Your SlideShare is downloading. ×
Os mitos e lendas na dinâmica das religiões de matriz africana.
Os mitos e lendas na dinâmica das religiões de matriz africana.
Os mitos e lendas na dinâmica das religiões de matriz africana.
Os mitos e lendas na dinâmica das religiões de matriz africana.
Os mitos e lendas na dinâmica das religiões de matriz africana.
Os mitos e lendas na dinâmica das religiões de matriz africana.
Os mitos e lendas na dinâmica das religiões de matriz africana.
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Os mitos e lendas na dinâmica das religiões de matriz africana.

3,104

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
3,104
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
12
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. 1 CONTANDO HISTÓRIA, CANTANDO A VIDA: OS MITOS E LENDAS NA DINÂMICA DAS RELIGIÕES DE MATRIZ AFRICANA. João Bosco da Silva (UFMT/SEDUC-MT) A Lei 10.639/03 abriu precedentes para introduzir nos currículos escolares a História e Cultura africana e afro-brasileira. Porém, a grande maioria dos educadores brasileiros afirma estar despreparada para introduzi-la no cotidiano da escola. Este artigo tem como principal objetivo analisar formas de inserir idéias e práticas interdisciplinares para a implementação da Lei 10.639/03 no dia-a-dia escolar. Percebendo o papel fundamental que os povos da África Atlântica tiveram na formação da mentalidade do povo brasileiro, visto que com a diáspora negra esses povos na condição de escravizados, vieram para a América, e consecutivamente para o Brasil, e com eles um arsenal de idéias, culturas, costumes, formas de pensar e agir, é que recorreu-se a mitos e lendas dos povos yorubá como forma de compreender a sua mentalidade que possui interligação profunda com a mentalidade brasileira. Para tanto, se buscou destacar a participação desses povos na formação sócio-cultural, econômica e religiosa de nosso país. (Re) pensar práticas docentes, no que se refere à história e cultura africana e afro- brasileira, entre outros pontos, é o que se almeja com este artigo. COMO A ESCOLA CONVIVE COM AS DIFERENÇAS? A escola tem sido historicamente um lugar que desvaloriza os componentes múltiplos no seu interior, pois a educação insiste em privilegiar apenas a cultura européia na formação cultural do Brasil, desprivilegiando as contribuições afro-ameríndias no processo de constituição socioeconômica e cultural da brasilidade. E, colocar a educação no campo dos direitos é garantir espaço à diferença e enfrentar o desafio de implementar políticas e práticas pedagógicas que superem as desigualdades sociais e raciais1 , em um país tipicamente miscigenado que tem em sua formação a contribuição não só de europeus, mas de variados povos ameríndios e africanos, especialmente das nações da África Atlântica. Nos últimos anos, alguns estudos têm mostrado que o acesso e a permanência bem- sucedida na escola variam de acordo com a raça/etnia da população. [...] Os índices de reprovação nas instituições públicas também demonstra que há uma estreita relação entre a educação escolar e as desigualdades raciais na sociedade brasileira2 . Um dos desafios da educação brasileira é preparar educadores com visão abrangente que venha ao encontro do imperativo de observar essa constatação sócio-cultural do nosso país. Pois, torna-se inconcebível docentes que insistem em práticas arcaicas de outrora, a saber, educar crianças, jovens e adultos que não conseguem respeitar e/ou aceitar diferenças. Isso ocorre principalmente porque o mercado globalizado é testemunha da formação de blocos supranacionais como a União Européia, o Nafta e o Mercosul3 e o Brasil deseja participar desse fenômeno mundial mantendo em seu interior 1 GOMES, Nilma Lino. Educação cidadã, etnia e raça: O trato pedagógico da diversidade. In: CAVALLEIRO, Eliane (Org) Racismo e Anti-racismo na educação: Repensando a nossa escola. São Paulo- SP: Selo Negro Edições, 2001. p. 84. 2 GOMES, Nilma Lino. Idem. Op. Cit. p.85. 3 D’ADESKY, Jacques. Pluralismo Étnico e Multiculturalismo: Racismo e Anti-Racismo no Brasil.. Rio de Janeiro-RJ: Pallas Editora, 2005.p 21.
  • 2. 2 resquício de uma educação jesuítica, em que o eurocentrismo persiste em ser o único pólo de formação cultural brasileira. Mais inadmissível ainda é continuar educando crianças, jovens e adultos com os mesmos ranços das épocas colonial, imperial e até mesmo de nossa prosaica república, que insiste em silenciar as manifestações culturais afro-ameríndias em detrimento de uma cultura judaico-cristã. Já que, em todo mundo, grupos e indivíduos reafirmam seus particularismos locais, suas identidades étnicas, cultural ou religiosa, principalmente no Leste Europeu, na ex-União Soviética, na Europa Ocidental, e também no México, na Nicarágua, na Índia, entre outros países [...]. No Brasil, essa retomada interessa, sobretudo, aos estudos sobre a formação da nação e sobre os movimentos indígenas e negro que afirmam o conteúdo positivo das suas culturas e exigem o reconhecimento das identidades étnicas ou culturais, inseparáveis dos interesses econômicos e das reivindicações políticas4 . Silenciar uma cultura em detrimento de outra é não perceber a dimensão de uma educação que busca formar seres humanos críticos, conscientes e participativos e que respeite a pluralidade étnico-cultural, e principalmente que não perceba nas multiplicidades de idéias e culturas. A escola deve estimular a convivência com as diferenças, demonstrando a multiplicidade de culturas existentes no Brasil, visando uma práxis que evidencie a importância das etnias e culturas negras e ameríndias e suas contribuições na formação da brasilidade. Precisamos urgentemente oferecer aos nossos alunos(as) chaves para a abertura de caminhos que promovam uma educação humanitária. Uma educação que não seja excludente5 [...] e principalmente uma educação que promova e eleve a auto-estima da criança, jovem e adulto negro e empobrecido. Obviamente educação humanitária não é sinônimo de educação de piedade ou autopiedade, mas sim uma educação que oportunize negros e não negros a se compreenderem como protagonistas na formação deste país. Tarefa difícil, já que muitos educadores preferem o silêncio ou o fingimento do não ver ou ouvir situações de preconceitos em sala de aula e no material didático em que adota. Pois, no que tange ao livro didático, [e outros materiais pedagógicos] muitos deles ainda apresentam-se praticas que afetam crianças e adolescentes negros/as e brancos/as em sua formação, destruindo a auto-estima do primeiro e cristalizando no segundo, imagens negativas e inferiorizadas da pessoa negra, empobrecendo em ambos o relacionamento humano e limitando as possibilidades exploratórias da diversidade étnico-racial e cultural6 . Uma escola que prioriza uma educação inclusiva deve ter a preocupação de preparar homens e mulheres que saibam conviver com multiplicidades de ideias e práticas culturais, objetivando a formação de seres humanos que admitam e respeitem as variedades étnico-raciais que forma o mosaico cultural brasileiro. Escolher material pedagógico, no qual a presença afro-ameríndia esteja evidenciada como protagonistas na formação desde país é dever essencial da educação que privilegia a diversidade sócio-cultural na composição do Brasil. Pois, boa parte dos educandos de escolas públicas tem nesses materiais o único canal para estudo e se o estudante negro não perceber imagens que eleve sua estima nesse material, qual ideia terá de si mesmo? 4 D’ADESKY, Jacques. Idem Op. Cit. p. 21. 5 OLIVEIRA, Rachel de. Tramas da Cor: Enfrentando o preconceito no dia-a-dia escolar. São Paulo-SP: Selo Negro Edições, 2005.p.93. 6 SILVA, Maria Aparecida da. Formação de educadores/as para o combate ao racismo: mais uma tarefa essencial. In: CAVALLEIRO, Eliane (Org) Racismo e Anti-racismo na educação: Repensando a nossa escola. São Paulo-SP: Selo Negro Edições, 2001. p.66.
  • 3. 3 Outra necessidade essencial na busca de uma escola inclusiva é a mudança dos currículos escolares, pois que estes devam contemplar conteúdos ligados à cultura afro- brasileira e à história dos povos africanos no período anterior ao sistema escravagista colonial7 . E por esse aspecto a Lei 10.369/03 vem contribuir para novas atitudes e novos olhares aos currículos, porque inclui no Sistema Nacional de Ensino de todo o país a obrigatoriedade da temática da História e Cultura Africana e Afro- brasileira nos currículos escolares. Essa lei lança novos raios para uma educação que venha ao encontro da realidade de nosso país, já que a práxis da mesma, em sua essência, é a valorização da pluralidade étnico-racial e cultural brasileira que tem sua formação maciçamente afro-ameríndia. O Brasil é uma imensa nação cuja característica principal não se reduzem às desigualdades socioeconômicas. É um país marcado, também pela diversidade cultural e racial. Não podemos, portanto, desconsiderar a interferência da diferenças étnico-raciais nas condições de vida e história do povo brasileiro. [...] Ao propor uma educação cidadã que articule a questão racial, tanto os (as) educadores (as) quanto os (as) formadores (as) de política devem estar cientes da complexidade que envolve a história e a trajetória escolar do segmento negro e pobre no Brasil8 . MITOS, LENDAS E FUNÇÃO SOCIAL NAS SOCIEDADES DA ÁFRICA ATLÂNTICA. Sendo mito uma narrativa sobre a origem de alguma coisa (origem dos astros, da Terra, dos homens e mulheres, das plantas, dos animais, do fogo, da água, dos ventos, do bem e do mal, da saúde e da doença, da morte, dos instrumentos de trabalho, das raças, das guerras, do poder, etc.) Mito, portanto é um discurso pronunciado ou proferido para ouvintes que recebem como verdadeira a narrativa, porque confiam naquele que narra; é uma narrativa feita em público, baseada, deste modo, na autoridade e confiabilidade da pessoa do narrador. E essa autoridade vem do fato de que ele ou testemunhou diretamente o que está narrando ou recebeu a narrativa de quem testemunhou os acontecimentos narrados9 . Para os povos da costa africana tudo o que dizia respeito ao conhecimento, à explicação das coisas e à possibilidade de interferir no rumo da vida, girava em torno da relação entre o mundo natural e o sobrenatural. Portanto, os mitos faziam parte do cotidiano dessa gente, no qual a vida e o lugar social de cada pessoa eram explicados conforme a vontade dos deuses e heróis fundadores das sociedades africanas. Sendo assim, os mitos acompanhavam os seres humanos desde o nascimento até o ato da morte. As adversidades eram consideradas frutos de ações humanas inadequados, conscientes ou inconscientes, que acarretavam a desarmonia, ou quando não se cumpria um preceito, ou quando se manipulavam de maneira mal-intencionada forças sobrenaturais em benefício próprio e com prejuízo de alguém. A harmonia poderia ser restabelecida ao se cumprir o preceito não observado, bem com uma oferenda a um ancestral. Assim, se um filho ficasse doente, se uma seca arruinasse a plantação, se uma mulher não conseguisse engravidar, ou mesmo se fosse preciso descobrir quem havia furtado algo, oráculos eram consultados para que apresentassem as soluções. Percebe-se com 7 SILVA, Maria Aparecida da. Idem. Op. Cit. p. 66. 8 GOMES, Nilma Lino. Educação cidadã, etnia e raça: O trato pedagógico da diversidade. In: CAVELLEIRO, Eliane (Org) Racismo e Anti-racismo na educação: Repensando a nossa escola. São Paulo- SP: Selo Negro Edições, 2001. p. 86. 9 CHAUI, Marilena. Convite à Filosofia. , 6ª Edição. São Paulo-SP, Ática: 1997. p.28.
  • 4. 4 isso que em quase tudo havia um mito para explicar um fato ou ato social, político e econômico. Com a diáspora africana, esses povos, com sua maneira de pensar e agir, vieram para a América na condição de escravizado, trazendo consigo um indiscutível arcabouço cultural. Entretanto, por se considerar superior e conquistador o português, se sentiu na necessidade de silenciar essa cultura. MITOS E LENDAS AFRICANAS E AFRO-BRASILEIRAS E A PARTICIPAÇÃO NO NEGRO NA FORMAÇÃO SÓCIO-CULTURAL DO NOSSO PAÍS Retratar a capoeira, o samba, o carnaval como participação do negro na cultura nacional talvez não seja nada complexo para educadores brasileiros, porém em se tratando de aspectos da religiosidade de matriz africana e afro-brasileira sempre há aqueles que ficam com “um pé atrás”. Ora justificando falta de conhecimento, ora afirmando não encontrar importância da temática na formação da cultura nacional, ou ainda culpabilizando a família de não querer que seus filhos compreendam a dinâmica das religiões de matriz africana e suas influências na formação brasileira. E, ainda existe o grupo que afirma que em sua formação inicial não houve nenhuma disciplina que lidasse com este tema. Assim, cada qual a sua maneira descobre uma forma de escamotear-se para não tratar da questão no interior da escola. A Lei 10.693/03 tornar-se-á letras mortas, ou no mínimo, incompletas caso tais educadores não se disponham em conhecer a importância das religiões e religiosidade de matriz africana e afro-brasileira para compreender a formação sócio-cultural do nosso país e, assim poder implementá-la nos currículos escolares. Mas, como trabalhar essa temática em sala de aula sem, contudo, incorrer-se no risco de proselitismos e/ou ferir a cosmo-visão religiosa do educando e de sua família? Começo essa análise recorrendo a uma lenda yorubá e peço licença aos leitores para transcrevê-la em sua integra: “Logo que o mundo foi criado, todos os orixás vieram para a Terra e começaram a tomar decisões e dividir encargos entre eles, em conciliábulos nos quais somente os homens podiam participar. Oxum não se conformava com essa situação. Ressentida pela exclusão, ela vingou-se dos orixás masculinos. Condenou todas as mulheres à esterilidade, de sorte que qualquer iniciativa masculina no sentido da fertilidade era fadada, ao fracasso. Estavam muito alarmados e não sabiam o que fazer sem filhos para criar nem herdeiros para deixar suas posses, sem novos braços para criar novas riquezas e fazer as guerras e sem descendentes para não deixar morrer suas memórias. Oludumare soube então, que Oxum fora excluída das reuniões. Ele aconselhou os orixás a convidá-la, e às outras mulheres, pois sem Oxum e seu poder sobre a fecundidade nada poderia ir adiante. Os orixás seguiram os sábios conselhos de Olodumare e assim suas iniciativas voltaram a ter sucesso. As mulheres tornaram a gerar filhos e a vida na Terra prosperou 10 . Que possibilidades tal lenda abre ao professor para explorá-la em sala de aula? 10 PRANDI, Reginaldo. Mitologia dos Orixás. São Paulo-SP: Cia das Letras, 2001. p. 345.
  • 5. 5 Creio que na área de linguagem, especialmente em Língua Portuguesa, poderia ser trabalhada a interpretação textual, vislumbrando o gênero e o tipo de texto, destacando os vocábulos africanos que aparecem na lenda, buscando o significado de cada um deles e, assim possibilitando a abertura de uma boa aula de etimologia e de formação de nossa língua materna. Já em Educação Religiosa, Filosofia e Sociologia é possível por meio dessa lenda explorar a questão de gênero e sexualidade, importância da mulher na sociedade, papel da mulher nas comunidades de religião de matriz africana e na sociedade moderna. E ainda discutir a marginalização e exclusão de negro e do não-negro na sociedade brasileira. Em contrapartida destaca-se como de profunda importância para professores de história ao tratar o conteúdo História da Grécia Antiga, especialmente ao abordar mitos e lendas gregas, fazer paralelos com os mitos e lendas africanas e afro-brasileiras. Pois, tanto uma quanto outra possuem formas peculiares de lidar com sagrado e o não sagrado. O importante é o educador despir-se de seus valores e apresentar esse sagrado sem preconceitos e princípios morais pessoais ou do grupo do qual ele faz parte. Também na disciplina História essa lenda pode abrir precedente para que o professor introduzir e discutir o conteúdo memória e sua importância para um grupo social. Visto que, é impossível pensar o ser humano e a humanidade sem discutir sua memória e como ela se articula no real-histórico. O texto retrata a preocupação das pessoas, pois já não nasciam mais descendentes e a memória do povo também morreria, portanto aproveitá-lo é uma forma de colocar em discussão um tema fundamental a para humanidade que é a memória histórica. Outro ponto importante que pode ser discutido tendo como aporte essa lenda é com referência a participação da mulher em fatos marcantes da história mundial e nacional, bem como a trajetória feminina e sua luta pela inclusão social, a mulher e mercado de trabalho na atualidade e ainda destacar personagens femininas negras que em seu tempo lutaram e lutam por uma sociedade mais justa, tais como Chica da Silva, Tereza de Benguela, Mãe Menininha do Gantois, Dandara, Ialorixá Stela de Oxossi, Chiquinha Gonzaga, Carolina Maria de Jesus, Benedita da Silva, entre outras personalidades locais. Uma vez que, a lenda retrata a luta de um Orixá feminino e sua busca por inclusão e participação em uma sociedade tipicamente masculina e excludente. Percebe-se então que não é possível; basta o professor aprimorar seu conhecimento e, principalmente, querer conhecer e aprender acerca da história e cultura africana e afro- brasileira juntamente com as religiões de matriz africana sem incorrer no risco de discutir teologia, pois é função da educação trabalhar diversidade respeitando valores e crenças, sem tocar em conceitos e preceitos religiosos. Percebamos uma outra lenda yorubá: “Ossaim era o nome de um escravo que foi vendido a Orunmilá. Um dia ele foi à floresta e lá conheceu Aroni, que sabia tudo sobre as plantas. Aroni, o gnomo de uma perna só, ficou amigo de Ossaim e ensinou-lhe todo segredo das ervas. Um dia, Orunmilá, desejoso de fazer uma grande plantação, ordenou a Ossaim que roçasse o mato de suas terras. Diante de uma planta que curava dores, Ossaim exclamava: “Esta não pode ser cortada, é a erva que cura as dores”.Diante de uma planta que curava hemorragias, dizia: “Esta estanca o sangue, não deve ser cortada”.Em frente de uma planta que curava a febre, dizia: “Esta não, porque refresca o corpo”. E assim por diante.
  • 6. 6 Orunmilá, que era um babalaô muito procurado por doentes interessou- se então pelo poder curativo das plantas e ordenou que Ossaim ficasse junto dele nos momentos de consulta, que o ajudasse a curar os enfermos com o uso das ervas miraculosas. E assim Ossaim ajudava Orunmilá a receitar e acabou sendo conhecido como o grande médico que é 11 . Destacamos esta lenda com a finalidade de notar a riqueza da mesma no que tange a ecologia, preservação do meio ambiente e a importância das ervas e plantas no trato com a saúde. Presume-se que professores das disciplinas Ciências da Natureza e Biologia se esbaldariam com esse texto explorando a temática acima mencionada. A disciplina História poderia usar a lenda para introduzir discussão sobre a escravidão na África antes da chegada dos europeus, já que a mesma começa afirmando que Ossaim era escravo de Orunmilá e termina dizendo que Ossaim transformou-se no grande médico da comunidade. Assim, abre-se possibilidade para debater as diferenças entre a escravidão na África antes dos europeus e a escravidão mercantil principiada na Idade Moderna. Valores religiosos de alguma família de formação judaico-cristã a interpretação dessas duas lendas africanas em sala de aula seriam feridos pela sua utilização? Creio que não. E muito pelo contrário, o estudo dessas lendas pode contribuir para que o aluno conheça e compreenda os valores de grupos diferentes do seu próprio. E nesse caso valores religiosos afro tão presentes no cotidiano do povo brasileiro, e com isso perceba que é nessa diversidade de idéias que surge o respeito pelo que compreendemos como diferente do grupo do eu. ALGUMAS CONSIDERAÇÕES Buscou-se neste artigo perceber a importância da Lei 10.630/03 no processo de efetivação do currículo escolar de todas as áreas de conhecimento em todos os níveis de ensino a História e Cultura Africana e Afro-brasileira, destacando como lendas e mitos podem ajudar na realização da introdução destes conteúdos no interior da escola. Uma vez que, se pressupõe que a educação em geral, por ser território propício para a compreensão dos valores humanos, deva encontrar espaço para a discussão acerca das diversidades em seus variados aspectos, em especial no âmbito cultural. Pensar uma educação no início do século XXI no qual o processo de entendimento humano deve ser a cada minuto ressaltado como essencial para o entendimento no planeta Terra. Faz-se necessário educar crianças, jovens e adultos para viver em uma sociedade que respeite as diferenças em todos os seus aspectos, especialmente no que tange à questão religiosa. Não é papel de a escola usar proselitismos de qualquer tendência religiosa. Como espaço de pluralidade sócio-cultural-religioso deve privilegiar debates e discussões visando formar cidadãos comprometidos com a busca de uma sociedade que respeite as identidades étnico-culturais. O compromisso maior da escola deve ser tratar das diversidades de forma crítica e criativa. Educando crianças, jovens e adultos que consigam conviver com as diversidades culturais, sempre enfatizando que enquanto ambiente de conhecimento e cultura deve se ater a sua primordial função, a saber, educar para o respeito ao outro e a valorização humana em todos os aspectos. 11 PRANDI, Reginaldo. Idem. Op. Cit. p.152.
  • 7. 7

×