• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Desafios Tecno-Científicos da Agricultura Brasileira
 

Desafios Tecno-Científicos da Agricultura Brasileira

on

  • 781 views

Conteúdo elaborado pelos membros do CCAS Ciro Antonio Rosolem e Antonio Roque Dechen sobre os desafios tecno-científicos enfrentados pela agricultura brasileira. O conselheiro Ciro Rosolem ...

Conteúdo elaborado pelos membros do CCAS Ciro Antonio Rosolem e Antonio Roque Dechen sobre os desafios tecno-científicos enfrentados pela agricultura brasileira. O conselheiro Ciro Rosolem apresentou o conteúdo no I Seminário Ciência, Tecnologia e Comunicação: Os Desafios na Agro Sociedade.

Statistics

Views

Total Views
781
Views on SlideShare
481
Embed Views
300

Actions

Likes
0
Downloads
5
Comments
0

2 Embeds 300

http://www.agriculturasustentavel.org.br 299
http://agriculturasustentavel.org.br 1

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Desafios Tecno-Científicos da Agricultura Brasileira Desafios Tecno-Científicos da Agricultura Brasileira Document Transcript

    • DESAFIOS TECNO-CIENTÍFICOS DA AGRICULTURA BRASILEIRA(ênfase em culturas anuais)Ciro A. Rosolem(1)Antonio Roque Dechen(2)IntroduçãoEstima-se que até 2020 o mundo deverá aumentar em 20 % a produçãode alimentos para atender o crescimento da demanda. Dentro deste cenário, espera-se doBrasil o maior crescimento, com previsão de aumento de 40 % na produção no período.Para atender a demanda até 2050, entretanto, haveria necessidade de incorporação depouco mais de 80 milhões de hectares ao sistema produtivo de grãos. Há uma estimativade que o simples aumento da lotação dos pastos no Brasil poderia contribuir com 60milhões de hectares. Entretanto, este número é discutível, pois embora existam pastos,não se tem certeza de que as áreas com pastagens degradadas são apropriadas paraagricultura competitiva, em função do tipo de solo e clima. Assim o grande desafio éproduzir mais, tendo em conta as limitações à expansão da área, limitações em funçãoda legislação ambiental e, acima de tudo, a necessidade de competitividade.DesafiosFazer com que a tecnologia chegue ao produtorEmbora a produtividade nacional da soja e do algodão estejam entre as maioresdo mundo, para outras culturas ainda há muito que se fazer, pois, sob esse aspecto,existem muitos Brasis. A soja, por exemplo, praticamente já atingiu o que é possívelcom a tecnologia atual no Mato Grosso, de modo que os incrementos são pequenos ecada vez mais caros, enquanto no restante do Brasil ainda pode haver aumentos com atecnologia atual. Muitas vezes, há tecnologia disponível, mas ela não chega ao produtor,ou o produtor, mesmo tendo conhecimento, não a emprega, o que resulta em baixaprodutividade. O problema é mais grave nas regiões Norte e Nordeste. A extensão ruralpública chega a menos de ¼ dos agricultores, e nem sempre é eficiente._________________________(1) Faculdade de Ciências Agronômicas, UNESP, Botucatu(2) Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, USP, Piracicaba
    • Mesmo quando o serviço de extensão é eficiente, o agricultor tem problemascom rentabilidade, riscos e falta de seguro adequado, de modo que não sente segurançapara investir em tecnologia. Mas, talvez o mais grave problema seja que, na maior partedo Brasil, mais de 80% dos agricultores não tem educação além da elementar, e mais de60% não completaram o ensino complementar.Desenvolver melhores sistemas de produçãoSistemas de produção em semeadura direta, com rotação de culturas tem semostrado eficientes em produzir bem e ainda colaborar na mitigação do efeito estufa,seqüestrando carbono, que fica mais tempo no solo. Principalmente em regiõestropicais. No Brasil, estima-se que mais da metade da área com grãos seja cultivada emsemeadura direta. No Sul do País a implantação do sistema é mais simples, uma vez quehá disponibilidade de água. Em todo o Centro Oeste, e principalmente no cerrado, odesenvolvimento do sistema é mais complexo, por que falta água. A introdução deespécies africanas, como o milheto e as braquiárias, deu grande impulso, principalmentecom sistemas de integração Lavoura-Pecuária. Entretanto, são poucas as espéciesadaptadas ao sistema, de modo que a vulnerabilidade é grande. Além disso, ainda hááreas em que a equação não foi totalmente resolvida.Melhorar a eficiência de uso dos recursosEm ambientes tropicais, com precipitação pluvial maior que aevapotranspiração, desenvolvem-se solos ácidos, que fixam fósforo, e as perdas denitrogênio e potássio do sistema podem ser significativas. Assim, a inclusão de espéciesque possam melhorar a eficiência de uso dos fertilizantes é muito importante para asustentabilidade, economia e, portanto, para a eficiência do sistema. Há necessidade deestudos que indiquem as melhores espécies e que viabilizem seu uso. Além disso, nossistemas de Integração Lavoura-Pecuária, tem sido comum a deficiência de N, havendonecessidade de melhor conhecimento da ciclagem deste nutriente no sistema, de modo ase desenvolver tecnologia que resulte em menores perdas.A compactação do solo tem sido um problema na maior parte das áreascultivadas no Brasil. A intensificação do sistema, mesmo com palha na superfície, podelevar a maior compactação do solo. Embora exista tecnologia disponível para lidar comsolos compactados, há necessidade de desenvolvimento de novos métodos ou rotaçõesde culturas que minimizem o prejuízo.
    • Pragas e doenças tem sido, e sempre serão, um desafio. O problema é mais sérioem regiões com clima tropical, pois não existe frio, ou seca, suficientes para interrompero ciclo das pragas e doenças, tornando seu controle mais difícil. Mesmo o uso devariedades transgênicas não resolve de todo a situação, pois as populações sãodinâmicas, e a disponibilidade de alimento o ano todo facilita a sobrevivência dosinsetos e patógenos. Assim, a pesquisa de sistemas que possam diminuir as populaçõesé de grande importância para a agricultura brasileira. Do ponto de vista de fitossanidade,talvez o principal problema a ser resolvido hoje sejam os nematóides. Há necessidade dedesenvolvimento de sistemas integrados que controlem os nematóides ou, pelo menos,que viabilizem a convivência das lavouras com estes organismos.Quando se pensa em melhor utilização de recursos, em eficiência, no futuro astécnicas de agricultura de precisão poderão contribuir evitando perdas e, por outro lado,evitando sub-utilização dos recursos.Na maior parte do Brasil há luz e temperatura suficiente para se fazer agriculturao ano inteiro. Embora falte água, essa é uma vantagem competitiva da qual não se podeabrir mão. Assim, a criação de sistemas que aproveitem essa energia é um fatorimportantíssimo na competitividade da agricultura brasileira, e pode ajudar muito parase evitar expansão da área cultivada. Para isso é necessário o desenvolvimento desistemas, culturas e/ou cultivares que viabilizem o potencial existente, ou seja,tecnologia que permita a expansão da chamada safrinha, ou maior expansão dossistemas de Integração Lavoura-Pecuária.Desenvolvimento de cultivares mais tolerantes ao calor, veranicos, sombra...Independentemente da causa, e de toda a discussão e incerteza, é possível quevenhamos a enfrentar mais calor e chuvas menos freqüentes no futuro. Assim, éfundamental a criação e adaptação de cultivares que tolerem seca e calor, de modo amanter a sustentabilidade da agricultura e do agronegócio. Há ferramentas para isso,mas há também necessidade de um grande investimento. Por outro lado, em regiões doBrasil onde a precipitação é alta, culturas como a soja e o algodão podem sofrerlimitação de produção por excesso de nuvens, que limitam a luminosidade incidente.Assim, quando se pensa em produtividade alta, é importante o desenvolvimento devariedades que consigam tolerar essa limitação.
    • ConclusãoAinda há uma boa possibilidade de crescimento da produção brasileira apenascom a tecnologia já desenvolvida. Basta que ela chegue e seja empregada pelosagricultores. Com relação à necessidade de desenvolvimento de novas tecnologias, ocaminho é conhecido, mas é necessária vontade política e planejamento estratégico.Assim, a revolução verde pode sim, prover uma dieta melhor, a preços menores, para amaioria das pessoas, diminuindo a insegurança alimentar. Entretanto, isso depende deinvestimento e, enquanto países desenvolvidos investem 3 % do PIB do agronegócio empesquisa agrícola, o Brasil tem investido menos de 1,5 %. Além disso, resta umagrande questão: Os agricultores terão condições de utilizar as tecnologias em benefícioda humanidade, em face das restrições que se impõem?