Gestantes com diabetes orientações para pacientes -nutricional

  • 782 views
Uploaded on

 

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
782
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
54
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Educação em Saúde VOL. 56 Gestantes com Diabetes Orientações para pacientes
  • 2. Gestantes com Diabetes Orientações para pacientes Dra. Angela Jacob Reichelt Médica do Serviço de Endocrinologia do HCPA Profa.Dra.MariaLúciaRochaOppermann Prof. Adjunto do Departamento de Ginecologia e Obstetrícia - FAMED UFRGS Profa. Dra. Mirela Jobim de Azevedo Prof. Associado do Departamento de Medicina Interna - FAMED UFRGS, chefe do Serviço de Endocrinologia do HCPA Cigléa do Nascimento Nutricionista do Serviço de Nutrição e Dietética do HCPA Bibiana de Almeida Rubin Nutricionista do Serviço de Nutrição e Dietética do HCPA
  • 3. Sumário APRESENTAÇÃO 5 O que é o diabetes? 7 O que a pessoa que tem diabetes pode sentir? 7 Como é o diabetes durante a gravidez? 7 O que uma mulher que já tem diabetes deve fazer se quiser engravidar? 8 Que problemas podem acontecer na gravidez com diabetes? 10 Como a gravidez pode influenciar o diabetes? 11 Por que há mães que apresentam diabetes só na gravidez? 12 Como é o tratamento do diabetes durante a gestação? 12 Como devem ser distribuídas as refeições? 14
  • 4. Que vitaminas e minerais são importantes na gravidez? 17 Quais são os problemas mais comuns na gestação e como a alimentação pode ajudar? 18 A gestante com diabetes pode fazer exercícios? 20 Que remédios são usados para o tratamento do diabetes? 20 Hipoglicemia 22 Como é o pré-natal da gestante com diabetes? 24 Como é o parto? 25 Como é o acompanhamento depois do parto? 25 Sites recomendados 27 APÊNDICE 28
  • 5. 5 Apresentação Você que está grávida e tem diabetes precisa saber que o tratamento cuidadoso é muito importante para o desenvolvimento normal da sua gravidez e do seu bebê. Quanto mais souber sobre o assunto, mais você poderá participar do seu tratamento. A proposta deste manual é responder às perguntas que mais escutamos das nossas gestantes.
  • 6. O que é o diabetes? • Diabetes é o aumento do açúcar (glicose) no sangue. • O nível normal do açúcar no sangue é de até 100 mg/dl em jejum e abaixo de 140 mg/dl duas horas após uma refeição. Na gravidez esses valores são mais baixos. • Há muitas formas de diabetes, sendo as mais conhecidas o diabetes tipo 1, o diabetes tipo 2 e o diabetes gestacional. O que a pessoa que tem diabetes pode sentir? • Quando o açúcar no sangue está alto (hiperglicemia), as pessoas podem sentir muita sede e fome, urinar com frequência e apresentar cansaço, visão turva e outros problemas. • O aumento do açúcar ao longo de muitos anos pode causar problemas como doenças nos rins, na retina (fundo do olho), nos nervos e no coração. São as chamadas complicações crônicas do diabetes. Como é o diabetes durante a gravidez? O diabetes se associa com a gravidez em duas situações: • diabetes pré-gestacional: quando uma mulher que já tinha diabetes engravida; • diabetes gestacional: quando a alteração da glicose começa durante a gravidez, sem que mulher soubesse que tinha problemas de açúcar alto no sangue. Para verificar se o diabetes apareceu durante a gravidez, as gestantes fazem o exame curva 7
  • 7. 8 glicêmica. Seu médico vai informar os valores normais da glicose nesse exame. O diabetes gestacional inicia, em geral, depois das 20 semanas (corresponde mais ou menos ao quinto mês de gravidez), mas às vezes pode aparecer bem no começo da gravidez. Quando o diabetes começa bem no início da gravidez, é possível que a mulher já tivesse diabetes antes e não soubesse; por isso, ele também pode ser considerado diabetes pré-gestacional. O que uma mulher que já tem diabetes deve fazer se quiser engravidar? • Antes de começar a tentar engravidar, o primeiro cuidado é garantir que o açúcar no sangue esteja o mais próximo possível do normal e que a hemoglobina glicada esteja dentro da faixa normal. A hemoglobina glicada é um exame que informa sobre as taxas médias da glicose no sangue nos últimos 2 ou 3 meses. Ela mostra como estava o açúcar no sangue nesse período.
  • 8. 9 • A formação do bebê pode ser afetada quando o açúcar no sangue da mãe está alto, principalmente no período da formação dos órgãos (mais ou menos até o terceiro mês). Você só deve parar a anticoncepção quando a hemoglobina glicada estiver bem. Isso faz com que a chance de malformações no bebê seja parecida com a das mulheres sem diabetes. • A presença de açúcar elevado no sangue durante a gravidez também traz alguns riscos para a mãe, como pressão alta na gravidez, cesariana e, às vezes, parto antes do tempo certo (prematuro). • Todas as mulheres que querem engravidar devem usar o ácido fólico, que é uma vitamina. O uso deve começar 1 a 2 meses antesdagravidezeseguiratécompletar10semanasdegestação. O ácido fólico diminui o risco de malformação na coluna e na medula espinhal do bebê. • As mulheres que têm diabetes há muitos anos devem realizar exames para ver se alguns órgãos que são afetados pelo diabetes estão bem, como os olhos (exame de fundo de olho) e os rins (medida da albumina na urina e da creatinina). Em casos mais raros outros órgãos, como coração e os nervos podem ser afetados e necessitar avaliação de preferência antes de engravidar.
  • 9. 10 • Se você trata o diabetes com comprimidos, seu médico vai orientá-la sobre o que fazer nessa situação. É possível que você continue tomando os comprimidos ou que tenha que trocar o tratamento. • Se você usa comprimidos para pressão alta, para diminuir o colesterol ou qualquer outro remédio, é necessário comunicar ao seu médico. Talvez seja necessário modificar o tratamento, pois alguns medicamentos não devem ser usados durante a gravidez. Queproblemaspodemacontecernagravidez com diabetes? • O problema mais sério é a malformação do feto, que é o defeito que acontece durante a formação do bebê porque o açúcar do sangue estava muito alto quando a mulher engravidou. Os órgãos mais importantes (rins, coração, sistema nervoso - coluna e cérebro) se formam bem no início da gravidez, nas primeiras oito semanas. Neste período, algumas mulheres ainda não se deram conta de que estão grávidas. • O peso exagerado do recém-nascido (acima de 4 quilos), ou quando ele nasce muito grande relação ao tempo de gravidez é chamado de macrossomia. A macrossomia pode acontecer em qualquer tipo de diabetes. • A hipoglicemia, que é a diminuição do açúcar no sangue, pode aparecer no bebê logo depois do parto. • O amarelão (icterícia) também acontece com maior frequência no recém-nascido. • O bebê não terá diabetes ao nascer, mas terá mais risco de ter diabetes e problemas cardiovasculares quando ficar adulto, principalmente se não se mantiver no peso adequado.
  • 10. 11 A melhor maneira de garantir uma gestação normal e o nascimento de um bebê saudável é controlando bem o diabetes antes e em todas as fases da gravidez. Comoagravidezpodeinfluenciarodiabetes? • Se a gestante tem diabetes há muito tempo (em geral há mais de 10 anos) e apresenta alguma complicação crônica, pode precisar de tratamento especializado e fazer exames mais frequentes na gravidez. • Nas mulheres que já tinham diabetes antes de engravidar e usavam remédios para o tratamento pode acontecer mais hipoglicemia (açúcar baixo no sangue), principalmente nos primeiros três meses da gravidez. • Depois dessa fase inicial, com o crescimento do bebê e da placenta, o açúcar no sangue aumenta, tanto no diabetes gestacional quanto no diabetes pré-gestacional. • Depoisdeganharoseubebê,vocêdevefazeracompanhamento com um oftalmologista. Complicações nos olhos podem ocorrer até 12 meses depois do parto.
  • 11. 12 Por que há mães que apresentam diabetes só na gravidez? • A gravidez provoca mudanças grandes no metabolismo da mulher. Essas mudanças exigem maior produção de insulina que é o hormônio produzido pelo pâncreas, responsável por manter os valores normais de glicose no sangue. Algumas mulheres não conseguem aumentar essa produção suficientemente. O resultado é que elas começam a ter taxas mais altas de açúcar no sangue, por falta de insulina: isso é o diabetes gestacional. • Existem algumas características que aumentam a chance de ter diabetes gestacional. Os fatores mais importantes são a idade acima de 25 anos e a obesidade (excesso de peso). Outras características são a baixa altura da mulher, familiares (pais ou irmãos) com diabetes, gestações anteriores com abortos de repetição, ou recém nascidos de mais de 4 quilos, ou com malformações, ou nascidos mortos; ou ainda já ter tido aumento do açúcar no sangue. • Na maioria das vezes, o diabetes gestacional desaparece depois da gravidez. O teste de curva glicêmica é repetido a partir de 2 meses depois do parto para confirmar se o diabetes sumiu ou não. No futuro, as mulheres que não conseguem manter o peso adequado e que não fazem exercícios poderão desenvolver diabetes. Como é o tratamento do diabetes durante a gestação? • O tratamento é feito com dieta (prescrita em todos os casos), exercícios e medicamentos. Seu médico vai indicar o que você precisa fazer. • A nutricionista vai elaborar uma dieta de acordo com o seu
  • 12. 13 peso e altura. O objetivo é manter os níveis recomendados do açúcar no sangue da mãe e oferecer as quantidades certas de alimentos para o bebê se desenvolver bem. • No cartão anexo você encontra a representação de um prato saudável para ser usado nas refeições principais. Você pode ver que alimentos de quatro grupos diferentes devem ser consumidos: frutas, vegetais, proteínas e grãos. • A pirâmide dos alimentos também é usada para guiar a alimentação e também está representada no cartão anexo. Ela mostra os grupos de alimentos e as quantidades (porções) de cada um que você deve comer por dia. Você pode consultar a lista que está no apêndice para ver o tamanho das porções de cada alimento e sua equivalência em medidas caseiras. • Em casos em que a gestante usa insulina, poderá ser orientada a fazer controle da alimentação com contagem de carboidratos nas refeições, para ajustar a dose do medicamento. Isso será avaliado pela equipe médica. • Os alimentos ricos em carboidratos fornecem energia e são importantes para a formação do sistema nervoso do seu bebê. Exemplos desses alimentos são: arroz, pães, massas, raízes e tubérculos (batata, aipim). • Os vegetais e as frutas são fontes de vitaminas, sais minerais e fibras. • O leite e derivados, as carnes e as leguminosas (feijão, lentilha, ervilha, grão de bico) são alimentos ricos em proteínas, cálcio, ferro e ácido fólico. • O açúcar branco, o açúcar mascavo, o mel e o melado e o pão branco não devem ser consumidos. Eles aumentam muito rapidamente o açúcar no sangue. • O açúcar pode ser substituído, com moderação, por adoçantes artificiais. Os adoçantes mais seguros para o período gestacional
  • 13. 14 são o aspartame (Finn®, Gold®, Slim®, Sweet®), que é contra- indicadoparapessoascomfenilcetonúria;asucralose(Splenda®); e o acessulfame K (usado em alguns refrigerantes dietéticos). Os produtos dietéticos podem ser consumidos com moderação. A nutricionista vai orientá-la sobre o uso desses produtos. Todos os grupos de alimentos são importantes na alimentação da gestante, por isso eles devem ser consumidos nas quantidades prescritas. Como devem ser distribuídas as refeições? O número de refeições pode variar de quatro a seis por dia. As três refeições principais são: o desjejum (café da manhã), o almoço e o jantar. A nutricionista vai orientar você sobre a necessidade de fazer os lanches intermediários: a colação (lanche da manhã), o lanche da tarde e a ceia. Não deixe de fazer o número recomendado de refeições. Algumas dicas • Coma devagar e mastigue bem os alimentos. • Coma pelo menos três frutas durante o dia, sendo uma delas cítrica (laranja, bergamota, kiwi), na porção indicada em sua dieta. Não há nenhuma restrição quanto ao consumo de laranja
  • 14. 15 por pacientes diabéticos, porém a ingestão deve limitar-se a uma unidade por vez, e, caso seja feito suco natural, vale a mesma recomendação (uma laranja diluída em 1 copo de água - 200 ml). • Dê preferência aos alimentos com grãos integrais (pão integral, arroz integral, macarrão integral). • Tome líquidos, de preferência água, ao longo do dia. • Não sente ou deite logo após as refeições. • Evite frituras, prefira alimentos grelhados, cozidos e assados. • Antes de cozinhar os alimentos, retire a gordura aparente das carnes. Prepare o frango sem pele. • Use sal em pequenas quantidades. Só é necessário retirar o sal completamente da alimentação se o médico indicar. • Bebidas alcoólicas não devem ser consumidas. • A cafeína (do café) pode diminuir a absorção de ferro e em algumas gestantes pode causar enjôo e azia. Recomenda-se consumir apenas uma ou duas xícaras pequenas de café por dia.
  • 15. • Os refrigerantes sem adição de açúcar também devem ser consumidos moderadamente, pois contêm o mineral fosfato, que diminui a absorção de cálcio. Alguns refrigerantes também contêm grande quantidade de sal. • Faça as refeições e lanches em horários regulares. Quem faz uso de insulina deve ajustar o horário e as quantidades de alimentos ao seu esquema de insulina. Sugestão de temperos para o preparo dos alimentos Alecrim, alho, cebola, cebolinha, coentro, cominho, erva doce, açafrão, gengibre, louro, manjerona, manjericão, noz-moscada, orégano, páprica, pimenta, pimentão, salsa, sálvia, tomilho. Sugestão de temperos para saladas Limão, vinagre de maçã, vinagre balsâmico, óleo de oliva extra-virgem. 16
  • 16. 17 Que vitaminas e minerais são importantes na gravidez? VITAMINAS IMPORTÂNCIA NA GESTAÇÃO FONTES ALIMENTARES Vitamina A Formação do broto dentário e crescimento ósseo do feto. • leite integral • gema de ovo • peixes • manteiga • legumes e vegetais Vitamina D Auxilia na absorção de cálcio e fósforo; mineralização do tecido ósseo e brotos dentários do feto. • leite e derivados • gema de ovo • exposição ao sol, de manhã cedo Vitamina C Formação e integridade do corpo fetal; auxilia no aumento da absorção do ferro no organismo da mãe. • frutas: acerola, kiwi, laranja, limão, maçã, goiaba, maracujá, melão • tomate, pimentão • vegetais folhosos • brócolis Ácido fólico Prevenção da anemia materna; prevenção de malformações do sistema nervoso fetal. • fígado, carnes, rim • vegetais folhosos • frutas oleaginosas • leguminosas
  • 17. MINERAIS IMPORTÂNCIA NA GESTAÇÃO FONTES ALIMENTARES Cálcio Formação dos ossos e brotos dentários do feto; Necessidade aumentada na mãe • leite • queijo • iogurte Ferro Depósito de ferro no fígado do feto e prevenção de anemia na mãe • vísceras: fígado, coração • carnes vermelhas • gema de ovo • grãos integrais Fósforo Formação dos ossos e brotos dentários do feto, necessidade aumentada na mãe • leite • queijo • carnes magras Quais são os problemas mais comuns na gestação e como a alimentação pode ajudar? Enjoo e vômitos São mais comuns no começo da gravidez. Neste período, você pode diminuir esses problemas se: • não consumir os alimentos que lhe causam intolerância; • usar uma dieta mais seca, sem muitos molhos, com alimentos de fácil digestão; • não consumir gorduras em excesso; • beber líquidos gelados entre as refeições; • evitar líquidos em excesso pela manhã, em jejum e nas refeições; • dividir as refeições: diminuir a quantidade de alimento e aumentar o número de refeições; • deixar o ambiente mais ventilado. 18
  • 18. Azia É mais frequente no final da gestação. Você sente queimação no peito ou na barriga. Isso acontece porque a barriga está muito grande (o útero aumentou) e empurra o estômago, que fica apertado. Para evitar a azia você pode: • dividir as refeições e diminuir a quantidade de alimentos em cada refeição; • mastigar bem os alimentos; • comer com tranquilidade durante as refeições; • não deitar após as refeições; • diminuir a quantidade de gorduras; • evitar roupas apertadas; • elevar a cabeceira da cama com livros ou tijolos, deixando a cabeça mais alta do que os pés quando você deita. Prisão de ventre A gravidez pode piorar a prisão de ventre. Para preveni-la você pode: • aumentar a o consumo de fibras vegetais; • tomar mais água; • consumir frutas e farelos de trigo ou de aveia (observando sempre o valor calórico); • fazer exercícios e caminhadas, desde que não exista contraindicação. Em caso de dúvida, consulte seu médico. 19
  • 19. A gestante com diabetes pode fazer exercícios? • Sim, se não houver contraindicação por parte da equipe de saúde. Se a gestante já praticava exercícios regularmente, ela pode continuar a praticá-los durante a gravidez, com orientação médica. • Alguns esportes não devem ser praticados na gestação, como mergulho e esportes com bola. • O médico vai orientar a prescrição de exercícios a gestantes que não estavam habituadas a fazê-los. Que remédios são usados para o tratamento do diabetes? Insulina A insulina é o hormônio que faz o açúcar do sangue ser aproveitado pelo corpo para ter energia. Ela é produzida pelo pâncreas e quando alguém não consegue produzir toda a insulina que precisa, o açúcar no sangue fica aumentado – é o diabetes. Nesse caso, às vezes é preciso usar insulina, que é aplicada com injeções. Caso você precise iniciar 20
  • 20. esse tratamento, receberá orientações da equipe médica. A enfermeira explicará a técnica de aplicação de insulina e você receberá um manual de orientação. Comprimidos Existem dois comprimidos que podem ser usados para tratar o diabetes gestacional: a metformina e a glibenclamida. Eles funcionam de maneiras diferentes e seu médico vai indicar qual é o melhor para você. Efeitos indesejados Existem alguns efeitos indesejados com o uso dos remédios para tratar o diabetes. A metformina pode, às vezes, causar um pouco de enjôo e de diarreia. Esses problemas melhoram quando o remédio é tomado depois da refeição e também depois de um tempo de uso (de 7 a 10 dias). A insulina e a glibenclamida podem causar hipoglicemia (açúcar baixo no sangue). Você pode sentir tremores nas mãos e fome, a pele fica suada e fria, o coração fica agitado. Se o teste da glicose apresentar resultado abaixo de 60 mg/dl, você deve comer alguma coisa com açúcar e adiantar a próxima refeição. Seu médico vai indicar como tratar a hipoglicemia, mas, a seguir, há uma orientação inicial. 21
  • 21. Hipoglicemia A hipoglicemia é o nome dado à diminuição do nível de açúcar no sangue. A hipoglicemia, por si só, não é uma doença, mas uma alteração relacionada ao tratamento medicamentoso para o diabetes em algumas situações que fazem com que haja uma queda da glicose no sangue (doses inadequadas dos medicamentos, jejum prolongado, exercício físico). Causas • Jejum: alimentação insuficiente - na quantidade do alimento ou no número de refeições (por exemplo, quando se deixa de fazer alguma refeição). • Exercício físico: o funcionamento dos músculos pode ter consumido a glicose (açúcar) disponível no sangue. • Medicamentos: o uso de insulina ou glibenclamida sem uma refeição associada, com exercício físico em excesso ou doses inadequadas dos medicamentos pode levar à hipoglicemia. Sinais e sintomas • tremores, suor frio, tontura, irritação, taquicardia (coração acelerado), visão turva, palidez, letargia (pessoa parece que fica lenta,“devagar”), naúsea e fome súbita; • convulsões ou perda de consciência. 22
  • 22. Tratamento 1. Comer ou beber algo doce (equivalente a 15 g carboidrato) Usar: • 1 sachê glicose em gel (15 g); ou • 1 copo (200 ml) suco de fruta natural ou concentrado; ou • 1 copo de refrigerante normal; ou • 1 colher de sopa de mel ou Karo ou açúcar; ou • 3 balas; ou • 1 banana média. Não usar: • chocolate, bolacha recheada, doces em geral ou sorvete. 2. Verificar a glicemia através do teste de glicemia capilar 15 minutos após o tratamento. Se o valor persistir menor do que 60 mg/dl, repita o tratamento. 3. Se possível, fazer um pequeno lanche para estabilizar o açúcar no sangue 30 minutos depois do tratamento acima descrito. Exemplos de lanches: • 1 copo de batida de fruta (200 ml); ou • iogurte desnatado ou diet e 1 fruta; ou • 1 copo de café com leite ou de leite puro com 1 fatia de pão de centeio. 23
  • 23. Como é o pré-natal da gestante com diabetes? • O principal objetivo do tratamento do diabetes na gestação é que o seu bebê nasça saudável, na época adequada, e que você não tenha complicações. • A gestante com diabetes, pré-gestacional ou gestacional, é chamada de gestante de risco, em função das complicações que o aumento do açúcar no sangue pode provocar no feto e na mãe. No pré-natal de alto risco é necessário realizar um número maior de consultas e de exames, além da rotina pré-natal comum. • Nas gestações de risco, as ecografias são mais frequentes. Esse exame mostra como o bebê está se desenvolvendo dentro do útero da mãe. • O controle dos movimentos do feto dentro do útero, feito pela mãe, pode ser usado a partir das 32 semanas de gravidez. A técnica é deitar sobre o lado esquerdo e contar o número de movimentos fetais sentidos durante 40 ou 60 minutos. Cada feto tem seu padrão próprio de movimentos e a equipe médica orientará a conduta para cada gestante. • O ecocardiograma fetal é um exame especializado para avaliar o coração do feto e é realizado a partir das 24 semanas de gestação. • Todas as gestantes que usam insulina ou comprimidos para o tratamento do diabetes fazem exames de avaliação do bem- estar fetal a partir de 32 semanas. Esses exames ajudam a ver como está o bebê dentro do útero. Os exames mais usados são o MAP (uma espécie de eletrocardiograma do feto) e o Perfil Biofísico Fetal, que é feito com ecografia. • A frequência e o tipo de exames variam conforme a época e a evolução da gravidez ou com o aparecimento de outros problemas. O médico determinará a necessidade e o intervalo dos exames para cada gestante. 24
  • 24. • No período do pré-natal, a gestante já pode começar a tomar alguns cuidados para depois amamentar o bebê. Para o preparo dos mamilos, você pode friccioná-los, durante o banho, com buchas e, após o banho, com toalha. Evite o uso de creme nos mamilos durante a gravidez. Quando há ameaça de parto prematuro, o manuseio dos mamilos não deve ser feito porque pode provocar contrações uterinas. Como é o parto? • O momento e o tipo de parto vão depender muito do controle do diabetes. Se estiver bem controlado, o parto será entre 39 e 40 semanas. A escolha da via de parto depende das características de cada gravidez, portanto, não é possível estabelecer regras. Nas grávidas com fetos muito grandes (macrossômicos) pode ser necessário fazer cesariana. • Para o parto, as gestantes em uso de remédios (insulina ou comprimidos) receberão orientação especial da equipe médica. Como é o acompanhamento depois do parto? 1 - Amamentação 25
  • 25. • A dieta prescrita para a mãe será revisada. • A amamentação é um ótimo momento para ajudar a perder peso. • Os bebês amamentados no peito têm muitas vantagens com relação aos alimentados com mamadeira. • As mulheres com diabetes pré-gestacional podem necessitar de doses mais baixas de insulina nos primeiros dois ou três dias após o parto. Depois, elas voltam a usar as doses habituais de insulina aplicadas antes da gravidez. Podem ser necessários pequenos ajustes de doses relacionados aos horários das mamadas. Se o açúcar do sangue ficar muito alto, seu médico vai indicar o melhor tratamento. Os comprimidos para diabetes ainda não estão liberados para uso durante a amamentação. • As mulheres com diabetes gestacional não necessitam mais de remédios e podem voltar a alimentar-se normalmente. Todas devemfazerexamesdeglicose(oaçúcarnosangue)cercadedois meses depois do parto, para verificar se o diabetes desapareceu. 2 - Anticoncepção (dicas para não engravidar sem querer) • Após o parto é importante planejar a anticoncepção, mesmo que durante os primeiros 30 dias seja recomendado ficar sem relações sexuais. • O tipo de método anticoncepcional depende da escolha de cada casal. Pode ser camisinha, DIU, pílula de progesterona, injeção de progesterona de depósito (feita a cada três meses) ou métodosdefinitivoscomoaligaduradastrompas(namulher)oua vasectomia (no homem). A decisão do método anticoncepcional vai ser discutida com o seu médico. É importante sair do hospital com a prescrição de um método para não engravidar, mesmo que você esteja amamentando, porque algumas mulheres 26
  • 26. podem engravidar no segundo ou no terceiro mês depois do parto. • As mulheres com diabetes tipo 1 ou diabetes tipo 2 devem sempre planejar as suas gestações, evitando engravidar até que o médico diga que o controle do diabetes está bom. Converse com seu médico para receber orientação. Esperamos que você tenha gostado do nosso manual e que ele seja útil na sua gestação. Se você quiser saber mais sobre o assunto, consulte as sugestões de sites indicadas abaixo. A equipe“diabetes e gestação”está à disposição para esclarecer dúvidas! Sites recomendados Serviço de Endocrinologia do HCPA http://diabetesendocrinologia.org.br/ Sociedade Brasileira de Diabetes http://www.diabetes.org.br/ Se você lê em inglês: American Diabetes Association http://www.diabetes.org/diabetes-basics/gestational/ 27
  • 27. Apêndice Aqui você encontra exemplos de dietas equilibradas e listas de alimentos para poder fazer as substituições necessárias. Dieta com 1800 kcal Desjejum (café da manhã): Leite ou derivados - 1 ½ porção Pão e cereais - 1 porção Complemento para passar no pão -1 ½ porção Lanche da Manhã (opcional): Fruta - 1 porção Almoço: Vegetal tipo A - à vontade Vegetal tipo B - 1 porção Vegetal C - 1 porção Leguminosa - 1 porção Carne - 1 porção Sobremesa: gelatina diet - 1 porção Lanche da Tarde: Leite ou derivados - 1 porção café com leite - 1 copo (200 ml) Pão e cereais - ½ porção Complemento para passar no pão - ½ porção Fruta - 1 porção Jantar: Vegetal tipo A - à vontade Vegetal tipo B - 1 porção Vegetal C - 1 porção Leguminosa - 1 porção Carne - ½ porção Sobremesa: gelatina diet - 1 porção Ceia: Leite ou derivados: ½ porção Pão e cereais: ½ porção Complemento para passar no pão -1 porção 28
  • 28. Dieta com 2000 kcal Desjejum (café da manhã): Leite ou derivados - 1 1/2 porção Pão e cereais - 1 porção Complemento para passar no pão - 1 porção Lanche da Manhã (opcional): Fruta - 1 porção Almoço: Vegetal tipo A - à vontade Vegetal tipo B - 1 porção Vegetal tipo C - 1 porção Leguminosa - 1 porção Carne - 1 porção Sobremesa: gelatina diet 1 porção Lanche da Tarde: Leite ou derivados - 1 porção Pão e cereais - 1 porção Complemento para passar no pão - 1 porção Fruta - 1 porção Jantar: Vegetal tipo A - à vontade Vegetal tipo B - 1 porção Vegetal tipo C - 1 porção Leguminosa - 1 porção Carne - 1 porção Sobremesa: gelatina diet 1 porção Ceia: Leite ou derivados - ½ porção Pão e cereais - ½ porção Complemento para passar no pão - 1 porção Obs: Se sua dieta for de 2100 kcal, você deve acrescentar 1 porção de fruta na ceia. 29
  • 29. Tabela de substituições Leite e derivados (125 kcal) ALIMENTO 1 PORÇÃO Medida caseira Leite integral 1 copo médio (200 ml) Leite semi-desnatado 1 ½ copo médio (300 ml) Leite desnatado 2 copos médio (400 ml) Leite c/ baixa lactose 1 ½ copo médio (300 ml) Leite de soja light 400 ml Leite de soja 250 ml Iogurte natural integral 1 unidade Iogurte natural desnatado 1 ½ unidade Iogurte de fruta light 250 ml Queijo mussarela 2 fatias Queijo minas 1 fatia média Ricota 2 fatias médias Pães (150 kcal) ALIMENTO 1 PORÇÃO Medida caseira Pão de centeio 2 fatias Pão de centeio light 4 fatias Pão integral 2 fatias Pão Integral light 4 fatias Pão francês integral 1 unidade Aveia 3 colheres de sopa Granola sem adição de açúcar 3 colheres de sopa 30
  • 30. Complemento para o pão (60 kcal) ALIMENTO 1 PORÇÃO Medida caseira Presunto magro 1 fatia Peito de peru 1 fatia Requeijão 2 colheres de chá rasa Requeijão light 2 colheres de chá Geleia diet 2 colheres de chá Margarina “soft”(cremosa) 2 colheres de chá rasa Vegetal grupo A (à vontade) Abobrinha, agrião, aipo, alface, aspargo, berinjela, brócolis, cebola, chicória, cogumelo, couve chinesa, couve de bruxelas, couve flor, espinafre, mostarda, nabo, palmito, pepino, pimentão, rabanete, repolho, tomate Vegetal grupo B (30 kcal) ALIMENTO 1 PORÇÃO Medida caseira Abóbora (moranga) 3 colheres de sopa Cenoura crua ou cozida 4 colheres de sopa Chuchu cozido 1 unidade pequena Beterraba cozida 4 colheres de sopa Beterraba crua 3 colheres de sopa Vagem 3 colheres e sopa 31
  • 31. Vegetal grupo C ou cereal (150 kcal) ALIMENTO 1 PORÇÃO Medida caseira Aipim 4 colheres de sopa cheia Arroz Branco 4 colheres de sopa Arroz Integral 4 colheres de sopa Batata Inglesa 2 ½ unidades médias Batata Doce 2 unidades médias Farinha Mandioca 2 colheres de sopa Polenta 3 colheres de sopa Purê de Batata 3 colheres de sopa Macarrão Cozido ½ prato raso Milho Verde 1 espiga grande Leguminosas (55 kcal) ALIMENTO 1 PORÇÃO Medida caseira Feijão preto 1 concha média Feijão carioca 1 concha média Grão-de-bico 1 ½ colher de sopa Lentilha 3 colheres de sopa Ervilha cozida 3 colheres de sopa Soja cozida 3 colheres de sopa 32
  • 32. Carnes - 125 kcal ALIMENTO 1 PORÇÃO Medida caseira Bife carne vermelha 1 unidade média Carne de panela 2 pedaços médios Guisado 3 colheres de sopa cheia Peito de frango ½ unidade pequena Coxa de frango 1 unidade média Sobre-coxa de frango 1 unidade pequena Filé peixe grelhado 1 filé médio Peixe ensopado 1 filé médio Chester 1 coxa média Peru 1 coxa média 33
  • 33. Frutas - 70 kcal ALIMENTO 1 PORÇÃO Medida caseira Abacaxi 2 fatias médias Ameixa 3 unidades médias Abacate 1½ colher de sopa cheia Banana Catarina 1 unidade média Banana Caturra ½ unidade grande Banana Maçã 1 unidade média Bergamota 1 unidade média Caqui 1 unidade pequena Figo 1 ½ unidades grande Goiaba 1 ½ unidades média Kiwi 1 ½ unidades média Laranja Céu 2 unidades pequenas Laranja (suco) 1 unidade grande Maçã 1 unidade média Manga ½ unidade média Mamão 1 fatia média Maracujá 2 unidades médias Melão 2 fatias médias Melancia 2 fatias médias Morango 9 unidades grandes Pêra 1 unidade grande Pêssego 2 ½ unidade médias Uva Itália 7 grãos Uva Comum 15 grãos 34
  • 34. Rua Ramiro Barcelos, 2350 Largo Eduardo Z. Faraco Porto Alegre/RS 90035-903 Fones 51 3359 8000 Fax 51 3359 8001 www.hcpa.ufrgs.br Assessoria de Comunicação Social HCPA - agosto/11 - PGS056 - 279060 AMBULATÓRIO DE ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL EM DIABETES