Your SlideShare is downloading. ×
Lendas 9o. b
Lendas 9o. b
Lendas 9o. b
Lendas 9o. b
Lendas 9o. b
Lendas 9o. b
Lendas 9o. b
Lendas 9o. b
Lendas 9o. b
Lendas 9o. b
Lendas 9o. b
Lendas 9o. b
Lendas 9o. b
Lendas 9o. b
Lendas 9o. b
Lendas 9o. b
Lendas 9o. b
Lendas 9o. b
Lendas 9o. b
Lendas 9o. b
Lendas 9o. b
Lendas 9o. b
Lendas 9o. b
Lendas 9o. b
Lendas 9o. b
Lendas 9o. b
Lendas 9o. b
Lendas 9o. b
Lendas 9o. b
Lendas 9o. b
Lendas 9o. b
Lendas 9o. b
Lendas 9o. b
Lendas 9o. b
Lendas 9o. b
Lendas 9o. b
Lendas 9o. b
Lendas 9o. b
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Lendas 9o. b

822

Published on

Lendas - 9o. ano B - 2013

Lendas - 9o. ano B - 2013

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
822
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
10
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. TRABALHO LENDAS9º. Ano B - 2013
  • 2. Leitura e redaçãoNomes: Anne n°02Larissa 20Layane 21Marcia 9°B
  • 3.  Corpo-Seco ou “Unhudo”, é um homem que passou a vida batendo erespondendo a mãe. Quando morreu, virou uma criatura maligna que ficagrudada nos troncos da árvore, cada pessoa que passa perto dele, ele da umabraço da morte pois tem unhas compridas e esmaga a pessoa no seuabraço. Há também outra lenda sobre ele, diz que ele era um fazendeiro muitoegoísta e mesquinho, que catava frutas para todos e depois de morto ele ficacuidando de suas frutas e mata quem chega perto de seu pomar. No interior de São Paulo, há uma variante desta lenda, conta-se que quandouma pessoa passa perto do corpo seco ele pula nela e suga todo seu sangue,se não passar nenhuma pessoa ele vai morrer, porque se alimenta do sanguehumano (semelhante a um vampiro). Há ainda relatos do corpo-seco no estadodo Amapá, Paraná, Amazonas, Minas Gerais, em alguns países africanosde língua portuguesa, relatados por soldados brasileiros veteranos damissão UNAVEM III e na região Centro-Oeste do Brasil, principalmente. Em Ituiutaba, Minas Gerais, há uma variação desta lenda, onde conta-se queo corpo-seco - depois de ser repelido pela terra várias vezes - é levadopor bombeiros à uma aparente caverna em uma serra que fica ao suldo município. Dizem que quem passa à noite pela estrada de terra quemargeia a "serra do corpo-seco", consegue ouvir os gritos do corpo-secoecoando de dentro da caverna.Á mãe foi amaldiçoa antes de morrer, por tersido usada como cavalo pelo filho. Até hoje, há o dito popular: "Quem bate na mãe fica com a mão seca".
  • 4.  Diz a lenda que se o corpo secoachar seu amor (sua amada)ofeitiço todo pode se quebrar e ocorpo seco voltara a ser umapessoa normal e vivera feliz comsua amada.... Mas ninguém sabe quando seuverdadeiro amor aparecerá,poisninguém tem coragem de passarnas estradas onde ele se diz ficar...
  • 5. Lendas Chupa Cabra
  • 6. Lenda o Chupa cabraA Lenda do Chupa Cabra tomou grandeproporção nos anos 90 pela aparição devários animais mortos. Esses animaisapareceram, principalmente, em Porto Rico,no Nicarágua, na Flórida, e em algumasregiões do México e do Brasil.Eles ganharam esse nome pela morte demuitas cabras em Porto Rico. O detalhe éque essas cabras não apareceram sem partesdo corpo ou somente com sua ossada, elasapenas apareceram com marcas de dentadasno pescoço e sem sangue, que teria sidodrenado.
  • 7. Lenda o Chupa cabraA Lenda do Chupa Cabra tomou grandeproporção nos anos 90 pela aparição devários animais mortos. Esses animaisapareceram, principalmente, em Porto Rico,no Nicarágua, na Flórida, e em algumasregiões do México e do Brasil.Eles ganharam esse nome pela morte demuitas cabras em Porto Rico. O detalhe éque essas cabras não apareceram sem partesdo corpo ou somente com sua ossada, elasapenas apareceram com marcas de dentadasno pescoço e sem sangue, que teria sidodrenado.( E diz a lenda, que para afastar essascriaturas deviam matar uma dessas ferase deixar pregada a pele do bicho na cercapara que a criatura visse aquilo e seafastasse )
  • 8. Percebendo que a carreira criminosa no país dava muitasvantagens aos caras na época, os ex-palhaços decidiram seguir anova profissão e se vingar da sociedade. Então compraram unsvidrinhos de veneno, balões, roupas de palhaço (as que elesusavam o circo emprestava), fuzis, submetralhadoras, pistolas, epegaram emprestado uma kombi que tava dando sopa na rua.
  • 9. Escolheram atacar crianças ,usando suas habilidades, ospalhaços paravam em escolas e distrubuíam um tipo de"instrumento para colar secretamente na prova": ummicrocomputador com acesso à internet, aonde elespesquisavam no google as respostas.
  • 10. Mas para pegar o equipamento, os garotos iam ate a kombi,lá, um palhaço armado com uma escopeta rendia os baixinhos, quedepois eram vendados e amordaçados ou dopados com clorofórmioenquanto a kombi ia até algum fim de mundo.Escopeta usada pelospalhaços
  • 11. No esconderijo, os bandidos diziam que era uma brincadeira.Os garotosse acalmavam e os palhaços os convidavam a brincar de médico. Aícortava os garotos e vendia as partes para índios canibais. Com aprática desses crimes, a gangue ficou famosa e virou lenda urbana.Algumas pessoas acreditam que ela foi devorada pelos canibais quandovendia a eles as crianças assadas ao óleo de milho.Quem não cola não saida escola, mas também não morre esquartejado pela gangue dospalhaços!!!
  • 12. A gangue encontra-se agora em Telheiras, mas têmoutro modo de agir, eles(um grupo de 5 adolescentes),cercam a rapariga que se encontra sozinha e dá-lhetrês alternativas, ser espancada, ser morta ou fazerem-lhe o sorriso de palhaço(cortam a boca de uma orelha aoutra), se a menina disser que não quer nada obrigado,ela pode ser que vá parar na cadeia distrital deFaro(local onde o gang costuma atacar.)
  • 13. Novo finalO único jeito de escapar da gangue ao ser atacada , é falarrapidamente 3 vezes : „‟ eu sou uma criança comportada enão colo na escola „‟ então , se você ver uma kombiparando ao seu lado , ou estiver sozinho em casa ,tomecuidado.
  • 14. Grupo: Ranielle A. Oliveira noº:29Karoline C. Pacheco noº:19Ana Beatriz Machado noº:01Gabriel H. Dos Santos noº:13Série :9°ano B
  • 15.  O negrinho do pastoreio era um escravo de uma fazenda de gado Um dia , uma tropa de cavalos desapareceu , e ele foi mandado áprocura. Como era noite , ele pegou uma vela de Nossa Senhora e foi campoafora. Por onde o negrinho passava , os pingos da vela transformavam-se em luzes. Logo tudo ficou claro como o dia , e ele encontrou todos oscavalos,mas como estava muito cansado ,acabou adormecendo
  • 16.  Uma onça veio do mato e espantou todos os animais . O Negrinhovoltou para a fazenda sem os cavalos , e apanhou de seu patrão atémorrer . Logo depois seu patrão jogo o Negrinho em um formigueiro . Depois de 4 dias o patrão foi até o formigueiro para retira-lo osossos de seu escravo e, logo descobriu que ele estava vivo que NossaSenhora fez um milagre , e chegando lá viu o Negrinho correndo comseus cavalos.
  • 17. Trabalho deLeitura eRedação
  • 18. Aluno: Fernando Vitor N° 08Aluno: Gabriel Oliveira N° 13Aluno: Michael Douglas N°26Aluno: Natan Rebouças N°27Prof° Márcia
  • 19. Saci-Perere
  • 20. SaciO saci, tambémconhecido como saci-pererê, saci-cererê,matimpererê , matitaperê, saci-saçurá e saci-trique, é umapersonagem bastanteconhecida do folclorebrasileiro. Tem suaorigem presumidaentre os indígenas daRegião das Missões, noSul do país, de ondeteria se espalhado portodo o territóriobrasileiro.
  • 21. Literatura"Retrato do Saci-pererê" (2007) por J. MarconiO primeiro escritor a se voltar para a figura do saci-pererê foiMonteiro Lobato, que realizou uma pesquisa entre os leitoresdo jornal O Estado de S. Paulo. Com o título de "MitologiaBrasílica – Inquérito sobre o Saci-Pererê", Lobato colheurespostas dos leitores do jornal que narravam as versões domito, no ano de 1917. O resultado foi a publicação, no anoseguinte, da obra O Saci-Pererê: resultado de um inquérito,primeiro livro do escritor. .Mais tarde, em 1921, o autor voltaria a recorrer aopersonagem, no livro O Saci, seu segundo trabalho dedicado àliteratura infantil.Histórias em quadrinhosO quadrinhista Ziraldo criou em 1958 a série Turma do Pererê,em que o Saci contracena com o índio Tininim, a onça-pintadaGalileu e outros personagens. As histórias foramoriginalmente publicadas na revista O Cruzeiro7 .Em 2010, o ilustrador Giorgio Galli publicou a primeira ediçãode sua revista independente de quadrinhos de terror SalomãoVentura - Caçador de Lendas. Na primeira aventura dopersonagem, o saci é apresentado como uma figurademoníaca, que leva suas vítimas à loucura e à morte.
  • 22. É uma das mais conhecidas lendas do folclore amazônico.A cobra Norato é um jovem encantado que durante a noite se desencanta e vira gente, assumindo sua condiçãohumana.Norato freqüenta as festas, dança mto, namora as ribeirinhas e desaparece antes do amanhecer.A lenda diz que uma cabocla de nome Zelina deu à luz um casal de gêmeos: Honorato e Maria Caninana, duascobras.Jogou-as no rio, onde se criaram, mas Maria Caninana vivia fazendo malvadezas até que foi morta pelo irmão, quetinha bom coração.Sempre que assumia a forma humana, ele ia visitar sua mãe, a quem implorava que o desencantasse.Para que o encanto fosse quebrado, ela deveria chegar ao corpo adormecido da serpente, pôr um pouco de leite nasua boca e ferir-lhe a cabeça, de forma que sangrasse.A mulher, por medo, nunca chegou perto do réptil, até que um soldado da guarnição da ilha de Cametá livrou ojovem da maldição.Honorato, é um rapaz encantado em uma cobra-grande e que habita no fundo do rio. Aparece no Pará. Esse mito jáproduziu uma obra-prima da moderna literatura brasileira: "Cobra Norato", de Raul Bopp, livro que não podedeixar de ser lido com alegria.Outra Versão, conta que em uma certa tribo indígena da Amazônia, uma índia, grávida da Boiúna (Cobra-grande,Sucuri), deu à luz a duas crianças gêmeas. Um menino, que recebeu o nome de Honorato ou Nonato, e umamenina, chamada de Maria. Para ficar livre dos filhos, a mãe jogou as duas crianças no rio.Lá no rio eles se criaram. Honorato não fazia nenhum mal, mas sua irmã tinha uma personalidade muito perversa.Causava sérios prejuízos aos outros animais e também às pessoas.Eram tantas as maldades praticadas por ela que Honorato acabou por matá-la para pôr fim às suas perversidades.Honorato, em algumas noites de luar, perdia o seu encanto e adquiria a forma humana transformando-se em umbelo e elegante rapaz, deixando as águas para levar uma vida normal na terra.Para que se quebrasse o encanto de Honorato era preciso que alguém tivesse muita coragem para derramar leite naboca da enorme cobra, fazendo um ferimento na cabeça até sair sangue. Mas ninguém tinha coragem de enfrentaro enorme monstro. Até que um dia um soldado de Cametá (município do Pará) conseguiu libertar Honorato doterrível encanto, deixando de ser cobra dágua para viver na terra com sua família.
  • 23. A cobra Norato é um jovem encantado que durante a noite se desencanta e viragente, assumindo sua condição humana.Norato frequenta as festas, dança muito, namora as ribeirinhas edesaparece antes do amanhecer.A lenda diz que uma cabocla de nome Zelina deu à luz um casal degêmeos: Honorato e Maria Caninana, duas cobras.Jogou-as no rio, onde se criaram, mas Maria Caninana vivia fazendomalvadezas até que foi morta pelo irmão, que tinha bom coração.Sempre que assumia a forma humana, ele ia visitar sua mãe, a quemimplorava que o desencantasse.Para que o encanto fosse quebrado, ela deveria chegar ao corpoadormecido da serpente, pôr um pouco de leite na sua boca e aferir-lhe acabeça, de forma que sangrasse.A mulher, por medo, nunca chegou perto do réptil, até que um rapaschamado João Que morava próximo ao rio onde Honorato passava sua maiorparte do tempoMas João o ajudou quebrando a maldição.
  • 24. TRABALHOdeLEITURA E REDAÇÃOFilipe nº 10Carlos G nº 4Cássio nº 5João Pedro nº 17
  • 25. BOITATÁ• O termo mais difundido é boitatá. Otermo seria a junção daspalavras tupis boi e tatá,significando cobra e fogo,respectivamente - ou ainda de mboi -a coisa ou o agente. Significa,assim, cobra de fogo, fogo dacobra, em forma de cobra ou coisa defogo.• Sobre a etimologia, escreveu Coutode Magalhães que "como a palavra odiz, mboitatá é cobra-de-fogo" (in: OSelvagem, Rio de Janeiro, 1876 ).
  • 26. NOVO FINAL• No Centro-Sul é chamadode boitatá ou batatá e atémesmo de mboitatá.Na Bahia aparececomo biatatá. Em MinasGerais chamam-node batatal. No Nordeste écomum o termo batatão.Nos estadosde Sergipe e Alagoas recebem os nomes de Jean de lafoice ou Jean Dela fosse.
  • 27. LENDA VITÓRIA-RÉGIANOME : JOÃO VITOR GUELLIS nº:17NOME : MARCUS VINICIUS DEMORI nº:24NOME : GUSTAVO VINICIUS M. MOURA nº:14
  • 28. • Há muitos anos antes de cristo, em uma tribo indígena, contava-se que a lua (Jaci,para os índios) era uma deusa que ao despontar a noite, beijava e enchia de luz osrostos das mais belas virgens índias da aldeia - as cunhantãs-moças. Sempre queela se escondia atrás das montanhas, levava para si as moças de sua preferência eas transformava em estrelas no firmamento.• Uma linda jovem virgem da tribo, a guerreira Naiá, vivia sonhando com esteencontro e mal podia esperar pelo grande dia em que seria chamada por Jaci. Osanciãos da tribo alertavam Naiá: depois de seu encontro com a sedutora deusa, asmoças perdiam seu sangue e sua carne, tornando-se luz - viravam as estrelas docéu. Mas quem a impediria? Naiá queria porque queria ser levada pela lua. À noite,cavalgava pelas montanhas atrás dela, sem nunca alcançá-la. Todas as noites eramassim, e a jovem índia definhava, sonhando com o encontro, sem desistir. Nãocomia e nem bebia nada. Tão obcecada ficou que não havia pajé que lhe dessejeito.• Um dia, tendo parado para descansar e beber água pois estava com muita apósesta longa cavalgada naiá sentou-se à beira de um lago, viu em sua superfície aimagem da deusa amada: a lua refletida em suas águas. Cega pelo seu sonho,lançou-se ao fundo e se afogou. A lua, compadecida, quis recompensar o sacrifícioda bela jovem india, e resolveu transformá-la em uma estrela diferente de todasaquelas que brilham no céu. Transformou-a então numa "Estrela das Águas", únicae perfeita, que é a planta vitória-régia. Assim, nasceu uma linda planta cujasflores perfumadas e brancas só abrem à noite, e ao nascer do sol ficam rosadas.
  • 29. • [...] Um dia, tendo parado para descansar e beber água pois estava com muita após esta longacavalgada naiá sentou-se à beira de um lago, viu em sua superfície a imagem da deusa amada:a lua refletida em suas águas. Cega pelo seu sonho, lançou-se ao fundo e se afogou. A lua,compadecida, quis recompensar o sacrifício da bela jovem india, e resolveu transformá-la emuma estrela diferente de todas aquelas que brilham no céu. Transformou-a então numa"Estrela das Águas", única e perfeita, que é a planta vitória-régia. Assim, nasceu uma lindaplanta cujas flores perfumadas e brancas só abrem à noite, e ao nascer do sol ficam rosadas.E Vitória-Régia deixou a lenda que as cunhantãs - moças da triboGritassem ‘’Ó lua Jaci sou uma boa moça e não tenho o teu brilho,por favor me transformaste em estrela’’...E Jaci com seu bom coração escutava o pedido das moças e astransformava em belas estrelas.NOVO FINAL

×