Your SlideShare is downloading. ×

Gênero textual Resenha

10,788

Published on

Resenha Crítica - Aula interativa - Emeb Educador Paulo Freire - 2013
9os. anos - LEITURA E REDAÇÃO

Published in: Education

Transcript of "Gênero textual Resenha"

  1. 1. EMEB EDUCADOR PAULO FREIRE Professora: Marcia Regina Facelli Aguina 1º. Bimestre de 2013 – 9º. Ano Tema: Resenha Crítica
  2. 2. Apresentação inicial Nesta aula estudaremos um gênero textual bem interessante. Veja se você descobre qual é. Desembaralhe as letras e descubra! EHRSANE CIATRCÍ Ao final dessa aula, você será capaz de: • Ampliar o universo de leitura, lendo e estudando textos do gênero resenha crítica. • Identificar as características estruturais e funcionais do gênero resenha crítica. • Identificar a resenha crítica como um gênero textual da esfera argumentativa cuja finalidade é orientar o leitor acerca de uma obra cultural. • Produzir uma resenha crítica sobre um filme.
  3. 3. Atividade 1: Pergunta-desafio Imagine que você queira ir ao cinema assistir a um bom filme. A qual desses textos argumentativos você recorreria para obter informações sobre o filme? ( A ) carta argumentativa ( B ) artigo de opinião ( C ) dissertação ( D ) resenha crítica Você sabe o que é uma resenha crítica? Vamos conhecer um pouco mais desse gênero?
  4. 4. Atividade 2: Por que isso é importante? Como fazemos para obter informações sobre um filme, uma peça de teatro, um espetáculo ...? Pesquisamos na Internet? Perguntamos a alguém que já assistiu àquele espetáculo? O que você faz?A resenha crítica é o texto cuja função é informar sobre um fato cultural, resumindo e avaliandoum livro, filme, peça de teatro, espetáculo. Geralmente combinam duas finalidades: informar epersuadir. É um gênero muito comum nos meios impressos de comunicação como jornais erevistas. Trata-se, portanto, de um texto de informação e de opinião que serve como guia para opúblico. A partir da leitura de resenhas, podemos escolher o que gostaríamos de ver, ouvir ou ler.
  5. 5. Atividade 3: Exemplificando Responda : a. Qual foi o ultimo filme a que você assistiu? b. O que você achou do filme? c. Você o recomendaria? Por quê? d. Quem já assistiu ao filme Avatar? e. Poderia fazer, oralmente, um breve resumo do filme para a turma? Vamos ler uma resenha crítica do filme Avatar? Clique no link:
  6. 6. Atividade 4: Estudo do gênero – definição Apresentaremos agora a definição do gênero “resenha crítica”. Depois de tudo o que conversamos até aqui, leia e complete as lacunas com as palavras do quadro abaixo: Resenha crítica é um ......................... que tem o objetivo de .......................... sobre o conteúdo de uma obra científica ou cultural e fazer uma apreciação .......................... dessa obra. O autor da resenha expõe algumas .................................. sobre o conteúdo da obra e depois desenvolve uma ................................ crítica do conteúdo. Consiste na leitura, resumo, na crítica e na formulação de um conceito de ..................... da obra analisada. INFORMAÇÕES APRECIAÇÃO TEXTO CRÍTICA VALOR INFORMAR Clique no link ao lado e veja se você acertou.
  7. 7. Atividade 5: Estudo do gênero – Especificando as partes do texto Mais à frente você produzirá uma resenha crítica. No link abaixo você encontra uma estrutura simples de resenha crítica. Você pode se basear nela para produzir seu texto. Estrutura da resenha crítica Resumindo em um esboço simples: identificação da obra – apresentação – resumo – crítica – recomendação
  8. 8. Atividade 6: Exercitando… Especificando as partes do texto Lembra-se da estrutura de resenha que trabalhamos anteriormente? 1. Identificação da obra 2. Apresentação 3. Resumo 4. Crítica 5. Recomendação O desafio é o seguinte: no link há a resenha crítica de um filme seguindo a estrutura apresentada no quadro verde. Seu trabalho é colocar os parágrafos em ordem, de forma que siga o esboço. Veja se você acertou! Vamos lá? Clique na imagem Clique no link e comece. abaixo e confira!
  9. 9. Atividade 7: Exercitando - resumo Você viu que na hora de escrever sua resenha vai precisar fazer um resumo da obra. O que é um resumo? Resumo é ato de resumir, sintetizar; uma exposição abreviada e concisa que apresente as características gerais e principais da obra analisada; uma síntese. Vamos treinar um pouco? Você vai assistir a uma reportagem sobre um filme. Depois, em seu caderno, fará um resumo do que assistiu. Lembre-se de que o resumo deve ser uma breve apresentação dos itens mais importantes da reportagem. Tente apresentar o nome do filme, onde foi filmado, a temática, atuação dos atores, enredo.
  10. 10. Atividade 08: Roteiro para a escrita Agora chegou a sua vez de produzir! Você deverá produzir uma resenha crítica sobre o seu filme preferido. Lembre-se da estrutura da resenha apresentada anteriormente. identificação da obra – apresentação – resumo – crítica – recomendação De todos os filmes aos quais você assistiu até hoje, de qual deles você mais gostou? Pense e comece a se preparar para a produção.
  11. 11. Atividade 09: Brainstorm 1 – Qual é o seu filme preferido? Faça uma lista com os filmes de que você mais gosta.
  12. 12. Atividade 10: Brainstorm 2 – informações sobre o filme Agora você vai escolher um dos filmes de sua lista para recomendar para seus amigos. Antes de começar a escrita da resenha, você irá pesquisar sobre o filme escolhido. Essa fase é importante porque nos parágrafos iniciais da resenha você identifica e apresenta o filme, portanto algumas informações são fundamentais. A pesquisa pode ser feita no laboratório de informática da escola ou em casa. Algumas informações que podem ser pesquisadas: •Título do filme •Diretor •Ano em que foi lançado •País •Elenco •Gênero •Lugar onde foi filmado •Enredo •Recebeu prêmios?
  13. 13. Atividade 11: Brainstorm 3 – Eu recomendo! Você já viu esse bonequinho em algum lugar? Ele é utilizado pelo Jornal O Globo para avaliar/criticar filmes. Qual dos desenhos acima você usaria para classificar o filme número 1 de sua lista? No final de sua resenha você deverá recomendar o filme aos leitores. É preciso que justifique sua recomendação. Por que você gostou tanto desse filme e por quais motivos você o recomenda? Lembre-se de oferecer argumentos convincentes ao leitor. A intenção de sua resenha deve ser a de convencer o leitor a assistir ao filme indicado por você. Que tal já começar a esboçar a sua recomendação?
  14. 14. Atividade 12: Escrita Agora chegou a hora de você escrever sua resenha! Você já escolheu em sua lista o seu filme preferido. Agora comece o rascunho de seu texto que deve ter, no mínimo, 5 parágrafos, seguindo a seguinte estrutura: 1. Identificação da obra 2. Apresentação 3. Resumo 4. Crítica 5. Recomendação Faça a resenha na p. 59 do material de apoio da apostila.
  15. 15. Atividade 13: Revisão do texto Agora vamos fazer a revisão dos textos? Mostre seu texto a um colega. Vejam se há alguma alteração a fazer. Depois mostre o trabalho ao professor para que ele indique se há alguma correção a ser feita.
  16. 16. Atividade 14: Momento da reescritura - proposta Eu recomendo! Após a entrega da versão corrigida pelo professor, você vai passar seu texto a limpo. Capriche na apresentação. Que tal digitá-lo e inserir imagens? A proposta é que as resenhas sejam expostas em um painel de recomendação de filmes no mural da escola. Assim, todos os alunos, inclusive os de outras turmas, poderão ler as resenhas e receber sugestões de bons filmes. Vamos fazer um painel bem colorido e chamativo?
  17. 17. Atividade 15: Reescritura Após receber sua resenha revisada pelo professor, veja se ainda há alguma alteração a fazer. Depois de conferir se tudo está em conformidade com o solicitado pelo professor, passe seu texto a limpo e se prepare para a exposição. Capriche!
  18. 18. PROJETO RESENHA : Música eidentidade cultural – apostila p. 54 CONTEXTO HISTÓRICO: DITADURA MILITAR (1964-1985)
  19. 19. Caminhando (1968) (Prá não dizer que não falei das flores) Letra e música de Geraldo VandréCaminhando e cantando e seguindo a cançãoSomos todos iguais braços dados ou nãoNas escolas nas ruas, campos, construçõesCaminhando e cantado e seguindo a cançãoVem vamos embora que esperar não é saberQuem sabe faz a hora não espera acontecerPelos campos a fome em grandes plantaçõesPelas ruas marchando indecisos cordõesAinda fazem da flor seu mais forte refrãoE acreditam nas flores vencendo o canhãoVem vamos embora que esperar não é saberQuem sabe faz a hora não espera acontecer
  20. 20. Há soldados armados, amados ou nãoQuase todos perdidos de armas na mãoNos quartéis lhes ensinam uma antiga lição:De morrer pela pátria e viver sem razãoVem vamos embora que esperar não é saberQuem sabe faz a hora não espera acontecerNas escolas, nas ruas, campos, construçõesSomos todos soldados, armados ou nãoCaminhando e cantando e seguindo a cançãoSomos todos iguais, braços dados ou nãoOs amores na mente, as flores no chãoA certeza na frente, a história na mãoCaminhando e cantando e seguindo a cançãoAprendendo e ensinando uma nova liçãoVem vamos embora que esperar não é saberQuem sabe faz a hora não espera acontecer
  21. 21. FESTIVAL INTERNACIONAL DA CANÇÃOFestival Internacional da CançãoOrigem: Wikipédia, a enciclopédia livre. O Festival Internacional da Canção foi um concurso demúsicas nacionais e estrangeiras, anual, realizado no ginásio doMaracanazinho, no Rio de Janeiro, e transmitido pela TV Rio (primeiraedição) e pela TV Globo. A música de abertura era composta porErlon Chaves chamava-se Hino do FIC. O apresentador oficial eraHilton Gomes. O prêmio Galo de Ouro foi desenhado por Ziraldo econfeccionado pela joalheria H.Stern.Criado por Augusto Marzagão, durou de 1966 a 1972 (sete festivais).Cada um tinha duas fases: a nacional, para escolher a melhor cançãobrasileira, e a internacional, para eleger a melhor canção de todos ospaíses participantes — a concorrente brasileira era a vencedora dafase nacional. A música ―Pra não dizer que não falei das flores‖ foiapresentada no festival de 1968 e ficou em 2º. Lugar.
  22. 22. Das flores aos aviõesUm dos grandes heróis dos festivais, Geraldo Vandré abandonou acarreira e vive no anonimatoVitor Nuzzi Nunca uma vice-campeã fez tanto barulho num festival. ―PraNão Dizer que Não Falei das Flores‖, ou ―Caminhando‖,de Geraldo Vandré, ficou apenas em segundo lugar na fase nacional do3º Festival Internacional da Canção, promovido pela TV Globo em1968 – perdeu para ―Sabiá‖, de Chico Buarque e Tom Jobim. Mas atéhoje é cantada em toda manifestação de rua. Tornou-se a―Marselhesa‖ brasileira, em definição de Millôr Fernandes. Ou a―anti-Marselhesa‖, segundo Nelson Rodrigues. E marcou a despedidainvoluntária de Vandré, que nunca mais tocaria profissionalmente noBrasil. De todos os artistas famosos que deixaram o país no períododo regime militar, foi o único a não retomar a carreira. Só ameaçouvoltar em 1982, quando cantou no Paraguai.Para alguns, ―Caminhando‖foi uma resposta a setores da esquerda que criticaram Vandré após o1º de Maio de 1968, quando manifestantes de esquerda apedrejaramo governador paulista Abreu Sodré – o compositor foi ―acusado‖ deter se solidarizado com o político...
  23. 23. O ano era conturbado e a música, como era de se esperar, repercutiumal nos meios militares. Maquiado e de passaporte falso, Vandré deixou o paísdurante o Carnaval de 1969. Voltou ao Brasil em meados de 1973. Em novembrode 1970, gravou na França o seu quinto e último LP, Das Terras de Benvirá. Osobrenome artístico veio do segundo nome do pai, o médico JoséVandregísilo. Geraldo Pedrosa de Araújo Dias nasceu em João Pessoa (PB), em12 de setembro de 1935. Começou a cursar o ginásio no colégio São José, emNazaré da Mata (PE), entre 1949 e 1950. Nos dois anos seguintes, estudou nocolégio Granbery, em Juiz de Fora (MG), onde também estudou o ex-presidenteItamar Franco. De 1957 a 1961, estudou Direito na Universidade do DistritoFederal, atual Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Aos 71anos, Vandré optou pelo anonimato. Mora sozinho no centro de São Paulo, masviaja constantemente. No início de novembro de 2006, esteve no Rio e ficouhospedado, como de outras vezes, no hotel do Clube da Aeronáutica. Tempaixão por aviões – desde criança, segundo ele. Em 23 de outubro de1985, compôs ―Fabiana‖, em homenagem à Força Aérea Brasileira. Segundopessoas próximas, ainda faz música, inclusive erudita. Em raríssimasentrevistas, negou ter sido preso ou torturado.
  24. 24. RESENHA: 1968 – O ano que modificou a história dos brasileiros Vem, vamos embora que esperar não é saber, quem sabe faz a hora não espera acontecer” (trecho da música “Prá nao dizer que não falei de flores”, de Geraldo Vandré) VENTURA, Zuenir. 1968 – O ano que não terminou. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1988. O livro “1968 – O ano que não terminou” vendeu mais de 400 mil exemplares e foi publicado em 1988 para reconstituir os obscuros acontecimentos daquele ano. Escrita pelo jornalista e professor universitário Zuenir Ventura, a obra é a reconstrução dos mais importantes eventos que ocorreram nesse conturbado ano no Brasil. O conteúdo do livro começa com a descrição de uma movimentada festa de Réveillon, com a presença da elite social carioca. A farra foi realizada no alto do Jardim Botânico, na casa do casal Luís e Heloisa Buarque de Holanda, amigos do jornalista. E termina com a decretação de uma medida de exceção, o AI-5 (Ato Institucional número cinco), em 13 de dezembro de 1968, pelo então presidente da época, o General-de-Exército Arthur Costa e Silva.
  25. 25. Zuenir conta em estilo jornalístico como tudo foi acontecendo. Desde afesta de primeiro do ano na casa de Helô, mostrando separações decasais, traições e brigas, fatos que iriam se tornar normais em umageração que tinha como objetivo virar o mundo de cabeça para baixo.O jornalista por outras cenas marcantes, como a entrada doanticoncepcional no mundo feminino, as peças teatrais proibidas decontinuarem a ser apresentadas pela censura, os festivais de músicasreveladores da moderna melodia popular brasileira: a Tropicália, comCaetano Veloso, além de Chico Buarque, Geraldo Vandré e outroscantoresAlgumas barricadas tinham como lema “é proibido proibir”. A morte doestudante Édson Luís de Lima e Souto e suas conseqüências marcaram oano. Como, por exemplo, a passeata dos cem mil, na Avenida RioBranco, no centro do Rio de Janeiro, e os discursos de líderes contra atirania. Zuenir mostra, ainda, as violências provocadas pelos meios derepressão do Estado, e a preocupação das mães com seus filhos, lutandopelos seus ideais nas ruas. A invasão da UnB (Universidade de Brasília) portropas militares espancando alunos, professores e até mesmoparlamentares, com o pretexto de prender líderes estudantis, foram outrostrechos marcantes. Até chegar o AI- 5 e as suas duras revelações, como aprisão de personalidades importantes na época.
  26. 26. Os eventos desse ano ocasionaram mudanças incríveis, principalmente no contexto social e político doBrasil. As agitações estudantis da época mostram que todos estavam dispostos a lutar contra a ditadura,a favor da liberdade de expressão e, principalmente, pelos seus direitos.Além de ser um estudioso sobre o memorável ano, Zuenir também participou dos acontecimentos. E issoacaba deixando o conteúdo da obra mais interessante, pois ele presenciou todos os fatos descritos nolivro. O jornalista traz ainda na narrativa depoimentos de muitas pessoas que viveram na época, e queparticiparam dos acontecimentos, fazendo com que o ano de 1968 entrasse para a história como ocomeço de uma nova época, o início de algo diferente.O livro, por ilustrar os fatos pelo olhar de quem os fez, prende a atenção do leitor. As pessoas quediscursavam e lutavam na época são as mesmas que ajudaram o professor universitário a contar oseventos. Os testemunhos dão mais veracidade aos textos. Porém, por tratar-se de uma obra jornalística, oautor deveria trazer junto o outro lado da história. Porque o volume só mostra a luta dosestudantes, deixando de lado a opinião e as declarações dos indivíduos que comungavam de outrosideais e que também foram atores dos mesmos fatos narrados. Zuenir ouviu apenas os relatos de quemsofreu com os acontecimentos, esquecendo de que sempre há três verdades para os fatos; o meiotermo e os dois lados do acontecimento.
  27. 27. Mesmo assim, o livro não deixa de ser uma obra importantíssima para relembrar os momentosque muitos pais e avós viveram, remontando uma parte dos acontecimentos históricos maisimportantes que ocorreram no Brasil: a ditadura. Tais fatos acabaram mudando o país, fazendouma geração inteira virar o mundo pelo avesso e deixar marcas para todas as outrasformações. Como mostra o trecho da música “Prá dizer que não falei de flores”, de GeraldoVandré, reproduzida no início desta resenha, as pessoas não esperaram acontecer. Uma dasmelodias que viraram lemas de passeatas dizia: “esperar não é saber”http://indiraefel.wordpress.com/2008/11/25/resenha-1968-o-ano-que-modifiou-a-historia-dos-brasileiros/
  28. 28. Música Durante a ditaduramilitar qualquermanifestação ouorganização feita paraquestionar a situaçãopolítica da época eracensurada, as pessoas queas compunham eramexiladas, mortas oudesapareciam. Elis Regina
  29. 29. Um dos artifícios que os músicos utilizavam para se expressar era amúsica. Nas letras, questionavam a situação pela qual o Brasilestava passando, mostravam o que o governo e os militaresestavam fazendo. Porém como não podiam colocarexplicitamente os problemas nas letras, pois eram censuradas , seutilizavam de metáforas (veja a música “Cálice” de Chico Buarquee Gilberto Gil) ou, no trecho que era censurado, colocavampalavras sem sentido com o resto da música, ironizando emostrando para a população que ali houve uma CENSURA. Gilberto Gil
  30. 30. Cálice>> Chico Buarque Pai, afasta de mim esse cálice De muito gorda a porca já não andaPai, afasta de mim esse cálice De muito usada a faca já não cortaPai, afasta de mim esse cálice Como é difícil, o pai, abrir a portaDe vinho tinto de sangue Essa palavra presa na garganta Esse pileque homérico no mundoComo beber dessa bebida amarga De que adianta ter boa vontadeTragar a dor, engolir a labuta Mesmo calado o peito, resta a cucaMesmo calada a boca, resta o peito Dos bêbados do centro da cidadeSilêncio na cidade não se escutaDe que me vale ser filho da santa Talvez o mundo não seja pequenoMelhor seria ser filho da outra Nem seja a vida um fato consumadoOutra realidade menos morta Quero inventar o meu próprio pecadoTanta mentira, tanta força bruta Quero morrer do meu próprio veneno Quero perder de vez tua cabeçaComo é difícil acordar calado Minha cabeça perder teu juízoSe na calada da noite eu me dano Quero cheirar fumaça de óleo dieselQuero lançar um grito desumano Me embriagar até que alguém me esqueçaQue é uma maneira de ser escutadoEsse silêncio todo me atordoaAtordoado eu permaneço atentoNa arquibancada para a qualquer momentoVer emergir o monstro da lagoa
  31. 31. 2º. Trabalho para entregarINSTRUÇÕESVocê assistiu ao vídeo da música “Pra não dizer quenão falei das flores”.Agora elabore uma resenha sobre ela, de acordocom o que você aprendeu. • A ATIVIDADE DEVERÁ SER FEITA NO MATERIAL NA P. 57 E ENTREGUE DIA ____/_____/2013Pesquise sobre GERALDO VANDRÉ, o momentohistórico vivido, a mensagem transmitida pela letra...Pode ser feito individual ou em dupla.
  32. 32. INSTRUÇÕESPode ser feito individual ou em dupla.Agora elabore uma resenha sobre ela, de acordocom o que você aprendeu.• A ATIVIDADE DEVERÁ SER FEITA NO MATERIAL NA P. 57 E ENTREGUE DIA ____/_____/2013Pesquise sobre GERALDO VANDRÉ, o momentohistórico vivido, a mensagem transmitida pela letra...
  33. 33. Fontes pesquisadas:• http://www.educopedia.com.br/Index.aspx

×