Leveza na vida religiosa (pesos e agilidade)

3,049
-1

Published on

Apresentação sobre Levez

Published in: Spiritual
0 Comments
2 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
3,049
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
98
Comments
0
Likes
2
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Leveza na vida religiosa (pesos e agilidade)

  1. 1. Leveza na Vida Religiosa.Lidar com os pesos. Caminhar com rapidez (Nova Versão) - Ir. Afonso Murad
  2. 2. Uma parábola: as cores das flores
  3. 3. • Um desafio• Limitações reais• Coração de criança• Tentativas• Criatividade• Uso dos meios• Leveza
  4. 4. Porque este tema?Para tomar consciência daquilo que nosengessa, retirar as amarras e caminhar...
  5. 5. Para que leveza?Para responder comdisponibilidade eagilidade aos apelos deDeus no dias de hoje!
  6. 6. A vida adulta inclui os dois lados Leveza:gratuidade, flexibilidade, contentamento Cargas: dificuldades, responsabilidades, compromissos
  7. 7. Faça um exercício pessoal e comunitário• Quais são os principais sinais de leveza na minha comunidade e na província/Instituto?• Quais são os principais pesos? Veja nos próximos eslaides a síntese da opinião devários encontros da Vida Religiosa.
  8. 8. Manifestações de leveza e agilidade na VR• Diálogo para construir o novo, juntas -> planejamento participativo.• Reestruturação de obras, comunidades e províncias, com participação das consagradas.• Empenho na Espiritualidade encarnada. Centralidade no seguimento de Jesus• Rodízio dos serviços em casa -> compartilhar as responsabilidades• Assumir com alegria a missão• Ousadia em novas opções “além das fronteiras”, sobretudo com os pobres.• Incorporação de leigos na missão.• Autonomia e interdependência das comunidades.• Formação inicial unificada e personalizada. Vocações afro-indígenas.• Cresce o respeito às diferenças.• Cultivo do “bem-querer” entre as pessoas.• Diminuição dos bens -> mais simplicidade e desapego.• Aprimoramento do cuidado com as(os) idosas.• Investimento na formação permanente.• Liberdade e disponibilidade em assumir os trabalhos.
  9. 9. Pesos e dificuldades comuns nos Institutos• Acomodação de pessoas e de comunidades. Resistência às mudanças.• Muitas situações pessoais mal resolvidas -> corpos e mentes doentes.• A ilusão da aposentadoria• Rigidez nas relações, em comparação com as famílias.• Morosidade nas tomadas de decisões.• Certo descrédito em relação à VR.• Gasto de tempo e energia para administrar casas grandes e instituições complexas -> funções burocráticas.• Relações comunitárias pesadas.• Média de idade muito alta -> Limitações físicas.• Funções diversificadas -> dificuldade em conciliar horários comunitários.• Concentração de poder e individualismo.• Diminuição do senso de pertença.• Espiritualidade superficial.• Choque generacional e cultural.
  10. 10. Discernir sobre os pesos• Fortalecer as opções boas e consistentes, e pagar o preço por elas (Peso como valor).• Tirar os pesos inúteis, contraprodutivos, imobilizadores.• Aprender a lidar com aqueles pesos que ainda não convém abandonar. Preparar-se para o momento certo.• Acolher as cargas que fazem parte da existência pessoal, coletiva e institucional.
  11. 11. Elevar-se ao nível de leveza e agilidade exige de pessoas e gruposManter o coração de criançaEmpreender processos longos (não demais) e exigentes
  12. 12. Principais pesos na VR1. Pessoas enrijecidas e pesadas.2. Relações interpessoais difíceis.3. Espiritualidade frágil.4. Estruturas comunitárias rígidas5. Máquina burocrática (muitas estruturas, funcionamento inadequado).6. Concentração do poder e suas mazelas.7. Poucas pessoas para dar conta de muito trabalho -> diminui qualidade de vida.8. Envelhecimento e perda de vitalidade.
  13. 13. Algumas alternativas para cultivarleveza e agilidade na Vida Religiosa
  14. 14. 1. Espiritualidade da leveza• Eles amarram cargas pesadas e os colocam nos ombros dos outros, mas eles mesmos não os movem, nem com o dedo (Mt 23,4)• Decidimos não impor nenhum peso, além do indispensável (At 15,28).• Cristo nos libertou para que sejamos verdadeiramente livres. Sejam firmes para não se submeter ao jugo da escravidão (Gal 5,1)
  15. 15. Um apelo do Evangelho• A leveza de Jesus: “Venham a mim todos vocês que estão cansados e sobrecarregados. Assumam as minhas exigências e aprendam de mim. E encontrarão repouso. Minha carga é suave e meu fardo é leve” (Mt 11,28s).• Liberdade que brota da comunhão com Deus: espigas arrancadas no sábado. Obedecer e ir além da lei, com sabedoria e ousadia profética (Mt 12,1- 8).• Cultivar o coração de criança.
  16. 16. Reinterpretar a cruz• Carreguem os fardos, uns dos outros (Gl 6,2)• Nova compreensão da teologia da cruz:- Jesus já nos libertou pela vida, cruz e ressurreição -> somos novas criaturas- Retirar os crucificados da cruz.- Pagar o preço das nossas opções, como Jesus.- Acolher a dimensão misteriosa da dor.
  17. 17. 2. A base pessoal da leveza• Construção contínua da identidade pessoal -> autoconhecimento, acolher seu lado luminoso e sombrio.• Se a identidade mal construída se sente ameaçada, reage com rigidez -> dureza.• O outro não é mais o seu interlocutor, mas sim uma ameaça.
  18. 18. Na raiz dos comportamentos rígidos...Há uma defesainconsciente daidentidade frágil.Não se trata de um errocognitivo, racional, esim de reaçãoemocional, com fortedose de narcisismo.
  19. 19. A insegurança geradureza.A liberdade interiorgera leveza.
  20. 20. Você prefere um Porto feliz, alegre, mas arriscado Ou um Porto fixo porque é aparentemente seguro?
  21. 21. 3. Cultivar atitudes de leveza• Alegria e simplicidade.• Olhar e valorizar o positivo das pessoas e dos processos. Falar sobre eles, celebrá-los.• Exercitar o reconhecimento e a gratidão às pessoas (consagrados/as, leigos/as).• Cultivar o coração de criança.• Equilibrar o trabalho com lazer, descanso, exercício físico, gratuidade.• Dar o peso que as situações merecem. Conter o exagero e o pessimismo.• Ter princípios e levá-los em conta nas decisões.
  22. 22. 4. Relações interpessoais de qualidade• Compromisso em projetos comuns.• Ênfase na qualidade das relações.• Estímulo à partilha de sentimentos.• Respeito às diferenças, se elas somam.
  23. 23. 4. Estruturas ágeisAs asas das grandes aeronaves são consistentes e temflexibilidade de 15 graus.Qual o peso das nossas asas? Qual seu grau de flexibilidade?Elas nos ajudam a voar?Profissionalização bem feita não significar aumentar pesosinúteis, mas sim criar processos para alcançar resultadosesperados. Que nossos sonhos e desejos se efetivem.As organizações modernas reduziram os níveis de chefia e oscontroles inúteis, e ampliaram o empoderamento doscolaboradores.
  24. 24. Rever a forma de fazer reuniões• Preparação,• Discussão• Decisão• Tarefas,• Acompanhamento das decisões.• Limitar o tempo e a quantidade de reuniões.• Criar formas mais rápidas de tomar decisões
  25. 25. Distintas formas de reuniões• Reflexão (ampliar horizontes)• Resolver assuntos de rotina• Tomar decisões estratégicas• Resolver questões ligadas a pessoas• Oração• Convivência
  26. 26. Leveza e agilidade nas estruturas de governo• Rever a quantidade e o ritmo de reuniões, se preciso.• Aprender a trabalhar com objetividade.• Favorecer participação das comunidades e da província-> protagonismo, senso de pertença.• Envolver os leigos(as) na missão e na espiritualidade.• Empreender iniciativas com outras províncias e institutos em causas comuns (intercongregacionalidade).• Recorrer a consultoria profissional.• Aprender de outros institutos que já fizeram o caminho.
  27. 27. 5. Gestão dinâmica das obras e da Instituição• Superar o amadorismo e o jeito “caseiro” de fazer.• Recorrer a profissionais.• Formar consagradas para a missão e a gestão.• Promover a inovação de processos.• Aprender das organizações modernas:- reduzir os níveis de chefia e os controles inúteis,- estabelecer metas e avaliar,- aumentar o empoderamento dos colaboradores.
  28. 28. 6. Concentração do poder• O poder concentrado em poucas mãos, durante longo período, traz cansaço, desmotivação, repetição.• A concentração de poder faz mal a todos: ao que manda, aos que (des)obedecem, à vitalidade do carisma.• É necessário investir em formação de novas lideranças, conferindo-lhes responsabilidade e acompanhando-as.• Há casos difíceis de solucionar. Reis e Rainhas que não soltam a coroa...
  29. 29. 7. Discernimento de obras e comunidades• Há obras que foram maravilhosas para a congregação, mas hoje se transformaram em pesos.• Com a redução de número de consagrados(as), é necessário diminuir o número de comunidades.• Discernimento difícil e necessário:- O que fechar e quando.- O que fazer com o patrimônio físico.- Onde destinar as pessoas.• O espírito profético: abrir novas presenças onde o Espírito clama.
  30. 30. 8. Envelhecimento e doença• Não é um peso, e sim uma carga que faz parte da nossa existência.• Os institutos podem empreender iniciativas conjuntas de preparação para a terceira idade, tratamento de saúde intensivo, saúde preventiva, etc.• Como reduzir a incidência de doenças psico- somáticas?
  31. 31. Conclusão: conquista de leveza e agilidade• Cultivar uma nova postura: dar conta de juntar o que antes parecia impossível:- Profetismo com sabedoria. Um desinstala, o outro integra.- Autonomia da subjetividade com laços fraternos/sororais.- Assumir compromissos e ter gratuidade.É um longo processo educativo. Não somos super-homens e super-mulheres. Nem sempre conseguimos.
  32. 32. Caminhos para leveza e agilidade• Espiritualidade: paixão por Jesus e seu Reino. (Re) encantamento e lucidez.• Atitudes pessoais: autoconhecimento, conhecer o lado luminoso e o tenebroso da personalidade.• Relações saudáveis na vida em comum.• Missão junto aos pobres, respondendo a novos apelos.• Adequação da estrutura funcional (instituição, obras, presenças)
  33. 33. murad4@hotmail.comwww.afonsomurad.blogspot.com

×