Ano 1 nº 1Jornal Laboratório da Turma de Impresso I 2011Problemas e qualidadesrelatados por quem vive “Não só aqui, mas o ...
ZONA OESTE                                                                                                                ...
A rua em que D. Rosa mora não é          sagem de avião. Tenho até medo!”,        Esses contrastes mostram que a de-      ...
CENTRO históriaCampina: mistura entre                                                                                     ...
mora longe, porque senão chegamosatrasados devido ao congestiona-mento”. Ela ainda reclama do baru-                       ...
OUTROS BAIRROSIMPORTANTES                                                 Nazaré:                                         ...
A área comercial é constituída pormilhares de lojas populares voltadas                                        ZONA SUL    ...
Por serem muito                                                                                                           ...
Metrópolis
Metrópolis
Metrópolis
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Metrópolis

523

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
523
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
5
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Metrópolis

  1. 1. Ano 1 nº 1Jornal Laboratório da Turma de Impresso I 2011Problemas e qualidadesrelatados por quem vive “Não só aqui, mas o bairro todo é uma contradição, com gente rica e gente pobre andando na mesma rua” Pág. 6 CampinaTerra Terra Firme, como todos“O bairro da Firme Barreiro Quase todos os dias, o Barreiro,os bairros de Belém, é um bom local de situado na região oeste de Belém,se viver, mas sofre preconceito porque aparece nos mais diversos meioso índice de criminalidade é grande e as de comunicação como exemplo depessoas muitas vezes tem medo de de- bairro violento. De fato, motivosnunciar para não sofrer represálias” diz não faltam para isso: o bairro é uma dona de casa Rosilene Oliveira, mora- dos campeões em crimes contra odora do bairro há 36 anos. patrimônio, como roubo, furto, la- Pág. 17 trocínio e receptação. Pág. 4Diagramação: Caio Luan e Gustavo Aguiar
  2. 2. ZONA OESTE vemos casas e edifícios de classe mé- dia ao lado de casas bem humildes. A Pedreira está localizada na região norte de Belém, entre o centro e a lizam, não só na Pedreira como em outros bairros também. Mostrando Assim como também vemos reven- periferia. Ele faz limite com cinco mais uma vez que o progresso chega, dedoras de motos e carros de empre- bairros: Marco, Umarizal, Fátima, mas não para todos. sas nacionais ao lado de pequenas Telégrafo, Sacramenta, e Souza. Amanda Campelo, mercearias. 17 anos. Mora na Pedreira há 10 Nas avenidas planejadas por Antônio anos e acha seu bairro o melhor do mundo para se viver. O bairro da Pedreira foi planejado Lemos que deveriam possuir 40m de por Antônio Lemos, intendente de largura e transversais medindo 20m Belém na virada do século XIX para de largura observamos os edifícios de o XX com os recursos das exporta- classe média que vão surgindo, e ao ções da borracha. Devido ao grande lado deles as casas humildes, que vão número de pedras que existiam em sobrevivendo a essa expulsão con- suas imediações recebeu este nome. tínua que as grandes empresas rea- Opostos sociais são casa. A moradora recusou porque além de não querer deixar o lugar zareno Figueiredo conta que apesar vizinhos no bairro da onde foi criada, também não queria mudar de bairro, pois julga o bairro de morar em um bairro considerado periférico, atualmente os terrenos estão altamente valorizados. Quan- Pedreira da Pedreira como um dos menos pe- rigosos em comparação aos outros da do se mudou há 7 anos, comprou seu O bairro da Pedreira só um conforto maior para seus mo- capital. terreno por R$16.000. Agora, um não é só o bairro do radores, mas, principalmente, des- terreno na mesma rua e com dimen- Entretanto, nem todos resistem as sões menores, está custando entre samba e do amor, pertou o interesse de empresas nos ofertas das empresas de médio e R$70.000 e R$80.000. é também mais um imóveis da área. O bairro é um dos grande porte. Avenidas como a Dou- bairro de grandes desigualdades so- maiores polos comerciais da capital tor Freitas e Pedro Miranda estão se Seu Nazareno relata também que ciais na Região Metropolitana de Be- paraense, e mesmo com as transfor- tornando quase que integralmente viaja para fora do Estado duas vezes lém. Nele vemos o luxo convivendo mações que estão ocorrendo, ainda comerciais. A extinção parcial de ao ano, possui TV a cabo, internet, lado a lado com a pobreza. Ao mes- tem como coração comercial o Mer- residências nestas avenidas traz be- empregada doméstica e paga colé- mo tempo em que grandes constru- cado Municipal da Pedreira, locali- nefícios e malefícios, principalmen- gio particular para o filho e faculda- toras realizam projetos nas princi- zado na Avenida Pedro Miranda. te quando se trata da segurança dos de particular para a filha. Tem uma pais avenidas do bairro, os casebres Dos novos investimentos, em sua moradores. A estudante Aline Coim- vida financeira estável e não passa ainda existem. Certamente a grande grande maioria, os pontos comer- bra, moradora da travessa Perebebuí por dificuldades. A rua onde mora é procura por áreas e imóveis, que ciais são de lojas relacionadas a au- afirma que durante o dia, os pontos asfaltada, com um bom saneamento vem ocorrendo nos últimos tomóveis, além dos grandes edifícios comerciais deixam as ruas movimen- básico e luz elétrica. anos, está agravando que estão cada vez mais verticalizan- tadas, mas durante a noite quando asO luxoconvivendo essas contradições. A Pedreira não é o do o bairro. Estes tipos de negócios necessitam uma vasta área, e as cons- lojas estão fechadas, essas mesmas ruas ficam desertas, tornando-se um Diversidade do bairro Enquanto isso, três quarteirões adiante, mora a família Costa quelado a ladocom a único bairro onde trutoras fazem o que podem para ambiente propício para assaltos. de Val-de-Cans divide a renda de um salário míni- A as desigualdades es- mo para 6 pessoas. O marido de Rosapobreza. comprar tais terrenos. A maioria tão presentes, mas Ao caminhar pelas ruas do bairro da alvenaria e o bom aca- rentam nem ter saneamento básico. Costa é pedreiro e ela lava, passa e destas compras são realizadas com é um dos quais es- Pedreira, é impossível separar qual bamento se contrastam A desigualdade social está presen- faz pequenos reparos em roupas de sucesso, todavia há casos em que isso sas contradições estão parte seria considerada rica e qual com a fragilidade da te no bairro de Val-de-cans, assim clientes. “Nem sempre tem serviço não ocorre. Como o da Dona Ivete, cada vez mais nítidas. seria a parte pobre, não há divisa. madeira, obras inaca- como em toda a cidade de Belém. para mim e para o meu marido, é di- moradora da Avenida Doutor Frei- Contudo, podemos sim observar que badas e mal feitas, espaços pequenos fícil juntar R$545,00 reais por mês. O aumento dos investimentos da tas há mais de 50 anos, ela recusou a A família Figueiredo é formada por ambos convivem no mesmo am- e mal planejados. Enquanto vemos Mas a gente dá um jeito”, diz ela em prefeitura no urbanismo das princi- oferta de uma empresa que lhe ofe- quatro membros, possui três veícu- biente. Com exceção dos chamados casas seguras e com mais de um veí- um tom triste, mas conformado. pais avenidas do bairro trouxe não receu R$ 200 mil pela compra de sua los e uma casa bem estruturada. Na- becos, nas principais ruas do bairro culo, também vemos outras que apa- 2 Ano 1 nº 1 Ano 1 nº 1 3
  3. 3. A rua em que D. Rosa mora não é sagem de avião. Tenho até medo!”, Esses contrastes mostram que a de- Foto|Caio Oliveira formar um só. asfaltada e muitos de seus vizinhos confessa. Mesmo com o financia- sigualdade social está presente. Mes- praticam o famoso “gato” para não mento de viagens e promoção de mo que os defeitos nos serviços pú- Logo nos primeiros anos, o bairro pagar luz elétrica, que eles definem passagens, não é raro encontrar fa- blicos sejam resolvidos, o emprego, desenvolveu um sistema comercial como um serviço caro. O serviço de mílias como as de D. Rosa que não a renda e a vida financeira e social onde as matérias-primas são duas água e esgoto é considerado razoá- tem condições para viajar. das famílias nunca será a mesma. Um coisas inerentes a realidade da po- vel pelos que vivem na área, porém quadro que infelizmente não tem so- pulação: pobreza e criminalidade. A A estrutura do aeroporto e a idéia algumas casas não possuem uma lução. famosa Feira do Barreiro é um lugar de viagem ainda é uma realidade estrutura que conservem higiene e onde falta de qualidade e legalidade inacessível para muitas pessoas. Por Jéssica Sobral, acabam prejudicando os vizinhos. dos produtos são compensadas com pagar um aluguel caro, os estabele- Moradora do D. Rosa reclama que têm vizinhos bairro de Val-de- preços exíguos. A necessidade dos cimentos do aeroporto cobram caro Cans e estudante com banheiros mal estruturados que vendedores e a dos consumidores por seus produtos. Uma xícara de de Comunicação comprometem a higiene da rua. Al- Social/Jornalismo faz com que esta feira totalmente café expresso pode custar até R$6,00. guns terrenos abandonados acumu- na UFPA paralela à lei passe despercebida (ou Outro motivo que impede o consu- lam possas de água quando chove e ignorada) pelas autoridades respon- mo não só da população do bairro, representam um perigo para a pro- sáveis. mas das pessoas que geralmente via- liferação do mosquito da Dengue, jam e freqüentam o local. Outro centro comercial impor- muito comum nesta época de chuva constante. tante é a feira da São Benedito, mais classe baixa, o que não significa que bém da dignidade dos moradores.“Nem sempre A desigualdade é Pobreza e riqueza um exemplo da condição das neces- sidades consumistas dos moradores as coisas não estejam gradativamente evoluindo. Muito ainda deve ser feito para que no Barreiro: bairro visível no bairro do bairro. A feira é uma das mais o Barreiro seja considerado um lugartem serviço para de Val-de-cans. carentes da cidade. Saneamento e “Eu acho que com o tempo, as coi- bom para se viver, mas o povo domim e para o As melhores sas vão melhorar. Já melhorou mui- bairro não cansa de dar exemplos demeu marido, édifícil juntar casas estão ins- taladas em ruas recente, mas com muito urbanização são conceitos que ainda não fazem parte, em sua totalidade, to e, com a cidade crescendo, nosso bairro também vai se modernizar” que otimismo e dignidade são duas qualidades que nem as piores condi-R$545,00 reaispor mês. asfaltadas, sinali- zadas e os terrenos que dizer da vida dos moradores e comercian- tes da região. Todo o bairro é corta- do por canais, verdadeiros esgotos a diz Délia Barroso, a Dona Lica, mo- radora do bairro desde que ele ainda ções materiais e econômicas podem destruir. E assim, aquele lugar que são vendidos a preços A fama de bairro ruim nada mais é do que um reflexo era parte da Sacramenta. “Com cer- inicialmente era apenas duas ruas la- céu aberto, que servem de depósito das condições precárias em que os moradores vivem. Q altos. As ruas sem asfalto e de lixo para vendedores de ambas as teza, a maior riqueza daqui é o povo. macentas continua crescendo e mos- uase todos os dias, seu próprio nome. “Barreiro”, até o Por mais que tenha toda essa ban- de iluminação pública precária abri- feiras. trando que, como em todo lugar, não o Barreiro, situado início dos anos 1980, era uma peque- didagem, eu conheço muita gente gam as famílias mais humildes. Por só coisas ruins fazem parte de seu na região oeste de na região (duas ruas, no máximo) às Mas, é só de pobreza que esse bairro trabalhadora, que luta todos os dias que será que o governo está benefi- cotidiano. Belém, aparece nos margens do Canal São Joaquim que é feito? Aparentemente, sim. Como pelo o que é seu. Acho que isso sim, ciando apenas uma parte da popula- mais diversos meios de comunica- foi batizada assim por suas ruas se- já ficou claro, desde seu nascimento, é ser rico da graça de Deus”. ção do bairro? Não seria justo que os Caio Oliveira, ção como exemplo de bairro violen- rem totalmente cheias de barro. O o Barreiro sempre foi um bairro de 17 anos. serviços públicos fossem distribuí- to. De fato, motivos não faltam para lugar era habitado por famílias pau- A principal causa da criminalida- Quando nasceu, dos de maneira igual já que todos os morava na isso: o bairro é um dos campeões em pérrimas, sendo a palafita o principal de nesse e em todos os bairros pe- cidadãos contribuem para que eles Sacramenta e crimes contra o patrimônio, como tipo de moradia. riféricos da cidade é a carência da viu aos sejam realizados? A principal causa roubo, furto, latrocínio e receptação. infra-estrutura que é oferecida à poucos sua rua Um ponto muito conhecido no bair- Hoje em dia, a situação não é muito da criminalidade nesse população, sobretudo, aos jovens se tornar parte No entanto, não existe uma preocu- do Barreiro. diferente. Espremido entre o Val-de- e em todos os bairros habitantes. O Barreiro é carente de ro de Val-de-cans é o Aeroporto pação por parte da grande mídia em -Cans, a Sacramenta e o Telégrafo, o periféricos da cidade é a escolas e creches de qualidade, além Internacional de Belém. Apesar de mostrar quais as causas da criminali- Barreiro cresceu, agregando diversas carência da infra-estru- de uma opção decente e pública de morar há 38 anos no bairro, D. Rosa dade na região. ruas desses bairros ao seu território lazer para o jovem e para a criança. diz nunca ter entrado no aeroporto. tura que é oferecida à Desde o início, o Barreiro é um e, conseguintemente, os problemas Tudo isso contribui para o empobre- “É um lugar pra gente rica. Eu não população bairro marcado pela pobreza, algo sociais. As áreas mais carentes de cimento não só financeiro, mas tam- tenho condições de pagar uma pas- que pode ser exemplificado até pelo cada um desses bairros passaram a 4 Ano 1 nº 1 Ano 1 nº 1 5
  4. 4. CENTRO históriaCampina: mistura entre mo contando com uma delegacia nas redondezas, a Seccional do Comér- pela frente do prédio cheirando cola ou fumando. Na Praça, eles se con- não passa por ali. O vigia Carlos conta que a situação cio, na Praça das Mercês. centram, e fica muito perigoso andare desenvolvimento reflete O vigia ainda ressalta o contraste social na Campina: “aqui você en- por lá quando escurece”. na Riachuelo é caótica. “Não tem iluminação boa, nem polícia a noi- te toda. De vez em quando passa umdesigualdadesViolência, drogas e prostituição fazem parte do cenário de um dos bairros mais tradicionais da contra gente rica, que vive bem, no centro da cidade, perto de tudo, e “Aqui você encontra gente rica, que vive carro de polícia aqui, mas não dá jeito, tem assalto quase todo o dia. crianças que cheiram cola e prosti- bem, no centro da ci- Não só aqui, mas o bairro todo é umacapital. Pobreza e riqueza dividem maior avenida do centro financeiro. tutas ganhando a vida”. dade, perto de tudo, e contradição, com gente rica e gente crianças que cheiram pobre andando na mesma rua”, enfa- MAIS CONTRASTES tiza o segurança. cola e prostitutas ga- Bairro marcado pela tranqüilidade, nhando a vida” na Campina é fácil encontrar casas Gustavo Ferreira centenárias, com moradores idosos, 19 anos de vida que ainda preservam um hábito, e de morador da Na Rua Riachuelo há um dos traços Campina. Tem em extinção, de ver o tempo passar muito orgulho debruçados em suas janelas altas. mais marcantes da Campina: a pre- de seu bairro Outro hábito, o de passear na Praça sença da prostituição como meio de por toda a sua importância da República, tornou-se tarefa qua- sustento de diversas mulheres. Vi- histórica, porém se impossível para muitos. O moti- vendo em casas desgastadas com o se sente inco- tempo, a rua é considerada um dos modado com a vo é a forte presença das drogas no falta de segu- local. De acordo com Rosa Maria, é pontos mais perigosos do bairro. O rança. freqüente encontrar pessoas, muitos cenário de calçadas irregulares, bu- deles jovens, usando algum tipo de racos no asfalto e fachadas quase caí- entorpecente: “é o dia todo, princi- das mostra que o dinheiro que circu-U palmente à noite, que eles passam la nos bancos da Presidente Vargas m dos primeiros rua dormem em frente às lojas e ao pina são os assaltos. Mesmo não es- bairros de Belém, edifício-sede dos Correios. O mesmo tando entre os bairros mais violentos a Campina guarda o bucolismo de ou- acontece nas proximidades do Hotel Hilton, o segundo da rede no Brasil de Belém, os casos são constantes, em geral pequenos furtos. Carlos A diversidade de um Márcia de Souza afirma que “devido à falta de organização do trânsito, falta de políticas públicas, estamostrora, misturada com traços de um (além do Hilton Morumbi, em São Santos trabalha como segurança par-desenvolvimento mal-estruturado. Paulo). ticular no local e conta várias histó- bairro para viver um colapso no trânsito, NPrédios altos, modernos, ao lado de rias curiosas: “a maioria dos assaltan- isso é um verdadeiro caos, pois mes- ele estão localizados Rosa Maria Aquino, moradora do mo que moremos no centro, temoscasas com fachadas azulejadas, he- tes são ‘pivetes’ mesmo, e eles não alguns dos principais O bairro possui imóveis com valores edifício Palácio do Rádio há mais que acordar cedo que nem quemrança portuguesa. As casas antigas, poupam ninguém. Eu já peguei dois pontos turísticos elevados, mas nem por isso quem de 20 anos, diz que o poder públicoos comércios tradicionais de família, ou três só este mês tentando assaltar de Belém: o Museu vive nele desfruta de segurança e não olha pelos mendigos que vivemhoje dividem espaço com grandes senhoras, e já vi famílias sendo rou- Emílio Goeldi, a antiga Residência tranquilidade. Algumas das princi- no local, e que este é um problema Enquanto pessoasbancos. E a convivência entre esses badas”. do Governador – atual Parque da pais ruas de escoamento do trânsito comum do bairro: “eu passo por aqui estão jogadas pelasdois mundos revela graves proble- Residência – e o Mercado de São estão nele localizadas, como a Ave- todos os dias e fico triste com a situ- Segundo Carlos, um dos fatores que ruas, outras estãomas sociais. Braz. Ele também abriga o terminal nida Governador José Malcher, Av. ação deles, não apenas na Presidente contribuem para essa violência é a pagando em média rodoviário e um monumento em Conselheiro Furtado, Av. MagalhãesA Avenida Presidente Vargas, anti- Vargas. No Espaço da Palmeira e na iluminação precária, inexistente em R$4.000,00 pelo me- forma de capacete em homenagem Barata, entre outras. Sendo assim,ga 15 de Agosto, reconhecida como própria Praça da República, eles são vários trechos do bairro. “Isto só fa- tro quadrado no mes- ao mais famoso governador do Pará, nos horários de alta circulação deo centro financeiro da capital, é um muitos”. cilita a vida dos bandidos”, afirma o mo local. Magalhães Barata. Este é São Braz, veículos, fica quase impossível tran-dos maiores exemplos de desigualda- segurança, que faz rondas durante a VIOLÊNCIA um dos bairros mais importantes da sitar por lá sem ficar estressado.de entre ricos e pobres no bairro da madrugada. Também não há um po- capital paraense.Campina. Dezenas de moradores de Outro problema freqüente na Cam- liciamento ostensivo na região, mes- Moradora de São Braz há 22 anos,6 Ano 1 nº 1 Ano 1 nº 1 7
  5. 5. mora longe, porque senão chegamosatrasados devido ao congestiona-mento”. Ela ainda reclama do baru- Floriano Peixoto e ver vários garo- tos de rua cheirando cola, dormindo pelo chão e logo atrás o Mercado de urina e também há muito lixo joga- do. Não é preciso ninguém informar o que está acontecendo, basta passar Oslho das buzinas, que não só deixamos motoristas estressados, como tam- São Braz, um prédio histórico em es- tilo art noveau e neoclássico. Acaba de carro, ônibus, moto ou andando que se poderá ver a oposição de re- conflitosbém os próprios moradores.Contudo, Márcia diz que apesar de que não se pode desfrutar da beleza da obra arquitetônica, vendo tanta desigualdade. alidades. A taxa de criminalidade do bairro de Batistahaver esses problemas, gosta de vi-ver neste bairro, pois “é perto detudo, supermercados, rede de farmá- Ao lado do Mercado está o Termi- nal Rodoviário de Belém, que tam- não é tão baixa, como em toda a capi- tal paraense não é. Entretanto, “ain- da é possível caminhar sozinho por CamposUma das principaiscias e ainda há fácil condução, você bém possui uma pequena praça a sua determinadas partes, sem grandes consequências dessa dispari-pode pegar ônibus para todos os lu- frente, a Praça do Operário. Nela preocupações, só tomando algunsgares”. Além disso, há bons locais de também há os meninos, meninas, cuidados” explica Márcia de Sou- dade é a violência. O bairrolazer por perto, como duas filiais da homens e mulheres que ficam va- za. A moradora diz que a violência concentra riqueza, porém éfamosa sorveteria local, Cairu - na gando por lá, sem ter para onde ir ou tem aumentado e que sente falta de cercado por favelas.José Malcher e uma do bonde dentro o que comer, só lhe restando seguir quando ela podia caminhar “tantasdo Parque da Residência- e a doce- o caminho das drogas para esquecer horas da noite” sem preocupações. Observa-se também a presença mas-ria, Abelhuda. a fome e a vida que têm. Enquan- Os problemas do bairro de São Braz siva de moradores de rua. Esses são to estas pessoas estão jogadas pelasDESIGUALDADE são um dos vários que não somente frequentemente expulsos das portas ruas, outras estão pagando em média A Belém, como diversos outros locais de colégios particulares, shoppingMesmo que São Braz seja considera- R$4.000,00 pelo m² no mesmo local. do mundo possuem e que só podem mais bela praça da ci- população predominante das classes e lojas, numa ação muito praticadado um bairro rico, pois morar nele pelos habitantes, a de tentar ignorar Por não terem moradia, essas pessoas ser resolvidos a partir de políticas dade, shopping, área D e E, podem ser facilmente delimi-requer um custo de vida um pouco elementos que não condizem com a fazem todas as suas necessidades na públicas e conscientização da popu- de intenso comércio, tadas, tamanha é a mudança visualmais elevado, você sente um con- imagem de sofisticação nessas áreas própria rua. Com isso, nessas praças lação. Afinal, o lixo que está degra- hospitais, escolas e mi- de um bairro para outro. Esse cená-traste ao passar em frente à Praça do bairro. A ausência destes na prin- de São Braz, há um forte cheiro de dando a cidade, não foi simplesmen- lhares de prédios. O bairro de Batista rio começa a mudar recentemente: te jogado lá pelos políticos. Campos é considerado por muitos a expansão imobiliária obriga a ins- cipal praça da área também reflete o como um lugar completo para se vi- talação de condomínios de luxo nos quanto essa tentativa se estende até ver. Mas por mais completo e plane- bairros vizinhos, devido à superlota- áreas públicas de lazer. jado que seja, as disparidades sociais ção na área. A população de Batista ainda são uma patologia visível aos Campos ainda é, em Uma das principais consequências Não há horá- passantes e moradores da região. sua maioria, per- dessa disparidade é a violência. O rios ou locais tencente à classe O bairro surgiu no período da Belle número de assaltos cresce continua- específicos, os Natália Araújo Époque paraense e recebeu o nome mente na região e os moradores re- média local, por tem 20 anos e mora em assaltos ocor- do Cônego João Batista Gonçalves clamam que a principal fonte desses isso é notável o São Braz desde que nasceu. rem até mesmo Gosta da tranquilidade e Campos, importante figura do mo- assaltos provém dos bairros vizinhos, número de es- dos pontos turísticos de seu em horários de vimento cabano. Ironicamente, foi gerando discriminação com essa po- tabelecimentos, bairro. pico. criado com a intenção de abrigar a pulação. Não há horários ou locais imobiliários, em- elite paraense do período, designan- específicos, os assaltos ocorrem até presariais e de lazer do status que permanece ainda hoje mesmo em horários de pico, tanto voltados para essa parcela no imaginário de parte da população. em regiões movimentadas, como a da população. Por outro lado, a Praça Batista Campos onde inclusive mão de obra que circula diariamente Os primeiros conflitos sociais podem no bairro é de renda baixa e prove- há ação da Guarda Municipal, quan- ser observados na geografia do bair- niente de outras partes da cidade, o to em áreas residenciais, geralmente ro. As fronteiras com bairros como que constitui mais um choque social mais desertas. Jurunas, Condor e Cremação, com nessa área.8 Ano 1 nº 1 Ano 1 nº 1 9
  6. 6. OUTROS BAIRROSIMPORTANTES Nazaré: Bairro nobre e Telégrafo: bem estruturado de destaque Belém, para o concentra as opções campus da de moradia mais UEPA (foto) valorizadas. Cidade Velha: Umarizal: bairro mais conhecido reduto antigo de Belém, de intelectuais, onde surgiu boêmios e a cidade sambistas nas décadas de 1970 e 198010 Ano 1 nº 1 Ano 1 nº 1 11
  7. 7. A área comercial é constituída pormilhares de lojas populares voltadas ZONA SUL As disparidades Dentro dos muros rões e roupas de grife entre os carro- ceiros e pessoas humildes dentro do pobres e violentos? E o que faz com que ele seja tão esquecido pelas au-para o público de baixa renda, assim da Cidade Universi- bairro. Um retrato fiel dessa contra- toridades?” Negligenciar o bairro docomo pequenas lojas de luxo que,apesar do porte, recebem maiores econômicas e sociais tária José da Silveira Netto circula-se con- hecimento e intelec- dição é a Avenida Bernardo Sayão, um dos caminhos que levam à Ci- Guamá seria então ignorar grande parte da população belenense, que do bairro do Guamáníveis de investimento, e todas reu- dade Universitária. Por ser estreita, não pode mais ser estereotipada enidas nas vias de maior movimento tualidade em nível há uma verdadeira disputa entre car- subestimada.em compra e venda como a famo- elevado enquanto nas ros, motos, bicicletas, carroças e pe- Considerado o bairro mais populoso de Belém, a região redondezas há umsa Rua dos 48. Além dessas vias há é marcado pela pobreza e pela violência sem controle. destres. Um conflito que vai além datambém a presença de um shopping, grande número de disputa por espaço físico entre meiosconstituído de 198 lojas e praça de analfabetos. de locomoção, é a representação dealimentação, e uma galeria popular, cente violência da pobreza vigente. diversas realidades sociais unidas eassim como diversos vendedores A violência é tida como consequên- mescladas em um mesmo local.ambulantes espalhados pela região. cia da falta de bens econômicos e Mayra Leal O Guamá lidera o índice de popu- tem 17 anos e mora há dois oportunidades que poderiam gerarSe ainda vive em um momento de lação, possuindo cerca de 25.000 meses no Guamá. Gosta do progresso e educação. No bairro, habitantes a mais que seu suces- seu novo bairro por causa damaior uniformidade, a realidade do infelizmente há um pensamento já proximidade com a UFPA.bairro de Batista Campos está prestes sor, o bairro da Pedreira. Sendo as- instaurado de que àqueles que nãoa mudar. A tendência geral é que siga sim, criam-se dois questionamentos: tiveram grandes oportunidades, ouo movimento de diversificação de “Por que o bairro mais populoso da entrarão para o crime ou trabalharãoclasses que acontece na cidade como capital paraense é ainda um dos mais na popular Feira do Guamá.um todo. O crescimento da classe Além disso, pode-se ressaltar tam-média e o surgimento de novas áreasde centro e periferia tornam a dinâ-mica social mais ativa e favorecem o bém uma desigualdade cultural e intelectual. Um dos maiores exemp- Educação e violênciacrescimento da cidade. los e fatores é a presença da Univer- sidade Federal do Pará no bairro. A evidenciam diferenças S maior universidade da região norte e você procurar na in- ternet pelo bairro Gua- bana. Não há só uma diferença entre bair- cria uma contrariedade forte no que diz respeito à tecnologia e conheci- em Canudos A fama de bairro ruim nada mais é do que um reflexo má, terá como resultado A ros vizinhos, existe também uma mento. Dentro dos muros da Cidade “bairro marcado pela po- das condições precárias em que os moradores vivem. contradição muito forte dentro do Universitária José da Silveira Netto breza e violência sem controle” em ltos índices de violên- coexistem na vida de cada um. Pois, próprio bairro em questão. É comum circula-se conhecimento e intelec- diversas fontes. O bairro é dispar- cia e má qualidade na andando pelo bairro percebem-se as em uma rua deparar-se com casas tualidade em nível elevado enquan- adamente o mais populoso de Belém educação demonstram grandes distinções na infra-estrutu- primitivas e rústicas, verdadeiros to nas redondezas há um grande e recebe esse nome pela presença de contrastes no bairro ra, nas escolas, na unidade de saú- Mariana Castro, barracos, e ao dobrar a esquina en- número de analfabetos. Poucos são um dos principais rios da região, o de Canudos em Belém. A população de e nas casas. O maior contraste é 17 . Mora há um contrar residências luxuosas. Uma os projetos de integração com a co- ano na Batista Rio Guamá que o corta. deste bairro reclama dos constantes percebido com relação ás escolas do Campos. Adora paisagem bastante contrastante, munidade local, e muitos dos que assaltos e da violência no ambiente bairro. São poucas as escolas públicas seu bairro por Acoplado ao bairro de São Brás tor- típica de quase todas as grandes ci- ali residem têm probabilidade quase não precisar escolar. Esses são alguns dos muitos e muitas escolas particulares. Mais na-se difícil a distinção territorial dades brasileiras. zero de ingressar nesta universidade sair dele para problemas vividos por todos os mo- precisamente essas escolas são de ní- encontrar o que do término de um e início do outro, próxima apenas fisicamente, poré- Apesar de a classe baixa ser domi- radores deste bairro, o que evidencia vel fundamental. quer. Mas, como porém a realidade econômica distin- mutópica quando se refere à possibi- toda a cidade de nante em número, há uma elite ali mais ainda as diferenças socioeconô- ta é bem evidente. Quem passa pela lidade de ser parte dela. Um fator marcante para determinar Belém, acha que instalada.Estes estão presos por trás micas entre eles no bairro em ques- a violência é o região, iniciando seu trajeto a partir Dentro deste mesmo exemplo tam- essas desigualdades é a constante de muros e grades, afugentados pelo tão. principal prob- de São Brás em direção ao Guamá violência nas escolas. De acordo com lema. perigo, que por sua vez já se tornou bém há a desigualdade econômica. É se depara com a contrariedade que comum vermos professores e alunos Os moradores desta região possuem o depoimento de universitária Lilian símbolo do Guamá. Na realidade começa a ser percebida desde a ar- da UFPA desfilando com seus car- condições econômicas bem diversas. Chucre, de 19 anos, esse é um fator atual é impossível dissociar a cres- quitetura, arborização e limpeza ur- Pode-se dizer que essas diferenças que evidencia mais ainda as diferen-12 Ano 1 nº 1 Ano 1 nº 1 13
  8. 8. Por serem muito altos, os pré- dios diminuem a ventilação da cidade, prin- cipalmente os situados às mar- gens da Baía do Guajará. Isso é um fato que vem se constatando, pois o número de prédios a beira da Baía vêm aumentan- do significativa- mente.ças e preconceitos, já que as escolas quando estudava na Escola Acácio um lado uma demonstra a pobrezaparticulares são um pouco mais cui-dadosas nessa questão. De família Felício Sobral. Um jovem tentou matar um estudante dessa escola de um pequeno bairro e por outro as melhores condições de poucas pes- As desigualdades no Bairrohumilde a universitária conta que com um tiro por um motivo até hoje soas. As escolas particulares do bair-estudou em escola pública e par- desconhecido. Ele entrou na escola ro apresentam nesse contexto a pe- do Jurunas Oticular, logo teve oportunidade de e atirou para cima enquanto muitos quena riqueza existente neste bairro Jurunas é um dos vida entre os moradores dos aparta- morou na avenida, mas a prefeituraviver em dois ambientes distintos. alunos estavam na quadra de espor- de Belém que por sua vez divide suas principais e mais mentos e dos cidadãos que já mora- alocará grande parte dos moradoresAs discordâncias existem e são no- tes na hora do intervalo. Nenhum atenções para muitas questões em- antigos bairros de vam naquela rua há mais tempo. e disponibilizará a área para con-táveis, pois enquanto alguns jovens estudante se feriu e nem mesmo o blemáticas. Ainda que as condições Belém. Esse bairro Segundo a moradora do bairro e domínios de alto padrão, gerandoe crianças podem desfrutar de uma jovem infrator foi preso. Ironica- de vida se tornem favoráveis a todos possui uma grande diversidade cul- aposentada Helena Pinheiro, 76, os uma inflação nas proximidades daeducação de qualidade, inúmeros mente a estudante afirma “Acácio sempre haverá aspectos que se opõe tural e maior ainda é a desigualdade prédios de luxo trazem um benefí- área e poderá mudar a condição so- sinônimo de periculosidade. em uma sociedade como a nossa. socioeconômica. Pessoas que vivem cio, pois a segurança aumenta, mas cioeconômica do bairro. sobre um esgoto a céu aberto têm também trazem um grande proble- Algumas riquezas do bairro do Ju- Segundo a universitária, a educação A educação de quali- Gabriela Amorim condomínios de luxo como vizinhos. ma que é a falta de ventilação. Por runas são o Polo Joalheiro, a Praça de qualidade seria o melhor cami- dade seria o melhor Essa grande desigualdade social pode serem muito altos, os prédios di- Amazonas e as grandes escolas de nho para dar oportunidades para caminho para dar opor- ser vista principalmente nas Av. Ber- minuem a ventilação da cidade, prin- samba do Bairro “Rancho não posso muitos jovens pobres que por não tunidades para muitos nardo Saião, Av. Fernando Guilhon, cipalmente os situados às margens da me amofinar” e “Deixa falar”, verda- terem condições acabam entrando jovens pobres que por Av. Roberto Camelier, na Rua dos Baía do Guajará. Isso é um fato que deiros exemplos da cultura do povo na criminalidade. Com a intenção Tamoios e na Rua dos Mundurucus. vem se constatando, pois o número jurunense, o que enriquece ainda não terem condições de melhorar a situação em questão, Enquanto na Av. Bernardo Saião, de prédios a beira da Baía vêm au- mais a população desse bairro. acabam entrando na a estudante sonha em um dia poder mora há 15 dos seus 19 anos no bairro de Canudos. Insegurança e grande parte dos moradores vive mentando significativamente. Apesar de o Jurunas ser um bairro criminalidade. contribuir para a melhoria da edu- alto índice de criminalidade são os em cima da vala, nas outras, os seus Recentemente, a prefeitura começou predominantemente pobre, as Av. cação no bairro onde vive com a principais problemas do bairro. habitantes têm um grande número o projeto “Portal da Amazônia” que Roberto Camelier e Fernando Guil- profissão que pretende exercer, a detem como única alternativa o ensino de prédios e casas de luxo a sua dis- visa melhorar a orla de Belém e a hon são exemplos da sociedade de professora. Pois, acredita na educa-público. Essa é uma das divergências posição. Mas isso não significa que estrutura dos moradores da Av. Ber- alto poder aquisitivo que mora no ção como melhor caminho para termais eminentes em qualquer bairro a desigualdade não esteja presente nardo Saião. Mas a população que bairro. Assim como na Av. Bernardo melhor condição de vida.de Belém. De fato, segrega classes so- nessas quatro ruas, muito pelo con- mora na área está sendo remanejada Saião, muitos condomínios de luxociais e ratifica desigualdades. Ficam evidentes as divergências en- trário, a desigualdade aumenta por para outras localidades. O autônomo foram e estão sendo construídos no tre ambas as redes de ensino. Por causa da diferença de qualidade de Walter Silva, 45, afirma que sempre bairro. Além disso, os moradores daLilian conta uma situação que viveu14 Ano 1 nº 1 Ano 1 nº 1 15

×