• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Análise de citações dos trabalhos da compós 2008
 

Análise de citações dos trabalhos da compós 2008

on

  • 1,172 views

 

Statistics

Views

Total Views
1,172
Views on SlideShare
1,172
Embed Views
0

Actions

Likes
1
Downloads
18
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

CC Attribution License

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Análise de citações dos trabalhos da compós 2008 Análise de citações dos trabalhos da compós 2008 Document Transcript

    • www.e-compos.org.br | E-ISSN 1808-2599 | Análise de citações dos trabalhos da Compós 2008 Alex Primo, Ida Stumpf, Gilberto Consoni e Stefanie Carlan da Silveira Resumo 1 Introdução A citação é uma prática utilizada na produção de textos 1/19 A citação é uma prática utilizada na produção científicos que tem como função primária correlacionar dois textos. Como ferramenta dos estudos bibliométicos, de textos científicos que tem como função a Análise de Citações (AC) permite relacionar o citante com o citado, mostrando as fontes que o primeiro primária correlacionar dois textos. Como utilizou para produzir seu trabalho. Embora apresente ferramenta dos estudos bibliométicos, a Revista da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação | E-compós, Brasília, v.11, n.3, set./dez. 2008. limitações, a análise de citações pode contribuir para entender a estrutura e o desenvolvimento de uma Análise de Citações (AC) permite relacionar ciência, bem como as regularidades do comportamento dos cientistas no uso de fontes de informação. Este o citante com o citado, mostrando as fontes trabalho apresenta uma análise de citações da totalidade de trabalhos aprovados pelos Grupos de que o primeiro utilizou para produzir seu Trabalho (GT) do XVII Encontro da Associação Nacional trabalho. Embora apresente limitações, a dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação – Compós 2008. A partir dos dados coletados, buscou-se análise de citações pode contribuir para observar: autores, títulos, tipos de publicação (livros, capítulos, periódicos, outros), periódicos mais citados, entender a estrutura e o desenvolvimento de freqüência de trabalhos coletivos, etc. Entre outros uma ciência, bem como as regularidades do cruzamentos, apresenta-se um comparativo entre as citações a autores nacionais e estrangeiros. comportamento dos cientistas no uso de fontes Palavras-chave de informação. Este trabalho apresenta uma Análise de citações. Compós. Bibliometria. Comunicação. análise de citações da totalidade de trabalhosAlex Primo | alex.primo@terra.com.br aprovados pelos Grupos de Trabalho (GT) doDoutor em Informática na Educação pela Universidade Federal do Rio XVII Encontro da Associação Nacional dosGrande do Sul – UFRGS. Professor do Departamento de Comunicaçãoe do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Informação da Programas de Pós-Graduação em ComunicaçãoUFRGS. Pesquisador do CNPq. – Compós 2008. A partir dos dados coletados,Ida Stumpf | irstumpf@ufrgs.br buscou-se observar: autores, títulos, tiposDoutora em Ciências da Comunicação pela Universidade de São Paulo– USP. Professora titular do Departamento de Ciências da Informação de publicação (livros, capítulos, periódicos,e do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Informação daUFRGS. Pesquisadora do CNPq. outros) e periódicos mais citado e autoriaGilberto Consoni | gilberto@consoni.com.br dos trabalhos. Entre outros cruzamentos,Mestrando em Comunicação e Informação pela UFRGS. apresenta-se um comparativo entre as citaçõesStefanie Carlan da Silveira | fanics@gmail.com a autores nacionais e estrangeiros.Mestranda em Comunicação e Informação pela UFRGS.
    • www.e-compos.org.br | E-ISSN 1808-2599 |2 A análise de citações significa medir sua influência, seu impacto e sua qualidade para a pesquisa.Citar é o ato de remeter um documento paraoutro. Esta ação tem como função básica Entre os estudos que a análise das citaçõespromover a correlação entre dois trabalhos, permite realizar está o dos padrões deum que cita e outro que é citado. A análise de citação. Estes estudos permitem inferir ocitações de trabalhos científicos é um recurso comportamento dos pesquisadores em relaçãoda bibliometria que estuda as relações entre o ao uso da literatura, mostrando as tendênciascitante e o citado, mostrando em quais fontes de utilização por determinada correnteo autor se valeu para realizar seu estudo, teórica ou metodológica, por publicações de 2/19dando autoria às idéias que apresenta e que determinado tipo, por documentos publicados emnão são originais. A referência a estas obras é determinados países ou idiomas, como tambémmencionada em uma lista de referências, no identificar o uso mais intenso e a preferênciafinal dos trabalhos. Este método, segundo Sanz por determinados títulos de periódicos. Entre Revista da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação | E-compós, Brasília, v.11, n.3, set./dez. 2008.Casado (1994), permite conhecer os hábitos de os diversos autores que estudaram o assunto,informação de determinados grupos de usuários, Rosseau (1998) afirma que existe variação nosdevido ao costume que têm os pesquisadores em hábitos de citação dos autores nas diferentesapoiar-se em trabalhos publicados anteriormente áreas da ciência. Esta variação tanto pode ser empara produzir seus próprios trabalhos. relação à idade das publicações que utilizam, à proximidade paradigmática, ao idioma das fontesA análise das referências é um método aplicado utilizadas e outros aspectos que permeiam aao estudo de comunidades de pesquisadores, produção do conhecimento.tendo em vista que são eles que utilizam asfontes formais, principalmente os livros e os Em relação à idade das publicações, uma dasperiódicos, para fundamentar seus trabalhos e conclusões a que Velho (1986a) chegou foi de queque publicam seus resultados para serem lidos as formas de distribuição da idade das citaçõese também citados por outros pesquisadores. variam entre as áreas científicas. Embora, deHoje, a cultura das publicações está ligada uma maneira geral, os cientistas precisamà cultura das citações e uma publicação estar cientes apenas dos trabalhos recentes,científica é facilmente reconhecida pelas Meadows (1999), ao referir-se especificamentereferências a outros trabalhos científicos. aos humanistas, afirma que eles ainda continuamMensurar o número de vezes que um a citar a literatura antiga porque as idéiasdocumento é citado nos trabalhos produzidos fundamentais que embasam estas áreas depor uma determinada comunidade científica conhecimento custam a mudar. São áreas em
    • www.e-compos.org.br | E-ISSN 1808-2599 |que as inovações não ocorrem com freqüência Nas práticas de citação, Moed e outros (1985)e, muitas vezes, os estudiosos têm na literatura identificaram o fenômeno da citação domésticaantiga a matéria prima para suas investigações, (in-house citation) que consiste na tendênciaportanto continuam citando os mesmos autores. de citar os autores “da casa”, ou seja, quando os pesquisadores utilizam, predominantemente,Outra descoberta de Velho (1986b) é de que a literatura produzida pelos colegas deos padrões de citação estão sempre associados departamento ou de universidade. Esta práticaao passado educacional dos autores, ou seja, pode indicar uma proximidade paradigmática,os hábitos adquiridos por um pesquisador mas também pode também ser vista como umana pós-graduação os acompanham durante limitação de conhecimento que não vai além das 3/19sua vida profissional. Se os pesquisadores fronteiras da própria instituição, indicando umfizeram doutorado no exterior, é bem possível grau significativo de endogenia.que as referências à literatura internacionalsejam as mesmas dos livros e artigos que Vários fatores podem influenciar os autores na Revista da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação | E-compós, Brasília, v.11, n.3, set./dez. 2008.encontraram na biblioteca da instituição em escolha das fontes para produzir seu trabalho.que se titularam, ou que sejam as mesmas As razões destas escolhas ainda não foramindicadas por seu orientador. E esse processo suficientemente estudadas, mas Alvarengase perpetua, pois, quando no papel de (1998) indica que existem implicações deorientadores, os pesquisadores indicarão a seus ordem psicológica, sociológica, política eorientandos aqueles autores que conhecem e histórica envolvidas no ato de citar. As deque representam os fundamentos do seu saber. ordem psicológica dizem respeito aos hábitosIsto tem a ver também com o que autores e comportamentos já enraizados no sujeito nacomo Lancaster, Burger e Rausfuss (1992) forma de produzir conhecimento e na horaindicam como proximidade paradigmática, ou de citar; as de cunho sociológico refere-se,seja, quando a produção intelectual mostra principalmente, às escolhas comuns aos membrosa relação que um pesquisador ou um grupo dos grupos de pesquisa que têm a ver com ade pesquisadores mantém com determinados sensação de pertencimento a determinadaautores. Vanz (2004), estudando o assunto, afirma comunidade de pesquisadores; as de caráterque “a influência recebida de autores, teorias, político referem-se ao sentimento de poderparadigmas, metodologias, idiomas, bibliografias do autor citante por demonstrar domínio pore tendências de pesquisa são incorporadas determinadas idéias ou autores, ou tambéme transmitidas aos colegas e, de forma mais de citar autores de determinada instituiçãoacentuada, aos alunos e aos orientandos que por conveniência; e as implicações de origemcercam o pesquisador” ( p. 37). históricas mantêm relação com as influências
    • www.e-compos.org.br | E-ISSN 1808-2599 |que o autor vem acumulando sobre utilização de Uma das práticas mais problemáticas paradeterminados autores ou grupo ao longo do tempo. estudar as citações são as auto-citações, entendendo-se como tal aquelas em que osPara Carvalho (1975, p.119), “não se pode autores citam seus próprios trabalhos. Noesperar que todos os autores sejam cuidadosos, conjunto de todas as citações apresentadasobjetivos e conscientes no momento de num trabalho elas geralmente têm poucamencionar suas fontes de informação. Alguns representatividade, mas as razões de seupecam por excesso, outros por omissão.” Às uso podem variar desde o narcisismo até avezes, o autor pode ter incorporado uma idéia necessidade que os autores têm de mostrar queque não identifica mais quem a introduziu já vem pesquisando sobre determinado assunto 4/19no conjunto de saberes que ele detém; e, em há mais tempo. Embora as razões da auto-citaçãooutras, o autor pode ser tão escrupuloso que até possam ser diferentes de autor para autor, o fatomesmo as idéias de senso comum ele se omite é que ao utilizá-la o autor dá visibilidade a seusde assumir a autoria. Ou, por vezes, cita muitos Revista da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação | E-compós, Brasília, v.11, n.3, set./dez. 2008. trabalhos anteriores, beneficiando-se com estaautores pensando mostrar erudição e domínio divulgação. (FOWLER; AKSNES, 2007).de um conteúdo. A contagem de citações, como único método paraA possibilidade de um documento ser citado investigar o assunto, deve ser utilizada de mododepende de vários fatores, como o idioma em crítico, cuidadoso e dentro de um contexto. Daíque está escrito, o tipo de material em que porque, muitas vezes, a simples mensuraçãoestá registrado ou a data de sua publicação. das referências e de seus elementos básicos seMas, mais do que tudo, os estudos de usuários torna insuficiente para estudar o fenômeno dasde informação mostram que os pesquisadores citações, devendo ser acompanhada de estudosusam o que está acessível, sendo um fato qualitativos que mostrem o significado decomprovado que só se cita o que está disponível determinadas práticas, de determinados autores(SANZ CASADO, 1994). Com a possibilidade das e de determinados documentos para a pesquisa.publicações eletrônicas terem acesso livre, hojeem dia, esta premissa pode ser trocada por outra 3 Procedimentos metodológicosque afirma que, se o texto não está disponível na Para este estudo bibliométrico foram analisadosInternet, não será citado. Estudos já confirmam os 120 artigos aprovados para apresentaçãoque os documentos eletrônicos online são no XVII Encontro da Associação Nacional dosmais citados do que os impressos e esta é uma Programas de Pós-Graduação em Comunicação,prática que está ficando cada vez mais freqüente realizado na UNIP, em São Paulo, de 3 a 6 de(LAWRENCE, 2001). junho de 2008. Para tanto, utilizou-se os arquivos
    • www.e-compos.org.br | E-ISSN 1808-2599 |em PDF dos respectivos trabalhos, disponíveis na dado mostra que os pesquisadores da área poucoseção “Biblioteca” do site da associação (http:// desenvolvem trabalhos em co-autoria. Ou seja, oswww.compos.org.br). papers da Compós 2008 relatam principalmente investigações individuais, evidenciando poucosDe posse dos documentos digitais, em uma esforços colaborativos de pesquisa.planilha Excel foram anotadas todas asreferências bibliográficas (incluindo aquelas Em 2008, registrou-se 2111 referênciasem notas de rodapé) apresentadas em cada bibliográficas (incluídas as auto-citações), sendotrabalho, com os respectivos autores, instituições que um trabalho do GT Comunicação e Cultura(caso os autores fossem brasileiros), ano e não apresentou nenhuma citação. Dentre os 5/19tipo de publicação (livro, capítulo, artigo de trabalhos citados, 1850 (87,6%) são assinadosperiódico ou anais, e outros1). Durante esse por apenas um autor; 220 (10,4%) apresentamprocesso, foram produzidas listas com todos os 2 autores; 33 (1,6%), 3 autores; 5 (0,2%), 4periódicos e eventos citados. Para cada trabalho autores; e um trabalho apresentou co-autoria de Revista da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação | E-compós, Brasília, v.11, n.3, set./dez. 2008.registrou-se também os nomes dos autores e 6 pesquisadores. Quanto à nacionalidade, 1321suas instituições (quando brasileiros), conforme trabalhos (62,58%) foram escritos por autoresos dados disponíveis na plataforma Lattes. estrangeiros, 783 (37,09%) por autores nacionais,Finalmente, este levantamento inicial apontou os 7 trabalhos combinavam autores nacionais ecasos de auto-citação, dado que, como ver-se-á, foi estrangeiros (essa modalidade é apresentada naimportante para a delimitação dos autores mais tabela a seguir como “misto”).citados na Compós 2008. Separando-se o número de referências porEsta coleta encontrou 2111 referências nos 120 GT, verificou-se que os trabalhos dos GTstrabalhos analisados. A planilha completa foi “Comunicação e Cibercultura” e “Recepção, Usosentão submetida a um tratamento estatístico, que e Consumo Midiáticos” foram os que incluíramefetuou diferentes cruzamentos e quantificações, o maior número de fontes bibliográficas: emque são relatados e discutidos a seguir. média, 22,1 e 21,2 referências por trabalho, respectivamente. No extremo oposto, os GTs de3 Análise e discussão dos dados “Epistemologia da Comunicação” e “Fotografia,Dos 120 artigos aprovados, 92 foram escritos por Cinema e Vídeo” foram os que apresentaram oapenas um pesquisador (76,6%), 26 por 2 autores menor número: médias de 14,4 e 11,9. A tabela 1(21,6%) e apenas 2 por 3 autores (1,6%). Esse detalha tais valores.1 Esta categoria aglutina textos publicados em revistas não-científicas e em páginas da Web.
    • www.e-compos.org.br | E-ISSN 1808-2599 |Tabela 1 – Quantidade de trabalhos referenciados por GT e nacionalidade dos autores citados 6/19 Revista da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação | E-compós, Brasília, v.11, n.3, set./dez. 2008.
    • www.e-compos.org.br | E-ISSN 1808-2599 |A mesma tabela discrimina a porcentagem de seguintes mais citados foram referenciadoscitações a autores nacionais e estrangeiros. apenas 2 vezes: ABRALIC, SBPJor, Forumdoc,Constata-se que, apesar de grande produção em Hawaii International Conference on Systemcibercultura no país, existe pouca citação entre Sciences, Annual Workshop on the Webloggingos pares da comunidade nacional: quase 80% das Ecosystem. Os outros eventos obtiveram apenascitações referem-se a pesquisadores estrangeiros. uma referência. É importante lembrar queOs GTs de Estudos em Jornalismo, Cultura muitos trabalhos registrados em anais sãodas Mídias e Economia Política e Políticas de eventualmente publicados em periódicos. Logo,Comunicação apresentam melhor equilíbrio. Este é possível que um mesmo texto tenha sidoúltimo é o único que cita mais autores nacionais referenciado em um GT como artigo de periódico 7/19(52,84%) do que estrangeiros. e em outro como trabalho em anais. Esta situação, no entanto, não pôde ser discriminadaOs trabalhos da Compós 2008 confirmam nesta pesquisa.um padrão da área, o uso de livros como Revista da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação | E-compós, Brasília, v.11, n.3, set./dez. 2008.principal fonte bibliográfica: 1217 (57,7%) A tabela 2 lista os periódicos mais citados elivros e 275 (13%) capítulos de livros foram sua classificação no sistema Qualis2. A listagemreferenciados. Foram também encontradas 297 apresenta apenas os periódicos com mais de(14,1%) citações a artigos de periódicos e 107 duas citações. A E-Compós, revista científica(10,2%) a trabalhos em anais. Finalmente, 215 da mesma associação que promove o evento(10,2%) citações foram classificadas na grande pesquisado neste trabalho, teve quase 3 vezescategoria “outros”, abarcando materiais como mais citações que aqueles que ocupam ajornais, revisas, sites, vídeos, etc. Meadows segunda colocação no ranking. Pode-se supor(1999) confirma que trata-se de uma tradição que a E-Compós possui tal penetração nãodas Ciências Sociais o uso mais intenso da apenas por sua qualidade, mas também por serpublicação em formato de livro, diferentemente um periódico online de acesso livre. De todadas chamadas ciências duras. forma, a hipótese só poderá ser confirmada a partir de outros estudos. Mesmo assim, pode-Entre os eventos citados (congressos, simpósios, se inferir que o alto número de referênciasetc.), a própria Compós foi a mais citada (41 à E-Compós não ocorre pelo simples fato doreferências, 40,6%), seguida pela Intercom evento analisado ser promovido pela mesma(26 citações, 25,7%). Os valores comprovam a associação que publica aquele periódico.relevância desses eventos na área. O eventos2 Até a realização desta pesquisa, o sistema classificava os periódicos como nacionais (N) e internacionais (I), subdivididos em 3sub-categorias (A,B,C). A mudança desse padrão estava sendo discutida pela Capes durante a finalização deste trabalho.
    • www.e-compos.org.br | E-ISSN 1808-2599 | Tabela 2 – Periódicos mais citados 8/19 Revista da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação | E-compós, Brasília, v.11, n.3, set./dez. 2008.3 A tabela mostra a avaliação Qualis 2008 (ano de publicação dos anais da Compós) e 2009 (que utiliza um novo padrão). Paraesta coleta foi utilizada, sempre que possível, a avaliação da comissão da área “Ciências Sociais Aplicadas I”.
    • www.e-compos.org.br | E-ISSN 1808-2599 |Através dessa listagem, observa-se que os as referências a outros campos como Educação,periódicos nacionais de comunicação mais Administração, História, Economia, etc.citados possuem a classificação Qualis A e B Houve grande dispersão quanto aos títulos individuaisNacional. Por outro lado, confirma-se também o (livros, artigos, etc.) mais citados. A tabela 3 exibe oscaráter interdisciplinar da área, tendo em vista resultados com mais de 3 referências. Tabela 3 – Títulos mais citados 9/19 Revista da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação | E-compós, Brasília, v.11, n.3, set./dez. 2008.
    • www.e-compos.org.br | E-ISSN 1808-2599 |Ao analisar-se os autores mais citados, encontrou- pesquisadores que estavam entre os mais citadosse 205 auto-citações4, o que representa quase 10% na listagem inicial passaram a ocupar posiçõesdo total de 2111 referências da Compós 2008. Este mais distantes do topo do ranking ou até deixaramfato alterou o ranking dos autores mais citados no de figurar. Realizada a reclassificação, os autoresevento. Ao se descontar as auto-citações, alguns com mais de 5 citações foram: Tabela 4 – Autores mais citados 10/19 Revista da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação | E-compós, Brasília, v.11, n.3, set./dez. 2008.4 Um trabalho em co-autoria onde 2 autores citam outro trabalho produzido por ambos foi contado como 2 auto-citações. Se esseprocedimento não for adotado, contabiliza-se 196 auto-citações.
    • www.e-compos.org.br | E-ISSN 1808-2599 |Os pesquisadores que apresentaram o maiornúmero de auto-citações em seus trabalhos naCompós 2008 foram: Tabela 5 – Auto-citações 11/19 Revista da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação | E-compós, Brasília, v.11, n.3, set./dez. 2008.Este trabalho não tinha elementos para avaliar autores mais citados (tabela 4), pode-se constataras razões para a auto-citação. Pode-se inferir, que existe um equilíbrio entre fontes recentes econtudo, que elas podem ser usadas para trabalhos “clássicos”.demonstrar a continuidade de um projeto de É importante destacar que os anos de publicaçãopesquisa ou mesmo remeter o leitor a trabalhos registrados na pesquisa referem-se àquelesanteriores, onde conceitos e dados do mesmo mencionados pelos autores dos trabalhosautor são discutidos com maior profundidade. aceitos para a Compós 2008. Logo, é possívelContudo, trabalhos qualitativos futuros são que uma mesma referência bibliográficanecessários para testar essas hipóteses. tenha sido registrada com datas diferentesOs dados quantitativos revelaram que 42,5% das em 2 ou mais trabalhos. Além disso, comoreferências foram publicadas nos 5 anos (2003- o padrão de referenciação utiliza a data da2007) que antecediam o deadline para submissão edição que o pesquisador possui, e não dade trabalhos (30 de janeiro de 2008). Apesar dessa primeira edição publicada, frequentemente umdata limite, observou-se que 8 trabalhos de 2008 trabalho clássico publicado há várias décadas(0,4%) foram referenciados. Considerando-se o é referenciado com uma data recente. Estasdados quantitativos sobre as datas de publicação circunstâncias acarretam alguns vieses nosdas referências, a listagem dos títulos (tabela 3) e dados quantitativos aqui relatados.
    • www.e-compos.org.br | E-ISSN 1808-2599 |5 Breve comparativo histórico citações de 100 dissertações defendidas nos cursos de pós-graduação em Comunicação daComo a análise de citações dos trabalhos da UFRGS, PUCRS e UNISINOS, do Rio Grande doCompós está sendo pela primeira vez estudada Sul, entre os anos de 1998 e 2000. Ainda que ase discutida5, não se pode ainda realizar um amostras sejam bastante distintas quanto aoestudo longitudinal sobre a evolução dos formato (dissertações X trabalhos de evento) epadrões de referenciação da área. Logo, este quanto à formação dos autores (mestrandos Xtrabalho, mesmo não tendo foco comparativo, doutores, na maioria), a comparação a seguirapresenta a seguir um breve paralelo com um pode apontar indícios interessantes. Serãoestudo anterior realizado por Samile Vanz, confrontados três indicadores que aparecem nas 12/19em 2004. A dissertação desta pesquisadora, duas pesquisas: tipo de documento, citação porhoje professora do departamento de Ciências autor, citação por periódicos.da Informação da UFRGS, avaliou as 7.648 Revista da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação | E-compós, Brasília, v.11, n.3, set./dez. 2008. Gráfico 1 – Tipos de documento5 Além do presente trabalho sobre as citações nos trabalhos da Compós 2008, Maria Immacolata Vassallo de Lopes e RichardRomancini realizaram em paralelo um estudo sobre os artigos da Compós 2007.
    • www.e-compos.org.br | E-ISSN 1808-2599 |Os resultados das duas pesquisas apontam os livroscomo principal fonte de referência, com pequenavariação. As citações de anais e de periódicossofreram uma variação mais significante, perdendoespaço para a variável “outros”. Tabela 6 – Comparativo de periódicos citados 13/19 Revista da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação | E-compós, Brasília, v.11, n.3, set./dez. 2008.Foram selecionados os 10 periódicos mais citados esta segunda colocação, poderíamos atribuir talde cada pesquisa. O único periódico que aparece resultado por se tratar de um periódico que é donas 10 primeiras posições das duas pesquisas é mesmo estado dos programas de pós-graduaçãoa Revista Famecos. O periódico é o mais citado pesquisados. Precisa, também, ser considerado quenas dissertações e ocupa a segunda posição nas o periódico não existia na época desta primeirareferências dos trabalhos da Compós. Não fosse pesquisa e por isto não aparece nas duas.
    • Tabela 7 – Comparativo de autores mais citadosRevista da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação | E-compós, Brasília, v.11, n.3, set./dez. 2008. | E-ISSN 1808-2599 | www.e-compos.org.br 14/19
    • www.e-compos.org.br | E-ISSN 1808-2599 |Foram selecionados os 30 autores mais citados em paralelo (e, inicialmente, sem que um grupodas duas pesquisas. As duas listas apresentam tivesse conhecimento da pesquisa do outro),os mesmos 16 autores nas primeiras 30 ainda não foi possível cruzar os dados levantados.posições. Este é um importante número a ser A eventual comparação, mesmo que de padrõesavaliado, já que cerca de 50% dos principais de apenas dois anos, já poderá mostrar indícioscitados nos trabalhos são os mesmos há relevantes da pesquisa de Comunicação nocerca de dez anos. Quatro autores que estão Brasil. É claro, deve-se reconhecer, que estasentre os trinta mais citados nas dissertações duas pesquisas tiveram como foco os trabalhosnão aparecem nos trabalhos da Compós. É apresentados nos Encontros da Compós, uminteressante observar que Stuart Hall, que é o evento que congrega em sua maioria a produção 15/195º mais citado nos trabalhos da Compós, não de professores de programas de pós-graduação.aparece entre os 30 autores mais citados nas Logo, a comparação da produção discutida emdissertações analisadas. eventos distintos, como Compós e Intercom Revista da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação | E-compós, Brasília, v.11, n.3, set./dez. 2008. (este com um grande número de trabalhos em6 Considerações finais andamento de mestrandos e doutorandos), podeTrabalhos de bibliometria podem ser muito revelar padrões de referenciação distintos, o queúteis para uma auto-compreensão da área. se mostra interessante.Através da análise de citações é possível O estudo sobre a remissão a livros, capítulos,observar não apenas as médias de citações periódicos e anais oferece dados relevantes parae auto-citações, mas também verificar quem um melhor entendimento do cenário editorial.são os autores e títulos mais influentes no O próprio sistema de avaliação Qualis poderá sepensamento comunicacional brasileiro. A valer desses dados, observando o impacto dosreflexão sobre esses padrões de referenciação periódicos na área.e da própria autoria (individual ou coletiva)pode inclusive promover novos movimentos e Este trabalho, que focou-se especificamente nosarticulações das investigações no país. Mais do padrões de produção e citação dos trabalhosque isso, com a continuação de pesquisas deste aprovados para a Compós 2008, pôde constatartipo, estudos comparativos e longitudinais que o esforço de investigação colaborativa,serão possíveis. congregando dois ou mais pesquisadores, ainda é muito baixo na área de Comunicação.Já que esta pesquisa, sobre os artigos da A maioria dos papers relatam percursosCompós 2008, e a de Maria Immacolata de pesquisa individuais e não de grupos ouVassallo de Lopes e Richard Romancini, sobre parcerias de pesquisa.os trabalhos da Compós 2007, foram conduzidas
    • www.e-compos.org.br | E-ISSN 1808-2599 |Observou-se uma preocupação em todos os FOWLER, James.H.; AKSNES, Dag.W. Does self-citation pay? Scientometrics, Amsterdam, v. 72, n. 3, p. 427-GTs com uma boa distribuição das referências 437, 2007.em relação à escolha dos autores, mantendo LANCASTER, Frederick Wilfrid; BURGER, R.H.;um equilíbrio entre trabalhos e autores RAUCHFUSS, B.M. Use of Literature by East Europeanreferenciais na área com produções mais scientists: what influences place of publication ofrecentes. Por outro lado, apenas 14,1% das sources cited? Scientometrics, Amsterdam, v. 24, n. 3,citações referiam-se a textos em periódicos. p. 419-439, 1992.A grande maioria (70,7%) das citações LAWRENCE, Steve. Online or invisible? Nature, v. 411,referenciava livros e capítulos. n. 6837, p.521, 2001. 16/19 LOPES, Maria Immacolata Vassallo Lopes;Quanto aos eventos citados, constatou-se ROMANCINI, Richard. O que é uma citação? Análisea relevância dos eventos das duas maiores dos encontros Compós e Intercom 2007. In: Multicomassociações de pesquisa da área no Brasil: - Intercom - XXXI Congresso Brasileiro de CiênciasCompós e Intercom. A primeira obteve 40,6% da Comunicação, 2008, Natal. Anais... Natal: Revista da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação | E-compós, Brasília, v.11, n.3, set./dez. 2008. Intercom, 2008.das remissões a anais, e a segunda 25,7%.Vale também reconhecer a penetração dos MEADOWS, Arthur Jack. A Comunicação científica. Brasília: Briquet de Lemos Livros, 1999.periódicos dessas instituições, sendo que aE-Compós obteve o número de citações mais MOED, Henk.Floribert. e outros. Use of bibliometric data for the measurement of university researchexpressivo entre todos os periódicos. performance. Research policy, Amsterdam, v. 14, n. 3, p.131-149, 1985.Enfim, espera-se que os dados aquirelatados subsidiem futuras pesquisas SANZ CASADO, Elías. Manual de estudios de usuarios. Madrid: Fundación Germán Sanchesquantitativas e qualitativas, além de estudos Ruipérez, 1994.comparativos que mostrem a evolução ROSSEAU, Ronald. Indicadores bibliométricos edos padrões de investigação da área de econométricos para a avaliação de instituiçõesComunicação no Brasil. científicas. Ciência da Informação, Brasília, v. 27, n. 2, p.149-158, maio/ago. 1998.Referências bibliográficas VELHO, Lea. A Contemporaneidade da pesquisaALVARENGA, Lídia. Bibliometria e Arqueologia agrícola brasileira como reflexo da distribuição dado saber de Michel Foucault: traços de identidade idade das citações. Ciência da Informação, Brasília,teórico-metodológicas. Ciência da Informação, v. 15, n. 1, p.3-9, jan./jul. 1986a.Brasília, v. 27, n. 3, set./dez. 1998. ______. The meaning of citation in the context of aCARVALHO, Maria Martha. Análises bibliométricas scientifically peripherical country. Scientometrics,da literatura de química no Brasil. Ciência da Amsterdam, v. 9, n. 1-2, p. 71-89, 1986b.Informação, Brasília, v. 4, n. 2, p. 119-141, 1975.
    • www.e-compos.org.br | E-ISSN 1808-2599 |VANZ, Samile Andréa Souza. A produção discente emcomunicação: análise das citações das dissertaçõesdefendidas nos programas de pós-graduação doRio Grande do Sul. 2004. Dissertação. (Mestradoem Comunicação e Informação)– Faculdade deBiblioteconomia e Comunicação, Universidade Federaldo Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2004. 17/19 Revista da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação | E-compós, Brasília, v.11, n.3, set./dez. 2008.
    • www.e-compos.org.br | E-ISSN 1808-2599 |Analysis of citing in Análisis de citas en losCompós 2008 papers trabajo de Compós 2008Abstract ResumenCiting is a procedure used in the production of La cita es una práctica usada en la producciónscientific texts that has the primary function of de textos científicos que tiene como funcióncorrelating two texts. As a bibliometric studies tool, primaria enlazar dos textos. Como herramientathe Citation Analysis (CA) allows the correlation de los estudios bibliométricos, el Análisis de Citasbetween the citer and who is cited, showing the (AC) permite relacionar el citador con el citado,sources that the former used to produce his work. mostrando las fuentes que el primero utilizóEven though the method has limitations, the Citation para producir su trabajo. Aunque presente susAnalysis may contribute to the understanding of limitaciones, el AC puede ayudar a comprender lascience structure and development, as well as the estructura y el desarrollo de una ciencia, así como 18/19behavior of scientists when using information sources. las regularidades de la conducta de los científicosWe present a citation analysis of the totality of papers en la utilización de fuentes de información. Esteapproved in the working groups of the 17th Meeting trabajo presenta un análisis de las citas de todosof the National Association of Graduate Programs los trabajos aprobados por los Grupos de Trabajoin Communication – Compós 2008. From the data (GT) del XVII Encuentro de la Asociación Nacional Revista da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação | E-compós, Brasília, v.11, n.3, set./dez. 2008.collected, the following was analyzed: authors, titles, de los Programas de Postgrado en Comunicación -types of publication (books, chapters, journals, etc.), Compós 2008. Partiendo de los datos recogidos, sethe most cited journals, collective papers, etc. Among busca observar: autores, títulos, tipos de publicaciónother correlations, we present a parallel between (libros, capítulos, periódicos, etc.), los periódicoscitations to national and foreign authors. más citados, la frecuencia de los trabajos colectivos,Keywords etc. Entre otros cruces, se presenta unaCitation analysis. Compós. Bibliometry. Communication. comparación entre las citas de los autores nacionales y extranjeros. Palabras clave Análisis de citas. Compós. Bibliometría. Comunicación. Recebido em: Avaliado e aprovado 22 de dezembro de 2008 pela comissão editorial
    • www.e-compos.org.br | E-ISSN 1808-2599 |Expediente E-COMPÓS | www.e-compos.org.br | E-ISSN 1808-2599A revista E-Compós é a publicação científica em formato eletrônico da Revista da Associação Nacional dos ProgramasAssociação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação de Pós-Graduação em Comunicação.(Compós). Lançada em 2004, tem como principal finalidade difundir a Brasília, v.11, n.3, set./dez. 2008.produção acadêmica de pesquisadores da área de Comunicação, inseridos A identificação das edições, a partir de 2008,em instituições do Brasil e do exterior. passa a ser volume anual com três números.CONSELHO EDITORIAL João Freire Filho Universidade Federal do Rio de Janeiro, BrasilAfonso Albuquerque John DH DowningUniversidade Federal Fluminense, Brasil University of Texas at Austin, Estados UnidosAlberto Carlos Augusto Klein José Luiz Aidar PradoUniversidade Estadual de Londrina, Brasil Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, BrasilAlex Fernando Teixeira Primo José Luiz Warren Jardim Gomes BragaUniversidade Federal do Rio Grande do Sul, Brasil Universidade do Vale do Rio dos Sinos, BrasilAlfredo Vizeu Juremir Machado da SilvaUniversidade Federal de Pernambuco, Brasil Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, BrasilAna Carolina Damboriarena Escosteguy Lorraine LeuPontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Brasil University of Bristol, Grã-BretanhaAna Silvia Lopes Davi Médola Luiz Claudio Martino 19/19Universidade Estadual Paulista, Brasil Universidade de Brasília, BrasilAndré Luiz Martins Lemos Maria Immacolata Vassallo de LopesUniversidade Federal da Bahia, Brasil Universidade de São Paulo, BrasilÂngela Freire Prysthon Maria Lucia SantaellaUniversidade Federal de Pernambuco, Brasil Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, BrasilAntônio Fausto Neto Mauro Pereira PortoUniversidade do Vale do Rio dos Sinos, Brasil Tulane University, Estados Unidos Revista da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação | E-compós, Brasília, v.11, n.3, set./dez. 2008.Antonio Carlos Hohlfeldt Muniz Sodre de Araujo CabralPontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Brasil Universidade Federal do Rio de Janeiro, BrasilArlindo Ribeiro Machado Nilda Aparecida JacksUniversidade de São Paulo, Brasil Universidade Federal do Rio Grande do Sul, BrasilCésar Geraldo Guimarães Paulo Roberto Gibaldi VazUniversidade Federal de Minas Gerais, Brasil Universidade Federal do Rio de Janeiro, BrasilCristiane Freitas Gutfreind Renato Cordeiro GomesPontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Brasil Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, BrasilDenilson Lopes Ronaldo George HelalUniversidade Federal do Rio de Janeiro, Brasil Universidade do Estado do Rio de Janeiro, BrasilEduardo Peñuela Cañizal Rosana de Lima SoaresUniversidade Paulista, Brasil Universidade de São Paulo, BrasilErick Felinto de Oliveira Rossana ReguilloUniversidade do Estado do Rio de Janeiro, Brasil Instituto Tecnológico y de Estudios Superiores do Occidente, MéxicoFrancisco Menezes Martins Rousiley Celi Moreira MaiaUniversidade Tuiuti do Paraná, Brasil Universidade Federal de Minas Gerais, BrasilGelson Santana Sebastião Carlos de Morais SquirraUniversidade Anhembi/Morumbi, Brasil Universidade Metodista de São Paulo, BrasilHector Ospina Simone Maria Andrade Pereira de SáUniversidad de Manizales, Colômbia Universidade Federal Fluminense, BrasilIeda Tucherman Suzete VenturelliUniversidade Federal do Rio de Janeiro, Brasil Universidade de Brasília, BrasilItania Maria Mota Gomes Valério Cruz BrittosUniversidade Federal da Bahia, Brasil Universidade do Vale do Rio dos Sinos, BrasilJanice Caiafa Veneza Mayora RonsiniUniversidade Federal do Rio de Janeiro, Brasil Universidade Federal de Santa Maria, BrasilJeder Silveira Janotti Junior Vera Regina Veiga FrançaUniversidade Federal da Bahia, Brasil Universidade Federal de Minas Gerais, BrasilCOMISSÃO EDITORIAL COMPÓS | www.compos.org.brAna Gruszynski | Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Brasil Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em ComunicaçãoRose Melo Rocha | Escola Superior de Propaganda e Marketing, Brasil PresidenteCONSULTORES AD HOC Erick Felinto de OliveiraAlexsandro Galeno Araújo Dantas | Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Brasil Universidade do Estado do Rio de Janeiro, BrasilIsaltina Gomes | Universidade Federal de Pernambuco, Brasil erickfelinto@uol.com.brJoão Luís Anzanello Carrascoza | Escola Superior de Propaganda e Marketing, BrasilMalena Segura Contrera | Universidade Paulista, Brasil Vice-presidenteMarcia Benetti | Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Brasil Ana Silvia Lopes Davi MédolaMaria Aparecida Baccega | Universidade de São Paulo, Brasil Universidade Estadual Paulista, BrasilVander Casaqui | Escola Superior de Propaganda e Marketing, Brasil asilvia@faac.unesp.brVirginia Pradelina da Silveira Fonseca | Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Brasil Secretária-Geral Denize Correa AraújoREVISÃO DE TEXTO E TRADUÇÃO | Everton Cardoso Universidade Tuiuti do Paraná, BrasilASSISTÊNCIA EDITORIAL E EDITORAÇÃO ELETRÔNICA | Raquel Castedo denizearaujo@hotmail.com