO:o   Aumentativo SintéticoForma-se com sufixos aumentativos, sendo os mais comuns:Aça, aço, alha:barcaç...
   Diminutivo SintéticoForma-se com sufixos diminutivo. Eis os mais comuns-acho :riacho, fogacho, penacho...-ebre :casebr...
-isco :chuvisco, pedrisco...-ito :mosquito, pauzito, cabrito...-ita :cabrita, senhorita...-oca :sitioca, engenhoca...-ola ...
   GÊNERO DO SUBSTANTIVO    Os substantivos, quanto ao gênero, são masculinos ou femininos.    Quanto às formas, eles pod...
   Substantivos Uniformes    Substantivos uniformes são os que apresentam apenas um forma, para    ambos os gêneros. Os s...
   Sobrecomum    Os sobrecomuns são os que têm uma só forma e um só artigo para ambos    os gêneros: Eis alguns exemplos:...
o   Epiceno      Os epicenos são os que têm uma só forma e um só artigo para    ambos os gêneros de certos animais, acresc...
    NÚMERO DO SUBSTANTIVO:Quanto ao número, os substantivos podem ser flexionados em: singular ou  plural.#O singular ind...
b) Os substantivos terminados em “r” ,“s”e “z” são acrescidos de “es” para    o plural:   Ex:amor: amoresluz: luzespaís:p...
f) Os substantivos terminados em “ão” têm três variações para o plural: “ões”, “ães” e   “ãos”:   Ex:eleição : eleiçõespã...
d) se os elementos são formados por palavras repetidas ou por   onomatopeias, só o segundo elemento varia: Ex:tico-ticosp...
   ADJETIVO:   Adjetivo é a palavra que expressa uma qualidade ou característica do ser e se    "encaixa" diretamente ao...
   Cabo Frio: cabo-friense/ Campinas: campineiro ou    campinense/ Curitiba: curitibano/ Estados Unidos:    estadunidense...
   LOCUÇÃO ADJETIVA: reunião de palavras.União entre uma    preposição + substantivo tem-se uma Locução Adjetivade águia:...
de carneiro: arietinode cavalo: cavalar, equino, equídio ou hípicode chumbo: plúmbeode chuva: pluvialde cinza: cinéreode c...
   FLEXÃO DOS ADJETIVOSO adjetivo varia em gênero, número e grau.   Gênero dos Adjetivos:   Biformes - têm duas formas, ...
Quando o adjetivo é composto por dois adjetivos, apenas o segundo vai para o  plural.EX: questões político- partidárias, o...
COMPARATIVO DE INFERIORIDADE:Ex: Minha mágoa é menos intensa que minha saudade.GRAU SUPERLATIVO RELATIVO: um ser é evidenc...
GRAU SUPERLATIVO ABSOLUTO SINTETICO:Ágil: agilíssimoagradável :agradabilíssimoAgudo: acutíssimo ou agudíssimoAlto: altíssi...
   LITERATURA   Trechos da carta de Pero Vaz de Caminha            A pele deles é parda e um pouco avermelhada. Têm rost...
Pero de Magalhães Gândavo.(O tratado da terra do Brasil)             Quando estes índios tomam alguns contrários, se logo ...
   BARROCO –BRASIL, 1601-PROSOOPEIA- BENTO TEIXEIRA;   BARROCO É FRUTO DE ACONTECIMENTOS POLÍTICOS,    RELIGIOSOS, SOCIA...
     3° TRIMESTREPronomes Pessoais    São aqueles que substituem os substantivos, indicando diretamente as pessoas do    ...
-   Empregos do pronome oblíquo;São pronomes oblíquos átonos: me, te,o, a, lhe, se, nos, vos, os, as,  lhes. Usados como c...
2-EU / MIM:Eu exerce função de sujeito / MIM exerce função de complemento:EX Você deve trazer as atividades para eu ver.El...
   Observações:   O lhe exerce sempre a função de objeto indireto , direto ou indireto na    oração.   EX: JOÃO INFORMO...
   Pronomes Demonstrativos    Os pronomes demonstrativos são utilizados para explicitar a posição de uma    certa palavr...
Pronome demonstrativo na enunciação:   Este, esta , isto: faz referência a algo que será citado na continuação.    (ANÁFO...
   PRONOMES DE TRATAMENTO- é a forma de se dirigir ao    interlocutor    Vossa Alteza: Príncipes, arquiduques e duques- ...
   PRONOMES POSSESSIVOS- indicam posse   Quadro dos pronomes possessivos:    meu, minha, meus, minhas;     teu, tua, t...
PRONOMES INDEFINIDOS- REFERE-SE A 3° PESSOA DO DISCURSO-IMPRECISO
   CURIOSIDADES SOBRE OS PRONOMES INDEFINIDOS:a)Todo, toda, todos, todas- podem dificultar o processo de construção, já q...
 PRONOMES INTERROGATIVOS:Os pronomes indefinidos QUE, QUEM, QUAL e QUANDO  exercem função de pronomes interrogativos quan...
                         PRONOME RELATIVO   a) O pronome que é o relativo de mais largo emprego, sendo por isso    chama...
   d) "Quanto" é pronome relativo quando tem por antecedente um    pronome indefinido: tanto (ou variações) e tudo:   Po...
Tempos VerbaisTomando-se como referência o momento em que se fala, a ação   expressa pelo verbo pode ocorrer em diversos t...
Pretérito-Mais-Que-Perfeito - Expressa um fato ocorrido antes de outro fato já terminado.Ele já estudara as lições quando ...
*IMPERATIVO: Expressa ordem, pedido....*Imperativo afirmativo constrói-se com base no presente  do indicativo e presente d...
   Vozes do Verbo   Dá-se o nome de voz à forma assumida pelo verbo para indicar se o sujeito gramatical é    agente ou ...
   VERBOS DEFECTIVOS   Ele se adéqua ao papel/Eu me adequo bem às novas / Certo ou    errado?   ADEQUAR- 1° - 2° (nós, ...
   ABOLIR/ BANIR:   Não apresenta a 1° pessoa do singular (eu) no Presente do indicativo;    Não tem Presente do subjun...
   FALIR, PRECAVER, REAVER-   Conjugado na 1° e 2° (nós, vós) pessoa do plural    Presente do modo indicativo;   Não é ...
LITERATURAO arcadismo é uma escola literária surgida na Europa no  século XVIII, razão por que também é denominada como  s...
Arcadismo no Brasil   No Brasil, vive-se o momento histórico da decadência do ciclo da mineração eda transferência do cent...
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Aulão recuperação murialdo 2012 1° a,b,c

1,122

Published on

0 Comments
2 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
1,122
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
38
Comments
0
Likes
2
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Transcript of "Aulão recuperação murialdo 2012 1° a,b,c"

  1. 1. AULAS DE RECUPERAÇÃO- LÍNGUAPORTUGUESA E LITERATURA1° trimestreFunções da linguagem:Funções da linguagem são recursos de ênfase que atuamsegundo a intenção do produtor da mensagem, cada qualabordando um diferente elemento da comunicação. Um textopode apresentar mais de uma função enfatizado.1-Função Referencial ou DenotativaTransmite uma informação objetiva sobre a realidade. Dá prioridade aosdados concretos, fatos e circunstâncias. É a linguagem característica dasnotícias de jornal, do discurso científico e de qualquer exposição deconceitos. Coloca em evidência o referente, ou seja, o assunto ao qual amensagem se refere.Exemplo:Numa cesta de vime temos um cacho de uvas, uma maçã,uma laranja, uma banana e um morango. (Este texto informa o que hádentro da cesta, logo, há função referencial).2-Função Expressiva ou EmotivaReflete o estado de ânimo do emissor, os seus sentimentos e emoções.Um dos indicadores da função emotiva num texto é a presença deinterjeições e de alguns sinais de pontuação, como as reticências e oponto de exclamação.Exemplo:Ah, que coisa boa!
  2. 2.  3) Função Apelativa ou Conativa Seu objetivo é influenciar o receptor ou destinatário, com a intenção de convencê-lo de algo ou dar-lhe ordens. Como o emissor se dirige ao receptor, é comum o uso de tu e você, ou o nome da pessoa, além dos vocativos e imperativo. É a linguagem usada nos discursos, sermões e propagandas que se dirigem diretamente ao consumidor. Exemplo: Não perca esta promoção! 4) Função Poética É aquela que põe em evidência a forma da mensagem, ou seja, que se preocupa mais em como dizer do que com o que dizer. O escritor, por exemplo, procura fugir das formas habituais e expressão, buscando deixar mais bonito o seu texto, surpreender, fugir da lógica ou provocar um efeito humorístico. Embora seja própria da obra literária, a função poética não é exclusiva da poesia nem da literatura em geral, pois se encontra com frequência nas expressões cotidianas de valor metafórico e na publicidade. Exemplo: “... a lua era um desparrame de prata”. (Jorge Amado) 5) Função Fática Tem por finalidade estabelecer, prolongar ou interromper a comunicação. É aplicada em situações em que o mais importante não é o que se fala, nem como se fala, mas sim o contato entre o emissor e o receptor. Fática quer dizer "relativa ao fato", ao que está ocorrendo. Aparece geralmente nas fórmulas de cumprimento: Como vai, tudo certo?; ou em expressões que confirmam que alguém está ouvindo ou está sendo ouvido: sim, claro, sem dúvida, entende?, não é mesmo? É a linguagem das falas telefônicas, saudações e similares. Exemplo: Alô? Está me ouvindo? 6) Função Metalinguística Esta função refere-se à metalinguagem, que ocorre quando o emissor explica um código usando o próprio código. É a poesia que fala da poesia, da sua função e do poeta, um texto que comenta outro texto. As gramáticas e os dicionários são exemplos de metalinguagem. Exemplo: Frase é qualquer enunciado linguístico com sentido acabado. (Para dar a definição de frase, usamos uma frase.)
  3. 3. HOMONÍMIA Homógrafas- mesma grafia, mas significado e pronuncia diferentes. Ex: Eu gosto do gosto da maçã verde. Homófonas: mesmo som, mas significado e grafia diferentes. Ex: Não darei um passo em sua direção. Meu sonho é morar num lindo paço medieval. Homófonas homográficas: mesma grafia e mesma pronúncia, mas com significados diferentes. EX: Vou curtir muito este verão, vocês verão. homófona heterográficas - é a palavra igual na pronúncia e diferente na escrita. Ex: Cheque: papel com ordem de pagamento Xeque: lance no jogo de xadrez
  4. 4.  REGRAS DE ACENTUAÇÃO Monossílabos Tônicos: São acentuados os monossílabos tônicos terminados com a(s), e(s), o(s) − dá, pá, pás, má, más, vá, lá, já, fé, pé, pés, dê, mês, rés, rês, Zé, né, cós, dó, nós, pó, pôs, vê-la. ATENÇÃO: No plural, dobramos o (E )e tiramos o acento: leem, deem, creem, veem. Oxítonas: Levam acento as oxítonas terminadas em vogais tônicas a(s), e(s), o(s) ou em(ns) −está(s), olá, filé, pontapé, purê (puré), rapê (rapé), judô, metrô, mocotó, acém, detém, provêm, provéns. Oxítonas com ditongos abertos ei, eu ou oi, podendo estes dois últimos ser seguidos ou não de s – anéis, fiéis, papéis, céu(s), chapéu(s), ilhéu(s), véu(s), corrói (de corroer), herói(s), remói (de remoer), sóis.
  5. 5.  Paroxítonas: são acentuadas as paroxítonas terminadas em: i(s), us- táxi, tênis, vírus Um, uns: fórum, álbuns. L- fácil, hábil. R- revólver, caráter. X- látex, tórax. N- pólen, hífen ÃO(s) Ã(s)- órfã, órgão ONS- prótons, elétrons. PS-bíceps. Ditongos: Perdem o acento gráfico o i ou u tônicos precedidos de ditongo em paroxítonas − baiuca, feiura, Ipuiuna. Não se acentuam graficamente os ditongos representados por ei ou oi − alcateia, assembleia, heroico.Quando a paroxítona for um hiato ( I, U) leva acento, exceto quando depois vier NH ou antes vier um ditongo.Ex: saúde, saída, rainha, tainha, baiuca feiura.
  6. 6.  Proparoxítonas: Todas são acentuadas − árabe, câmara, blasfêmia (blasfémia), dinâmico, fêmea , glória, lúdico, mágoa, músico, náusea,  período, público, trêmulo, último, viríamos.Regras ortográficas Não se separam ditongos- encontro de uma vogal( a, e,o) com uma semivogal (i, u) pronunciadas na mesma sílaba, nesse caso a semivogal terá um som mais brando que a vogal, - e tritongos- encontro de três sons: semivogal+vogal+semivogal pronunciadas na mesma sílaba.Ex: ditongos: á-gua, Ni-ca-rá-gua, mui-to, au-la, etc.Tritongos: Pa-ra-guai, i-guais, as-guões, quais-quer, etc.B) Os hiatos- encontro entre duas vogais no interior de uma palavra- são separados em duas sílabas.Ex: ru-im, po-e-ta, sa-ú-de, vo-o, etc.
  7. 7. C)Não se separam os dígrafos- duas letras usadas para representar um mesmo som, um mesmo fonema- ch, lh, nh, gu, qu.Ex: cha-ru-to, es-co-lha, etc.D) Separam-se os dígrafos: rr, ss, sc, sç, xs, xc.Ex: car-ro, pás-sa-ro, nas-ço, ex-ce-to, etcOBS: Evite separações que formem palavras estranhas ao contexto.Ex: Presi- denteFa- lavamE) Emprego do Z:Usa-se EZ e EZA para formar substantivos abstratos originados de adjetivos:EX: pálido- palidez; belo- beleza
  8. 8. Usa-se Z em palavras derivadas de uma palavra grafada com Z:EX: Luz- luzeiro; equalize- equalizar.f) Emprego de AR e IZAR:Usa-se AR nos verbos originados de palavras com final S:Ex: Análise, analisarEm outros casos utiliza-se IZAR:Ex: atual- atualizarg) Emprego de X:Depois de ditongo:EX: Baixa, feixeDepois de inicial ME:Ex: mexer, mexerica, exceto mechaEm palavras de origem indígena e africana:EX: pataxó e xavante.H) Emprego de S, C, Ç, SC, e SS:Verbos terminados em TER geram substantivos terminados em TENÇÃO.EX: Reter- retenção; deter- detenção
  9. 9. o Verbos terminados em ND geram substantivos e adjetivos terminados em NS.Ex:Ascender- ascensão; suspender- suspensãoo Verbos terminados em CED geram substantivos e adjetivos terminados em CESS:Ex: Conceder- concessão; retroceder- retrocesso.CUIDADO: Exceder- exceção.i)Emprego de G e J:o Usa-se G nas terminações: ágio, égio, ígio, ógio, úgio, agem, igem, ugem.Ex: garagem, aragem, prestígio.o Usa-se J em palavras de origem indígena e africana:Ex: Jussara, canjica, pajé.j) Emprego de S:o Em palavras com final ÊS, ESA, ISA, que indicam nacionalidade, títulos honoríficos e status social.EX: burguês, irlandês.o Em palavras com final OSO e OSA (cheio de).EX: gracioso( cheio de graça) respeitoso( cheio de respeito)
  10. 10. o Nas formas dos verbos pôr e querer.Ex: puser, quisesse, quis.o Em palavras que derivam de palavras primitivamente grafadas com S.EX: catálise- catalisar; pesquisa- pesquisar.o Depois de ditongos.EX: coisa, maisena.
  11. 11.  Figura de Palavra A figura de palavra consiste na substituição de uma palavra por outra, isto é, no emprego figurado, simbólico, seja por uma relação muito próxima, seja por uma associação, uma comparação, uma similaridade. Metáfora A metáfora consiste em utilizar uma palavra ou uma expressão em lugar de outra, sem que haja uma relação real, mas em virtude da circunstância de que o nosso espírito as associa e depreende entre elas certas semelhanças. EX: Seus olhos são luzes brilhantes. / Minha alma é uma estrada de terra que leva a lugar algum. Metonímia A metonímia consiste em empregar um termo no lugar de outro, havendo entre ambos estreita afinidade ou relação de sentido. Observe os exemplos abaixo: 1 - Autor pela obra: Gosto de ler Machado de Assis. (= Gosto de ler a obra literária de Machado de Assis.) 2 - Símbolo pelo objeto simbolizado: Não te afastes da cruz. (= Não te afastes da religião.) 3-Efeito pela causa: Sócrates bebeu a  morte. (= Sócrates tomou veneno.) 4 - Continente pelo conteúdo: Bebeu o cálice todo. (= Bebeu todo o líquido que estava no cálice.) 5 - Instrumento pela pessoa que utiliza: Os microfones foram atrás dos jogadores. (= Os repórteres foram atrás dos jogadores.) 6 - Parte pelo todo: Várias pernas passavam apressadamente. (= Várias pessoas passavam apressadamente.)
  12. 12. COMPARAÇÃO- Estabelece comparação entre seres, geralmente usa o termo COMO:EX:Eles não têm ideal, são como folhas levadas pelo vento.CatacreseA catacrese costuma ocorrer quando, por falta de um termo específico para designar um conceito, toma-se outro "emprestado". Assim, passamos a empregar algumas palavras fora de seu sentido original.Exemplos: "asa da xícara" "batata da perna" "maçã do rosto" "pé da mesa" "braço da cadeira" "coroa do abacaxi“PerífraseTrata-se de uma expressão que designa um ser através de alguma de suas características ou atributos, ou de um fato que o celebrizou.Veja o exemplo: A Cidade Maravilhosa (= Rio de Janeiro) continua atraindo visitantes do mundo todo.Obs.: quando a perífrase indica uma pessoa, recebe o nome de antonomásia.Exemplos: O Divino Mestre (= Jesus Cristo) passou a vida praticando o bem. O Poeta dos Escravos (= Castro Alves) morreu muito jovem.SinestesiaConsiste em mesclar, numa mesma expressão, as sensações percebidas por diferentes órgãos do sentido.Exemplos: Um grito áspero revelava tudo o que sentia. (grito = auditivo; áspero = tátil) No silêncio escuro do seu quarto, aguardava os acontecimentos. (silêncio = auditivo; negro = visual)
  13. 13. Figuras de Pensamento: consiste em construir-se por meio de processos estilísticos do pensamento, emoção, paixão.AntíteseConsiste na utilização de dois termos que contrastam entre si. É uma contradição aceitável.Exemplos: O corpo é grande e a alma é pequena. Felicidade e tristeza tomaram conta de sua alma.ParadoxoConsiste numa proposição aparentemente absurda, resultante da união de ideias contraditórias.- são inaceitáveisExemplos: Amor é fogo que arde sem se ver, é ferida que dói e não se sente. ( Luis Vaz de Camões)É como mergulhar no rio e não se molhar.... ( Skank)EufemismoConsiste em empregar uma expressão mais suave, mais nobre ou menos agressiva, para comunicar alguma coisa áspera, desagradável ou chocante.Exemplos: Depois de muito sofrimento, entregou a alma ao Senhor. (= morreu) Fernando faltou com a verdade. (= mentiu)IroniaConsiste em dizer o contrário do que se pretende ou em satirizar, questionar certo tipo de pensamento com a intenção de ridicularizá-lo, ou ainda em  ressaltar algum aspecto passível de crítica.Exemplos: Como você foi bem na última prova, não tirou nem a nota mínima!Parece um anjinho aquele menino, briga com todos que estão por perto.
  14. 14. HipérboleÉ a expressão intencionalmente exagerada com o intuito de realçar uma ideia.Exemplos: Faria isso milhões de vezes se fosse preciso. "Rios te correrão dos olhos, se chorares." (Olavo Bilac)Prosopopeia ou PersonificaçãoConsiste em atribuir ações ou qualidades de seres animados a seres inanimados, ou características humanas a seres não humanos.Exemplos: As pedras andam vagarosamente. O vento fazia promessas suaves a quem o escutasse. Chora, violão.ApóstrofeConsiste na "invocação" de alguém ou de alguma coisa personificada, de acordo com o objetivo do discurso que pode ser poético, sagrado ou profano. Realiza-se por meio do vocativo.Exemplos: Moça, que fazes aí parada? "Pai Nosso, que estais no céu...“Gradação  Consiste em dispor as ideias por meio de palavras, sinônimas ou não, em ordem crescente ou decrescente.Exemplo: "O trigo... nasceu, cresceu, espigou, amadureceu, colheu-se." (Padre Antônio Vieira)
  15. 15. Figuras de Construção ou SintáticasAs figuras de construção ocorrem quando desejamos atribuir maior expressividade ao significado.ElipseConsiste na omissão de um ou mais termos numa oração que podem ser facilmente identificados.Exemplos: Regina estava atrasada. Preferiu ir direto para o trabalho. (Ela, Regina, preferiu ir direto para o trabalho, pois estava atrasada.)As rosas florescem em maio, as margaridas em agosto. (As margaridas florescem em agosto.)PolissíndetoÉ uma figura caracterizada pela repetição enfática dos conectivos.Exemplo: "Falta-lhe o solo aos pés: recua e corre, vacila e grita, luta e ensanguenta, e rola, e tomba, e se espedaça, e morre." (Olavo Bilac) "Deus criou o sol e a lua e as estrelas. E fez o homem e deu-lhe inteligência e fê- lo chefe da natureza.PleonasmoConsiste na repetição de um termo ou ideia, com as mesmas palavras ou não.Exemplo:Vi, claramente visto, o lumo vivo." (Luís de Camões)
  16. 16. AnáforaÉ a repetição de uma ou mais palavras no início de várias frases, criando assim, um efeito de reforço e de coerência. Exemplo:"Se você gritasse Se você gemesse, Se você tocasse a valsa vienense Se você dormisse, Se você cansasse, Se você morresse... Mas você não morre, Você é duro José!" (Carlos Drummond de Andrade)Hipérbato / InversãoÉ a inversão da estrutura frásica, isto é, a inversão da ordem direta dos termos da oração. Exemplos: Ao ódio venceu o amor. (Na ordem direta seria: O amor venceu ao ódio.) Dos meus problemas cuido eu! (Na ordem direta seria: Eu cuido dos meus problemas.)Ouviram do Ipiranga as margens plácidasDe um povo heróico o brado retumbante. ( As margens plácidas do Ipiranga ouviram o brado retumbante de um povo heróico)  
  17. 17. Figuras de Som ou estilística: é voltada a construção da palavra, som, fonética.AliteraçãoConsiste na repetição de consoantes como recurso para intensificação do ritmo ou como efeito sonoro significativo.Exemplos: Três pratos de trigo para três tigres tristes. O rato roeu a roupa do rei de Roma.AssonânciaConsiste na repetição ordenada de sons vocálicos idênticos.Exemplo: "Sou um mulato nato no sentido lato mulato democrático do litoral.“OnomatopeiaOcorre quando se tentam reproduzir na forma de palavras os sons da realidade.Exemplos: Os sinos faziam blem, blem, blem, blem. Tic-tac, tic-tac fazia o relógio da sala de jantar.Paranomásia: consiste no uso de palavras com semelhanças sonoras, mas com diferentes sentidos.Ex: Os de cá, achar-vos-ei com mais paço; os de lá, com mais passos. ( Padre Antônio Vieira.)
  18. 18. LITERATURA:Função da Literatura: Sensibilizar e fazer com que seu leitor reflita sobre seu tempo.TEXTOS EM VERSO E PROSA:O poema é um texto construído em versos, o conjunto de versos chama-se estrofe. Já os textos narrativos são construídos em prosa, num discurso contínuo, em parágrafo. Métrica Poética e classificação dos versosÉ a medida do verso, que pode variar de duas silabas poéticas, até doze. Ao número de sílabas métricas quase sempre corresponde o mesmo número de sílabas gramaticais.A contagem das sílabas métricas obedece aos seguintes princípios:Conta-se até a última sílaba tônica da última palavra do verso;Os ditongos crescentes constituem uma sílaba métrica;Duas ou mais vogais que se encontrem no fim de uma palavra e no início da outra, unem-se numa só sílaba métrica
  19. 19. 1234567Oh!/ que/ sau/ da/ des/ que eu/ te-nho1234567Da au/ ro/ ra/ da/ mi/ nha/ vi-da1234567Da/ mi/ nhá in/ fân/ cia/ que/ ri-da1234567Que os/ a/ nos/ não/ tra/ zem/ mais Os versos quanto ao número de sílabas classificam-se em:Monossílabos:1 sílaba/Dissílabos:2 sílabas/Trissílabos:3 sílabas/Tetrassílabos:4 sílabas/Pentassílabos:5 sílabas/Hexassílabos:6 sílabas/Heptassílabos:7 sílabas/Octossílabos:8 sílabas/Eneassílabos:9 sílabas/Decassílabos:10 sílabas/Hendecassílabos:11 sílabas/Dodecassílabos:12 sílabas/Bárbaros:Mais de 12 sílabasRimaÉ a coincidência de sons entre palavras, especialmente no final dos versos. Quanto à posição na estrofe a) Cruzada ou alternada: (ABAB) O primeiro verso rima com o terceiro, e o segundo com o quarto: "Cheguei, chegaste. Vinhas fatigada A E triste, e triste e fatigado eu vinha; B Tinhas a alma de sonhos povoada A E a alma de sonhos povoada eu tinha." B ( Olavo Bilac)
  20. 20.  b) Interpolada: (ABBA) O primeiro verso rima com o quarto, e o segundo com o terceiro: "Para canto de amor tenros cuidados. A Tomo entre voz, ó montes, o instrumento; B Ouvi pois o meu fúnebre lamento; B Se é que compaixão dos animados." A (Cláudio Manuel da Costa) c) Emparelhada: (AABB) O primeiro verso rima com o segundo, e o terceiro com o quarto: "Manhã de junho ardente. Uma encosta escavada A seca, deserta e nua, à beira de uma estrada A Terra ingrata, onde a urze a custo desabrocha B bebendo o sol, comendo o pé, mordendo a rocha." B (Guerra Junqueiro)
  21. 21. 2° trimestrePROCESSO DE FORMAÇÃO DA PALAVRA:DerivaçãoDerivação é o processo pelo qual se obtém uma palavra nova, chamada derivada, a partir de outra já existente, chamada primitiva.Tipos de DerivaçãoDerivação Prefixal ou Prefixação:Resulta do acréscimo de prefixo à palavra primitiva, que tem o seu significado alterado. Veja os exemplos:crer- descrer ler- reler capaz- incapazDerivação Sufixal ou Sufixação:Resulta de acréscimo de sufixo à palavra primitiva, que pode sofrer alteração de significado ou mudança de classe gramatical.Por Exemplo: alfabetização
  22. 22. Derivação Parassintética ou ParassínteseOcorre quando a palavra derivada resulta do acréscimo simultâneo de prefixo e sufixo à palavra primitiva. Por meio da parassíntese formam-se nomes (substantivos e adjetivos) e verbos.Considere o adjetivo " triste". Do radical "trist-" formamos o verbo entristecer através da junção simultânea do prefixo  "en-" e do sufixo "-ecer". A presença de apenas um desses afixos não é suficiente para formar uma nova palavra, pois em nossa língua não existem as palavras "entriste", nem "tristecer“Derivação prefixal e sufixal: acréscimo não simultâneo de um prefixo ou de um prefixo.EX: deslealdadeOcorre derivação regressiva quando uma palavra é formada não por acréscimo, mas por redução.Exemplos:comprar (verbo) beijar (verbo) compra (substantivo) beijo (substantivo)Derivação ImprópriaA derivação imprópria ocorre quando determinada palavra, sem sofrer qualquer acréscimo ou supressão em sua forma, muda de classe gramatical. Neste processo:1) Os adjetivos passam a substantivosPor Exemplo:Os bons serão contemplados.
  23. 23. Composição é o processo que forma palavras compostas, a partir da junção de dois ou mais radicais. Existem dois tipos:Composição por JustaposiçãoAo juntarmos duas ou mais palavras ou radicais, não ocorre alteração fonética.Exemplos: passatempo, quinta-feira, girassol, couve-florObs.: em "girassol" houve uma alteração na grafia (acréscimo de um "s") justamente para manter inalterada a sonoridade da palavra.Composição por AglutinaçãoAo unirmos dois ou mais vocábulos ou radicais, ocorre supressão de um ou mais de seus elementos fonéticos.Exemplos: embora (em boa hora) fidalgo (filho de algo - referindo-se à família nobre) hidrelétrico (hidro + elétrico) planalto (plano alto)Redução:Algumas palavras apresentam, ao lado de sua forma plena, uma forma reduzida. Observe:auto - por automóvelcine - por cinema micro - por microcomputador Zé - por José
  24. 24. HibridismoOcorre hibridismo na palavra em cuja formação entram elementos de línguas diferentes.Por Exemplo: auto (grego) + móvel (latim)OnomatopeiaNumerosas palavras devem sua origem a uma tendência constante da fala humana para imitar as vozes e os ruídos da natureza. As onomatopeias são vocábulos que reproduzem aproximadamente os sons e as vozes dos seres.Exemplos: miau, zum-zum, piar, tinir, urrar, chocalhar, cocoricar, etc.
  25. 25.  SUBSTANTIVO é tudo o que nomeia as "coisas" em geral. Classificaçãoo Substantivo Comum Substantivo comum é aquele que designa os seres de uma espécie de forma genérica. Por exemplo pedra, computador, cachorro, homem, caderno.o Substantivo Próprio Substantivo próprio é aquele que designa um ser específico, determinado, individualizando-o. Por exemplo Maxi, Londrina, Dílson, Ester. O substantivo próprio sempre deve ser escrito com letra maiúscula.o Substantivo Concreto Substantivo concreto é aquele que designa seres que existem por si só ou apresentam-se em nossa imaginação como se existissem por si. Por exemplo  Deus, computador, escolao Substantivo Abstrato Substantivo abstrato é aquele que designa prática de ações verbais, existência de qualidades ou sentimentos humanos. Por exemplo saída (prática de sair), beleza(existência do belo), saudade.
  26. 26.  Formação dos substantivos Os substantivos, quanto à sua formação, podem ser: Substantivo Primitivo É primitivo o substantivo que não se origina de outra palavra existente na língua portuguesa. Por exemplo: pedra, jornal, gato, homem. Substantivo Derivado É derivado o substantivo que provém de outra palavra da língua portuguesa. Por exemplo:pedreiro, jornalista, gatarrão, homúnculo. Substantivo Simples É simples o substantivo formado por um único radical. Por exemplo: pedra, pedreiro, jornal, jornalista. Substantivo Composto É composto o substantivo formado por dois ou mais radicais. Por exemplo: pedra-sabão, homem-rã, passatempo.
  27. 27. GRAU DO SUBSTANTIVO:o Aumentativo SintéticoForma-se com sufixos aumentativos, sendo os mais comuns:Aça, aço, alha:barcaça, barbaça, polpulaça, caraça,balaço, calhamaço, volumaço,muralha, gentalha, fornalha..Ão, alhão, arão: motão, povão, gatão... medalhão, bobalhão, casarão, vozeirão, peneirão, ribeirão.Zarrão, arrão:homenzarrão, cãozarrão. santarrãoEirão, zão, arra:. pezão... bocarra, naviarra...Ázio, ona, orra:copázio, balázio... mulherona, vacona, pernona, vozona, cabeçorra, beiçorra, manzorraUça, aréu:dentuça, povaréu, fogaréu, folharéu Aumentativo AnalíticoForma-se com o auxílio do adjetivo grande, ou outro do mesmo sentido. Exemplo: letra grande, pedra enorme, estátua colossal, obra gigantesca, planície imensa. Na linguagem publicitária se diz: liquidação monstro.
  28. 28.  Diminutivo SintéticoForma-se com sufixos diminutivo. Eis os mais comuns-acho :riacho, fogacho, penacho...-ebre :casebre...-eco:livreco, jornaleco, boieco...-ejo:lugarejo, animalejo, vilarejo...-elho:rapazelho...-eto:poemeto, livreto..-eta:saleta, maleta...-ete:filete...-ico:burrico, namorico...-im:espadim, flautim...-inho :livrinho, dedinho, padrinho...-inha: casinha, janelinha, poeminha...-zinho :rapazinho, irmãozinho...-zinha :irmãzinha, sinhazinha...
  29. 29. -isco :chuvisco, pedrisco...-ito :mosquito, pauzito, cabrito...-ita :cabrita, senhorita...-oca :sitioca, engenhoca...-ola :sacola, bandeirola, rapazola, camisola...-ote :velhote, serrote, caixote...-ucho :papelucho, capucho...-(c)ulo :glóbulo, homúnculo... Diminutivo Analítico Forma-se com o adjetivo pequeno, ou outros de igual sentido.EXEMPLO:chave pequena, casa pequenina, semente minúscula, lembrança ínfima...
  30. 30.  GÊNERO DO SUBSTANTIVO Os substantivos, quanto ao gênero, são masculinos ou femininos. Quanto às formas, eles podem ser: Substantivos Biformes Substantivos biformes são os que apresentam duas formas, uma para o masculino, outra para o feminino, com apenas um radical. Ex. menino - menina. traidor - traidora. aluno - aluna Substantivos Heterônimos Substantivos heterônimos são os que apresentam duas formas, uma para o masculino, outra para o feminino, com dois radicais diferentes. Ex. homem - mulher. bode - cabra. boi - vaca.
  31. 31.  Substantivos Uniformes Substantivos uniformes são os que apresentam apenas um forma, para ambos os gêneros. Os substantivos uniformes recebem nomes especiais, que são os seguintes:COMUM DE DOIS GÊNEROS: são os que têm uma só forma para ambos os gêneros, com artigos distintos. EX: o / a estudante o / a imigrante o / a acrobata o / a agente o / a intérprete o / a lojista o / a patriota o / a mártir
  32. 32.  Sobrecomum Os sobrecomuns são os que têm uma só forma e um só artigo para ambos os gêneros: Eis alguns exemplos: EX:o cônjuge a criança o carrasco o indivíduo o apóstolo o monstro a pessoa a testemunha
  33. 33. o Epiceno Os epicenos são os que têm uma só forma e um só artigo para ambos os gêneros de certos animais, acrescentando as palavras macho e fêmea, para se distinguir o sexo do animal. Eis alguns exemplos: EX: o tatu a anta a arara a borboleta o canguru o caranguejo a coruja o crocodilo
  34. 34.   NÚMERO DO SUBSTANTIVO:Quanto ao número, os substantivos podem ser flexionados em: singular ou plural.#O singular indica um ser ou um grupo de seres;#O plural indica mais de um ser ou grupo de seres. Exemplos:o colega os colegasa menina as meninas Substantivos Simples Substantivos simples são aqueles formados por um radical apenas, ou seja, não são compostos.a) nos substantivos terminados em al, el, ol, ul, troca-se o “l” por “is”: Ex:jornal : jornaispapel: papéisbarril : barrisanzol : anzóisazul : azuis
  35. 35. b) Os substantivos terminados em “r” ,“s”e “z” são acrescidos de “es” para o plural: Ex:amor: amoresluz: luzespaís:países c) Os substantivos terminados em “n” formam o plural em “es” ou “s”: Ex:abdômen: abdômenespólen :polensd) Os substantivos terminados em “m” formam o plural em “ens”: Ex:homem:homensViagem: viagense) Os substantivos terminados em “x” são invariáveis no plural: Ex:tórax : tóraxxérox : xérox
  36. 36. f) Os substantivos terminados em “ão” têm três variações para o plural: “ões”, “ães” e “ãos”: Ex:eleição : eleiçõespão: pãescidadão: cidadãos Substantivos CompostosSubstantivos compostos são aqueles que se formam pela junção dois ou mais radicais.a) se os elementos são ligados por preposição, só o primeiro varia: Ex:mulas-sem-cabeçapés-de-molequeb) também varia apenas o primeiro elemento caso o segundo termo indique finalidade ou semelhança deste: Ex:navios-escolaCanetas- tinteiroc) Nos nomes dados aos dias da semana, pluralizam-se os dois elementos:EX: sextas- feiras quartas- feiras
  37. 37. d) se os elementos são formados por palavras repetidas ou por onomatopeias, só o segundo elemento varia: Ex:tico-ticospingue-ponguese) nos demais casos, somente os elementos originariamente substantivos, adjetivos e numerais variam:couves-floresguardas-noturnosamores-perfeitosf) Não se pluralizam as palavras compostas por verbos, advérbios e interjeições:EX: guarda- roupas/ abaixo- assinados
  38. 38.  ADJETIVO: Adjetivo é a palavra que expressa uma qualidade ou característica do ser e se "encaixa" diretamente ao lado de um substantivo. EX: MENINO BONDOSO, MENINA CHARMOSA Classificação do Adjetivo: o adjetivo pode ser: *SIMPLES : formado por um só radical. Por exemplo: brasileiro, escuro, magro, cômico. * COMPOSTO: formado por mais de um radical. Por exemplo: luso-brasileiro, castanho-escuro, amarelo-canário. *PRIMITIVO : é aquele que dá origem a outros adjetivos. Por exemplo: belo, bom, puro. *DERIVADO : é aquele que deriva de substantivos ou verbos. Por exemplo: belíssimo, bondoso, magrelo. Adjetivo Pátrio: Indica a nacionalidade ou o lugar de origem do ser. Acre: acreano /Alagoas: alagoano /Amapá: amapaense /Aracaju :aracajuano ou aracajuense/ Amazonas :amazonense ou baré/ Belém (PA): belenense/ Belo Horizonte :belo-horizontino/ Boa Vista: boa-vistense /Brasília :brasiliense
  39. 39.  Cabo Frio: cabo-friense/ Campinas: campineiro ou campinense/ Curitiba: curitibano/ Estados Unidos: estadunidense, norte-americano ou ianque/ El Salvador: salvadorenho/ Guatemala: guatemalteco/ Índia: indiano ou hindu (os que professam o hinduísmo)/ Irã: iraniano/ Israel: israelense ou israelita/ Moçambique: moçambicano/ Mongólia: mongol ou mongólico/ Panamá: panamenho/ Porto Rico: porto-riquenho/ Somália: somali. Adjetivo Pátrio Composto : Na formação do adjetivo pátrio composto, o primeiro elemento aparece na forma reduzida e, normalmente, erudita. África afro- Cultura afro-americana/ Alemanha germano- ou teuto- Competições teuto-inglesas/ América américo- Companhia américo-africana/ Ásia ásio-Encontros ásio-europeus/ Áustria austro: Peças austro-búlgaras/ Bélgica belgo-Acampamentos belgo-franceses/ China sino: Acordos sino-japoneses/ Espanha hispano: Mercado hispano-português/ Europa euro: Negociações euro-americanas
  40. 40.  LOCUÇÃO ADJETIVA: reunião de palavras.União entre uma preposição + substantivo tem-se uma Locução Adjetivade águia: aquilinode aluno: discentede anjo: angelicalde ano: anualde aranha: aracnídeode asno :asininode baço: esplênicode bispo: episcopalde bode: hircinode boi: bovinode bronze: brônzeo ou êneode cabelo: capilarde cabra: caprinode campo: campestre ou ruralde cão: canino
  41. 41. de carneiro: arietinode cavalo: cavalar, equino, equídio ou hípicode chumbo: plúmbeode chuva: pluvialde cinza: cinéreode coelho: cunicularde cobre: cúpricode couro: coriáceode criança: puerilde dedo: digitalde diamante: diamantino ou adamantinode elefante: elefantinode enxofre: sulfúricode esmeralda: esmeraldinode estômago: estomacal ou gástricode falcão: falconídeode farinha: farináceode fera: ferino
  42. 42.  FLEXÃO DOS ADJETIVOSO adjetivo varia em gênero, número e grau. Gênero dos Adjetivos: Biformes - têm duas formas, sendo uma para o masculino e outra para o feminino.EX: homem ativo e mulher ativa, menino mau e menina má Se o adjetivo é composto e biforme, ele flexiona no feminino somente o último elemento.EX: o moço norte-americano, a moça norte-americana. Exceção: surdo-mudo e surda-muda. Uniformes - têm uma só forma tanto para o masculino como para o feminino.EX: homem feliz e mulher feliz. Se o adjetivo é composto e uniforme, fica invariável no femininoEX: conflito político-social e desavença político-social. NÚMERO DO ADJETIVO:SIMPLES:O adjetivo concorda em número com o substantivo que caracteriza.EX: Menina feliz./ Meninas felizes.COMPOSTO:Adjetivo composto é aquele formado por dois ou mais elementos.
  43. 43. Quando o adjetivo é composto por dois adjetivos, apenas o segundo vai para o plural.EX: questões político- partidárias, olhos castanho- clarosExceção: surdos- mudos*Quando, em um adjetivo composto, o segundo elemento for um substantivo, esse adjetivo é invariável.EX: um tapete verde- musgo; dois tapetes verde- musgo; olhos azul- céu.GRAU DO ADJETIVO:*Comparativo: nesse grau, comparam-se a mesma característica atribuída a dois ou mais seres ou duas ou mais características atribuídas ao mesmo ser. O comparativo pode ser de igualdade, de superioridade ou de inferioridade.Comparativo de Igualdade: No comparativo de igualdade, o segundo termo da comparação é introduzido pelas palavras como, quanto ou quão.EX:Sou tão alto como você.Comparativo de superioridade: no comparativo de superioridade ,entre os dois substantivos comparados, um tem qualidade superior. A forma é "mais...do que" ou "mais...que".EX:Sou mais alto (do) que você.
  44. 44. COMPARATIVO DE INFERIORIDADE:Ex: Minha mágoa é menos intensa que minha saudade.GRAU SUPERLATIVO RELATIVO: um ser é evidenciado em relação a outros seres do mesmo grupo.SUPERIORIDADE:EX: Ela é a garota mais linda de todas.INFERIORIDADE:EX: Ele é o menos raivoso de todos.GRAU SUPERLATIVO ABSOLUTO: as características atribuídas a um ser são intensificadas, transmitindo a ideia do excesso.ANALÍTICO:EX: Júlia é muito calma Carlos é excessivamente calmo.SINTÉTICO:O café estava amaríssimo.Luciana está magérrima
  45. 45. GRAU SUPERLATIVO ABSOLUTO SINTETICO:Ágil: agilíssimoagradável :agradabilíssimoAgudo: acutíssimo ou agudíssimoAlto: altíssimo,sumo ou supremoAmargo: amaríssimo ou amarguíssimoAmável: amabilíssimo amigo: amicíssimo antigo: antiquíssimoatroz :atrocíssimoBaixo: baixíssimo ou ínfimoBom: ótimo ou boníssimo capaz :capacíssimoCélebre: celebérrimoCheio: cheíssimoComum: comuníssimocristão :cristianíssimoCruel: crudelíssimoDifícil: dificílimoDoce: dulcíssimo ou docíssimo eficaz: eficacíssimoFácil: facílimo
  46. 46.  LITERATURA Trechos da carta de Pero Vaz de Caminha A pele deles é parda e um pouco avermelhada. Têm rostos e narizes bem feitos. Andam nus, sem cobertura alguma. Nem se preocupam em cobrir ou deixar de cobrir suas vergonhas mais do se que preocupariam em mostrar o rosto. E a esse respeito são bastante inocentes. Ambos traziam o lábio inferior furado e metido nele um osso verdadeiro, de comprimento de uma mão travessa, e da grossura de um fuso de algodão, fino na ponta como um furador. (…) Os cabelos deles são lisos. E os usavam cortados e raspados até acima das orelhas. E um deles trazia como uma cabeleira feita de penas amarelas que lhe cobria toda a cabeça até a nuca (…). Parece-me gente de tal inocência que, se nós entendêssemos a sua fala e eles a nossa, eles se tornaria, logo cristãos, visto que não aparentam ter nem conhecer crença alguma. Portanto, se os degredados que vão ficar aqui aprenderem bem a sua fala e só entenderem, não duvido que eles, de acordo com a santa intenção de Vossa Alteza, se tornem cristãos e passem a crer na nossa santa fé. Isso há de agradar a Nosso Senhor, porque certamente essa gente é boa e de bela simplicidade. E poderá ser facilmente impressa neles qualquer marca que lhes quiserem dar, já que Nosso Senhor lhes deu bons corpos e bons rostos, como a bons homens. E creio que não foi sem razão o fato de Ele nos ter trazido até aqui.
  47. 47. Pero de Magalhães Gândavo.(O tratado da terra do Brasil) Quando estes índios tomam alguns contrários, se logo com aquele ímpeto os não matam, levam-nos vivos para suas aldeias (ou sejam portugueses ou quaisquer outros índios seus imigos), e tanto que chegam a suas casas lançam uma corda muito grossa ao pescoço do cativo para que não possa fugir, e armam-lhe uma rede em que durma e dão-lhe uma índia moça, a mais fermosa e honrada que há na aldeia, para que durma com ele, e também tenha cuidado de o guardar, e não vai para parte que não no acompanhe. Esta índia tem cargo de lhe dar muito bem de comer e beber; e depois de o terem desta maneira cinco ou seis meses ou o tempo que querem, determinam de o matar, e fazem grandes cerimônias e festas aqueles dias, e aparelham muitos vinhos para se embebedarem, e fazem- nos da raiz de uma erva que se chama aipim, a qual fervem primeiro e depois de cozida mastigam-na umas moças virgens e, espremem-na nuns potes grandes, e dali a três ou quatro dias o bebem. E o dia que hão de matar este cativo, pela manhã se alguma ribeira está junto da aldeia levam-no a banhar nela com grandes cantares e folias, e tanto que chegam com ele à aldeia, atam-no pela cinta com quatro cordas cada uma para sua parte, e três, quatro índios pegados em cada ponta destas e assim o levam ao meio de um terreiro, e tiram tanto por estas cordas que não se possa bulir para uma parte nem para outra, as mãos lhe deixam soltas porque folgam de o ver defender com elas.
  48. 48.  BARROCO –BRASIL, 1601-PROSOOPEIA- BENTO TEIXEIRA; BARROCO É FRUTO DE ACONTECIMENTOS POLÍTICOS, RELIGIOSOS, SOCIAIS- SÉCULO XVI ATÉ MEADOS SÉCULO XVII; MARTINHO LUTERO –REFORMA PROTESTANTE- O HOMEM BUSCA A SALVAÇÃO PELA FÉ; IGREJA- VENDAS DE INDULGÊNCIAS; CONTRARREFORMA- REATIVOU O PENSAMENTO TEOCÊNTRICO- CONTROLE DA FÉ- CONCÍLIO DE TRENTO; PRODUÇÃO ARTÍSTICA- CONTRADIÇÃO, CLARO-ESCURO, MATERIALIDADE-CARNE, PECADO-SALVAÇÃO, BEM-MAL, CÉU- INFERNO, CONSTRUÇÃO DE IGUREJA SINUOSAS- REURBANIZAÇÃO DAS CIDADES- RETÓRICA CATÁRTICA. ARTE: REBUSCAMENTO DE FORMAS, EXCESSO DE DETALHES, PRESENÇA DE CURVAS. DUALISMO EXISTENCIAL- TRÂNSITO ENTRE OS PRAZERES DO MUNDO TERRENO E A ESPIRITUALIDADE RELIGIOSA; CONCEPTISMO- VALORIZAÇÃO DO ESPÍRITO INTELECTIVO, O AUTOR PROCURAVA ENVOLVER O LEITOR POR MEIO DE ARGUMENTOS RACIONAIS- USO DE FIGURAS DE LINGUAGEM, PORÉM POUCO. CULTISMO- VALORIZA A FORMA DO TEXTO, EXAGERO NO USO DE FIGURAS DE LINGUAGEM PARA ENVOLVER O LEITOR POR MEIO DOS SENTIDOS, RECURSOS SONOROS- ORNAMENTAÇÃO ESTILÍSTICA, PRECIOSISMO LINGUÍSTICO.(GONGORISMO)
  49. 49.  3° TRIMESTREPronomes Pessoais São aqueles que substituem os substantivos, indicando diretamente as pessoas do discurso. Quem fala ou escreve assume os pronomes eu ou nós, usa os pronomes tu, vós, você ou vocês para designar a quem se dirige e ele, ela, eles ou elas para fazer referência à pessoa ou às pessoas de quem fala. Os pronomes pessoais variam de acordo com as funções que exercem nas orações, podendo ser do caso reto ou do caso oblíquo.Pronome RetoPronome pessoal do caso reto é aquele que, na sentença, exerce a função de sujeito ou predicativo do sujeito.Por exemplo:Nós lhe ofertamos flores.Os pronomes retos apresentam flexão de número, gênero (apenas na 3ª pessoa) e pessoa, sendo essa última a principal flexão, uma vez que marca a pessoa do discurso. Dessa forma, o quadro dos pronomes retos é assim configurado:- 1ª pessoa do singular: eu- 2ª pessoa do singular: tu- 3ª pessoa do singular: ele, ela- 1ª pessoa do plural: nós- 2ª pessoa do plural: vós- 3ª pessoa do plural: eles, elas
  50. 50. - Empregos do pronome oblíquo;São pronomes oblíquos átonos: me, te,o, a, lhe, se, nos, vos, os, as, lhes. Usados como complemento da forma verbalSão pronomes oblíquos tônicos: mim, ti, ele, ela, si, nós, vós, eles, elas. Usado com preposição.EX: Eles esperam ansiosamente por mim.Eles me esperam ansiosamente.Pronome adjetivo: acompanha o substantivo.EX: Meus amigos são aqueles senhores idosos.Pronome substantivo :substitui o substantivo.EX: Caio e Ana são casados. Ela manda e ele obedece.- 1-Eu, tu/ mim, ti:- Eu e tu exercem função de sujeito- Mim e ti exercem função de complemento( verbal ou nominal)- devem vir precedidos de preposição- EX: Eu farei aquele projeto.- Todos aqueles livros foram lidos por mim.
  51. 51. 2-EU / MIM:Eu exerce função de sujeito / MIM exerce função de complemento:EX Você deve trazer as atividades para eu ver.Ele trouxe as atividades para mim.3- ENTRE MIM E VOCÊ/ ENTRE MIM E TI/ ENTRE EU E VOCÊ:Usa-se pronome oblíquo após preposição;EX: Os conflitos entre mim e você foram grandes.4-SE,SI,CONSIGO:Estes pronomes são reflexivos e recíprocos.EX: Quem pensa em si acaba sendo chamado de egoísta. ( reflexiva)Os dois amigos se veem sempre na escola. (recíproca)5-COM NÓS/COM VÓS/CONOSCO/CONVOSCO:Usa-se com nós ou com vós quando houver determinante como artigo, pronome ou numeral.EX:Ele disse que saiu com nós dois.6- DELE, DO+ SUBSTANTIVO/ DE ELE, DE O + SUBSTANTIVO:O pronome ele ou ela quando exerce função de sujeito não se aglutina.EX: Chegou a hora de ele assumir a responsabilidade.
  52. 52.  Observações: O lhe exerce sempre a função de objeto indireto , direto ou indireto na oração. EX: JOÃO INFORMOU AO AMIGO A SITUAÇÃO (JOÃO INFORMOU- LHE A SITUAÇÃO) Os pronomes o, as, os e as atuam exclusivamente como objetos diretos. Atenção: Os pronomes o, os, a, as assumem formas especiais depois de certas terminações verbais. Quando o verbo termina em -z, -s ou -r, o pronome assume a forma lo, los, la ou las, ao mesmo tempo que a terminação verbal é suprimida. Por exemplo: fiz + o = fi-lo fazeis + o = fazei-lo dizer + a = dizê-la Quando o verbo termina em som nasal, o pronome assume as formas no, nos, na, nas. Por exemplo: viram + o: viram-no repõe + os = repõe-nos retém + a: retém- na tem + as = tem-nas
  53. 53.  Pronomes Demonstrativos  Os pronomes demonstrativos são utilizados para explicitar a posição de uma certa palavra em relação a outras ou ao contexto. Essa relação pode ocorrer em termos de espaço, tempo ou discurso. No espaço: Compro este carro (aqui). O pronome este indica que o carro está perto da pessoa que fala. Compro esse carro (aí). O pronome esse indica que o carro está perto da pessoa com quem falo, ou afastado da pessoa que fala. Compro aquele carro (lá). O pronome aquele diz que o carro está afastado da pessoa que fala e daquela com quem falo.No tempo:Este ano está sendo bom para nós. O pronome este refere-se ao ano presente.Esse ano que passou foi razoável. O pronome esse refere-se a um passado próximo.Aquele ano foi terrível para todos. O pronome aquele está se referindo a um passado distante. - Os pronomes demonstrativos podem ser variáveis ou invariáveis, observe:Variáveis: este(s), esta(s), esse(s), essa(s), aquele(s), aquela(s).Invariáveis: isto,  isso, aquilo.
  54. 54. Pronome demonstrativo na enunciação: Este, esta , isto: faz referência a algo que será citado na continuação. (ANÁFORA).EX: O grande desafio é este: tornar a educação acessível a todos. Esse, essa, isso: retomada de algo que foi dito anteriormente:EX:Seu comportamento foi inadequado. Isso não combina com você. Quando no texto, é preciso retomar nomes citados anteriormente: (ANÁFORA)EX:Carlos e Cristina participaram do debate; no entanto, o desempenho desta foi melhor do que daquele.
  55. 55.  PRONOMES DE TRATAMENTO- é a forma de se dirigir ao interlocutor  Vossa Alteza: Príncipes, arquiduques e duques- V.A Vossa Majestade:Reis e imperadores-V.M. Vossa Eminência:Cardeais- V. Ema Vossa Excelência:No Brasil: altas autoridades do governo e oficiais, Generais das Forças Armadas; -V. Exa. Vossa Magnificência:Reitores das Universidades- V. Maga.o Vossa Excelência Reverendíssima: Bispos e Arcebispos- V.Exa. Rev. ma Vossa Reverência ou Vossa Reverendíssima: Sacerdotes em geral V. Revª ou Vrev.ma Vossa Santidade: Papa V.S
  56. 56.  PRONOMES POSSESSIVOS- indicam posse Quadro dos pronomes possessivos:  meu, minha, meus, minhas;   teu, tua, teus, tuas; seu, sua, seus, suas; nosso, nossa, nossos, nossas ;  vosso, vossa, vossos, vossas;   seu, sua, seus, suas.  
  57. 57. PRONOMES INDEFINIDOS- REFERE-SE A 3° PESSOA DO DISCURSO-IMPRECISO
  58. 58.  CURIOSIDADES SOBRE OS PRONOMES INDEFINIDOS:a)Todo, toda, todos, todas- podem dificultar o processo de construção, já que mudam de sentido, dependendo do uso no texto.Ex: Todo dia eu digo que te amo. (diariamente)Ex: O dia todo eu digo que te amo. (várias vezes durante o mesmo dia).b)Algum, alguma, alguns, algumas: têm sentido afirmativo= antes do substantivo/ negativo= posposto ao substantivo.Ex: Alguma garota o amará de verdade.Ex:Garota alguma o amará de verdade.c)Certo, certa, certos, certas: será um pronome indefinido= antes do substantivo/ função de adjetivo= posposto ao substantivo.Ex: Certas garotas não julgam pela aparência, preferem mergulhar nas turvas águas do interior da pessoa.Ex:Garotas certas não julgam pela aparência, preferem mergulhar nas turvas águas do interior da pessoad)Um, uma, uns, umas: quando acompanham o substantivo=função de artigo indefinido/ substituir o substantivo= função de pronome indefinido.Ex:Umas pessoas não conseguem viver sem roupas de marca.EX: Há vários tipos de pessoas. Umas são felizes com o que têm, outras são infelizes com o que não têm
  59. 59.  PRONOMES INTERROGATIVOS:Os pronomes indefinidos QUE, QUEM, QUAL e QUANDO exercem função de pronomes interrogativos quando aparecem em perguntas.Ex: Quantos anos você tem?Ex: Quem vai à festa hoje à noite?Ex:Que coisa é essa que você tem na mão?Ex: Qual é o ônibus que vai para o centro?
  60. 60.  PRONOME RELATIVO a) O pronome que é o relativo de mais largo emprego, sendo por isso chamado relativo universal. Pode ser substituído por o qual, a qual, os quais, as quais, quando seu antecedente for um substantivo. Por exemplo: O trabalho que eu fiz refere-se à corrupção. (= o qual) b) O qual, os quais, a qual e as quais :todos eles são usados com referência à pessoa ou coisa por motivo de clareza ou depois de determinadas preposições. Eles são substitutivos dos pronomes relativos QUE e QUEM. Assim, onde se usarem esses pronomes relativos, poderão ser usados os pronomes O QUAL, A QUAL, OS QUAIS, AS QUAIS. Por exemplo: Regressando de São Paulo, visitei o sítio de minha tia, o qual me deixou encantado. c) Os pronomes cujo, cuja, cujos, cujas não concordam com o seu antecedente, mas com o consequente. Equivale a do qual, da qual, dos quais, das quais. Vem sempre ao meio de dois substantivos: Por exemplo:Este é o caderno cujas folhas estão rasgadas. (antecedente) (consequente)
  61. 61.  d) "Quanto" é pronome relativo quando tem por antecedente um pronome indefinido: tanto (ou variações) e tudo: Por exemplo:Emprestei tantos quantos foram necessários. (antecedente) Ele fez tudo quanto havia falado. (antecedente) e) O pronome "quem" refere-se a pessoas e vem sempre precedido de preposição. Por exemplo:É um professor a quem muito devemos. (preposição) f) "Onde", como pronome relativo, sempre possui antecedente e só pode ser utilizado na indicação de lugar. Por exemplo: A casa onde morava foi assaltada.
  62. 62. Tempos VerbaisTomando-se como referência o momento em que se fala, a ação expressa pelo verbo pode ocorrer em diversos tempos. Veja:1. Tempos do Indicativo (certeza) Presente - Expressa um fato atual.Por exemplo:Eu estudo neste colégio.Pretérito Imperfeito - Expressa um fato ocorrido num momento anterior ao atual, mas que não foi completamente terminado.Por exemplo:Ele estudava as lições quando foi interrompido.Pretérito Perfeito (simples) - Expressa um fato ocorrido num momento anterior ao atual e que foi totalmente terminado.Por exemplo: Ele estudou as lições ontem à noite..
  63. 63. Pretérito-Mais-Que-Perfeito - Expressa um fato ocorrido antes de outro fato já terminado.Ele já estudara as lições quando os amigos chegaram. (forma simples)Futuro do Presente   - Enuncia um fato que deve ocorrer num tempo vindouro com relação ao momento atual.Por exemplo: Ele estudará as lições amanhã.Futuro do Pretérito (simples) - Enuncia um fato que pode ocorrer posteriormente a um determinado fato passado.Por exemplo:Se eu tivesse dinheiro, viajaria nas férias.2. Tempos do Subjuntivo ( imprecisão, incerteza)Presente - Enuncia um fato que pode ocorrer no momento atual.Por exemplo:É conveniente que estudes para o exame.Pretérito Imperfeito - Expressa um fato passado ,mas posterior a outro já ocorrido.Por exemplo: Eu esperava que ele vencesse o jogo.Obs.: o pretérito imperfeito é também usado nas construções em que se expressa a ideia de condição ou desejo.Por exemplo: Se ele viesse ao clube, participaria do campeonato.Futuro do Presente (simples) - Enuncia um fato que pode ocorrer num momento futuro em relação ao atual.Por exemplo: Quando ele vier à loja, levará as encomendas.
  64. 64. *IMPERATIVO: Expressa ordem, pedido....*Imperativo afirmativo constrói-se com base no presente do indicativo e presente do subjuntivo.*Imperativo negativo: constrói-se com base no presente do modo subjuntivo.
  65. 65.  Vozes do Verbo Dá-se o nome de voz à forma assumida pelo verbo para indicar se o sujeito gramatical é agente ou paciente da ação. São três as vozes verbais: a) Ativa: quando o sujeito é agente, isto é, pratica a ação expressa pelo verbo. Por exemplo:Ele fez o trabalho. b) Passiva: quando o sujeito é paciente, recebendo a ação expressa pelo verbo. Por exemplo:O trabalho foi feito por ele. c) Reflexiva: quando o sujeito é ao mesmo tempo agente e paciente, isto é, pratica e recebe a ação. Por exemplo: O menino feriu-se. Obs.: não confundir o emprego reflexivo do verbo com a noção de reciprocidade. Por exemplo:Os lutadores feriram-se. (um ao outro) Formação da Voz Passiva A voz passiva pode ser formada por dois processos: analítico e sintético. 1- Voz Passiva Analítica Constrói-se da seguinte maneira: Verbo SER + particípio do verbo principal. Por exemplo:A escola será pintada. O trabalho é feito por ele. 2- Voz Passiva SintéticaA voz passiva sintética ou pronominal constrói-se com o verbo na 3ª pessoa, seguido do pronome apassivador SE. Por exemplo:Abriram-se as inscrições para o concurso. Destruiu-se o velho prédio da escola.
  66. 66.  VERBOS DEFECTIVOS Ele se adéqua ao papel/Eu me adequo bem às novas / Certo ou errado? ADEQUAR- 1° - 2° (nós, vós) pessoa do plural nos seguintes tempos verbais: PRESENTE INDICATIVO(Nós adequamos, vós adequais) PRESENTE SUBJUNTIVO(que nós adequemos, que vós adequeis) IMPERATIVO AFIRMATIVO (adequemos nós, adequai vós) IMPERATIVO NEGATIVO (não adequemos nós, não adequeis vós.
  67. 67.  ABOLIR/ BANIR: Não apresenta a 1° pessoa do singular (eu) no Presente do indicativo; Não tem Presente do subjuntivo; Conjuga-se somente a 2° pessoa do singular e plural (tu, vós) do Imperativo afirmativo; Imperativo Negativo não se conjuga. Presente do Indicativo- Eu ? Tu aboles, ele abole, nós abolimos, vós abolis, eles abolem. Presente do subjuntivo- não apresenta Imperativo Afirmativo- abole tu, aboli vós Imperativo Negativo- não apresenta conjugação COLORIR, EXPLODIR, DEMOLIR, EXTORQUIR: Presente do Indicativo- não tem a 1° pessoa do singular (eu); Não apresenta conjugação no Presente do subjuntivo e Imperativo negativo; Utiliza a 2° pessoa verbal ( tu e vós) no Imperativo Afirmativo
  68. 68.  FALIR, PRECAVER, REAVER- Conjugado na 1° e 2° (nós, vós) pessoa do plural Presente do modo indicativo; Não é conjugado no Presente do subjuntivo; Conjugado somente na 2° pessoa do plural no Imperativo afirmativo; Não é conjugado no Imperativo negativo. PRESENTE DO INDICATIVO- Nós falimos, vós falis PRESENTE DO SUBJUNTIVO-Não apresenta conjugação IMPERATIVO AFIRMATIVO- Fali vós, precavei vós. IMPERATIVO NEGATIVO- Não apresenta conjugação.
  69. 69. LITERATURAO arcadismo é uma escola literária surgida na Europa no século XVIII, razão por que também é denominada como setecentismo ou neoclassicismo. O nome "arcadismo" é uma referência à Arcádia, região campestre do Peloponeso, na Grécia antiga, tida como ideal de inspiração poética.A principal característica desta escola é a exaltação da natureza e de tudo o que lhe diz respeito. Por essa razão muitos poetas do arcadismo adotaram pseudônimos de pastores gregos ou latinos. Caracteriza-se ainda pelo recurso a esquemas rítmicos mais graciosos.Numa perspectiva mais ampla, expressa a crítica da burguesia aos abusos da nobreza e do clero praticados no Antigo Regime.
  70. 70. Arcadismo no Brasil No Brasil, vive-se o momento histórico da decadência do ciclo da mineração eda transferência do centro político do Nordeste (Salvador, na Bahia) para o Rio deJaneiro. Aqui o marco inaugural do arcadismo deu-se em 1768 com a fundação da“Arcádia Ultramarina”, em Vila Rica, e a publicação de “Obras Poéticas”, deCláudio Manuel da Costa. Embora não chegue a constituir um grupo nos moldesdas arcádias europeias, constituem a primeira geração literária brasileira. Nesta colônia portuguesa, as ideias iluministas vieram ao encontro dossentimentos e anseios nativistas, com maior repercussão em Vila Rica, centroeconômico mais importante à época, em função da mineração. A figura do “bomselvagem” de Rousseau dará origem, na colônia, ao chamado Nativismo. Oacontecimento político mais importante será a Inconfidência Mineira, tentativamal-sucedida de libertar a província das Minas Gerais do domínio colonialportuguês. A politização do movimento apresentou-se através dos poetas árcadesbrasileiros, participantes da Conjuração. A chamada "Escola Setecentista" desenvolve-se até 1808 com a chegada daFamília Real ao Rio de Janeiro, que com suas medidas político-administrativas,permitiu a introdução do pensamento pré-romântico no Brasil. Entre as características do movimento no Brasil, destacam-se a introdução depaisagens tropicais, como em Caramuru, valorização da história colonial, o iníciodo nacionalismo e da luta pela independência e a colocação da colônia como centrodas atenções.
  1. A particular slide catching your eye?

    Clipping is a handy way to collect important slides you want to go back to later.

×