Your SlideShare is downloading. ×
Enfisa 2014 - Convivência Agricultura & Polinizadores
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Enfisa 2014 - Convivência Agricultura & Polinizadores

244
views

Published on

Published in: Government & Nonprofit

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
244
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
4
Actions
Shares
0
Downloads
18
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1.  Introdução  Toxicidade de agrotóxicos para abelhas  Uma pesquisa da Embrapa (vídeo)  Efeitos subletais  Desordem do colapso das colônias (DCC)  Conclusões
  • 2. ... a vida na Terra seria totalmente diferente Mel, própolis ou cera são meros subprodutos O serviço ambiental de polinização garante a produção de frutas, de hortaliças e de alguns grãos, e mantém a biodiversidade das plantas em maciços florestais nativos ou cultivados.
  • 3.  É mais antigo que a agricultura  Estimado em €150 bilhões na Europa  Estimado em US$200 bilhões nos EUA  Co-produtos: Mel, cera, própolis  Afetado negativamente por atividades antropogênicas
  • 4. (INVARIANTE) Inseticidas matam insetos Abelhas são insetos Logo, inseticidas matam abelhas Fato: Todos os inseticidas são tóxicos para abelhas, em maior ou menor grau.
  • 5.  Abelhas presentes na lavoura no momento da aplicação  Abelhas ingressando na lavoura após a aplicação  Translocação de agrotóxicos para o pólen, néctar ou gutação  Aplicação sobre áreas de forrageamento  Aplicação sobre colmeias  Deriva
  • 6. • Highly toxic (acute LD50 : < 2 μg/bee) • Moderately toxic (acute LD50 : 2 – 10,99 μg/bee) • Slightly toxic (acute LD50 : 11 – 100 μg/bee) • Nontoxic (acute LD50 > : 100 μg/bee) Classificação do EPA (EUA) LD50 aguda para abelhas adultas
  • 7. Chlorpyrifos Highly toxic Clothianidin Highly toxic Cypermethrin Highly toxic Demeton Highly toxic Diazinon Highly toxic Dichlorvos Highly toxic Dicrotophos Highly toxic Dimethoate Highly toxic Fenitrothion Highly toxic Fensulfothion Highly toxic Fenthion Highly toxic Fenvalerate Highly toxic Fonofos Highly toxic Imidacloprid Highly toxic Malathion Highly toxic Methamidophos Highly toxic Methidathion Highly toxic Methiocarb Highly toxic Methomyl Highly toxic Methoxychlor Highly toxic Methyl parathion Highly toxic Mevinphos Highly toxic Mexacarbate Highly toxic Monocrotophos Highly toxic Toxicidade de inseticidas para abelhas
  • 8. Inseticida Via DL50 ng/abelha DL50 ng/g Acetamiprido Oral 14.500,00 69.047,62 Contato 8.100,00 38.571,43 Clotianidina Oral 3,79 18,05 Contato 47,00 223,81 Imidaclopride Oral 3,70 17,62 Contato 81,00 385,71 Tiaclopride Oral 17.320,00 82.476,19 Contato 38.830,00 184.904,76 Tiametoxan Oral 5,00 23,81 Contato 24,00 114,29 Fipronil Oral 4,00 20,4 Contato 6,00 30,6 Apis mellifera
  • 9. Inseticida Espécie μg ia / abelha μg ia/g abelha Referência Acetamiprid Mosplian (3% ai) B. ignites 48 hr oral 0,0023 Wu et al (2010) Acetamiprid Mosplian (3% ai) B. hypocrite 48 hr oral 0,0028 Wu et al (2010) Acetamiprid Mosplian (3% ai) B. patagiatus 48 hr oral 0,0021 Wu et al (2010) Imidacloprid (formulation) B. terrestris 72 hour contact 0,02 0,095 Marletto et al (2003) Imidacloprid (formulation) B. terrestris 72 hour oral 0,02 0,095 Marletto et al (2003) Imidacloprid Confidor (17.8% ai) B. terrestris 24 hour contact 0,445 2.119 Bortolotti et al (2001) Imidacloprid Confidor (17.8% ai) B. terrestris 48 hour contact 0,0142 0,0676 Bortolotti et al (2001) Imidacloprid Confidor (17.8% ai) B. terrestris 72 hour contact 0,0053 0,0252 Bortolotti et al (2001) Imidacloprid Confidor (17.8% ai) B. terrestris 24 hour oral 0,0071 0,0339 Bortolotti et al (2001) Imidacloprid Confidor (17.8% ai) B. terrestris 48 hour oral 0,0053 0,0252 Bortolotti et al (2001) Imidacloprid Confidor (17.8% ai) B. terrestris 72 hour oral 0,0046 0,022 Bortolotti et al (2001) Imidacloprid A. indica 24 hr contact 0,0025 0,0362 Kumar and Regupathy (2005) Imidacloprid A. florae 24 hr contact 0,0022 0,0767 Kumar and Regupathy (2005) Imidacloprid T. irridipenis 24 hr contact 0,002 0,5275 Kumar and Regupathy (2005) Imidacloprid N. perilampoides 24 hr contact 0,0011 0,13 Valdovinos-Nunez et al 2009 Imidacloprid B. terrestris 24 hour contact 0,04 0,19 Marletto et al (2003) Thiacloprid N perilampoides 24 hr contact 0,007 0,85 Valdovinos-Nunez et al 2009 Thiamethoxam A. indica 24 hr contact 0,0056 0,0819 Kumar and Regupathy (2005) Thiamethoxam A. florae 24 hr contact 0,0056 0,1905 Kumar and Regupathy (2005) Thiamethoxam T. irridipenis 24 hr contact 0,0051 13.381 Kumar and Regupathy (2005) Thiamethoxam N. perilampoides 0,004 0,49 Valdovinos-Nunez
  • 10. Vídeo sobre trabalho realizado pela Embrapa
  • 11. Fungicida  Flusilasole Miclobutanil Propiconazole Tebuconazole Inseticida Clotianidina Contato 1,19 0,78 1,12 1,22 Oral 1,68 1,24 1,29 1,9 Imidaclopride Contato 1,41 1,64 1,15 1,93 Oral 0,45 0,5 0,36 0,59 Tiaclopride Contato 0,28 0,19 0,28 0,46 Oral 0,41 0,88 0,48 0,62 Tiametoxam Contato 2,31 1,27 1,94 2,59 Oral 1,09 1,51 1,35 1,31 > 1 = Sinergia <1 = Antagonismo
  • 12.  Agrotóxicos e outros fatores podem ter efeito imunossupressor, causando impacto sobre o sistema imunológico das abelhas, aumentando suscetibilidade a doenças, ao Varroa destructor, a antibióticos, metais e sulfonamidas.  O confinamento de colônias pode resultar em supressão imune e estresse oxidativo em colônias.  A má qualidade do habitat e da nutrição pode resultar em resposta imunológica diminuída.  Existe muita variação entre respostas das colônias à ação dos mesmos fatores.
  • 13. Pequenas doses de um agrotóxico não causam a morte das abelhas, mas podem induzir mudanças no seu comportamento, como desorientação ou diminuição no forrageamento, afetando temporariamente toda a colônia. As doses que provocam tais efeitos são conhecidas como doses subletais, ou seja, doses abaixo da dose letal media (DL50)
  • 14. µg/kg néctar Fonte: FERA – EU Food and Environmental Agency – 2013.
  • 15. Fonte: FERA – EU Food and Environmental Agency – 2013. ng/abelha
  • 16. Fonte: FERA – EU Food and Environmental Agency – 2013. ng/abelha
  • 17. Fonte: FERA – EU Food and Environmental Agency – 2013. µg/kg néctar
  • 18. ... mas nem sempre a causa foi esclarecida!  Patógenos (Bactérias, vírus, fungos, nematoides)  Ácaros  Estresse nutricional  Forrageamento em plantas tóxicas  Estresse de movimentação  Falta de habitat  Choques térmicos  ...  ...  ...  Agrotóxicos
  • 19.  As abelhas desaparecem das colmeias abrupta e repentinamente  As abelhas (mortas) raramente estão visíveis  Os primeiros relatos datam de 150 anos  As causas quase sempre são obscuras ou sujeitas a contestações  Aparentemente só está ocorrendo nos EUA  Se morrem longe da colmeia pode ser desorientação  Doses sub-letais de neonicotinoides podem causar desorientação
  • 20. 1891 Colorado Aikin, 1897 1896 Colorado Aikin, 1897 1906 Isle of Wight Bullamore, 1922 1910 Australia Beuhne, 1910 1915 Portland, Oregon Root et al., 1923 1915 Florida to California Tew, 2002 1917 United States Root et al., 1923 1917 New Jersey, Canada Carr, 1918 1960's Louisiana, Texas Williams & Kauffeld, 1974 1960's Louisiana, Texas Kaufeld, 1973 1960’s Louisiana Roberge, 1978 1963 Louisiana Oertel, 1965 1964 Louisiana Oertel, 1965 1964 California Foote, 1966 Causas não elucidadas
  • 21.  Insetos pragas reduzem a produção agrícola  Inseticidas são úteis para assegurar a produção  Mas não devem afetar insetos úteis (polinizadores, inimigos naturais)
  • 22. Pontos Focais  Legislação adequada  Fiscalização adequada  Tecnologias apropriadas  Educação e conscientização do agricultor  Adoção das tecnologias em larga escala  Acidente zero!
  • 23.  Tecnologia de aplicação  Treinamento e conscientização de produtores e aplicadores  Restrições à aplicações em determinadas épocas ou cultivos  Tecnologia de formulação
  • 24. A campo (tratamento de sementes) sem efeito com efeito <1,1 ug/kg nectar 8 2 1,1 - 10 ug/kg 8 9 > 10,1 ug/kg 3 35 Laboratório (doses aplicadas) <0,11 ug/abelha 3 1 0,11 - 1 ug/abelha 6 2 > 1 ug/abelha 4 15

×