Your SlideShare is downloading. ×
0
Pcr
Pcr
Pcr
Pcr
Pcr
Pcr
Pcr
Pcr
Pcr
Pcr
Pcr
Pcr
Pcr
Pcr
Pcr
Pcr
Pcr
Pcr
Pcr
Pcr
Pcr
Pcr
Pcr
Pcr
Pcr
Pcr
Pcr
Pcr
Pcr
Pcr
Pcr
Pcr
Pcr
Pcr
Pcr
Pcr
Pcr
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Pcr

1,012

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
1,012
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
63
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. REAÇÃO DE POLIMERIZAÇÃO EM CADEIA (PCR) PCR - consiste em fazer cópias de DNA “in vitro”, usando os elementos básicos do processo de replicação natural do DNA ou cDNA.
  • 2. O processo de PCR foi descrito por Kary Mullis no final da década de 1980, tendo-lhe sido posteriormente, em 1993, atribuído o Prêmio Nobel de Química pelo seu trabalho.
  • 3. Em 1989, a Hoffman La Roche & Perkin-Elmer Corporation patentearam este processo. Bactéria Thermus aquaticus (Taq-polimerase).
  • 4. PRINCÍPIOS DA REAÇÃO DE PCR A reação de polimerização em cadeia (“Polimerase chain reaction”, PCR) é a técnica que permite a amplificação do DNA ou cDNA in vitro, utilizando-se basicamente de uma reação enzimática catalizada pela polimerase (enzima termoestável) cuja atividade depende de ions Mg++ Ocorre em 3 etapas:Ocorre em 3 etapas: a) “Melting”(ou desnaturação que consiste na separação da dupla fita do DNA a ser amplificado), b) “annealing”( anelamento ou hibridização- ligação do iniciador ou “primer” ao DNA a ser amplificado), c) “extension” (extensão ou seja a polimerização propriamente dita)
  • 5. Depende: Alternância de temperaturas a cada ciclo: Replicação in vitro do DNA • DESNATURAÇÃO • ANELAMENTO • POLIMERIZAÇÃO
  • 6. Alternância de temperaturas a cada ciclo 1:Denaturaçao 94 ° C -96 ° C Separa a fita dupla do DNA molde em duas fitas simples 2.Anelamento: 37 ° C -65 ° C37 ° C -65 ° C Primers se ligam aos sitios específicos na fita simples 3. Extensão: 72 ° DNA polymerase acrescenta os dNTPs à fita, de acordo com o pareamneto de bases
  • 7. Inicialmente é necessário que as duas fitas de DNA a ser amplificado sejam separadas. A elevação da temperatura entre 90 a 95 ºC promove a separação da fita dupla de DNA em duas fitas simples. Muitas vezes a temperatura de desnaturação é determinada empiricamente e depende de alguns fatores como a quantidade de guanina e citosina (GC) do fragmento DNA alvo ou de interesse. a)Desnaturação
  • 8. A polimerase para anexar as bases complementares, transformando as fitas simples em fitas duplas, necessita de um fragmento de DNA já ligado na região previamente escolhida. Para isso adicionam-se, à solução, os “primers” ou iniciadores que são pequenos fragmentos sintéticos de DNA de fita simples, oligonucleotídeos de 20 a 30 bases nitrogenadas de comprimento, que são sintetizados in vitro baseado na sequência do DNA a ser amplificado sendo eles complementares à seqüência do segmento de DNA de interesse. Nas duas fitas surgem, assim, um pequeno fragmento de DNA de dupla fita intacta. A hibridização dos “primers” descrito como “Annealing” (do inglês), deve ser feito a uma tempertura inferior à da desnaturação (45 a 70 °°°°C). b) Anelamento-
  • 9. - Quando os “primers” encontram e ligam- se aos segmentos complementares, a DNA-Polimerase liga os nucleotídeos entre si, completando assim as fitas simples e tornando-as duplas (extensão). A DNA- Polimerase não reconhece apenas o bloco de início como também consegue diferenciar as duas extremidades dos “primers” (3’ e 5’). Ela inicia a reação sempre pela extremidade 3’ do “primer”, completando a c) Extensão fita simples daí em diante, portanto, sempre na direção do fragmento procurado.
  • 10. Automação da PCR Um aparelho de PCR, ou um termociclador, repete o correspondenteUm aparelho de PCR, ou um termociclador, repete o correspondente a programa de temperaturas. O operador deve apenas programar e dar início para que transcorra a amplificação Técnicamente muitas mudanças tem sido introduzidas melhorando cada vez mais e ampliando a sua utilização. Para cada situação experimental, novas modificações têm de ser introduzidas, de tal forma que é muito difícil descrever um único procedimento para um uso generalizado. Por outro lado, é fundamental o conhecimento básico das etapas envolvidas na técnica, para um desenho experimental com sucesso
  • 11. É um seguimento de DNA ou RNA de 15 a 40 bases, geralmente baseado na sequência já conhecida do ácido nucleico, sintetizado quimicamente por instrumentos automáticos, que podem ser adquiridos no comércio para fins já definidos ou se escolhe a região desejada do DNA ou RNA a ser amplificada. Primer: É um segmento de DNA ou RNA que foi marcado seja com enzimas,, substratos antigenicos, substâncias quimioluminescentes ou radioativas, que podem ligar-se com alta especificidade a uma sequência complementar do ácido nucleico alvo (escolhido). Sonda (probe):
  • 12. EFICIÊNCIA NA AMPLIFICAÇÃO: Modelo teórico eficiência do processo de amplificação corresponde a 100%, o que não é observado na prática. Experimentalmente de 78% a 97%, dependendo do fragmento amplificado. Os principais problemas para a padronização: a) Não detecção do produto, b) Baixo rendimento do produto desejado, c) Presença de bandas não específicas devido a “misextension” dos “primers”, d) Formação de dímeros dos “primers” que competem pela amplificação com o produto desejado, mutação ou heterogeneicidade devido a erro de incorporação.
  • 13. Após cada ciclo, o número de fragmentos se duplica: de um formando-se 2, e então novamente 4, 8, 16, 32, 64, 128... de tal forma que pode ser definida matematicamente por: PCR REAÇÃO EM CADEIA de tal forma que pode ser definida matematicamente por: N = No ×××× 2n N = número de moléculas amplificadas No = número de moléculas iniciais n = número de ciclos de amplificação
  • 14. Primeiro Ciclo da PCR
  • 15. Após sucessivos ciclos...
  • 16. A polimerização é feita por uma DNA polimerase termoestável = síntese exponencial de moléculas de DNA. São utilizados dois primers que delimitam o segmento amplificado
  • 17. Cada uma das novas fitas de DNA extendidas a partir dos primers serve como molde para a síntese de uma nova fita. Isso garante o aumento exponencial do número de novas fitas Todas as fitas de DNA sintetizadas durante a PCR tem a sequência dos primers na extremidade 5’ e atem a sequência dos primers na extremidade 5’ e a sequência complementar aos primers na posição 3’.
  • 18. Polimerização 5’ 3’ Todas as DNA-polimerasesTodas as DNA-polimerases requerem para seu funcionamento: Molécula de DNA molde Primer de oligonucleotídeos Magnésio dNTPs
  • 19. Qualquer sequência alvo de DNA pode ser amplificada por PCR •A localização da sequencia-alvo é feita pelos primers. • Oligonucleotídeos com 20-24 pares de bases são seletivos o suficiente para localizar um sítio único em um genoma de alta complexidade. • O pareamento dos primers com a sequencia –alvo se faz pelo estabelecimento de pontes de hidrgênio, segundo Watson e Crick
  • 20. • Tampão:Mantém o pH ótimo para a atividade da enzima • Sais: fornecem condições ótimas para a máxima eficiência da enzima. influenciam na cinetica de hibridizaçao do DNA ou na Tm dos primers. Componentes da PCR • Magnésio (Mg++): ions de Mg são necessários para estimular a Taq polimerase Mg++: 1 a 4 mM
  • 21. Cinética da PCR •Fase de screening- ciclos iniciais Os primers procuram o molde de DNA com as sequencias que lhes são complementares . Encontrar a sequencia complementar não é dificil, pois os primers estão em considerável excesso em relação ao molde. • Fase intermediária: O processo de amplificação está ocorrendo levando ao acúmuloO processo de amplificação está ocorrendo levando ao acúmulo exponencial do fragmento de DNA.O pareamento do primer com a sequencia ja está facilitada, pois ja existem várias cópias da sequencia-alvo • Fase tardia ou fase de platô: A amplificaçào ja é sub-ótima devido à limitaçao dos reagentes e a competição dos produtos gerados com os primers disponíveis.
  • 22. O aumento exponencial do no de cópias ocorre até um determinado no de ciclos, que será variavel de reação para reação. Causas do platô (Desvio do ideal teórico): • Perda de atividade da enzima • Todas as enzimas disponíveis estão ocupadas com a síntese de DNA • Acúmulo de produtos amplificados que tendem a parear entre si,• Acúmulo de produtos amplificados que tendem a parear entre si, em detrimento do pareamento com os “primers”. Aumenta possibilidade de amplificação de produtos inespecíficos. • Gasto dos reagentes, especialmente de primers, mas também de deoxinucleotídeos. • Acúmulo de pirofosfato, resultante das ligações fosfodiésteres. • Competição com outros produtos que vinham sendo amplificados com eficiência menor mas também foram se acumulando.
  • 23. Fidelidade na PCR • Fidelidade: Acuracia na replicação •Fidelidade na PCR Alto % dos produtos da PCR tem seqüências idênticas ao alvoAlto % dos produtos da PCR tem seqüências idênticas ao alvo • Alta fidelidade
  • 24. Condições que afetam a fidelidade da PCR Fatores Aumenta Fidelidade Reduz fidelidade dNTPs Balanceado 40-50µM de cada Desbalanceado 1-2mM de cada Mg++ 1:1 com os dNTPs 6-8 mM Mg++ Temp. anelamento Enzima ou tempo de extensão Ciclos
  • 25. Otimização da PCR • Aumenta a eficiência da reação (produção) • Aumenta a especificidade • Melhora a reprodutibilidade Parâmetros a serem considerados na otimização • Desenho de primers Conteúdo de GC, Evitar longas regiões ricas em GC ou AT, Temperatura de anelamento (Tm – 4oC) • Condições dos ciclos • Concentração dos reagentes •Componentes do tampão
  • 26. Parâmetros dos ciclos: 1. Temperatura e Tempo de desnaturação • Falta de desnaturação do molde é uma causa comum de falha na PCRcomum de falha na PCR • Tipicamente 94oC por 30 s • Tempo de desnaturação muito longo reduz a meia vida da enzima
  • 27. Parâmetros dos ciclos: 2. Temperatura e Tempo de anelamento • Temperatura de anelamento = 5oC abaixo do Tm real dos primersdos primers • Tempo de anelamento = 15 a 30 s • Tempo de extensão: função tamanho do AMPLICON – 1 minuto é suficiente 1,2 kb – Longo, reduz a meia vida da enzima
  • 28. DNA Polimerases Termoestáveis Thermos aquaticus (Taq polymerase) • Taxa de incorporação de bases erradas pode variar entre 10-3 a 10-6, dependendo das concentrações de Mg2+ e dNTPs • A incorporação de base errada (mismatch) reduz a estabilidade da interação da enzima com o DNA, favorecendo a interrupção da polimerização. • Baixa temperatura de extensão e elevada concentração de dNTPs favorecem a extensão de primers com pareamento imperfeito e a extensão após mismatch.
  • 29. Inibem a PCR •Contaminantes da amostra de DNA (limitante) Inibidores da Polimerase •Fenol •Proteinase K•Proteinase K •Agentes quelantes em excesso (EDTA) •SDS •Elevadas concentrações de sais

×