Your SlideShare is downloading. ×
0
Meios De Contraste Tomografia Computadorizada
Meios De Contraste Tomografia Computadorizada
Meios De Contraste Tomografia Computadorizada
Meios De Contraste Tomografia Computadorizada
Meios De Contraste Tomografia Computadorizada
Meios De Contraste Tomografia Computadorizada
Meios De Contraste Tomografia Computadorizada
Meios De Contraste Tomografia Computadorizada
Meios De Contraste Tomografia Computadorizada
Meios De Contraste Tomografia Computadorizada
Meios De Contraste Tomografia Computadorizada
Meios De Contraste Tomografia Computadorizada
Meios De Contraste Tomografia Computadorizada
Meios De Contraste Tomografia Computadorizada
Meios De Contraste Tomografia Computadorizada
Meios De Contraste Tomografia Computadorizada
Meios De Contraste Tomografia Computadorizada
Meios De Contraste Tomografia Computadorizada
Meios De Contraste Tomografia Computadorizada
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Meios De Contraste Tomografia Computadorizada

20,510

Published on

Published in: Health & Medicine
0 Comments
7 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
20,510
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
4
Actions
Shares
0
Downloads
318
Comments
0
Likes
7
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA MEIOS DE CONTRASTE Alex Eduardo Ribeiro Tecnólogo em Radiologia Médica
  • 2. HISTÓRICO <ul><li>FORMA CASUAL EM 1923: OBSERVAÇÃO UROGRÁFICA DE UM PACIENTE SOB TRATAMENTO DE SÍFILIS COM IODETO DE POTÁSSIO  MOSTRAVA MODERADA RADIODENSIDADE; </li></ul><ul><li>1930 A SCHERING LANÇOU NO MERCADO A 1 ª GERAÇÃO DE CONTRASTES IODADOS UROGRÁFICOS; </li></ul><ul><li>1960 DESENVOLVIMENTO DE CONTRASTES NÃO IÔNICOS (SUBSTITUIÇÃO DO SAL ANTERIOR POR GRUPOS COVALENTES AMIDA OU GLUCOMIDA, GARANTINDO SOLUBILIDADE EM ÁGUA, COM BAIXA OSMOLARIDADE E BAIXA TOXICIDADE; </li></ul>
  • 3. <ul><li>PROPRIEDADES RELACIONADAS AOS MEIOS DE CONTRASTE IODADOS </li></ul><ul><ul><li>DENSIDADE (g/ml): número de átomos de iodo por milímetro de solução; </li></ul></ul><ul><ul><li>VISCOSIDADE: força necessária para injetar a substância através de um cateter, aumenta geometricamente com a concentração da solução e com o peso molecular; os iônicos tem maior viscosidade que os não iônicos; </li></ul></ul><ul><ul><li>OSMOLALIDADE: função definida pelo número de partículas de uma solução por unidade de volume. Os contraste iônicos têm maior osmolaridade do que os não iônicos porque dissociam cátions e ânions na solução; </li></ul></ul>
  • 4. <ul><li>CONDIÇÕES QUE INFLUENCIAM NA QUALIDADE </li></ul><ul><li>DO EXAME </li></ul><ul><ul><li>Dose de contraste; </li></ul></ul><ul><ul><li>Velocidade da injeção; </li></ul></ul><ul><ul><li>Calibre do cateter: em função da viscosidade da solução utilizada; </li></ul></ul><ul><ul><li>Temperatura da substância: principalmente no uso de contraste não iônico; </li></ul></ul><ul><ul><li>Retardo e tempo de scan; </li></ul></ul>
  • 5. <ul><li>CUIDADOS DE ARMAZENAMENTO </li></ul><ul><ul><li>LOCAL ESCURO; </li></ul></ul><ul><ul><li>LONGE DE APARELHOS DE RAIO-X: A RADIAÇÃO QUEBRA AS PARTÍCULAS DE IODO; </li></ul></ul><ul><ul><li>TEMPERATURA IDEAL: 15 A 25° C - PODENDO OCORRER CRISTALIZAÇÃO EM TEMPERATURAS MUITO BAIXAS; </li></ul></ul><ul><ul><li>ESTUFA A 37° C POR TEMPO MÁXIMO DE 3 MESES (reduz a viscosidade do agente, melhorando sua fluidez e diminuindo a ocorrência de efeitos adversos); </li></ul></ul><ul><ul><li>NÃO UTILIZAR FRASCOS ABERTOS POR MAIS DE 24 HS; </li></ul></ul><ul><ul><li>A SOLUÇÃO ASPIRADA OU NO FRASCO NÃO DEVE SER REESTERILIZADA NEM GUARDADA NOVAMENTE; </li></ul></ul><ul><ul><li>PRAZO DE VALIDADE NORMALMENTE É DE 2 A 3 ANOS; </li></ul></ul>
  • 6. CONTRASTE VESICAL <ul><li>OBJETIVO: PREENCHER A BEXIGA; </li></ul><ul><li>200 ml DILUÍDO EM 3% SORO FISIOLÓGICO; </li></ul><ul><li>RARO ESSE TIPO DE ADMINISTRAÇÃO; </li></ul>
  • 7. CONTRASTE ORAL <ul><li>EXAMES ABDOMINAIS; </li></ul><ul><li>SULFATO DE BÁRIO OU CONTRASTE IODADO DILUÍDO EM TORNO DE 3%; </li></ul>ALÇAS INTESTINAIS 1000 ml 1 a 2 horas
  • 8. CONTRASTE RETAL <ul><li>ESTUDOS PÉLVICOS; </li></ul><ul><li>PREENCHIMENTO DO RETO E SIGMÓIDE; </li></ul>200 ml Iodado + utilizado Diluição de 3%
  • 9. CONTRASTE ENDOVENOSO <ul><li> 2 FÓRMULAS </li></ul><ul><li> IÔNICOS NÃO IÔNICOS </li></ul><ul><li> 6x mais seguro </li></ul><ul><li> 3x mais caro </li></ul>
  • 10. <ul><li>Preparo: 6 horas de jejum absoluto </li></ul><ul><li>Suspensão de antiglicemiantes 48 hs antes e após o exame </li></ul><ul><li>Maior pré disposição à reações alérgicas : </li></ul><ul><ul><li>qualquer tipo de alergia ao iodo (oral, cutâneo); </li></ul></ul><ul><ul><li>alergia a alimentos (frutos do mar, camarão, agrião...); </li></ul></ul><ul><ul><li>alergia a medicamentos como sulfa, penicilina...; </li></ul></ul><ul><ul><li>problemas respiratórios como rinite alérgica, bronquite, asma; </li></ul></ul><ul><ul><li>cardíacos; </li></ul></ul><ul><ul><li>diabéticos; </li></ul></ul><ul><ul><li>portadores de insuficiência renal; </li></ul></ul><ul><ul><li>mieloma múltiplo; </li></ul></ul><ul><ul><li>recém-nascidos; </li></ul></ul><ul><ul><li>pacientes idosos; </li></ul></ul><ul><ul><li>anemia falciforme; </li></ul></ul>
  • 11. <ul><li> MÉDICO </li></ul><ul><li>RISCO-BENEFÍCIO DO CONTRASTE </li></ul><ul><li>QUANTIDADE DE CONTRASTE: </li></ul><ul><li> peso do paciente (2ml/Kg – 38% iodo); </li></ul><ul><li>região de estudo; </li></ul><ul><li>velocidade do aparelho; </li></ul>
  • 12. <ul><li>SINTOMAS DURANTE A ADMINISTRAÇÃO DO CONTRASTE </li></ul><ul><ul><li>DESCONFORTO LEVE NO LOCAL DA PUNÇÃO </li></ul></ul><ul><ul><li>SENSAÇÃO DE AQUECIMENTO EM TODO O CORPO </li></ul></ul><ul><ul><li>CALOR </li></ul></ul><ul><ul><li>GOSTO RUIM NA BOCA </li></ul></ul><ul><ul><li>NÁUSEAS </li></ul></ul>
  • 13. <ul><ul><li>NÁUSEAS </li></ul></ul><ul><ul><li>CALOR </li></ul></ul><ul><ul><li>TOSSE </li></ul></ul><ul><ul><li>PRURIDO </li></ul></ul><ul><ul><li>URTICÁRIA </li></ul></ul><ul><ul><li>RUBOR </li></ul></ul><ul><ul><li>ROUQUIDÃO </li></ul></ul><ul><ul><li>ESPIRROS </li></ul></ul><ul><ul><li>DOR NO PEITO </li></ul></ul><ul><ul><li>DORES ABDOMINAIS </li></ul></ul><ul><ul><li>PALPITAÇÃO </li></ul></ul><ul><ul><li>EDEMA FACIAL </li></ul></ul><ul><ul><li>PARADA CARDÍACA </li></ul></ul><ul><ul><li>PERDA DE CONSCIÊNCIA </li></ul></ul>REAÇÕES ADVERSAS AO MEIO DE CONTRASTE
  • 14. Reações leves: Cutâneas s/ necessidade de tratamento: náusea / vômito, calor, cefaléia discreta, tontura, ansiedade, alteração do paladar, prurido, rubor, calafrios, tremores, sudorese / leve palidez, congestão nasal, exantema, espirros, inchaços em olho e boca Reações moderadas: requer tratamento s/ risco de vida: vômitos intensos edema facial, hipertensão, hipotensão, laringoespasmo, rigidez, dispnéia, cefaléia intensa, dor no tórax e abdome, urticária intensa, broncoespasmo, mudança na freqüência cardíaca Reações graves: Tratamento de urgência: risco de vida  internação hospitalar: inconsciência, convulsão, edema agudo de pulmão, arritmias com repercussão clínica, parada cardiorespiratória, colapso vascular severo
  • 15. <ul><li>ESTIMA-SE QUE ALGUM TIPO DE REAÇÃO ADVERSA OCORRA EM 5 – 12% COM CONTRASTE IÔNICO DE RISCO LEVE / MODERADA; </li></ul><ul><li>APENAS 3,1% DOS PACIENTES QUE UTILIZAM CONTRASTE NÃO-IÔNICO APRESENTAM ALGUM TIPO DE REAÇÃO ADVERSA; </li></ul><ul><ul><li>Reações agudas  5 a 20 m após a administração do contraste; </li></ul></ul><ul><ul><li>Reações tardias  após o paciente deixar o serviço de radiologia; </li></ul></ul>
  • 16. PROTEÇÃO RADIOLÓGICA <ul><li>DOSÍMETROS: mede a quantidade de radiação recebida pelos funcionários; </li></ul><ul><li>Certos cristais que quando aquecidos emitem luz de intensidade proporcional à radiação a que foram expostos, denominados: </li></ul>TERMOLUMINESCENTES FLUORETO DE LÍTIO SULFATO DE CÁLCIO
  • 17. <ul><li>DOSÍMETRO DEVE SER </li></ul><ul><ul><li>utilizado durante a atividade que envolva radiação (TC, RX, MN); </li></ul></ul><ul><ul><li>colocado na altura do tórax; </li></ul></ul><ul><ul><li>o mesmo dosímetro não deve ser utilizado em duas instituições ou dois locais de trabalho; </li></ul></ul><ul><ul><li>mantido em local seguro (porta-dosímetros), longe de emissão de Rx, fora do horário de trabalho; </li></ul></ul><ul><ul><li>não deve ser transportado para fora da instituição; </li></ul></ul><ul><ul><li>não deve ser exposto à radiação solar; </li></ul></ul>
  • 18. LIMITE DE DOSES ANUAIS 20 mSv (corpo inteiro) média ponderada em 5 anos consecutivos, desde que não exceda 50 mSv em qualquer ano FONTE: CNEN (COMISSÃO NACIONAL DE ENERGIA NUCLEAR)
  • 19. <ul><li>AVENTAIS DE CHUMBO: sempre que houver necessidade de uma pessoa ficar dentro da sala de exame acompanhando o paciente (serve como proteção primária de radiação) </li></ul><ul><li>EXAMES LABORATORIAS: realizados a cada semestre para avaliação de glóbulos brancos; </li></ul><ul><li>ISOLAMENTO DA SALA DE EXAMES: bário ou chumbo que revestem as paredes para impedir fuga da radiação; o vidro plumbífero tem o mesmo objetivo e possibilita a visualização do paciente; </li></ul>

×