Your SlideShare is downloading. ×
0
Ponte D. Luiz
Ponte D. Luiz
Ponte D. Luiz
Ponte D. Luiz
Ponte D. Luiz
Ponte D. Luiz
Ponte D. Luiz
Ponte D. Luiz
Ponte D. Luiz
Ponte D. Luiz
Ponte D. Luiz
Ponte D. Luiz
Ponte D. Luiz
Ponte D. Luiz
Ponte D. Luiz
Ponte D. Luiz
Ponte D. Luiz
Ponte D. Luiz
Ponte D. Luiz
Ponte D. Luiz
Ponte D. Luiz
Ponte D. Luiz
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Ponte D. Luiz

2,998

Published on

Ponte D.Luís I que liga GAIA ao PORTO. Sua história. …

Ponte D.Luís I que liga GAIA ao PORTO. Sua história.
Autor Pedrosa.

Published in: Technology, Travel
1 Comment
2 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total Views
2,998
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
42
Comments
1
Likes
2
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Ponte D. Luiz I Gaia - Porto
  • 2. O comércio progredia , as fábricas populavam por todo o bairro oriental da cidade, dito brasileiro. O tráfego para Gaia e Lisboa crescia a olhos vistos, e a bela Ponte Pênsil não chegava para as encomendas. Em 11 de Agosto de 1880, foi aberto concurso para a nova ponte, após o governo não ter aceite um projecto da firma G. Eiffel et Cie. que só contemplava um tabuleiro ao nível da ribeira, com sector levadiço na parte central. Um projecto que mereceu um Grande Prémio na Exposição Universal de Paris de 1878, mas não servia para uma eficaz ligação entre os núcleos urbanos do Porto e Gaia. Por isso aquele concurso impôs como premissa necessária à concepção de uma ponte de dois tabuleiros. Apresentaram-se numerosos concorrentes: Société de Braine Leconte, Société des Batignolles (duas soluções), G. Eiffel et Cie., Auguste LeCoq. Andrew Handyside, Société de Willebroek (duas soluções) e John Wixon.
  • 3. A solução escolhida foi uma das propostas pela S. Willebroek, com projecto do Eng. Teophile Seyrig, discípulo de Gustave Eiffel, e seu sócio e colega na construção da ponte D. Maria Pia . O arco da nova Ponte tem 172m de corda e 44,6m de flecha. Os encontros do arco, em cantaria, dão apoio aos pilares que suportam o tabuleiro superior, realizado em forma de vigas rectas, com 391,25m de extensão. Do arco descem os pendurais que suportam o tabuleiro inferior de 174m de comprimento. A estrutura da nova ponte, verdadeira filigrana de ferro que passou a ser, juntamente com a Torre dos Clérigos, o ex-libris por excelência do Porto, pesava no seu conjunto 3.045 toneladas. A ponte ficou iluminada por meio de artísticos candeeiros de gás, 24 no tabuleiro superior, 8 no inferior, e 8 nos encontros. Mas mesmo assim não chegava para as encomendas, mormente nas horas de ponta. Com o espraiar das zonas urbanas do Porto e de Gaia em direcção ao mar, a ponte D. Luiz I foi-se cada vez mais convertendo em autêntico, - mas venerável - gargalo no complexo tráfego entre as duas margens do Douro. Era preciso lançar outro elo de comunicação entre as duas margens. Daí terem surgido, primeiro, a Ponte da Arrábida, depois a Ponte do Freixo e, mais recentemente, a Ponte do Infante. Hoje, o tabuleiro superior da Ponte D. Luiz I serve para a passagem do Metro e de peões e o tabuleiro inferior para peões e veículos automóveis.
  • 4.  
  • 5.  
  • 6.  
  • 7.  
  • 8.  
  • 9.  
  • 10.  
  • 11.  
  • 12.  
  • 13.  
  • 14.  
  • 15.  
  • 16.  
  • 17.  
  • 18.  
  • 19.  
  • 20.  
  • 21.  
  • 22. Música: Il Divo Fotos: www.olhares.com e José Pedrosa Formatação: [email_address]

×