Terapia nutricional em hipertensao e diabetes melitus

911 views

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
911
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
21
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Terapia nutricional em hipertensao e diabetes melitus

  1. 1. Secretaria de Estado da Saúde - SESAU Superintendência de Assistência em Saúde – SUAS Diretoria de Atenção Básica - DAB Gerência do Núcleo do Programa Saúde e Nutrição Sybelle de Araujo Cavalcante Nutricionista
  2. 2. Objetivos Prevenir e tratar as complicações crônicas do DM e HAS; Alcançar e manter os níveis de glicose no limite normalAlcançar e manter os níveis de glicose no limite normal ou mais perto do normal, perfil de lipoproteínas e de lipídios adequados, pressão arterial controlada, nutrição adequada levando em consideração as necessidades, preferências, cultura e estilo de vida do indivíduo.
  3. 3. Metas Glicose plasmática (Glicose plasmática (mgmg/dl)/dl) jejum 110 (ideal) e 126 (aceitável) 2h pós prandial 140 ideal e 160 (aceitável) GlicohemoglobinaGlicohemoglobina (%) < 6,5 ColesterolColesterol ((mgmg/dl)/dl) Total < 200 HDL > 45 e LDL < 100 Pressão Arterial (Pressão Arterial (mmHgmmHg)) Sistólica < 135 e diastólica < 80
  4. 4. Avaliação Nutricional Avaliação básica dados antropométricos (peso, altura, circunferência abdominal). Indicador é o IMC (P/A2) Índice de massa corporal 18 a < 60 anos > 60 anos IMCIMC Estado NutricionalEstado Nutricional > 40 Obesidade III 35-39,9 Obesidade II 30-34,9 Obesidade I 25-24,9 Pré obeso/sobrepeso > 27 18,5-24,9 Eutrofia 22-27 <18,5 Baixo peso < 22
  5. 5. Medida da circunferência abdominal Indica predisposição ou não para problemas cardiovasculares. Sexo Aumentada Muito Aumentada Masculino > 94 >102 Feminino > 80 > 88
  6. 6. Necessidades energéticas totais Indivíduo necessidades varia de uma pessoas para outra. É baseada no estado nutricional e no estilo de vida. Cálculo do VET método práticoCálculo do VET método prático Estado Nutricional IMC Homens Mulheres Nutricional Baixo peso <18,5 PA x 40-50Cal PA x 35-45Cal Eutrófia 18,5-24,9 PA x 30-40Cal PA x 25-35Cal Sobrepeso 25-24,9 PD x 30-35Cal PD x 25-35Cal Obesidade >30 PD x 30-35Cal PD x 25-35Cal IdososIdosos PD x 25-40Cal PD x 25-30Cal PA= PESO ATUAL / PD= PESO DESEJÁVEL (IMC DESEJÁVEL x ALTURA 2)
  7. 7. IMC desejável Homens 22 kg/m2 Mulheres 20,8 kg/m2 Idoso homem 25 kg/m2 Idoso mulher 23,8 kg/m2
  8. 8. Plano Alimentar Deve fornecer todos nutrientes na quantidade e proporção adequada ao organismo. De acordo com a pirâmide alimentar.
  9. 9. Nutrientes necessários CarboidratosCarboidratos Fornece energia – 1g = 4kcal Deve representar 60-70% das calorias do plano alimentar Cereais integrais, frutas, verduras, leite desnatado Sacarose pode ser consumida eventualmente, uma vez que não aumenta glicemia mais que o amido.
  10. 10. GordurasGorduras Energéticos extras – 1g = 9kcal Deve representar 30% das calorias do plano alimentar; Saturada até 7% se LDL for > 100mg/dl Poliinsaturada até 10% - Óleos vegetais, milho, girassol, e peixes (sardinha, cavala, arenque e salmão)
  11. 11. GordurasGorduras Monoinsaturadas 20% - Azeite de oliva, óleo de canola, abacate, oleaginosas.canola, abacate, oleaginosas. Colesterol < 300mg/dia . Recomenda-se < 200mg/dia quando o LDL for > 100mg/dl.
  12. 12. ProteínasProteínas Tem função estrutural 1g=4kcal; Deve representar 15-20% do plano alimentar; No caso de DM com função renal normal não há necessidade de restrição nesse percentual; Preferir carne magra e leite/derivados desnatados; Ovos apenas 2 vezes na semana.
  13. 13. Vitaminas e MineraisVitaminas e Minerais Deve-se consumir de 2 a 4 porções de frutas (sendo 1 rica em vit. C) e de 3 a 5 de hortaliças cruas e1 rica em vit. C) e de 3 a 5 de hortaliças cruas e cozidas. Em idosos com DM é recomendado de 1000 a 1500mg/dia de Ca (leite e derivados, folhosos verdes escuros).
  14. 14. SalSal Até 6 g/dia ou 2,4g de Na que equivale a 4 colheres rasas de sal;rasas de sal; 4g de sal e 2g do próprio alimento; Deve-se evitar alimentos industrializados, embutidos, enlatados, conservas, defumados e etc.; Retirar o saleiro da mesa na momento das refeições.
  15. 15. FibrasFibras Importante papel no bom funcionamento do aparelho digestivo, integridade da mucosa intestinal, diminui a intolerância a glicose e melhora o perfil lipídico. Solúveis (pectinas e gomas) – retarda o esvaziamento gástrico e o trânsito intestinal, torna mais lenta a absorção da glicose, diminui os níveis de colesterol. Insolúveis (celulose, hemicelulose e lignina) – dá saciedade, acelera o trânsito intestinal. Recomenda-se de 20-30g/dia.
  16. 16. ÁguaÁgua Elemento mais importante para manutenção da vida, tem função reguladora, no transporte devida, tem função reguladora, no transporte de nutrientes, eliminação de toxinas, regula a temperatura corporal. Em situações normais recomenda-se uso mínimo de 2l/dia.
  17. 17. Fracionamento do Plano alimentar Importante para o equilíbrio da ação dos medicamentos e a liberação de glicose, evitando flutuações dos níveis séricos da mesma.flutuações dos níveis séricos da mesma. Deve ser distribuído em 3 grandes refeições e de 2 a 3 lanches intermediários. Importante o uso da lista de alimentos equivalentes e de contagem de carboidrato.
  18. 18. Alimentos Diet e light A definição de alimento light deve ser empregada nos produtos que apresentem redução mínima de 25% em determinado nutriente ou calorias comparado com o alimento convencional. Dessa maneira, a primeira diferença entre o alimento diet e light está na quantidade permitida de nutriente. Enquanto que o diet precisa ser isento, o light deve apresentarpermitida de nutriente. Enquanto que o diet precisa ser isento, o light deve apresentar uma diminuição mínima de 25% de nutrientes ou calorias em relação ao alimento convencional. A segunda diferença é conseqüência da primeira: o alimento light não é, necessariamente, indicado para pessoas que apresentem algum tipo de doença como diabetes, colesterol elevado, celíacos ou fenilcetonúricos. Confusão é fácil de acontecer; por isso, deve-se ler os rótulos com muita atenção.
  19. 19. Alcóol Não é recomendado o uso habitual; Excesso: aumento da PA e peso, risco de hipoglicemiahipoglicemia Para reduzir o risco de hipoglicemia deve ser consumida com alimentos; 2 doses para homens e 1 dose para mulheres 1 dose equivale: 360 ml de cerveja, 150 ml vinho, 45 ml de água destilada.
  20. 20. 1ª Consulta de nutrição 1º passo avaliação nutricional e cálculo do VET. 2º passo Fazer o plano alimentar. 3º passo explicar o plano e alista de equivalentes. 4º passo Reforçar as necessidades dos lanches.4º passo Reforçar as necessidades dos lanches. 5º passo Encaminhar 0 paciente para os demais profissionais e incentivar a participação em grupos educativos.
  21. 21. 2ª Consulta de nutrição 1º passo repetir a avaliação nutricional 2º passo verificar a glicemia e a PA. 3º passo Investigar sinais e sintomas. 4º passo Avaliar as necessidades de ajustes no plano4º passo Avaliar as necessidades de ajustes no plano alimentar. 5º passo Reforçar as orientações da lista de equivalentes e esclarecer dúvidas. 6º passo Encaminhar 0 paciente para os demais profissionais e incentivar a participação em grupos educativos.
  22. 22. sybelle.araujo@saude.al.gov.brsybelle.araujo@saude.al.gov.br Obrigada!!

×