Hipertensão arterial - diagnostico e classificação

2,096 views

Published on

Published in: Health & Medicine
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
2,096
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
22
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Hipertensão arterial - diagnostico e classificação

  1. 1. 1HipertensãoArterial -HipertensãoArterial -Diagnóstico e ClassificaçãoO diagnóstico da hipertensão arterial é basicamente estabe-lecido pelo encontro de níveis tensionais permanentemente ele-vados acima dos limites de normalidade, quando a pressão arte-rial é determinada por meio de métodos e condições apropria-dos. Portanto, a medida da pressão arterial é o elemento-chavepara o estabelecimento do diagnóstico da hipertensão arterial.Medida Indireta da Pressão ArterialA medida da pressão arterial, pela sua importância, deveser estimulada e realizada, em toda avaliação de saúde, pormédicos de todas as especialidades e demais profissionais daárea de saúde.O esfigmomanômetro de coluna de mercúrio é o ideal paraessas medidas. Os aparelhos do tipo aneróide, quando usados,devem ser periodicamente testados e devidamente calibrados.A medida da pressão arterial deve ser realizada na posição sen-tada, de acordo com o procedimento descrito a seguir:1 - Explicar o procedimento ao paciente.2 - Certificar-se de que o paciente:• não está com a bexiga cheia;• não praticou exercícios físicos;• não ingeriu bebidas alcoólicas, café, alimentos,ou fumou até 30 minutos antes da medida.3 -Deixar o paciente descansar por 5 a 10 minutos em ambi-ente calmo, com temperatura agradável.4 - Localizar a artéria braquial por palpação.5 - Colocar o manguito firmemente cerca de 2 cm a 3 cmacima da fossa antecubital, centralizando a bolsa de borrachasobre a artéria braquial.A largura da bolsa de borracha do man-guito deve corresponder a 40% da circunferência do braço e seucomprimento, envolver pelo menos 80% do braço.Assim, a lar-gura do manguito a ser utilizado estará na dependência da cir-cunferência do braço do paciente (Tabela I).6 - Manter o braço do paciente na altura do coração.7 - Posicionar os olhos no mesmo nível da coluna de mercú-rio ou do mostrador do manômetro aneróide.8 - Palpar o pulso radial e inflar o manguito até seu desapa-recimento, para a estimativa do nível da pressão sistólica, desin-flar rapidamente e aguardar de 15 a 30 segundos antes de inflarnovamente.9 -Colocar o estetoscópio nos ouvidos, com a curvatura vol-tada para a frente.10 - Posicionar a campânula do estetoscópio suavementesobre a artéria braquial, na fossa antecubital, evitando compres-são excessiva.11 - Solicitar ao paciente que não fale durante o procedi-mento de medição.12 - Inflar rapidamente, de 10 mmHg em 10 mmHg, até onível estimado da pressão arterial.13 - Proceder à deflação, com velocidade constante inicialde 2 mmHg a 4 mmHg por segundo, evitando congestão venosae desconforto para o paciente.14 - Determinar a pressão sistólica no momento do apareci-mento do primeiro som (fase I de Korotkoff), que se intensificacom o aumento da velocidade de deflação.15 - Determinar a pressão diastólica no desaparecimento dosom (faseV de Korotkoff), exceto em condições especiais.Aus-cultar cerca de 20 mmHg a 30 mmHg abaixo do último sompara confirmar seu desaparecimento e depois proceder à defla-ção rápida e completa. Quando os batimentos persistirem até onível zero, determinar a pressão diastólica no abafamento dossons (fase IV de Korotkoff).16 - Registrar os valores das pressões sistólica e diastólica,complementando com a posição do paciente, o tamanho domanguito e o braço em que foi feita a mensuração. Deverá serregistrado sempre o valor da pressão obtido na escala do manô-metro, que varia de 2 mmHg em 2 mmHg, evitando-se arredon-damentos e valores de pressão terminados em “5”.17 - Esperar 1 a 2 minutos antes de realizar novas medidas.18 -O paciente deve ser informado sobre os valores da pres-são arterial e a possível necessidade de acompanhamento.ATabela I a seguir apresenta os diferentes tamanhos de man-guito, de acordo com a circunferência do braço.CAPÍTULO 1III-CBHA.pm6 20/12/01, 15:311
  2. 2. 2III CBHAPara a medida da pressão arterial na coxa, o procedimento éo seguinte:• Utilizar manguito de tamanho adequado, colocado no ter-ço inferior da coxa.• Colocar o paciente em decúbito ventral.• Realizar a ausculta na artéria poplítea.Na medida da pressão arterial na posição ereta, o braço deveser mantido na altura do coração, com apoio. Na presença defibrilação atrial, pela dificuldade de determinação da pressãoarterial, deverão ser considerados os valores aproximados. Nosindivíduos idosos, portadores de disautonomia, alcoólatras e/ouem uso de medicação anti-hipertensiva, a pressão arterial deveser medida também na posição ortostática.Tomadas na consulta -Em cada consulta, deverão ser realiza-das no mínimo duas medidas, com intervalo de 1 a 2 minutos entreelas; caso as pressões diastólicas obtidas apresentem diferençassuperiores a 5 mmHg, sugere-se que sejam realizadas novas aferi-ções, até que seja obtida medida com diferença inferior a esse va-lor. De acordo com a situação clínica presente, recomenda-se queas medidas sejam repetidas em pelo menos duas ou mais visitas.Asmedições na primeira avaliação devem ser obtidas em ambos osmembros superiores. As posições recomendadas na rotina para amedida da pressão arterial são sentada e/ou deitada.Medida Domiciliar eAutomedida da Pressão ArterialEsses procedimentos são úteis para:• identificar a hipertensão do avental branco (hipertensão deconsultório isolada);• avaliar a eficácia da terapêutica anti-hipertensiva;• estimular a adesão ao tratamento; e• reduzir custos.Os aparelhos eletrônicos devidamente validados e calibra-dos são os mais indicados para a medida da pressão arterial do-miciliar. Os aparelhos de coluna de mercúrio e os aneróides po-dem ser usados, desde que calibrados e após treinamento apro-priado. Os aparelhos de medida da pressão arterial no dedo nãosão recomendados.Apesar de ainda não existir consenso quanto aos valores denormalidade para a medida da pressão arterial domiciliar, con-sideram-se valores normais até 135/85 mmHg.Medida Ambulatorial daPressãoArterial (MAPA)A MAPA é um método automático de medida indireta e in-termitente da pressão arterial durante 24 horas, enquanto o pa-ciente realiza suas atividades rotineiras, inclusive durante o sono.Estudos têm demonstrado que esse método apresenta melhorcorrelação com risco cardiovascular do que a medida da pres-são arterial de consultório. As principais indicações para o usodesse método, de acordo com o II Consenso de MAPA, estãoapresentadas no Quadro 1.É importante ressaltar que ainda não existe evidência deque esse método deva ser empregado na avaliação rotineirado paciente hipertenso, não substituindo, portanto, a avalia-ção clínica do paciente e a medida da pressão arterial de con-sultórioCircunferência Denominação Largura Comprimentodo braço (cm) do manguito da bolsa (cm) da bolsa (cm)5-7,5 Recém-nascido 3 57,5-13 Lactente 5 813-20 Criança 8 1317-24 Adulto magro 11 1724-32 Adulto 13 2432-42 Adulto obeso 17 3242-50 Coxa 20 42TabelaIDimensões recomendadas da bolsa inflável do manguito (“American Heart Association”).III-CBHA.pm6 20/12/01, 15:312
  3. 3. 3Situações Especiais deMedida da Pressão ArterialCriançasA determinação da pressão arterial em crianças é recomen-dada como parte integrante de sua avaliação clínica. À seme-lhança dos critérios já descritos para adultos:1)A largura da bolsa de borracha do manguito deve corres-ponder a 40% da circunferência do braço.2) O comprimento da bolsa do manguito deve envolver 80%a 100% da circunferência do braço.3) A pressão diastólica deve ser determinada na fase V deKorotkoff.IdososNa medida da pressão arterial do idoso, existem dois aspec-tos importantes:1) Maior freqüência de hiato auscultatório, que subestima averdadeira pressão sistólica.2) Pseudo-hipertensão, caracterizada por nível de pressãoarterial falsamente elevado em decorrência do enrijecimento daparede da artéria. Pode ser detectada por meio da manobra deOsler, que consiste na inflação do manguito até o desapareci-mento do pulso radial. Se a artéria continuar palpável após esseprocedimento, o paciente é considerado Osler positivo.GestantesDevido às alterações na medida da pressão arterial em dife-rentes posições, atualmente recomenda-se que a medida da pres-são arterial em gestantes seja feita na posição sentada.A deter-minação da pressão diastólica deverá ser considerada na faseVde Korotkoff. Eventualmente, quando os batimentos arteriaispermanecerem audíveis até o nível zero, deve-se utilizar a faseIV para registro da pressão arterial diastólica.ObesosEm pacientes obesos, deve-se utilizar manguito de tamanhoadequado à circunferência do braço (Tabela I). Na ausência deste,pode-se:• corrigir a leitura obtida com manguito padrão (13 cm x 24cm), de acordo com a tabelas próprias;• usar fita de correção aplicada no manguito; e• colocar o manguito no antebraço e auscultar a artéria radi-al, sendo esta a forma menos recomendada.Critérios Diagnósticose ClassificaçãoQualquer número é arbitrário e qualquer classificação, insu-ficiente. A necessidade de sistematização obriga uma definiçãooperacional para separar indivíduos sãos dos doentes. Na realida-de, podemos ter maior ou menor risco cardiovascular tanto acimacomo abaixo do número limítrofe, quando o paciente é conside-rado individualmente. Pelo exposto, enfatiza-se a necessidade deextrema cautela antes de rotular alguém como hipertenso, tantopeloriscodefalso-positivocomopelarepercussãonaprópriasaúdedo indivíduo e o custo social resultante. Aceita-se como normalpara indivíduos adultos (com mais de 18 anos de idade) cifrasinferiores a 85 mmHg de pressão diastólica e inferiores a 130mmHg de pressão sistólica (Tabela II).A inclusão do grupo com cifras tensionais normal limítrofede 130-139 mmHg/85-89 mmHg deve-se ao fato de que essesindivíduos se beneficiarão com as medidas preventivas.A Tabela III apresenta os valores da pressão arterial refe-rentes aos percentis 90 e 95 de pressão arterial em crianças ejovens de acordo com os percentis 50 e 75 de estatura:• valores abaixo do percentil 90 = normotensão;• entre os percentis 90 e 95 = normal limítrofe;• acima do percentil 95 = hipertensão arterial.HIPERTENSÃO ARTERIAL - DIAGNÓSTICO E CLASSIFICAÇÃO• Hipertensão de consultório (hipertensão do avental branco)• Hipertensão arterial limítrofe• Hipertensão episódica• Avaliação do efeito terapêutico anti-hipertensivo, quando existirem dúvidas no controle da pressão arterial em 24 horas• Outras: sintomas sugestivos de hipotensão, suspeita de disfunção autonômica, episódios de síncope e pesquisa clínicaIndicações para a MAPA.Quadro 1III-CBHA.pm6 20/12/01, 15:313
  4. 4. 4III CBHAPAD PAS(mmHg) (mmHg) Classificação< 85 < 130 Normal85-89 130-139 Normal limítrofe90-99 140-159 Hipertensão leve (estágio 1)100-109 160-179 Hipertensão moderada (estágio 2)> 110 > 180 Hipertensão grave (estágio 3)< 90 > 140 Hipertensão sistólica isoladaTabela IIClassificação diagnóstica da hipertensão arterial (> 18 anos de idade).1 50 th (76) 98/53 102/57 50 th (74) 100/54 104/5875 th (78) 100/54 104/58 75 th (77) 102/55 105/593 50 th (97) 105/61 109/65 50 th (96) 103/62 107/6675 th (99) 107/62 111/66 75 th (98) 104/63 108/676 50 th (116) 110/70 114/74 50 th (115) 107/69 111/7375 th (119) 111/70 115/75 75 th (118) 109/69 112/739 50 th (132) 113/74 117/79 50 th (132) 113/73 117/7775 th (136) 115/75 119/80 75 th (137) 114/74 118/7812 50 th (150) 119/77 123/81 50 th (152) 119/76 123/8075 th (155) 121/78 125/82 75 th (155) 120/77 124/8115 50 th (168) 127/79 131/83 50 th (161) 124/79 128/8375 th (174) 129/80 133/84 75 th (166) 125/80 129/8417 50 th (176) 133/83 136/87 50 th (163) 125/80 129/8475 th (180) 134/84 138/88 75 th (167) 126/81 130/85Valores da pressão arterial em crianças e adolescentes.Tabela IIISEXO MASCULINO SEXO FEMININOEstatura: Pressão arterial Estatura: Pressão arterialpercentil (mmHg) percentil (mmHg)Idade e valor e valor(anos) em cm Percentil 90 Percentil 95 em cm Percentil 90 Percentil 95III-CBHA.pm6 20/12/01, 15:314
  5. 5. 5Por exemplo, um menino com 12 anos de idade, medindo 155cm de altura (percentil 75) e apresentando pressão arterial de 118/76 mmHg será considerado normotenso. Já outro menino de mes-maidadeemesmaalturamascompressãoarterialde124/80mmHgserá considerado normal limítrofe. Se esta segunda criança, ao in-vés de 155 cm, tivesse estatura de 150 cm (percentil 50), o nívelnovas aferições, até que seja obtida medida com diferença infe-rior a esse valor. As recomendações para o seguimento estãoapresentadas naTabela IV.De acordo com a situação clínica presente, recomenda-seque as medidas sejam repetidas em pelo menos duas ou maisvisitas. As medições na primeira avaliação devem ser obtidasem ambos os membros superiores.Nos indivíduos idosos, portadores de disautonomia, alcoó-latras e/ou em uso de medicação anti-hipertensiva, a pressãoarterial deve ser medida também na posição ortostática.tensionalde124/80mmHgofariaserconsideradohipertenso.Comooutro exemplo, uma menina com 1 ano de idade, 77 cm de altura(percentil 75) e pressão arterial de 107/64 mmHg será consideradahipertensa; em contrapartida, se essa mesma pressão arterial forencontrada em uma menina de 3 anos de idade com 96 cm de altu-ra (percentil 50), a criança será considerada normal limítrofe.Rotina Diagnóstica e de SeguimentoDe acordo com a situação clínica presente, recomenda-seque as medidas sejam repetidas em pelo menos duas ou maisvisitas.As medições na primeira avaliação devem ser obtidasem ambos os membros superiores. As posições recomenda-das na rotina para a medida da pressão arterial são sentada e/ou deitada.Para a confirmação do diagnóstico, em cada consulta, deve-rão ser realizadas no mínimo duas medidas, com intervalo de 1a 2 minutos entre elas; caso as pressões obtidas apresentem di-ferenças superiores a 6 mmHg, sugere-se que sejam realizadasHIPERTENSÃO ARTERIAL - DIAGNÓSTICO E CLASSIFICAÇÃOTabela IVRecomendações para seguimento (prazos máximos).*Pressão arterial inicial (mmHg)**Sistólica Diastólica Seguimento< 130 < 85 Reavaliar em 1 ano130-139 85-89 Reavaliar em 6 meses140-159 90-99 Confirmar em 2 meses160-179 100-109 Confirmar em 1 mês> 180 > 110 Intervenção imediata ou reavaliar em 1 semana* Modificar o esquema de seguimento de acordo com a condição clínica do paciente.** Se as pressões sistólica ou diastólica forem de categorias diferentes, o seguimento recomendado é definidocomo de menor tempo.III-CBHA.pm6 20/12/01, 15:315
  6. 6. 6III CBHAOs principais objetivos da avaliação clínico laboratorial es-tão apresentados no Quadro 2.Para que esses objetivos sejam atingidos, são fundamentaisa história clínica, o exame físico e a avaliação laboratorial, res-peitando-se o princípio de custo/benefício.História ClínicaSão aspectos relevantes da história clínica:1 - Identificação: sexo, idade, raça e condição socioeconô-mica.2 - História atual: duração conhecida da hipertensão arteriale níveis de pressão arterial; adesão e reações adversas a trata-mentos prévios; sintomas de doença arterial coronariana, insu-ficiência cardíaca, doença cerebrovascular, insuficiência vas-cular arterial periférica, doença renal e diabete melito; indíciosde hipertensão secundária (Quadro 3).3 - Investigação sobre diversos aparelhos e fatores de risco:dislipidemia, tabagismo, diabete melito, obesidade e sedenta-rismo; alteração de peso; características do sono; função sexu-al; e outras afecções concomitantes, como doença pulmonar obs-trutiva crônica e gota.HipertensãoArterial -HipertensãoArterial -Investigação Clínico Laboratorial e Decisão TerapêuticaCAPÍTULO 2• Confirmar a elevação da pressão arterial• Avaliar lesões de órgãos-alvo• Identificar fatores de risco para doenças cardiovasculares• Diagnosticar a etiologia da hipertensão arterialObjetivos da investigaçãoclínico laboratorial.Quadro 24 - História pregressa de doença arterial coronariana, insufi-ciência cardíaca, doença cerebrovascular, insuficiência vascu-lar arterial periférica, doença renal e diabete melito.5 - História familiar de acidente vascular encefálico, doençaarterial coronariana prematura (homens < 55 anos; mulheres <65 anos), doença renal, diabete melito, dislipidemia, morte pre-matura e súbita.6 - Perfil psicossocial: fatores ambientais e psicossociais,sintomas de depressão, situação familiar, condições de trabalhoe grau de escolaridade.7 - Avaliação dietética, incluindo consumo de sal, bebidasalcoólicas, gordura saturada e cafeína.8 - Consumo de medicamentos ou drogas que possam elevara pressão arterial ou interferir em seu tratamento.Exame FísicoOs ítens relacionados a seguir dever ser destacados no exa-me físico:1 - Medida de peso e altura, para cálculo do índice de massacorporal.2 - Inspeção: fácies e aspecto físico sugestivos de hiperten-são secundária (Quadro 3).3 - Sinais vitais: duas medidas da pressão arterial, separadaspor intervalo de pelo menos 2 minutos, com o paciente em posi-ção deitada ou sentada. Deve ser medida também a pressão após2 minutos na posição em pé, nas situações especificadas anteri-ormente.Verificar a pressão do braço contralateral; caso as pres-sões sejam diferentes, considerar a mais elevada. A freqüênciacardíaca também deve ser medida.4 - Pescoço: palpação e ausculta das artérias carótidas, veri-ficação da presença de estase venosa e palpação de tireóide.5 - Exame do precórdio: icto sugestivo de hipertrofia ou di-latação do ventrículo esquerdo, arritmias, 3abulha (sinaliza dis-função sistólica do ventrículo esquerdo) ou 4abulha (sinalizapresença de disfunção diastólica do ventrículo esquerdo), hi-perfonese de 2abulha em foco aórtico, além de sopros nos fo-cos mitral e aórtico.III-CBHA.pm6 20/12/01, 15:316
  7. 7. 76 - Exame do pulmão: ausculta de estertores, roncos e sibilos.7 - Exame do abdome: massas abdominais indicativas derins policísticos, hidronefrose, tumores e aneurismas. Identifi-cação de sopros abdominais (aorta e artérias renais).8 - Extremidades: palpação de pulsos braquiais, radiais, fe-morais, tibiais posteriores e pediosos.A diminuição da amplitu-de ou o retardo do pulso das artérias femorais sugerem doençaobstrutiva ou coartação da aorta.Verificação de edema.9 - Exame neurológico sumário.10 - Exame de fundo do olho: identificar estreitamento arte-riolar, cruzamentos arteriovenosos patológicos, hemorragias,exsudatos e papiledema.Avaliação LaboratorialAvaliação básicaOs exames laboratoriais recomendados como básicos na ava-liação do hipertenso estão apresentados no Quadro 4.HIPERTENSÃO ARTERIAL - INVESTIGAÇÃO CLÍNICO LABORATORIAL E DECISÃO TERAPÊUTICA• Início da hipertensão antes dos 30 ou após os 50 anos• Hipertensão arterial grave (estágio 3) e/ou resistente à terapia• Tríade do feocromocitoma: palpitações, sudorese e cefaléia em crises• Uso de medicamentos e drogas que possam elevar a pressão arterial (Quadro 14)• Fácies ou biotipo de doença que cursa com hipertensão: doença renal, hipertireoidismo, acromegalia, síndrome deCushing• Presença de massas ou sopros abdominais• Diminuição da amplitude ou retardo do pulso femoral• Aumento da creatinina sérica• Hipopotassemia espontânea (< 3,0 mEq/l)• Exame de urina anormal (proteinúria ou hematúria)Indícios de hipertensão secundária.Quadro 3• Exame de urina: bioquímica e sedimento• Creatinina• Potássio• Glicemia• Colesterol total• Eletrocardiograma de repousoAvaliação laboratorial básica.Quadro 4III-CBHA.pm6 20/12/01, 15:317
  8. 8. 8III CBHAAvaliação complementarDe acordo com a indicação clínica, os exames relacionadosno Quadro 5 poderão fazer parte da avaliação laboratorial com-plementar do paciente hipertenso.tratamento medicamentoso inicial. O tratamento medicamento-so também está indicado para os pacientes hipertensos com le-são em órgãos-alvo, ou doença cardiovascular, ou diabete meli-to, independentemente do estágio da hipertensão arterial. Paci-entes com valores de pressão arterial enquadrados na faixa nor-mal limítrofe mas pertencentes ao grupo de risco C devem rece-ber tratamento medicamentoso caso apresentem insuficiênciacardíaca, insuficiência renal, ou diabete melito. Na hipertensãoleve (estágio 1), os pacientes enquadrados nos grupos de riscoA e B são elegíveis para ser tratados unicamente com modifica-ções no estilo de vida por 6 a 12 meses. Se, nesse período deacompanhamento, a pressão arterial não for controlada, o trata-mento medicamentoso deverá ser considerado.A idade avança-da ou a presença de pressão sistólica elevada isoladamente nãoalteram a decisão terapêutica.Os pacientes que apresentarem indícios de hipertensão se-cundária (Quadro 3) ou de lesão em órgãos-alvo devem ser in-vestigados por meio de métodos específicos.Decisão TerapêuticaA decisão terapêutica deve levar em conta, além dos valoresda pressão arterial, a presença ou não de lesões em órgãos-alvoe de fatores de risco cardiovascular associados. No Quadro 6estão apresentados os componentes para a estratificação do ris-co individual dos pacientes em função da presença de fatores derisco e de lesão em órgãos-alvo.Com base nessas informações, os pacientes podem ser clas-sificados em três grupos, descritos no Quadro 7.A Tabela V apresenta a orientação terapêutica baseada naestratificação do risco e nos níveis da pressão arterial.As medi-das de modificação de estilo de vida podem ser recomendadas àpopulação em geral, como forma de promoção da saúde.Alémdisso, essas medidas devem ser instituídas em todos os pacien-tes enquadrados na Tabela V. Todos os pacientes com hiperten-são arterial moderada e severa (estágios 2 e 3) devem receberCardiovascular• Monitorização Ambulatorial da Pressão Arterial (MAPA — vide Capítulo 1 quanto a indicações)• Ecocardiograma• Radiografia de tórax• Teste de esforço (paciente com risco coronariano)Bioquímica• HDL-colesterol (sempre que o colesterol total e a glicemia estiverem elevados)• Triglicerídeos• Ácido úrico• Proteinúria de 24 horas• Hematócrito e hemoglobina• Cálcio• TSHAvaliação laboratorial complementarQuadro 5III-CBHA.pm6 20/12/01, 15:318
  9. 9. 9Componentes para a estratificação do risco individual dos pacientes emfunção da presença de fatores de risco e de lesão em órgãos-alvo.Lesões em órgãos-alvo ou doenças cardiovasculares• Doenças cardíacas:- hipertrofia ventricular esquerda;- angina ou infarto prévio do miocárdio;- revascularização miocárdica prévia;- insuficiência cardíaca.• Episódio isquêmico ou acidente vascular encefálico• Nefropatia• Doença vascular arterial periférica• Retinopatia hipertensivaQuadro 6Fatores de risco maiores• Tabagismo• Dislipidemia• Diabete melito• Idade acima de 60 anos• Sexo: homens ou mulheres pós-menopausa• História familiar de doença cardiovascular em:- mulheres com menos de 65 anos de idade- homens com menos de 55 anos de idadeGrupo Asem fatores de risco e sem lesões em órgãos-alvoGrupo Bpresença de fatores de risco (não incluindo diabete melito) e sem lesão em órgão-alvoGrupo Cpresença de lesão em órgãos-alvo, doença cardiovascular clinicamente identificável e/ou diabete melitoEstratificação em grupos, de acordo com o fator de risco individual.Quadro 7Pressão arterial Grupo A Grupo B Grupo CNormal limítrofe Modificações no Modificações no Modificações no(130-139 mmHg/85-89 mmHg) estilo de vida estilo de vida estilo de vida*Hipertensão leve (estágio 1) Modificações no Modificações no Terapia(140-159 mmHg/90-99 mmHg) estilo de vida estilo de vida** medicamentosa(até 12 meses) (até 6 meses)Hipertensão moderada e severa Terapia Terapia Terapia(estágios 2 e 3) medicamentosa medicamentosa medicamentosa(> 160 mmHg/> 100 mmHg)* Tratamento medicamentoso deve ser instituído na presença de insuficiência cardíaca, insuficiência renal, ou diabete melito.** Pacientes com múltiplos fatores de risco podem ser considerados para o tratamento medicamentoso inicial.Decisão terapêutica baseada na estratificação do risco e nos níveis de pressão.TabelaVHIPERTENSÃO ARTERIAL - INVESTIGAÇÃO CLÍNICO LABORATORIAL E DECISÃO TERAPÊUTICAIII-CBHA.pm6 20/12/01, 15:319
  10. 10. 10III CBHAIntroduçãoPelo fato de a hipertensão arterial ser multicausal e multifa-torial, por não acarretar, na maioria das vezes, qualquer sintomaaos pacientes e por envolver orientações voltadas para váriosobjetivos, o sucesso na consecução dessas metas é bastante li-mitado quando decorre da ação de um único profissional. Essefato talvez justifique o baixo índice de sucesso e de adesão ob-tido quando os cuidados aos pacientes são realizados por umúnico profissional de saúde, classicamente o médico.Objetivos múltiplos exigem diferentes abordagens e a for-mação de uma equipe multiprofissional, que irá proporcionaressa ação diferenciada.Tratar e até mesmo prevenir a hipertensão arterial envolve,fundamentalmente, ensinamentos para que se processem mu-danças do hábitos de vida, tanto no que se refere ao tratamentonão-medicamentoso quanto ao tratamento com agentes anti-hi-pertensivos.A consecução dessas mudanças é lenta e, na maio-ria das vezes, penosa, e por serem medidas educativas, necessi-tam continuidade em sua implementação.É considerando exatamente esse aspecto que o trabalho daequipe multiprofissional, ao invés do médico isoladamente, po-derá dar aos pacientes e à comunidade uma gama muito maiorde informações, procurando torná-los participantes ativos dasações que a eles estarão sendo dirigidas, e com motivação sufi-ciente para vencer o desafio de adotar atitudes que tornem essasações efetivas e definitivas.A EquipeA equipe multiprofissional pode e deve ser constituída porprofissionais que, de uma forma ou de outra, lidem com pacien-tes hipertensos. Médicos, enfermeiros, técnicos de enfermagem,auxiliares de enfermagem, nutricionistas, psicólogos, assisten-tes sociais, professores de educação física, farmacêuticos e, in-clusive, funcionários administrativos e agentes comunitários emsaúde podem integrar a equipe. Isso não implica, entretanto, nanecessidade da existência de todo esse grupo para a formaçãoda equipe. Quando se aglutina mais de um profissional, desdeque imbuídos do mesmo espírito, pode estar sendo constituídauma equipe multiprofissional. O que determina a existência dessaequipe é a filosofia de trabalho, que, em última análise, visa aobem-estar dos pacientes e das pessoas de maneira geral. Osmembros de um grupo multiprofissional, respeitada a especifi-cidade de sua ação dada pela sua formação básica, devem co-nhecer a ação individual de cada um dos outros membros.Para que a equipe seja composta, cada local de trabalho deveadequar sua realidade. Isso significa que não são necessáriostodos os profissionais, nem todos os equipamentos para a for-mação desse grupo de ação, bastando conhecimento, boa von-tade e determinação.A seguir estão relacionadas as principais vantagens dessetipo de atuação:1 - O número de pessoas atendidas será maior e tão maiorquanto mais afinada estiver a equipe em seus diversos modosde abordagem.2 - A adesão ao tratamento será nitidamente superior.3 - O número de pacientes com pressão arterial controlada eadotando hábitos de vida saudáveis será, conseqüentemente,muito maior.4 - Cada paciente poderá ser um replicador de conhecimen-tos sobre esses hábitos.5 - Haverá favorecimento do desenvolvimento de ações depesquisa em serviço, já que a sistematização do atendimentopossibilita esse tipo de atuação.Existem, ainda, vantagens adicionais, como o crescimentoprofissional de cada um pela constante troca de informações epela maior confiança individual e do serviço como um todo,servindo, inclusive, de incentivo para outros setores espelhadosno trabalho coeso da equipe.Ações Comuns à EquipeMultiprofissionalA seguir estão descritas as ações comuns a todos os mem-bros da equipe:1 - Ações educativas (educação preventiva, modificação defatores de risco, produção de material educativo).2 - Treinamento de profissionais.3 - Encaminhamento a outros profissionais, quando indicado.4 - Ações assistenciais, individuais e em grupo.5 - Participação em projetos de pesquisa.HipertensãoArterial -HipertensãoArterial -Abordagem Multiprofissional do HipertensoCAPÍTULO 3III-CBHA.pm6 20/12/01, 15:3110
  11. 11. 11Ações Específicas IndividuaisApesar de haver uma definição bastante clara do papel queserá exercido pelos diferentes profissionais, haverá momentosem que as funções serão comuns, e isso deve acontecer de ma-neira natural. Essa naturalidade só será possível na imbricaçãode funções se for adotada, por ocasião da constituição do gru-po, uma perfeita uniformidade de linguagem, evitando-se, as-sim, que idéias ou terminologias conflitantes possam dificultaro processo educativo do paciente.Uma vez diagnosticada a hipertensão arterial, seja qual for omeio, é iniciada efetivamente a ação da equipe.EnfermeiraA consulta de enfermagem consiste de:• aferição da pressão arterial;• investigação sobre fatores de risco e hábitos de vida;• orientação sobre o uso de medicamentos e seus efeitos co-laterais, avaliação de sintomas, reforço a orientações sobre há-bitos de vida pessoais e familiares;• administração do serviço: controle de retornos, busca defaltosos e controle de consultas agendadas.As atividades do técnico/auxiliar de enfermagem serão de-legadas pelo enfermeiro.MédicoA participação do médico consiste de:• consulta médica (verAvaliação Clínica);• responsabilidade pelas condutas terapêuticas aos pacientesem consonância com as regras gerais do Consenso (ver capítu-los pertinentes);• revisão da avaliação clínica dos pacientes com pressão con-trolada pelo menos uma vez por ano;• apoio aos demais membros, quando solicitado.NutricionistaA participação da nutricionista consiste de:• consulta de nutrição: avaliação nutricional e de hábitos ali-mentares;• educação nutricional individual e em grupo;• prescrição de dietas, resguardando aspectos socioeconô-micos e culturais;• criação de modelos que possibilitem a implementação dosconhecimentos alimentares e nutricionais, em consonância comas recomendações para os pacientes hipertensos, traduzidas empreparações alimentares saborosas e práticas.PsicólogaA participação da psicóloga consiste de:• consulta de psicologia: avaliação, diagnóstico e tratamentode aspectos emocionais que interfiram com a qualidade de vidado paciente;• atendimento a familiares, para facilitar as mudanças dehábitos de vida do paciente e sua adesão ao tratamento;• consulta com outros profissionais para esclarecer a melhorabordagem do paciente;• constituir grupo de apoio para maior harmonia da equipe;• atendimento a grupos de pacientes, possibilitando a inova-ção e a adequação de modelos que viabilizem melhor adesão.Assistente socialA participação da assistente social consiste de:• entrevista social: para identificação socioeconômica e fa-miliar, caracterização da situação de trabalho e previdência, elevantamento de expectativas para o tratamento;• atualização do cadastro de recursos sociais (para encami-nhamento do atendimento das dificuldades dos pacientes e fa-mília que possam interferir na terapêutica);• busca ativa de faltosos.Professor de Educação FísicaA participação do professor de Educação Física consiste de:• programação e supervisão das atividades físicas dos paci-entes, adequando-as às realidades locais;FarmacêuticoA participação do farmacêutico consiste de:• planificação do quantitativo de drogas no serviço;• manuseio e cuidados com o uso dos medicamentos.Funcionários administrativosA participação dos funcionários administrativos consiste de:• recepção dos pacientes e controle de consultas e reuniõesagendadas.Agentes comunitários em saúdeSão o elo entre a equipe multiprofissional e a comunidade.Suas ações são:• coleta de dados referentes à hipertensão;• sugestão de encaminhamento para Unidades de Saúde deReferência;• ações educativas primárias, visando à promoção da saúde.HIPERTENSÃO ARTERIAL -ABORDAGEM MULTIPROFISSIONAL DO HIPERTENSOIII-CBHA.pm6 20/12/01, 15:3111
  12. 12. 12III CBHAAções em GrupoReuniões com pacientesSão ações educativas e terapêuticas em saúde, desenvolvi-das com grupos de pacientes e seus familiares, sendo adicionaisas atividades individuais.A convivência estimula a relação social, possibilita a trocade informações e permite apoio mútuo. O paciente, nesse tipode atividade, identifica-se com outros pacientes com proble-mas semelhantes, aprendendo a expressar seus medos e ex-pectativas. Passa a compartilhar das experiências de todos e adiscutir, buscando soluções reais para problemas de saúde se-melhantes aos seus.Reuniões da equipeAtividades periódicas com a participação de todo o grupo,para a análise crítica das atividades desenvolvidas, acerto dearestas e novas orientações, caso necessário.Programas comunitáriosDada a escassez de recursos, a equipe multiprofissional deveprocurar estimular, por meio dos pacientes, dos representantesda comunidade e da sociedade civil, o desenvolvimento de ati-vidades comunitárias, que terão grande força de pressão para aimplementação das mais diversas ações governamentais ou nãoem benefício da saúde da comunidade.É preciso ressaltar, novamente, que não há necessidade daexistência de todos os profissionais nos grupos de atendimentomultiprofissional a ser constituídos. O número de componentesimporta pouco, o tipo de profissional de saúde é secundário. Oque determina o bom funcionamento do grupo é sua filosofiade trabalho: caminhar unido na mesma direção.III-CBHA.pm6 20/12/01, 15:3112
  13. 13. 13CAPÍTULO 4O tratamento não-medicamentoso tem, como principal ob-jetivo, diminuir a morbidade e a mortalidade cardiovascularespor meio de modificações do estilo de vida que favoreçam aredução da pressão arterial.Está indicado a todos os hipertensos e aos indivíduos mes-mo que normotensos, mas de alto risco cardiovascular. Dentreessas modificações, as que comprovadamente reduzem a pres-são arterial são: redução do peso corporal, da ingestão do sal edo consumo de bebidas alcoólicas, prática de exercícios físicoscom regularidade, e a não-utilização de drogas que elevam apressão arterial.As razões que tornam as modificações do esti-lo de vida úteis são:• baixo custo e risco mínimo;• redução da pressão arterial, favorecendo o controle de ou-tros fatores de risco;• aumento da eficácia do tratamento medicamentoso; e• redução do risco cardiovascular.Redução do Peso CorporalO excesso de peso corporal tem forte correlação com o au-mento da pressão arterial. O aumento do peso é um fator predis-ponente para a hipertensão. Todos os hipertensos com excessode peso devem ser incluídos em programas de redução de pesode modo a alcançar Índice de Massa Corpórea (IMC) inferior a25 kg/m² e Relação Cintura-Quadril (RCQ) inferior a 0,8 paraas mulheres e a 0,9 para os homens, em razão de sua associaçãocom risco cardiovascular aumentado.As recomendações genéricas para a redução do peso corpo-ral compreendem:• princípios dietéticos; e• programas de atividade física.Os princípios da terapia dietética estão apresentados noQuadro 8.Para a manutenção do peso desejável a longo prazo, é ne-cessária a adequação dietética individualizada, com particularatenção aos aspectos socioeconômicos e culturais e à motivaçãodos pacientes.Redução na Ingestão de Sal/SódioO sal (cloreto de sódio — NaCl) há muito tempo tem sidoconsiderado importante fator no desenvolvimento e na intensida-de da hipertensão arterial. Hoje em dia, a literatura mundial éHipertensãoArterial -HipertensãoArterial -Tratamento Não-Medicamentoso ou Modificações do Estilo deVida• Respeitar dieta hipocalórica balanceada, evitando o jejum ou as dietas “milagrosas”• Manter o consumo diário de colesterol inferior a 300 mg (o consumo de gorduras saturadas não deve ultrapassar 10% dototal de gorduras ingeridas)• Substituir gorduras animais por óleos vegetais (mono e poliinsaturados)• Reduzir o consumo de sal a menos de 6 g/dia (1 colher de chá)• Evitar açúcar e doces• Preferir ervas, especiarias e limão para temperar os alimentos• Ingerir alimentos cozidos, assados, grelhados, ou refogados• Utilizar alimentos fonte de fibras (grãos, frutas, cereais integrais, hortaliças e legumes, preferencialmente crus)Princípios gerais da terapia dietética.Quadro 8III-CBHA.pm6 20/12/01, 15:3113
  14. 14. 14III CBHApraticamente unânime em considerar a forte correlação entre aingestãoexcessivadesaleaelevaçãodapressãoarterial.Noâmbitopopulacional, a ingestão de sal parece ser um dos fatores envolvi-dos no aumento progressivo da pressão arterial que acontece como envelhecimento. A hipertensão arterial é observada primaria-mente em comunidades com ingestão de sal superior a 100 mEq/dia. Por outro lado, a hipertensão arterial é rara em populaçõescuja ingestão de sal é inferior a 50 mEq/dia. Essa constataçãoparece ser independente de outros fatores de risco para hiperten-são arterial, tais como obesidade e alcoolismo.Além da redução da pressão arterial, alguns estudos demons-traram também benefícios da restrição salina na redução damortalidade por acidente vascular encefálico e na regressão dahipertrofia ventricular esquerda. A restrição salina pode aindareduzir a excreção urinária de cálcio, contribuindo para a pre-venção da osteoporose em idosos.Dessa forma, a restrição de sal na dieta é uma medida reco-mendada não apenas para hipertensos, mas para a população demodo geral.Tal orientação deve objetivar ingestão em torno de100 mEq/dia (6 g de sal = 1 colher de chá). Do ponto de vistaprático, deve-se evitar a ingestão de alimentos processados in-dustrialmente, tais como enlatados, conservas, embutidos e de-fumados. Deve-se ainda orientar os pacientes a utilizar o míni-mo de sal no preparo dos alimentos, além de evitar o uso desaleiro à mesa, durante as refeições.O uso de substitutos de sal contendo cloreto de potássio emsubstituição ao NaCl pode ser recomendado aos pacientes, em-bora alguns tenham a palatabilidade como fator limitante.Para que o efeito hipotensor máximo da restrição salinase manifeste, é necessário intervalo de pelo menos 8 sema-nas. É importante salientar que os pacientes deverão ser ori-entados para a leitura dos rótulos dos alimentos industriali-zados, a fim de observar a presença e a quantidade de sódiocontidas nos mesmos.Aumento da Ingestão de PotássioA ingestão do potássio pode ser aumentada pela escolha dealimentos pobres em sódio e ricos em potássio (feijões, ervilha,vegetais de cor verde-escuro, banana, melão, cenoura, beterra-ba, frutas secas, tomate, batata inglesa e laranja).Essa indicação se justifica pela possibilidade de o potássioexercer efeito anti-hipertensivo, ter ação protetora contra danoscardiovasculares, e servir como medida auxiliar em pacientessubmetidos a terapia com diuréticos, desde que não existam con-tra-indicações.Deve-se ter cautela no uso de suplemento medicamentoso àbase de potássio em pacientes suscetíveis a hiperpotassemia,incluindo aqueles com insuficiência renal, ou em uso de inibi-dores da enzima conversora da angiotensina (ECA), ou bloque-adores de receptores da angiotensina II.O uso de substitutos do sal contendo cloreto de potássioem substituição ao NaCl pode ser recomendado aos pacientescomo uma forma de suplementação de potássio, embora al-• Sal de cozinha (NaCl) e temperos industrializados• Alimentos industrializados (“ketchup”, mostarda, shoyu, caldos concentrados)• Embutidos (salsicha, mortadela, lingüiça, presunto, salame, paio)• Conservas (picles, azeitona, aspargo, palmito)• Enlatados (extrato de tomate, milho, ervilha)• Bacalhau, charque, carne seca, defumados• Aditivos (glutamato monossódico) utilizados em alguns condimentos e sopas de pacote• Queijos em geralFontes de maior teor de sódio.Quadro 9III-CBHA.pm6 20/12/01, 15:3114
  15. 15. 15HIPERTENSÃO ARTERIAL -TRATAMENTO NÃO-MEDICAMENTOSO OU MODIFICAÇÕES DO ESTILO DE VIDAguns deles tenham a palatabilidade como fator limitante. Oemprego desses substitutos de sal em pacientes hipertensoscom diminuição da função renal, especialmente se diabéticose em uso de inibidores da ECA, deve ser cauteloso devido aorisco de hiperpotassemia.Redução do Consumode Bebidas AlcoólicasO consumo excessivo de álcool eleva a pressão arterial e avariabilidade pressórica, aumenta a prevalência de hipertensão,é fator de risco para acidente vascular encefálico, além de seruma das causas de resistência à terapêutica anti-hipertensiva.Para os hipertensos do sexo masculino que fazem uso debebida alcoólica, é aconselhável que o consumo não ultrapas-se 30 ml de etanol/dia, contidos em 60 ml de bebidas destila-das (uísque, vodca, aguardente, etc.), 240 ml de vinho, ou 720ml de cerveja. Em relação às mulheres e indivíduos de baixopeso, a ingestão alcoólica não deve ultrapassar 15 ml de eta-nol/dia. Aos pacientes que não conseguem se enquadrar nes-ses limites de consumo, sugere-se o abandono do consumo debebidas alcoólicas.Exercício Físico RegularO exercício físico regular reduz a pressão arterial, além deproduzir benefícios adicionais, tais como diminuição do pesocorporal e ação coadjuvante no tratamento das dislipidemias,da resistência à insulina, do abandono do tabagismo e do con-trole do estresse. Contribui, ainda, para a redução do risco deindivíduos normotensos desenvolverem hipertensão.Exercícios físicos, tais como caminhada, ciclismo, nataçãoe corrida, realizados numa intensidade entre 50% e 70% dafreqüência cardíaca de reserva (vide fórmula a seguir), ou en-tre 50% e 70% do consumo máximo de oxigênio, com dura-ção de 30 a 45 minutos, três a cinco vezes por semana, redu-zem a pressão arterial de indivíduos hipertensos. Em contra-partida, exercícios físicos muito intensos, realizados acima de80% da freqüência cardíaca de reserva, ou 80% acima do con-sumo máximo de oxigênio, têm pouco efeito sobre a pressãoarterial de hipertensos.Adicionalmente, baixo nível de capacitação física está asso-ciado a maior risco de óbito por doenças coronariana e cardio-vascular em homens sadios, independentemente dos fatores derisco convencionais.Exercícios isométricos, como levantamento de peso, não sãorecomendáveis para indivíduos hipertensos. Pacientes em usode medicamentos anti-hipertensivos que interferem na freqüên-cia cardíaca (como, por exemplo, betabloqueadores) devem serpreviamente submetidos a avaliação médica.Abandono do TabagismoO tabagismo é a mais importante causa modificável de mor-te, sendo responsável por 1 em cada 6 óbitos. No Brasil, a pre-valência do tabagismo é elevada. Em 1989, existiam 30.6 mi-lhões de fumantes na população com idade superior a 5 anos,correspondendo a 23,9% da população dessa faixa etária, o quedemonstra a relevância do problema em nosso país.Ainda que a pressão arterial e a freqüência cardíaca se ele-vem durante o ato de fumar, o uso prolongado de nicotina nãose associa a maior prevalência de hipertensão. Além do riscoaumentado para a doença coronariana associada ao tabagismo,indivíduos que fumam mais de uma carteira de cigarros ao diatêm risco 5 vezes maior de morte súbita do que indivíduos não-fumantes. Adicionalmente, o tabagismo colabora para o efeitoadverso da terapêutica de redução dos lípides séricos e induzresistência ao efeito de drogas anti-hipertensivas.Dentre outras medidas, o tabagismo deve ser combatidopor colaborar com o risco de câncer e de doenças pulmonares,e por constituir risco para doença coronariana, acidente vas-cular encefálico e morte súbita. Para tanto, é essencial o acon-selhamento médico precoce, repetido e consistente até o aban-dono definitivo.Controle das Dislipidemiase do Diabete MelitoA associação de dislipidemia e diabete melito com hiperten-são é sabidamente deletéria, mesmo que essa associação não afe-te, necessariamente, os níveis da pressão arterial. A restrição dealimentos ricos em colesterol e gorduras, além dos açúcares sim-ples, atua sobre os fatores de risco convencionais e auxilia nocontrole do peso corporal. No Quadro 11 estão apresentadas al-gumas das medidas utilizadas para o combate da dislipidemia.Os Quadros 12 e 13 apresentam as principais fontes alimen-tares de triglicerídeos, colesterol e gordura saturada.Freqüência cardíaca de exercício =(FC máxima - FC basal) (% intensidade) + FC basalonde FC máxima = 220 - idade em anosCálculo da freqüênciacardíaca de exercício.Quadro 10III-CBHA.pm6 20/12/01, 15:3215
  16. 16. 16III CBHA• Aumentar o conteúdo de fibras da dieta• Substituir os carboidratos simples (açúcar, mel e doces) pelos complexos (massas, cereais, frutas, grãos, raízes elegumes)• Restringir bebidas alcoólicas• Aumentar a atividade física• Abandonar o tabagismo• Reduzir a ingestão de gorduras saturadas, utilizando preferencialmente gorduras mono e poliinsaturadas na dietaMedidas para o combate da dislipidemia.Quadro 11• Porco (banha, carne, “bacon”, torresmo)• Leite integral, creme de leite, nata, manteiga• Lingüiça, salame, mortadela, presunto, salsicha, sardinha• Frituras com qualquer tipo de gordura• Frutos do mar ( camarão, mexilhão, ostras)• Miúdos (coração, moela, fígado, miolos, rim)• Pele de frango, couro de peixe• Dobradinha, caldo de mocotóAlimentos ricos em colesterol e/ou gorduras saturadas.• Gema de ovo e suas preparações• Carne de gado com gordura visível• Óleo, leite e polpa de coco• Azeite de dendê• Castanhas, amendoim• Chocolate e derivados• SorvetesQuadro 13• Todos os alimentos e bebidas preparados com açúcar• Mel e derivados• Cana de açúcar, garapa, melado e rapadura• Bebidas alcoólicas• Todos os alimentos ricos em gorduraAlimentos que provocam aumento dos triglicerídeos.Quadro 12III-CBHA.pm6 20/12/01, 15:3216
  17. 17. 17Suplementação de Cálcio e MagnésioNão se recomenda a suplementação medicamentosa de cálcioou magnésio para redução da pressão arterial, exceto na deficiên-cia destes, embora a manutenção de ingestão adequada de cálcioseja uma medida recomendável na prevenção da osteoporose.MedidasAntiestresseHá evidências de possíveis efeitos do estresse psicossocialna pressão arterial relacionadas a “condições estressantes”, taiscomo pobreza, insatisfação social, baixo nível educacional, de-semprego, inatividade física e, em especial, aquelas atividadesprofissionais caracterizadas por altas demandas psicológicas ebaixo controle dessas situações.Mesmo assim, o papel do tratamento antiestresse e o uso detécnicas que visam a modificações de respostas comportamentaisno tratamento de pacientes hipertensos ainda não estão definidos.Técnicas de relaxamento, tais como ioga, “biofeedback”, me-ditação transcendental, “tai chi chuan” e psicoterapia, não sãosuperiores a técnicas fictícias (“sham”) ou a automonitorização.Evitar Drogas que PodemElevar a Pressão ArterialNo Quadro 14 estão apresentadas várias drogas que po-dem ter efeitos hipertensivos, devendo ser evitadas ou des-continuadas.Considerações Gerais sobreo Tratamento Não-MedicamentosoTorna-se evidente que quase todas as medidas não-medica-mentosas dependem de mudanças no estilo de vida de formapermanente. Em razão de a abordagem do hipertenso ser direci-onada a diversos objetivos, a ação médica é beneficiada com aabordagem multiprofissional.Vale ressaltar que é de fundamental importância o envolvi-mento dos familiares do hipertenso na busca das metas a serematingidas pelas modificações do estilo de vida. O Quadro 15apresenta uma análise crítica da eficácia das medidas não-me-dicamentosas discutidas neste capítulo.• Anticoncepcionais orais• Antiinflamatórios não-esteróides• Anti-histamínicos descongestionantes• Antidepressivos tricíclicos• Corticosteróides, esteróides anabolizantes• Vasoconstritores nasais• Carbenoxolona• Ciclosporina• Inibidores da monoaminoxidase (IMAO)• Chumbo, cádmio, tálio• Alcalóides derivados do “ergot”• Moderadores do apetite• Hormônios tireoideanos (altas doses)• Antiácidos ricos em sódio• Eritropoetina• Cocaína• Cafeína (?)Drogas que podem elevar a pressão arterial.Quadro 14Medidas não-medicamentosas para o controle da hipertensãoe dos fatores de risco cardiovascular.Medidas sem avaliação definitiva• Suplementação de cálcio e magnésio• Dietas vegetarianas ricas em fibras• Medidas antiestresseQuadro 15Medidas associadas• Abandono do tabagismo• Controle das dislipidemias• Controle do diabete melito• Evitar drogas que potencialmenteelevem a pressãoMedidas com maior eficácia anti-hipertensiva• Redução do peso corporal• Redução da ingestão de sódio• Maior ingestão de alimentos ricos em potássio• Redução do consumo de bebidas alcoólicas• Exercícios físicos regularesHIPERTENSÃO ARTERIAL -TRATAMENTO NÃO-MEDICAMENTOSO OU MODIFICAÇÕES DO ESTILO DE VIDAIII-CBHA.pm6 20/12/01, 15:3217
  18. 18. 18III CBHAObjetivosO objetivo primordial do tratamento da hipertensão arterial éa redução da morbidade e da mortalidade cardiovasculares dopaciente hipertenso, aumentadas em decorrência dos altos níveistensionais, sendo utilizadas tanto medidas não-medicamentosasisoladas como associadas a medicamentos anti-hipertensivos.Assim, os agentes anti-hipertensivos a serem utilizados notratamento do paciente hipertenso devem permitir não somentea redução dos níveis tensionais, mas também a redução da taxade eventos mórbidos cardiovasculares fatais e não-fatais.Até o presente momento, a redução da morbidade e da mor-talidade cardiovasculares em hipertensos leves a moderados foidemonstrada de forma consistente, em inúmeros estudos, ape-nas para os diuréticos e betabloqueadores.Em relação à pressão arterial, o tratamento medicamentosovisa a reduzir os níveis de pressão para valores inferiores a 140mmHg de pressão sistólica e a 90 mmHg de pressão diastólica,respeitando-se as características individuais, a co-morbidade ea qualidade de vida dos pacientes. Reduções da pressão paraníveis inferiores a 130/85 mmHg podem ser úteis em situaçõesespecíficas, como em pacientes com nefropatia proteinúrica ena prevenção de acidente vascular cerebral.Princípios Geraisdo Tratamento MedicamentosoDepois de decidido o tratamento medicamentoso, devem-seobservar os critérios relacionados no Quadro 16.Escolha do MedicamentoAnti-HipertensivoOs medicamentos anti-hipertensivos de uso corrente em nos-so meio podem ser divididos em 6 grupos, apresentados noQuadro 17.Qualquer grupo de medicamentos, com exceção dos vasodi-latadores de ação direta, pode ser apropriado para o controle dapressão arterial em monoterapia inicial, especialmente para paci-entes portadores de hipertensão arterial leve a moderada, que nãoresponderam às medidas não-medicamentosas. Sua escolha de-verá ser pautada nos princípios gerais descritos anteriormente.Além do controle da pressão arterial, já mencionado, os anti-hipertensivos também devem ser capazes de reduzir a morbida-de e a mortalidade cardiovasculares dos hipertensos. Essa capa-HipertensãoArterial -HipertensãoArterial -Tratamento MedicamentosoCAPÍTULO 5• O medicamento deve ser eficaz por via oral• Deve ser bem tolerado• Deve permitir a administração do menor número possível de tomadas diárias, com preferência para aqueles com poso-logia de dose única diária• O tratamento deve ser iniciado com as menores doses efetivas preconizadas para cada situação clínica, podendo seraumentadas gradativamente e/ou associar-se a outro hipotensor de classe farmacológica diferente (deve-se levar em contaque quanto maior a dose, maiores são as probabilidades de surgirem efeitos indesejáveis)• Respeitar um período mínimo de 4 semanas para se proceder o aumento da dose e ou a associação de drogas, salvo emsituações especiais• Instruir o paciente sobre a doença, sobre os efeitos colaterais dos medicamentos utilizados e sobre a planificação e osobjetivos terapêuticos• Considerar as condições socioeconômicasTratamento medicamentoso: princípios gerais.Quadro 16III-CBHA.pm6 20/12/01, 15:3218
  19. 19. 19cidade, já demonstrada para diuréticos e betabloqueadores, tam-bém foi observada, recentemente, em um estudo (Syst-Eur) compacientes idosos portadores de hipertensão arterial sistólica iso-lada tratados com nitrendipina, um antagonista dos canais decálcio diidropiridínico, isoladamente ou em associação com oinibidor da ECA enalapril.Estão sendo realizados vários estudos com inibidores da ECAe antagonistas do receptor da angiotensina II e com outros anta-gonistas dos canais de cálcio, para avaliar o impacto dessas dro-gas sobre a morbidade e a mortalidade cardiovasculares dos hi-pertensos. Entretanto, até o presente momento não existem da-dos que permitam avaliar a capacidade de essas classes terapêu-ticas influenciar esses parâmetros.DiuréticosO mecanismo anti-hipertensivo dos diuréticos está relacio-nado, numa primeira fase, à depleção de volume e, a seguir, àredução da resistência vascular periférica decorrente de meca-nismos diversos.São eficazes como monoterapia no tratamento da hiperten-são arterial, tendo sido comprovada sua eficácia na redução damorbidade e da mortalidade cardiovasculares. Como anti-hiper-tensivos, dá-se preferência aos diuréticos tiazídicos e similares.Diuréticos de alça são reservados para situações de hipertensãoassociada a insuficiências renal e cardíaca.Os diuréticos poupadores de potássio apresentam pequenapotência diurética, mas quando associados a tiazídicos e diuréti-cos de alça são úteis na prevenção e no tratamento de hipopotas-semia. O uso de diuréticos poupadores de potássio em pacientescom redução de função renal pode acarretar hiperpotassemia.Entre os efeitos indesejáveis dos diuréticos, ressalta-se fun-damentalmente a hipopotassemia, por vezes acompanhada dehipomagnesemia (que pode induzir arritmias ventriculares), e ahiperuricemia. É ainda relevante o fato de os diuréticos pode-rem provocar intolerância à glicose. Podem também promoveraumento dos níveis séricos de triglicerídeos, em geral depen-dente da dose, transitório e de importância clínica ainda nãocomprovada. Em muitos casos, provocam disfunção sexual. Emgeral, o aparecimento dos efeitos indesejáveis dos diuréticos estárelacionado à dosagem utilizada.Inibidores adrenérgicosa)Ação centralAtuam estimulando os receptores alfa-2-adrenérgicos pré-sinápticos (alfametildopa, clonidina e guanabenzo) e/ou os re-ceptores imidazolidínicos (moxonidina) no sistema nervoso cen-tral, reduzindo a descarga simpática.A eficácia anti-hipertensi-va desse grupo de medicamentos como monoterapia é, em ge-ral, discreta. Até o presente momento, não existe experiênciaclínica suficiente em nosso meio com o inibidor dos receptoresimidazolidínicos. Essas drogas podem ser úteis em associaçãocom medicamentos de outras classes terapêuticas, particular-mente quando existem evidências de hiperatividade simpática.Entre os efeitos indesejáveis, destacam-se aqueles decorren-tes da ação central, como sonolência, sedação, boca seca, fadi-ga, hipotensão postural e impotência. Especificamente com aalfametildopa, pode ocorrer ainda, com pequena freqüência,galactorréia, anemia hemolítica e lesão hepática. O emprego daalfametildopa é contra-indicado na presença de disfunção he-pática. No caso da clonidina, destaca-se a hipertensão rebote,quando da suspensão brusca da medicação.b)Alfa-1 bloqueadoresApresentam baixa eficácia como monoterapia, devendo serutilizados em associação com outros anti-hipertensivos. Podeminduzir o aparecimento de tolerância farmacológica, que obrigao uso de doses crescentes.Têm a vantagem de propiciar melho-ra do metabolismo lipídico (discreta) e da urodinâmica (sinto-mas) de pacientes com hipertrofia prostática. Os efeitos indese-jáveis mais comuns são: hipotensão postural (mais evidente coma primeira dose), palpitação e, eventualmente, astenia.c) BetabloqueadoresO mecanismo anti-hipertensivo, complexo, envolve diminui-ção do débito cardíaco (ação inicial), redução da secreção derenina, readaptação dos barorreceptores e diminuição das cate-colaminas nas sinapses nervosas. Esses medicamentos são efi-cazes como monoterapia, tendo sido comprovada sua eficáciana redução da morbidade e da mortalidade cardiovasculares.Aqueles com atividade simpatomimética intrínseca são úteis emgestantes hipertensas e em pacientes com feocromocitoma. Cons-tituem a primeira opção na hipertensão arterial associada a do-ença coronariana ou arritmias cardíacas. São úteis em pacientescom síndrome de cefaléia de origem vascular (enxaqueca). En-tre as reações indesejáveis dos betabloqueadores destacam-se:broncoespasmo, bradicardia excessiva (inferior a 50 bat/min),distúrbios da condução atrioventricular, depressão miocárdica,HIPERTENSÃO ARTERIAL -TRATAMENTO MEDICAMENTOSO• Diuréticos• Inibidores adrenérgicos• Vasodilatadores diretos• Inibidores da enzima conversora da angiotensina• Antagonistas dos canais de cálcio• Antagonistas do receptor da angiotensina IIClasses de anti-hipertensivos.Quadro 17III-CBHA.pm6 20/12/01, 15:3219
  20. 20. 20III CBHAvasoconstrição periférica, insônia, pesadelos, depressão psíqui-ca, astenia e disfunção sexual. Do ponto de vista metabólico,podem acarretar intolerância à glicose, hipertrigliceridemia eredução do HDL-colesterol. A importância clínica das altera-ções lipídicas induzidas pelos betabloqueadores ainda não estácomprovada.A suspensão brusca desses bloqueadores pode pro-vocar hiperatividade simpática, com hipertensão rebote e/oumanifestações de isquemia miocárdica. Os betabloqueadores sãoformalmente contra-indicados em pacientes com asma, doençapulmonar obstrutiva crônica e bloqueio atrioventricular de 2oe3ograus. Devem ser utilizados com cautela em pacientes comdoença arterial obstrutiva periférica.Vasodilatadores diretosOs medicamentos desse grupo, como a hidralazina e o mi-noxidil, atuam diretamente sobre a musculatura da parede vas-cular, promovendo relaxamento muscular com conseqüente va-sodilatação e redução da resistência vascular periférica. Em con-seqüência da vasodilatação arterial direta, promovem retençãohídrica e taquicardia reflexa, o que contra-indica seu uso comomonoterapia, devendo ser utilizados associados a diuréticos e/ou betabloqueadores.Antagonistas dos canais de cálcioA ação anti-hipertensiva dos antagonistas dos canais de cál-cio decorre da redução da resistência vascular periférica por di-minuição da concentração de cálcio nas células musculares lisasvasculares. Não obstante o mecanismo final comum, esse grupode anti-hipertensivos é dividido em 4 subgrupos, com caracterís-ticas químicas e farmacológicas diferentes: fenilalquilaminas (ve-rapamil), benzotiazepinas (diltiazem), diidropiridinas (nifedipi-na, isradipina, nitrendipina, felodipina, amlodipina, nisoldipina,lacidipina) e antagonistas do canalT (mibefradil).São medicamentos eficazes como monoterapia, e a nitren-dipina mostrou-se também eficiente na redução da morbidade eda mortalidade cardiovasculares em idosos com hipertensão sis-tólica isolada.No tratamento da hipertensão arterial, deve-se dar prefe-rência ao uso dos antagonistas dos canais de cálcio de longaduração de ação (intrínseca ou por formulação galênica), nãosendo recomendada a utilização de antagonistas dos canais decálcio de curta duração de ação.Os efeitos adversos desse grupo incluem: cefaléia, tontura,rubor facial (mais freqüentes com diidropiridínicos de curtaduração de ação) e edema periférico. Mais raramente, podeminduzir hipertrofia gengival. Os diidropiridínicos de curta du-ração de ação acarretam importante estimulação simpática re-flexa, deletéria ao sistema cardiovascular. Verapamil e diltia-zem podem provocar depressão miocárdica e bloqueio atrio-ventricular. Bradicardia excessiva também tem sido relatadacom essas duas drogas e com o mibefradil especialmente quan-do utilizados em associação com betabloqueadores. Obstipa-ção intestinal é um efeito indesejável observado principalmentecom verapamil.Inibidores da enzima conversora da angiotensinaO mecanismo de ação dessas substâncias é fundamentalmen-te dependente da inibição da enzima conversora, bloqueando,assim, a transformação da angiotensina I em II no sangue e nostecidos. São eficazes como monoterapia no tratamento da hi-pertensão arterial.Também reduzem a morbidade e a mortalidade de pacienteshipertensos com insuficiência cardíaca, e de pacientes com in-farto agudo do miocárdio, especialmente daqueles com baixafração de ejeção. Quando administrados a longo prazo, os inibi-dores da ECA retardam o declínio da função renal em pacientescom nefropatia diabética e de outras etiologias.Entre os efeitos indesejáveis, destacam-se tosse seca, altera-ção do paladar e reações de hipersensibilidade (erupção cutâ-nea, edema angioneurótico). Em indivíduos com insuficiênciarenal crônica, podem induzir hiperpotassemia. Em pacientes comhipertensão renovascular bilateral ou com rim único, podem pro-mover redução da filtração glomerular com aumento dos níveisséricos de uréia e creatinina.Seuusoempacientescomfunçãorenalreduzidapodeseacom-panhar de aumento dos níveis séricos de creatinina. Entretanto, alongo prazo, prepondera o efeito nefroprotetor dessas drogas.Em associação com diurético, a ação anti-hipertensiva dosinibidores da ECA é magnificada, podendo ocorrer hipoten-são postural.Seu uso é contra-indicado na gravidez. Em adolescentes emulheres jovens em idade fértil e que não façam uso de méto-do anticoncepcional medicamente aceitável, o emprego dosinibidores da ECA deve ser cauteloso devido ao risco de mal-formações fetais.Antagonistas do receptor da angiotensina IIEssas drogas antagonizam a ação da angiotensina II por meiodo bloqueio específico de seus receptoresAT1. São eficazes comomonoterapia no tratamento do paciente hipertenso. Em um estu-do (ELITE), mostraram-se eficazes na redução da morbidade eda mortalidade de pacientes idosos com insuficiência cardíaca.Apresentam bom perfil de tolerabilidade e os efeitos colate-rais relatados são tontura e, raramente, reação de hipersensibili-dade cutânea (“rash”).As precauções para seu uso são semelhantes às descritas paraos inibidores da ECA.Esquemas TerapêuticosOs medicamentos preferenciais para o controle da pressãoarterial em monoterapia inicial são diuréticos, betabloqueado-res, antagonistas dos canais de cálcio, inibidores da enzimaconversora da angiotensina e antagonistas do receptor da an-giotensina II.O tratamento deve ser individualizado e a escolha inicial domedicamento como monoterapia deve basear-se no mecanismoIII-CBHA.pm6 20/12/01, 15:3220
  21. 21. 21fisiopatogênico predominante, nas características individuais,nas doenças associadas, nas condições socioeconômicas e nacapacidade de o medicamento influir sobre a morbidade e amortalidade cardiovasculares.A dose do medicamento como monoterapia deve ser ajusta-da até que se consiga redução da pressão arterial a um nívelconsiderado satisfatório para cada paciente (em geral, inferior a140/90 mmHg). O ajuste deve ser feito buscando-se a menordose eficaz, ou até que surjam efeitos indesejáveis. Se o objeti-vo terapêutico não for conseguido com a monoterapia inicial,são possíveis três condutas:a) Se o efeito for parcial ou nulo e sem reação adversa, reco-menda-se o aumento da dose do medicamento escolhido paramonoterapia inicial ou a associação com medicamento de outraclasse terapêutica.b) Quando não ocorrer efeito na dose máxima preconizada,ou se surgirem efeitos indesejáveis, recomenda-se a substitui-ção da droga em monoterapia.c) Se, ainda assim, a resposta for inadequada, devem-se as-sociar duas ou mais drogas.Finalmente, como já foi mencionado, os esquemas terapêuticosinstituídosdevemprocurarconservaraqualidadedevidadopacien-te, resultando em melhor adesão às recomendações médicas.Algumas indicações específicas para certos anti-hipertensi-vos estão contidas no capítulo do tratamento da hipertensão ar-terial em situações especiaisHIPERTENSÃO ARTERIAL -TRATAMENTO MEDICAMENTOSOPosologia (mg) Número deMedicamentos Mínima Máxima tomadas/diaDiuréticosTiazídicos— Clortalidona 12,5 25 1— Hidroclorotiazida 12,5 50 1— Indapamida 2,5 5 1De alça— Bumetamida 0,5 ** 1-2— Furosemida 20 ** 1-2— Piretanida 6 12 1Poupadores de potássio— Amilorida (em associação) 2,5 5 1— Espironolactona 50 100 1-3— Triantereno (em associação) 50 150 1Inibidores adrenérgicosAção central— Alfametildopa 250 1.500 2-3— Clonidina 0,1 0,6 2-3— Guanabenzo 4 12 2-3— Moxonidina 0,2 0,4 1Alfa-1 bloqueadores— Doxazosina (urodinâmica) 2 4 2-3— Prazosina 1 10 2-3Betabloqueadores— Atenolol 25 100 1-2— Bisoprolol (em associação) 2,5 10 1-2— Metoprolol 50 200 1-2— Nadolol 20 80 1-2— Propranolol 40 240 2-3— Pindolol (com ASI) 5 20 1-3Agentes anti-hipertensivos disponíveis no Brasil.TabelaVIIII-CBHA.pm6 20/12/01, 15:3221
  22. 22. 22III CBHAAgentes anti-hipertensivos disponíveis no Brasil.* Retard, SR, CD, Coer, Oros — Referem-se a preparações farmacêuticas de liberação lenta — ação prolongada.** Variável — de acordo com a indicação clínica.ASI -Atividade Simpatomimetica Intrínseca.TabelaVIPosologia (mg) Número deMedicamentos Mínima Máxima tomadas/diaVasodilatadores diretosHidralazina 50 200 2-3Minoxidil 2,5 40 2-3Antagonistas dos canais de cálcioAntagonistas do canal LFenilalquilaminas— Verapamil Coer* 120 360 1— Verapamil Retard* 120 480 1-2Benzotiazepinas— Diltiazem SR* ou CD* 120 360 1-2Diidropiridinas— Amlodipina 2,5 10 1— Felodipina 5 20 1— Isradipina 2,5 10 2— Lacidipina 4 8 1-2— Nifedipina Oros* 30 60 1— Nifedipina Retard* 20 40 1-2— Nisoldipina 10 30 1— Nitrendipina 20 40 2-3Antagonistas do canal TDerivado do tetralol— Mibefradil 50 100 1Inibidores da enzima conversora da angiotensinaBenazepril 5 20 1-2Captopril 25 150 2-3Cilazapril 2,5 5 1-2Enalapril 5 40 1-2Fosinopril 10 20 1-2Lisinopril 5 20 1-2Perindopril 2,5 5 1-2Ramipril 2,5 10 1-2Trandolapril 2 4 1Antagonistas do receptor da angiotensina IICandesartan 4 16 1Eprosartan 400 800 1Irbesartan 75 300 1Losartan 50 100 1Valsartan 80 160 1III-CBHA.pm6 20/12/01, 15:3222
  23. 23. 23As medidas não-medicamentosas devem ser sempre preco-nizadas e sua indicação detalhada já foi descrita em capítuloespecífico.Após longo período de controle da pressão, pode sertentada, criteriosamente, a redução progressiva das doses dosmedicamentos em uso.Associação deAgentesAnti-hipertensivosAs associações de drogas devem seguir um racional, obede-cendo-se a premissa de não associar drogas com mecanismosde ação similares, à exceção da associação de diuréticos tiazídi-cos e de alça com poupadores de potássio.Como norma, não é recomendado iniciar o tratamento comassociações fixas de drogas.Todas as associações entre as dife-rentes classes de anti-hipertensivos são eficazes. Entretanto, osdiuréticos em doses baixas como segunda droga têm sido uni-versalmente utilizados com bons resultados clínicos. Algumasassociações fixas de drogas estão disponíveis no mercado. Seuemprego após o insucesso da monoterapia, desde que criterio-so, pode ser útil por simplificar o esquema posológico, reduzin-do o número de comprimidos administrados.Para os casos de hipertensão resistente à dupla terapia, pode-se prescrever terapia com três ou mais drogas. Nessa situação,o uso de diuréticos é fundamental. Em casos mais resistentes,a associação de minoxidil ao esquema terapêutico tem-se mos-trado útil.Interação MedicamentosaA possibilidade de interação medicamentosa merece espe-cial atenção nos casos de patologia crônica, como a hipertensãoarterial, para a qual está indicado tratamento com medicamen-tos de uso contínuo e, muitas vezes, associações de anti-hiper-tensivos.Além disso, com freqüência o paciente hipertenso ne-cessita também de outros medicamentos de uso contínuo, paratratamento de patologias associadas e/ou complicações do pró-prio quadro hipertensivo. Dessa maneira, é importante que omédico conheça as principais interações entre anti-hipertensi-vos e medicamentos de uso contínuo que poderão vir a ser pres-critos para o paciente hipertenso. É importante salientar que apreocupação da classe médica e dos órgãos governamentais quegerenciam a saúde pública com o conhecimento da interaçãoentre medicamentos é relativamente recente.Assim, para os anti-hipertensivos lançados mais recentemente essa possibilidade temsido avaliada de forma sistemática, o que nem sempre ocorrecom os medicamentos mais antigos.A TabelaVII apresenta, deforma sintética, as principais interações medicamentosas dosanti-hipertensivos disponíveis no mercado brasileiro.HIPERTENSÃO ARTERIAL -TRATAMENTO MEDICAMENTOSOFluxograma para o tratamento medicamentoso da hipertensão arterialou ou⇓⇓⇓⇓Monoterapia inicialDiuréticosBetabloqueadoresAntagonistas dos canais de cálcioInibidores da enzima conversora da angiotensinaAntagonistas do receptor da angiotensina IIResposta inadequada ou efeitos adversosAumentar Adicionar a Substituir aa dose segunda droga monoterapiaResposta inadequadaAdicionar a segunda ou a terceira drogasIII-CBHA.pm6 20/12/01, 15:3223
  24. 24. 24III CBHAAnti-hipertensivo Fármacos EfeitosDiuréticosTiazídicos e de alça Digitálicos Predispõem à intoxicação digitálicapor hipopotassemiaAntiinflamatórios Antagonizam o efeito diuréticoesteróides e não-esteróidesHipoglicemiantes orais Efeito diminuído pelos tiazídicosLítio Aumentam os níveis séricos do lítioPoupadores de potássio Suplementos de potássio e Hiperpotassemiainibidores da ECAInibidores adrenérgicosAção central Antidepressivos tricíclicos Reduzem o efeito anti-hipertensivoBetabloqueadores Insulina e hipoglicemiantes Mascaram sinais de hipoglicemia eorais bloqueiam a mobilização de glicoseAmiodarona, quinidina BradicardiaCimetidina Reduz a depuração hepática depropranolol e metoprololCocaína Potencializam os efeitos da cocaínaVasoconstritores nasais Facilita o aumento da pressão pelosvasoconstritores nasaisDiltiazem, verapamil e Bradicardia, depressão sinusal emibefradil atrioventricular. Aumento dosníveis de metoprolol pelo mibefradilDipiridamol BradicardiaAlfabloqueadores Antiinflamatórios esteróides Antagonizam o efeito hipotensore não-esteróidesDiltiazem, verapamil, Hipotensãobetabloqueadores e inibidoresadrenérgicos centraisInibidores da ECA Suplementos e diuréticos Hiperpotassemiapoupadores de potássioCiclosporina Aumentam os níveis deciclosporinaAntinflamatórios esteróides Antagonizam o efeito hipotensore não-esteróidesLítio Diminuem a depuração do lítioAntiácidos Reduzem a biodisponibilidade docaptoprilAnti-hipertensivos: interações medicamentosas.TabelaVIIIII-CBHA.pm6 20/12/01, 15:3224
  25. 25. 25Crise HipertensivaA crise hipertensiva constitui situação clínica na qual ocorrebrusca elevação dos níveis da pressão, acompanhada de sinais esintomas, tais como cefaléia, alterações visuais recentes e vasoes-pasmo ao exame de fundo de olho. O encontro de níveis tensio-nais elevados acompanhados de sintomas requer adequada ava-liação clínica, que inclui exame físico detalhado e fundoscopia.É importante ressaltar que é comum a existência de situa-ções de estresse psicológico agudo associadas à presença de ní-veis de pressão elevados, mas que não caracterizam crise hiper-tensiva. Nessa situação, recomenda-se o tratamento agudo doestresse psicológico. A hipertensão arterial deverá ser tratadaem ambulatório.A crise hipertensiva é dividida em urgência e emergênciahipertensivas. Nas urgências hipertensivas, os aumentos da pres-são arterial, por mais elevados que sejam, não estão associadosa quadros clínicos agudos, como obnubilação, vômitos, disp-néia, etc., e, portanto, não apresentam risco imediato de vida oude dano agudo a órgãos-alvo (como, por exemplo, hipertensãoacelerada e hipertensão perioperatória). Nessa situação, o con-trole da pressão arterial deve ser feito em até 24 horas. Inicial-mente, a pressão arterial deve ser monitorizada por 30 minutos.Caso permaneça nos mesmos níveis, preconiza-se a administra-ção, por via oral, de um dos seguintes medicamentos: diuréticode alça, betabloqueador, inibidor da ECA, ou antagonista doscanais de cálcio. Embora a administração sublingual de nifedi-pina de ação rápida tenha sido amplamente utilizada para essefim, foram descritos efeitos colaterais graves com esse uso. Adificuldade de controlar o ritmo ou o grau de redução da pres-são arterial e a existência de alternativas eficazes e mais bemtoleradas torna o uso desse agente (nifedipina de curta duraçãode ação) não recomendável nessa situação.Nas emergências hipertensivas, a crise é acompanhada desinais que indicam lesões em órgãos-alvo em progressão, taiscomo encefalopatia hipertensiva, acidente vascular encefáli-co, edema agudo de pulmão, infarto do miocárdio e evidênci-as de hipertensão maligna ou de dissecção aguda da aorta. Nes-ses casos, há risco iminente de vida ou de lesão orgânica irre-versível, e os pacientes devem ser hospitalizados e submetidosa tratamento com vasodilatadores de uso endovenoso, tais comonitroprussiato de sódio ou hidralazina. Depois de obtida a re-dução imediata dos níveis de pressão, deve-se iniciar a terapiaanti-hipertensiva de manutenção e interromper a medicaçãoparenteral.A hidralazina tem contra-indicação nos casos de cardiopatiaHIPERTENSÃO ARTERIAL -TRATAMENTO MEDICAMENTOSOAnti-hipertensivos: interações medicamentosas.Anti-hipertensivo Fármacos EfeitosAntagonistas dos canais de cálcio Digoxina Verapamil e diltiazem aumentam osníveis de digoxinaTerfenadina e astemizol Aumento de toxicidade dasduas drogas com mibefradilBloqueadores de H2 Aumentam os níveis dosantagonistas dos canais de cálcio,à exceção de mibefradilSinvastatina e lovastatina Toxicidade das duas estatinasaumentadas pelo mibefradilCiclosporina Aumentam o nível de ciclosporina,à exceção de amlodipina efelodipinaTeofilina, prazosina Níveis aumentados com verapamilMoxonidina HipotensãoAntagonistas do receptor daangiotensina II* Moxonidina Hipotensão com losartan* Há poucos estudos disponíveis para a avaliação de interações medicamentosas.TabelaVIIIII-CBHA.pm6 20/12/01, 15:3225
  26. 26. 26III CBHAisquêmica ou infarto do miocárdio e de dissecção aguda de aor-ta, por induzir ativação simpática (com taquicardia e aumentoda pressão de pulso). Na fase aguda do acidente vascular ence-fálico, a redução dos níveis tensionais deve ser gradativa e cui-dadosa, evitando-se reduções bruscas e excessivas. Preconiza-se que, nas primeiras 24 horas a 48 horas, os níveis tensionaisdiastólicos sejam mantidos ao redor de 100 mmHg. Após esseperíodo, de forma cuidadosa e progressiva, pode-se reduzir osníveis tensionais para valores dentro da faixa de normalidade.Para as demais situações, nas quais os níveis tensionais,embora bastante elevados, não se acompanham de sintomas oudeterioração de órgãos-alvo, não caracterizando, portanto, situ-ações de urgência ou emergência hipertensivas, está indicado otratamento ambulatorial.III-CBHA.pm6 20/12/01, 15:3226
  27. 27. 27Negros e MiscigenadosA prevalência da hipertensão arterial na população negra émais elevada, bem como é maior sua gravidade, particularmen-te quanto à incidência de hipertensão arterial maligna, acidentevascular encefálico e insuficiência renal crônica. Esse compor-tamento pode estar relacionado a fatores étnicos e/ou socioeco-nômicos. Predominam, em nosso país, os miscigenados, umapopulação que pode diferir dos negros quanto às característicasda hipertensão.Recomenda-se especial atenção quanto às medidas não-me-dicamentosas para os negros, principalmente redução do con-sumo de sal e perda de peso. Com relação ao tratamento medi-camentoso, existem evidências de que nesse grupo de indivídu-os os diuréticos têm eficácia aumentada e, assim como em bran-cos, diminuem a morbidade e a mortalidade cardiovasculares.Outras drogas, como os antagonistas dos canais de cálcio e osalfabloqueadores, são boas opções.A eficácia dos betabloqueadores e dos inibidores da ECAparece ser menor na população negra americana. Para a popula-ção brasileira negra e miscigenada, não existem dados disponí-veis que permitem avaliar adequadamente a eficácia dessas dro-gas.Assim, se houver indicação preferencial para betabloquea-dores (como, por exemplo, angina do peito e pós-infarto agudodo miocárdio) ou inibidores da ECA (como, por exemplo, ne-fropatia diabética e disfunção sistólica ventricular esquerda),essas drogas devem ser prescritas e sua eficácia pode ser me-lhorada com elevação das doses, restrição dietética de sal e/ouuso associado de diuréticos.IdososEmbora haja tendência de aumento da pressão arterial com aidade, níveis de pressão sistólica acima de 140 mmHg e/ou depressão diastólica acima de 90 mmHg não devem ser considera-dos fisiológicos para os idosos. No Brasil, o grupo etário de 60anos ou mais é o que apresenta maior crescimento na população.Estima-se que, em 2025, haverá mais de 30 milhões de idosos noBrasil. Estudos epidemiológicos brasileiros demonstram que aprevalência de hipertensão arterial entre idosos, à semelhança daobservada em todo o mundo, é bastante elevada. Cerca de 65%dos idosos são hipertensos, e entre as mulheres com mais de 75anos a prevalência de hipertensão pode chegar a 80%.Entre os idosos, a hipertensão sistólica isolada é a mais pre-valente e parece estar mais associada a eventos cardiovascula-res que a hipertensão diastólica ou sistólica e diastólica. Especi-al atenção deve ser dada à presença de pseudo-hipertensão (me-didas falsamente aumentadas devido a rigidez arterial), à pre-sença de hiato auscultatório (subestimação da pressão sistólicae superestimação da pressão diastólica), e à possibilidade dehipertensão do avental branco, principalmente com elevaçõesda pressão arterial sistólica, que pode ser minimizada por meiode aferições repetidas no próprio consultório ou no domicílio.O objetivo do tratamento deve ser a redução da pressão arte-rial a níveis abaixo de 140/90 mmHg, como nos indivíduos adul-tos jovens. Nos pacientes com níveis muito elevados de pressãosistólica, podem ser mantidos níveis intermediários abaixo de160 mmHg. Nesse grupo, deve-se iniciar o tratamento com me-tade da menor dose recomendada e aumentar lentamente atéatingir a dose terapêutica.A maioria dos estudos clínicos controlados com idosos de-monstrou que a redução da pressão arterial com diuréticos ebetabloqueadores diminui a incidência de eventos cardiovascu-lares (acidente vascular encefálico e insuficiência cardíaca emparticular) e a mortalidade geral, mesmo em casos de hiperten-são sistólica isolada e de pacientes com mais de 80 anos porta-dores de cardiopatia. Estudo recente, utilizando o antagonistados canais de cálcio - nitrendipina e o inibidor da enzima con-versora da angiotensina - enalapril para tratamento da hiperten-são arterial sistólica isolada do idoso, também demonstrou di-minuição da morbidade e da mortalidade cardiovasculares.Drogas que exacerbam alterações posturais da pressão arteri-al (como bloqueadores adrenérgicos periféricos, alfabloqueado-res e diuréticos em altas doses), ou que possam causar alteraçõescognitivas (alfametildopa), devem ser utilizadas com cautela noidoso. O risco de interações medicamentosas deve ser sempre lem-brado, devido à alta prevalência de co-morbidade no idoso.Crianças e AdolescentesA prevalência de hipertensão arterial em crianças e adoles-centes pode variar de 2% a 13%. Estudos epidemiológicos bra-sileiros têm demonstrado prevalência de hipertensão arterial,nessa faixa etária, entre 6% e 8%. Atualmente, considera-seobrigatória a medida da pressão arterial a partir de 3 anos deidade, anualmente, ou antes dessa idade, quando a criança apre-sentar antecedentes mórbidos neonatais, doenças renais, ou fa-tores de risco familiares.O método empregado na medida da pressão arterial deve serbastante criterioso, utilizando-se manguito e técnica adequados,devendo-se considerar a fase V de Korotkoff para aferição daHipertensãoArterial -HipertensãoArterial -Tratamento em Grupos EspeciaisCAPÍTULO 6III-CBHA.pm6 20/12/01, 15:3227
  28. 28. 28III CBHApressão diastólica. Os valores obtidos devem ser comparados avalores normativos de idade, sexo e percentil de altura específi-cos, já descritos no capítulo 1.Na infância e adolescência, considera-se pressão arterialnormal valores de medida abaixo do percentil 90, tanto parapressão sistólica como para diastólica.Valores entre os percen-tis 90 e 95 são considerados faixa normal limítrofe; valoresmaiores que o percentil 95, em pelo menos três determinaçõesem ocasiões diferentes, definem hipertensão arterial.Quanto mais altos os níveis da pressão arterial e quanto maisjovem o paciente, maior a possibilidade de ser hipertensão arte-rial de causa secundária, com maior prevalência das causas re-nais. Atenção especial deve ser dada à presença de fatores deriscos, tais como história familiar, obesidade, erros dietéticos,tabagismo e sedentarismo. Cabe ressaltar a importante associa-ção entre excesso de peso e pressão arterial predominantementeno adolescente. A ingestão de álcool, o uso de drogas (particu-larmente a cocaína) e a utilização de hormônios esteróides, ana-bolizantes e anticoncepcionais orais devem ser consideradoscomo possíveis causas de hipertensão arterial.O tratamento não-medicamentoso é obrigatório a partir dopercentil 90 de pressão sistólica/diastólica, com ênfase para ado-ção de medidas em âmbito familiar, em especial a correção doexcesso de peso. A presença de hipertensão arterial por si nãocontra-indica a prática de esportes. Essa atividade deve ser esti-mulada, sob supervisão, como uma das modalidades de tera-pêutica não-medicamentosa.Reserva-se o uso de medicamentos aos hipertensos modera-dos e graves, aos indivíduos sintomáticos, aos não-responsivosao tratamento não-medicamentoso e aos com evidência de danoem órgãos-alvo.A escolha das drogas obedece aos critérios uti-lizados para adultos, com ressalva ao uso de inibidores da enzi-ma conversora da angiotensina e de antagonistas do receptor daangiotensina II em adolescentes do sexo feminino em idade fér-til. Os betabloqueadores devem ser evitados em asmáticos, atle-tas (limitação do desempenho físico) e jovens de ambos os se-xos (interferência na atividade sexual).MulheresAs mulheres são relativamente protegidas de eventos car-diovasculares antes da menopausa. Entretanto, estudos clínicosde longo prazo têm demonstrado que as mulheres não diferemdos homens quanto à resposta pressórica anti-hipertensiva e aoprognóstico; entretanto, recomenda-se evitar o uso de inibido-res da ECA e de antagonistas do receptor da angiotensina II emmulheres em idade fértil que não utilizam métodos anticoncep-cionais comprovadamente seguros.Embora não haja contra-indicação formal, o uso de anticon-cepcionais orais deve ser evitado em mulheres com mais de 35anos de idade e em obesas, pelo maior risco de hipertensão arte-rial. Em mulheres com mais de 35 anos e fumantes irredutíveis,o anticoncepcional oral está formalmente contra-indicado, de-vendo-se prescrever outros métodos contraceptivos. O apareci-mento de hipertensão arterial durante o uso de anticoncepcio-nal oral implica a descontinuação imediata desse contraceptivo.Em geral, a pressão arterial tende a se normalizar no prazo dealguns meses.A reposição hormonal pós-menopausa pode ser recomenda-da mesmo para mulheres hipertensas, pois tem pouca interfe-rência sobre a pressão arterial e representa indiscutíveis benefí-cios sobre o perfil de risco cardiovascular. Eventualmente, pe-queno número de mulheres pode apresentar elevação da pres-são arterial atribuível à terapia com estrogênio.Assim sendo, apressão arterial deve ser monitorizada periodicamente após oinício da reposição hormonal, em hipertensas ou não. O efeitodo estrogênio ou da progesterona transdérmicos sobre a pressãoarterial não está bem estabelecido.No tratamento anti-hipertensivo da mulher pós-menopausa,particularmente, deve ser lembrado o efeito benéfico dos diuré-ticos na osteoporose.GravidezConsidera-se hipertensão arterial na gravidez quando o ní-vel da pressão arterial for maior ou igual a 140/90 mmHg, emduas aferições, com intervalo mínimo de 4 horas (se a pressãoarterial diastólica for maior ou igual a 110 mmHg, confirmadaapós 1 hora, caracteriza-se forma grave de hipertensão); ou quan-do a elevação da pressão sistólica for maior ou igual a 30 mmHge/ou a pressão diastólica for maior ou igual a 15 mmHg, inde-pendentemente dos níveis de pressão iniciais e finais.A medidadeve ser realizada com a paciente sentada, considerando-se afase V como indicativa de pressão arterial diastólica e, eventu-almente, quando os batimentos arteriais permanecerem até onível zero, a fase IV de Korotkoff.Duas formas principais de hipertensão arterial podem com-plicar a gravidez: hipertensão arterial crônica (preexistente) ehipertensão induzida pela gravidez (pré-eclâmpsia/eclâmpsia).A presença de hipertensão arterial crônica aumenta o risco depré-eclâmpsia sobreposta.Hipertensão arterial crônicaCorresponde a hipertensão de qualquer etiologia, presenteantes da gravidez ou diagnosticada até a vigésima semana dagestação. Evidências de alterações vasculares ao exame de fun-do de olho e presença de hipertrofia ventricular esquerda con-firmam a hipertensão preexistente e têm implicações prognósti-cas materno-fetais.Toda grávida hipertensa deve ter acompanhamento quinze-nal, após a vigésima semana, e semanal, após a trigésima sema-na de gestação. Os níveis de pressão que requerem tratamentomedicamentoso durante a gravidez permanecem controversos.A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda que o tra-tamento seja iniciado quando a pressão arterial diastólica ultra-passar 95 mmHg. Em contraste com relatos da literatura, emIII-CBHA.pm6 20/12/01, 15:3228
  29. 29. 29nosso meio observou-se expressiva incidência de complicaçõesmaterno-fetais em grávidas com hipertensão arterial moderada.A alfametildopa é considerada a melhor opção, face à amplaexperiência e à ausência de efeitos sobre o feto. Caso não sejabem tolerada, betabloqueadores (particularmente com ativida-de simpatomimética intrínseca), antagonistas dos canais de cál-cio e diuréticos em baixas doses (principalmente se já utilizadosantes da gestação) constituem boas opções alternativas ou aditi-vas. Inibidores da ECA, que podem agravar a isquemia uterinae causar insuficiência renal no feto, assim como antagonistasdo receptor da angiotensina II estão formalmente contra-indi-cados na gravidez.Pré-eclâmpsiaÉ uma doença hipertensiva peculiar à gravidez humana, queocorre após a vigésima semana de gestação, mais freqüente-mente próximo ao termo. Caracteriza-se pelo desenvolvimentogradual de hipertensão e proteinúria, reversíveis após a gravi-dez. A superveniência de convulsão define uma forma grave,chamada eclâmpsia. No terceiro trimestre de gravidez, a pre-sença de dor epigástrica requer a exclusão definitiva de formasgraves de pré-eclâmpsia com envolvimento hepático.Diante do diagnóstico presuntivo de pré-eclâmpsia, a inter-nação hospitalar é obrigatória. Se já houver maturidade pulmo-nar fetal (> 34 semanas), a gestação deve ser interrompida. Quan-do a pré-eclâmpsia se desenvolve antes da maturidade pulmo-nar fetal e não houver sinais de gravidade materna, pode-se ten-tar prolongar a gestação. Entretanto, a interrupção da gestaçãodeve ser considerada na vigência de sofrimento fetal ou de si-nais de risco materno. Quando o parto é iminente, a hipertensãoarterial deve ser tratada com hidralazina endovenosa (5 mg) e/ou com nifedipina oral (5 mg). Doses subseqüentes são ditadaspela resposta inicial.As mesmas restrições já discutidas no ca-pítulo de tratamento medicamentoso (crise hipertensiva) apli-cam-se ao emprego na gravidez da nifedipina de curta duraçãode ação. Uma preocupação adicional em relação aos antagonis-tas de canais de cálcio relaciona-se ao uso concomitante de sul-fato de magnésio, que deve ser utilizado como droga de escolhano tratamento e, possivelmente, na prevenção da convulsãoeclâmptica. O magnésio pode potencializar os efeitos dos anta-gonistas de canais de cálcio e provocar queda súbita e intensa dapressão arterial. É contra-indicado o uso de nitroprussiato desódio em gestantes na iminência do termo, pelo risco de intoxi-cação fetal por cianeto.Doença Pulmonar ObstrutivaCrônica ou Asma BrônquicaA única restrição medicamentosa nesse grupo limita-se aosbetabloqueadores, pois podem desencadear broncoespasmos,independentemente da cardiosseletividade do agente. Deve-seatentar para o uso eventual de simpatomiméticos, tais comoteofilina e efedrina e/ou corticosteróides, que podem dificultaro adequado controle da pressão, quando prescritos simultanea-mente. Entretanto, se indicados, podem ser usados com cautela.Cromoglicato de sódio, brometo de ipratrópio, ou corticosterói-des por via inalatória podem ser usados com segurança em indi-víduos hipertensos.DepressãoA depressão pode dificultar a aderência ao tratamento dahipertensão arterial, bem como de outros fatores de risco car-diovascular. Por outro lado, vários agentes hipotensores (alfa-metildopa, clonidina e betabloqueadores de ação central) tam-bém podem causar depressão. Os diuréticos tiazídicos podemaumentar os níveis séricos de lítio. O uso de antidepressivostricíclicos, inibidores de monoaminoxidase (IMAO) e venlafa-xine exige atenção com os níveis da pressão.ObesidadeHipertensãoarterialeobesidadesãocondiçõesfreqüentementeassociadas, em especial a obesidade centrípeta, fazendo parte deuma síndrome metabólica caracterizada pela presença de resis-tência periférica à insulina e hiperinsulinemia.A freqüência des-sa associação pode variar com a idade, o sexo e a raça.Redução do excesso de peso, restrição dietética de sódio eprática de atividade física regular são fundamentais para o con-trole da pressão e podem, por si só, normalizar os níveis de pres-são.Anorexígenos que contenham anfetaminas ou seus deriva-dos e hormônios tireoideanos podem causar elevação da pres-são arterial, não devendo ser utilizados.A associação de obesi-dade e apnéia do sono deve ser sempre lembrada como fatorque pode dificultar o controle da pressão arterial.Os inibidores da ECA são benéficos para o paciente obeso,pois aumentam a sensibilidade à insulina, enquanto os antago-nistas dos canais de cálcio poderiam ser recomendados pela suaação natriurética e neutralidade sobre o metabolismo lipídico eglicêmico. Por outro lado, os diuréticos e betabloqueadores de-vem ser utilizados com cautela pela possibilidade de aumentar aresistência à insulina e determinar intolerância à glicose.Diabete MelitoA prevalência de hipertensão arterial em pacientes diabéti-cos é pelo menos duas vezes a da população em geral. Nessespacientes, a pressão arterial deve ser medida nas posições deita-da, sentada e em pé, devido à maior incidência de hipotensãopostural decorrente da disautonomia.No diabete tipo I (dependente de insulina), a hipertensãoarterial associa-se claramente à nefropatia diabética. NessesHIPERTENSÃO ARTERIAL -TRATAMENTO EM GRUPOS ESPECIAISIII-CBHA.pm6 20/12/01, 15:3229

×