Your SlideShare is downloading. ×
TRABALHO DE ESQUADRIAS DE FERRO E MADEIRA
TRABALHO DE ESQUADRIAS DE FERRO E MADEIRA
TRABALHO DE ESQUADRIAS DE FERRO E MADEIRA
TRABALHO DE ESQUADRIAS DE FERRO E MADEIRA
TRABALHO DE ESQUADRIAS DE FERRO E MADEIRA
TRABALHO DE ESQUADRIAS DE FERRO E MADEIRA
TRABALHO DE ESQUADRIAS DE FERRO E MADEIRA
TRABALHO DE ESQUADRIAS DE FERRO E MADEIRA
TRABALHO DE ESQUADRIAS DE FERRO E MADEIRA
TRABALHO DE ESQUADRIAS DE FERRO E MADEIRA
TRABALHO DE ESQUADRIAS DE FERRO E MADEIRA
TRABALHO DE ESQUADRIAS DE FERRO E MADEIRA
TRABALHO DE ESQUADRIAS DE FERRO E MADEIRA
TRABALHO DE ESQUADRIAS DE FERRO E MADEIRA
TRABALHO DE ESQUADRIAS DE FERRO E MADEIRA
TRABALHO DE ESQUADRIAS DE FERRO E MADEIRA
TRABALHO DE ESQUADRIAS DE FERRO E MADEIRA
TRABALHO DE ESQUADRIAS DE FERRO E MADEIRA
TRABALHO DE ESQUADRIAS DE FERRO E MADEIRA
TRABALHO DE ESQUADRIAS DE FERRO E MADEIRA
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

TRABALHO DE ESQUADRIAS DE FERRO E MADEIRA

17,065

Published on

Published in: Technology
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
17,065
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
339
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ UNOCHAPECÓ ESQUADRIAS DE MADEIRA E FERRO Aline M. Antonini Fernando de Gasperin Guilherme Mattielo Chapecó – SC, março de 2012. 1
  • 2. Universidade Comunitária da Região de ChapecóCurso: Engenharia CivilDisciplina: Construção Civil IIProfessor: Marcelo Fabiano Costella ESQUADRIAS DE MADEIRA E FERRO Aline M. Antonini Fernando de Gasperin Guilherme Mattielo Chapecó – SC, março de 2012. 2
  • 3. 1. INTRODUÇÃO As esquadrias de madeiras, têm uso comum em áreas internas, apesar deserem utilizadas na entrada do ambiente. A utilização interna deve-se pelo fato deisolação térmica, acústica e pela menor incidência de umidade natural. Já as esquadrias de ferro, é preciso fazer manutenções preventivas constantespara evitar o aparecimento da ferrugem - reação química que pode comprometer adurabilidade do metal. Por isso, aconselha-se pesar os custos de manutenção antes deefetuar a compra, principalmente quando se tratar de regiões litorâneas. As portas metálicas podem substituir as portas de madeira em quase todas assituações, devendo-se apenas levar em consideração os aspectos técnicos (segurança ebase para fixação), estéticos e de custo envolvidos. Em geral as portas de aço e mistassão indicadas para edificações comerciais e industriais e para segurança e proteção emedificações de qualquer tipo. Sua instalação, de modo geral, é simples, porém algunscuidados devem ser tomados para uma boa durabilidade. 3
  • 4. 2. ESQUADRIAS DE MADEIRA A madeira sempre esteve presente na maioria das fases de uma obra deconstrução civil, mas usualmente está sendo mais empregada em áreas internas comênfase nas portas tipo semi-ocas. Algumas das madeiras utilizadas nas esquadrias são:Freijó, Cedrorana, Cedro Rosa, Louro-vermelho, consideradas madeiras macias (ouleves); Soleiras e Marcos (uso externo); Ipê, Cumaru e Grápia que são consideradasmadeiras duras (mais pesadas e resistentes). 2.1) PORTAS DE MADEIRAAtualmente o uso desta porta é comum em áreas internas, apesar do tipo maciçasserem utilizadas na entrada do ambiente. A utilização interna deve-se pelo fato deisolação térmica, acústica e pela menor incidência de umidade natural.Em casos de madeira com baixa espessura, ela não apresenta boa resistência ao fogo;Mas em madeiras tratadas ou com grandes dimensões ocorre a combustão dascamadas superficiais gerando uma camada carbonizada protetora que isola o oxigêniodo restante da madeira, diminuindo assim a propagação do fogo.Quanto mais velha, ou mais seca a madeira maior será sua dureza; ela pode ter umagrande durabilidade se tiver reparos e cuidados, bem como boa pintura e sem frestaspara insetos. 2.2) Tipos de Portas de Madeira As portas de madeira visam também a estética do ambiente, podendo deixá-lorústico ou moderno conforme a necessidade do cliente, mas o importante também éavaliar as questões ambientais e climáticas do local. As portas podem ser compostas de 100% madeira, madeira-alumínio, e com vidro;as mais comuns são (Fig.1): 4
  • 5. Figura 1: Tipos de portas de madeira. Fonte: http://www.sbrt.ibict.br/PLC - Placa lisa compensada, estrutura celular, contorno maciço, com lâminascombinadas, espessura 40 mm.PLC RAC - Variação de PLC, com veneziana de retorno para ar condicionado na parteinferior.PLC-A - Variação de PLC, com aplicação de almofadas e molduras sobrepostas em umaou nas duas faces.PLC-F - Variação de PLC, com aplicação de filetes em uma ou nas duas faces.2.5) Procedimento de execução / instalação O principal processo de instalação de esquadrias de madeira é o de espuma depoliuretano, em que o vão é dimensionado com tolerância, pois a espuma triplica seuvolume, e é de fácil instalação e remoção, fora comparação de seu custo ao tempo deespera para trabalhabilidade que varia entre 2 á 8 horas, e possui uma boa resistênciase bem conservado. Em esquadrias de grandes dimensões, principalmente as esquadrias de correr,é indispensável à fixação da cabeceira e do peitoril (soleira) com parafusos. Abaixopasso-a-passo da instalação: PREPARAÇÃO DO VÃO: - O cuidado na preparação dos vãos de alvenaria éfundamental para a eliminação de retrabalhos no acabamento final da obra; - Parainstalação das portas, o piso, soleira, forro e teto devem estar concluídos e as paredes 5
  • 6. devem estar com a primeira demão de tinta e/ou revestimento final;- A altura do vãolivre é sempre a partir do piso acabado. (Fig.3) Fig. 3- Preparação do Vão Fonte: Incomel Portas e Janelas Ltda.1° Passo- Confira se o vão da obra está de acordo com as dimensões da porta para que elacaiba não danificando o produto.- Confira lado de abertura da porta. O lado de abertura corresponde sempre entrandono ambiente - para direita ou para a esquerda;2° PassoRetire a embalagem e encaixe o batente travado no vão, fixando-o com as cunhas demadeira na parte superior. (Fig. 4)3° PassoCom o auxílio do prumo e do nível verifique se o batente travado com a folha da portaestá nivelado, utilizando mais cunhas nas laterais para o ajuste final. (Fig.4) 6
  • 7. Fig. 4- Colocação de cunhas de madeira / verificação com prumo e nível Fonte: Incomel Portas e Janelas Ltda.4° PassoBorrife água em todo marco/batente antes de aplicar a espuma de instalação, fazendocom que a madeira sugue a água ao invés da espuma. Aplique a espuma expansiva depoliuretano na parte superior e nas laterais do vão entre o batente e a parede,conforme o desenho, cuidando para não aplicar na fechadura. (Fig. 5) Fig. 5 – Locais de aplicação da espuma de poliuretano Fonte: Incomel Portas e Janelas Ltda 7
  • 8. 5º Passo Após 24 horas, corte o excesso da espuma com um estilete, retire as cunhas, osespaçadores e as ripas de travamento do marco para dar procedimento à instalação.Durante o processo de cura a porta não pode ser movimentada.6° Passo Instalação da fechadura: O cilindro e a máquina da fechadura já devem estarinstalados na folha da porta. Encaixe a maçaneta no cilindro.7° Passo- Confira o funcionamento da porta, que deve estar abrindo livremente, sem raspar;- Chaveie a porta para verificar se não está travando.8° Passo Passe cola nos encaixes das vistas/guarnições e encaixe-as nos marcosreguláveis. Caso a guarnição/vista não for regulável, pregue-as ou pine-as no batente/marco.·.-> Para pintura recomenda-se os seguintes passos:- Remover a sujeira (pó, detritos de manuseio de obra).- Lixar todo o produto com lixa 220 ou 280, (lixe no sentido dos veios da madeira).- Remover com um pano seco todo pó para que a peça fique completamente limpa.- Passar uma demão de verniz ou tinta, deixe secar.- Lixar novamente com lixa 280, remova todo pó com um pano seco.- Dar mais duas demão de verniz ou tinta intercalando a secagem e a peça estápronta.2.4) Tipos de Janelas de madeiraAs janelas de madeira além da estética proporcionada, elas têm excelente isolamentoacústico e térmico; abaixo (fig.2) encontram-se os tipos mais comuns de janelas: 8
  • 9. JANELA DE CORRER 1,20 / 1,40 / 1,60 / 2,00 / 2,40 x 1,00Medidas Padrão: reta1,20 / 1,40 / 1,60 / 2,00 / 2,40 x 1,20em arco JANELA VENEZIANA Medidas Padrão 1.00 / 1,20 / 1,40 x 1,20 JANELA GUILHOTINA JANELA RETAMedidas Padrão Medidas Padrão1.00 / 1,20 / 1,40 x 1,20 1,20/1,40/1,60/2,00/2,40 x 1,20 arcoFig.2 Tipos de Janelas de Madeira 1,20/1,40/1,60/2,00/2,40 x 1,00 retoFonte: www.saogabriel.com.br2.4.1 INSTALAÇÃO DAS JANELAS DE MADEIRAO Processo de instalação de janelas de madeira acontece da seguinte forma:1° Passo: Deixar 1 cm de sobra de cada lado na abertura da parede. Ex.: Para janelas1,45m x 1,25m deixar um espaço de 1,47m x 1,27m. 9
  • 10. 2° Passo: O produto a ser instalado deve estar totalmente impermeabilizado, inclusivea parte externa dos batentes, pelo menos com uma demão de protetor decorativo(Ex.: Coralstein). Embalagem/Rendimento Galão 3,6 L: 40 a 50 m² por demão Quarto 0,9 L: 10 a 12,5 m² por demão3° Passo: Coloque as cunhas entre a janela e a parede.4° Passo: Verifique o nível, esquadro e prumo. As cunhas devem estar bem justas esem muita pressão. 10
  • 11. 5° Passo: Preencha com espuma expansiva de poliuretano os vãos dos cantos. Siga asintruções do fabricante contidas na embalagem do produto.6° Passo: Após a secagem, retirar a espuma excedente.7° Passo: Colocar a colocar a vista/guarnição na parte interna e externa.8° Passo: Verificar o movimento da janela se for o caso de janela de correr, guilhotinaentre outras, para não haver travamentos, caso houver, fazer os reparos. 11
  • 12. 2.5) Recomendações para conservação e manutenção das esquadrias de madeira-Em condições adversas de clima (ventos fortes, chuvas, temporais), fechar todas asesquadrias externas da habitação, inclusive as localizadas na fachada oposta à ação daintempérie (isso evita a sucção da água de chuva, ventos e poeiras, pela ação dodiferencial depressão).- Evitar fechar as portas com ímpeto. A batida da porta no marco com violência podeocasionar fissuras na alvenaria junto aos marcos e guarnições.- Evitar o contato da borda inferior das portas com água. Se a porta for decompensado, a umidade provocará o descolamento da lâmina.- Para limpeza da madeira, usar flanela levemente úmida, e no caso de superfícieslustradas recomenda-se eventual aplicação de lustra-móveis ou cera à base de silicone.- Atenção: não limpar esquadrias com jatos de água. Não utilizar lava-jato.- Prestar atenção aos sinais de desgaste do acabamento. A decisão sobre qual é omomento certo de fazer nova pintura na esquadria é do cliente. Mas quando a madeiracomeçar a apresentar manchas de microrganismos é hora de providenciar imediatamenteo novo acabamento.3. ESQUADRIAS DE FERRO O ferro é de todos os metais o mais utilizado na construção. No estado de ferropuro tem poucas aplicações industriais. Nas esquadrias de ferro, é preciso fazer manutenções preventivas constantespara evitar o aparecimento da ferrugem - reação química que pode comprometer adurabilidade do metal. Por isso, aconselha-se pesar os custos de manutenção antes deefetuar a compra, principalmente quando se tratar de regiões litorâneas. O ferroatualmente está mais empregado em coberturas, guarda-corpos, escadas e grades. 12
  • 13. 3.1) Tipos de Portas de Ferro Há uma variedade de portas de ferro, principalmente as trabalhadas, queconferem elegância e maior segurança ao ambiente, elas podem ser utilizadas comfolhas de vidro transparente, fosco e entalhados. O importante é sempre zelar peloscuidados de manuseio para não haver desgaste da pintura protetora e para nãocomprometer a vida útil do material. Abaixo segue imagem (Fig.6) dos tipos maiscomuns de portas de ferro:Fig.6: Tipos de Portas de FerroFonte:http://www.serralheriaparaguai.com.br/index.php?option=com_content&task=view&id=53&Itemid=66 13
  • 14. 3.2) Tipos de Janelas de Ferro Esse tipo de janelas tem ganhado espaço com o ferro forjado, que têmformatos muito interessantes esteticamente, especialmente para quem gosta derusticidade em sua obra. Apesar de seu formato poder ser feito por encomenda, osmais comuns são encontrados como na figura abaixo (Fig.7):Fig.7. Tipos comuns de janelasFonte: http://www2.ufp.pt/~jguerra/PDF/Construcoes/Serralharias 14
  • 15. 3.3) Procedimento de execução / instalação As esquadrias de já vêm de fábrica com chumbadores, grapas ou rabo-de-andorinha, porém deve-se ficar atento para os seguintes pontos na fase de execuçãodas esquadrias de ferro: - O dimensionamento dos perfis, cantoneiras e chapas devem ser feitos porprofissional habilitado e experiente, pois estarão sujeitas as tensões de uso; aesquadria deve ter rigidez e estabilidade suficientes com chumbadores; - No caso de peças de grande vão e peso, verificar se os reforços (tirantes,mãos-francesas) são suficientes para garantir a segurança do conjunto, lembrandosempre que haverá movimentação de folhas;- No caso de uso de buchas plásticas expansíveis, garantir que as mesmas estejam bemsolidarizadas na alvenaria ou no concreto; acompanhar a calefetação do conjunto comborracha de silicone de forma que não ocorra qualquer tipo de infiltração de água napós-ocupação;- Após a consolidação do chumbamento, testar o funcionamento dos basculantes,janelas de correr, máximos-ares, venezianas etc. e proceder aos ajustes se necessário; A preparação do vão, instalação e acabamentos das esquadrias se dá nosseguintes passos descritos abaixo: a) O vão deve estar preparado para o recebimento da esquadria (conformefigura 8):- vergas e contravergas no caso de janelas e vergas no caso de portas e portões;- abertura maior que as dimensões da esquadria. Normalmente utiliza-se uma folga de2,0cm para cada lado, facilitando ao profissional o enchimento com argamassa. Umaesquadria de 1.50x1,20m, por exemplo, deve ter um vão livre de 1x54x1,24m. 15
  • 16. Fig.8:Preparação Fonte: http://www.scheid.com.br/?p=linhas&divisao=1 b) Colocar a esquadria na posição dentro do vão, respeitando o nivelamento dacabeceira e do peitoril, o prumo das laterais, e repartindo as folgas laterais. Tratando-se de porta, respeitar a cota do piso pronto, mesmo que este ainda não esteja feito. c) Firmar a esquadria por meio de calços na verga e contraverga e nas laterais,de modo que o funcionamento possa ser testado antes da fixação definitiva. Os calçosdevem ser colocados sempre nas laterais e não no meio da esquadria e respeitando adistância máxima de 0,60m entre eles (conforme figura 9 ). Fig.9: Calços na verga e contraverga da esquadria Fonte: http://www.scheid.com.br/?p=linhas&divisao=1 d) Nivelar e bater o prumo da esquadria quando ela já estiver totalmente fixadacom os calços. e) Após a esquadria instalada, testar o funcionamento, movimentando-adiversas vezes para ter absoluta certeza de que está perfeita e corretamente instalada.Verificar se as ferragens (fechos, cremones, dobradiças, etc.) estão em perfeito estado. 16
  • 17. f) Abrir os chumbadores para assegurar uma melhor fixação da janela(Conforme figura 10 ) e fixar a esquadria. Fig.10: Chumbadores Fonte: http://www.scheid.com.br/?p=linhas&divisao=1 g) Preencher todo o vão livre com argamassa no traço 1:3(cimento e areia) atéo total preenchimento dos espaços vazios (conforme figura c ). Esta operação é deextrema importância, pois são inúmeros os casos de infiltração de água de chuva peladeficiência deste preenchimento. Figura c – Preenchimento do vão com argamassa h) Após a secagem da argamassa deve-se fazer uma proteção contra ferrugeme a pintura final da esquadria com esmalte sintético (se for o caso). Após os passos descritos acima poderá ser dado continuidade aos acabamentosda alvenaria (reboco, pintura, etc.), mas sempre protegendo a esquadria de respingosde outros materiais. Aconselha-se manter a proteção plástica da esquadria até a 17
  • 18. finalização dos acabamentos. Para a manutenção é aconselhável que sejam efetuadas2 (duas) demãos de esmalte sintético a cada 12 (doze) meses para se ter uma boaconservação. 18
  • 19. 4. CONCLUSÃO A instalação de esquadrias deve ser feita de modo que a mesma tenhadurabilidade, estanqueidade e perfeita estética. Alguns cuidados devem ser tomadospara a uma boa execução das janelas e portas: a escolha de um bom fornecedor einstalador (pedreiro), o rigor na execução dos vãos (preparação), os alinhamentos eprumos, sua vedação e pintura são fatores preponderantes para o funcionamentoperfeito das esquadrias. 19
  • 20. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICASPINI. Construção Passo a Passo - Volume 2. São Paulo: Ed. PINI, 2009. Primeiraedição.Sasazaki portas e janelas. Disponível em: <www.sasazaki.com.br>. Acesso em: 09 demarço de 2012.PINI WEB. Disponível em: www.piniweb.com.br Acesso em: março/2012Esquadrias Scheid. Disponível em: <www.scheid.com>. Acesso em: março/2012.Condições Técnicas de construção.Disponível em: <http://www2.ufp.pt/~jguerra/PDF/Construcoes/Serralharias>. Acessoem março/2012.Esquadrias Primos. Disponível em:<http://www.esquadriasprimos.com.br/instalacao.html> Acesso em: março/2012 20

×