• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
1 Ed. Revista Polo de Inovação Teófilo Otoni
 

1 Ed. Revista Polo de Inovação Teófilo Otoni

on

  • 941 views

Matérias referentes aos projetos do Polo de Inovação para cidade de Teófilo Otoni e região.

Matérias referentes aos projetos do Polo de Inovação para cidade de Teófilo Otoni e região.

Statistics

Views

Total Views
941
Views on SlideShare
940
Embed Views
1

Actions

Likes
0
Downloads
5
Comments
0

1 Embed 1

http://www.slideshare.net 1

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    1 Ed. Revista Polo de Inovação Teófilo Otoni 1 Ed. Revista Polo de Inovação Teófilo Otoni Document Transcript

    • APRESENTAÇÃO / AO LEITOR O Polo de Inovação de Teófilo Otoni está in- var parcerias, descobrindo a importância que aserido dentro das políticas públicas da Secre- integração entre o Ensino Superior – Empresastaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensi- – Governo assume na lógica para inovação eno Superior – SECTES para o desenvolvimento desenvolvimento regional, principalmente emsocioeconômico do nordeste de Minas Gerais. regiões menos desenvolvidas, como no nossoPara tanto, contou, substancialmente, com o caso.apoio da Secretaria de Estado de Desenvolvi- Nesta Revista estão postas as ações intrín-mento dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri secas aos setores como floricultura, cachaça,– SEDVAN, por meio do Instituto de Desenvol- cerâmica e pedras preciosas, bem como aque-vimento do Norte e Nordeste de Minas Gerais las ligadas à popularização da ciência e ao– IDENE. projeto TEIA. Além disso, as instituições locais É com grande satisfação que apresentamos de ensino superior contribuíram para essa pri-a Revista Polo de Inovação como registro de meira publicação, acrescentando informaçõesalgumas ações desenvolvidas até o final do referentes a algum projeto ou pesquisa queano de 2010. Dessa forma, vale lembrar aqui estejam desenvolvendo, cujo termo inovaçãoos principais objetivos desse grande desafio, e esteja inerente aos trabalhos.a Inovação se tornou, estrategicamente, a pa- O mais importante, afinal, é contribuir comlavra-chave desse processo. Assim, tudo que a transformação do conhecimento em infor-se articulou e se planejou durante os anos de mações úteis e que podem ser aplicadas àVista panorâmica de Teófilo Otoni Pedra da Baleia - BR 1162009 e 2010 está atrelado à formação de recur- sociedade. Trabalhar com Ciência, Tecnologiasos humanos; à articulação entre os setores e Inovação no nordeste mineiro tem sido umpúblico e privado e entre as empresas e as grande desafio e, dessa forma, acreditar nainstituições de ensino e pesquisa; ao fomento transformação desse espaço desigual é esti-a vocações e atividades locais; e à introdução mulante para nossa equipe.das questões relativas ao empreendedorismoe uso de tecnologias da web 2.0, o TEIA-MG. Hilton Manoel Dias Ribeiro – Coordenador do O termo learning-by-doing, utilizado por im- Polo de Inovação de Teófilo Otoniportantes economistas como Kenneth Arrowpara explicar os efeitos da inovação dentro desua teoria de crescimento econômico, podeser também aplicado ao nosso caso, tendo emvista que nosso grupo foi aprendendo e ama-durecendo os projetos à medida que trabalhá-vamos. Fomos aprendendo a articular e efeti-
    • Sumário 4. 20. Especial UFVJM Entrevista com o Secretário - Avanços do Instituto de de Estado Alberto Duque Ciência e Tecnologia – ICT. Portugal. Expediente 6. 22. UNIPAC Políticas SECTES Pesquisa e DesenvolvimentoREVISTA POLO DE INOVAÇÃO A Plataforma Polos de In- em Robótica.DE TEÓFILO OTONI ovação. 24.GESTÃO EDITORIAL: 8. DOCTUMOade Andrade UNIT Pesquisa e desenvolvimentoHilton Manoel Dias Ribeiro Gemas e Jóias. de Aplicações Interativas para TV Digital.JORNALISTA / EDIÇÃO: 10.Mariana Rocha Tecnologia e Criatividade 26. Inovação na Produção de Notícias SECTESREVISÃO:Leila Maria Rodrigues Mudas e Plantas Ornamen- Conquista do Prêmio PMQ – tais. 2010.PROJETO GRáFIcO E DIAGRAmAÇÃO:Leandro Dias e Oade Andrade 12. 28. A Aguardente das EquipeImPRESSÃO: Minas Gerais Polo de Inovação TeófiloGráfica Modelo Inovação na Cadeia Produti- Otoni. va da Cachaça Artesanal deTIRAGEm: Alambique de Cobre no Vale1.000 exemplares do Mucuri.PERIODIcIDADE: 14.semestral Saberes e Fazeres do Mucuri Novas Tecnologias Para aAGRADEcImENTOS Cerâmica do Mucuri.Agradecemos a todos os colaboradores destapublicação, aos parceiros do Polo de Inovaçãode Teófilo Otoni e à assessoria de comunica- 16.ção e equipe central da SDCT / SECTES. Teia no Vale do Mucuri A Capacitação de Mil Agen- tes Jovens EmpreendedoresREDAÇÃO:polodeinovacaoto@polodeinovacaoto.com.br 18.Tel: (33)3529-1050 Popularização da CiênciaR. Teodolino Pereira 347, Teófilo Otoni - MG Parque da Ciência ContribuiCep: 39.800-151 Para a Popularização do Conhecimento Científicowww.polodeinovacaoto.ning.comCopyright © 2010 Pólo de Inovação de Teófilo Otoni
    • Inovação é uma iniciati- com ênfase em inovação. “O Governo de Es- va da Sectes que busca tado está prepa- concentrar estruturas de Quais são as perspecti- ensino e pesquisa e mas- vas da SECTES para o futu- ESPECIAL rando Minas para se tornar líder na sa crítica de recursos hu- manos; fomentar projetos especiais de inovação; e ro? Com o fortalecimento da capacitar mediadores de SECTES e da FAPEMIG nos economia do co- rede de internet, o chama- últimos anos, o Governo de nhecimento (...)” do projeto TEIA-MG. Dessa Minas pode aumentar suas estratégias ligadas à ciên- forma, o Polo de Inovação de Teófilo Otoni, nesse cia, tecnologia e inovaçãoENTREVISTADUQUE PORTUGAL critica de recursos huma- tempo de trabalho, pode para o desenvolvimento nos, inclusive em nível de efetivar essas propostas. do estado. As perspectivas doutorado, o que tem sido O Polo construiu uma rede futuras são boas no que se uma prioridade. Há tam- de parcerias entre institui- refere às ações da Sectes,SECRETÁRIO ALBERTO bém um esforço de fortale- cimento do ensino técnico. ções de ensino superior, órgãos do governo e mem- principalmente por conta da consolidação da idéia Recurso humano qualifica- bros da sociedade civil; fo- de que se precisa investirEM E N TR E V I S TA A O P O LO D E I NOVA ÇÃ O DE TEÓF I LO OTONI , O SE CR E TáRIO DE do abundante é um pré- mentou projetos especiais na economia do conheci-ESTA D O D E C I ê N C I A , T E C N O LO GI A E E N SI N O SuPER I OR DE M I N A S GE R A IS – SEC- requisito fundamental. Se-TES / MG, D R . ALb E RTO D uQ uE PORTuGA L A PR ESEN TOu OS DESA F I OS E AS PRO- gunda, é preciso agregar de inovação emP O S TA S G E RA I S D A S E C T E S PA R A A S R E GI õE S NORTE E NOR DESTE DO E STADO. O valor a economia da região setores consoli- “(...) é o investimento emSECR E Tá R I O É E N GE N H E I R O AGR ôN OM O F OR M A DO PE LA uN I V E R SI DA DE FEDERAL e diversificá-las através de dados da região,RuR A L D O RI O D E J AN E I R O ( uF RR J) . É DOuTOR E M SI STEM A S A GR í COL AS PEL A projetos de inovação apli- como floricultu- ciência, tecnologia e inova-uNI V E R S I Ty O F R E A D I N G ( I N G L ATERRA ). E NTRE OS DIVERSOS CARGOS OCuPADOS, cados às atividades eco- ra, cachaça, ar- ção, com recursos huma-ALb E RTO PO RT uGAL F O I N O M E A DO DI R E TOR Ex ECuTI V O DA E M bR A PA; AT uOu nômicas locais. Terceiro, tesanato, gemasTAM bÉ M C O M O S E C R E TáR I O E x E CuTI V O E M I N I STR O I NTE R I NO DA A GR I CuLT uRA, é preciso criar o ambiente e jóias. Vale des- nos qualificados, o grandePECu á RI A , A b A S T E C I M E N TO. E M 1995 A SSuM I u A PR ESI Dê N CI A DA EM bRAPA, FI- de inovação, facilitando a tacar tambémCAND O N O C AR GO AT É J AN E I R O DE 2003. A LbE RTO PORTuGA L F OI TA M bÉM DIRE- interação entre as univer- que foram arti- instrumento para a inter- sidades, empresas e go- culados projetosTO R DA A G ê N C I A D E I N O VAÇ Ã O DA uNI CA M P (I NOVA ) ; F OI SE CR E Tá R I O- ADJ uNTODE E S TA D O D E A GR I C uLT uR A, P ECuá R I A E A bA STECI M EN TO DE M I N A S G ERAIS E verno e criando uma atitu- para populariza- venção do Estado.”DIR E TO R E xEC uT I VO D O C O N S E LHO NA CI ONA L DO CA F É (CN C) . de que valorize a inovação ção da ciência e na sociedade. inclusão digital, além de mento para alcançar o de- Qual a visão do Governo Nessas regiões que tem são diferentes, quando O que o Senhor tem a di- alcançarem a meta para a senvolvimento, atenuandode Minas para o desenvol- um desafio de acelerar o se compara as regiões do zer a respeito dos resulta- formação dos 1000 Agentes até mesmo os desequilí-vimento da Ciência, Tecno- processo de desenvolvi- centro-sul mineiro com as dos do Polo de Inovação de TEIA, o que contribui para brios regionais existentes.logia e Inovação para as mento, o Governo entende regiões do norte e nordes- Teófilo Otoni? a criação de uma cultura O governo deverá conti-regiões do norte e nordes- que, além da infra-estru- te? de empreendedorismo, nuar inserindo Ciência ete do estado? tura física construída (es- A plataforma Polos de compreendendo negócios Tecnologia dentro de suas tradas, telefonia, hospitais Os grandes contrastes áreas prioritárias, contri- O Governo de Estado está etc.) é o investimento em socioeconômicos obser- buindo para que a socie-preparando Minas para setornar líder na economia ciência, tecnologia e inova- ção, com recursos huma- vados entre as regiões de Minas, criando principal- “(...)é preciso criar o ambiente de dade perceba que C, T & I são fatores significativosdo conhecimento e, dessa nos qualificados, o grande mente uma clara divisão inovação, facilitando a interação en- para o desenvolvimentoforma, os investimentos instrumento para a inter- entre o norte e o sul do das regiões mineiras.feitos na área de ciência, venção do Estado. estado, exigem uma estra- tre as universidades, empresas e go-tecnologia, inovação e en- tégia diferenciada para osino superior foram funda- As barreiras para aplica- norte e nordeste. Primeiro, verno(...)”mentais nesse processo. ção de políticas de C,T&I é preciso adensar a massa4| POLO DE INOVAÇÃO DE TEÓFILO OTONI POLO DE INOVAÇÃO DE TEÓFILO OTONI | 5
    • derado por ser o centro onde • Elaborar um Plano Di- a implantação do projeto se concentram a uNIMONTES, retor visando definir em que Polos de Inovação, seguindo Centros avançados da uFMG, áreas e quais investimentos as três orientações estratégi- uFV, faculdades particulares e seriam necessários para que cas definidas na nota técnicaP L ATA F O R M A centros de pesquisa. O foco as Cidades polo se consoli- aprovada pelo governador e principal será concentrar mas- dem como Polos de Inova- incorporadas pela Secretaria sa critica de pesquisadores e ção; de Estado de Planejamento estruturas de pesquisa, cons- e Gestão de Minas Gerais -P O LO S D E I N O VA Ç Ã O truindo bases de excelência • Atender às demandas SEPLAG - a partir do planeja- em mestrados e doutorados, de inovação identificadas nos mento de 2008. Em 2010, teve especialmente organizados planos diretores dos Polos de inicio a consolidação da Plata- para atender as especificida- Inovação, através de projetos forma Polos de Inovação, in- des regionais; especiais financiados pela FA- corporando mais seis cidades PEMIG e outras fontes, como polo: Montes Claros, Corinto, • O Segundo, o Polo de parte do projeto estruturador Janaúba, Januária, Almenara e Déa Maria Fonseca Diamantina, com característi- de Arranjos Produtivos Locais cas similares, tem hoje insta- - APL. Pirapora. lado a sede da universidade É no contexto dessa política Federal dos Vales do Jequi- que se destaca o Polo de Ino- tinhonha e Mucuri - uFVJM, vação de Teófilo Otoni, com- além de um centro avançado Nível 3- cidades nas posto por uma equipe dedi- A Plataforma dos Polos de tação de recursos humanos e lerar o desenvolvimento so- da uFMG. Estas duas univer- áreas de influência cada e competente, que vemInovação do Norte e Nordeste de P&D. cioeconômico da região. No sidades, com maior poten- das cidades polo. desenvolvendo um elencode Minas Gerais é uma inicia- entanto, partindo da premis- cial para a uFVJM, têm como significativo de ações, que se-tiva do Governo do Estado, A implantação da Platafor- sa de que só a infra-estrutura acelerar a atuação em nível utilizar a estrutura de CVTs rão apresentadas nesta publi-liderada pela SECTES, dedica- ma atende aos objetivos de- não será suficiente, foi pro- de pós-graduação, mantendo e telecentros, universida- cação. Dessa forma, agradeçoda a identificar e fortalecer a finidos na área de Resultados posta esta estratégia de ino- foco idêntico ao do Polo de de Aberta do brasil e outras a toda equipe deste Polo einfra-estrutura de inovação e Inovação, Tecnologia e Quali- vação destinada ao Norte e Montes Claros. redes de ensino à distância também dos demais Polos decapacitação de recursos hu- dade e Desenvolvimento do ao Nordeste de Minas Gerais visando à capacitação técni- Inovação, além de toda equi-manos concentrados territo- Norte de Minas, Jequitinho- como condição essencial para ca de recursos humanos nos pe da Superintendência derialmente, como condição es- nha, Mucuri e Rio Doce, sob o necessário salto qualitativo temas identificados como Desenvolvimento Científico esencial para desenvolvimento responsabilidade da SECTES e na melhoria das condições de Nível 2- cidades fundamentais para atender Tecnológico – SDCT/SECTES –sustentável. da SEDVAN, respectivamente, vida, trabalho e renda destas polo como Polos de ao desenvolvimento local pelas colaborações e dedica- e em consonância com o Plano regiões. Inovação e regional. Essa lógica dará ção a essas ações focadas no Seus principais objetivos Mineiro de Desenvolvimento Esses objetivos estão sendo maior abrangência às redes desenvolvimento das regiõessão: Integrado – PMDI- incorporam cumpridos, considerando três • Fortalecer a capacida- de difusão de conhecimento, Norte e Nordeste de Minas as seis estratégias setoriais, níveis, a saber: de de formação de recursos com ênfase na ampliação do Gerais. • Possibilitar o salto ne- que formam o núcleo propul- humanos e de inovação em Projeto TEIA - Tecnologia, Em-cessário à alteração das di- sor do processo de desenvol- Cidades polo, tais como: Te- preendedorismo e Inovaçãonâmicas de desenvolvimento vimento proposto para o es- ófilo Otoni, Corinto, Araçuaí, Aplicados, o qual fornece asatravés da formação e con- tado, tais como: Perspectiva Nível 1- Polos: Salinas, Almenara, Pirapora, ferramentas para ampliar ocentração de massa crítica Integrada do Capital Humano; montes claros e Janaúba e Januária, incluindo uso de internet 2.0 e das re-territorialmente localizada, Investimento e Negócios; Inte- Diamantina as duas cidades identificadas des sociais para gerar novos Déa maria Fonsecaque acelere o fluxo Informa- gração Territorial Competitiva; no Nível 1. negócios. Superintendenteção – conhecimento – tecnolo- Sustentabilidade Ambiental; Concentrar massa crítica Superintendência degia – inovação – projeto – de- Rede de Cidades; e Eqüidade de pesquisadores e estrutu- • Em cada cidade polo Desenvolvimento científico esenvolvimento; e bem-estar. ras de ensino e pesquisa nos identificar as instituições pú- Tecnológico – SDcT dois polos, considerados irra- blicas e privadas já existen- Estratégia • Agregar valor á eco- O Governo do Estado está diadores de conhecimento e tes, atuando nas áreas de in- de Implantaçãonomia regional (emprego e consolidando a infra-estrutu- tecnologia em áreas de inte- teresse: laboratórios, cursosrenda) e às políticas públicas ra de estradas, energia, te- resse para as regiões. de graduação, cursos técni- Em 2008, foram definidasatravés de um grande esfor- lecomunicações, educação e cos e profissionalizantes - as cidades de Salinas, Teófi-ço de inovação, ancorado em saúde, propiciando os meios • O primeiro, o Polo atendendo às especificidades lo Otoni e Araçuaí e, poste-sólidas estruturas de capaci- e os instrumentos para ace- Montes Claros, é assim consi- locais; riormente Diamantina, para6| POLO DE INOVAÇÃO DE TEÓFILO OTONI POLO DE INOVAÇÃO DE TEÓFILO OTONI | 7
    • JEQUITINhONhA E MUCURI. E M A R R A N J O S P R O D U T I V O S D O S E TO R D E G E M A S E J Ó I A S N O VA L E D O CO N S O L I D A Ç Ã O D E E S T R U T U R A D E A P O I O à I N O VA Ç Ã O T E C N O LÓ G I C A PROJETO UNIDADE DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA cezarina sousa Inaugurada em novembro de 2009, a uni- dade de Inovação Tecnológica – uNIT, é um projeto especial da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior – SECTES/ MG, executado de forma integrada com seus programas como o Polo de Inovação do Norte e Nordeste de Minas Gerais, Polo de Excelência Mineral e Metalúrgico e com o projeto estruturador “Arranjos Produtivos Locais”. O projeto busca a cooperação e a integração de esforços, visando à transfe- Jóia s e Mpr e s a K . ne w Ma n rência de conhecimentos que promovam a inovação tecnológica nas empresas do Arranjo Produtivo Local (APL) de Gemas e a função de formação de mão de obra, am- Artefatos de Pedra, formado por 21 mu- parada na estrutura e conhecimentos espe- nicípios das microrregiões de Araçuaí e cializados decorrentes da atuação integrada Teófilo Otoni. da uNIT com o setor produtivo e a rede de instituições de pesquisa, desenvolvimento e As ações do projeto uNIT foram execu- inovação. tadas pela Fundação Centro Tecnológico de Minas Gerais - CETEC, contando com O atendimento ao maior número possível a parceria da Escola de Design/uEMG; do de empresas fará da uNIT um dos principais Centro de Desenvolvimento da Tecnologia mecanismos de geração de emprego e renda Nuclear – CDTN; da universidade Federal para este segmento na região. Além disso, dos Vales do Jequitinhonha e do Mucuri a continuidade das ações da unidade pode – uFVJM, do Organismo de Certificação de torná-la referência e reconhecida como Cen- Produtos de Minas Gerais – CERTIPEM e da tro de Excelência no desenvolvimento de Ca- ina ug ur a çã o i nstalaçõe s u ni t Associação dos Exportadores de Gemas – pacidade Tecnológica Própria em aglomera- nove Mbro 2009 GEA, integrados em uma Rede de Apoio ções produtivas do referido setor. Tecnológico à Inovação – REDATI Gemas e Joias. Como estrutura física, o projeto dispõe de um Núcleo de Produção-Escola com duas modernas plantas produtivas, sendo uma de Lapidação e outra de Joa- lheria, de um Laboratório Gemológico e de um Núcleo de Capacitação e Informa- ção Tecnológica, implantados com recur- sos financeiros da Fundação de Amparo à Pesquisa de Minas Gerais - FAPEMIG, e apoio da Secretaria de Estado da Educa- ção - SEE. Jóia s e M pr e s a cr is ta l Jóia s Em contrapartida, a SECTES assumiu o cezarina sousa é mestre em bi- compromisso de implantar o Curso Téc- blioteconomia pela universidade de brasília e nico de Joalheria, iniciando com a oferta bacharel na mesma área pela uFMg, atua na de cursos de extensão pós-técnico, por área de informação para a indústria junto ao intermédio da Escola de Design da uEMG. setor de informação tecnológica da Fundação A Escola, a partir de 2011, assume a co- centro tecnológico de Minas gerais – cetec. ordenação da unidade, agregando a ela e-mail: cezarina.sousa@cetec.br8| POLO DE INOVAÇÃO DE TEÓFILO OTONI POLO DE INOVAÇÃO DE TEÓFILO OTONI | 9
    • Beleza que exigetecnologia ecriatividadeA P RO Du Ç ÃO DE Mu DA S E PLANTAS O R NAM ENTAIS M O VIM EN TA u M Palmeira Azul SuculentaSETO R TRA DI CI ONA L E M T EÓ FILO OTO NI E CO M bO AS CH AN C E S D E Instituto Mineiro de Agropecuária Os resultados desse diagnósti- como ação a realização do cursoD ES P O NTA R NO CE NáRI O N ACIO NAL. – IMA, que enviou informações so- co transformaram-se num amplo de Introdução ao Paisagismo para bre as exigências e legislação es- programa de fomento à ativida- um grupo de quarenta produtores A floricultura em Teófilo Otoni pecíficas para essa produção. de. Foi sugerido um conjunto de rurais da região, que incluiu uma Hilton Manoel Dias ribeiro é um dos destaques da economia cursos rápidos de capacitação e visita técnica ao Inhotim (apoio local. A comunidade, composta transferência de tecnologia que SEbRAE-MG e equipe do local). No por aproximadamente oitenta pro- Alguns dados do Diag- vão desde as noções básicas de espaço, o paisagismo teve a influ- dutores rurais, tem a produção nóstico UFV/UNIPAC/Polo de paisagismo até a comercialização ência inicial de Roberto burle Marx de mudas e plantas ornamentais Inovação de plantas ornamentais e as ques- (1909-1994). Lá são encontradas como a principal atividade econô- tões de associativismo. A iniciativaespécies vegetais raras, dispostas mica. Anualmente, 350 mil mudas Foram entrevistados 66 produ- também possibilitou a parceria da de forma estética. A visitação pos- são produzidas, sendo vendidas tores rurais, do setor de mudas e Secretaria de Estado de Agricultu- sibilitou a troca de experiências para estados do Nordeste e parte plantas ornamentais ra, Pecuária e Abastecimento – SE- entre os integrantes do grupo e o do Sudeste, segundo uma das li- APA na realização do I Seminário técnico do Inhotim, despertando o deranças dessa comunidade. • 82% DEcLARAm SER A PRODuÇÃO de Plantas Ornamentais que acon- desejo de novas cooperações, en- DE PLANTAS ORNAmENTAIS A PRINcIPAL tecerá em Teófilo Otoni no próximo tre elas a de desenvolver estufas Neste sentido, a ação para a ATIVIDADE DA FAmíLIA; ano. Além disso, conta com a in- botânicas para o cultivo de plantas produção tem como objetivo prin- • 38% dos entrevistados pensam clusão do grupo de produtores na mais vulneráveis às variações cli- cipal a inserção efetiva desse se- Em ExPANDIR A áREA NOS PRÓxImOS Câmara Técnica de Floricultura de máticas. A expectativa é a de que tor na economia regional, gerando 5 ANOS; Minas Gerais. o grupo possa desenvolver novas novos empregos e mais renda. As • 53% estão nessa atividade há habilidades e tecnologias, agre- articulações estratégicas com as mAIS DE 10 ANOS; Na atual fase, o projeto já teve gando valor aos produtos e ofer- instituições de ensino e pesquisa • 95,5% dos entrevistados tando novos serviços. foram fundamentais para o desen- PRODuzEm muDAS DE FRuTEIRAS; volvimento desse projeto. Numa primeira etapa, foi realizado o GArGAloS obSErVADoS: diagnóstico local por uma equipe o autor é Mestre em eco- de profissionais da universida- • escassez de conhecimento nomia pela universidade Federal de Federal de Viçosa – uFV, além DE TEcNOLOGIAS NEcESSáRIAS A de viçosa - uFv e está se especiali- da participação, como agentes de PRODuÇÃO EFIcIENTE DE muDAS zando em gestão pública pela uni- campo, dos alunos do curso de com melhor qualidade; versidade Federal de santa Maria agronomia da uNIPAC – Teófilo Oto- - uFsM. atualmente é coordenador ni. Além desses, outros parceiros • desconhecimento de do polo de inovação de teófilo oto- se inseriram no processo, como a TEcNOLOGIAS E PRáTIcAS ni - sectes. prefeitura municipal, que colabo- culturais que levam a e-mail: hilton.manoel@polodei- rou com as primeiras ações para AGREGAÇÃO DE VALOR AO PRODuTO novacaoto.com.br laJ inH a liberDaDe vis ita à inH otiM envolvimento dos produtores, e o cOmERcIALIzADO.10 | POLO DE INOVAÇÃO DE TEÓFILO OTONI POLO DE INOVAÇÃO DE TEÓFILO OTONI | 11
    • Em um cenário complexo e repleto de potencial, o Polo de Inovação de Teófilo Otoni, a Fa- Segundo especialis- culdade de Farmácia da univer- tas, a Cachaça já é o sidade Federal de Minas Gerais 3º destilado mais pro- – FAFAR-MG e Prefeituras Munici- duzido e consumido pais de Teófilo Otoni e Ladainha no mundo com grande Bruno Dias Bento apresentaram uma proposta de potencial para chegar Pesquisa, Desenvolvimento e ao primeiro lugar. A EM- Inovação na Cadeia Produtiva bRAPA apresenta dados A AGUARDENTEDAS MINAS GERAIS C I ê N C I A , T E C N O LO G I A E I N O VA Ç Ã O E M C A C h A Ç A da Cachaça Artesanal de Alam- em que a produção é A R T E S A N A L N O VA L E D O M U C U R I bique de Cobre, contemplando desde o cultivo da matéria- em torno de 1,3 bilhão de litros por ano; 75% prima até a comercialização do desse total refere-se à produto. Serão desenvolvidas Cachaça de Coluna ou ações como a sensibilização e Industrial e os 25% res- a organização comunitárias, o tantes da forma artesa- fortalecimento do associativis- nal. O brasil consome mo e cooperativismo, a elabo- quase toda a produção, ração de plano de negócios, a apenas de 1% a 2 % é apresentação e formação de exportado (2,5 milhões conceitos ligados ao design e de litros) e os principais responsabilidade ambiental. importadores são: Ale- manha, Paraguai, Itá- O projeto tem como objetivo lia, uruguai e Portugal. conhecer, caracterizar e me- Segundo informações lhorar a Cachaça Artesanal de do Censo Agropecuário Alambique de Cobre dos pro- 2006 do IbGE , o qual Aguardente de cana, de mel, tante em alguns municípios do secular da produção artesanal, dutores do Vale do Mucuri, por leva em consideração de melaço, ou só aguardente, Vale do Mucuri, sendo a ocupa- programas públicos como o meio da pesquisa científica, do a atividade econômica cana, caninha foram as varia- ção principal de muitas famí- PRÓ-CACHAÇA, Programa Minei- desenvolvimento tecnológico e que o produtor declara, ções do nome até, oficialmente, lias, a cachaça produzida não ro de Incentivo à Produção de da inovação, visando à identifi- Minas Gerais possuía, em 2001, ser chamada de Ca- ultrapassa em muito as frontei- Cachaça da Secretaria de Estado cação, à valorização, à certifica- em 2006, quase 5 mil chaça. A produção de Cachaça ras regionais. Os dados do IbGE de Agricultura, sem contar que ção da qualidade e à divulgação produtores. O Estado Artesanal de Alambique de Co- relatam, hoje, 179 produtores, novos mercados também po- nos mercados nacional e inter- seria responsável por bre no Vale do Mucuri remon- com maior concentração na ci- dem ser abertos, principalmen- nacional. Conta com os seguin- quase 70% da produção ta à sua origem, à fundação da dade de Ladainha, seguida por te com a realização da Copa do tes parceiros: INDI, SuCOOP, AM- de Cachaça Artesanal Companhia do Mucury, que, por Setubinha e Itaipé. Esse número Mundo de 2014 e as Olimpíadas PAQ, SEAPA, IMA, EMATER-MG, de Alambique de Cobre, sua vez, inaugura a ocupação retrata a situação grave de des- de 2016 no brasil. Tudo isso são EPAMIG, ICT-uFVJM, APROCAMIL, com um volume giran- não índia na região em meados valorização dos produtores, do ingredientes que nos fazem SEDVAN, IDENE, bb, bNb e uEMG. do em torno de 260 mi- do Século xIx. Já existem re- produto e, consequentemente, vislumbrar um bom cenário ao Esse projeto representa uma lhões de litros. gistros oficiais de presença da a falta de investimentos estru- setor, trazendo como resultado das primeiras iniciativas con- produção de Cachaça desde a turais no setor e financiamen- a ampliação do mercado consu- cretas de ações para o desen- década de 1870, durante toda a tos para produção na região . midor e a redução do precon- volvimento setorial na região. existência da Estrada de Ferro ceito em relação ao produto. bahia e Minas (1880-1966), per- Entretanto, têm ocorrido mu- manecendo como atividade eco- danças significativas no cenário o autor é cientista nômica bastante representativa da Cachaça em Minas, como a social formado pela universidade na geração de trabalho e renda busca, por parte dos produto- Federal de Minas gerais – uFMg e de diversas comunidades, em res, pela melhoria da qualida- membro do polo de inovação de grande parte utilizando-se de de, atendendo às exigências do teófilo otoni/sectes mão de obra familiar. mercado, a adoção de novas e-mail: bruno.bento@polodeinova- tecnologias, a certificação pe- caoto.com.br Atualmente, apesar de ainda los principais órgãos certifica- figurar como atividade impor- dores, sem desprezo à tradição 12 | POLO DE INOVAÇÃO DE TEÓFILO OTONI POLO DE INOVAÇÃO DE TEÓFILO OTONI | 13
    • SABERES E FAzERES DO MUCURIPORTADOR DE CARACTERíSTICAS TÃO PRÓPRIAS QuANTO DESCONHECIDAS,COMO SEuS ARTESÃOS E LAPIDáRIOS DE TRAÇO PECuLIAR E FORTE, O MuCuRIREVELA A DIVERSA INFLuêNCIA DOS POVOS QuE AQuI SE ESTAbELECERAM:Eu ROPEuS, AFRICANOS E ASIáTICOS. Michelle Freitas conve r s a De b ote co / na s s e r g a z e l / ata l é ia- Mg Cristiana Souza universidade de São João Del-Rey e a univer- recebe nenhum tratamento, e a utilização de sidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e matéria-prima mineral local. Mucuri para o desenvolvimento de um progra- O projeto Cerâmica do Mucuri tem o objetivo ma artesanal e industrial cerâmico. Serão re- Com essas ações, o projeto Cerâmica do Mu-de oferecer a toda região a oportunidade de va- alizados diversos módulos para a capacitação curi potencializará o segmento cerâmico, es-lorizar, fortalecer e divulgar as memórias, histó- dos artesãos regionais em cerâmica artesanal truturando os grupos existentes de artesãosrias, costumes e modos daqueles que constru- e industrial. da região e cidades próximas de forma sus-íram e constroem o Vale do Mucuri. Mediante tentável, com meta no mercado consumidorcapacitações, oficinas e cursos relacionados à Entre esses módulos, vale destacar a pro- e na autogestão, agregando valor ao artesa-valorização da cultura, a proposta visa a am- posta em produção artesanal a partir do rea- nato, valorizando e respeitando a identidadepliar os horizontes dos mestres e artesãos com proveitamento do resíduo gerado pelo pó das cultural, o saber e o meio ambiente, gerandoo fim de que estes ampliem o seu potencial gemas após a lapidação, que atualmente não emprego e renda.multiplicador e perpetuador de suas artes e ofí-cios às gerações futuras. Esse tipo de projeto exigiu a criação de com-petências no Polo de Inovação da Cidade deTeófilo Otoni, com vistas a popularizar a meto- Michelle Freitas é cientista socialdologia e tecnologia do artesanato em cerâmica pa re D e c a sa n a sse r g a zel / ata l é ia - M g e especialista em ensino de artes visuais pelapor meio de oficinas na região. Foram capacita- ufmg e membro do polo de inovação de teófilodos trinta artesãos em técnicas de artesanato, otoni/sectes.proporcionando o desenvolvimento, a valoriza- concepção do ser artesão, o desenvolvimento e-mail:michelle.freitas@polodeinovacaoto.com.brção e a preservação do patrimônio material e das vocações regionais, o acesso dos artesãosimaterial do Vale do Mucuri, além da criação do a inovações e novas tecnologias e o incentivo cristiana de souza é especialis-site Saberes e Fazeres do Mucuri – Cerâmica, a às práticas cooperativistas e empreendedoras. ta em Historia da arte, técnica em cerâmica epublicação e lançamento do livro Experiência: formada em artes pela universidade estadualSaberes e Fazeres do Mucuri – Cerâmica e a Para 2011, o projeto contará com o apoio do de Minas gerais e membro do polo de excelên-constituição da associação de artesãos em cerâ- Polo Mineral Metalúrgico, programa da Secre- cia Mineral Metalúrgico/sectes.mica. Para isso, elementos importantes foram taria Estadual de Ciência, Tecnologia e Ensino pr ato r e nDa b or Da Da - M a r ia e va - pe na e-mail: crisd_souza@hotmail.comtrabalhados como a mudança de paradigma na Superior - SECTES, o Curso Artes Aplicadas da ca r l os cH a g a s - M g14 | POLO DE INOVAÇÃO DE TEÓFILO OTONI POLO DE INOVAÇÃO DE TEÓFILO OTONI | 15
    • cação com órgãos e entidades tecnologias e ferramentas da Vale do Mucuri.PROJETO TEIA municipais visando melhoraria internet e auxiliar na adequa- O curso de capacitação Teia da comunicação e gestão dos ção ao decreto estadual. tem a duração de quatro ho- municípios com o uso das fer- Consecutivamente a essa ras. O conteúdo é dividido em ramentas gratuitas da internet. ação, iniciamos a partir do mês 1h30 de palestra que aborda Os representantes das prefei- de agosto de 2009 as viagens o uso da internet nos meios turas participaram do curso para as escolas públicas destes de comunicação e produção da rede Integraminas, com o municípios do Vale. As escolas da sociedade, o empreende-NO VALE DO MUCURI representante da AMM - Asso- ciação Mineira de Municípios. A rede Integraminas foi criada para orientar e dar suporte a estaduais ou municipais que possuíam espaços de acesso a internet como telecentros ou laboratórios de informática, fo- dorismo através da internet e os primeiros passos para par- ticipação no universo da web 2.0. Os jovens são convidados todas as cidades mineiras no ram visitadas para a formação a refletir estes temas por meio A CA PAC I TA Ç ÃO D E M I L AGEN TES processo de adoção de novas de novos agentes Teia em todo da demonstração de casos de J OV E N S E M P R E E N DE D O R E S . sucesso em slides e vídeos. Nas outras 2h30, são efetuados os cadastros dos novos agentes INSTITuIÇõES PARcEIRAS AO na rede Teia e ensinadas ferramentas gratuitas da web 2.0, como por exemplo, redes sociais, PROJETO TEIA Em TEÓFILO OTONI: twitter, blogspot, u-stream, recursos do Google, oaDe anDraDe entre outras. No mês de novembro de 2010 alcançamos a CVT - CENTRO DE VOCAÇÃO meta de mil agentes Teia capacitados e ligados TECNOLÓGICA, à rede. Estes agentes em constante formação já atendem as necessidades dos pequenos em- preendedores de sua localidade e na rede Teia, uNIVERSIDADE uNIPAC resolvendo e captando demandas da maneira mais viável economicamente para realidade de cada empreendedor. Hoje estes agentes viabi- Inclusão digital significa me- da chamada inclusão digital, pioneiro na região do Vale do FACuLDADE DOCTuM lizam a busca e alcance de mercados e pos-lhorar as condições de vida de como é o caso de comunida- Mucuri. Primeiramente, foram sibilidades antes inexistentes para suas vidasuma determinada região ou des ou escolas que possuem promovidos dois encontros CETEC TOP LINE e para vida e os negócios de outros pequenoscomunidade com a ajuda da computadores que nunca são com representantes das pre- empreendedores.tecnologia. A expressão nas- utilizados. feituras das cidades da região,ceu do termo “digital divide”, Com a criação da Rede Teia para adequação ao decretoque em inglês significa algo e seu propósito de formação estadual 45.095, de 2009, quecomo “divisória digital”. Hoje, de empreendedores na web trata da utilização do correio a autora é especia-é comum ler expressões simi- 2.0, iniciamos um trabalho eletrônico oficial na comuni- lista em Marketing, comunica-lares como democratização da ção e recursos Humanos pelainformação, universalização Doctum Faculdades unificadasda tecnologia e outras varian- t.o., e em docência superiortes parecidas e politicamente pela Fundação Francisco decorretas. assis e.s, bacharel em comu- Em termos concretos, incluir nicação social com habilitaçãodigitalmente não é apenas co- em publicidade e propagandalocar computadores na frente com ênfase em Marketing peladas pessoas e ensiná–las a universidade de ribeirão pretousar Windows, pacotes de es- – unaerp. atua como agentecritório e navegação na inter- teia na equipe do polo de ino-net, mas, é também melhorar vação teófilo otoni/sectes.os quadros sociais a partir do e-mail:oade.andrade@polo-manuseio dos computado- deinovacaoto.com.brres. A analogia errônea tende ca pa c i ta ç ã o i n t e g ra M i n a s. ro sa lv es su D a ri o - a MM cur s o te ia te l e ce ntr o b ib l iote ca púb l ica - Ma l a ca cH e taa propagar cenários surreais16 | POLO DE INOVAÇÃO DE TEÓFILO OTONI POLO DE INOVAÇÃO DE TEÓFILO OTONI | 17
    • PARQUE DA CIêNCIACONTRIBUI PARA APOPULARIzAÇÃO DOCONhECIMENTO CIENTíFICOLOCALIzADO EM TEÓFILO OTONI, O LOCAL TEM RECEbIDO ESTuDANTESDE VáRIOS MuNICíPIOS E ESTIMuLADO EVENTOS EM PARCERIA COM AEDuCAÇÃO. exibição. Pois bem, esta ima- ao invés de passivos visitantes,Msc. Magno barbosa Dias gem de museu como lugar onde tem a possibilidade de partici-Dr.Mauro lúcio Franco só se vê coisa do passado, hoje, par das apresentações propos- também é coisa do passado. Os tas. museus da ciência têm repre- A argumentação de que a ci- Ao falarmos de museu, a pri- sentado grandes inovações nes- ência, pela sua natureza rigoro-meira imagem que nos vem à ta área, tornando-se agradáveis sa, deva ser exclusiva das men-memória é a de um lugar cheio lugares para exercitar o racio- tes brilhantes, não encontra pa r q u e Da c i ê n c i a r e c e b e nD o a l u n o s M i r i n s n o p r iM e i r o D ia D e visitaçãode quadros históricos e animais cínio lógico, para compreender correspondência com a procuraempalhados. Também imagina- os fenômenos da natureza e crescente do público por espa-mos um visitante com braços ver como as coisas funcionam. ços como os museus científicos. da ciência. A partir de abril des- em relação à primeira versão o investimento está valendo acruzados para trás que se põe Tudo isso leva a uma nova con- Com essa percepção, o Pólo de te ano, o Parque recebeu, apro- de 2009 e contou com a I Feira pena é sentida quando se ouvea observar o acervo, enquanto cepção de museu como espaços Inovação de Teófilo Otoni, com ximadamente, 1500 alunos de de Ciência da Educação básica dos próprios alunos e visitan-um guia lhe orienta sobre cada mais interativos onde o público, o apoio do Programa de Popula- escolas públicas da região, um do Mucuri que teve participa- tes: “eu vou fazer uma expe- rização da Ciência da Secretaria número animador, se levarmos ção direta das escolas de Teó- riência dessa na minha escola”. de Ciência, Tecnologia e Ensino em consideração que 31 insti- filo Otoni. Durante os três dias Afinal, o que justifica todo o Superior de Minas Gerais – SEC- tuições foram beneficiadas di- da Semana Nacional, estima-se esforço da equipe envolvida no TES, atuou no resgate do museu retamente com o projeto. Isto que 3500 alunos tenham parti- projeto é exatamente este ide- hoje conhecido como Parque da dá uma média de 48 alunos por cipado das atividades organiza- al de se promover o acesso ao Ciência da uFVJM. Dessa manei- escola que certamente irão re- das, tais como palestras, cursos conhecimento e o prazer pelas ra, em 2009, o acervo disposto latar suas experiências, fazendo e oficinas. descobertas que ele propicia. em local até então provisório foi com que mais pessoas visitem e Toda esta movimentação tem ampliado por meio dos recursos apreciem o Parque da Ciência. gerado um clima favorável ao disponibilizados pela Fundação O Parque da Ciência junto desenvolvimento da ciência que de Amparo à Pesquisa de Minas com o Programa de Populari- se reflete diretamente na qua- Gerais – FAPEMIG. Desde então, zação da Ciência também tem lidade da educação das crian- o Parque da Ciência foi encam- consolidado uma agenda de ças, jovens e adultos da região. Msc. Magno barbosa pado pela universidade Federal eventos de natureza científico- A prova disso é que os profes- Dias, coordenador do parque da dos Vales do Jequitinhonha e cultural, visando maior aproxi- sores que visitam ou que par- ciência pelo pólo de inovação de Mucuri. mação dos estudantes carentes ticipam de eventos promovidos teófilo otoni. O Parque tem possibilitado de ensino básico com a univer- pelo parque da ciência acabam Dr. Mauro lúcio Franco, i Fei r a De ciência Do Mucuri ocorri D a D u ra n t e a se M a n a uma boa interlocução com edu- sidade pública. A Semana Nacio- sendo estimulados a inovar sua professor do Depto. de ciências nacional De ciência e t e c n o lo g i a cação formal, através de visitas nal de Ciência e Tecnologia 2010 prática pedagógica. Por outro exatas da uFvJM e coordenador escolares e eventos de difusão é um exemplo disso. Ela inovou lado, a segurança de que todo geral do parque da ciência18 | POLO DE INOVAÇÃO DE TEÓFILO OTONI POLO DE INOVAÇÃO DE TEÓFILO OTONI | 19
    • Dr. Carlos henrique Alexandrino INOVAÇÃO NA Drª Flaviana Tavares Vieira senvolvimento das pesquisas com foco no incremento tec- nológico e no valor agregado dos produtos agrícolas, pecuá- FABRICAÇÃO rios e indústrias da região, que atualmente possui baixíssimo grau tecnológico. O objetivo dos estudos é possibilitar a formação de profissionais, ge- rar conhecimento e produtos DE PRODUTOS que contribuam para inovação tecnológica no Vale do Mucuri, por meio da efetiva coopera- ção entre docentes das áreas de engenharia, química, física, matemática e biologia. Atual- NúCLEO INTERDISCIPLINAR DE PESQUISA mente está em curso o desen- volvimento de um software E M C I ê N C I A E T E C N O LO G I A N O VA L E D O M U C U R I que visa a determinar a quan- tidade de energia necessária para uma determinada opera- ção dentro do contexto da Lei de Eficiência Energética (Lei O Núcleo Interdisciplinar de de novos materiais 10.295/2001). O lançamento Pesquisa em Ciência e Tecno- poliméricos, cerâmi- do produto está previsto para logia - NPCTec, formado em cos e metálicos que o ano de 2014. 2010, no Instituto de Ciência possam ser obtidos a e Tecnologia do Mucuri, em partir da utilização de Espera-se que o avanço des- Teófilo Otoni, pertence à uni- matérias-primas pro- sas pesquisas contribua de for- versidade Federal dos Vales duzidas na região do ma significativa para melhorar do Jequitinhonha e Mucuri – Vale do Mucuri. um a renda e conseqüentemente uFVJM. Suas atividades estão dos projetos em an- as condições de vida na região voltadas ao projeto, análise e damento visa a apro- do Vale do Mucuri. otimização de processos de veitar o resíduo do inovação tecnológica cujo foco processo de pedras é a investigação de soluções preciosas na produ- dos aspectos matemáticos e ção de revestimentos, a professora Flaviana ta- computacionais de problemas reduzindo, assim, o vares vieira é Doutora em quí- relacionados às diversas áreas grande impacto am- mica pela uFMg e atualmente das engenharias, assim como biental causado pela exerce o cargo de Diretora do das ciências básicas – Física, disposição incorreta instituto de ciência e tecnolo- Química, Matemática e biolo- dos resíduos produzi- gia do Mucuri / uFvJM gia. dos. Os materiais re- e-mail: flaviana.tavares@ sultantes serão úteis ufvjm.edu.br Desenvolvimento e Caracte- na construção civil e rização de Novos Materiais Po- no artesanato regio- o professor carlos Hen- liméricos, Cerâmicos e Metáli- nal. rique alexandrino é Doutor em cos é uma das principais linhas geofísica pelo observatório de pesquisa do núcleo, pois Outra linha de pes- nacional e atualmente exerce privilegia a questão socioam- quisa que merece o cargo de vice-Diretor do ins- biental na região, ainda pouco destaque é a Mode- tituto de ciência e tecnologia explorada no local. A pesquisa lagem Computacional do Mucuri / uFvJM engloba o desenvolvimento, a em Ciência e Tecnolo- e-mail:carlos.alexandrino@ caracterização e a produção gia, por visar ao de- ufvjm.edu.br 20 | POLO DE INOVAÇÃO DE TEÓFILO OTONI POLO DE INOVAÇÃO DE TEÓFILO OTONI | 21
    • ROBôS INVADEM P E S Q U I S A E N V O LV E A P O P U L A R I z A Ç Ã O D A A SALA DE AULA C I ê N C I A E D A T E C N O LO G I A PA R A M E L h O R A R O ENSINO e reconstrução. um processo do programa. O Firmware é o para participar de competições Ciro Meneses Santos que ultrapassa os limites da programa utilizado para fazer regionais e nacionais e, futura- educação tradicional em que a transferência dos dados no mente, trabalhar com aeromo- é possível utilizar brinquedos NTx. delos. na elaboração de estratégias e desenvolvimento de progra- Em uma próxima etapa, o mas para o microprocessador grupo pretende desenvolver Construir um robô, além de Mindstorm. O processador Min- um material didático para a ser divertido, pode contribuir dstorm NxT é uma espécie de introdução à robótica e folder bacharel em ciência para o ensino, integrando vá- cérebro do Robô. As informa- para divulgar melhor os traba- da computação pela uMass – rias disciplinas como a mate- ções são transmitidas para o lhos desenvolvidos. usa e Mestrado em ciência da mática, a física, a química entre “cérebro” por meio dos senso- A expectativa com esse pro- computação pela uFMg, o pro- outras. Levar a ciência e a tec- res de toque, áudio, luz e ul- jeto, além de ajudar na apren- fessor ciro Meneses santos é nologia para sala de aula faci- trassônico, que processa essas dizagem de disciplinas esco- coordenador dos cursos de sis- lita a compreensão dos alunos informações e envia o coman- lares, é permitir o domínio do temas de informação e ciência e ajuda a desmitificar o assun- do para os motores. Assim, são conhecimento em automação da computação na unipac. to. Dessa maneira, foi montado executadas as pequenas tare- por meio da robótica. Com isso, e-mail:cirosantos@gmail. um grupo de pesquisa formado fas como pegar um objeto, des- poderão constituir uma equipe com por estudantes de uma equipe locar, entre outras. multidisciplinar da uNIPAC – Te- ófilo Otoni. De acordo com a ta- Outra atividade do grupo de refa específica elaborada pelo pesquisa é divulgar e treinar coordenador, os alunos produ- novos integrantes para o pro- zem as montagens com o LEGO jeto por meio de aulas de in- (brinquedo pedagógico em que trodução nas quais o LEGO é há diversos tipos de possibili- apresentado como ferramenta dades de encaixes). São feitos para explicar o funcionamen- testes dos modelos desenvol- to dos motores, sensores e vidos até atingir os objetivos do microprocessador NTx. São propostos. mostrados o funcionamento da transmissão de dados do A robótica envolve um pro- computador para o NTx e a ne- cesso de motivação, colabora- cessidade de instalar o Firmwa- G R u P O DE E S Tu DO E DE S E NV O LV IM E NTO DE ROb ÓT I CA ção, construção, desconstrução re antes de fazer o download22 | POLO DE INOVAÇÃO DE TEÓFILO OTONI POLO DE INOVAÇÃO DE TEÓFILO OTONI | 23
    • A transmissão digital traz de imediato várias vantagens ao telespectador como uma ima- gem e som de alta qualidade, sem chuviscos e sombras e ainda recursos de zoom. Fazendo uma comparação com aplicações que são exe- cutadas em computadores, o teclado e mouse são substitu- ídos pelo controle remoto do conversor digital, e, no lugar do monitor, a tela do televi- sor. A interatividade permite que o telespectador, em sua casa, interfira diretamente na programação. Como na in- ternet, ele pode, em tempo real, participar de uma vo- tação, comprar um item que Com base nesse cenário, uma grande oportunidade coordenador adjunto do cur- Foto: Daniel Dias está sendo oferecido ou, até o problema motivador desta para a geração de bens e ser- so de sistemas de informa- mesmo, opinar sobre algum pesquisa foi: Qual linguagem viços no setor de TI. ção na Faculdades unificadas assunto que está sendo abor- de programação poderá ser Doctum de teófilo otoni/Mg. dado no programa a que está melhor utilizada para desen- e –mail:salimaouar@gmail. assistindo, por exemplo. volver aplicativos para a TV com Digital que funcionarão no salim aouar é gradu- O middleware adotado Ginga? ado em sistemas de informa- selem afonso é alu- pelo brasil para a utilização ção pela universidade vale no do 8º período do curso de de aplicações para TV Digital A pesquisa teve como obje- do rio Doce e especialista em sistemas de informação naESTUDO E DESENVOLVIMENTO foi o Ginga. Desenvolvido em tivo principal estudar e imple- administração de redes linux Faculdades unificadas Doc- parceria com a Pontifícia uni- mentar uma aplicação para TV pela universidade Federal de tum de teófilo otoni/Mg .DE APLICAÇÕES versidade Católica do Rio de Digital utilizando a linguagem lavras – uFl. atualmente é e-mail:selem32@gmail.com Janeiro (PuC - Rio) e a uni- de programação que melhor versidade Federal da Paraíba funcionará no middleware (uFPb), o Ginga é capaz de Ginga e analisar em qual si- executar aplicativos desenvol- tuação de desenvolvimento aINTERATIVAS PARA A vidos nas linguagens JAVA e linguagem de programação é NCL (Nested Context Model). melhor indicada.TV DIGITAL O desenvolvimento de apli- Empresas inovadoras po- cações para a TV Digital é algo dem se aproveitar desta nova novo em nosso País ainda, tecnologia para alavancar, havendo muitas dúvidas e de uma vez por todas, a sua temores quanto ao que essa marca e, consequentemente, tecnologia poderá agregar a suas vendas e seus lucros. nossa cultura. O desenvolvi- Dessa maneira, um estudo Salim Aouar mento de aplicativos para a sobre essa tecnologia com o TV Digital brasileira é ainda objetivo de gerar conhecimen- Selem Afonso incipiente, e os que existem to tanto para os especialistas suprem cada vez menos as no assunto quanto para os A P R E S E NTA Ç Ã O DA P E S Q u IS A D E DE S E NV OLV I ME NTO necessidades dos usuários. usuários, mostrando-se como DE A P L IC A Ç õ E S INTE R ATIVA S PA RA T V DI G I TA L24 | POLO DE INOVAÇÃO DE TEÓFILO OTONI POLO DE INOVAÇÃO DE TEÓFILO OTONI | 25
    • “CIêNCIA E TECNOLOGIA”DE MINAS RECEBE RECONhECIMENTOINÉDITO PELA QUALIDADENA GESTÃO Inovar e buscar a excelência nas práticas de gestão e Ao mesmo tempo reconhe-nos serviços que presta à sociedade. Com esse objetivo, ceu os avanços da gestão pú-a Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino blica no governo de Minas,Superior (Sectes) se tornou pioneira na conquista do Prê- especialmente na Sectes que secretário a lberto Duque p ortugal e Me Mbros Da sectesmio Mineiro da Qualidade — PMQ 2010, promovido pelo vem conquistando o respeito rec ebeM p rêM io p M q / F oto : anDré sou zaInstituto Qualidade Minas (IQM), que segue o Modelo de de diversos países com o seuExcelência da Gestão (MEG) e as diretrizes da Fundação modelo de desenvolvimentoNacional da Qualidade (FNQ). A premiação ocorreu no dia integrado por meio do Siste-9/11, no Teatro Sesiminas, em belo Horizonte. ma Mineiro de Inovação. A Sectes concorreu pela primeira vez e foi reconhecida O secretário Alberto Por- às estratégias descritas nos instrumen- a sociedade civil organizada a fim decomo faixa prata ao lado de outras quatro organizações. tugal manifestou gratidão a tos de planejamento de médio e longo continuar contribuindo para manter aAo todo foram 13 empresas e instituições contempladas toda sua equipe pelo compro- prazo do governo de Minas Gerais, en- chama acesa da cultura da eficiência ecom o PMQ 2010, incluindo as da faixa ouro e bronze. metimento no trabalho para tre outros avanços. da qualidade. Finalizou dizendo da sa-Além de da categoria ouro, a u & M Mineração e Constru- o desenvolvimento de Minas A secretária Renata Vilhena disse da tisfação do governo mineiro ao assistirções S/A e o 4º Grupo de Artilharia Antiaérea receberam Gerais e pela disposição de importância da celebração ao mérito e à Secretaria de Estado de Ciência, Tec-o troféu destaque pelas mãos da secretária de Estado de inovar nas práticas de ges- que ele deve ser o meio para se atingir nologia e Ensino Superior conquistan-Planejamento e Gestão, Renata Vilhena, que representou tão a ponto de ser reconhe- os objetivos de qualquer organização. do o reconhecimento pelos esforços deo governador Antonio Anastasia, e pelo presidente do cida. Para Portugal, o prêmio Ela lembrou a verdadeira revolução na uma gestão eficiente e voltada para oConselho Superior do IQM, Petrônio Machado zica. trouxe patamares superiores administração pública feita pelos gover- desenvolvimento. O prêmio da Sectes foi entregue pelo diretor da Sa- de desempenho nos indica- nos de Aécio Neves e Antonio Anastasiamarco, Paulo José barros Rabelo ao secretário Alberto dores de ciência, tecnologia, com ganhos muitos significativos paraPortugal e ao secretário-adjunto Evaldo Vilela; ao chefe inovação e ensino superior; a sociedade mineira, obtendo reconhe-de gabinete Adaiton Vieira Pereira; à coordenadora da melhoria do mapeamento cimento internacional pelas medidas li-equipe de apoio à Gestão Estratégica, Christiane Correia dos processos principais e de deradas pelo Choque de Gestão. Vilhena Fonte: Matéria fornecida pela sectese às superintendentes Déa Fonseca e Helga Andrade. O apoio adotados pela Sectes; observou que o governo mineiro estará - publicação Mensal - ano iii - no 19 -IQM ressaltou o ineditismo do prêmio de qualidade na modelo de gestão alinhado com o diálogo estreito com os poderes novembro/2010gestão contemplando uma secretaria de Estado no brasil. às ferramentas de gestão e constituídos, com os municípios e com26 | POLO DE INOVAÇÃO DE TEÓFILO OTONI POLO DE INOVAÇÃO DE TEÓFILO OTONI | 27
    • SECrETArIA DE ESTADo DE CIÊNCIA, TECNoloGIA E ENSINo SUPErIor DE MINAS GErAIS - SECTES Alberto Duque Portugal secretário - secretaria de estado de ciência, tecnologia e ensino superior - sectes Déa Maria Fonseca superintendente - superintendência de Desenvolvimento científico e tecnológico – sDct Hilton Manoel Dias ribeiro coordenador do polo de inovação de teófilo otoni oade Andrade agente teia membro da equipe do polo de inovação de teófilo otoni bruno Dias bento Membro da equipe do polo de inovação de teófilo otoni Michelle Freitas Membro da equipe do polo de inovação de teófilo otoni Selma Metzker Membro da equipe do polo de inovação de teófilo otoni28 | POLO DE INOVAÇÃO DE TEÓFILO OTONI