Artigo i weec 2004 metodologias em ea brasil
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Artigo i weec 2004 metodologias em ea brasil

on

  • 478 views

 

Statistics

Views

Total Views
478
Views on SlideShare
478
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
1
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Artigo i weec 2004 metodologias em ea brasil Artigo i weec 2004 metodologias em ea brasil Document Transcript

  • 1 Manuscrito não publicado, I World Environmental Education Congress, 2004, Espinho, Portugal Metodologias em Educação Ambiental na América Latina: Problemas e Perspectivas. Estudo Piloto. I.Brasil. Esboço Preliminar. 1 Alexandre de Gusmão Pedrini 2 Milta Fonseca Torgano Introdução A questão metodológica sempre foi assunto debatido em vários foros das disciplinas humanistas e naturais. Há dezenas de livros publicados no Brasil, tratando do assunto (p. ex.,FAZENDA, 1991;MINAYO, 1992; ALVES-MAZZOTTI & GEWAND SZNAJDER, 1999; RICHARDSON, 1999; CHIZZOTTI, 2001; PEREIRA, 2001; RUDIO, 2002). Ao longo do tempo as “verdades passageiras” no campo metodológico foram se modificando. Há, inclusive, uma célebre obra que mostra que não existe metodologia consistente e que a ciência é anárquica (FEYERABEND, 1989). Por uma questão de referencial teórico -didático, metodologia, neste trabalho, poderia ser vislumbrada como um conjunto de procedimentos com cientificidade com o fim de munir uma pesquisa, atividade ou ação de meio para atingir a um fim. Apesar do campo de pesquisa em metodologia ser pouco difundido na América latina, há institutos de pesquisa, nos países centrais, devotados exclusivamente a desenvolver e aperfeiçoar novas metodologia científicas de aplicação ‘as ciê ncias como um todo. Inclusive, DEMO (2000) afirma que a falta de preocupação metodológica é um indício de mediocridade do trabalhador. Na Educação Ambiental (EA) há indícios de despreocupação metodológica. PEDRINI & DE - PAULA (2002) mostraram, num estudo pr ospectivo, que uma conceituação equivocada de EA pode levar a seleção de estratégias equivocadas em EA. Há também uma lide bastante pungente e, ainda, de discursos oponentes intermináveis que é o confronto entre a metodologia qualitativa e a metodologia quantitativa. Nas ciências humanas normalmente o que se depara é com pesquisas com abordagem quase que exclusivamente e nas ciências naturais apenas a abordagem quantitativa é aceita pela comunidade científica. Parece, então, haver uma cisão e uma oposição entre a metodologia qualitativa e a quantitativa. Na seleção de que estratégias ou técnicas de coleta e análise 1 Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Instituto de Biologia Roberto Alcântara Gomes(IBRAG), Departamento de Biologia Vegetal (DBV), Laboratório de Ficologia e Educação Ambiental, Rua São Francisco Xavier, 524, Pavilhão Haroldo Lisboa da Cunha, sala 525/1, CEP 20550-013, Rio de Janeiro, RJ, Brasil; ( apedrini@cnen.gov.br) 2 Estagiária do Laboratório de Ficologia e Educação Ambiental, IBRAG, UERJ, Brasil; (mpedrini@vetor.com.br)
  • 2 de dados devem ser adotadas num ou outro paradigma nem sempre é coerente. Assim, este estudo piloto se propôs verificar se este fato ocorre no Brasil para depois se estruturar a uma pesquisa aprofundada. Tencionou também ser fonte de estudo por interessados em metodologias em EA. Metodologia Face ao pouco tempo para planejar, realizar, avaliar e redigir este estudo em escala prospectiva ou extensiva, foi pensado um estudo -piloto. Este estudo bastante preliminar e limitado, até o momento, seguiu os trâmites coloquiais de uma pesquisa tradicional de enfoque qualitativo. O primeiro autor entrou em contato com alguns colegas latinoamericanos para p oder cobrir geograficamente a América Latina (AL). No entanto, não conseguiu, ainda, apoio. Deste modo, o primeiro autor começou o trabalho de planejamento sozinho enquanto procurava parceiros. Em contato posterior com o terceiro autor conseguiu seu intere sse em cuidar da América Central e uma indicação para um sub - coordenador para o Caribe, restando ao primeiro autor a América do Sul. Mas, a colega que ficaria com o caribe não respondeu aceitando ou não o convite até janeiro de 2003, inviabilizando a colet a de dados nesta região, já que o período para respostas foi de cerca de 40 dias, abrangendo o mês de novembro de 2002. Em janeiro/fevereiro de 2003 foram organizados, analisados e escritos os dados e informações deste trabalho - piloto. Assim, decidiu-se estudar apenas o Brasil, face ao não envio da totalidade dos questionários obtidos de outros países latino-americanos. A esperança é de que a análise apaixonada e séria, por parte dos participantes do Workshop sobre Tendências e problemas Metodológicos em Ed ucação Ambiental na AL no I Congresso Mundial de Educação Ambiental, de 20-24 de maio de 2003, aperfeiçoará muito as já deficiências apontadas neste estudo e que por isto mesmo foi adotado para exercício e não deixa de ser um exemplo, embora limitado aos s eus respondentes, do que se pode fazer no Brasil. De posse de um questionário semi -fechado ele foi enviado para alguns colegas para que se fizesse um pré-teste de sua adequacia. No entanto, os poucos colegas que deram retorno o acharam adequado e já devolveram o questionário preenchido definitivamente. Foi um equívoco aceitar as poucas respostas, pois durante a organização dos dados verificou -se algumas incoerências na estruturação das perguntas.Aí, verificou-se que este trabalho seria um excelente exemplo para um debate numa reunião de metodólogos para podermos discutir a fundo as posturas corporativas de educadores ambientais. O questionário (vide anexo) foi então distribuído por Correio Eletrônico (CE) a colegas cujos endereços os autores possuíam no seu programa de CE. Foi também solicitado a estes colegas que adotasse a estratégia de coleta de dados denominada de “bola de neve”, em que, cada respondente repassaria o questionário para os colegas de sua lista de endereços que fossem da AL, criando uma mul tiplicação incontável de pessoas. As principais listas de discussão de Meio Ambiente e EA (com expressão nacional e internacional) a que o questionário foi enviado, foram: a) Educação Ambiental na América Latina (EALatina) b) Educação Ambiental e Ecoturismo (Ea ecoturismo) c) Grupo de Educação Ambiental na Internet (GEAI) d) Rede Brasileira de Educação Ambiental (REBEA)
  • 3 e) Rede de Educação Ambiental do Estado do Rio de Janeiro (REA -RJ) Como algumas listas de discussão não aceitavam anexos o texto do questionário foi feit o em Word for Windows e transferido para o texto da mensagem do Programa “Outloook” e daí enviado para os endereços selecionados. Em alguns casos as respostas chegaram com as frases agarradas umas às outras, dificultando muito sua leitura. Neste caso, um c uidadoso rearranjo das frases teve que ser feito. À medida que foi feita a organização dos dados verificou -se que algumas respostas podiam ter sentido variado o que dificultou a coleta de dados. Resultados Foi feita uma caracterização geral dos responde ntes e suas vinculações profissionais, tentando -se ter uma idéia de quais eram os educadores ambientais que participaram da pesquisa -piloto. O número de respondentes do Brasil foram 25 exclusivamente das regiões sudeste, sul e centro -oeste. Algumas características foram dimensionadas e algumas delas são apresentadas nos gráficos a seguir. A Fig. 1 mostra a expressão numérica dos respondentes quanto ao sexo. 35% Masculino Feminino 65% Figura 1: Gráfico mostrando os respondentes quanto ao sexo. A Fig. 2 mostra as classes de anos de nascimento dos respondentes, dando uma idéia da idade dos respondentes.
  • 4 Classes de anos de Nascimento 1970-1979 6 1960-1969 8 dos educadores 1950-1959 8 1940-1949 2 1930-1939 1 0 2 4 6 8 10 Núm ero de educadores Figura 2: Classes de anos de nascimento dos educadores. Os educadores respondentes se distribuíram, segundo o ano da c onclusão de seus cursos entre 1966-2002. Isto sugere que foram educadores de diferentes gerações, porém a maioria absoluta é de educadores, em tese, maduros e experientes, face as suas idades entre 30 e 40 anos. A Fig. 3 mostra se houve preferência dos edu cadores entre escolas públicas ou privadas para fazerem sua graduação, em que região brasileira isto ocorreu e em que cursos obtiveram sua graduações. 35% Particular Públicas 65% Figura 3: Preferência de universidades, segundo a gratuidade. A Fig. 4 mostra a distribuição dos cursos dos educadores por estados brasileiros onde alcançaram suas graduações.
  • 5 8 8 7 7 Números de educadores 6 5 4 3 3 3 2 2 1 1 1 0 Goiás Paraná SP RJ RS SC Não Ident. Estados brasileiros Figura 4: Estados onde os educadores ambientais se graduaram . A Fig. 4 mostra que os educadores se graduaram apenas nas regiões sudeste, sul e centro -oeste, sendo a maioria absoluta no eixo Rio de Janeiro e São Paulo. A Fig.5 apresenta o perfil temático representado pelas graduações que os respondentes preferiram se formar, sendo que dois deles fizeram mais de uma. 15 16 14 Número de educadores 12 10 8 6 3 2 2 4 1 1 1 1 1 1 2 0 Com.Soc. Quimica Eng. Flor. Pedagogia C.Agríc. Graduação universitária Figura 5: Perfil temático dos educadores quanto a graduação universitária que se formaram. A Fig. 5 mostra que a maioria absoluta dos educadores são biólogos(ciências naturais) e minoria absoluta das ciências sociais. A Fig. 6 mostra o grau de qualificação pós -graduada dos respondentes.
  • 6 18 16 Número de educadores 14 12 10 8 6 4 2 0 Esp.Br Esp.Ext. Ms. Br. Ms. Ext. Dr. Br. Dr. Ext. Pós Dr.Br Pós Dr.Ext. Qualificação pós-graduada Figura 6: Gráfico mostrando o grau de qualificação dos educadores respondentes. A Fig. 7 apresenta o tipo de educação ambiental praticada pelos respondentes. 48% EAF 52% EANF Figura 7: Representação numérica dos tipos de educação ambiental praticadas pelos educadores ambientais; EAF: Educação Ambiental Formal e EANF: Educação Ambiental Não Formal. A Fig. 8 mostra em que níveis de ensino, dentre os 52 % de Educação Ambiental Formal, os educadores ambientais atuam.
  • 7 12 10 educadores Número de 8 6 4 2 0 Ed.Infantil Secundário Graduação Especializ. Mestrado Doutorado Figura 8: Níveis do ensino formal em que os educadores ambientais atuam. A Figura 8 mostra que os educadores atuam em vários níveis do ensino superior ao mesmo tempo. Os que têm doutorado atuam da graduação ao doutorado, em geral. Os que atuam na educação infantil e secundário não atuam no ensino superior. A Fig.9 expõe as preferências metodológicas no nível de paradigma adotadas pelos respondentes. Quatro respondentes praticam as duas abordagens , ou seja, a qualitativa e a quantitativa, sendo que três deles sem misturar as estratégias de coleta e análise dos dados. 19% 3% Qualitativa Quantit. QualQuat 78% Figura 9: Paradigmas metodológicos adotados pelos educadores. A predominância absoluta da escolha da abordagem qualitativa para os trabalhos dos educadores ambientais sugere que o uso de estatística e sua derivações em que cada indivíduo responde exatamente igual ao outro não procede. Além disto, a possibilidade de aprofundamento com número menor de educandos se mostra mais verdadeiro. Mostra uma escolha em que a educação ambiental se processa dependente do contexto em que ela é praticada. Porém, há também a aplicação mesmo que quase inexistente do s dois paradigmas concomitantemente. Na análise dos dados já codificados foi verificada a adoção de estatística não-paramétrica para um estudo de abordagem qualitativa. Este fato, nos parece, um equívoco metodológico. A Fig. 10 apresenta as estratégias d e coleta de dados.
  • 8 15 14 16 13 13 14 11 12 Números de educadores 10 8 4 6 4 1 2 0 Entrevista A.Conteúdo Pesq.Ação Obs.Part. Pesq.Part. Hist.Oral Hist.Vida Estratégias de coleta de dados Figura 10: Expressão das estratégias de coleta de dados na abordagem qualitativa adotados pelos educadores. A Fig. 11 mostra as técnicas de coleta de dados adotadas pelos educadores, seg undo a abordagem quantitativa. 14% 43% Question. Amost.Prob. Não Ident. 43% Figura 11: Expressão numérica das técnicas de coleta de dados na abordagem quantitativa pelos educadores. A Fig.12 apresenta a expressão numérica das técnicas de análise de dados na abo rdagem quantitativa. 14% Est.Param. 29% Est.NParam. 57% Anal.Multiva. Figura 12: Representação numérica das técnicas de análise
  • 9 do paradigma quantitativo adotadas pelos educadores ambientais. Considerações Finais Este estudo piloto possibilitou mostrar a preferência dos educadores pela abordagem qualitativa e exemplificar algumas incongruências metodológicas, quando tenta -se compor o paradigma qualitativo com o quantitativo. Possibilitou também ao analisar os questionários (estra tégia de coleta de dados)verificar algumas distorções de estrutura, porém, apenas, nas perguntas de caracterização dos respondentes. O baixo número de respostas (considerando que devam haver milhares de educadores ambientais no Brasil, em diferentes estág ios de experiência), não impediu que se caracterizasse e identificasse, preliminarmente, no Brasil, as estratégias e métodos consagrados internacionalmente na prática dos educadores ambientais. Literatura Citada ALVES-MAZZOTTI, A. J. & GEWANDSZNAJDER, F . O Método nas Ciências Naturais e Sociais; Pesquisa Quantitativa e Qualitativa. São Paulo, Pioneira, 1999, 2 ed., 203 p. CHIZZOTTI, A Pesquisa em Ciências Humanas e Sociais. São Paulo, Cortez, 5 ed., 2001, 164 p. DEMO, P. Metodologia do Conhecimento Cie ntífico. São Paulo, Atlas, 2000, 206 p. FAZENDA, I. (Org.) Metodologia da Pesquisa Educacional . São Paulo, Cortez, 1991, 2 ed., 174 p. FEYERABEND, P. Contra o Método. Rio de Janeiro, Francisco Alves, 3 ed., 1989, 488 p. MINAYO, M. C. De S. O Desafio do Conhecimento; pesquisa qualitativa em saúde . São Paulo, HUCITEC- ABRASCO, 1992, 269 p. PEDRINI, A G. & DE-PAULA, J. C. de. Educação Ambiental: Críticas e Propostas. In: PEDRINI, A G. (Org.) Educação Ambiental; Reflexões e Práticas Contemporâneas . Petrópolis, Vozes, 5 ed., 2002, p. PEREIRA, J. C. R. Análise de dados qualitativos; Estratégias Metodológicas para as Ciências da Saúde, Humanas e Sociais. São Paulo, EDUSP/FAPESP, 3 ed., 2001, 157 p. RICHARDSON, R. J. (Org.) Pesquisa Social; Métodos e Técnicas . São Paulo, Atlas, 3 ed., 1999, 334 p. RUDIO, F. V. Introdução ao projeto de pesquisa científica . Petrópolis, Vozes, 30 ed., 144 p.