• Save
Doenças crônico degenerativas e obesidade
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Like this? Share it with your network

Share

Doenças crônico degenerativas e obesidade

on

  • 2,616 views

 

Statistics

Views

Total Views
2,616
Views on SlideShare
2,616
Embed Views
0

Actions

Likes
1
Downloads
0
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Doenças crônico degenerativas e obesidade Document Transcript

  • 1. 1Doenças crônico-degenerativas e obesidade:Estratégia mundial sobrealimentação saudável,atividade físicae saúde
  • 2. 2©2003. Organização Pan-Americana da Saúde /Organização Mundial da Saúde.É permitida a reprodução parcial ou total desta obradesde que citada a fonte e não seja para venda ouqualquer fim comercial.Tiragem: 2.000 exemplaresProjeto Gráfico e Diagramação:Formatos DesignRevisão de Texto:Alessandro Ferreira SoaresEsse documento é baseado em fichas informativas publicadasna home page da OMS – Genebra (http://www.who.int/hpr/gs.facts.shtml) como material da Estratégia MundialSobre Alimentação Saudável, Atividade Física e Saúde.Organização Pan-Americana da Saúde.Doenças crônico-degenerativas e obesidade: estratégia mundialsobre alimentação saudável, atividade física e saúde. / OrganizaçãoPan-Americana da Saúde. - Brasília, 2003.60 p.: il.1. Promoção da saúde - Educação. 2. Doenças crônico-degenerativas - Fatores de risco. 3. Obesidade - Fatores de risco.I. Organização Pan-Americana da Saúde. II. Título.NLM: WA 590
  • 3. 3SumárioEstratégia Mundial sobre AlimentaçãoSaudável, Atividade Física e Saúde 5Doenças Crônicas 11Atividade Física 19Obesidade e Excesso de Peso 27Câncer 35Diabete 43Doenças Cardiovasculares (DCV) 51
  • 4. 4
  • 5. 5Estratégia Mundialsobre Alimentação Saudável,Atividade Físicae Saúde
  • 6. 6
  • 7. 7Estratégia Mundial sobre AlimentaçãoSaudável, Atividade Física e SaúdeFATOS:• As doenças crônicas figuram como principalcausa de mortalidade e incapacidade no mundo,responsável por 59% dos 56,5 milhões de óbitosanuais. São os chamados agravos não-trans-missíveis, que incluem doenças cardiovasculares,diabetes, obesidade, câncer e doenças respi-ratórias.• Os fatores de risco que mais contribuem para asdoenças crônicas são obesidade, alto nível decolesterol, hipertensão, fumo e álcool.• Uma mudança nos hábitos alimentares, naatividade física e no controle do fumo resultarianum impacto substancial para a redução dastaxas dessas doenças crônicas, muitas vezes numperíodo de tempo relativamente curto.As doenças crônicas representam a principal causa demortalidade e incapacidade no mundo inteiro, princi-palmente doenças cardiovasculares, diabete, obesidade,câncer e doenças respiratórias. Gradativamente, oproblema afeta as populações dos países desenvolvidose em desenvolvimento. Isso é reflexo das grandesmudanças que vêm ocorrendo no estilo de vida daspessoas no mundo, sobretudo nos hábitos alimentares,nos níveis de atividade física e no fumo. A nova rotinaadotada pelas pessoas é fruto dos processos deindustrialização, urbanização, desenvolvimentoeconômico e crescente globalização do mercado dealimentos.Essas enfermidades, também chamadas de agravos não-transmissíveis, são responsáveis por 59% dos 56,5 óbitosanuais e 45,9% da carga global de doença. Boa partedos óbitos (17 milhões) é causada por doençascardiovasculares, sobretudo cardiopatias e acidentes
  • 8. 8vasculares cerebrais. De acordo com o Relatório sobre aSaúde do Mundo 2002, da OMS, os principais fatores derisco são obesidade, hipertensão arterial, alto nível decolesterol, consumo de álcool e de tabaco. Eles repre-sentam as principais causas dessas doenças. Muitasvezes, as pessoas apresentam mais de um fator, o queagrava ainda mais sua situação clínica.É cientificamente comprovado que uma mudança noshábitos alimentares e na atividade física pode influenciarfortemente vários desses fatores de risco na população.À luz desse quadro, a OMS adota um enfoqueabrangente de uma Estratégia Mundial sobre Alimen-tação Saudável, Atividade Física e Saúde, conformemandato da Assembléia Mundial da Saúde de maio de2002. Trata-se de um trabalho de prevenção para grupospopulacionais de todo o mundo, que está sendodesenvolvido desde 2002 para ser apresentado naAssembléia Mundial da Saúde de 2004.O programa é a espinha dorsal da OMS e seus estados-membros com outros atores, na promoção global demudanças que visam a alimentação saudável e atividadefísica, cujo propósito é prevenir doenças crônicas epromover a saúde da população.O problema• Anualmente, os infartos e derrames matam 12milhões de pessoas (7,2 milhões por causa dacardiopatia isquêmica e 5,5 milhões devido aacidentes vasculares cerebrais). Além disso, 3,9milhões de pessoas morrem por hipertensão e outrascardiopatias anualmente.• A pessoa que apresenta mais de um fator de risco oumais de uma doença crônica tem uma situação maisgrave. É a caso de alguém que é obeso e hipertenso,por exemplo, ou um fumante que não come vegetais.• Estima-se que 177 milhões de indivíduos sãodiabéticos, a maioria com diabete tipo 2 e dois terçosdeles vivem em países em desenvolvimento.Estratégia mundial sobre alimentação saudável, atividade física e saúde
  • 9. 9• O excesso de peso afeta mais de um bilhão deadultos no mundo e pelo menos 300 milhões sãoclinicamente obesos.• Até 80% dos casos de doenças coronárias, 90% doscasos de diabete tipo 2 e um terço dos casos decâncer podem ser evitados mediante mudanças noshábitos alimentares, aumento na atividade física eabandono do tabagismo.• Cerca de 75% das doenças cardiovasculares podemser atribuídas aos principais fatores de risco:colesterol alto, hipertensão, baixo consumo defrutas e verduras, falta de exercício físico e a práticado fumo.• Estimular uma mudança de comportamento naspessoas reduz os fatores de risco da população.O que está acontecendo?No mundo inteiro, as pessoas estão consumindo maisalimentos de grande densidade energética com altosteores de açúcar e gorduras saturadas, ou excessiva-mente salgados.Essa forma de nutrição, aliada a um sedentarismocrescente, está ocorrendo muito rapidamente nos paísesem desenvolvimento do que nos desenvolvidos.Conseqüentemente, as doenças crônicas são cada vezmais comuns nos países em desenvolvimento, especial-mente nos mais pobres. Isso gera um encargo duplo,uma vez que aos casos crônicos se somam às doençasinfecciosas, que continuam a assolar esses países.Enquanto uma alimentação rica em frutas e verduras éessencial, a atividade física diária de intensidademoderada é fundamental para a saúde, pois reduz apressão arterial e, a gordura corporal e melhora ometabolismo da glicose. Além disso, a atividade físicadiária pode ajudar a reduzir a osteoporose e os riscosde acidentes com quedas entre os idosos.Estratégia mundial sobre alimentação saudável, atividade física e saúde
  • 10. 10O que fazer?Há evidência científica sugerindo que os seguintescomportamentos trazem grandes benefícios à saúde:• Consumir mais frutas e verduras, assim como nozese grãos integrais;• Ter atividade física diária;• Trocar gorduras saturadas de origem animal porgorduras insaturadas de óleo vegetal;• Diminuir a quantidade de alimentos gordurosos,salgados e doces no regime alimentar;• Manter um peso corporal normal (dentro da faixade 18,5 a 24,9, do Índice de Massa Corporal);• Não fumar.Necessidade de um enfoqueNecessidade de um enfoqueNecessidade de um enfoqueNecessidade de um enfoqueNecessidade de um enfoquemultifacetadomultifacetadomultifacetadomultifacetadomultifacetadoAs causas de doenças crônicas não-transmissíveis sãocomplexas, sendo necessárias ações permanentes quefoquem não apenas indivíduos e famílias, mas tambémaspectos sociais, econômicos e culturais determinantesdessas doenças.Resultado prático já existe. Essa estratégia ajudou muitona redução de doenças cardiovasculares, câncer e diabeteem países como Finlândia, Japão e Singapura. Amudança de comportamento, portanto, precisam serrotineiramente implementados em nível de atençãoprimária de saúde. Boa saúde requer um enfoque de“Curso de Vida” relativo a hábitos de alimentação eatividade física. O curso deve iniciar já na gravidez damãe, para proteger o feto. Depois, na infância, a pessoadeve adquirir esses hábitos e praticá-los até a velhice.A OMS iniciou parceria para atrair todos os atores nodesenvolvimento da Estratégia Global. Acredita-se quegovernos, profissionais de saúde, indústrias de ali-mentos, publicidade e a sociedade civil ajudem a tornaras escolhas fáceis em escolhas saudáveis, seja naalimentação saudável ou na atividade física.Estratégia mundial sobre alimentação saudável, atividade física e saúde
  • 11. 11Doenças CrônicasOs principais fatores de riscoincluem alto teor de colesterol,hipertensão e baixo consumode frutas e verduras
  • 12. 12
  • 13. 13Doenças CrônicasDoenças CrônicasDoenças CrônicasDoenças CrônicasDoenças CrônicasFATOS:• Entre os principais riscos à saúde, responsáveispor mais da metade das doenças no mundo,destacam-se hipertensão, alto teor de colesterol,obesidade, inatividade física, baixo consumo defrutas e verduras, ingestão de álcool e fumo.• Há pelo menos 600 milhões de hipertensos nomundo. Calcula-se que essa doença cause a mortede 7,1 milhões de pessoas, equivalente a 13% dototal de óbitos.• O alto nível de colesterol no sangue causa 4,4milhões de mortes, ou 7,9% do total de óbitos.• O baixo consumo de frutas e verduras é respon-sável por 2,7 milhões de óbitos.Fatores de risco dasdoenças crônicasAs doenças crônicas, incluindo doenças cardiovasculares,diabete, câncer e doenças respiratórias, são responsáveispor 59% dos 56,5 milhões de óbitos anuais e 45,9% dototal de enfermidades. Cinco dentre os dez principaisfatores de risco da doença, identificados no Relatóriosobre Saúde no Mundo 2002 estão estreitamenterelacionados com a dieta e a atividade física. Esses fatoressão hipertensão, alto nível de colesterol, obesidade,pouca atividade física e consumo insuficiente de frutase verduras. Junto com o consumo de álcool e o docigarro, esses riscos preveníveis afetam diretamente odesenvolvimento das doenças crônicas. É muito grandetambém o número de pessoas que apresentam mais deum fator de risco ou mais de uma doença.Há uma clara evidência de que a alteração nos hábitosalimentares e no ritmo de atividade física, assim como aausência do fumo, pode produzir mudanças rápidas nosfatores de risco e na carga relativa às doenças crônicas.
  • 14. 14Fatores de risco:HipertensãoA pressão arterial é uma medida da força exercida pelosangue em circulação contra as paredes das principaisartérias. É fácil sentir a onda de pressão no pulso: apressão mais alta (sistólica) é criada quando o coraçãose contrai e a mais baixa (diastólica), quando o coraçãose enche de sangue. Em geral, a hipertensão éassintomática. Altos níveis de pressão arterial causamdanos às artérias que fornecem sangue ao coração,cérebro, rins e outros órgãos, produzindo uma série demudanças estruturais.Nas últimas décadas, tornou-se mais evidente que osriscos de acidente vascular cerebral, cardiopatia,insuficiência renal e outras doenças não se restringem aum subconjunto da população com níveis parti-cularmente altos de pressão arterial. Eles também estãopresentes na população com pressão arterial média,embora acima da ideal.Doenças CrônicasDoenças CrônicasDoenças CrônicasDoenças CrônicasDoenças Crônicas
  • 15. 15As principais causas modificáveis da hipertensão arterialsão os hábitos alimentares, principalmente ingestão desal, níveis de exercício, obesidade e consumo excessivode álcool. A maioria dos adultos tem pressão arterialabaixo do ideal para a saúde. Nas regiões da OMS, avariação entre os níveis mais altos e mais baixos depressão arterial sistólica média, específica para a faixaetária, é estimada em 20mmHg.Globalmente, isso indica que quase dois terços dosacidentes vasculares cerebrais e metade das cardiopatiassão atribuíveis à pressão arterial abaixo do ideal (pressãoarterial sistólica maior do que 115 mmHg).Há pelo menos 600 milhões de hipertensos no mundo.A doença causa 7,1 milhões de óbitos no mundo, o querepresenta 13% do total, assim como 4,4% da incidênciatotal de doença.Alto teorde colesterolO Colesterol é um tipo de gordura que existe em todo ocorpo. É indispensável ao crescimento das células queprecisam se regenerar, substituir-se ou desenvolver-se.Quando o nível de colesterol no sangue está elevado háprejuízos à saúde. A maior parte do colesterol éproduzido no fígado a partir de uma ampla gama dealimentos, especialmente gorduras saturadas.No sangue se medem essencialmente três tipos decolesterol: o colesterol total, o colesterol HDL e ocolesterol LDL.  Colesterol HDL: é uma sigla, escrita em inglês - “HighDensity Lipoproteins”- que significa lipoproteína de altadensidade. É o bom colesterol. O HDL circula no sangue,transportando as lipoproteínas de baixa densidade - LDL= “Low Density Lipoproteins”, a fim de serem destruídase eliminadas.Doenças CrônicasDoenças CrônicasDoenças CrônicasDoenças CrônicasDoenças Crônicas
  • 16. 16Colesterol LDL: é chamado de mau colesterol, porqueem quantidade excessiva, ao circular livremente nosangue, torna-se nociva, acumulando-se na parede dosvasos arteriais, causando arteriosclerose.Uma dieta rica em gorduras saturadas e baixa emgorduras insaturadas, os fatores hereditários e algumaspatologias metabólicas, como o diabete, determinam onível individual de LDL, ou colesterol ‘ruim’.O colesterol é um componente importante no desen-volvimento da arteriosclerose, ou seja, da acumulaçãode depósitos gordurosos no revestimento interno dasartérias. Essa é a razão principal do colesterol aumentaro risco de cardiopatia, acidentes vasculares cerebrais eoutras doenças vasculares.Quase um quinto (18%) dos acidentes vascularescerebrais (a maioria não fatais) e cerca de 56% dascardiopatias, no mundo, podem ser atribuídas a um nívelde colesterol total superior a 3.2mmol/l. A doença éresponsável por 4,4 milhões de óbitos (7,9% do total) e2,8% do total de enfermidade.Baixa ingestão de frutas e verdurasAs frutas e verduras são fundamentais a todo regimealimentar saudável. Estudos afirmam que estes alimentospodem ajudar a prevenir patologias importantes, comoas doenças cardiovasculares e certos tipos de câncer,principalmente do trato digestivo. Diversos mecanismospodem mediar esses efeitos protetores, envolvendoantioxidantes e micronutrientes, como os flavonoides,carotenoides, vitamina C, ácido fólico e fibras. Estas eoutras substâncias bloqueiam ou suprimem a ação dosagentes cancerígenos, e como antioxidantes, evitamdanos causados pela oxidação do DNA.A ingestão de frutas e verduras varia consideravelmentedependendo do país e reflete, em grande parte, oambiente econômico, cultural e agrícola. Uma análiseDoenças CrônicasDoenças CrônicasDoenças CrônicasDoenças CrônicasDoenças Crônicas
  • 17. 17no Relatório sobre Saúde no Mundo 2002 avalia os níveisde ingestão média de frutas e verduras (excluindo abatata) na dieta diária em cada região, medida emgramas por pessoa.Doenças CrônicasDoenças CrônicasDoenças CrônicasDoenças CrônicasDoenças Crônicas
  • 18. 18A baixa ingestão de frutas e verduras causa 19% docâncer gastrointestinal, 31% das cardiopatias isquêmicase 11% dos acidentes vasculares cerebrais Cerca de 2,7milhões de óbitos podem ser atribuídos à baixa ingestãode frutas e verduras.O que está acontecendo?O aumento das doenças cardiovasculares refletemudanças significativas em hábitos alimentares, níveisde atividade física e fumo. Essas práticas tem comoestímulo os processos de industrialização, urbanização,desenvolvimento econômico e globalização do mercadode alimentos. As pessoas estão consumindo maisalimentos de grande teor calórico e baixo teor nutritivoe são menos ativas fisicamente.As doenças cardiovasculares não podem mais serconsideradas doenças dos países desenvolvidos. Quase80% de todos os óbitos por doenças cardiovascularesno mundo ocorrem em países em desenvolvimento debaixa e média renda. E esses países respondem por 86%das doenças cardiovasculares. Nos países em desen-volvimento, as pessoas estão expostas a esses fatoresde risco por períodos mais longos. Há também uma altaproporção dos casos de doenças cardiovasculares emindivíduos que estão numa faixa etárias econo-micamente ativa.O que fazer?A maioria das intervenções para reduzir fatores de riscopara doenças crônicas, refere-se a programas abran-gentes, visando a população como um todo, e orientadapara:• Reduzir o sal nos alimentos processados e a gordurana dieta, particularmente as gorduras saturadas;• Incentivar as atividades físicas;• Aumentar o consumo de frutas e verduras:• Não fumar.Doenças CrônicasDoenças CrônicasDoenças CrônicasDoenças CrônicasDoenças Crônicas
  • 19. 19Atividade Física
  • 20. 20Doenças CrônicasDoenças CrônicasDoenças CrônicasDoenças CrônicasDoenças Crônicas
  • 21. 21Atividade FísicaFATOS:• A atividade física regular é fundamental paraprevenir doenças crônicas.• Pelo menos 60% da população global nãoobedecem à recomendação mínima de 30minutos diários de atividade física de inten-sidade moderada.• O risco de contrair doença cardiovascularaumenta 1,5 vez nas pessoas que não fazematividade física mínima recomendada.• A pouca atividade física eleva substancialmenteos custos médicos. Nos Estados Unidos, porexemplo, US$ 75 bilhões foram gastos apenas noano 2000.• Aumentar a atividade física é um problemasocial, não apenas individual, e exige enfoquesbaseados em população, multisetoriais, multi-disciplinares e culturalmente relevantes.Atividade física regular diária é fundamental paraprevenir doenças crônicas, junto com uma alimentaçãosaudável e a eliminação do hábito de fumar. Para oindivíduo, é um meio poderoso de evitar as doençascrônicas. Para os países, pode constituir uma maneiraeconômica de melhorar a saúde de toda a população.Pesquisas mostram que atividade física regular forneceàs pessoas de ambos os sexos, de todas as idades econdições – incluindo as portadoras de deficiências –muitos benefícios físicos, sociais e mentais.A promoção da atividade física interage de maneirapositiva com as estratégias para melhorar os hábitosalimentares, desencorajar o tabagismo e o consumo deálcool e drogas, reduzir a violência, aprimorar acapacidade funcional e promover a integração social.
  • 22. 22O problemaDe acordo com o Relatório sobre Saúde no Mundo 2002,da OMS, a pouca atividade física causa 1,9 milhão deóbitos por ano no mundo. Globalmente, estima-se quea falta de exercícios seja responsável por 10% e 16% doscasos de câncer de mama, câncer de cólon e diabete, e22% dos casos de doença cardíaca isquêmica. Estespercentuais são similares para homens e mulheres.As pessoas têm oportunidade de desenvolver atividadesfísicas em quatro grandes contextos:• No emprego (mesmo se a atividade envolve, ou não,trabalho braçal);• No transporte (indo a pé ou de bicicleta para otrabalho, às compras, etc.);• Durante a rotina de trabalho doméstico (arrumarcasa, etc.);• Nas horas de lazer (atividades esportivas erecreativas).Estima-se que a falta de atividade física entre os adultosé de 17%. Uma outra estimativa indica que uma faixaentre 31% e 51% das pessoas praticam exercícios demaneira insuficiente, (menor do que duas horas e meiapor semana de atividade moderada), com variação de41% entre as sub-regiões.Na elaboração do Relatório sobre a Saúde do Mundo2002, utilizaram-se diversas fontes de dados diretos eindiretos, tipos de levantamento e metodologias paraestimar os níveis de atividade no emprego, no transporte,em casa e na hora do lazer.As estimativas do Relatório para a prevalência deatividade física é feita apenas para pessoas de 15 oumais anos de idade, o que sugere que os valoresencontrados podem ser mais elevados.Atividade Física
  • 23. 23Para o Relatório, a atividade física declina com a idade, apartir da adolescência e, no mundo todo, atividade eeducação física estão em declínio nas escolas, principal-mente entre meninas e mulheres.A necessidade da atividade física regularA falta de atividade física regular, associada a outrosfatores de risco, contribui significativamente para oaumento de doenças crônicas. Essa prática reduz o riscode cardiopatia, acidente vascular cerebral e câncer demama e cólon. Isso ocorre porque o exercício melhora ometabolismo da glicose, reduz o nível de gordura ediminui a pressão arterial.É essa uma das principais maneiras de reduzir o risco dedoença cardiovascular e o diabete. A atividade físicatambém pode ajudar a diminuir os efeitos dessasdoenças e a reduzir o risco de câncer do cólon. Issoacontece devido a seus efeitos sobre as prostaglandinas,redução do tempo de trânsito intestinal e aumento donível de antioxidantes.A atividade física está associada a um menor risco decâncer de mama, que pode ser conseqüência de seusefeitos sobre o metabolismo hormonal. Participar deatividade física também pode melhorar o rendimentomuscular e a saúde dos ossos, controlar o peso e reduziros sintomas de depressão. Os efeitos benéficos daatividade física para dores na região lombar, osteoropos,quedas, obesidade, depressão, ansiedade e estresse têmsido documentados em diversos estudos.Além dos benefícios diretos sobre a saúde, aumentar aatividade física da população, por meio de um programaintegrado que leve em consideração as políticas detransporte e planejamento urbano, traz vantagens, comoampliar a interação social, a recreação, reduzir a violência,o congestionamento do trânsito urbano e a poluição.Atividade Física
  • 24. 24A atividade física também resulta em benefícioseconômicos, reduzindo custos de atenção à saúde,aumentando a produtividade e espaços físicos e sociaismais saudáveis. Dados de países desenvolvidos indicamque os custos diretos da inatividade são muito grandes.Nos Estados Unidos, por exemplo, a participação doscustos associados à falta de atividade e obesidade nasdespesas em saúde foi de 9,4% em 1995. Os indivíduosfisicamente ativos naquele país economizam US$ 500.00por ano em custos de atenção à saúde, conforme dadosde 1998. Somente a falta de exercício pode teracrescentado cerca de US$75 bilhões aos custos médicosnos Estados Unidos no ano 2000. No Canadá, esseproblema é responsável por 6% do custo total deatenção à saúde.O que fazer?Não se sabe qual a combinação ideal sobre tipo,freqüência e intensidade da atividade física para asdiferentes populações. São variáveis que dependem doresultado desejado. Existe consenso, entretanto, quantoà recomendação de pelo menos 30 minutos diários deatividade de intensidade moderada. Os benefícios sãomaiores quando se faz mais, especialmente atividadesmais vigorosas, que são recomendadas para os jovens,para assegurar ossos e músculos sadios. Mas, atividadefísica não significa, necessariamente, correr numamaratona cansativa ou se engajar em esportescompetitivos. Pelo contrário, para muitas pessoas, trata-se de levar as crianças à escola a pé, ou fazer umacaminhada vigorosa no parque. Significa subir asescadas, ao invés de usar o elevador, ou descer do ônibusduas paradas antes do destino.Atualmente, estima-se que 60% da população mundialnão pratica atividade física suficiente, nem para cumpriressa modesta recomendação. Em gerla, os adultos nospaíses desenvolvidos não praticam exercícios. É maisprovável que os padrões de atividade física adquiridosdurante a infância e adolescência sejam mantidos peloAtividade Física
  • 25. 25resto da vida, fornecendo a base para uma vida ativa esaudável. Por outro lado, estilos de vida não saudáveis,como o sedentarismo, hábitos alimentares nocivos eabuso de substâncias, adotados na juventude, tendema persistir. A atividade física não é apenas umcomportamento individual. São necessárias políticas einiciativas multisetorais para criar ambientes que ajudemas pessoas a serem fisicamente ativas, como, por exemplo:• Ações coletivas baseadas nos interesses da popu-lação, envolvendo diferentes atores sociais, comoinstituições públicas e privadas e as ONGs.• Envolver diversos setores, especialmente osministérios da saúde, dos esportes, da educação, dotransporte e do lazer, além de um trabalho deplanejamento urbano em municípios e governoslocais.• Realizar ações culturalmente relevantes e baseadasem parceria.• Promover atividade física em todos as situações davida.• Aproveitar os principais eventos esportivos, culturaise de saúde.Ações em andamento• Uma Estratégia Global da OMS sobre AlimentaçãoSaudável, Atividade Física e Saúde reflete o crescentereconhecimento, pelos Estados-Membros, de que aatividade física deve ser considerada junto com aalimentação saudável, no combate a crescente cargade doenças crônicas.• A OMS dedicou o Dia Mundial Sem Tabaco 2002 aotema “Esporte Livre do Tabaco: Jogue Limpo”.• A OMS e outras organizações internacionais estãocolaborando ativamente com as organizaçõesdesportivas em programas como Esporte para Todos,que visam a aumentar o acesso aos esportes, a todosos segmentos populacionais.• Está sendo dada uma ênfase especial nas ações, emparceria, para promover atividades físicas e esportesjunto aos jovens, dentro e fora das escolas.Atividade Física
  • 26. 26“POR SUA SAÚDE, MOVA-SE”“POR SUA SAÚDE, MOVA-SE”“POR SUA SAÚDE, MOVA-SE”“POR SUA SAÚDE, MOVA-SE”“POR SUA SAÚDE, MOVA-SE”Após o êxito do Dia Mundial da Saúde 2002,os Estados-Membros concordaram em ce-lebrar o Dia “Por sua saúde, mova-se”,anualmente, para promover atividade físicacomo elemento essencial à saúde e ao bem-estar. O Dia estará vinculado a um processomais amplo, já em andamento, de promoçãoda atividade física, em nível mundial, aolongo do ano, no contexto de um enfoqueintegrado de prevenção das doenças crôni-cas, promoção da saúde e desenvolvimentosocioeconômico. Pretende-se, assim, aumen-tar a prática regular de atividades físicas napopulação geral, independentemente degênero, idade e condições físicas, em todosos contextos (lazer, transporte, trabalho) eambientes (escola, comunidade, lar e localde trabalho).Atividade Física
  • 27. 27Obesidade eExcesso de Peso
  • 28. 28
  • 29. 29Obesidade eExcesso de PesoFATOS:• No mundo, há mais de um bilhão de adultos comexcesso de peso. Destes, pelo menos 300 milhõessão obesos.• A obesidade e o excesso de peso são fatores derisco relevantes para o surgimento de doençascrônicas, como diabete tipo 2, cardiopatias,hipertensão, acidentes vasculares cerebrais ecertos tipos de câncer.• As principais causas do problema são o consumocrescente de dietas com alta densidade ener-gética, ricas em gorduras saturadas e açúcares,além de atividade física reduzida.• Aproximadamente 90% das pessoas com diabetetipo 2 são obesas ou têm excesso de peso.• O índice de massa corporal acima do idealcontribui para cerca de 58% do diabete, 21% dascardiopatias isquêmicas e entre 8% e 42% decertos tipos de câncer.Obesidade e excesso de pesoA obesidade alcançou proporções epidêmicas globais,com mais de um bilhão de adultos com excesso de peso.Desse grupo, 300 milhões apresentam obesidade clínica.Trata-se do principal componente de incidência dadoença crônica e incapacidade. Convivendo freqüen-temente com a subnutrição nos países em desenvol-vimento, a obesidade é uma patologia complexa queapresenta graves dimensões sociais e psicológicas, eafeta praticamente todas as faixas etárias e grupossocioeconômicos.As taxas de obesidade triplicaram, comparadas comdados de 1980, colhidos nos países da América do Norte,Reino Unido, Europa Oriental, Oriente Médio, Ilhas doPacífico, Austrália e China. Isso se deve ao fato dapopulação mundial ter aumentado o consumo de
  • 30. 30alimentos com elevada densidade energética, maspobres em nutrientes, com altos teores de açúcar egorduras saturadas. É resultado também da redução nasatividades físicas. O mais grave é que a epidemia daobesidade não se restringe às sociedades indus-trializadas. O aumento dessas taxas é mais rápido nospaíses em desenvolvimento do que no mundodesenvolvido.A obesidade e o excesso de peso representam riscosubstancial para as doenças crônicas severas, comodiabete tipo 2, doenças cardiovasculares, hipertensão,acidentes vasculares cerebrais e certos tipos de câncer.As conseqüências para a saúde variam desde um maiorrisco de morte prematura até doenças crônicas gravesque reduzem a qualidade de vida do indivíduo. Oaumento da incidência de obesidade infantil éespecialmente perturbador.O que acontece?A crescente epidemia reflete mudanças profundas nasociedade e nos padrões comportamentais das comu-nidades ao longo das últimas décadas. Embora a genéticadesempenhe papel importante na susceptibilidade doindivíduo para ganhar peso, o balanço energético édeterminado pela ingestão de calorias e pela atividadefísica. Assim, as mudanças sociais e a transição nutricionalmundial impulsionam a epidemia de obesidade. Fatorescontextuais também contribuem para o aumento daepidemia, como crescimento econômico, modernização,urbanização e globalização do mercado de alimentos.Vive-se hoje um novo cotidiano. À medida que a rendae a população crescem, e se tornam mais urbanas aalimentação rica em carboidratos complexos é subs-tituída por regimes alimentares mais variados, com maiorproporção de gorduras saturadas e açúcares. Para-lelamente, houve grandes mudanças no mercado detrabalho no mundo inteiro, e agora, as ocupações queexigem menos esforço físico predominam. No dia a diaObesidade e Excesso de Peso
  • 31. 31das pessoas houve aumento no uso de transporteautomatizado, tecnologia no lar e formas de lazer maispassivas. E isso contribui para o abandono das atividadesfísicas.O que é obesidade e excesso de peso:A prevalência do excesso de peso e a obesidade sãoavaliadas pelo índice de massa corporal (IMC), definidocomo o peso em quilogramas dividido pelo quadradoda altura, em metros (kg/m ). IMCs superiores a 25kg/m significam excesso de peso e IMCs superiores a 30kg/m , obesidade. Embora esses marcadores sejam úteispara avaliar a situação, os riscos de doença naspopulações podem aumentar progressivamente a partirde IMCs mais baixos.Nos adultos, IMCs médios de 22-23kg/m são encon-trados na África e na Ásia, enquanto que IMCs de 25-27kg/m são mais comuns em países da América doNorte, Europa, América Latina, África e Ilhas do Pacífico.O IMC aumenta em pessoas de meia-idade, que têmmaior risco de complicações. Nos países que estãopassando por transição alimentar, a alimentaçãoexcessiva coexiste com a subnutrição. Em geral, aspessoas com IMC abaixo de 18,5kg/m têm falta de peso.O índice de massa corporal está aumentando em muitaspopulações. Estudos recentes mostram que as pessoasque já foram subnutridas na infância e obesas quandoadultas tendem a desenvolver doenças como hiper-tensão, cardiopatias e diabete. Para essas pessoas, ascomplicações na saúde são mais graves do que com asque nunca foram subnutridas.O problema:Atualmente, há mais de um bilhão de adultos comexcesso de peso e pelo menos 300 milhões deles sofremde obesidade clínica. Os níveis atuais de obesidadevariam de valores inferiores a 5% na China, Japão eObesidade e Excesso de Peso
  • 32. 32alguns países africanos até mais de 75% em zonasurbanas de Samoa. Agora, mesmo em países deprevalência relativamente baixa como a China, as taxasem algumas cidades chegam a quase 20%.A obesidade infantil já apresenta dimensões epidêmicasem algumas áreas e ascendentes em outras. No mundo,existem 17,6 milhões de crianças obesas com idademenor a cinco anos. O Surgeon General, a maiorautoridade governamental em saúde dos Estados Unidos,afirma que o número de crianças obesas dobrou e o deadolescentes obesos triplicou naquele país desde 1980.O número de crianças obesas entre 6 a 11 anos mais doque dobrou desde a década de 1960 e a obesidade nafaixa etária de 12 a 17 aumentou de 5% para 13% nosrapazes e de 5% para 9% nas moças de 1966/1970 a1988/1991. Trata-se de um problema global que atingeos países em desenvolvimento de forma crescente. NaTailândia, por exemplo, a obesidade na faixa de 5 a 12anos aumentou de 12,2% para 15,6% em apenas doisanos.A obesidade é responsável por 2 a 6% do custo total deatenção à saúde em vários países em desenvolvimento;algumas estimativas apontam para até 7%. Os verda-deiros custos são indubitavelmente muito mais altos,uma vez que nem toda patologia associada à obesidadeé incluída nos cálculos.Impacto do excesso de gordurapara a saúde:O excesso de peso e a obesidade produzem efeitosmetabólicos adversos sobre a pressão arterial, os níveisde colesterol e de triglicerídeos no sangue e a resistênciaà insulina. Há uma certa confusão sobre as conseqüênciasda obesidade porque os pesquisadores usam diferentesvalores de pontos de corte para índice de massa corporal,e por causa da presença de muitas condições clínicasmédicas envolvidas no desenvolvimento da obesidadeque podem confundir os efeitos próprios da obesidade.Obesidade e Excesso de PesoObesidade e Excesso de Peso
  • 33. 33Os problemas de saúde não fatais, mas debilitantesassociados à obesidade incluem problemas respiratórios,musculares e esqueléticos crônicos, doenças na pele einfertilidade. Os casos mais graves que ameaçam a vidaestão distribuídos em quatro grandes categorias:doenças cardiovasculares, agravos associados àresistência à insulina, certos tipos de câncer (especial-mente hormônio-dependentes e câncer do intestino)grosso e doenças da vesícula biliar.A probabilidade de desenvolver diabete tipo 2 ehipertensão aumenta acentuadamente quando a pessoafica mais gorda. Confinada a adultos de idade maisavançada durante a maior parte do século 20, essadoença afeta hoje crianças obesas, mesmo antes dapuberdade. Aproximadamente 85% de pessoas comdiabete são do tipo 2, e dessas , 90% são obesas ou têmexcesso de peso. Esses índices estão crescendo muitonos países em desenvolvimento. Para se ter uma idéia,em 1995 as economias emergentes apresentavam o maiornúmero de diabéticos. Se as atuais tendências semantiverem, a Índia e os países muçulmanos do OrienteMédio vão liderar o problema até 2025. Foramobservados também aumentos substanciais na China,na América Latina, no Caribe e na Ásia.Um índice de massa corporal elevado também aumentao risco de câncer de mama, cólon, próstata, endométrio,rins e vesícula biliar. O excesso de peso e a obesidadecrônicos contribuem muito para a osteoartrite, que é aprincipal causa de incapacitação nos adultos. Embora aobesidade deva ser considerada como doença em simesma, ela representa também um dos principais fatoresde risco de outras doenças crônicas, paralelamente aofumo, hipertensão e altos níveis de colesterol no sangue.Nas análises realizadas no Relatório sobre Saúde noMundo 2002, aproximadamente 58% do diabete e 21%das cardiopatias isquêmicas, bem como de 8% a 42% decertos tipos de câncer, eram atribuíveis a índices de massacorporal superiores a 21kg/m , no mundo inteiro.Obesidade e Excesso de Peso
  • 34. 34O que fazer?O gerenciamento eficaz do peso nas pessoas e em gruposem risco de obesidade requer uma série de estratégias alongo prazo, que inclui prevenção, manutenção do pesoou dieta para perdê-lo. Esse trabalho deve envolver açõesmultisetoriais e integradas, com abordagem que incluio apoio a regimes alimentares saudáveis e atividadefísica regular. É necessário também o apoio ambiental aregimes alimentares saudáveis e atividade física regular.Os principais elementos são os seguintes:• Criação de políticas públicas que promovam adisponibilidade e o acesso a uma variedade dealimentos com baixo teor de gordura e alto teor defibras e que promova oportunidades para atividadefísica.• Engajamento em atividade física moderada de porpelo menos 30 minutos diários.• Promoção de comportamentos saudáveis paraincentivar, motivar e permitir que as pessoas percampeso, por meio de atividade física e hábitosalimentares saudáveis, como:• ingestão de mais frutas e verduras, assim comonozes e cereais integrais.• diminuição dos alimentos gordurosos e açucaradosna dieta.• substituição de gorduras saturadas de origem animalpor gorduras insaturadas derivadas de óleosvegetais.• Formulação de uma resposta à obesidade e àspatologias associadas, por meio de programasclínicos e capacitação dos recursos humanos, demaneira a assegurar apoio efetivo para que aspessoas afetadas percam peso ou evitem novosganhos de peso.Obesidade e Excesso de Peso
  • 35. 35Câncer
  • 36. 36
  • 37. 37CâncerFATOS:• O câncer é responsável por 7,1 milhões de mortespor ano, o que representa 12,6% do total deóbitos no mundo.• Os fatores associados à dieta alimentar sãoresponsáveis 30% dos casos de câncer nos paísesocidentais e por até 20% nos países em desen-volvimento.• O regime alimentar perde apenas para o fumo,como principal causa de câncer que pode serevitada.• Cerca de 20 milhões de pessoas sofrem de câncere esse número deve chegar a 30 milhões nospróximos 20 anos.• O número anual de novos casos (incidência)deverá aumentar de 10 para 15 milhões até 2020,de acordo com as estimativas.• Mais da metade de todos os casos de cânceracontece em países em desenvolvimento.CâncerCada vez mais, o câncer se torna um problema relevante.Estima-se que a incidência do câncer aumentará de 10milhões em 2000 para 15 milhões em 2020. Aproxi-madamente 60% desses casos ocorrerão nos paísesmenos desenvolvidos do mundo. Mais de sete milhõesde pessoas morrem a cada ano com a doença. Apesardisso, pelo menos um terço dos casos de câncer queocorrem por ano, poderiam ser evitados se fossemaplicados os conhecimentos existentes.O fumo é o principal fator determinante do câncer,responsável por 30% de todas as mortes por câncer nospaíses desenvolvidos e por um número crescente nospaíses em desenvolvimento. O excesso de peso e a
  • 38. 38obesidade também são graves fatores de risco para ocâncer. O alto consumo de carnes vermelhas e carne emconserva são hábitos associados ao aumento do riscode câncer.Diante disso, a melhor forma de enfrentar o problema éconvidar a população mundial a modificar os hábitosalimentares e praticar exercícios físicos regularmentecomo forma de prevenir e controlar o câncer. Sabe-se,por exemplo, que as dietas ricas em frutas e verduraspodem reduzir os riscos de vários tipos da doença.O que é o câncer?O termo câncer é dado a mais de 100 doenças que têmem comum o crescimento desordenado de células queinvadem os tecidos e órgãos, podendo se espalhar,produzindo metástases em diversas regiões do corpo.Dividindo-se rapidamente, estas células tendem a sermuito agressivas e incontroláveis, determinando aformação de tumores malignos. O câncer pode surgirCâncer
  • 39. 39em qualquer parte do corpo, como nas mamas, no colodo útero, na próstata, no estômago, no cólon, nospulmões ou na boca. Outros exemplos de câncer são aleucemia, os sarcomas, a doença de Hodgkin e oslinfomas não-Hodgkin.A doença surge principalmente como conseqüência daexposição individual a agentes cancerígenos, por meiodo que a pessoa inala, come ou bebe, ou aindadecorrente do ambiente pessoal ou de trabalho. São oshábitos pessoais, como o fumo, padrões alimentares e apouca atividade física que desempenham o papel maisimportante no desenvolvimento do câncer e não osfatores genéticos.O problemaMuitos dos fatores de risco se sobrepõem, assim comoas doenças crônicas. Quem não inclui frutas e verdurasna alimentação e não faz atividade física, por exemplo,está acumulando riscos. Do mesmo modo que a situaçãode um diabético se agrava se ele tem hipertensão. Nospaíses desenvolvidos, o câncer é a segunda maior causade morte, após as doenças cardiovasculares. Os dadosepidemiológicos indicam também o surgimento dessatendência nos países menos desenvolvidos, queregistram mais da metade de todos os casos de câncer.Isso é mais evidente nos países da América do Sul e daÁsia.Atualmente, quase 20 milhões de pessoas vivem comcâncer e até 2020, esse número será de 30 milhões. Oimpacto da doença é muito maior do que o número decasos sugere. O diagnóstico inicial é percebido pelospacientes como uma ameaça à vida, e mais de um terçodeles sofrem de ansiedade e depressão. O câncertambém pode ser economicamente prejudicial para afamília do paciente. Por outro lado, o custo de atençãoàs pessoas com câncer é bastante significativo nosorçamentos da saúde pública.Câncer
  • 40. 40Impacto da alimentaçãoe da atividade físicaOs fatores associados à dieta são responsáveis por 30%dos casos de câncer nos países ocidentais, o que faz daalimentação a segunda principal causa prevenível decâncer, após o fumo. Acredita-se que essa proporçãoseja de quase 20% nos países em desenvolvimento eque aumentará no futuro. À medida que a populaçãodos países em desenvolvimento se desloca para as zonasurbanas, os casos de doença e morte por cânceraumentam de forma semelhante aos dos paíseseconomicamente desenvolvidos. Isso acontece sobre-tudo nos casos associados aos hábitos alimentares e deatividade física. É por isso que as taxas de câncer tambémmudam à medida que as populações migram para outrospaíses e adotam hábitos alimentares diferentes.A importância relativa do câncer como causa de morteestá aumentando.A incidência de câncer de pulmão, cólon e reto, mama epróstata geralmente cresce paralelamente ao desen-volvimento econômico, enquanto a do câncer deestômago diminui. A enfermidade também estárelacionada à condição social e econômica do indivíduo.Câncer
  • 41. 41Os grupos de menor escolaridade estão mais expostosaos fatores de risco. Além disso, os pacientes desegmentos socioeconômicos menos favorecidosapresentam taxas de sobrevivência bem inferiores aossegmentos socioeconômicas mais abastados.Nos últimos anos, constatou-se uma forte relação entreexcesso de peso ou obesidade e os muitos tipos decâncer, como esôfago, cólon e reto, mama, endométrioe rins. A composição da dieta alimentar é tambémimportante devido ao efeito protetor das frutas e ver-duras, que diminuem o risco de alguns tipos de câncer,como os de boca, esôfago, estômago, cólon e reto.A atividade física regular também tem efeito protetor,visto que reduz o risco de câncer de mama, e cólon ereto. A ingestão de grandes quantidades de carnevermelha e em conserva também pode estar associada aum maior risco de câncer do cólon e reto. Outro aspectoda relação entre hábitos alimentares e risco de câncer éo alto consumo de bebidas alcoólicas, com o apare-cimento da doença na cavidade oral, faringe, laringe,esôfago, fígado e mama.O que fazer?Uma vez que a nutrição inadequada, pouca atividadefísica, obesidade, fumo e consumo excessivo de álcoolsão fatores de risco comuns para outras doenças crônicas(como as doenças cardiovasculares, diabete tipo 2 edoenças respiratórias), a condução de um programa deprevenção de câncer, no contexto de uma prevençãointegrada de doenças crônicas, seria uma estratégiaeficaz.Os fatores alimentares que aumentam o risco de câncer,de acordo com as evidências existentes, são osseguintes:• Excesso de peso e obesidade;• Consumo excessivo de álcool (mais de duas dosespor dia);Câncer
  • 42. 42• Determinadas maneiras de salgar e fermentar peixe;• Bebidas e comidas muito salgadas e aquecidas;• Aflotoxinas (substância produzida por fungos,algumas vezes encontrados em grãos, comoamendoim, nozes e farinha de semente de algodão).A tabela abaixo apresenta os fatores de risco segundouma classificação de acordo com o grau de evidênciaexistente entre eles e os diferentes tipos de câncer:Evidência Redução de riscoA atividade física diminuio risco de câncer de cólone reto.Alimentação rica em fru-tas e verduras diminui orisco de câncer na cavidadeoral, estômago, cólon ereto;Atividade física diminui orisco de câncer de mama.Fibra; soja; peixe; ácidosgraxos; carotenóides; vita-minas B2, B6, folato, B12,C, D, E; cálcio; zinco;selênio; constituintes vege-tais não-nutritivos (ex.:flavonóides e isoflavonas).Aumento de riscoO excesso de peso e a obesi-dade aumentam o risco decâncer de esôfago, cólon e reto,mama, endométrio, rins;O álcool aumenta o risco decâncer na cavidade oral,faringe,laringe,esôfago,fígado,mama;As aflatoxinas aumentam orisco de câncer de fígado;Carne em conserva aumenta orisco de câncer de cólon, reto eesôfago;Sal e alimentos conservadosem sal aumentam o risco decâncer de estômago;Bebidas e alimentos muitoaquecidas aumenta o risco decâncer na cavidade oral, faringee esôfago.Gordura animal, aminasheterocíclicas, carboidratosaromáticos policíclicos enitrosaminas.ConvincenteProvávelPossível/InsuficienteCâncer
  • 43. 43Diabete
  • 44. 44
  • 45. 45DiabeteFATOS:• Cerca de 177 milhões de pessoas sofrem dediabete no mundo e esse índice deverá dobraraté 2030.• Aproximadamente quatro milhões de mortes aoano são atribuíveis a complicações do diabete.• Em termos do número de diabéticos, Os dezprincipais países do mundo, são Índia, China,Estados Unidos, Indonésia, Rússia, Japão,Emirados Árabes Unidos, Paquistão, Brasil eItália.• Os custos de atenção ao diabete variam de 2,5%a 15% dos orçamentos anuais da saúde, depen-dendo da prevalência local de diabete e do nívelde complexidade dos tratamentos disponíveis.• Os custos de produção perdidos podem exceder,em até cinco vezes, os custos diretos de atençãoà saúde, conforme estimativas obtidas em 25países latino-americanos.• Estudos baseados em populações, realizados naChina, Canadá, Estados Unidos e em vários paíseseuropeus indicam que intervenções para alteraro estilo de vida no mundo podem prevenir oinício do diabete em pessoas de alto risco.O custo do diabeteExiste uma epidemia de diabete em curso. Em 1985, eram30 milhões de pacientes no mundo todo. Uma décadamais tarde, o número triplicou (135 milhões). De acordocom a OMS, em 2000 existiam 177 milhões mas essequadro deverá aumentar para 370 milhões até 2030.Com relação a esse crescimento, há duas preocupaçõescentrais. A primeira é a de que boa parte dessa expansãoocorrerá em países em desenvolvimento, devido aocrescimento demográfico, ao envelhecimento da
  • 46. 46população, aos hábitos alimentares pouco saudáveis, àobesidade e aos estilos de vida sedentários. A segundapreocupação é de que há uma crescente incidência, entreos indivíduos mais jovens, de diabete tipo 2, responsávelpor quase 90% dos casos.Até 2030, enquanto nos países desenvolvidos a maioriados diabéticos estará com 65 anos ou mais, nos paísesem desenvolvimento as pessoas mais afetadas estarãona faixa de 45-65 anos, ou seja, nos seus anos maisprodutivos.Anualmente, pouco mais de 800 mil mortes sãoatribuídos ao diabete. Entretanto, a maioria dosdiabéticos morre de outras doenças crônicas, como ascardiopatias.O que é o diabete?O diabete melito é uma doença crônica causada poruma deficiência do pâncreas na produção de insulina,ou por incapacidade da insulina exercer adequadamentesuas funções. A insulina é o principal responsável pelometabolismo e pelo aproveitamento da glicose pelascélulas do organismo, com finalidade de gerar energia.A sua ausência, ou atuação deficiente, resulta numexcesso de açúcar no sangue (hiperglicemia crônica),causando alterações no metabolismo do açúcar, dasgorduras e das proteínas, ocasionando muitos prejuízospara o corpo, particularmente para os sistemas vasculare nervoso.As pessoas com tolerância diminuída à glicose (TDG) eglicose de jejum alterada (GJA) estão em risco maior dedesenvolver diabete e cardiopatias do que aquelas comtolerância normal à glicose.Os dois principais tipos de diabete são:• Diabete Tipo 1 – é quando o pâncreas não produz ainsulina essencial à sobrevivência. Esse tipo dediabete ocorre mais freqüentemente nas crianças eDiabete
  • 47. 47nos adolescentes, mas também pode ocorrer empessoas com mais idade.• Diabete Tipo 2 - resulta da incapacidade do corpo deresponder adequadamente à ação da insulinaproduzida pelo pâncreas. O diabete tipo 2 ocorrecom maior freqüência nos adultos, mas está sendoobservada, cada vez mais, nas crianças e nosadolescentes. A maioria dos diabéticos apresentaeste tipo da doença.Complicações associadas aodiabete melitoNos países industrializados, 70% das mortes dediabéticos são causadas por doença cardiovascular. Osfatores de risco de cardiopatia para os diabéticos incluemhipertensão, alto nível de colesterol no sangue,obesidade e fumo. A identificação e o acompanhamentoadequado desses agravos podem adiar ou prevenir oaparecimento de cardiopatias nos diabéticos.A neuropatia é, provavelmente, a complicação maisfreqüente no diabete. Os estudos indicam que até 50%dos diabéticos são afetados por este problema. Osprincipais fatores de risco de neuropatia estãorelacionados ao nível de açúcar no sangue e sua duração.Quanto mais elevados os níveis de glicemia e se asituação se tornar crônica, os riscos são maiores. Alémdisso, a neuropatia pode causar lesões nas extremidadese é uma importante causa de impotência.A retinopatia diabética é a principal causa de cegueira eincapacidade visual nesses pacientes. A pesquisa sugereque, após 15 anos de doença, aproximadamente 2%dos diabéticos ficam cegos e outros 10% desenvolvemdeficiência visual grave.O diabete figura entre as principais causas deinsuficiência renal, mas a freqüência desta complicaçãovaria dependendo da população e da gravidade eduração da doença.Diabete
  • 48. 48A doença do “pé diabético” é resultante de mudançasnos vasos sangüíneos e nos nervos. Com freqüência,ela leva a ulcerações nas extremidades e amputação.Por isso que o diabete é a causa mais freqüente deamputação não acidental das extremidades inferiores.Países com os maiores números de diabéticosEstimativas de 1995 Estimativas de 2000Prevalência Número de Prevalência Número dePAÍS de diabete diabéticos de diabete diabéticos(%) (em milhões) (%) (em milhões)Índia 3,8 19,4 5,5 31,5China 2,0 16,0 2,4 20,7EUA 7,8 13,8 7,8 17,5Indonésia 4,1 4,5 6,7 8,5Prevenção e tratamento:A prevenção primária (dos fatores de risco) se faz comum regime alimentar saudável e atividade física regular.A prevenção desses fatores reduz ou adia as necessida-des de atenção à doença. A prevenção primária deve serparticularmente enfatizada nas regiões mais pobres domundo, onde os recursos são extremamente escassos.A prevenção secundária inclui diagnóstico precoce etratamento apropriado. Controlar a hipertensão, ocolesterol, e os níveis de glicemia pode reduzirsubstancialmente o risco de complicações e desacelerarsua progressão. Estudos realizados na China, Canadá,Estados Unidos e vários países europeus mostram quemais da metade das pessoas com excesso de peso e comtolerância diminuída à glicose conseguiram reduzirincidência de diabete, por meio da diminuição moderadano peso e meia hora de caminhada diária.O diabete é uma doença dispendiosa, não apenas parao diabético e sua família, mas também para as autoridadesDiabete
  • 49. 49de saúde, devido à natureza crônica, à gravidade dascomplicações e aos meios necessários ao seu controle.Estudos na Índia estimam que uma família indiana debaixa renda, com um adulto diabético, emprega até 25%da renda familiar na atenção a este diabético. No casodas famílias americanas com uma criança diabética, estevalor corresponde a 10%.Na região do Pacifico Ocidental da OMS, uma análiserecente das despesas com atenção à saúde demonstrouque os diabéticos representavam 16% das despesashospitalares. Na República das Ilhas Marshall, esse valorequivale a 25%. Em Fiji, 20% das “despesas no exterior”em saúde (casos em que não há possibilidade de atençãono país e seus pacientes são tratados em outros lugares)estavam relacionadas a complicações do diabete. Sãovalores consideráveis para países sem condições deenfrentar grandes despesas com agravos preveníveis.Diabete
  • 50. 50Diabete
  • 51. 51DiabeteDoençasCardiovasculares (DCV)
  • 52. 52
  • 53. 53DoençasCardiovasculares (DCV)FATOS:• Cerca de 16,6 milhões de pessoas morremanualmente de doenças cardiovasculares, o queequivale a um terço do total de óbitos no mundoem 2001.• Aproximadamente 80% dos óbitos por doençascardiovasculares ocorrem em países de baixa emédia renda.• Até 2010, as doenças cardiovasculares serão aprincipal causa de mortalidade nos países emdesenvolvimento.• Pelo menos 20 milhões de pessoas sobrevivem ainfartos e acidentes vasculares cerebrais a cadaano. Muitas delas, após o problema, continuama depender de atenção clínica dispendiosa.• As cardiopatias (doenças do coração) nãoconhecem fronteiras geográficas, socioeco-nômicas ou de gênero.SituaçãoEstima-se que 16,6 milhões de mortes, ou um terço detodos os óbitos no mundo, resultam de várias formasde doença cardiovascular. Há também sérios problemasde incapacidade por causa de cardiopatias ou acidentesvasculares cerebrais, que matam mais de 12 milhões depessoas todo ano.E essas doenças não se restringem mais aos paísesdesenvolvidos. Cerca de 80% dos óbitos por doençascardiovasculares no mundo ocorrem em países emdesenvolvimento, de baixa e média renda. Esses últimossão responsáveis por 86% das doenças cardiovasculares.Além disso, estima-se que, até 2010, essas doençasrepresentem a principal causa de óbito nos países emdesenvolvimento.
  • 54. 54Prevenção e controleApesar disso, é possível reduzir bastante esses índicesse houver estratégia para enfrentar os principais fatoresde risco, como regime alimentar inadequado, poucaatividade física e consumo de cigarros. Mais de 50% detodos os óbitos poderiam ser evitados mediante acombinação de esforços simples, de baixo custo, e açõesindividuais para reduzir os principais fatores de risco,como hipertensão, alta taxa de colesterol, obesidade efumo.O ProblemaAs principais doenças cardiovasculares incluem:• As doenças coronarianas (ou doença isquêmicacardíaca e infarto)• Doença vascular cerebral (derrame)• Hipertensão (pressão alta)• Insuficiência cardíaca• Doença reumática cardíaca.Dentre os 16,6 milhões de óbitos por doençascardiovasculares que ocorrem a cada ano, 7,2 milhõesse devem a doença isquêmica, 5,5 milhões a doençavascular cerebral e 3,0 milhões a hipertensão e outrascardiopatias. Anualmente, 20 milhões de indivíduossobrevivem a infartos e derrames, sendo que muitosdeles precisam de atenção clínica dispendiosa, o querepresenta um grande volume de recursos dispensadosna atenção à saúde a longo prazo.As doenças cardiovasculares afetam pessoas de meia-idade, prejudicando também o desenvolvimentosocioeconômico de famílias e países. Em geral,populações carentes do ponto de vista socioeconômicoestão mais expostos a fatores de risco, doenças e morte.Ao mesmo tempo, as doenças cardiovasculares estãocrescendo muito nos países em desenvolvimento.Doenças Cardiovasculares (DCV)
  • 55. 55Com relação à população infantil, o impacto dos fatoresde risco, causado principalmente pela falta de exercíciosfísicos e o pouco consumo de frutas e verduras, só serásentido no futuro. Se os países não se empenharemnum grande esforço de prevenção e gerenciamento dosriscos, os custos da mortalidade e morbidade pelasdoenças cardiovasculares continuarão aumentando.O que acontece?O aumento das doenças cardiovasculares reflete umamudança significativa nos hábitos alimentares, nos níveisde atividade física e no consumo de cigarros no mundo.Estas mudanças resultam dos processos de indus-trialização, urbanização, desenvolvimento econômicoe globalização do mercado de alimentos. Hoje, a dietadas pessoas se carateriza por um alto teor calórico e umbaixo nível de nutrientes. Além disso, as pessoas sãomuito menos ativas. Desequilíbrio nutricional, atividadefísica reduzida e alto consumo de cigarro são os principaisfatores de risco comportamentais.Hipertensão, alto nível de colesterol no sangue, excessode peso e obesidade e diabete tipo 2 estão entre os maisimportantes fatores de risco. Os hábitos alimentarespouco saudáveis incluem grande consumo de gordurassaturadas, sal e carboidratos refinados e baixo consumoDoenças Cardiovasculares (DCV)
  • 56. 56de frutas e verduras. Esses fatores de risco tendem afigurar juntos em muitas pessoas, o que agrava maisainda saúde.O que fazer?Quem já sofreu infarto ou derrame tem sério risco sofrerrecorrências da doença. Este risco pode ser diminuídosensivelmente se houver uma combinação de medica-mentos tomados diariamente, como estatinas paradiminuir a taxa de colesterol, aspirina e doses baixas demedicamentos para reduzir a pressão arterial dadosdiariamente para pessoas com elevado risco de ataquecardíaco e derrame cerebral.Os métodos mais adequados para reduzir o risco geral,entretanto, são as intervenções que abrangem toda apopulação e combinam políticas eficazes com programasamplos de promoção da saúde. Essas intervençõesdeveriam ser consideradas primeiro lugar. Em muitospaíses, há ênfase excessiva nas intervenções individuaisvoltada à população com risco médio de doençascardiovasculares. Os recursos poderiam ser mais bemutilizados se houvesse prioridade para as pessoas comalto risco de doenças cardiovasculares.Ações políticas e programas econômicos e educacionaisdevem ser dirigidos a toda a população para reduzirfatores de risco, sobretudo regime alimentar e atividadeDoenças Cardiovasculares (DCV)
  • 57. 57física. A ingestão de gorduras, especialmente a suaqualidade, tem grande influência no risco de doençascoronarianas, acidentes vasculares cerebrais, trombose,hipertensão e nas inflamações. O excesso de sal temimpacto significativo nos níveis de pressão arterial.Evidências convincentes indicam que três estratégiasdietéticas são eficazes na prevenção das doençascardiovasculares e auxiliam no acompanhamento depessoas com essas doenças:• Aumentar o consumo de ácidos graxos ômega-3provenientes de óleo de peixe ou fontes vegetais;• Consumir dieta rica em frutas, verduras, nozes e grãosintegrais, e com poucos grãos refinados.• Substituir gorduras saturadas por gorduras insa-turadas• Evitar excesso de alimentos salgados ou açucarados• Acumular pelo menos 30 minutos de atividade físicaregular por dia• Não fumar• Manter um peso saudável.Intervenções eficazes• No Reino Unido, um programa bem sucedidopromovido pelo governo, em parceria com aindústria de alimentos e bebidas, reduziu em quase25% o teor de sal nos alimentos manufaturados, aolongo de vários anos.• Nas Ilhas Maurício, a redução do teor de colesterolfoi conseguida, em grande parte, por um esforçogovernamental para mudar o óleo de cozinhautilizado pela população, estimulando a troca doóleo de dendê pelo óleo de soja.• A Coréia tem trabalhado para manter diversoselementos da dieta tradicional. A sociedade civil e ogoverno desenvolvem campanhas de comunicaçãode massa para promover os alimentos locais, osmétodos tradicionais de cozimento e a necessidadede apoiar os agricultores locais.Doenças Cardiovasculares (DCV)
  • 58. 58• No Japão, as campanhas governamentais de saúdereduziram bastante a ingestão de sal. Além disso,houve aumento no tratamento da pressão alta e dehipertensão na população como um todo. Conse-qüentemente, houve queda de mais de 70% nonúmero de acidentes vasculares cerebrais.• Na Finlândia, intervenções de âmbito nacional,baseadas na comunidade, incluindo ações depromoção da saúde e nutrição, resultaram naredução do colesterol e de outros fatores riscos napopulação como um todo, a qual foi seguida poruma queda muito acentuada na mortalidade porcardiopatia e acidentes vasculares cerebrais.• Nos Estados Unidos, uma diminuição na ingestãode gorduras saturadas no final da década de 1960resultou num grande declínio no número de óbitospor doenças coronárias, nas últimas décadas.• Na Nova Zelândia, a introdução da marca “alimentomais saudável” nos rótulos levou muitas empresas areformular seus produtos. Um dos benefícios foi agrande queda no teor de sal dos alimentosprocessados.Doenças Cardiovasculares (DCV)
  • 59. 59
  • 60. 60