ESB - detalhes

498
-1

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
498
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
16
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

ESB - detalhes

  1. 1. Alunos: Alexandre Silva FernandesDanilo CostaHenrique de AlmeidaRobson Silva Almeida
  2. 2.  SOA é uma metodologia que visa maximizar a reutilização de serviços existentes e a integração com novos serviços para aumentar a eficiência e produtividade de uma empresa. Após uma pequena definição de SOA, iremos falar de ESB, Enterprise Service Bus que é uma infra-estrutura SOA.
  3. 3. ESB é uma abordagem de integração global para permitir a diferentes aplicações se comunicar .
  4. 4. Porém, há que se configurar o processo. Em um ESB os fluxos dos inúmeros processos podem variar desde simples sequências de passos dentro de uma mesma organização, a orquestrações sofisticadas de execução de ações (com sincronismos, roteamentos, transformações, cômputos intermediários, agregações, etc.) envolvendo várias organizações.
  5. 5.  O ESB fornece um modelo de integração e implantação, permitindo o tráfego de mensagens locais e globais através de componentes de integração, adaptadores configuráveis, protegidos e gerenciados por um sistema integrado de segurança.
  6. 6.  Suponha a seguinte situação. Uma empresa X possui um sistema de grande porte desenvolvido em Java (JEE, EJB e outros). Essa empresa X adquire uma empresa Y que por sua vez utiliza tecnologia .NET. A empresa possui um sistema de CRM que necessita, por alguma motivo, obter informações dos dois sistemas para que possa fazer algum processo de atendimento ao cliente. Para fazer isso você teria várias opções, poderia conectar os dois sistemas diretamente, poderia desenvolver uma classe (ou todo um pacote de classes) que faça acesso aos dois sistemas.
  7. 7.  Com tempo, à medida que surgissem outras necessidades de conectar esses dois sistemas, você acabaria por ter uma confusão geral de sistemas acessando outros sistemas. Um caos de verdade. Para evitar isso, entra o papel de ESB, que neste caso seria um "negociador", seria uma "interface" para a qual você iria solicitar a execução de alguns processos, consultas, etc. Ou seja, um elemento intermediário que seria responsável por conectar sistemas diferentes. O seu sistema Java nem tomaria conhecimento de que o outro sistema é feito em .NET ou em qualquer outra tecnologia, porque ele se comunicaria apenas com o ESB, o qual por sua vez teria o papel de se conectar a esses outros sistemas.
  8. 8.  ESB seria uma abstração dessa interconexão de sistemas que usam tecnologias diferentes. A maneira mais comum de se implementar um ESB hoje é através de Web Services, mas isso não é regra, existem outras formas de se realizar a mesma atividade. (ESB <> Web Services).
  9. 9.  IBM WebSphere ESB e DataPower; Sonic ESB; TIBCO BusinessWorks e ActiveMatrix Grid; Cape Clear OSB Oracle Service Bus
  10. 10.  Ferramenta para desenvolvimento baseada no Eclipse, chamada Oracle Service Bus WorkSpace Studio; Tratamento de falhas na chamada de serviços (tanto roteamento como pooling de mensagens); Otimização de transporte de mensagens Suporte a WS-ReliableMessaging: permite tanto o reenvio de mensagens das quais não se sabe se a resposta foi enviada, como também reenvio de mensagens após falha do cliente ou do servidor.
  11. 11.  Os serviços são divididos em dois tipos: serviços de proxy e serviços de negócio. Criação de relatórios a partir da situação das SLAs do barramento permitindo realizar pesquisas sobre o mesmo. Permite segurança ao nível de mensagem e de transporte. Suporta as especificações: WS-Policy, WS- RealiableMessaging, XACML, WSAddressing, SCA, XPDL, SAML, PKI.
  12. 12.  Oracle User Interaction: permite a criação de soluções contemplando infraestrutura de serviços, incluindo portais e aplicações compostas. Oracle Business Process Management: inclui automatização, execução e monitoramento do ciclo de vida de processos de negócio como um todo. Oracle Data Service Integrator: permite a criação de serviços de dados que disponibilizam visões unificadas e em tempo real dos dados em diferentes fontes de dados espalhadas pela organização
  13. 13.  Dada a complexidade enfrentada, o fato das ferramentas de ESB darem grande suporte às integrações, isso não significa que a implantação de um ESB em uma empresa e entre empresas seja uma tarefa simples e rápida. Exige pessoal extremamente qualificado para executar todas as fases do processo, pois o processo não é uma tarefa fácil.
  14. 14.  http://soasimples.com/blog/?cat=11 http://www.linhadecodigo.com.br/Artigo.aspx?id=434 https://blogs.oracle.com/galdino/entry/o_que_e_um_esb http://blogs.msdn.com/b/wcamb/archive/2009/02/17/enter prise-service-bus-esb-barramento-de-servi-os-e-seus- desafios.aspx
  15. 15. Dúvidas
  1. A particular slide catching your eye?

    Clipping is a handy way to collect important slides you want to go back to later.

×