Your SlideShare is downloading. ×
Apostila   cinesiologia
Apostila   cinesiologia
Apostila   cinesiologia
Apostila   cinesiologia
Apostila   cinesiologia
Apostila   cinesiologia
Apostila   cinesiologia
Apostila   cinesiologia
Apostila   cinesiologia
Apostila   cinesiologia
Apostila   cinesiologia
Apostila   cinesiologia
Apostila   cinesiologia
Apostila   cinesiologia
Apostila   cinesiologia
Apostila   cinesiologia
Apostila   cinesiologia
Apostila   cinesiologia
Apostila   cinesiologia
Apostila   cinesiologia
Apostila   cinesiologia
Apostila   cinesiologia
Apostila   cinesiologia
Apostila   cinesiologia
Apostila   cinesiologia
Apostila   cinesiologia
Apostila   cinesiologia
Apostila   cinesiologia
Apostila   cinesiologia
Apostila   cinesiologia
Apostila   cinesiologia
Apostila   cinesiologia
Apostila   cinesiologia
Apostila   cinesiologia
Apostila   cinesiologia
Apostila   cinesiologia
Apostila   cinesiologia
Apostila   cinesiologia
Apostila   cinesiologia
Apostila   cinesiologia
Apostila   cinesiologia
Apostila   cinesiologia
Apostila   cinesiologia
Apostila   cinesiologia
Apostila   cinesiologia
Apostila   cinesiologia
Apostila   cinesiologia
Apostila   cinesiologia
Apostila   cinesiologia
Apostila   cinesiologia
Apostila   cinesiologia
Apostila   cinesiologia
Apostila   cinesiologia
Apostila   cinesiologia
Apostila   cinesiologia
Apostila   cinesiologia
Apostila   cinesiologia
Apostila   cinesiologia
Apostila   cinesiologia
Apostila   cinesiologia
Apostila   cinesiologia
Apostila   cinesiologia
Apostila   cinesiologia
Apostila   cinesiologia
Apostila   cinesiologia
Apostila   cinesiologia
Apostila   cinesiologia
Apostila   cinesiologia
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Apostila cinesiologia

73,743

Published on

4 Comments
48 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total Views
73,743
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
4
Actions
Shares
0
Downloads
2,625
Comments
4
Likes
48
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. e-mail: cinesiologiafaum@gmail.com blog: www.robertopeoli.blogspot.com FAUC – FAUM LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA www.robertopeoli.blogspot.com E-mail: cinesiologiafaum@gmail.comProf. Esp. Roberto Pereira de OliveiraProf. Esp. Roberto Pereira de Oliveira 0
  • 2. e-mail: cinesiologiafaum@gmail.com blog: www.robertopeoli.blogspot.com1) O que é Cinesiologia? • O nome Cinesiologia vem do grego kínesis = movimento + logos = tratado, estudo. • A cinesiologia é a ciência que tem como enfoque a análise dos movimentos. De forma mais específica, estuda os movimentos do corpo humano.1.1) Finalidades da Cinesiologia • Compreender as forças que atuam sobre um objeto ou o corpo humano e manipular estas forças em procedimentos de tratamento tais que o desempenho humano possa ser melhorado e lesão adicional possa ser prevenida. • Embora os humanos tenham sempre sido capazes de ver e sentir as suas posturas e movimentos, as forças que afetam os movimentos (gravidade, tensão muscular, resistência externa e atrito) nunca são vistas e raramente são sentidas. Conhecer onde essas forças atuam, em relação a posições e movimentos do corpo no espaço, é fundamental para a capacidade de produzir movimento humano e modificá-lo.1.2) Relação com outras disciplinas • A anatomia, • A fisiologia, • A psicologia, • A antropologia • E a mecânica.1.3) História da Cinesiologia Aristóteles- Pai da Cinesiologia (384-322, a.C) • Filósofo grego, filho de Nicômaco, médico de Amintas, rei da Macedônia • Realizou seus estudos baseado em observações práticas dos animais em seu ambiente natural. • Destas observações foram retirados conceitos que descreviam a ação dos músculos, sendo que nesta descrição os músculos estavam submetidos a uma análise geométrica Arquimedes (287-212 a.C) • princípios hidrostáticos que explicam a maneira pelo qual os corpos flutuam. • tais princípios são ainda hoje a fundamentação teórica na qual se baseiam os estudiosos da cinesiologia da natação. • leis das alavancas e do centro de gravidade. Galeno (131-202 d.C) • Cirurgião gladiadores de Mísia • Descreveu tônus • Autor 1º manual de cinesiologiaProf. Esp. Roberto Pereira de Oliveira 1
  • 3. e-mail: cinesiologiafaum@gmail.com blog: www.robertopeoli.blogspot.com • Pai da medicina esportiva Leonardo da Vinci (1452-1519 d.C.) • Descreveu a mecânica do corpo na atitude ereta. • A marcha na descida e na subida. • No erguer-se de uma posição sentada, e no salto Galileu Galilei (1564-1643) • movimento humano sob uma base de conceitos matemáticos • correlações aceleração-peso do corpo e espaço-tempo-velocidade • Mecânica clássica Isaac Newton (1642-1727) • publicação das três leis de repouso e movimento ( lei da inércia, lei do movimento e lei da interação) Ourtos • John Hunter (1728-1793) reuniu todas as observações sobre a estrutura e a potência dos músculos • Guillaume Benjamin Amand Duchenne (1806-1875) estímulo elétrico da contração muscular • Wilhelm Roux (1850-1924) desenvolveu estudos afirmando que a hipertrofia muscular • John Hughlings Jackson (1834-1911) estabeleceu a relação do movimento muscular com o cérebro • Henry Pickering Bowditch (1814-1911) demonstrasse o princípio da contração do "tudo ou nada“ • Piper(1910-1912) - Eletromiografia2) O que é Biomecânica? • Prefixo “Bio” – Vida • Raiz “mecânica” – “é a ciência que estuda o movimento de corpos sob a ação de forças.”(BORESI & SCHMIDT, 2001). • "...o estudo da mecânica de coisas vivas...”(LAPEDES, 1993). • "...a Biomecânica estuda os movimentos do homem e do animal a partir do ponto de vista das leis mecânicas...”(HOCHMUTH, 1973). • O estudo da estrutura e da função dos sistemas biológicos utilizando métodos da mecânica" (Hatze, apud Susan Hall)2.2) Formas de movimento  Movimento linear - (retilíneo), ocorre mais ou menos em uma linha reta, de um lugar para outro. Todas as partes do objeto percorrem a mesma distância, na mesma direção e ao mesmo tempo. Se este movimento ocorre numa linha reta mas em uma forma curva, é chamado curvilíneoProf. Esp. Roberto Pereira de Oliveira 2
  • 4. e-mail: cinesiologiafaum@gmail.com blog: www.robertopeoli.blogspot.com  Movimento de rotação - O movimento de um objeto em tomo de um ponto fixo é o angular ou rotatório.  Movimento misto – é a combinação dos dois tipos de movimentos : movimento linear e movimento de rotação. 2.3) As Leis Fundamentais da Mecânica • 1ª lei - Inércia “Todo corpo permanece em estado de repouso ou de movimento uniforme, em linha reta, a menos que seja obrigado a mudá-lo por forças externas aplicadas sobre ele”. • 2ª lei - F = m.a “A variação da quantidade de movimento é proporcional à intensidade da força motriz aplicada, sendo a sua direção igual àquela em que atua a força”. • 3ª lei - Ação e Reação “A qualquer ação opõe-se uma reação de intensidade igual e de sentido oposto. Por outras palavras, as interações mútuas de dois corpos são sempre iguais e de sentidos contrários”. 2.4) Velocidade • A velocidade de um corpo é dada pela relação entre o deslocamento de um corpo em determinado tempo. Pode ser considerada a grandeza que mede o quão rápido um corpo se desloca. Onde: Vm= Velocidade Média ∆s = Intervalo do deslocamento [posição final – posição inicial] ∆t= Intervalo de tempo [tempo final – tempo inicial] As unidades de velocidade comumente adotadas são: m/s (metros por segundo); km/h (quilômetros por hora); Conversões: - 1 milha/h = 1,6 km/h - 1 milha/h = 0,47 m/s 2.5) Aceleração Assim como para a velocidade podemos definir uma aceleração média se considerarmos a variação de velocidade em um intervalo de tempo , e esta média será dada pela razão: 2.6) VetoresProf. Esp. Roberto Pereira de Oliveira 3
  • 5. e-mail: cinesiologiafaum@gmail.com blog: www.robertopeoli.blogspot.com • As grandezas vetoriais são representadas por um ente matemático denominado vetor. Um vetor reúne, em si, o módulo, representando o valor numérico ou intensidade da grandeza, e a direção e sentido, representando a orientação da grandeza. = SOMA = SUBTRAÇÃO R² = a² + b² - 2. a . b. cos θ R² = a² + b² - 2. a . b. cos θProf. Esp. Roberto Pereira de Oliveira 4
  • 6. e-mail: cinesiologiafaum@gmail.com blog: www.robertopeoli.blogspot.com2.7) ForçaA força é definida por quatro características básicas:- magnitude de força;- direção;- sentido; e- quantidade de tração.Onde:F é a resultante de todas as forças que agem sobre o corpo (em N);m é a massa do corpo a qual as forças atuam (em kg);a é a aceleração adquirida (em m/s²).A unidade de força, no sistema internacional, é o N (Newton), que equivale a kg m/s²(quilograma metro por segundo ao quadrado).2.8) Força de Tração • Dado um sistema onde um corpo é puxado por um fio idealProf. Esp. Roberto Pereira de Oliveira 5
  • 7. e-mail: cinesiologiafaum@gmail.com blog: www.robertopeoli.blogspot.com2.9) Força Peso • Quando falamos em movimento vertical, introduzimos um conceito de aceleração da gravidade, que sempre atua no sentido a aproximar os corpos em relação à superficie.1kgf é o peso de um corpo de massa 1kg submetido a aceleração da gravidade de9,8m/s²2.10) Força de atrito • o atrito é uma força natural que atua apenas quando um objeto está em contato com outro e sofre a ação de outra força que tende a colocá-lo em movimento. Esta força é causada pelo contato dos dois corpos ou meio em que se move o corpo em movimento - neste caso especial, designado por viscosidade. Onde: µ: coeficiente de atrito (adimensional) N: Força normal (N)2.11) Pressão • É definida como a força (F) distribuída ao longo de uma determinada área (A): F p= AProf. Esp. Roberto Pereira de Oliveira 6
  • 8. e-mail: cinesiologiafaum@gmail.com blog: www.robertopeoli.blogspot.com2.12) Estresse mecânico • Representa o resultado da distribuição de força no interior de um corpo sólido quando uma força externa atua. F Estresse = A2.13) Trabalho • Em mecânica, o trabalho é o produto de forças sobre um objeto e o deslocamento do objeto paralelo ao componente de força de resistência do objeto. • O trabalho pode ser expresso em termos diferentes, mas será sempre o produto da força pela distância, como kg x cm, ou ton x km, etc • Trabalho (W) = Força (F) x Distância (d).2.14) Potência • É usada para expressar trabalho em relação ao tempo. • Ex. P = T / t • P = (F x D) / t2,15) Sistema de alavancas"Dai - me um ponto de apoio e levantarei a terra", dizia Arquimedes para ilustrar oprincipio da alavanca. • Uma alavanca é uma barra rígida que gira em torno de um ponto fixo quando uma força é aplicada para vencer a resistência.  Alavanca de Primeira Classe- Interfixa - O eixo (E) está localizado entre a força (F) e a resistência ( R). Ex: gangorra, tesoura, alicate  Alavanca de Segunda Classe- Interesistente - O eixo (E) está em uma das extremidades, a resistência ( R) no meio e a força (F) na outra extremidade. Ex: carro de mão, abridor de lata.Prof. Esp. Roberto Pereira de Oliveira 7
  • 9. e-mail: cinesiologiafaum@gmail.com blog: www.robertopeoli.blogspot.com  Alavanca de Terceira Classe- Interpotente - Tem o eixo numa das extremidades, a força no meio, a resistência na extremidade oposta.É a mais comum das alavancas do corpo. Ex: bíceps, varrer. 2.16) Sistema de Roldana Roldana ou polia: Disco móvel em torno de um eixo perpendicular ao seu plano, com um sulco chamado gola ou garganta no seu contorno periférico, e a cujo eixo se liga uma peça chamada alça, destinando-se, isolada ou associada a outras, a elevar objectos pesados. Logo, a relação é definida pela expressão: P= R/n P - força; R - objecto a elevar; n - número de roldanas do sistema 2.17) Centro de Gravidade • A Gravidade é uma força externa que age sobre um objeto sobre a terra, e para equilibrar essa força, uma segunda força externa precisa ser induzida. • O Centro de Gravidade é o ponto dentro de um objeto onde se pode considerar que toda a massa, ou seja, o material que constitui o objeto, esteja concentrada. • A força de gravidade possui 3 características: • É aplicada constantemente sem interrupções • Única direção-centro da terra • Atua sobre tudo e todos O centro de gravidade do corpo está: • Mais ou menos a 4 centímetros da frente da primeira vértebra sacral, quando o indivíduo está na posição de sentido. • O homem adulto, em posição ereta, tem o centro de gravidade a 56 a 57% do total de sua altura a partir do solo; na mulher é de 55% de sua altura. • Quanto mais jovem for a criança, mais alto e menos estável será o centro devido ao tamanho desproporcional da cabeça e do tórax. EXERCÍCIOS DE BIOMECÂNICA 1. Um aluno, quer te contratar como Personal Trainer. Ele participará da prova física da Polícia Militar de MT, e está com dificuldades no Cooper (12 min),Prof. Esp. Roberto Pereira de Oliveira 8
  • 10. e-mail: cinesiologiafaum@gmail.com blog: www.robertopeoli.blogspot.com Qual é a velocidade(km/h) que ele deve correr para ser aprovado neste teste, sabendo que a distância mínima para aprovação é de 2.600 mts. 2. Duas crianças correm pelo campo para pegar uma bola. Victor começa a correr de uma distância de 20 m da bola e Carlos começa a correr de uma distância de 16 m da bola. Se a velocidade média de Victor for de 5,4 m/s e a de Carlos for de 4,5 m/s, qual criança alcançará a bola primeiro? 3. Um jogador do Cruzeiro vai cobrar uma falta direta, a barreira está na distância exata como diz a regra, e esta 12 m do gol. Após autorização do árbitro, o jogador a cobrou, convertendo o gol. A bola levou 2 seg até chegar ao gol. Qual a aceleração da bola? 4. Um jogador de futebol americano é cercado e empurrado por dois atacantes simultaneamente. O atacante A exerce uma força de 700 N e o atacante B exerce uma força de 425 N. se as forças forem direcionadas de forma perpendicular uma à outra, qual a magnitude desta força que age sobre o jogador? 5. Uma bola de 0,3 kg é chutada com uma força de 80N. Qual é a aceleração resultante da bola? 6. Se uma balança mostra que um indivíduo tem massa de 92 kg, qual é a força peso dele? 7. Qual a quantidade de estresse compressivo que está presente no disco vertebral L1, L2 de uma mulher de 750N, considerando-se que 48% do seu peso corporal seja sustentado pelo disco vertebral. Quando essa mulher fica em pé na posição anatômica Quando permanece ereta segurando uma bolsa de 175N? Considere que o disco tem orientação horizontal e que sua área de superfície seja 20 cm². 8. No núcleo pulposo de um disco intervertebral, a carga compressiva é 1,5 vez maior que a carga aplicada externamente. No anel fibroso, a carga compressiva é 0,5 vez maior que a carga externa. Quais são as cargas compressivas sobre o núcleo pulposo e no anel fibroso do disco intervertebral de L5 – S1 de um homem de 850 N e que carrega uma barra de 600 N sobre seus ombros, sabendo-se que 37% do peso corporal estão distribuídos acima do disco? 9. A tíbia é o principal osso responsável pela sustentação do peso no membro inferior. Se 88% da massa corporal for proximal à articulação do joelho, quanta força compressiva atua sobre cada tíbia quando um indivíduo de 800 N fica em pé na posição anatômica? Quanta força compressiva atua sobre cada tíbia se o indivíduo estiver segurando um pacote de compras de 60 N? 10. Quanta força deve ser produzida pelo músculo bíceps braquial, inserido a 90° em relação ao rádio e a uma distância de 2,5 cm do centro de rotação na articulação do cotovelo, para sustentar um peso de 90 N mantido na mão a uma distância de 25 cm da articulação do cotovelo?Prof. Esp. Roberto Pereira de Oliveira 9
  • 11. e-mail: cinesiologiafaum@gmail.com blog: www.robertopeoli.blogspot.com 11. Duas equipes de três indivíduos estão jogando cabo de guerra. Os indivíduos da equipe A, puxando para a direita, aplicam na corda forças de 150 N, 200 N e 250 N. Os indivíduos da equipe B, puxando para a esquerda, aplicam na corda forças de 200 N, 180 N e 230 N. Qual a resultante destas forças? Qual a equipe vencedora?3) Posição anatômica: • CABEÇA: Em posição simétrica sobre o pescoço, sem inclinações; olhos dirigidos para diante; queixo não levantado nem abaixado; nariz plano mediano do corpo. • CORPO: O peso corporal transmite-se para baixo em linha imaginária perpendicular ao solo e que passa logo atrás da orelha, pela articulação do quadril, tangencialmente anterior ao joelho e logo à frente do tornozelo. • PÉS: Dirigem-se para diante. • MEMBROS SUPERIORES: Junto ao corpo, estendidos, com as mãos rodadas de palmas para a frente.3.1) Planos anatômicos:Planos Seccionais: quatro planos são fundamentais: 1. Plano Mediano: plano vertical que passa longitudinalmente através do corpo, dividindo-o em metades direita e esquerda. Parassagital, usado pelos neuroanatomistas e neurologistas é desnecessário porque qualquer plano paralelo ao plano mediano é sagital por definição. Um plano próximo do mediano é um Plano Paramediano. 2. Planos Sagitais: são planos verticais que passam através do corpo, paralelos ao plano mediano. 3. Planos Frontais (Coronais): são plano verticais que passam através do corpo em ângulos retos com o plano mediano, dividindo-o em partes anterior (frente) e posterior (de trás). 4. Planos Transversos (Horizontais): são planos que passam através do corpo em ângulos retos com os planos coronais e mediano. Divide o corpo em partes superior e inferior3.2) Eixos anatômicos: Existem três eixos anatômicos, cada um associado a um plano de movimentação e perpendicular aquele plano: 1. EIXO TRANSVERSO (LATERO-LATERAL): atravessa o corpo de lado a lado, sendo perpendicular ao plano sagital. 2. EIXO ÂNTERO-POSTERIOR: atravessa o corpo da frente pra trás e está associado com a movimentação no plano frontal. 3. EIXO LONGITUDINAL: atravessa o corpo de cima para baixo, sendo perpendicular ao plano transverso.3.3) Termos anatômicos:Prof. Esp. Roberto Pereira de Oliveira 10
  • 12. e-mail: cinesiologiafaum@gmail.com blog: www.robertopeoli.blogspot.com • POSIÇÃO SUPINA ou DECÚBITO DORSAL - o corpo está deitado com a face voltada para cima. • POSIÇÃO PRONA ou DECÚBITO VENTRAL - o corpo está deitado com a face voltada para baixo. • DECÚBITO LATERAL - o corpo está deitado de lado. • ANTERIOR / VENTRAL / FRONTAL - na direção da frente do corpo. • POSTERIOR / DORSAL - na direção das costas (traseiro). • SUPERIOR / CRANIAL - na direção da parte superior do corpo. • INFERIOR / CAUDAL - na direção da parte inferior do corpo. • MEDIAL - mais próximo do plano sagital mediano (linha sagital mediana). • LATERAL - mais afastado do plano sagital mediano (linha sagital mediana) • MEDIANO - Exatamente sobre o eixo sagital mediano. • INTERMÉDIO - Entre medial e lateral. • MÉDIO - Estrutura ou órgão interposto entre um superior e um inferior ou entre anterior e posterior. • PROXIMAL - próximo da raiz do membro. Na direção do tronco. • DISTAL - afastado da raiz do membro. Longe do tronco ou do ponto de inserção. • SUPERFICIAL - significa mais perto da superfície do corpo. • PROFUNDO - significa mais afastado da superfície do corpo.4) Osteologia - Sistema Esquelético:O sistema esquelético é composto de ossos e cartilagens. 1. Conceito de Ossos: Ossos são órgãos esbranquiçados, muito duros, que unindos-se aos outros, por intermédio das junturas ou articulações constituem o esqueleto. É uma forma especializada de tecido conjuntivo cuja a principal característica é a mineralização (cálcio) de sua matriz óssea (fibras colágenas e proteoglicanas). 2. Conceito de Cartilagem: É uma forma elástica de tecido conectivo semi-rígido - forma partes do esqueleto nas quais ocorre movimento. A cartilagem não possui suprimento sangüíneo próprio; conseqüentemente, suas células obtêm oxigênio e nutrientes por difusão de longo alcance.4.1) Funções do Sistema Esquelético: 1. Sustentação do organismo (apoio para o corpo) 2. Proteção de estruturas vitais (coração, pulmões, cérebro) 3. Base mecânica para o movimento (ALAVANCAS) 4. Fixação muscular 5. Armazenamento de sais (cálcio, por exemplo) 6. Hematopoiética (suprimento contínuo de células sangüíneas novas)4.2) Partes do osso:A disposição dos tecidos ósseos compacto e esponjoso em um osso longo é responsávelpor sua resistência. Os ossos longos contém locais de crescimento e remodelação, eestruturas associadas às articulações. As partes de um osso longo são as seguintes:Prof. Esp. Roberto Pereira de Oliveira 11
  • 13. e-mail: cinesiologiafaum@gmail.com blog: www.robertopeoli.blogspot.com Diáfise: é a haste longa do osso. Ele é constituída principalmente de tecido ósseo compacto, proporcionando, considerável resistência ao osso longo. Epífise: as extremidades alargadas de um osso longo. A epífise de um osso o articula, ou une, a um segundo osso, em uma articulação. Cada epífise consiste de uma fina camada de osso compacto que reveste o osso esponjoso e recobertas por cartilagem. Metáfise: parte dilatada da diáfise mais próxima da epífise.4.3) Tipos de ossos: • OSSOS LONGOS: compõe-se de uma haste cilíndrica longa com extremidade relativamente largas e protuberantes. Ex: falanges, metatarsais, metacarpais, tíbia, fíbula, o fêmur, rádio, ulna e o úmero; • OSSOS CURTOS: sõa pequenos, cúbicos, maciços, normalmente dotados de superfície articular proporcionalmente grande a fim de articular-se com mais de um osso. Ex: carpais e tarsais; • OSSOS PLANOS: geralmente apresentam superfície curva e variam desde os mais espessos, onde os tendões se fixam, até os muito finos. Normalmente oferecem proteção. Ex: ílio, costelas, esterno, clavícula e escápula; • OSSOS IRREGULARES: prestam-se a grande variedade de propósitos e consistem nos ossos de toda a coluna vertebral, além do ísquio, púbis e maxilar; • OSSOS SESAMÓIDES: são ossos pequenos, embutidos no tendão de uma unidade músculo-tendinosa, que servem para proteger e conferir maior vantagem mecânica. Ex: patela, sesamóides pequenos dentro dos tendões flexores do dedo hálux e do dedo polegar.4.4) Número de Ossos do Corpo Humano:É clássico admitir o número de 206 ossos. • Cabeça = 22 1. Crânio = 08 2. Face = 14 • Pescoço = 8 1. 1 Hióide 2. 7 vertebras cervicais • Tórax = 37 1. 24 costelas 2. 12 vértebras torácicas 3. 1 esterno • Abdômen = 7 1. 5 vértebras lombares 2. 1 sacro 3. 1 cóccixProf. Esp. Roberto Pereira de Oliveira 12
  • 14. e-mail: cinesiologiafaum@gmail.com blog: www.robertopeoli.blogspot.com • Membro Superior = 32 1. Cintura Escapular = 2 2. Braço = 1 3. Antebraço = 2 4. Mão = 27 • Membro Inferior = 31 1. Cintura Pélvica = 1 2. Coxa = 1 3. Joelho = 1 4. Perna = 2 5. Pé = 26 • Ossículos do Ouvido Médio = 34.5) Divisão do esqueleto: 1. Esqueleto Axial - Composta pelos ossos da cabeça, pescoço e do tronco. 2. Esqueleto Apendicular - Composta pelos membros superiores e inferiores.A união do esqueleto axial com o apendicular se faz por meio das cinturas escapular epélvica.Prof. Esp. Roberto Pereira de Oliveira 13
  • 15. e-mail: cinesiologiafaum@gmail.com blog: www.robertopeoli.blogspot.com5) Artrologia – Sistema Articular:5.1) Classificação das articulações: • ARTICULAÇÕES SINARTRODIAIS: imóveis. Ex: suturas dos ossos do crânio e alvéolos dos dentes; • ARTICULAÇÕES ANFIARTRODIAIS: ligeiramente móveis: 1. SINDESMOSES: tipo de articulação que se mantém junta por meio de estruturas ligamentares fortes, que tem movimento mínimo entre os ossos. Ex: art. Coracoclavicular e a art. Tibiofibular inferior; 2. SINCONDROSE: tipo de articulação separada por uma fibrocartilagem que permite muito pouco movimento entre os ossos. Ex: sínfise púbica e as articulações costocondrais das costelas com o esterno. • ARTICULAÇÕES DIARTRODIAIS: livremente móveis, são conhecidas como sinoviais. Contém: cápsula articular, líquido sinovial, ligamentos e disco fibrocartilagem(algumas).5.2) Articulações diartrodiais: • ART. ARTRODIAL (DESLIZANTE): caracteriza-se por duas superfícies ósseas planas que se confrontam diretamente. Ex: ossos carpais do punho e as art. Tarsometatarsais do pé. • ART. CONDILOIDAL ( BOLA E SOQUETE BIAXIAL): tipo de articulação em que os ossos permitem movimento em dois planos sem rotação. Ex: punho entre rádio e a fileira proximal de ossos carpais. • ART. ENARTRODIAL (BOLA E SOQUETE MULTIAXIAL): tipo de articulação que permite movimento em todos os planos. Ex: art. Do ombro (glenoumeral) e do quadril; • ART. GÍNGLIMA ( DOBRADIÇA): tipo de articulação que permite grande amplitude de movimentos em apenas um plano. Ex: art. Do cotovelo, tornozelo e do joelho; • ART. SELAR (EM SELA): encontrada apenas no dedo polegar, na articulação carpometacarpal, e permite movimento de bola e soquete, com exceção da rotação; • ART. TROCOIDAL (PIVÔ): trata-se de um tipo de articulação com movimento rotacional em torno de um eixo longo. Ex: rotação do rádio na articulação radioulnar.Prof. Esp. Roberto Pereira de Oliveira 14
  • 16. e-mail: cinesiologiafaum@gmail.com blog: www.robertopeoli.blogspot.com5.3) Classificação dos movimentos nas articulações: • FLEXÃO: movimento de inclinação que resulta em diminuição do ângulo da articulação pela aproximação dos ossos. • EXTENSÃO: movimento de alongamento que resulta em aumento do ângulo da articulação pela separação dos ossos. • ABDUÇÃO: movimento lateral afastado da linha média do tronco. • ADUÇÃO: movimento feito medialmente em direção à linha média do tronco. • CIRCUNDUÇÃO: movimento circular de um membro. • ABDUÇÃO DIAGONAL: movimento de um membro num plano diagonal, afastando-se da linha média do corpo. • ADUÇÃO DIAGONAL: movimento de um membro num plano diagonal na direção da linha média do corpo. • ROTAÇÃO EXTERNA (LATERAL): movimento rotacional em torno do eixo longitudinal de um osso, afastando da linha média do corpo. • ROTAÇÃO INTERNA (MEDIAL): movimento rotacional em torno do eixo longitudinal de um osso em direção à linha média do corpo.5.4) Movimentos específicos (Articulação do tornozelo e pé): • EVERSÃO: virar a sola do pé para fora ou lateralmente,no plano frontal. • INVERSÃO: virar a sola do pé para dentro ou medialmente no plano frontal. • FLEXÃO DORSAL (DORSIFLEXÃO): movimento de extensão do tornozelo que resulta em o pé e/ou dedos moverem-se na direção da tíbia. • FLEXÃO PLANTAR: movimento de extensão do tornozelo que resulta em pé e/ou dedos afastarem-se do corpo.5.5) Movimentos específicos (Articulação radioulnar): • PRONAÇÃO: girar internamente o rádio no plano transverso, de modo que ele fique diagonal em relação à ulna, resultando na posição do antebraço de palma da mão voltada para baixo. • SUPINAÇÃO: girar externamente o rádio no plano transverso, de modo que ele fique paralelo à ulna, resultando na posição do antebraço de palma da mão para cima.5.6) Movimentos específicos (Articulação do quadril): • BÁSCULA POSTERIOR/RETROVERSÃO/ MOVTO CONTRA- MUTAÇÃO(encaixe do quadril):Posição da pelve na qual o plano vertical através das espinhas ântero-superiores é posterior ao plano vertical através da sínfise púbica. • BÁSCULA ANTERIOR/ANTEROVERSÃO/ MOVTO DE MUTAÇÃO(desencaixe do quadril):Posição da pelve na qual o plano vertical através das espinhas ântero-superiores é anterior ao plano vertical através da sínfise púbica.5.7) Movimentos específicos (Articulação da cintura escapular e ombro):Prof. Esp. Roberto Pereira de Oliveira 15
  • 17. e-mail: cinesiologiafaum@gmail.com blog: www.robertopeoli.blogspot.com • ELEVAÇÃO: movimento superior da cintura escapular no plano frontal. Ex: encolher os ombros. • ABDUÇÃO HORIZONTAL (extensão horizontal): movimento de afastamento do úmero, no plano horizontal, em relação à linha média do corpo. • ADUÇÃO HORIZONTAL (flexão horizontal): movimento do úmero no plano horizontal em direção à linha média do corpo. • PROTRAÇÃO(abdução da escápula): movimento para frente da cintura escapular no plano horizontal, afastando-se da coluna vertebral. • RETRAÇÃO (adução da escápula): movimento para trás da cintura escapular no plano horizontal em direção à coluna vertebral. • ROTAÇÃO PARA BAIXO (interna): movimento rotacional da escápula no plano frontal com o ângulo inferior da escápula movendo-se medialmente e para baixo. • ROTAÇÃO PARA CIMA (externa): movimento rotatório da escápula no plano frontal com o ângulo inferior da escápula, movendo-se lateralmente e para cima. MOVIMENTO PLANO EIXOFLEXÃO SAGITAL TRANSVERSALEXTENSÃO SAGITAL TRANSVERSALABDUÇÃO FRONTAL ÂNTERO-POSTERIORADUÇÃO FRONTAL ÂNTERO-POSTERIORROTAÇÃO MEDIAL TRANSVERSAL LONGITUDINALROTAÇÃO LATERAL TRANSVERSAL LONGITUDINALCIRCUNDUNÇÃO COMBINADO COMBINADOABDUÇÃO HORIZONTAL TRANSVERSAL LONGITUDINALADUÇÃO HORIZONTAL TRANSVERSAL LONGITUDINALPRONAÇÃO TRANSVERSAL LONGITUDINALSUPINAÇÃO TRANSVERSAL LONGITUDINALDORSIFLEXÃO SAGITAL TRANSVERSALFLEXÃO PLANTAR SAGITAL TRANSVERSALEVERSÃO COMBINADO COMBINADOINVERSÃO COMBINADO COMBINADORETROVERSÃO SAGITAL TRANSVERSALANTEROVERSÃO SAGITAL TRANSVERSAL6) Miologia – Sistema Muscular6.1) Conceito: • São estruturas individualizadas que cruzam uma ou mais articulações e pela sua contração são capazes de transmitir-lhes movimento. Este é efetuado por células especializadas denominadas fibras musculares, cuja energia latente é ou pode ser controlada pelo sistema nervoso. Os músculos são capazes de transformar energia química em energia mecânica. • O músculo vivo é de cor vermelha. Essa coloração denota a existência de pigmentos e de grande quantidade de sangue nas fibras musculares. • Os músculos representam 40-50% do peso corporal total.Prof. Esp. Roberto Pereira de Oliveira 16
  • 18. e-mail: cinesiologiafaum@gmail.com blog: www.robertopeoli.blogspot.com6.2) Funções do músculo: • Produção dos movimentos corporais: Movimentos globais do corpo, como andar e correr. • Estabilização das Posições Corporais: A contração dos músculos esqueléticos estabilizam as articulações e participam da manutenção das posições corporais, como a de ficar em pé ou sentar. • Regulação do Volume dos Órgãos: A contração sustentada das faixas anelares dos músculos lisos (esfíncteres) pode impedir a saída do conteúdo de um órgão oco. • Movimento de Substâncias dentro do Corpo: As contrações dos músculos lisos das paredes vasos sangüíneos regulam a intensidade do fluxo. Os músculos lisos também podem mover alimentos, urina e gametas do sistema reprodutivo. Os músculos esqueléticos promovem o fluxo de linfa e o retorno do sangue para o coração. • Produção de Calor: Quando o tecido muscular se contrai ele produz calor e grande parte desse calor liberado pelo músculo é usado na manutenção da temperatura corporal.6.3) Propriedades funcionais: • EXTENSIBILIDADE: é a capacidade de o tecido ser estirado ou aumentar de comprimento • ELASTICIDADE: é a capacidade muscular permite que omúsculo retorne ao seu comprimento normal de repouso após um estiramento e proporciona suavidade na transmissão de tensão de tensão do músculo para o osso. • IRRITABILIDADE: é a capacidade de responder a um estímulo (eletroquímicos ou mecânico). • CAPACIDADE DE DESENVOLVER TENSÃO: contração, ou componente contrátil da função muscular.6.4) Classificação quanto à situação: • Superficiais ou Cutâneos: Estão logo abaixo da pele e apresentam no mínimo uma de suas inserções na camada profunda da derme. Estão localizados na cabeça (crânio e face), pescoço e na mão (região hipotenar). Exemplo: Platisma • Profundos ou Subaponeuróticos: São músculos que não apresentam inserções na camada profunda da derme, e na maioria das vezes, se inserem em ossos. Estão localizados abaixo da fáscia superficial. Exemplo: Supinador.6.5) Classificação quanto à forma: • Longos: São encontrados especialmente nos membros. Os mais superficiais são os mais longos, podendo passar duas ou mais articulações. Exemplo: Bíceps braquial • Curtos: Encontram-se nas articulações cujos movimentos tem pouca amplitude, o que não exclui força nem especialização. Exemplo: Músculos da mão.Prof. Esp. Roberto Pereira de Oliveira 17
  • 19. e-mail: cinesiologiafaum@gmail.com blog: www.robertopeoli.blogspot.com • Largos: Caracterizam-se por serem laminares. São encontrados nas paredes das grandes cavidades (tórax e abdome). Exemplo: Diafragma6.6) Classificação quanto à disposição das fibras: • Reto: Paralelo à linha média. Ex: Reto abdominal. • Transverso: Perpendicular à linha média. Ex: Transverso abdominal • Oblíquo: Diagonal à linha média. Ex: Oblíquo externo.6.7) Componentes Anatômicos dos Músculos Estriados: A. Ventre Muscular é a porção contrátil do músculo, constituída por fibras musculares que se contraem. Constitui o corpo do músculo (porção carnosa). B. Tendão é um elemento de tecido conjuntivo, ricos em fibras colágenas e que serve para fixação do ventre, em ossos, no tecido subcutâneo e em cápsulas articulares. Possuem aspecto morfológico de fitas ou de cilindros. C. Aponeurose é uma estrutura formada por tecido conjuntivo. Membrana que envolve grupos musculares. Geralmente apresenta-se em forma de lâminas ou em leques. D. Bainhas Tendíneas são estruturas que formam pontes ou túneis entre as superfícies ósseas sobre as quais deslizam os tendões. Sua função é conter o tendão, permitindo-lhe um deslizamento fácil. E. Bolsas Sinoviais são encontradas entre os músculos ou entre um músculo e um osso. São pequenas bolsas forradas por uma membrana serosa que possibilitam o deslizamento muscular.6.8) Componentes Anatômicos do Tecido Conjuntivo: • Fáscia Superficial separa os músculos da pele. • Fáscia Muscular é uma lâmina ou faixa larga de tecido conjuntivo fibroso, que, abaixo da pele, circunda os músculos e outros órgãos do corpo. • Epimísio é a camada mais externa de tecido conjuntivo, circunda todo o músculo. • Perimísio circunda grupos de 10 a 100 ou mais fibras musculares individuais, separando-as em feixes chamados fascículos. Os fascículos podem ser vistos a olho nu. • Endomísio é um fino revestimento de tecido conjuntivo que penetra no interior de cada fascículo e separa as fibras musculares individuais de seus vizinhos.6.9) O papel dos músculos: • AGONISTA: descrito em geral como músculo que, quando contraídos concentricamente, provocam movimento articular num plano especificado de movimento; conhecidos como motores primários ou principais,ou músculos mais envolvidos.Prof. Esp. Roberto Pereira de Oliveira 18
  • 20. e-mail: cinesiologiafaum@gmail.com blog: www.robertopeoli.blogspot.com • ANTAGONISTA: músculo que normalmente se localizam no lado oposto ao da articulação em relação ao agonista e que possuem ação oposta, conhecido como músculos contralaterais. • ESTABILIZADORES: músculos que circundam a articulação ou parte do corpo e se contraem para fixar ou estabilizar a área de modo a permitir que outro membro ou segmento do corpo exerça força e se mova;conhecidos como fixadores. • SINERGISTAS: músculos que participam da ação do agonista mas que não são diretamente responsáveis por ela; conhecidos como músculos guias, ajudam em movimentos refinados e eliminam movimentos indesejados. • NEUTRALIZADORES: contrabalançam ou neutralizam a ação de outro músculo de modo a prevenir movimentos indesejáveis; conhecidos como neutralizadores, eles se contraem para resistir a ações específicas de outros músculos.6.10) Terminologia dos músculos: • ORIGEM: fixação proximal, considerada em geral como parte menos móvel ou parte que se fixa mais perto da linha média ou do centro do corpo. • INSERÇÃO: fixação distal, considerada em geral como a parte mais móvel ou a que se fixa mais longe da linha média ou do centro do corpo. • UNIARTICULARES: são aqueles que cruzam e agem sobre apenas uma articulação. • BIARTICULARES: são aqueles que cruzam e agem sobre duas articulações diferentes. • MULTIARTICULARES: agem em três ou mais articulações devido a linha de tração entre sua origem e sua inserção cruzar várias articulações.6.11) Tipos de trabalhos musculares: • CONTRAÇÃO ISOMÉTRICA: ocorre quando se desenvolve tensão dentro do músculo,mas não ocorre alteração apreciável no ângulo articular nem no comprimento muscular. Sendo também conhecida como contração estática. A força desenvolvida pelo músculo é igual à da resistência. • CONTRAÇÃO ISOTÔNICA: ocorre quando se desenvolve tensão no músculo enquanto ele se encurta ou se alonga; é também conhecida como contração dinâmica e pose ser classificada como concêntrica ou excêntrica. A força desenvolvida pelo músculo é maior ou menor que a da resistência. 1. CONTRAÇÃO CONCÊNTRICA: envolve o desenvolvimento de tensão por parte do músculo enquanto ele se encurta e ocorre quando o músculo desenvolve força suficiente para vencer a resistência aplicada. 2. CONTRAÇÃO EXCÊNTRICA: envolve o alongamento do músculo durante o desenvolvimento de tensão e ocorre quando a tensão do músculo gradualmente diminui para controlar a redução da resistência. • CONTRAÇÃO ISOCINÉTICA: é um tipo especial de contração, na qual a velocidade de encurtamento permanece constante. Essa contração exige um equipamento especializado e caro, que modifica a resistência instantaneamente na proporção da força criada em cada ângulo articular.Prof. Esp. Roberto Pereira de Oliveira 19
  • 21. e-mail: cinesiologiafaum@gmail.com blog: www.robertopeoli.blogspot.com CINESIOLOGIA APLICADA:7) Articulação do ombro e cintura escapular:7.1) Ossos: • Escápula • Clavícula • Úmero7.2) Movimentos da escápula:  Protração,  Retração,  Elevação,  Depressão,  Rotação para cima (externa),  Rotação para baixo (interna).7.3) Movimentos dos ombros: • Flexão, • Extensão, • Abdução, • Adução, • Rotação Interna, • Rotação Externa, • Abdução Horizontal, • Adução Horizontal, • Abdução Diagonal • Adução Diagonal, • Circundução.7.4) Articulações: • ESTERNOCLAVICULAR – Articulação artrodial (multiaxial) – MOVE-SE: • Protração 15°; • Retração 15°; • Elevação 45°; • Depressão 5°. • ACROMIOCLAVICULAR – Articulação artrodial • MOVE-SE: • Rotação de 20 a 30° • CORACOCLAVICULAR: – Sindesmose – Poucos movimentosProf. Esp. Roberto Pereira de Oliveira 20
  • 22. e-mail: cinesiologiafaum@gmail.com blog: www.robertopeoli.blogspot.com • ESCAPULOTORÁCICA: – Não é uma articulação sinovial verdadeira; • MOVE-SE: • Abdução e adução 25° • Rotação sup e inferior 60° • Elevação e depressão 55° • GLENOUMERAL: – Articulação esférica enartrodial. • MOVE-SE: • Abdução 90° a 95°, • Adução 0° ou 75° anterior ao tronco, • Extensão 40° a 60°, • Flexão 90° a 100°, • Rotação int e ext. 70° a 90°, • Abdução horizontal 45°, • Adução horizontal 135°.7.5) Bolsas sinoviais: • Bolsas que secretam líquido sinovial internamente, com finalidade de reduzir atrito entre os tecidos; • Bolsas: subescapulares, subcoracóidea e subacromial.7.6) Músculos:MÚSCULO TRAPÉZIO • ORIGEM: – Fibras superiores: base do crânio, protuberância occiptal e ligamentos posteriores do pescoço. – Fibras médias: processos espinhosos que vão da quarta vértebra cervical e das três vértebras torácicas superiores. – Fibras inferiores: processos espinhosos que vão da quarta vértebra à decima segunda torácica. • INSERÇÃO: – Fibras superiores: aspecto posterior do terço lateral da clavícula. – Fibras médias: bordo medial do processo acromial e bordo superior da espinha escapular. – Fibras inferiores: espaço triangular na base da espinha escapular. • AÇÃO: – Fibras superiores:elevação da escápula; extensão da cabeça no pescoço. – Fibras médias: elevação, rotação para cima e adução da escápula. – Fibras inferiores: depressão, adução e rotação para cima da escápula. • INERVAÇÃO: – Nervo acessório (nono nervo craniano) e ramificações de c3 e c4.MÚSCULO ELEVADOR DA ESCÁPULA • ORIGEM: – Processos transversos das quatro vértebras cervicais superiores.Prof. Esp. Roberto Pereira de Oliveira 21
  • 23. e-mail: cinesiologiafaum@gmail.com blog: www.robertopeoli.blogspot.com • INSERÇÃO: – Bordo medial da escápula acima da base da espinha escapular. • AÇÃO: – Eleva a margem medial da escápula. • INERVAÇÃO: – Nervo c5 e ramificações de c3 3 c4 da escápula dorsal.MÚSCULOS ROMBÓIDES – MAIOR E MENOR • ORIGEM: – Processos espinhosos da última vértebra cervical e primeiras cinco vértebras torácicas. • INSERÇÃO: – Bordo medial da escápula, abaixo da espinha. • AÇÃO: – Trabalham juntos – Adução (retração) escápula – Rotação para baixo escápula – Elevação escápula • INERVAÇÃO: – Nervo escapular dorsal (c5).MÚSCULO SERRÁTIL ANTERIOR • ORIGEM: – Superfície das nove costelas superiores do lado do tórax. • INSERÇÃO: – Aspecto anterior do comprimento total do bordo medial da escápula. • AÇÃO: – Abdução(protração) escápula, – Rotação para cima da escápula, • INERVAÇÃO: – Nervo torácico longo (c5-7).MÚSCULO PEITORAL MENOR • ORIGEM: – Superfície anterior da terceira à quinta costela. • INSERÇÃO: – Processo coracóide da escápula. • AÇÃO: – Abdução (protração) escápula, – Rotação para baixo da escápula, – Depressão da escápula. • INERVAÇÃO: – Nervo peitoral medial (c7-t1).MÚSCULO SUBCLÁVICO • ORIGEM:Prof. Esp. Roberto Pereira de Oliveira 22
  • 24. e-mail: cinesiologiafaum@gmail.com blog: www.robertopeoli.blogspot.com –Aspecto superior da primeira costela, na junção com sua cartilagem costal. • INSERÇÃO: – Sulco inferior na porção média da clavícula. • AÇÃO: – Estabilização e proteção da articulação esternoclavicular. • INERVAÇÃO: – Fibras nervosas de c5 e c6.MÚSCULO DELTÓIDE • ORIGEM: – Fibras anteriores: terço lateral anterior da clavícula, – Fibras médias: aspecto lateral do acrômio, – Fibras posteriores: borda inferior da espinha da escápula. • INSERÇÃO: – Tuberiosidade deltóide no úmero lateral. • AÇÃO: – Fibras anteriores: abdução, flexão, adução horizontal, – Fibras médias: abdução da articulação glenoumeral, – Fibras posteriores: abdução, extensão, abdução horizontal e rotação externa da art. Glenoumeral. • INERVAÇÃO: – Nervo axilar (c5,6).MÚSCULO CORACOBRAQUIAL • ORIGEM: – Processo coracóide da escápula. • INSERÇÃO: – Meio do bordo medial do eixo umeral. • AÇÃO: – Flexão da art. Glenoumeral, – Adução da art. Glenoumeral, – Adução horizontal da art. Glenoumeral. • INERVAÇÃO: – Nervo músculo-cutâneo (c5-7).MÚSCULO SUPRA-ESPINHOSO • ORIGEM: – Dois terços mediais da fossa supra-espinhosa. • INSERÇÃO: – Superiormente no tubérculo maior do úmero. • AÇÃO: – Abdução fraca – Estabilização da cabeça do úmero na fossa glenóide. • INERVAÇÃO: – Nervo supra-escapular (c5).Prof. Esp. Roberto Pereira de Oliveira 23
  • 25. e-mail: cinesiologiafaum@gmail.com blog: www.robertopeoli.blogspot.comMÚSCULO INFRA-ESPINHOSO • ORIGEM: – Aspecto medial da fossa infra-espinhosa logo abaixo da espinha da escápula. • INSERÇÃO: – Posteriormente no tubérculo maior do úmero. • AÇÃO: – Rotação externa da art. Glenoumeral, – Abdução horizontal da art. Glenoumeral. – Extensão da art. Glenoumeral, – Estabilização da cabeça do úmero na fossa glenóide. • INERVAÇÃO: – Nervo supra-escapular (c5,6).MÚSCULO REDONDO MENOR • ORIGEM: – Posteriormente nos aspectos superior e médio do bordo lateral da escápula. • INSERÇÃO: – Posteriormente no tubérculo maior do úmero. • AÇÃO: – Rotação externa da art. Glenoumeral, – Abdução horizontal da art glenoumeral, – Extensão da art. Glenoumeral, – Estabilização da cabeça umeral na fossa glenóide. • INERVAÇÃO: – Nervo axilar (c5,6).MÚSCULO REDONDO MAIOR • ORIGEM: – Posteriormente no terço inferior do bordo lateral da escápula, logo acima do ângulo inferior. • INSERÇÃO: – Lábio medial do sulco intertubercular do úmero. • AÇÃO: – Extensão da art. Glenoumeral – Rotação interna da art. Glenoumeral, – Adução da art. Glenoumeral • INERVAÇÃO: – Nervo subscapular inferior (c5,6).MÚSCULO SUBESCAPULAR • ORIGEM: – Toda superfície anterior da fossa subescapular. • INSERÇÃO: – Tubérculo menor do úmero.Prof. Esp. Roberto Pereira de Oliveira 24
  • 26. e-mail: cinesiologiafaum@gmail.com blog: www.robertopeoli.blogspot.com • AÇÃO: – Rotação interna da art. Glenoumeral, – Adução da art. Glenoumeral, – Extensão da art. Glenoumeral, – Estabilização da cabeça umeral na fossa glenóide. • INERVAÇÃO: – Nervo subescapular superior e inferior (C5,6).MÚSCULO GRANDE DORSAL • ORIGEM: – Crista posterior do ílio, costas do sacro e processos espinhosos das vértebras lombares e seis vértebras torácicas inferiores (t6-12); ramifica- se nas três costelas inferiores. • INSERÇÃO: – Lado medial do sulco intertubercular do úmero. • AÇÃO: – Adução da art. Glenoumeral, – Extensão da art. Glenoumeral, – Rotação interna da art. Glenoumeral, – Abdução horizontal da art. Glenoumeral. • INERVAÇÃO: – Nervo toraco-dorsal (C6-8).MÚSCULO PEITORAL MAIOR • ORIGEM: – Fibras superiores (cabeça clavicular): metade medial da superfície anterior da clavícula. – Fibras inferiores (cabeça esternal): superfície anterior da cartilagem costal das seis primeiras costelas e porção adjacente do esterno. • INSERÇÃO: – Tendão plano com largura de 5 a 8 cm no lábio externo do sulco intertubercular do úmero. • AÇÃO: – Fibras superiores: rotação interna, adução horizontal, flexão, abdução(auxilia) e adução da art. Glenoumeral. – Fibras inferiores: rotação interna, adução horizontal, extensão e adução da art glenoumeral. • INERVAÇÃO: – Fibras superiores: nervo peitoral lateral (C5-7) – Fibras inferiores: nervo peitoral medial (C8, T1).7.7) Músculo Manguito Rotator: • FUNÇÃO: manutenção da cabeça do úmero dentro da cavidade glenóide. • SIRS: – Supra-espinhoso, – Infra-espinhoso, – Redondo menor eProf. Esp. Roberto Pereira de Oliveira 25
  • 27. e-mail: cinesiologiafaum@gmail.com blog: www.robertopeoli.blogspot.com – Subescapular.7.8) Lesões comuns do ombro: • Luxações, • Lesão do manguito rotator (síndrome do impacto), • Bursite, • Neuropatia subescapular (paralisia de nervo subescapular) • Overuse8) Articulação do Cotovelo:8.1) Ossos: • Úmero, • Ulna, • Rádio.8.2) Movimentos articulares: • Articulação do cotovelo: – Flexão – Extensão • Articulação rádio ulnar: – Pronação – Supinação8.3) Articulações: • Cotovelo: – Articulação ginglimóide ou dobradiça, – Move-se: • Flexão 145° a 150° • Extensão 0°. • Radioulnar: – Articulação trocóide ou de pivô. – Move-se: • Supinação 80° a 90° • Pronação 70° a 90°.8.4) Músculos:MÚSCULO BÍCEPS BRAQUIAL • ORIGEM: – Cabeça longa: tubérculo supraglenóide acima do lábio superior da fossa glenóide. – Cabeça curta: processo coracóide da escápula e lábio superior da fossa glenóide. • INSERÇÃO: – Tuberiosidade do rádio e aponeurose bicipital.Prof. Esp. Roberto Pereira de Oliveira 26
  • 28. e-mail: cinesiologiafaum@gmail.com blog: www.robertopeoli.blogspot.com • AÇÃO: – Flexão do cotovelo – Supinação do antebraço – Flexão fraca da articulação do ombro. • INERVAÇÃO: – Nervo músculo-cutâneo (C5,6).MÚSCULO BRAQUIAL • ORIGEM: – Metade distal da porção anterior do úmero. • INSERÇÃO: – Processo coronóide da ulna. • AÇÃO: – Flexão verdadeira do cotovelo • INERVAÇÃO: – Nervo músculo-cutâneo e , às vezes, ramificações dos nervos radial e mediano (C5,6).MÚSCULO BRAQUIORRADIAL • ORIGEM: – Dois terços distais da crista condilóide (supracondilar) lateral do úmero. • INSERÇÃO: – Superfícies laterais da extremidade distal do rádio, no processo estilóide. • AÇÃO: – Flexão do cotovelo, – Pronação da posição supinada para neutra, – Supinação da posição pronada para neutra. • INERVAÇÃO: – Nervo radial (C5,6).MÚSCULO TRÍCEPS BRAQUIAL • ORIGEM: – Cabeça longa: tubérculo infraglenóide abaixo do lábio inferior da fossa glenóide da escápula. – Cabeça lateral: metade superior da superfície posterior do úmero, – Cabeça medial: dois terços distais da superfície posterior do úmero. • INSERÇÃO: – Processo olécrano da ulna. • AÇÃO: – Todas as cabeças: extensão do cotovelo, – Cabeça longa: extensão da art. Do ombro, adução da art do ombro. • INERVAÇÃO: – Nervo radial (C7,8).MÚSCULO ANCÔNEO • ORIGEM:Prof. Esp. Roberto Pereira de Oliveira 27
  • 29. e-mail: cinesiologiafaum@gmail.com blog: www.robertopeoli.blogspot.com – Superfície posterior do côndilo lateral do úmero. • INSERÇÃO: – Superfície posterior do processo do olécrano da ulna. • AÇÃO: – Extensão do cotovelo. • INERVAÇÃO: – Nervo radial (C7,8).MÚSCULO PRONADOR REDONDO • ORIGEM: – Parte distal da crista condilóide medial do úmero e porção medial da ulna. • INSERÇÃO: – Terço médio da superfície lateral do rádio. • AÇÃO: – Pronação do antebraço, – Flexão fraca do cotovelo. • INERVAÇÃO: – Nervo mediano (C6,7).MÚSCULO PRONADOR QUADRADO • ORIGEM: – Quarto distal do lado anterior da ulna. • INSERÇÃO: – Quarto distal do lado anterior do rádio. • AÇÃO: – Pronação do antebraço. • INERVAÇÃO: – Nervo mediano, (ramo interósseo palmar) (C6,7).MÚSCULO SUPINADOR • ORIGEM: – Epicôndilo lateral do úmero e parte posterior próxima da ulna. • INSERÇÃO: – Superfície lateral do rádio proximal logo abaixo da cabeça do rádio. • AÇÃO: – Supinação do antebraço • INERVAÇÃO: – Nervo radial (C6).8.5) Lesões comuns do cotovelo • Entorses, • Luxações, • Overuse, • Epicondilite – Cotovelo de tenista(lateral)Prof. Esp. Roberto Pereira de Oliveira 28
  • 30. e-mail: cinesiologiafaum@gmail.com blog: www.robertopeoli.blogspot.com – Cotovelo de golfista(medial).9) Articulação do punho e da mão9.1) Ossos: • Rádio, • Ulna, • 8 carpais, – Escafóide, – Semilunar, – Pisiforme, – Piramidal, – Hamato, – Capitato – Trapezoide, – Trapézio. • 5 metacarpais, • 14 falanges • 1 sesamóide (tendão flexor – polegar).9.2) Movimentos articulares: • Flexão do punho, • Extensão do punho, • Abdução do punho • Adução do punho, • Flexão dos dedos e do polegar, • Extensão dos dedos e do polegar.9.3) Articulações: • Articulação do punho – Art. Condilóide – Move-se: • Flexão 70° a 90°, • Extensão 65° a 85°, • Abdução 15° a 25°, • Adução 25° a 40°. • Articulações metacarpofalangianas – Art condilóides – Extensão 0° a 40°, – Flexão 85° a 100°. • Articulações interfalangianas(proximais e distais) – Art. Ginglimóides – Extensão completa, – Flexão 80° a 120° • Articulação carpometacarpal – Art. Selar – Abdução 50° a 70° – Flexão 15° a 45°Prof. Esp. Roberto Pereira de Oliveira 29
  • 31. e-mail: cinesiologiafaum@gmail.com blog: www.robertopeoli.blogspot.com – Extensão 0° a 20°.9.4) Músculos:MÚSCULO FLEXOR RADIAL DO CARPO • ORIGEM: – Epicôndilo medial do úmero • INSERÇÃO: – Base do segundo e terceiro metacarpais, anterior (superfície palmar) • AÇÃO: – Flexão do punho – Abdução do punho – Flexão fraca do cotovelo • INERVAÇÃO: - nervo mediano (C6,7)MÚSCULO PALMAR LONGO • ORIGEM: – Epicôndilo medial do úmero • INSERÇÃO: – Aponeurose do segundo, terceiro, quarto e quinto metacarpais. • AÇÃO: – Flexão do punho – Flexão fraca do cotovelo • INERVAÇÃO: - nervo mediano (C6,C7)MÚSCULO FLEXOR ULNAR DO CARPO • ORIGEM: – Epicôndilo medial do úmero – Aspecto posterior da ulna proximal • INSERÇÃO: – Pisiforme, hamato e base do quinto metacarpal (superfície palmar) • AÇÃO: – Flexão do punho – Adução do punho, junto com o músc. Extensor ulnar do punho. – Flexão fraca do cotovelo. • INERVAÇÃO: – Nervo ulnar (C8,T1)MÚSCULO EXTENSOR ULNAR DO CARPO • ORIGEM: – Epicôndilo lateral do úmero – No meio do bordo posterior da ulna, à altura do segundo quarto. • INSERÇÃO: – Base do quinto metacarpal (superfície dorsal) • AÇÃO:Prof. Esp. Roberto Pereira de Oliveira 30
  • 32. e-mail: cinesiologiafaum@gmail.com blog: www.robertopeoli.blogspot.com – Extensão do punho – Adução do punho junto com o músculo flexor ulnar do punho, – Extensão fraca do cotovelo. • INERVAÇÃO: – Nervo radial (C6,8).MÚSCULO EXTENSOR RADIAL CURTO DO CARPO • ORIGEM: – Epicôndilo lateral do úmero. • INSERÇÃO: – Base do terceiro metacarpal (superfície dorsal) • Ação: – Extensão do punho – Abdução do punho – Extensão fraca do cotovelo. • INERVAÇÃO: – Nervo radial (C6,7)MÚSCULO EXTENSOR RADIAL LONGO DO CARPO • ORIGEM: – Terço inferior da crista supracondiliana lateral do úmero e epicôndilo lateral do úmero. • INSERÇÃO: – Base do segundo metacarpal (superfícia dorsal) • AÇÃO: – Extensão do punho – Abdução do punho – Extensão fraca do cotovelo. • INERVAÇÃO: – Nervo radial (C6,7).MÚSCULO FLEXOR SUPERFICIAL • ORIGEM: – Epicôndilo medial do úmero. – Cabeça ulnar: processo coronóide medial. – Cabeça radial: dois terços superiores do bordo anterior do rádio. • INSERÇÃO: – Cada tendão divide-se e fixa-se nos lados da falange média dos quatros dedos (superfície palmar) • AÇÃO: – Flexão dos dedos nas art. Metacarpofalangianas e interfalangianas proximais. – Flexão do punho – Flexão fraca do cotovelo • INERVAÇÃO: – Nervo mediano (C7,8 E T1).Prof. Esp. Roberto Pereira de Oliveira 31
  • 33. e-mail: cinesiologiafaum@gmail.com blog: www.robertopeoli.blogspot.comMÚSCULO FLEXOR PROFUNDO • ORIGEM: – Três quartos proximais da ulna anterior e medial. • INSERÇÃO: – Base das falanges distais dos quatro dedos. • AÇÃO: – Flexão dos quatro dedos nas art. Metacarpofalangianas, interfalangianas proximais e interfalangianas distais, – Flexão do punho. • INERVAÇÃO: – Nervo mediano (C8,T1) para o segundo e terceiro dedo – Nervo ulnar (C8, t1) para o quarto e quinto dedo.MÚSCULO FLEXOR LONGO DO POLEGAR • ORIGEM: – Superfície anterior média do rádio e bordo medial anterior da ulna, próximo distalmente do processo coronóide. • INSERÇÃO: – Base da falange distal do polegar (superfície palmar) • AÇÃO: – Flexão carpometacarpal do polegar, das art. Metacarpofalangianas e interfalangianas – Flexão do punho • INERVAÇÃO: - nervo mediano, ramo interósseo palmar (C8,T1)MÚSCULO EXTENSOR DOS DEDOS • ORIGEM: – Epicôndilo lateral do úmero • INSERÇÃO: – Quatro tendões para as bases das falanges média e distal dos quatro dedos (superfície dorsal) • AÇÃO: – Extensão da 2ª,3ª,4ª e 5ª falange das art. metacarpofalangianas. – Extensão do punho – Extensão fraca do cotovelo. • INERVAÇÃO: – Nervo radial (C6,8)MÚSCULO EXTENSOR DO DEDO INDICADOR • ORIGEM: – Terço médio ao distal da ulna posterior • INSERÇÃO: – Base das falanges média e distal da segunda falange (superfície dorsal) • AÇÃO: – Extensão do dedo indicador na art. Metacarpofalangiana.Prof. Esp. Roberto Pereira de Oliveira 32
  • 34. e-mail: cinesiologiafaum@gmail.com blog: www.robertopeoli.blogspot.com – Extensão fraca do punho. • INERVAÇÃO: – Nervo radial (C6,8)MÚSCULO EXTENSOR DO DEDO MÍNIMO • ORIGEM: – Epicôndilo lateral do úmero • INSERÇÃO: – Base das falanges média e distal da quinta falange (superfície dorsal) • AÇÃO: – Extensão do dedo mínimo na art metacarpofalangiana – Extensão fraca do punho • INERVAÇÃO: – Nervo radial (C6,8)MÚSCULO EXTENSOR LONGO DO POLEGAR • ORIGEM: – Superfície lateral posterior da ulna média inferior • INSERÇÃO: – Base da falange distal do polegar (superfície dorsal). • AÇÃO: – Extensão do punho – Extensão do polegar • INERVAÇÃO: – Nervo radial (C6,8)MÚSCULO EXTENSOR CURTO DO POLEGAR • ORIGEM: – Superfície posterior do rádio médio inferior • INSERÇÃO: – Base da falange proximal do polegar (superfície dorsal) • AÇÃO: – Extensão do polegar na art. Metacarpofalangiana – Extensão fraca do punho • INERVAÇÃO: – Nervo radial (C6,7)MÚSCULO ABDUTOR LONGO DO POLEGAR • ORIGEM: – Aspecto posterior do rádio e corpo médio da ulna • INSERÇÃO: – Base do primeiro metacarpal (superfície dorsal) • AÇÃO: – Abdução do polegar na art carpometacarpal – Abdução do punho • INERVAÇÃO: – Nervo radial (C6,7)Prof. Esp. Roberto Pereira de Oliveira 33
  • 35. e-mail: cinesiologiafaum@gmail.com blog: www.robertopeoli.blogspot.comMÚSCULOS INTRÍNSECOS DA MÃO9.5) Lesões comuns • Entorses,Prof. Esp. Roberto Pereira de Oliveira 34
  • 36. e-mail: cinesiologiafaum@gmail.com blog: www.robertopeoli.blogspot.com • Luxação, • Fraturas, • Tendinites, • Síndrome do túnel do carpo,10) Cintura Pélvica10.1) Ossos: • Ossos pélvicos (d/e) – Ílio, – Isquio, – Púbis. • Fêmur10.2) Movimentos articulares: • Movimentos da cintura pélvica: – Rotação pélvica posterior, báscula posterior/retroversão/ movimento contra-mutação(encaixe do quadril) – Rotação pélvica anterior, báscula anterior/anteroversão/ movimento de mutação(desencaixe do quadril). – Rotação lateral direita/esquerda, – Rotação transversa direita/esquerda. • Movimentos da coxa: – Flexão, – Extensão, – Abdução – Adução – Rotação interna (medial), – Rotação externa (lateral).10.3) Articulações: • Sínfese púbica: – Articulação anfiartrodial • Articulação sacroilíaca: – Articulações rígidas • Articulação do quadril (coxo-femural): – Articulação enartrodial – Move-se: • Flexão 0° a 130° • Extensão 0° a 30°, • Rotação interna 0° a 45°, • Rotação externa 0° a 50°, • Abdução 0° a 30° • Adução 0° a 25°.10.4) Músculos:Prof. Esp. Roberto Pereira de Oliveira 35
  • 37. e-mail: cinesiologiafaum@gmail.com blog: www.robertopeoli.blogspot.comMÚSCULO ILIOPSOAS • ORIGEM: – Ilíaco: superfície interna do ílio, – Psoas maior e menor: bordos inferiores dos processos transversos (l1 – 5), lados do corpo das últimas vértebras torácicas (t12), vértebras lombares (l1-5), fibrocartilagens intervertebrais e base do sacro. • INSERÇÃO: – Ilíaco e psoas maior: trocânter menor do fêmur e haste logo abaixo. – Psoas menor: linha pectínea e eminência iliopectínea. • AÇÃO: – Flexão do quadril – Rotação externa do fêmur. • INERVAÇÃO: – Nervo lombar e nervo femoral (L2-4).  AÇÃO PARADOXAL DO PSOAS É a inversão da função do músculo Psoas."no qual o músculo Psoas, enquanto flete o quadril, causa a hiperextensão da regiãolombossacral através da inclinação pélvica anterior, embora o Psoas seja consideradoum flexor do tronco.O paradoxo é a inversão do papel de flexão/extensão, pode serobservado durante exercícios como os "abdominais" com os membros inferioresestendidos e elevação de ambos os membros inferiores. As vértebras lombares sãopuxadas para frente e para baixo pela contração do psoas. A contração do abdome evitaa inclinação anterior da pelve a menos que esses músculos estejam fatigados ou fracos;assim a pelve não gira para frente nem as vértebras lombares são hiperestendidas."(Cinesiologia e Anatomia aplicada, Philip J Rasch). • A origem do psoas maior na parte inferior das costas tende a movê-la anteriormente ou, na posição supina, a puxá-la para cima quando levantamos as pernas. • Os problemas na parte inferior das costas são muitas vezes agravados, por exercícios de elevação das pernas muito intensos e/ou prolongados.MÚSCULO SARTÓRIO • ORIGEM: – Espinha ilíaca superior anterior e incisura logo abaixo da espinha. • INSERÇÃO: – Côndilo medial anterior da tíbia. • AÇÃO: – Flexão do quadril, – Flexão do joelho, – Rotação externa da coxa quando ela flexiona o quadril e o joelho. • INERVAÇÃO: – Nervo femoral (L2-3).Prof. Esp. Roberto Pereira de Oliveira 36
  • 38. e-mail: cinesiologiafaum@gmail.com blog: www.robertopeoli.blogspot.comMÚSCULO RETO DA COXA • ORIGEM: – Espinha ilíaca inferior anterior do ílio e sulco (posterior) acima do acetábulo. • INSERÇÃO: – Aspecto superior da patela e tendão patelar sobre a tuberosidade tibial. • AÇÃO: – Flexão do quadril – Extensão do joelho. • INERVAÇÃO: – Nervo femoral (L2-4).MÚSCULO TENSOR DA FÁSCIA LATA • ORIGEM: – Crista ilíaca anterior e superfície do ílio logo abaixo da crista. • INSERÇÃO: – Um quarto do trajeto entre a coxa e o trato iliotibial que, por sua vez, se insere no tubérculo de gerdy do côndilo tibial ântero-lateral. • AÇÃO: – Abdução do quadril – Flexão do quadril. – Tendência a girar o quadril internamente quando ele flexiona. • INERVAÇÃO: – Nervo glúteo superior (L4-5, S1).MÚSCULOS ROTATORES LATERAIS PROFUNDOS • PIRIFORME, GÊMEO SUPERIOR, GÊMEO INFERIOR, OBTURADOR EXTERNO, OBTURADOR INTERNO, QUADRADO DA COXA • ORIGEM: – Sacro anterior, porções posteriores do ísquio e forame obturador. • INSERÇÃO: – Aspecto superior e posterior do trocânter maior. • AÇÃO: – Rotação externa do quadril. • INERVAÇÃO: – Piriforme: 1º ou 2º nervo sacral (S1-2) – Gêmeo superior: nervo sacral (L5,S1-S2) – Gêmeo inferior: ramo do plexo sacral (L4-5,S1-2) – Obturador externo: nervo obturador (L3-4) – Obturador interno: ramos do plexo sacral (L4-5, S1-2) – Quadrado da coxa: ramos do plexo sacral (L4-5,S1).MÚSCULO GLÚTEO MÍNIMO • ORIGEM: – Superfície lateral do ílio, abaixo da origem do glúteo médio.Prof. Esp. Roberto Pereira de Oliveira 37
  • 39. e-mail: cinesiologiafaum@gmail.com blog: www.robertopeoli.blogspot.com • INSERÇÃO: – Superfície anterior do trocânter maior do fêmur. • AÇÃO: – Abdução do quadril – Rotação interna quando o fêmur é abduzido • INERVAÇÃO: – Nervo glúteo superior (L4-5,S1).MÚSCULO GLÚTEO MÉDIO • ORIGEM: – Superfície lateral do ílio, logo abaixo da crista. • INSERÇÃO: – Superfície posterior e média do trocânter maior do fêmur. • AÇÃO: – Abdução do quadril, – Rotação externa quando o quadril é abduzido (fibras posteriores), – Rotação interna (fibras anteriores) • INERVAÇÃO: – Nervo glúteo superior (L4-5,S1).MÚSCULO GLÚTEO MÁXIMO • ORIGEM: – Primeiro quarto posterior da crista do ílio, superfície posterior do sacro e cóccix próximo ao ílio e fáscia da área lombar. • INSERÇÃO: – Crista oblíqua na superfície lateral do trocânter maior e banda iliotibial da fáscia lata. • AÇÃO: – Extensão do quadril, – Rotação externa do quadril, – Fibras inferiores, que ajudam na adução. • INERVAÇÃO: – Nervo glúteo inferior (L5, S1-2).MÚSCULO SEMITENDINOSO • ORIGEM: – Tuberiosidade isquial. • INSERÇÃO: – Superfície medial anterior superior da tíbia. • AÇÃO: – Extensão do quadril, – Flexão do joelho, – Rotação interna do quadril, – Rotação interna do joelho. • INERVAÇÃO: – Nervo ciático – divisão tibial (L5, S1-S2).Prof. Esp. Roberto Pereira de Oliveira 38
  • 40. e-mail: cinesiologiafaum@gmail.com blog: www.robertopeoli.blogspot.comMÚSCULO SEMIMEMBRANOSO • ORIGEM: – Tuberiosidade isquial. • INSERÇÃO: – Superfície pôstero-medial do côndilo tibial medial. • AÇÃO: – Extensão do quadril, – Flexão do joelho, – Rotação interna do quadril, – Rotação interna do joelho. • INERVAÇÃO: – Nervo ciático – divisão tibial (L5, S1-2).MÚSCULO BÍCEPS DO FÊMUR • ORIGEM: – Cabeça longa: tuberiosidade isquial, – Cabeça curta: metade inferior da linha áspera do fêmur e crista condilóide lateral. • INSERÇÃO: – Côndilo lateral da tíbia e cabeça da fíbula. • AÇÃO: – Extensão do quadril, – Flexão do joelho, – Rotação externa do quadril, – Rotação externa do joelho. • INERVAÇÃO: – Cabeça longa: nervo ciático – divisão tibial (s1-3), – Cabeça curta: nervo ciático – divisão peroneira (l5, s1-2).MÚSCULO ADUTOR CURTO • ORIGEM: – Frente do ramo púbico inferior, logo abaixo da origem do músculo adutor longo. • INSERÇÃO: – Dois terços inferiores da linha pectínea e metade superior do lábio medial da linha áspera do fêmur. • AÇÃO: – Adução do quadril, – Rotação externa quando aduz o quadril. • INERVAÇÃO: – Nervo obturador (L3-4).MÚSCULO ADUTOR LONGO • ORIGEM: – Púbis anterior logo abaixo da crista. • INSERÇÃO:Prof. Esp. Roberto Pereira de Oliveira 39
  • 41. e-mail: cinesiologiafaum@gmail.com blog: www.robertopeoli.blogspot.com – Terço médio da linha áspera do fêmur. • AÇÃO: – Adução do quadril, – Ajuda na flexão do quadril. • INERVAÇÃO: – Nervo obturador (L3-4).MÚSCULO ADUTOR MAGNO • ORIGEM: – Borda do ramo inteiro do púbis e do ísquio e tuberiosidade isquial. • INSERÇÃO: – Todo o comprimento da linha áspera do fêmur, crista condilóide interna e tubérculo adutor. • AÇÃO: – Adução do quadril, – Rotação externa quando o quadril é aduzido. • INERVAÇÃO: – Anterior: nervo abturador (l2-4), – Posterior: nervo ciático (l4-5,s1-3).MÚSCULO PECTÍNEO • ORIGEM: – Espaço de 2,5 cm de largura na frente do púbis, logo acima da crista. • INSERÇÃO: – Linha áspera que vai desde o trocânter menor até a linha áspera do fêmur. • AÇÃO: – Flexão do quadril, – Adução do quadril, – Rotação interna do quadril. • INERVAÇÃO: – Nervo femoral (L2-4).MÚSCULO GRÁCIL • ORIGEM: – Borda ântero-medial do ramo descendente do púbis. • INSERÇÃO: – Superfície medial anterior da tíbia abaixo do côndilo. • AÇÃO: – Adução do quadril, – Flexão do joelho, – Rotação interna do quadril. • INERVAÇÃO: – Nervo obturador (L2-4).10.5) Lesões comuns no quadril:Prof. Esp. Roberto Pereira de Oliveira 40
  • 42. e-mail: cinesiologiafaum@gmail.com blog: www.robertopeoli.blogspot.com • Fraturas • Contusões • Distensões • Síndrome do piriforme.11) Articulação do joelho11.1) Ossos: • Fêmur • Tíbia • Fibula • Patela11.2) Movimentos articulares: • Flexão, • Extensão, • Rotação externa, • Rotação interna.11.3) Articulações: • Articulação tibiofemoral – Articulação ginglimóide, – Move-se: • Extensão 0°, • Flexão 140º, • Rotação interna 30°, • Rotação externa 45º.11.4) Músculos:MÚSCULO VASTO LATERAL • ORIGEM: – Linha intertrocantérica, bordos anterior e inferior do trocânter maior, tuberiosidade glútea, metade superior da linha áspera e todo o septo intermuscular lateral. • INSERÇÃO: – Bordo lateral da patela e tendão patelar, até a tuberiosidade tibial. • AÇÃO: – Extensão do joelho. • INERVAÇÃO: – Nervo femoral (L2-4).MÚSCULO VASTO INTERMÉDIO • ORIGEM: – Dois terços superiores da superfície anterior do fêmur.Prof. Esp. Roberto Pereira de Oliveira 41
  • 43. e-mail: cinesiologiafaum@gmail.com blog: www.robertopeoli.blogspot.com • INSERÇÃO: – Bordo superior da patela e tendão patelar, até a tuberiosidade tibial • AÇÃO: – Extensão do joelho • INERVAÇÃO: – Nervo femoral (l2-4).MÚSCULO VASTO MEDIAL • ORIGEM: – Todo comprimento da linha áspera e crista condilóide medial. • INSERÇÃO: – Metade medial do bordo superior da patela e tendão patelar, até a tuberiosidade tibial. • AÇÃO: – Extensão do joelho. • INERVAÇÃO: – Nervo femoral (L2-4).MÚSCULO POPLÍTEO • ORIGEM: – Superfície posterior do côndilo lateral do fêmur. • INSERÇÃO: – Superfície medial posterior superior da tíbia. • AÇÃO: – Flexão do joelho, – Rotação interna do joelho. • INERVAÇÃO: – Nervo tibial (L5,S1).11.5) Lesões comuns do joelho: • Lesões do ligamento cruzado anterior, • Lesões do ligamento cruzado posterior, • Lesões dos ligamentos colaterais, • Lesões meniscais, • Síndrome de atrito do trato iliotibial, • Joelho do nadador de peito, • Condromalácia patelar, • doenças de Osgood-Schlatter e Sinding-Larsen-Johansson • Síndrome do estresse tibial medial.12) Articulação do tornozelo e do pé12.1) Ossos: • Tíbia, • Fíbula, • Talus, • Calcâneo,Prof. Esp. Roberto Pereira de Oliveira 42
  • 44. e-mail: cinesiologiafaum@gmail.com blog: www.robertopeoli.blogspot.com • Tarso, – Cubóide – Navicular – Cuneiforme • Medial • Intermédio • Lateral • Metatarso • Falanges – Proximal – Média – Distal12.2) Movimentos Articulares: • Dorsiflexão • Flexão plantar • Eversão • Inversão • Flexão dos dedos • Extensão dos dedos12.3) Articulações: • Tornozelo (talocrural): – Gínglima – Move-se: • Flexão plantar – 50° • Flexão dorsal – 15º – 20º • Tarsal e subtalar transversa: – Artrodial – Move-se: • Inversão 20° - 30° • Eversão 5° - 15° • Metatarsofalangiana do hálux: – Condilóide – Move-se: • Flexão 45° • Extensão 70° • Abdução 5° - 25° • Adução 5° - 25° • Interfalangiana do hálux – Gínglima – Move-se: • Flexão 90° • Extensão 0° • 2ª,3ª,4ª e 5ª art. Metatarsofalangianas: – Condilóide – Move-se:Prof. Esp. Roberto Pereira de Oliveira 43
  • 45. e-mail: cinesiologiafaum@gmail.com blog: www.robertopeoli.blogspot.com • Flexão 40° • Extensão 40° • Abdução 5º - 25° • Adução 5º - 25° • 2ª,3ª,4ª e 5ª art. Interfalangianas proximais: – Gínglima – Move-se: • Flexão 35° • Extensão 0° • 2ª,3ª,4ª e 5ª art. Interfalangianas distais. – Gínglima – Move-se: • Flexão 60° • Extensão 30°12.4) Músculos:MÚSCULO GASTROCNÊMIO • ORIGEM: – Cabeça medial: superfície posterior do côndilo femoral medial, – Cabeça lateral: superfície posterior do côndilo femoral lateral • INSERÇÃO: – Superfície posterior do calcâneo (tendão de aquiles) • AÇÃO: – Flexão plantar do tornozelo – Flexão do joelho • INERVAÇÃO: – Nervo tibial (S1-2)MÚSCULO SÓLEO • ORIGEM: – Superfície posterior da fíbula proximal e dois terços proximais da superfície tibial posterior • INSERÇÃO: – Superfície posterior do calcâneo (tendão de aquiles) • AÇÃO: – Flexão plantar do tornozelo • INERVAÇÃO: – Nervo tibial (S1-2).MÚSCULO FIBULAR LONGO (PERONEAL LONGO) • ORIGEM: – Cabeça e dois terços superiores da superfície lateral da fibula • INSERÇÃO: – Subsuperfícies dos ossos cuneiforme medial e primeiro metatarsiano. • AÇÃO: – Eversão do péProf. Esp. Roberto Pereira de Oliveira 44
  • 46. e-mail: cinesiologiafaum@gmail.com blog: www.robertopeoli.blogspot.com – Flexão plantar do tornozelo • INERVAÇÃO: – Nervo peroneal superficial (L4-5,S1)MÚSCULO FIBULAR CURTO (PERONEAL CURTO) • ORIGEM: – Dois terços inferiores da superfície lateral da fíbula • INSERÇÃO: – Tuberiosidade do quinto osso metatarsiano • AÇÃO: – Eversão do pé – Flexão plantar do tornozelo • INERVAÇÃO: – Nervo peroneal superficial (L4-5, S1)MÚSCULO FIBULAR TERCEIRO (PERONEAL TERCEIRO) • ORIGEM: – Terço distal da fíbula anterior • INSERÇÃO: – Base do quinto metatarsiano • AÇÃO: – Eversão do pé – Flexão dorsal do tornozelo • INERVAÇÃO: – Nervo peroneal profundo (L4-5, S1)MÚSCULO EXTENSOR LONGO DOS DEDOS • ORIGEM: – Côndilo lateral da tíbia, cabeça da fíbula e dois terços superiores da superfície anterior da fíbula • INSERÇÃO: – Topo das falanges média e distal dos quatro dedos menores do pé • AÇÃO: – Extensão dos quatro dedos menores – Flexão dorsal do tornozelo – Eversão do pé • INERVAÇÃO: – Nervo peroneal profundo (L4-5,S1)MÚSCULO EXTENSOR LONGO DO HÁLUX • ORIGEM: – Dois terços médios da superfície medial da fíbula anterior • INSERÇÃO: – Base da falange distal do hálux • AÇÃO: – Dorsiflexão do tornozelo – Extensão do háluxProf. Esp. Roberto Pereira de Oliveira 45
  • 47. e-mail: cinesiologiafaum@gmail.com blog: www.robertopeoli.blogspot.com – Inversão do pé • INERVAÇÃO: – Nervo peroneal profundo (L4-5,S1)MÚSCULO TIBIAL ANTERIOR • ORIGEM: – Dois terços superiores da superfície lateral da tíbia • INSERÇÃO: – Superfície interna do osso cuneiforme medial e primeiro osso metatarsiano • AÇÃO: – Flexão dorsal do tornozelo – Inversão do pé • INERVAÇÃO: – Nervo peroneal profundo (L4-5, S1)MÚSCULO TIBIAL POSTERIOR • ORIGEM: – Superfície posterior da metade superior da membrana interóssea e superfícies adjacentes da tíbia e fíbula • INSERÇÃO: – Superfície interna inferior dos ossos navicular e cuneiforme e base do segundo, terceiro, quarto e quinto metatarsais • AÇÃO: – Flexão plantar do tornozelo – Inversão do pé • INERVAÇÃO: – Nervo tibial (L5, S1)MÚSCULO FLEXOR LONGO DOS DEDOS • ORIGEM: – Terço médio da superfície posterior da tíbia • INSERÇÃO: – Base da falange distal de cada um dos quatro dedos menores • AÇÃO: – Flexão dos quatro dedos menores do pé – Flexão plantar do tornozelo – Inversão do pé • INERVAÇÃO: – Nervo tibial (L5,S1)MÚSCULO FLEXOR LONGO DO HÁLUX • ORIGEM: – Dois terços médios da superfície posterior da fíbula • INSERÇÃO: – Base da falange distal do dedo grande, sob a superfícieProf. Esp. Roberto Pereira de Oliveira 46
  • 48. e-mail: cinesiologiafaum@gmail.com blog: www.robertopeoli.blogspot.com • AÇÃO: – Flexão do dedo grande – Inversão do pé – Flexão plantar do tornozelo • INERVAÇÃO: – Nervo tibial (L5, S1-2)MÚSCULOS INTRÍNSECOS DO PÉ12.5) Lesões comuns do tornozelo e do pé: • Entorses,luxação e fraturas,Prof. Esp. Roberto Pereira de Oliveira 47
  • 49. e-mail: cinesiologiafaum@gmail.com blog: www.robertopeoli.blogspot.com • Tendinite do tríceps sural, • Estiramentos, • Fraturas por estresse • Hálux valgo (juanete)13) Tronco e coluna vertebral13.1) Ossos: • Costelas – 12 pares de costelas – 07 pares verdadeiras – 05 pares falsas – 02 flutuantes • Esterno – Manúbrio – Corpo do esterno – Processo xifóide • A coluna cervical com suas 7 vértebras cervicais (C1-C7). Constitui o esqueleto axial do pescoço e suporte da cabeça. • A coluna torácica, formada pelas 12 vértebras torácicas que se articulam com as costelas (T1-T12). Suporta a cavidade torácica. • A coluna lombar, formada pelas 5 vértebras lombares (L1-L5). Suporta a cavidade abdominal e permite mobilidade entre a parte torácica do tronco e a pelve. • Osso sacro, que resulta da fusão das 5 vértebras sacrais, formando um único osso compacto. Une a coluna vertebral à cintura pélvica. • As vértebras do cóccix, que são em torno de 4 vértebras atrofiadas. é uma estrutura rudimentar em humanos, mas possui função no suporte do assoalho pélvico.13.2) Regiões da Coluna Vertebral 1. Primárias: convexas posterior – torácica e sacral 2. Secundárias: côncavas posteriormente – cervical e lombar13.3) Disco intervertebral:Estrutura Anatômica • São coxins elásticos que formam as articulações fibrocartilagíneas entre os corpos vertebrais adjacentes. Consiste tipicamente de um núcleo pulposo circundado por um anel fibrosoO Papel do Disco Intervertebral • O disco intervertebral separa os corpos vertebrais, permitindo às vértebras dobrar-se umas sobre as outras. • Cabe ao disco o importante papel de dissipação da energia mecânica, através de deformações que estes sofrem ao receber as forças solicitantes. Essa função é exercida pela combinação das propriedades de líquido do núcleo pulposo e dasProf. Esp. Roberto Pereira de Oliveira 48
  • 50. e-mail: cinesiologiafaum@gmail.com blog: www.robertopeoli.blogspot.com características elásticas do ânulo fibroso, funcionando de forma ambivalente para a dissipação e transmissão de forças.13.4) Movimentos articulares: • Flexão do pescoço, • Extensão do pescoço, • Rotação do pescoço, • Flexão lateral do pescoço, • Flexão do tronco, • Extensão do tronco, • Rotação do tronco, • Flexão lateral do tronco.13.5) Músculos:MÚSCULO ESTERNOCLEIDOMASTÓIDEO • ORIGEM: – Manúbrio do esterno – Clavícula medial • INSERÇÃO: – Processo mastóide • AÇÃO: – Ambos os lados: flexão da cabeça e pescoço – Lado direito: rotação para a esquerda e flexão lateral para direita. – Lado esquerdo: rotação para a direita e flexão lateral para a esquerda • INERVAÇÃO: – C2, C3 e parte espinhal do nervo acessório (11º par craniano)MÚSCULOS ESPLÊNIOS (DO PESCOÇO E DA CABEÇA) • ORIGEM: – Esplênio do pescoço: processos espinhosos da terceira à sexta vértebra torácica. – Esplênio da cabeça: metade inferior do ligamento nucal e processos espinhosos da sétima e das três ou quatro vértebras torácicas superiores. • INSERÇÃO: – Esplênio do pescoço: processos transversos das três primeiras vértebras cervicais. – Esplênio da cabeça: processo mastóide e osso occipital. • AÇÃO: – Ambos os lados: extensão da cabeça e pescoço. – Lado direito: rotação e flexão lateral para direita – Lado esquerdo: rotação e flexão lateral para a esquerda. • INERVAÇÃO: – Ramificações laterais posteriores dos nervos cervicais de quatro a oito (C4-8).Prof. Esp. Roberto Pereira de Oliveira 49
  • 51. e-mail: cinesiologiafaum@gmail.com blog: www.robertopeoli.blogspot.comMÚSCULOS ERETORES DA COLUNA (SACROSPINHAIS)ILIOCOSTAL – LONGUÍSSIMO – ESPINHAL. • ORIGEM: – Iliocostal: aponeurose toracolombar a partir do sacro, costelas posteriores, – Longuíssimo: aponeurose toracolombar a partir dos processos transversos do sacro, lombares e torácicos, – Espinhal: ligamento nucal, processos espinhosos cervicais e torácicos. • INSERÇÃO: – Iliocostal: costelas posteriores, processos transversos cervicais, – Longuíssimo: processos transversos cervicais e torácicos, processo mastóide, – Espinhal: processos espinhosos cervicais e torácicos, osso occipital. • AÇÃO: – Extensão e flexão lateral da coluna vertebral. • INERVAÇÃO: – Ramos posteriores dos nervos espinhais.Prof. Esp. Roberto Pereira de Oliveira 50
  • 52. e-mail: cinesiologiafaum@gmail.com blog: www.robertopeoli.blogspot.comMÚSCULO RETO DO ABDOME • ORIGEM: – Crista do púbisProf. Esp. Roberto Pereira de Oliveira 51
  • 53. e-mail: cinesiologiafaum@gmail.com blog: www.robertopeoli.blogspot.com • INSERÇÃO: – Cartilagem da quinta, sexta, sétima costelas e processo xifóide • AÇÃO: – Ambos os lados: flexão lombar – Lado direito: flexão lateral para direita – Lado esquerdo: flexão lateral para a esquerda. • INERVAÇÃO: – Nervo intercostais (T7-12)MÚSCULO OBLÍQUO EXTERNO DO ABDOME • ORIGEM: – Bordos das oito costelas inferiores do lado do tórax, encaixando-se com o músculo serrátil anterior. • INSERÇÃO: – Metade anterior da crista do ilío, ligamento inguinal, crista do púbis e fáscia do músculo reto do abdome na parte frontal inferior. • AÇÃO: – Ambos os lados: flexão lombar, – Lado direito: flexão lateral lombar para a direita e rotação para a esquerda. – Lado esquerdo: flexão lateral lombar para a esquerda e rotação para a direita. • INERVAÇÃO: – Nervos intercostais (T8-12), nervo ilio-hipogástrico (T12, L1) E NERVO ilioinguinal (L1).MÚSCULO INTERNO DO ABDOME • ORIGEM: – Metade superior do ligamento inguinal, dois terços anteriores da crista do ilío e fáscia lombar. • INSERÇÃO: – Cartilagens costais da oitava, nona e décima costelas e linha alba. • AÇÃO: – Ambos os lados: flexão lombar, – Lado direito: flexão lateral lombar e rotação para direita – Lado esquerdo; flexão lateral lombar e rotação para esquerda. • INERVAÇÃO: – Nervos intercostais (T8-12), nervo ilio-hipogástrico (T12, L1) E NERVO ilioinguinal(L1).MÚSCULO TRANSVERSO DO ABDOME • ORIGEM: – Terço externo do ligamento inguinal – Borda interna da crista ilíaca, – Superfície interna da cartilagem das seis costelas inferiores – Fáscia lombar. • INSERÇÃO:Prof. Esp. Roberto Pereira de Oliveira 52
  • 54. e-mail: cinesiologiafaum@gmail.com blog: www.robertopeoli.blogspot.com – Crista do púbis e linha iliopectínea – Aponeurose abdominal até a linha alba. • AÇÃO: – Expiração forçada por tracionamento da parede abdominal para dentro. • INERVAÇÃO: – Nervo intercostais (T7-12), nervo ilio-hipogástrico (T12, L1) E NERVO ilioinguinal (L1).MÚSCULO QUADRADO LOMBAR • ORIGEM: – Lábio interno posterior da crista ilíaca. • INSERÇÃO: – Aproximadamente na metade do comprimento do bordo inferior da décima segunda costela e os processos transversos das quartas vértebras lombares superiores. • AÇÃO: – Flexão lateral para o lado que está localizado. – Estabiliza a pelve e coluna lombar • INERVAÇÃO: – Ramos dos nervos (T12, L1).13.6) Cargas impostas na colunaProf. Esp. Roberto Pereira de Oliveira 53
  • 55. e-mail: cinesiologiafaum@gmail.com blog: www.robertopeoli.blogspot.comProf. Esp. Roberto Pereira de Oliveira 54
  • 56. e-mail: cinesiologiafaum@gmail.com blog: www.robertopeoli.blogspot.com13.7) Lesões comuns à coluna vertebral:Prof. Esp. Roberto Pereira de Oliveira 55
  • 57. e-mail: cinesiologiafaum@gmail.com blog: www.robertopeoli.blogspot.com • Lombalgias, • Contusões, • Distensões musculares, • Entorses, • Fraturas, • Fraturas por estresse, • Hérnia de disco • Lesão em chicote14) Postura e Desvios:14.1) Definições:“É um estado de equilíbrio muscular e esquelético que protege as estruturas do corpocontra lesões ou deformidades, tanto em atividade quanto em repouso. Sob taiscondições os músculos funcionam de forma mais eficiente e posições ideais sãoproporcionadas para os órgãos torácicos e abdominais.” American Academy ofOrthopedic Surgeons (1947)“Capacidade de manter uma relação adequada entre os segmentos do corpo e entre ocorpo e o ambiente para realizar uma determinada tarefa.” (WOOLACOTT, 2003)14.2) Postura ideal:Pontos de alinhamento (KENDALL)Vista Lateral1. Levemente anterior ao maléolo lateral2. Eixo da articulação do joelho3. Levemente posterior ao eixo da articulação do quadril4. Corpos das vértebras lombares5. Articulação do ombro6. Corpos da maioria das vértebras cervicais7. Meato auditivo externo8. Levemente posterior ao ápice da sutura coronalVista Posterior1. Ponto equidistante dos maléolos mediais2. Ponto equidistante da articulação do joelho3. Prega interglútea4. Processos espinhosos da maioria das vértebras5. Protuberância occiptal14.3) Centro de gravidade: O centro de gravidade do corpo pode ser definido como: 1) o ponto exato em que o corpo poderia ser teoricamente rodado livremente em todas as direções; 2) o centro em torno do qual o corpo deveria ter o mesmo peso ;Prof. Esp. Roberto Pereira de Oliveira 56
  • 58. e-mail: cinesiologiafaum@gmail.com blog: www.robertopeoli.blogspot.com 3) o ponto de interseção dos três planos cardinais do corpo: o sagital, o frontal e o transverso.O centro de gravidade do corpo está: • Mais ou menos a 4 centímetros da frente da primeira vértebra sacral, quando o indivíduo está na posição de sentido. • O homem adulto, em posição ereta, tem o centro de gravidade a 56 a 57% do total de sua altura a partir do solo; na mulher é de 55% de sua altura. • Quanto mais jovem for a criança, mais alto e menos estável será o centro devido ao tamanho desproporcional da cabeça e do tórax.14.4) Causas da má postura:-Trauma-Doença-Hábito Postural-Debilidade Muscular-Atitude Mental-Idiopática14.5) Quanto à etiologia (origem) DOS DESVIOSEstruturais: é aquela que não se corrige nas radiografias de lateralização forçada naposição deitada, portanto, sem flexibilidade, sendo o oposto para as curvas nãoestruturadas.Não estruturais: seria aquela causada pela assimetria de comprimento dos membrosinferiores, que se corrige totalmente ao se compensar com um salto o encurtamento.14.6) Quanto à faixa etáriaPodem ser classificadas com relação à época em que foram diagnosticadas e nãonecessariamente a época em que iniciou, em: - Infantil: idiopática com o diagnóstico entre o nascimento e os 3 anos de idade. - Juvenil: idiopática com o diagnóstico entre os 3 e 10 anos. - Adolescente - idiopática com o diagnóstico entre 10 anos até o final do crescimento esquelético.-Adulta - idiopática de início após o término do crescimento esquelético14.7) Quanto à morfologia (forma)Podem ser classificadas como: - Simples: apresentam uma única curvatura em uma das regiões da coluna vertebral causada pela hipertrofia da musculatura lateral da respectiva região.Prof. Esp. Roberto Pereira de Oliveira 57
  • 59. e-mail: cinesiologiafaum@gmail.com blog: www.robertopeoli.blogspot.com - Total: apresentam uma única curvatura ocupando mais de uma região da coluna vertebral causada pela hipertrofia da musculatura lateral da coluna.-Dupla e Tripla: apresentam respectivamente duas ou três curvaturas, uma em cadaregião da coluna vertebral, com as suas respectivas curvas opostas entre si. Causadapela compensação de uma escoliose simples, que geralmente se localiza na regiãoinferior. Na sua correção, devemos atuar inicialmente no desvio primário.14.8) Desvios;HIPERLORDOSE CERVICAL: Acentuação da concavidade da coluna cervical,colocando o ponto trago para trás da linha de gravidadeHIPERCIFOSE: Acentuação da convexidade da coluna torácica, colocando o pontoacromial à frente da linha de gravidade.HIPERLORDOSE LOMBAR: Acentuação da concavidade lombar, colocando oponto trocantérico para trás da linha de gravidade.COSTA PLANA: É a inexistência ou a inversão de qualquer das curvaturas da colunavertebral.ESCOLIOSES: São deformações ou desvios laterais da coluna vertebral, fazendo comque a linha espondilea não fique reta.ESCOLIOSE EM “C”ESCOLIOSE EM “S”GIBOSIDADE: A escoliose estrutural é caracterizada pela presença de umproeminência rotacional no lado convexo da curva. Nesta, as vértebras são rodadas nosentido da convexidade, que é melhor visualizada quando o paciente realiza uma flexãoanterior de tronco, produzindo uma gibosidade.GENO VALGO: É a projeção do joelho para a parte interna do corpo.GENO VARO: É a projeção do joelho para a parte externa do corpo.GENO RECURVADO: É a projeção do joelho para trás, fazendo com que a linha degravidade passe bem à frente dos joelhos.GENO FLEXO: Projeção dos joelhos para frente, fazendo com que a linha degravidade passe por cima ou por trás dos joelhos.PÉ PLANO: Perda total ou parcial da curvatura do pé.PÉ CAVO: Aumento da curvatura plantar do pé.PÉ VALGO: É a projeção do calcâneo para fora do corpo.PÉ VARO: É a projeção do calcâneo para dentro do corpo.Prof. Esp. Roberto Pereira de Oliveira 58
  • 60. e-mail: cinesiologiafaum@gmail.com blog: www.robertopeoli.blogspot.comPÉ ABDUTO: Quando o indivíduo anda com os pés voltados para fora da linha docorpo.PÉ ADUTO: Quando o indivíduo anda com os pés voltados para dentro da linha médiado corpo.PÉ CALCÂNEO: Causado pelo encurtamento do tendão do músculo Tibial Anterior.PÉ EQÜINO: Causado pelo encurtamento do tendão de Aquile14.8) Metodologias de avaliação • Metodologia objetiva: uso de radiografia (solicitada pelo médico que acompanha o programa). • Metodologia subjetiva: uso do tato e da visão, observando o aluno de costas, perfil direito, perfil esquerdo, frente e ântero-flexão, à frente do simetrógrafo.14.9) Metodologia Subjetiva • Utilizar um formulário, visando coletar informações como: nome, idade, sexo, peso, altura, profissão, lateralidade, prática de atividade física, atividades diárias de trabalho. • O aluno(a) deverá vestir traje de banho, de maneira a favorecer a visão do observador para uma melhor visualização das alterações posturais. • Realizar marcação de pontos anatômicos, utilizando-se fita adesiva amarela ou branca em pedaços cortados nas dimensões de 1x1 cm. • Fotografar ou realizar uma lista de checagem, com o auxílio do simetrógrafo com as quadrículas nas dimensões de 10 x 5cm colocamos o indivíduo a uma distância de aproximadamente 3 metros do avaliador em quatro posições • Realizar testes de avaliação de flexibilidade articular (da cintura escapular e do quadril).14.10) Técnica de correção dos desvios 1. Prática psicomotora; 1. Alongamento; 1. Fortalecimento muscular (exercícios isométricos)15) Análise do movimento • FASE DE APOIO: o atleta assume uma posição de corpo confortável e equilibrada, a partir da qual ele inicia a habilidade esportiva. • FASE PREPARATÓRIA: também chamada de pré-alongamento, é usada para alongar os músculos apropriados de modo que eles fiquem em posição de gerar mais força. • FASE DE MOVIMENTO: conhecida às vezes como fase de aceleração ou de contato, é a parte da ação da habilidade.Prof. Esp. Roberto Pereira de Oliveira 59
  • 61. e-mail: cinesiologiafaum@gmail.com blog: www.robertopeoli.blogspot.com • FASE DE COMPLEMENTAÇÃO: começa imediatamente após a fase de movimento, a fim de provocar aceleração negativa do membro envolvido ou segmento corporal. • FASE DE RECUPERAÇÃO: é usada após a de complementação para o atleta recuperar equilíbrio e posicionamento e aprontar-se para a próxima demanda esportiva.15.1) Cadeia Cinética: 1. CADEIA CINÉTICA ABERTA: • Se a ponta distal do segmento não estiver fixa em nenhuma superfície. 2. CADEIA CINÉTICA FECHADA: • O segmento distal está fixo e as partes proximais movem-se.15.2) Análise da Caminhada (deambulação)1ª Etapa:Articulação Movimento Articular Músculos AgonistasQuadril Flexão Iliopsoas, Sartório, Reto da coxa, Tensor da fáscia lata, Adutor longo (ajuda), Pectíneo,Joelho Flexão Sartório, Semitendinoso, Semimembranoso, Bíceps femoral, Grácil, Poplíteo, GastrocnêmioTornozelo Dorsiflexão Fibular terceiro, Extensor longo dos dedos, Extensor longo do hálux, Tibial anterior,2ª Etapa:Quadril Extensão Glúteo máximo, Semitendinoso, Semimembranoso, Bíceps femoral,Joelho Extensão Reto da coxa, Vasto lateral, Vasto intermédio, Vasto medial, (Quadríceps)Prof. Esp. Roberto Pereira de Oliveira 60
  • 62. e-mail: cinesiologiafaum@gmail.com blog: www.robertopeoli.blogspot.comTornozelo Flexão plantar Gastrocnêmio, Sóleo, Fibular longo, Fibular curto, Tibial posterior, Flexor longo dos dedos, Flexor longo do hálux,Prof. Esp. Roberto Pereira de Oliveira 61
  • 63. e-mail: cinesiologiafaum@gmail.com blog: www.robertopeoli.blogspot.com16) Referências bibliográficas:HALL, SUSAN J. Biomecânica básica. São Paulo: Manole, 2009.DOBLER, G. Cinesiologia. São Paulo: Manole, 2003.FLOYD, R. T.; THOMPSON, C. W. Manual de Cinesiologia Estrutural. São Paulo:Manole, 2003.OKUNO, E.; FRATIN, L. Desvendando a Física do Corpo Humano – Biomecânica. SãoPaulo: Manole, 2003.BEHNKE, R. S. Anatomia do Movimento. Porto Alegre: Artmed, 2003.CALAIS, Germain B. Anatomia para o Movimento. 1ed. São Paulo: Manole, 2002.FERNANDES, A. Cinesiologia do Alongamento. São Paulo: Sprint, 2002.NORDIN, M. Biomecânica Básica do Sistema Musculoesquelético. Rio de Janeiro:Guanabara Koogan, 2003.PLATZER, W.; KAHLE, W.; LEONHARDT, H. Atlas de Anatomia Humana –Aparelho do Movimento. São Paulo: Atheneu, 2000.ZATSIORSKY, V.M. Biomecânica no Esporte. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan,2004.KNOPLICH, J., Endireite as costas, 1989.DELGADO, L. DE A., Análise postural, São Luis – 2004.VANZELI, B. & COL, Coluna vertebral: alterações no esporte, 2008NATOUR, J., Coluna Vertebral conhecimentos básicos ,Etcetera Editora. 2004SOBOTTA, Atlas de anatomia – Guanabara Koogan.NETTER, Frank H.. Atlas de Anatomia Humana. 2ed. Porto Alegre: Artmed, 2000YOKOCHI, R., Atlas fotografico de anatomia del cuerpo humano- –, 3ª edição.WESTON D. Gardner e William A. Osburn, Anatomia do corpo humano,.VALERIUS, K.-P., Atlas de Anatomia –– Ed. Santos.COSTA, A. J. S., A história da cinesiologia e sua relação com outras disciplinas.http://www.educacaofisica.com.br/http://www.afh.bio.br/http://www.auladeanatomia.com/http://medicina.fm.usp.br/fofito/fisio/pessoal/isabel/biomecanicaonline/articulacoes/articulacoes.phphttp://www.usp.br/eef/efb/biomecan/sbb/index.phpProf. Esp. Roberto Pereira de Oliveira 62
  • 64. e-mail: cinesiologiafaum@gmail.com blog: www.robertopeoli.blogspot.com MOVIMENTOS ARTICULAÇÃO MÚSCULOS AGONISTAS ARTICULARESCINTURA Protração Serrátil anterior,ESCAPULAR Peitoral menor, Retração Trapézio (md e if), Rombóides maior e menor Rotação externa (ou para cima) Trapézio (md e if), Serrátil anterior, Rotação interna (ou para baixo) Rombóides maior e menor, Peitoral menor, Elevação Trapézio (sp e md), Elevador da escápula, Rombóides maior e menor, Depressão Trapézio (if), Peitoral menor,OMBRO Flexão Deltóide (ant), Coracobraquial, Peitoral maior (sup), Bíceps braquial (fraca), Extensão Deltóide (post), Infra-espinhoso, Redondo menor, Redondo maior, Subescapular, Grande dorsal, Peitoral maior (inf), Tríceps braquial( longa) Abdução Deltóide (ant, méd e post), Supra-espinhoso (fraco), Peitoral maior (sup), (auxiliar) Adução Coracobraquial, Redondo maior, Subescapular, Grande dorsal, Peitoral maior (sup e inf), Tríceps braquial,(longa) Rotação Lateral (externa) Deltóide (post), Infra-espinhoso, Redondo menor, Rotação Medial (interna) Redondo maior, Subescapular, Grande dorsal, Peitoral maior (sup e inf), Adução Horizontal Deltóide (ant), Coracobraquial, Peitoral maior (sup e inf), Abdução Horizontal Deltóide (post), Redondo menor, Grande dorsal, Infra-espinhoso. Prof. Esp. Roberto Pereira de Oliveira 63
  • 65. e-mail: cinesiologiafaum@gmail.com blog: www.robertopeoli.blogspot.com Estabilização glenoumeral Supra-espinhoso, (manguito rotator) Infra-espinhoso, Redondo menor, Subescapular,COTOVELO Flexão Bíceps braquial, Braquial, Braquiorradial, Pronador redondo (fraca), Flexor radial do carpo (fraca), Flexor ulnar do carpo (fraca), Palmar longo (fraca), Flexor superficial (fraca), Extensão Tríceps braquial, Ancôneu, Extensor ulnar do carpo (fraca), Extensor radial curto do carpo(fraca), Extensor radial longo do carpo, Extensor dos dedos (fraca), Supinação Bíceps braquial, Braquiorradial (supina/neutra), Supinador, Pronação Braquiorradial (prona/neutra), Pronador redondo, Pronador quadrado,PUNHO Flexão do punho Flexor radial do carpo, Palmar longo, Flexor ulnar do carpo, Flexor superficial, Flexor profundo, Flexor longo do polegar, Extensão do punho Extensor ulnar do carpo, Extensor radial curto do carpo, Extensor radial longo do carpo, Extensor do dedo mínimo (fraca), Extensor do dedo indicador, Extensor longo do polegar, Extensor curto do polegar (fraca), Abdução do punho Flexor radial do carpo, Extensor radial curto do carpo, Extensor radial longo do carpo, Extensor dos dedos, Abdutor longo do polegar, Adução do punho Flexor ulnar do carpo, Extensor ulnar do carpo, Flexão dos dedos e polegar Flexor superficial, Flexor profundo, Flexor longo do polegar, Flexor curto do polegar, Prof. Esp. Roberto Pereira de Oliveira 64
  • 66. e-mail: cinesiologiafaum@gmail.com blog: www.robertopeoli.blogspot.com Extensão dos dedos e polegar Extensor dos dedos, Extensor do dedo indicador, Extensor do dedo mínimo, Extensor longo do polegar, Extensor curto do polegar, Extensor longo do polegar, Abdução do polegar Abdutor longo do polegar, Abdutor curto do polegar,COXA/QUADRIL Flexão Iliopsoas, Sartório, Reto da coxa, Tensor da fáscia lata, Adutor longo (ajuda), Pectíneo, Extensão Glúteo máximo, Semitendinoso, Semimembranoso, Bíceps femoral, Abdução Tensor da fáscia lata, Glúteo mínimo, Glúteo médio, Adução Glúteo máximo, (ajudam fib inf) Adutor curto, Adutor longo, Adutor magno, Pectíneo, Grácil, Rotação interna (medial) Tensor da fáscia lata, Glúteo mínimo, Glúteo médio,(fib ant), Semitendinoso, Semimembranoso, Pectíneo, Grácil, Rotação externa (lateral) Iliopsoas, Sartório, Piriforme, Gêmeo superior, Gêmeo inferior, Abturador externo, Abturador interno, Quadrado da coxa, Glúteo médio,(fib post). Glúteo máximo, Bíceps femoral, Adutor curto, Adutor magno, Prof. Esp. Roberto Pereira de Oliveira 65
  • 67. e-mail: cinesiologiafaum@gmail.com blog: www.robertopeoli.blogspot.comJOELHO Flexão Sartório, Semitendinoso, Semimembranoso, Bíceps femoral, Grácil, Poplíteo, Gastrocnêmio, Extensão Reto da coxa, Vasto lateral, Vasto intermédio, Vasto medial, Rotação medial (interna) Semitendinoso, Semimembranoso, Poplíteo, Rotação lateral (externa) Bíceps femoral,TORNOZELO Dorsiflexão Fibular terceiro, Extensor longo dos dedos, Extensor longo do hálux, Tibial anterior, Flexão plantar Gastrocnêmio, Sóleo, Fibular longo, Fibular curto, Tibial posterior, Flexor longo dos dedos, Flexor longo do hálux, Eversão Fibular longo, Fibular curto, Fibular terceiro, Extensor longo dos dedos, Inversão Extensor longo do hálux, Tibial anterior, Tibial posterior, Flexor longo dos dedos, Flexor longo do hálux, Flexão dos dedos Flexor longo dos dedos, Flexor longo do hálux, Extensão dos dedos Extensor longo dos dedos, Extensor longo do háluxCOLUNA VERTEBRAL Extensão do pescoço Trapézio(sp), Esplênios, Reto posterior da cabeça maior, Reto posterior da cabeça menor Obliquo superior da cabeça, Semi-espinhal da cabeça Flexão do pescoço Esternocleidomastóideo (ambos os lados), Reto anterior da cabeça, Longo da cabeça, Obliquo superior da cabeça, Prof. Esp. Roberto Pereira de Oliveira 66
  • 68. e-mail: cinesiologiafaum@gmail.com blog: www.robertopeoli.blogspot.com Longo do pescoço (obliquo superior), Longo do pescoço (obliquo inferior), Longo do pescoço (vertical), Escaleno (anterior, médio e posterior) Rotação direita do pescoço Esternocleidomastóideo(lado esq) Esplênios, (lado esq), Reto posterior da cabeça maior Semi-espinhal da cabeça Escaleno (anterior, médio e posterior) Rotação esquerda do pescoço Esternocleidomastóideo(lado dir) Esplênios, (ld dir) Semi-espinhal da cabeça Escaleno (anterior, médio e posterior) Flexão lateral do pescoço, Esternocleidomastóideo(lado dir), Reto lateral da cabeça, Esternocleidomastóideo(lado esq), Escaleno (anterior, médio e posterior) Extensão do tronco Iliocostal, Longuíssimo, Espinhal, Interspenhais, Multífidos, Rotadores, Semi-espinhal Flexão do tronco Reto abdominal (+ ou – 30°) Ilíopsoas (30° a 90º), Oblíquo externo do abdome, Oblíquo interno do abdome, Intertransversos Rotação do tronco Oblíquo externo do abdome, (ld dir = rot esquerda Ld esq = rot direita), Oblíquo interno do abdome, (ld esq = rot esquerda, Ld dir = rot direita), Multífidos, Rotadores, Semi-espinhal Flexão lateral do tronco Reto abdominal, Oblíquo externo do abdome, Oblíquo interno do abdome, Quadrado lombar, Iliocostal, Longuíssimo, Espinhal, Esplênios,FLOYD, R. T.; THOMPSON, C. W. Manual de Cinesiologia Estrutural. São Paulo:Manole, 2003.Prof. Esp. Roberto Pereira de Oliveira 67

×