• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Sinovite transitória, artrite séptica, osteomielite
 

Sinovite transitória, artrite séptica, osteomielite

on

  • 3,155 views

 

Statistics

Views

Total Views
3,155
Views on SlideShare
3,155
Embed Views
0

Actions

Likes
1
Downloads
39
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Sinovite transitória, artrite séptica, osteomielite Sinovite transitória, artrite séptica, osteomielite Presentation Transcript

    • Sinovite transitória do quadrilArtrite sépticaArtrite sépticaOsteomieliteDr Marcio Cunha
    • Sinovite transitória do Quadril• “É a principal causa de claudicação na criança!”• Principal diagnóstico diferencial para artritesépticaséptica• Acomete principalmente crianças com idadeentre 3 e 8 anos.
    • Sinovite transitória do Quadril• Quadro clínico:– Início rápido– Dor quadril, coxa ou joelho– Limitação da mobilidade– Limitação da mobilidade– Claudicação– Antecedente de infecção de vias aéreasrecente
    • Sinovite transitória do Quadril• Diagnóstico diferencial para artrite séptica:– Raramente temperatura > 38 graus– Estado geral preservado– Estado geral preservado– Exames laboratoriais normais– RX normal– USG: + (sem debris)
    • Sinovite transitória do Quadril• Diagnóstico:– Clínico– Punção articular às vezes se faz necessária– Punção articular às vezes se faz necessária• Leucócitos < 5000 a 15000/mm3, com 25%PMN
    • Sinovite transitória do Quadril• Tratamento;– Repouso– Analgesia– Descarga– Descarga– Alívio da dor ocorre em média de 10 diasNão deixa sequelas!!!!!!
    • Osteomielite Hematogênica• Definição: Infecção do osso• Pode se manifestar de 2 formas:– Aguda (metafisária)– Aguda (metafisária)– Subaguda (qualquer localização óssea)
    • Osteomielite Hematogênica Aguda• Epidemiologia:– Mais comum na primeira década– Levemente predominante no sexo masculino– Levemente predominante no sexo masculino– Secundária a bacteremia.
    • Osteomielite Hematogênica Aguda• Somente acomete áreametafisária dos ossoslongos1. Fêmur distal2. Tíbia proximal3. Úmero proximal
    • Osteomielite Hematogênica Aguda• Fisiopatologia– Teoria vascular: (teoria de Hobo)• Artérias nutrientes terminais sinusóidesvenosos• Região com baixa velocidade de fluxo• Poucas células de defesa• Multiplicação de bactérias
    • Osteomielite Hematogênica Aguda• Fisiopatologia– Anatomia Celular:• Região metafisária tem menos células do• Região metafisária tem menos células dosistema retículo endotelial• O nicho infeccioso é na região metafisária
    • Osteomielite Hematogênica Aguda
    • Osteomielite Hematogênica Aguda• Fisiopatologia– Anatomia Celular:• Cortical metafisária é mais fina• Metáfises intra-capsulares• No recém-nato os vasos metafisáriosatravessam a placa fisária podendo causarartrite séptica secundária (Artromielite)
    • Osteomielite Hematogênica Aguda
    • Osteomielite Hematogênica Aguda• Fisiopatologia– Traumática• Apenas o trauma não causa osteomielite• Apenas o trauma não causa osteomielite• Deve existir associada uma bacteremia!!
    • Osteomielite Hematogênica Aguda• Principais germes:– Staphylococcus aureus – (60 a 90%)– Streptococcus – (20 a 50% RN )– Streptococcus – (20 a 50% RN )– Gran negativos – (5% RN)
    • Osteomielite Hematogênica Aguda• Diagnóstico– Anamnese:• História de bacteremia(apenas 30%)• Identificar porta de entrada• Identificar porta de entrada• Trauma: retarda o diagnóstico– Começou a claudicar logo após o trauma?
    • Osteomielite Hematogênica Aguda• Diagnóstico– Exame Físico• Sinais gerais• DOR METAFISÁRIA (PRESSÃO DIGITAL)• DOR METAFISÁRIA (PRESSÃO DIGITAL)• Dor óssea que piora com a movimentação do membro• Febre• Recusa de apoio do membro• Sinais flogísticos locais (CELULITE)• RN:– Irritabilidade e recusa alimentar– febre pode estar ausente– Pseudoparalisia
    • Osteomielite Hematogênica Aguda• Diagnóstico– Exames Laboratoriais:• Hemograma• Hemograma• VHS• PCR• Hemocultura ( 40% dos casos)• Gram imediato• Aspirado ósseo e biópsia.
    • Osteomielite Hematogênica Aguda• Diagnóstico– RX• Essencial principalmente para avaliar diagnósticosdiferenciais• Primeiros dias: edema de partes moles (Celulite).• Primeiros dias: edema de partes moles (Celulite).• 5- 7 dias: desmineralização metafisária leve e aumentode partes moles• 10 a 15 dias: periostite (formação de camadas de ossolamelar por aposição – “ casca de cebola”)• >15 dias: nova formação ósseasubperiosteal(Involocrum)• Seqüestro ósseo(OMC).
    • Rx simples tardio
    • CintilografiaHipercaptaçãoHipocaptação(abscesso)
    • RM
    • Osteomielite Hematogênica Aguda• Diagnóstico Diferencial– Contusão (eleva PCR , mas não o VHS)– Sinovite transitória quadril– Sinovite transitória quadril– Leucemia(Hemograma)– Sarcoma de Ewing(biópsia)
    • Osteomielite Hematogênica Aguda• Fase áurea do tratamento é a fase decelulite.(Primeiras 48 h)• Tentar identificar o germe através depunção óssea e hemocultura antes depunção óssea e hemocultura antes deiniciar antibioticoterapia.• Não melhora após 72h de tratamento=drenagem cirúrgica
    • Osteomielite Hematogênica Aguda• Tratamento– Antibioticoterapia:• 0-2 m: oxacilina + gentamicina• 0-2 m: oxacilina + gentamicina• 3 m – 5a: oxacilina + cefalo 2• > 5 a: oxacilina
    • Osteomielite Hematogênica Aguda• Tratamento– Antibiótico venoso X oral• Início sempre venoso (mínimo 10 dias)• Oral até completar 6 semanas• Troca do antibiótico venoso para o oral dependedos parâmetro clínicos e do declínio do PCR
    • Osteomielite Hematogênica Aguda• Complicações– Septicemia– Artrite séptica– Artrite séptica– Osteomielite Crônica– Destruição da placa fisária– Fratura patológica (Sempre imobilizar omembro drenado).
    • Osteomielite Hematogênica AgudaComplicações
    • Osteomielite Hematogênica AgudaResumo• Infeçcão óssea grave• Diagnóstico é principalmente clínico• Sempre tentar isolar o germe• Sempre tentar isolar o germe• S.aureus principal agente• Tratamento precoce é crucial
    • Artrite Séptica• Infecção bacteriana da articulaçãobactéria sinovial• primariamente por via hematogênica - bacteremia• secundariamente a uma OAH - metáfise(intra-articularcomo: ombro,quadril,tornozelo,cotovelo) ou epífise• outras formas de contaminação articular
    • Artrite SépticaAS - Fatores predisponentes• Trauma (?)• Fatores relacionados a resistência do hospedeiro• Fatores relacionados a resistência do hospedeiro– Desnutrição– Imunodeficiência
    • Artrite SépticaO tecido sinovial é único• Não tem membrana basal• Secreta um fluido que é um filtrado do• Secreta um fluido que é um filtrado dosangueAmbiente articular - excelente meio de cultura para odesenvolvimento de bactérias
    • Artrite SépticaProcesso inflamatório é uma “faca de dois gumes”• Procura eliminar a bactéria• Promove a destruição articular• Promove a destruição articularPerda de glicosaminoglicanos – (antes de 8 horasapós o início da infecção)Destruição do colágeno (ao redor do 9º dia)
    • Artrite SépticaDiagnóstico• Anamnese• Quadro clínico• Quadro clínico• Quadro laboratorial• Diagnóstico por imagem
    • Artrite SépticaAnamnese• DorIrritabilidade,pseudoparalisia, claudicação,Irritabilidade,pseudoparalisia, claudicação,incapacidade para a marcha etc…)• Antecedente traumático• Doenças anteriores (tracto respiratório,varicela etc…)
    • Artrite SépticaQuadro clínico / Comprometimento sistêmico• Dor a mobilização do membro acometido• Anorexia• Anorexia• Febre, taquicardia• Fáscies de sofrimentoalgumas vezes o paciente pode se apresentarcom o estado geral muito comprometido
    • Artrite SépticaDiagnóstico laboratorial / Exames• Leucocitose com desvio para esquerda• Leucocitose com desvio para esquerda(cuidado com os RN)• VHS aumentado• PCR aumentado(Melhor para controleterapêutico)
    • Artrite SépticaVHS• Não específico• Elevado (48 a 72hs em 90%)• Regride na primeira semana do tratamento• Regride na primeira semana do tratamento• Retorna ao normal (2 a 4 semanas apóstérmino do quadro infeccioso)• Não fidedigno (RN, anemia significativa,anemia falciforme, uso de esteróides)
    • Artrite SépticaPCR• Elevada (entre 6 a 50 hs após o início dainfecção em 98% casos)• Meia-vida curta (melhora rapidamente com• Meia-vida curta (melhora rapidamente comtratamento adequado)Unkila-Kalio et al. Pediatrics 1994 - ajuda maisno diagnóstico precoce e na qualidade dotratamento que o VHS
    • Artrite SépticaDiagnóstico laboratorialProcura pela bactéria• Hemocultura• Punção articular (gram imediato)
    • Artrite SépticaProcura pela bactériaHemocultura• Indispensável - freqüentemente determinao agente etiológico (30/50%)
    • Artrite SépticaPunção articular• Análise do aspecto do líquidosinovial (purulento)• Contagem de células (acima de• Contagem de células (acima de50.000/mm³)• Bacterioscopia (30% a 50% +)• Cultura do aspirado (50% a 80% +)
    • Artrite SépticaDiagnóstico por imagem• Radiologia convencional• Cintilografia• Ultra-som• Imagem multiplanar – TAC/RM
    • Artrite SépticaRadiologia convencional• Distensão capsular• Aumento do espaço• Aumento do espaçoarticular• Subluxação / lesõesmetafisárias (tardias)
    • Artrite Séptica- Ultrasonografia• Identifica o derramearticular (100%)• Características físicas• Pode orientar a punçãoarticular
    • Artrite Séptica- Diagnóstico diferencial• Sinovite transitória• Artrite reumatóide• Artrite reumatóide• Febre reumática• Púrpura de Henoch-Schöenlein
    • Artrite SépticaDiagnóstico diferencialSinovite Transitória do QuadrilCritérios de Kocher• Impossibilidade de apoiar o membro• Febre• VHS acima de 40mm/h• Leucocitose acima de 12.000 mm³Kocher et al. JBJS Am 1999;81:1662-70
    • Artrite SépticaTratamento• Identificar a bactéria e sua sensibilidade• Selecionar o antibiótico correto• Administrar o antibiótico na concentração etempo adequados (grande concentraçãosinovial)• No joelho punções podem ser repetidas• Imobilizar o membro
    • Agente etiológicoArtrite Séptica• Staphylococcus de longe mais frequente (todasas idades)as idades)• Streptococcus do Grupo –B (RN)• Kingella kingae• Haemophilus influenzae (cultura difícil – CO2 )
    • Artrite SépticaAdolescentes• Staphylococcus aureus• Staphylococcus aureus• Neisseria gonorrhoeae• Clamidia
    • Artrite SépticaSelecionar o antibiótico• Cefalosporina (cefotaxime / ceftriaxona)• Aminoglicosídeo
    • Tempo de medicaçãoNão existe regra determinadaUma localização• ATB parenteral (10 dias)• ATB oral (até 6 semanas)
    • Antibióticoterapia• Um método para determinar a eficácia daantibioticoterapia é a resposta clínica doantibioticoterapia é a resposta clínica dopaciente• Hemograma, VHS e PCR
    • Artrite SépticaArtrite Séptica - Bloquear a lesão tecidualUrgência cirúrgica• a lesão da cartilagem de revestimentoarticular ocorre precocemente (antes do 5ºarticular ocorre precocemente (antes do 5ºdia)• Tratamento clínico é a exceção (joelho,tornozelo)• Artrite séptica do quadril - tratamentoconservador é o CIRÚRGICO(George Lloyd Roberts)
    • Obrigado!!!