Your SlideShare is downloading. ×
Alvaro Prata | OIS 2012 | Colaboração entre governo, universidade e indústria: por uma estratégia ousada de inovação no Brasil
Alvaro Prata | OIS 2012 | Colaboração entre governo, universidade e indústria: por uma estratégia ousada de inovação no Brasil
Alvaro Prata | OIS 2012 | Colaboração entre governo, universidade e indústria: por uma estratégia ousada de inovação no Brasil
Alvaro Prata | OIS 2012 | Colaboração entre governo, universidade e indústria: por uma estratégia ousada de inovação no Brasil
Alvaro Prata | OIS 2012 | Colaboração entre governo, universidade e indústria: por uma estratégia ousada de inovação no Brasil
Alvaro Prata | OIS 2012 | Colaboração entre governo, universidade e indústria: por uma estratégia ousada de inovação no Brasil
Alvaro Prata | OIS 2012 | Colaboração entre governo, universidade e indústria: por uma estratégia ousada de inovação no Brasil
Alvaro Prata | OIS 2012 | Colaboração entre governo, universidade e indústria: por uma estratégia ousada de inovação no Brasil
Alvaro Prata | OIS 2012 | Colaboração entre governo, universidade e indústria: por uma estratégia ousada de inovação no Brasil
Alvaro Prata | OIS 2012 | Colaboração entre governo, universidade e indústria: por uma estratégia ousada de inovação no Brasil
Alvaro Prata | OIS 2012 | Colaboração entre governo, universidade e indústria: por uma estratégia ousada de inovação no Brasil
Alvaro Prata | OIS 2012 | Colaboração entre governo, universidade e indústria: por uma estratégia ousada de inovação no Brasil
Alvaro Prata | OIS 2012 | Colaboração entre governo, universidade e indústria: por uma estratégia ousada de inovação no Brasil
Alvaro Prata | OIS 2012 | Colaboração entre governo, universidade e indústria: por uma estratégia ousada de inovação no Brasil
Alvaro Prata | OIS 2012 | Colaboração entre governo, universidade e indústria: por uma estratégia ousada de inovação no Brasil
Alvaro Prata | OIS 2012 | Colaboração entre governo, universidade e indústria: por uma estratégia ousada de inovação no Brasil
Alvaro Prata | OIS 2012 | Colaboração entre governo, universidade e indústria: por uma estratégia ousada de inovação no Brasil
Alvaro Prata | OIS 2012 | Colaboração entre governo, universidade e indústria: por uma estratégia ousada de inovação no Brasil
Alvaro Prata | OIS 2012 | Colaboração entre governo, universidade e indústria: por uma estratégia ousada de inovação no Brasil
Alvaro Prata | OIS 2012 | Colaboração entre governo, universidade e indústria: por uma estratégia ousada de inovação no Brasil
Alvaro Prata | OIS 2012 | Colaboração entre governo, universidade e indústria: por uma estratégia ousada de inovação no Brasil
Alvaro Prata | OIS 2012 | Colaboração entre governo, universidade e indústria: por uma estratégia ousada de inovação no Brasil
Alvaro Prata | OIS 2012 | Colaboração entre governo, universidade e indústria: por uma estratégia ousada de inovação no Brasil
Alvaro Prata | OIS 2012 | Colaboração entre governo, universidade e indústria: por uma estratégia ousada de inovação no Brasil
Alvaro Prata | OIS 2012 | Colaboração entre governo, universidade e indústria: por uma estratégia ousada de inovação no Brasil
Alvaro Prata | OIS 2012 | Colaboração entre governo, universidade e indústria: por uma estratégia ousada de inovação no Brasil
Alvaro Prata | OIS 2012 | Colaboração entre governo, universidade e indústria: por uma estratégia ousada de inovação no Brasil
Alvaro Prata | OIS 2012 | Colaboração entre governo, universidade e indústria: por uma estratégia ousada de inovação no Brasil
Alvaro Prata | OIS 2012 | Colaboração entre governo, universidade e indústria: por uma estratégia ousada de inovação no Brasil
Alvaro Prata | OIS 2012 | Colaboração entre governo, universidade e indústria: por uma estratégia ousada de inovação no Brasil
Alvaro Prata | OIS 2012 | Colaboração entre governo, universidade e indústria: por uma estratégia ousada de inovação no Brasil
Alvaro Prata | OIS 2012 | Colaboração entre governo, universidade e indústria: por uma estratégia ousada de inovação no Brasil
Alvaro Prata | OIS 2012 | Colaboração entre governo, universidade e indústria: por uma estratégia ousada de inovação no Brasil
Alvaro Prata | OIS 2012 | Colaboração entre governo, universidade e indústria: por uma estratégia ousada de inovação no Brasil
Alvaro Prata | OIS 2012 | Colaboração entre governo, universidade e indústria: por uma estratégia ousada de inovação no Brasil
Alvaro Prata | OIS 2012 | Colaboração entre governo, universidade e indústria: por uma estratégia ousada de inovação no Brasil
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Alvaro Prata | OIS 2012 | Colaboração entre governo, universidade e indústria: por uma estratégia ousada de inovação no Brasil

602

Published on

12/11/2012 - 09:00

12/11/2012 - 09:00

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
602
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. COLABORAÇÃO ENTRE GOVERNO, UNIVERSIDADE E  INDUSTRIA: POR UMA ESTRATÉGIA OUSADA DE  INOVAÇÃO NO BRASIL Alvaro Toubes Prata Secretário de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação ‐ MCTI Open Innovation – Seminar 2012 São Paulo, 12 de novembro de 2012
  • 2. Ciência, Tecnologia e Inovação Ciência (Conhecer) Tecnologia (Fazer) Inovar (Mudar/Melhorar)Empreender (Realizar/Concretizar)
  • 3. Classificação dos Países segundo PIB (~ trilhões de dólares) 1 Estados Unidos 14,3 2 China 5,1 3 Japão 5,0 4 Alemanha 3,6 5 França 2,7 6 Brasil 2,2 7 Inglaterra 1,9 8 Itália 1,8 9 Espanha 1,5 10 Índia 1,3
  • 4. Algumas Vantagens Competitivas Área territorial e bom solo; Recursos naturais (minerais, petróleo) Grande potencial para energias renováveis (hidro, solar, vento, marés); Conhecimento científico; População criativa (jeitinho brasileiro…).
  • 5. Algumas Fragilidades Grandes desigualdades (econômicas, sociais, educacionais); Baixa educação científica sobretudo das crianças; Baixo índice de inovação em muitos setores industriais; Pouca infraestrutura. Poucos engenheiros; Baixo índice de escolaridade na educação superior.
  • 6. Diretrizes do Governo Federal 1. Expandir e Fortalecer a Democracia; 2. Crescimento Econômico; 3. Desenvolvimento Sustentável; 4. Defender o Meio Ambiente; 5. Erradicar a Pobreza e Reduzir as Desigualdades; 6. Governo de Todos; 7. Educação; 8. Prover as Cidades de Infraestrutura Adequada; 9. Universalizar a Saúde; 10. Garantir a Segurança e Combater o Crime; 11. Valorizar a Cultura; 12. Defender a Soberania Nacional; 13. Transformar o Brasil em Potência Científica, Tecnológica e Inovadora.
  • 7. Estratégia Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação 2012-2015Programas Prioritários: 1. Tecnologias da Informação e Comunicação; 2. Fármacos e Complexo Industrial da Saúde; 3. Petróleo e Gás; 4. Complexo Industrial da Defesa; 5. Aeroespacial; 6. Nuclear; 7. Fronteiras para a Inovação (Biotecnologia e Nanotecnologia); 8. Economia Verde (Energia Renovável, Biodiversidade, Mudanças Climáticas, Oceanos e Zonas Costeiras); 9. C,T&I para o Desenvolvimento Social (Popularização da C,T&I, Melhoria do Ensino de Ciências,Inclusão Produtiva e Social, Tecnologias Assistivas,Tecnologias para as Cidades Sustentáveis)
  • 8. Estratégia Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação 2012-2015Programas Complementares: 1. Industria Química; 2. Bens de Capital; 3. Energia Elétrica; 4. Carvão Mineral; 5. Minerais Estratégicos; 6. Produção Agrícola Sustentável; 7. Recursos Hídricos; 8. Amazônia e Semi-Árido; 9. Pantanal e Cerrado.
  • 9. Estratégia Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação 2012-2015 Macrometas para 2014 1. Elevar dispêndio nacional em P&D 2. Elevar dispêndio empresarial em P&D (compartilhada com o Plano Brasil Maior) P&D nacional/PIB P&D empresarial/PIB Meta 2014: 1,80% Meta 2014: 0,90% Posição  2010: 1,16% Posição  2010: 0,56% 4. Aumentar o número de empresas que  3. Aumentar a taxa de inovação fazem P&D contínuo Meta 2014: 48,6% Meta 2014: 5.000 empresas Posição 2008: 38,6 % (PINTEC) Posição 2008: 3.425 empresas (PINTEC, excluindo  as instituições governamentais de P&D) 5. Aumentar o percentual de empresas inovadoras que utilizam ao menos um dos  6. Aumentar o número de bolsas do CNPq em  diferentes instrumentos de apoio  todas as modalidades governamental à Inovação Meta 2014: 120.000 Meta 2014: 30% Posição 2010: 84.000  Posição 2010: 22,3% (PINTEC) 
  • 10. Inovação: Falta de Protagonismo da Empresa Dispêndio Público e Privado em P&D (% PIB)  Empresas GovernoFonte: www.mct.gov.br/indicadores. 2010* estimativa
  • 11. Participação (%) dos setores intensivos em recursos  naturais na exportação dos países, 2005  Agropecuária Extração mineral Petróleo e álcool Alimentos e bebidas Madeira Papel e celulose Prod. de Min. Ñ Met.Fonte: BNDES, Visão de Desenvolvimento, nº 36, 2007
  • 12. Participação (%) dos setores intensivos em tecnologia diferenciada  e baseada em ciência na exportação dos países, 2005  Máq. e equipamentos Máq. Escritório e informática Aparelhos elétricos Mat. Eletrônico/Comunicações Instr. Médicos e ópticos Aviação/Ferrov./Emb./MalasFonte: BNDES, Visão de Desenvolvimento, nº 36, 2007
  • 13. Principais Produtos Exportados – Brasil (2011)  Minérios de Ferro e seus Concentrados 16,3 %  Soja (Grão e Óleo) 8,6 %  Óleos Brutos de Petróleo 8,4 %  Açúcar (Bruto e Refinado) 5,8 %  Carnes (Frango e Boi) 4,4 %  Café 3,1 % Total: 46,6 % Exportações de Aviões: 1,5 %Fonte: Anuário Estatístico 2012 - MDIC
  • 14. Desafios a Superar Grande parte dos pesquisadores e cientistas estão nas Universidades; O Setor Industrial investe pouco em P&D; Há pouca interação entre as Universidades e as empresas; A cultura científica e inovadora é pouco difuldida; A atitude empreendedora é incipiente.
  • 15. Como Superar estes Desafios? Formação de pessoas focando nas competências e habilidades empreendedoras; Foco nos grandes desafios nacionais  Áreas Estratégicas;  Engenharias e demais áreas tecnológicas; Promoção da P&D&I empresarial;
  • 16. Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação Gabinete do Ministro Secretaria ExecutivaSEPED SEPIN SECIS SETEC  Secretaria de Políticas e Programas de Pesquisa e Desenvolvimento  Secretaria de Política de Informática  Secretaria de Ciência e Tecnologia para a Inclusão Social  Secretaria de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação
  • 17.  Energias Renováveis  Incubadoras  Lei Inovação Minerais Estratégicos  Parques Tecnológicos  Lei do Bem Biocombustíveis  PROINOVA/MEI  Propriedade Intelectual Nanotecnologia  SIBRATEC  Código C,T&I Etc.  EMBRAPII  Incentivos Fiscais  Etc.  Etc.
  • 18. SERVIÇOS/INSTRUMENTOS TECNOLÓGICOS  SBRT: Sistema Brasileiro de Respostas Técnicas  SIBRATEC:  Serviços Tecnológicos  Extensão Tecnológica  Centros de Inovação  EMBRAPII:  INT – Energia e Saúde  IPT – Nanobiomanufatura  SENAI/CIMATEC – Automação e Manufatura  Incubadoras de Empresas  Parques Tecnológicos
  • 19. Porque as incubadoras funcionam no Brasil1 – As incubadoras promovem a inovação e a transferência de conhecimento das universidades para o setor empresarial;2 - A Incubadora é um grande gerador de cultura do empreendedorismo e inovação;3 – As incubadoras articulam atores estratégicos da comunidade;4 - As empresas de Incubadoras geram tecnologias vitais para setores empresarias prioritários para o país;5 - As Incubadoras promovem o desenvolvimento regional;6 - A incubadora gera empresas fortes e empregos qualificados;7- As Incubadoras geram impostos e desenvolvimento social;8- A Incubadora é uma "marca de inovação“;9 - As Incubadoras promovem o associativismo e o cooperativismo;10- As Incubadoras podem ser "personalizadas" e "custam pouco".
  • 20. INCUBADORAS EM NÚMEROS - BRASIL 2011 QUANTIDADE: 384 incubadoras Empresas incubadas .............................. 2.640 Empresas graduadas ............................. 2.509 Empresas associadas ............................. 1.124 Empregos nas empresas incubadas...... 16.394 Emprego nas empresas graduadas ....... 29.205 Faturamento das empresas incubadas .... R$ 533 milhões Faturamento das empresas graduadas ....R$ 4,1 bilhões 20
  • 21. PARQUES TECNOLÓGICOS - BRASIL 2011 QUANTIDADE: 90 iniciativas Parques em operação ............................. 30 Empresas em operação........................... 520 Postos de Trabalho ................................. 26.233 21
  • 22. LOCALIZAÇÃO DOS PARQUES E INCUBADORAS
  • 23. Ambiente de Pesquisa, Inovação e Integração UNIVERSIDADES Demandas Centros de P&D Governo Federal,  Faculdades Centros de Referência Centros de Referência Estadual e   Institutos Municipal DEPARTMENTOS Empresas Projetos Projetos Grandes LABORATORIOS Prof. Empresas Célula de  Médias Competência Empresas Cientistas/Especialistas Profissionais Pequenas do Cliente Estudantes/Pesquisadores Parceiros InternacionaisFonte: Fundação CERTI
  • 24. EMBRAPII: Escolha dos Institutos Pilotos Instituições com Know How e atuação nas áreas de interesse do Governo  Federal.
  • 25. Manufatura Manufatura nos EUA representa 11% do PIB, mas é responsável por 68% do gasto em P&D; EUA e China representam 20% cada da produção mundial em manufatura (dólar); os EUA conseguem isto com 10% da mão de obra da China.Fonte: The Economist, April 21st, 2012
  • 26. INSTRUMENTOS DE APOIO À CTI NAS EMPRESAS Crédito Incentivos com taxas juros  Fiscais equalizadas  (Lei do Bem) EMPRESA INOVADORA Compras Subvenção GovernamentaisEconômica RH  Fundos de  Qualificados Capital de  Risco
  • 27. Lei do Bem: incentivos fiscais à inovação tecnológica• excluídas as empresas de informática até 2007 Fonte: MCTI 875 empresas cadastradas e 639 empresas beneficiadas em 2010, 391% a mais em relação a 2006 R$ 8,6 bilhões aplicados em P&D em 2010, 293% a mais em relação a 2006, crescimento de 0,09% PIB para 0,23% PIB Ano‐Base 2011 ‐ Expectativa de recebimento de  informações de 1.000 empresas
  • 28. Subvenção Econômica para a Inovação Tecnológica2006 2010Valor do edital: R$ 300 milhões Valor do edital: R$ 500 milhõesDemanda: 1.100 projetos, R$ 1,9 bilhão Demanda: 993 projetos, R$ 1,9 bilhãoResultado: 145 propostas aprovadas,  Resultado: 105 propostas aprovadas,  R$ 272,5 milhões R$ 242 milhões2007Valor do edital : R$ 450 milhões Distribuição % dos recursos Demanda: 2.567 projetos, R$ 4,9 bilhões por temas ‐ 2010 Resultado: 174 propostas aprovadas, R$ 313,8 milhões TICs2008 biotecnologiaValor do edital: R$ 450 milhões saúdeDemanda: 2.665 projetos, R$ 6,0 bilhõesResultado: 245 propostas aprovadas,  R$ 514,6 milhões2009Valor do edital: R$ 450 milhõesDemanda: 2.558 projetos, R$ 5,2 bilhões desenvolvimento Resultado: 261 propostas aprovadas,  energia social R$ 466 milhões defesa
  • 29. Programa RHAE Bolsas CNPq de Fomento Tecnológico para a inserção de pesquisadores nas  micro, pequenas e médias empresas, com contrapartida de 20% das empresas Edital  Edital  Edital MCT/SETEC/CNPq Edital MCT/SETEC/CNPq Bolsas RHAE MCT/SETEC/CNPq MCT/SETEC/CNPq Edital 62/2009 Edital 75/2010 32/2007 Edital 67/2008 Doutores 93 130 112 117 Mestres 112 182 166 198 Técnicos DTI 96 155 180 189 Técnicos ITI 84 223 152 113 Consultores EV ‐ ‐ 11 23 Apoio Técnico ‐ ‐ ‐ 54 Total 385 690 621 694 Recursos do Edital R$ 20 milhões R$ 26 milhões R$ 30 milhões R$ 40 milhões Empresas beneficiadas 131 172 186 202 Edital MCTI/SETEC/CNPq 17/2012 com R$ 60 milhões , incluindo também grandes empresas
  • 30. COMPRAS GOVERNAMENTAIS (Margens de Preferência)  Desenvolvimento SocialEEUU Produto Nacional  Margem Preferência  de até 25%  Saúde Margem Adicional para  Tecnologia NacionalEuropa c Educação Ásia (China/Índia, Coréia do Sul, Japão) Defesa Déficit na Balança (US $ ) TIC‐TIC: 18 bilhões‐Fármacos/Instrumentos:  9 bilhões           ‐Produtos Químicos: 22 bilhões‐Máquinas/Equipamentos: 20 bilhões
  • 31. MARCO LEGAL DA INOVAÇÃO APERFEIÇOAMENTOS ‐ Ambiente de Cooperação Academia/Empresa; ‐ Instrumentos Legais de Cooperação;  ‐ Prestação de Contas Simplificada; ‐ Importação de Insumo/Equipamento; Lei da Inovação ‐ Infraestrutura Laboratorial e de Serviços; Lei do Bem ‐ Desenvolvimento Tecnológico; Outras Legislações ‐ Projetos Cooperativos; ‐ Mobilidade Pesquisadores; ‐ Participação nos Ganhos Econômicos;  ‐ Novos instrumentos de Apoio; ‐ Incentivos Setoriais; ‐ Biodiversidade.2004/5                                                           2012                                                    2017
  • 32. Ciência sem Fronteiras Áreas Prioritárias• Engenharias e demais áreas  • Tecnologia Nuclear; tecnológicas;• Ciências Exatas e da Terra:  • Biotecnologia; 101.000 Física, Química,  • Nanotecnologia e Novos  Geociências materiais; bolsas de • Biologia, Ciências  • Tecnologias de Prevenção e  Mitigação de Desastres  estudos no  Biomédicas e da Saúde• Computação e tecnologias  Naturais; exterior da informação; • Tecnologias de transição  para a economia verde;• Tecnologia Aeroespacial;• Fármacos; • Biodiversidade e  Bioprospecção; 75.000• Produção Agrícola  Governo Federal • Ciências do Mar; Sustentável; • Indústria criativa;• Petróleo, Gás e Carvão  Mineral; • Novas Tecnologias de  26.000 Engenharia Construtiva;• Energias Renováveis; Empresas • Formação de Tecnólogos.• Tecnologia Mineral;
  • 33. Principais Redes Nacionais 27 Unidades de Pesquisa do MCTI Universidades Federais: 63 Campus: 321 Redes SIBRATEC de Centros de Inovação: 14 Redes SIBRATEC de Institutos Serviços SENAI de Redes SIBRATEC de Tecnológicos: 20Tecnologia: 38 Extensão Tecnológica: 22 1 1 1 1 CONSECTI 1 CONFAP CNI 2 1 3 Incubadoras:: 384 Institutos 1 Institutos Nacionais Parques SENAI de 2 de Ciência e Tecnológicos: 79 1 Tecnologia: 126Inovação: 23 2 2
  • 34. Nosso Grande Desafio:Trabalhar em Sinergia!

×