0
Tuberculose
Prof. Orlando A. Pereira
Pediatria e Puericultura
FCM - UNIFENAS
I
N
D
I
C
A
D
O
R
E
S
E
P
I
D
E
M
I
O
L
Ó
G
I
C
O
S
INDICADORES EPIDEMIOLÓGICOS
INDICADORES EPIDEMIOLÓGICOS
INDICADORES EPIDEMIOLÓGICOS
AGENTE ETIOLÓGICO
 Mycobacterium tuberculosis
(bacilo de Koch ou baar)
Estrutura bacilar: fracamente gram (+), imóvel, não esporulado e
não encapsulado
Álcool-ácido resistência: identificação e...
FATORES PREDISPONENTES
 hospedeiro
 meio
 Imunidade celular são mediadas pelos linfócitos T CD4+ que
sintetizam e excretam as citocinas na região infectada. As ci...
 Caso não haja resposta imune celular eficiente, novas lesões vão
aparecendo, até a formação de uma área necrótica, cujo ...
 Nos indivíduos com imunodepressão, devido à falha da resposta
imune, o processo caseoso é circundado por uma camada de
m...
Estágios da tuberculose na criança:
 exposição
 infecção
 doença
 Tuberculose Primária
 Tuberculose pós - primária - Tipo adulto
 Outras formas de tuberculose: cutânea,
peritonite, uri...
Vias de penetração do bacilo
 gotículas de Pflugge
 núcleos de Wells
Complexo Primário
 Cancro de inoculação
(nódulo de Ghon)
 Linfangite intermediária
 Reação ganglionar satélite
Evolução do Complexo Primário
 Cura
 Progressão para a doença
Progressão local
 Infiltração primária
 Pneumonia caseosa
Progressão via broncogênica:
 Tuberculose endobrônquica
 Broncopneumonia tuberculosa
 Derrame pleural
Disseminação hematogênica
e linfo-hematogênica
Disseminação generalizada:
 Tuberculose miliar
 Meningite tuberculosa
Prova Tuberculínica
(2 UT de PPD RT-23)
 0 a 4 mm - não reator
 5 a 9 mm - reator fraco
 Acima de 10 mm - reator forte
...
 Pesquisa do Agente Etiológico (baar)
Cultura no meio de Lowenstein-Jensen (6-8 sem.)
 Biópsias
DIAGNÓSTICO
Novas técnic...
Interpretação diagnóstica:
 História Clínica e epidemiológica de contato
com foco domiciliar ou extra domiciliar
 Exame ...
Considerar a possibilidade de TB em crianças que:
 não ganham bem peso;
 não se recuperam completamente de doenças comun...
PROFILAXIA:
 Vacinação BCG
 Quimioprofilaxia
Quimioprofilaxia:
Dose: 10 mg/kg/dia de Isoniazida
Duração: 6 meses
Quimioprofilaxia primária:
 Indivíduos não infectados previamente
pelo M. tuberculosis.
A maior indicação é para recém n...
Quimioprofilaxia secundária:
 Indicada nos indivíduos previamente infectados:
crianças menores de cinco anos, não vacina...
TRATAMENTO
Esquema I – Todas as formas de tbc - pulmonar e
extrapulmonar (exceto meningite)
1ª fase
(2 meses)
Rifampicina ...
TRATAMENTO
Esquema II – Meningite tuberculosa
1ª fase
(2 meses)
Rifampicina (RMP)
(20mg/kg)
Isoniazida (INH)
(20mg/kg)
Pir...
F i m
Tuberculose   prf. orlando a. pereira
Tuberculose   prf. orlando a. pereira
Tuberculose   prf. orlando a. pereira
Tuberculose   prf. orlando a. pereira
Tuberculose   prf. orlando a. pereira
Tuberculose   prf. orlando a. pereira
Tuberculose   prf. orlando a. pereira
Tuberculose   prf. orlando a. pereira
Tuberculose   prf. orlando a. pereira
Tuberculose   prf. orlando a. pereira
Tuberculose   prf. orlando a. pereira
Tuberculose   prf. orlando a. pereira
Tuberculose   prf. orlando a. pereira
Tuberculose   prf. orlando a. pereira
Tuberculose   prf. orlando a. pereira
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Tuberculose prf. orlando a. pereira

3,587

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
3,587
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
146
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Transcript of "Tuberculose prf. orlando a. pereira"

  1. 1. Tuberculose Prof. Orlando A. Pereira Pediatria e Puericultura FCM - UNIFENAS
  2. 2. I N D I C A D O R E S E P I D E M I O L Ó G I C O S
  3. 3. INDICADORES EPIDEMIOLÓGICOS
  4. 4. INDICADORES EPIDEMIOLÓGICOS
  5. 5. INDICADORES EPIDEMIOLÓGICOS
  6. 6. AGENTE ETIOLÓGICO  Mycobacterium tuberculosis (bacilo de Koch ou baar)
  7. 7. Estrutura bacilar: fracamente gram (+), imóvel, não esporulado e não encapsulado Álcool-ácido resistência: identificação em laboratório Lento crescimento em meio de cultura: 3 a 6 semanas Conteúdo lipídico em sua parede celular: formação do granuloma Aeróbio: necessita de O2 para crescer e multiplicar Parasito intracelular facultativo: sobrevive e se multiplica no interior de células fagocitárias Podem ficar em estado de dormência por longos períodos: responsável pela reativação Resistente a agentes químicos: alcalis, ácidos Resistente à dessecação e ao ambiente escuro - podem sobreviver anos no ambiente externo Sensível ao calor e radiação ultravioleta - sensível à luz solar Características e comportamento do M. tuberculosis:
  8. 8. FATORES PREDISPONENTES  hospedeiro  meio
  9. 9.  Imunidade celular são mediadas pelos linfócitos T CD4+ que sintetizam e excretam as citocinas na região infectada. As citocinas TNF-α e o gama-interferon (IFN-γ) atraem para o local monócitos da circulação e os ativam com a determinação de matar o bacilo. A imunidade celular inibe o crescimento bacteriano pela ativação dos macrófagos.  Hipersensibilidade do tipo tardia é parte da resposta imune celular, estando envolvidas as células T CD4+, as T CD8+ e as T killer que destroem os macrófagos locais, o tecido circunjacente e causa necrose caseosa. A hipersensibilidade inibe a multiplicação bacteriana pela destruição dos macrófagos não ativados, impedindo sua disseminação e tendendo a mantê-los em estado de latência. IMUNOPATOGÊNESE  Esse processo forma-se um tubérculo constituído de macrófagos e bacilos juntamente com as células epitelióides, de Langerhans e os linfócitos T. O tubérculo transforma em um granuloma.
  10. 10.  Caso não haja resposta imune celular eficiente, novas lesões vão aparecendo, até a formação de uma área necrótica, cujo tamanho dependerá do número de bacilos, da sua virulência e das reações do hospedeiro.  Em pacientes imunocompetentes, o granuloma torna-se inativo e é enclausurado em uma cápsula fibrosa, que pode calcificar-se, e a infecção fica sob controle.  Os bacilos que se encontram dentro dessas lesões, apesar de poderem ser recuperados durante muitos anos, estão em estado de latência, crescem muito lentamente, e os poucos que escapam do controle são rapidamente destruídos. IMUNOPAGOGÊNESE
  11. 11.  Nos indivíduos com imunodepressão, devido à falha da resposta imune, o processo caseoso é circundado por uma camada de macrófagos pouco ativados, o que permite o crescimento da população bacteriana intracelular. A reação de hipersensibilidade tardia destrói esses macrófagos, liberando os bacilos, com expansão e disseminação da doença.  Mesmo nos imunocompetentes, a doença pode progredir quando ocorre liquefação e formação de cavidade.  O recém-nascido e a criança pequena têm maior probabilidade de desenvolver a doença disseminada devido à imaturidade dos sistemas imune celular, humoral e local pulmonar. IMUNOPAGOGÊNESE
  12. 12. Estágios da tuberculose na criança:  exposição  infecção  doença
  13. 13.  Tuberculose Primária  Tuberculose pós - primária - Tipo adulto  Outras formas de tuberculose: cutânea, peritonite, urinária, sistema osteoarticular, etc.
  14. 14. Vias de penetração do bacilo  gotículas de Pflugge  núcleos de Wells
  15. 15. Complexo Primário  Cancro de inoculação (nódulo de Ghon)  Linfangite intermediária  Reação ganglionar satélite
  16. 16. Evolução do Complexo Primário  Cura  Progressão para a doença
  17. 17. Progressão local  Infiltração primária  Pneumonia caseosa
  18. 18. Progressão via broncogênica:  Tuberculose endobrônquica  Broncopneumonia tuberculosa  Derrame pleural
  19. 19. Disseminação hematogênica e linfo-hematogênica Disseminação generalizada:  Tuberculose miliar  Meningite tuberculosa
  20. 20. Prova Tuberculínica (2 UT de PPD RT-23)  0 a 4 mm - não reator  5 a 9 mm - reator fraco  Acima de 10 mm - reator forte DIAGNÓSTICO
  21. 21.  Pesquisa do Agente Etiológico (baar) Cultura no meio de Lowenstein-Jensen (6-8 sem.)  Biópsias DIAGNÓSTICO Novas técnicas laboratoriais:  Cultura rápida pelo Bactec ® (1-3 sem.)  PCR  Exames imunológicos: ELISA, aglutinação do látex, radioimunoensaio, imunoblot  ADA  Níveis de linfócitos CD4+, imunoglobulinas e fribrinocectina no material de lavado alveolar
  22. 22. Interpretação diagnóstica:  História Clínica e epidemiológica de contato com foco domiciliar ou extra domiciliar  Exame Físico compatível  Raios X de Tórax sugestivo  Positividade da Reação Tuberculínica DIAGNÓSTICO
  23. 23. Considerar a possibilidade de TB em crianças que:  não ganham bem peso;  não se recuperam completamente de doenças comuns;  apresentam febre prolongada ou intermitente, adenomegalia de etiologia não esclarecida, infecções respiratórias com evolução incomum ou arrastada com “qualquer apresentação clínica ou radiológica”;  sejam contactantes domiciliares de TB diagnosticada ou de tossidores crônicos. DIAGNÓSTICO
  24. 24. PROFILAXIA:  Vacinação BCG  Quimioprofilaxia
  25. 25. Quimioprofilaxia: Dose: 10 mg/kg/dia de Isoniazida Duração: 6 meses
  26. 26. Quimioprofilaxia primária:  Indivíduos não infectados previamente pelo M. tuberculosis. A maior indicação é para recém nascidos comunicantes de bacilíferos.  Dar a INH durante 3 meses, e realizar o teste tuberculínico no terceiro mês. Teste reator: manter a INH até 6 meses; Não reator: suspender a INH e vacinar BCG.
  27. 27. Quimioprofilaxia secundária:  Indicada nos indivíduos previamente infectados: crianças menores de cinco anos, não vacinadas com BCG, assintomáticas, com Rx de tórax normal, reatoras fracas ou fortes ao teste tuberculínico, comunicantes de bacilíferos;  situações clínicas especiais, em indivíduos com maior risco de adoecer, como nas doenças com depressão do sistema imunológico, durante o uso de imunossupressor ou na corticoterapia prolongada em comunicantes intradomiciliares de bacilíferos, sob criteriosa decisão médica.
  28. 28. TRATAMENTO Esquema I – Todas as formas de tbc - pulmonar e extrapulmonar (exceto meningite) 1ª fase (2 meses) Rifampicina (RMP) (10mg/kg) Isoniazida (INH) (10mg/kg) Pirazinamida (PZA) (35mg/kg) 2ª fase (4 meses) Rifampicina (RMP) (10mg/kg) Isoniazida (INH) (10mg/kg)
  29. 29. TRATAMENTO Esquema II – Meningite tuberculosa 1ª fase (2 meses) Rifampicina (RMP) (20mg/kg) Isoniazida (INH) (20mg/kg) Pirazinamida (PZA) (35mg/kg) 2ª fase (7 meses) Rifampicina (RMP) (20mg/kg) Isoniazida (INH) (20mg/kg)
  30. 30. F i m
  1. A particular slide catching your eye?

    Clipping is a handy way to collect important slides you want to go back to later.

×