Relatório econômico semanal do Brasil
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Relatório econômico semanal do Brasil

on

  • 159 views

Exemplo de relatório acerca da economia brasileira na atualidade.

Exemplo de relatório acerca da economia brasileira na atualidade.

Statistics

Views

Total Views
159
Views on SlideShare
153
Embed Views
6

Actions

Likes
0
Downloads
0
Comments
0

1 Embed 6

http://www.linkedin.com 6

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Relatório econômico semanal do Brasil Relatório econômico semanal do Brasil Document Transcript

  • 26 de Setembro de 2013 Relatório econômico semanal do Brasil Déficit em conta corrente Continuam os estímulos do FED. A maior liquidez mundial que vem favorecendo nos últimos anos à economia brasileira se observa cada vez mais ameaçante ante uma ruptura definitiva do ciclo. Os anúncios feitos pelo FED no dia 18 de setembro de seguir com sua política de estímulos deram um respiro à administração de Dilma Rousseff, que observará com muita cautela às próximas decisões que pudesse chegar a tomar o organismo estrangeiro. O fim da política de estímulos geraria um impacto maior nos custos da economia brasileira como também nas economias emergentes, já que o temor por um possível aumento na taxa de juros traria uma maior saída de capitais às observadas últimamente e deixariam ao desnudo os problemas internos que têm essas economias. É o caso do Brasil no qual as estadísticas hão manifestado maiores desequilíbrios macroeconómicos que se detalham a seguir. Crescimento lento do PBI Os últimos dados publicados pelo Instituto de Geografia e Estadística mostraram que a economia cresceu 1.5% em relação ao primeiro trimestre de 2013 evidenciando uma lenta melhoria em relação aos dados do primeiro trimestre, cujo crescimento foi 0.6%. O período caracteriza-se por ter um crescimento em todos os setores da economia embora moderados. A agropecuária com um crescimento de 3.9% foi o setor com maior crescimento, enquanto a indústria e os serviços tiveram um aumento de 2% e 0.8% respectivamente. Os últimos dados apresentados pelo Banco Central do Brasil deram um déficit de U$S 5.505 para o mês de agosto em sua conta corrente. A partir de janeiro ao presente mês o déficit registra um total de U$S 57.952 e se fizermos a comparação com o mesmo período do ano passado, teremos que o aumento do déficit foi de 6.86%. O financiamento deste déficit através de endividamento externo é um risco e mais ainda quando estamos falando acerca de economias latinoamericanas. Devaluação do Real A depreciação do real é por causa do déficit em conta corrente e às expectativas que se geram em relação à alteração dos estímulos provenientes do FED. Este fenómeno de depreciação vem ocorrendo com a maioria das moedas dos países emergentes pelos mesmos motivos. As intervenções diárias do Banco Central do Brasil fazem que o aumento do dólar ainda não seja maior, mantendo o tipo de câmbio numa banda que oscila entre R$2.2 e R$2.4. No seguinte gráfico podemos observar as modificações do tipo de câmbio em relação ao dólar durante o mês de setembro. Variação do tipo de câmbio Dólar-Real durante setembro (até o dia 25/9) 2.4 2.35 2.3 2.25 2.2 Pressão inflacionária 2.15 2.1 Segundo o Índice de Preços Nacionais ao Consumidor Amplo (IPCA-15) a inflação durante o mês de setembro foi de 0.27%. E preciso dizer que o IPCA-15 é um relatório prévio de inflação aos dados oficiais que se publicarão nos primeiros dias do mês de outubro. A particularidade é que o nível inflacionário cresceu em relação ao mês de agosto, o mesmo foi de 0.16%. Os motivos desse aumento foram por causa do aumento dos preços no setor de transporte. Se fizermos a soma da inflação durante os últimos 12 meses, registraremos quase um nível de 6% quando no mesmo período do ano passado foi de 0.48%. Teclas Económicas | www.teclaseconomicas.com.ar 2.05 Fonte: Bloomberg Ante este cenário os especialistas acham que não existirão maiores modificações até o fim do ano, mas se houver dados não favoráveis na economia dos EE.UU durante o mês de outubro, talvez tenhamos uma alteração dos estímulos pelo FED. E-Mail: info@teclaseconomicas.com.ar