Your SlideShare is downloading. ×
Semana do Mar 2011 - at Edificio Transparente
Semana do Mar 2011 - at Edificio Transparente
Semana do Mar 2011 - at Edificio Transparente
Semana do Mar 2011 - at Edificio Transparente
Semana do Mar 2011 - at Edificio Transparente
Semana do Mar 2011 - at Edificio Transparente
Semana do Mar 2011 - at Edificio Transparente
Semana do Mar 2011 - at Edificio Transparente
Semana do Mar 2011 - at Edificio Transparente
Semana do Mar 2011 - at Edificio Transparente
Semana do Mar 2011 - at Edificio Transparente
Semana do Mar 2011 - at Edificio Transparente
Semana do Mar 2011 - at Edificio Transparente
Semana do Mar 2011 - at Edificio Transparente
Semana do Mar 2011 - at Edificio Transparente
Semana do Mar 2011 - at Edificio Transparente
Semana do Mar 2011 - at Edificio Transparente
Semana do Mar 2011 - at Edificio Transparente
Semana do Mar 2011 - at Edificio Transparente
Semana do Mar 2011 - at Edificio Transparente
Semana do Mar 2011 - at Edificio Transparente
Semana do Mar 2011 - at Edificio Transparente
Semana do Mar 2011 - at Edificio Transparente
Semana do Mar 2011 - at Edificio Transparente
Semana do Mar 2011 - at Edificio Transparente
Semana do Mar 2011 - at Edificio Transparente
Semana do Mar 2011 - at Edificio Transparente
Semana do Mar 2011 - at Edificio Transparente
Semana do Mar 2011 - at Edificio Transparente
Semana do Mar 2011 - at Edificio Transparente
Semana do Mar 2011 - at Edificio Transparente
Semana do Mar 2011 - at Edificio Transparente
Semana do Mar 2011 - at Edificio Transparente
Semana do Mar 2011 - at Edificio Transparente
Semana do Mar 2011 - at Edificio Transparente
Semana do Mar 2011 - at Edificio Transparente
Semana do Mar 2011 - at Edificio Transparente
Semana do Mar 2011 - at Edificio Transparente
Semana do Mar 2011 - at Edificio Transparente
Semana do Mar 2011 - at Edificio Transparente
Semana do Mar 2011 - at Edificio Transparente
Semana do Mar 2011 - at Edificio Transparente
Semana do Mar 2011 - at Edificio Transparente
Semana do Mar 2011 - at Edificio Transparente
Semana do Mar 2011 - at Edificio Transparente
Semana do Mar 2011 - at Edificio Transparente
Semana do Mar 2011 - at Edificio Transparente
Semana do Mar 2011 - at Edificio Transparente
Semana do Mar 2011 - at Edificio Transparente
Semana do Mar 2011 - at Edificio Transparente
Semana do Mar 2011 - at Edificio Transparente
Semana do Mar 2011 - at Edificio Transparente
Semana do Mar 2011 - at Edificio Transparente
Semana do Mar 2011 - at Edificio Transparente
Semana do Mar 2011 - at Edificio Transparente
Semana do Mar 2011 - at Edificio Transparente
Semana do Mar 2011 - at Edificio Transparente
Semana do Mar 2011 - at Edificio Transparente
Semana do Mar 2011 - at Edificio Transparente
Semana do Mar 2011 - at Edificio Transparente
Semana do Mar 2011 - at Edificio Transparente
Semana do Mar 2011 - at Edificio Transparente
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Semana do Mar 2011 - at Edificio Transparente

883

Published on

Semana do Mar visou dar a conhecer diversas áreas relacionadas com os Oceanos de forma a elucidar o Público em Geral sobre as problemáticas, soluções e previsões em diversas áreas, na forma de …

Semana do Mar visou dar a conhecer diversas áreas relacionadas com os Oceanos de forma a elucidar o Público em Geral sobre as problemáticas, soluções e previsões em diversas áreas, na forma de palestras, aulas de campo, mostra de actividades relacionadas com o Mar,exposições de Espéceis da nossa costa, e Fotografia Subaquática.

Published in: Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
883
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
6
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. SEMANA DO MARET EDIFÍCIO TRANSPARENTE11/2011
  • 2. 2EVENTOSEMANA DO MAR12—27 Nov | Edifício Transparente“Homem livre, tu sempre gostarás do Mar.”Charles BaudelaireCom organização de Artur Lagoá e Edifício Transparente nasce a Semana do Mar, celebrando o DiaNacional do Mar, que de forma inédita inclui actividades diversas: palestras/ conversas informais ondecientistas e investigadores falam para o público em geral sobre várias áreas essenciais aos Oceanos,como Poluição Marinha, Identificação de Espécies, Erosão Costeira ou Recursos Pesqueiros e Nutrição;domingo, uma excitante demonstração dos meios de salvação e busca do ISN no mar; exposições deespécies da nossa costa e fotografia subaquática ou cursos práticos de iniciação ao mergulho e ilustraçãocientífica.
  • 3. 4EVENTOSEMANA DO MARNo mar começou a vida. É a origem—um substantivo que é verbo ao mesmo tempo.Sendo a parte mais representativa da superfície terrestre é fundamental o seu papel no equilíbrio doplaneta Terra, em questões tão delicadas como o equilíbrio térmico que tudo afecta. A riqueza ediversidade que alberga, que até agora se conhecem, são enormes—e tanto há ainda por descobrir,sendo os oceanos desafios à ciência e à investigação, trazendo mais questões do que respostas,revelando pouco a pouco a sua ancestralidade e o seu potencial de recursos outrora inimagináveis eque deixa antever a visão de um futuro melhor.Os oceanos, locais de passagem, vias de comunicação comerciais e culturais, fontes de recursoseconómicos que sustentam países (actividade pesqueira, extração de petróleo, actividades turísticas),foram desde sempre marcantes nas culturas e tradições dos diversos povos, das suas gentes e vidas,que dele dependem, directa ou indirectamente, por todo o mundo— e por isso, são inúmeras as vezesao longo da história em que se tornam fonte de conflitos e disputas entre países e continentes, fazendocorrer mares de sangue e lágrimas que os vaivéns das marés políticas e diplomáticas vão lavando ediluindo, procurando portos seguros que não deixem repetir erros passados a que o próprio mar éalheio. Da mesma forma, a acção nefasta do homem que insiste em desrespeitar o mar quer pelaexploração abusiva dos seus recursos, quer pela lixeira em que o transforma é, pelo que se começafinalmente a perceber, demasiado perigoso para o próprio planeta, ameaçando o seu equilíbrio e onosso próprio futuro e existência.No nosso país, em que mais de metade do seu limite é zona costeira, o mar foi desde sempre umelemento determinante da sua economia, organização psico-social, tradição e manifestações culturais.Por ele e a ele se deve muita da nossa história e forma de ser português.É também por esse motivo e porque a região onde estamos—Porto—mais ainda frente ao mar, se ligaintrinsecamente ao oceano, que vemos como fundamental um olhar atento e consciente sobre o mare os seus recursos, bem como o reflexo da acção do homem e das suas actividades sobre ele... porquea consciência é o que transforma o nosso olhar e o faz capaz de ver, é o que transforma as nossas acçõesfazendo-as capazes de contribuir.
  • 4. 5Por tudo isto, decidimos celebrar no Edifício Transparente a SEMANA DO MAR, num evento de carácterabrangente e universal, destinado ao público em geral, que irá decorrer de 12 a 25 de novembro,incorporando o Dia Nacional do Mar (dia 16 novembro).O evento principal, assim chamado pela sua maior duração em tempo, será constituído por 3 exposiçõesdistintas:—a exposição de espécies, que dará a conhecer características das principais espécies marinhasencontradas no nosso litoral costeiro — e que muitas das vezes só não vemos porque não sabemosobservar;—a mostra de actividades ligadas ao mar, onde diversas entidades e associações se poderão fazerrepresentar, mostrando a sua actividade muitas das vezes desconhecida do público em geral, e quepoderá cativar muitos dos presentes para uma maior ligação ao mar;—a exposição de fotosub, que mostrará imagens de rara beleza trazidas do fundo do mar, um universoque ignoramos tão belo e rico.Às exposições associaremos cinco palestras (a que daremos o título, mais informal, de Conversas),dirigidas por personalidades de renome e reconhecimento científico nas áreas de investigação epesquisa, que direccionarão os seus discursos, todavia, ao público em geral visto ser o nosso objectivoprecisamente o dar a conhecer e alertar o grande público para todas as questões já referidas. A umadas palestras previstas poderá ser associada uma aula de campo, tornando a actividade prática eapelativa, visto tratar-se da observação de espécies da própria zona frente ao Edifício Transparente.Estão previstas ainda uma demonstração dos meios de salvamento do ISN, cujo carácter informativoé também de grande importância quer para o público geral, quer para o mais específico e ligado àsactividades marítimas; e a possibilidade de realizar baptismos de mergulho, como iniciação a umaactividade que reúne cada vez mais interessados no nosso país.O curso de ilustração científica é mais uma proposta de alargamento do evento, quer em termos deactividade, quer em termos temporais, dirigido a um público mais específico e de interesse particular.Desta forma, reunindo uma diversidade de actividades e focos de interesse, pretende-se extrapolar ocarácter mais estático das exposições, conferindo-lhe uma vertente mais abrangente, dinâmica epedagógica, versando vários temas, e dando ao público interessado oportunidade de interacção eparticipação, quer através do contacto com personalidades de renome (palestra) quer através daaprendizagem e iniciação (aula de campo, baptismo de mergulho e curso de ilustração científica), quedotarão este evento de uma duração muito superior ao seu limite temporal, enquanto presentes namemória ou nas actividades a que o público dê continuidade, a partir deste “ponto de partida”.
  • 5. 6Pretendemos, acima de tudo, sensibilizar o público para o mar e as diversas questões que com eledirectamente se relacionam, demonstrando a sua importância vital e a sua relevância quer no presentequer para as gerações futuras.Estarmos precisamente no norte litoral, potencia enormemente a atractividade para o público-alvo.Por definição, para além do público geralmente interessado em actividades culturais e ambientais,aliamos nesta actividade os públicos-alvo dos amantes e praticantes de actividades desportivas oude lazer ligadas ao mar, bem como os simples curiosos, de espírito irrequieto—públicos estes que sepodem ou não conjugar nas mesmas pessoas, já que nenhuma das características obriga à outra.Por tal, consideramos de enorme abrangência este evento, reforçado pelo usual público do ET, elepróprio muito variado e diversificado (em níveis etários, culturais, de focos de interesse), mas que estaactividade conseguirá cativar, independentemente do seu carácter-padrão.ORGANIZAÇÃO/ PARCERIAS:Artur LagoáEdifício TransparenteAPOIOSADNG—DIVINGCâmara Municipal do PortoPortoLazer EEMManuel Silva FotografiaSempre — Imagem DigitalLuz e SomBang & OlufsenCufra GrillEuroma 21EFCISISNCapitania do Porto de Leixões
  • 6. 7EVENTOSEMANA DO MAR12 a 27 NOVEMBRO 2011LOCAL DO EVENTO: Edifício Transparente—sala de eventos Box-in-the-boxDATAS DO EVENTO—PALESTRAS12 novembro | 14h30—19h30Conversas informais em que cientistas e investigadores falam para o público em geral1. Poluição Marinha em Portugal—origem, intervenção, prevenção, pelo Prof. Dr. Bordalo e Sá2. Qualidade do Pescado — Alimentação — Qualidade e Nutrição, pelo Prof. Dr. Paulo Vaz Pires3. Aquacultura e Pescas—Que perspectivas para os recursos vivos do mar e a sua capacidade deprodução?, pelo Prof. Dr. António Afonso4. Erosão Costeira em Portugal, pelo Prof. Dr. Veloso Gomes5. Protecção das Espécies de Tubarões (Elasmobrânquios), pelo Dr. João Correia (APECE)6. Aula de Ecologia Marinha e identificação de espécies, pelo Dr. José Pedro Oliveira—DEMONSTRAÇÃO DO ISN13 novembro | 15hDemonstração dos meios de busca e salvamento ISNcom a equipa de Leixões, com formação contínua e intensiva sob variadas formas.—DIA NACIONAL DO MAR16 novembro | 11h—15h1. Aula de Campo de Ecologia Marinha e identificação de espécies, pelo Dr. José Pedro Oliveira2. Mostra de vídeo sobre mergulho e vida marinha—EXPOSIÇÕES12—27 novembro1. Exposição sobre as espécies da zona costeira (c. 30 espécies)2. Exposição fotosub—Fotografia Subaquática Manuel Silva3. Mostra—exposição/ mostra/ apresentações audiovisuais de actividades relacionadas com o mar 3.1. Mergulho
  • 7. 8 3.2. Surf 3.3. Vela 3.4. Pesca Desportiva offshore (alto mar) 3.5. Pesca Tradicional (zona Norte com enfoque numa zona particular onde a pesca artesanal é ainda levada a cabo pelos meios e costumes mais tradicionais) 3.6. Sensibilização para a protecção das espécies elasmobrânquios (tubarões, raias e quimeras) e recolha de assinaturas para sensibilização do público e aprovação de medidas na Legislação Pesqueira relativa à União Europeia. 3.7. Marinha Portuguesa (painel e/ou presença) 3.8. ISN—ACTIVIDADESnovembro1. Curso de Iniciação ao Mergulho | COMEÇAR A MERGULHAR! Open Water DiverInscrição para realizar Curso de Iniciação ao Mergulho (actividade suportada pelos participantes) .Formação: ADNG—Diving — Escola de MergulhoSistema de Formação PADI (Professional Association of Diving Instructors)Inscrição: info@adngdiving.com1. Curso de Ilustração Científica27 nov | 9h—13h / 14h30—18h30Desenhar a Natureza - TRANSPARENCIASMini-curso de Desenho Biológico (8h) (actividade suportada pelos participantes).Formador: Fernando CorreiaBíólogo & Ilustrador Científico (www.efecorreia-artsudio.com)Docente da Universidade de Aveiro (Ilust. Científica)3. Curso de EFR — Suporte Básico de VidaNovo programa denominado EFR (Emergency First Response) — Inscrição (actividade suportada pelosparticipantes).Formação: ADNG—Diving — Escola de MergulhoEVENTOENTRADA LIVRE | Palestras | Exposições | MostraHORÁRIO—Aberto todos os dias—10h—22h
  • 8. 9PALESTRAS [resumos]1 . Poluição Marinha em Portugal, pelo Prof. Dr. Bordalo e Sá Poluição Marinha em Portugal — Origem, Intervenção, Prevenção A Poluição Marinha é um factor extremamente preocupante para a realidade mundial tendo em conta as implicações que advém a nivel de saúde humana, stocks pesqueiros, preservação dos recursos Marinhos e respectivas influências sócio-económicas. Contamos com a presença de um dos melhores especialistas nesta área em Portugal para dar a conhecer ao público em geral, quais são as principais causas e fontes, as medidas de prevenção que estão a ser tomadas, viabilidade de novas estratégias em Terras Lusas. .2. Qualidade do Pescado — Alimentação — Qualidade e Nutrição, pelo Prof. Dr. Paulo Vaz Pires O pescado na alimentação humana: segurança, qualidade e benefícios para a saúde Definição de pescado. Origem, principais grupos e composição geral. Principais problemas de segurança e sua resolução. Inspeção sanitária de pescado. Qualidade do pescado selvagem e de aquacultura (intensiva e não intensiva). Processos de certificação e rastreio. Breve referência aos factores de degradação e métodos de conservação (rede de frio). As dietas mediterrânica e atlântica e o papel do pescado na nutrição actual. Benefícios e problemas relacionados com o consumo de pescado. Perspectivas para o futuro do pescado na alimentação.3. Aquacultura e Pesca, pelo Prof. Dr. António Afonso Que perspectivas para os recursos vivos do mar e a sua capacidade de produção? Apesar do contínuo aumento do esforço de pesca a que se vem assistindo ao nível mundial, as capturas estagnaram ao longo dos últimos 10 anos em torno dos 90 milhões de toneladas ano, acumulando prejuízos que rondam os 50 000 milhões de dólares por ano. Já não é possível alguém acreditar que seja viável continuar a explorar de forma tão intensiva os recursos vivos marinhos, sob pena de, em pouco tempo, se chegar a uma situação irreversível para muitos stocks. Sabemos hoje que existem recursos inesgotáveis! É por isso necessário refletir sobre a situação atual e, simultaneamente, procurar encontrar um conjunto de soluções de sustentabilidade para esta atividade tão necessária para a população humana, tanto do ponto de vista dos produtores como dos consumidores. Esta procura terá necessariamente que ter em conta as questões sociais que estão envolvidas. Cerca de 43 milhões de pessoas estão ligadas à atividade pesqueira em todo o mundo. Mas também, simultaneamente, as dificuldades não podem ser razão suficiente para que nada se
  • 9. 10 faça, até que seja tarde para desencadear quaisquer medidas que invertam a tendência actual. Portugal emprega no setor das pescas (Pesca + Aquacultura + Indústria) cerca de 32 mil pessoas, o que estando longe de valores de outros tempos, representa ainda um sector que contribui para contrariar o desemprego que enfrentamos atualmente. Entretanto, muitos países têm enveredado pela aquacultura, como forma de superar as dificuldades sentidas na obtenção de produtos do mar a partir da pesca. Muitos países têm verificado possuir condições excecionais para esta forma de produção mas, também aqui, não se trata de uma atividade sem impacto ou isenta de riscos. Na verdade, esta forma de produção vive, em parte, dependente da pesca como fonte de alimentação, e é considerada uma atividade de alto risco, do ponto de vista económico. Também aqui, ao contrário do que por vezes se acredita, Portugal não tem grandes potencialidades para a aquacultura. As possibilidades são limitadas, tanto em locais como em espécies passíveis de serem produzidas. Por isso, as oportunidades devem ser estudadas e aproveitadas, porque é urgente produzir. A mudança de paradigma neste setor é imprescindível e decisões avisadas e construtivas são urgentes, para que também as próximas gerações tenham o que pescar, o que cultivar e o que comer. A mudança é sempre causadora de incerteza e insegurança, mas a discussão é uma forma de todos em conjunto alcançarem as soluções necessárias.4. Erosão Costeira em Portugal, pelo Prof. Dr. Veloso Gomes Erosão Costeira em Portugal — Zona Norte Enquadramento dos problemas de erosão costeira em Portugal. Algumas situações históricas. Situações recentes. A percepção dos fenómenos e das suas causas. Técnicas de intervenção. Investigação. Desafios e oportunidades com a revisão do Plano de Ordenamento da Orla Costeira Caminha – Espinho.5. Protecção das Espécies de Tubarões (Elasmobrânquios), pelo Dr. João Correia (APECE) Sensibilização para a protecção das espécies de tubarão (elasmobrânquios) na costa portuguesa e europeia ameaçadas pela legislação em vigor e apresentação da Shark Alliance DECLARAÇÃO DO OBJECTIVO DA SHARK ALLIANCE A SHARK ALLIANCE é uma coligação global de organizações não governamentais, sem fins lucrativos, dedicada à recuperação e conservação das populações de tubarões, através do melhoramento das políticas de conservação dos tubarões. A SHARK ALLIANCE está vocacionada para assegurar o seguinte: Limitações à pesca do tubarão, de acordo com aconselhamento científico e o princípio da precaução, incluindo regulamentação mais eficaz para a prevenção da captura de tubarões para recolha de barbatanas; Orientações
  • 10. 11 para a protecção e conservação dos tubarões através da Convenção sobre o Comércio Internacional de Espécies da Fauna e da Flora Selvagem Ameaçadas de Extinção (CITES); Aprovação de uma Resolução das Nações Unidas que inclua prazos ambiciosos para a implementação do Plano Internacional de Acção para os Tubarões e contemple consequências por falta de actuação. Os Tubarões evoluíram durante mais de 400 milhões de anos e desempenham um papel fundamental nos ecossistemas oceânicos. Tal como os predadores terrestres como, por exemplo, os leões e os lobos, os tubarões mantêm o número de elementos de outras populações sob controlo e ajudam a manter o equilíbrio da vida. Em geral, os tubarões crescem lentamente, atingem a maturidade tarde e reproduzem-se pouco. Por essa razão, as populações de tubarões são particularmente vulneráveis à sobreexploração e recuperam lentamente quando estão em número reduzido. Dezenas de milhões de tubarões são mortos todos os anos, intencionalmente ou em consequência da actividade da pesca. Hoje, principalmente por causa da sobreexploração pesqueira, os tubarões estão entre os animais oceânicos mais ameaçados. A IUCN (União Internacional para a Conservação da Natureza) classificou 17% das espécies mundiais de tubarões (incluindo os seus parentes raias e quimeras) como ameaçadas de extinção (perigo crítico, em perigo ou vulnerável, segundo os critérios da lista vermelha da IUCN), e mais 13% em risco de ficarem em perigo de extinção, num futuro próximo. O desaparecimento dos tubarões teria efeitos negativos em muitas outras espécies. O aumento da consciencialização e envolvimento do público, bem como a maior transparência e responsabilização nos processos de tomada de decisão, são fundamentais para aumentar a prioridade na gestão dos tubarões e tornar efectiva a conservação das suas populações. A SHARK ALLIANCE dedica-se a assegurar que estes vulneráveis animais sobrevivam e tenham um desenvolvimento saudável, para benefício dos ecossistemas oceânicos.6. Aula de Ecologia Marinha e identificação de espécies, pelo Dr. José Pedro Oliveira Espécies Marinhas : Litoral Português e os Principais Perigos O Dia Nacional do Mar marca a entrada em vigor da Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar, em Portugal. Ao adoptar esta convenção, o nosso país assumiu responsabilidades sobre uma das maiores áreas marítimas da Europa e do Mundo. No entanto, para as pessoas comuns, a "zona marítima" é uma figura abstracta, em que a maior parte da biodiversidade existente é ainda desconhecida. Nesta pequena palestra procura-se informar sobre as v·rias zonas que constituem o litoral português, bem como realçar algumas das espécies que nele habitam. Tendo em conta as pressıes de origem humana que esta área sofre, por estar normalmente associada a zonas com densidades populacionais elevadas, procura-se ainda abordar alguns dos principais perigos para os ecossistemas que a compreendem. Espera-se, desta forma, consciencializar para uma temática de elevada importância, pois a zona litoral do nosso país é de fulcral importância, quer por questões ambientais e biológicas, quer sociais ou económicas.
  • 11. 12SIMULAÇÃO DOS MEIOS DE SALVAMENTO E BUSCA DO ISN [equipa de Leixões]DOM 13 NOV | 15h | frente ao Edifício Transparente Oportunidade única para ver os meios de salvamento e busca do ISN em acção, e perceber a coragem e determinação daqueles que enfrentam o mar e a tempestade nas condições mais adversas para salvar vidas humanas. Um trabalho ímpar e muitas das vezes invisível que queremos aqui dar a conhecer. A não perder! O Porto de Leixões, representa 25% do comércio internacional português e movimentando cerca de 14 milhões de toneladas de mercadorias por ano, Leixões é um dos portos mais competitivos e polivalentes do país, já que passam por Leixões cerca de três mil navios por ano e todo o tipo de cargas. A movimentação de mercadorias em Leixões é efectuada, quase na íntegra, por empresas concessionárias que possuem os mais modernos equipamentos. A autoridade portuária assegura os serviços de pilotagem, reboque e amarração. Como tal, a Estação Salva-Vidas (ISN) de Leixões tem vindo a ter formação contínua em território Nacional e Internacional estando apta a responder aos mais complexos cenários de busca, salvamento e resgate. Assim, no Âmbito da Semana Do Mar (12-27 Nov 2011) foi integrado para dia 13 uma acção de Simulacro de Busca e Salvamento por parte desta equipa de forma a dar a conhecer ao público em geral as potencialidades,meios disponíveis e rapidez de resposta a situações de emergência no Mar, na salvaguarda da vida humana. O simulacro terá lugar pelas 15h00 frente ao Edifício Transparente, de forma a permitir um excelente enquadramento para a assistência, ou alternativamente mediante as condições meteorológicas, no interior da Marina de Leixões mais concretamente no cais do marégrafo. Plano A: 41,101739, - 8411680 Edifício Transparente | www.edificiotransparente.com Plano B: 41,18499, -8,70460 Cais do marégrafo - Marina de Leixões www.marinaportoatl
  • 12. 13EXPOSIÇÕES [resumos]1. Exposição sobre espécies da zona costeira norteUma mostra da biodiversidade costeira—a descoberta de um mundo novo!Coordenação: Dr. José Pedro OliveiraExemplo dos painéis da exposição sobre espécies.
  • 13. 142. Exposição de Fotografia Subaquática—Manuel Silvawww.manuelsilva.com.ptOs Oceanos são lugares de beleza extraordinária! Lugares de vida imensa, colorida, surpreendentepela sua diversidade e criatividade sem fim. As imagens que vemos do fundo do Mar trazem até àsuperfície esse mundo desconhecido e excêntrico para a maior parte de nós. Imagens raras, capazesde cativar somente pelo belo ou pela intrigante capacidade criadora da Natureza, onde tudo tem umafunção definida e o bizarro é apenas uma definição formatada a mundos mais banais.Manuel Silva é Instrutor de fotografia subaquática, atleta de alta competição, Vice-Campeão do Mundona categoria Peixes e por Países no 12º Campeonato do Mundo. O seu amor pela vida marinha é enorme,já o levou a fotografar desde os mais minúsculos seres aos maiores mamíferos do Planeta: as Baleias.
  • 14. 15ACTIVIDADES1. CURSO DE INICIAÇÃO AO MERGULHO | COMEÇAR A MERGULHAR! Open Water DiverSe sempre quis saber o que existe por baixo da superfície das águas, chegou a hora de descobrir.Inicie a jornada de uma vida toda com o curso PADI Open Water Diver.No curso PADI Open Water Diver, o instrutor da PADI apresenta os conceitos básicos necessários paraaprender a praticar o mergulho autónomo.As aulas começam em piscina ou em um local que ofereça condições semelhantes às de uma piscinae depois passam para águas abertas (oceano, etc.), com os participantes adquirindo o conhecimentorelevante simultaneamente.Obter a certificação PADI Open Water Diver é apenas o começo!Como mergulhador certificado, destinos de mergulho fabulosos, pessoas incríveis, aventurasincomparáveis e tranquilidade incomum estão à sua espera. À medida que dá continuidade à suaaventura e ganha experiência participando de níveis de treino mais elevados, as suas oportunidadesaumentam. SOBRE ADNG-DIVING Escola de Scuba, Mergulho, Buceo, Diving. Dive Charters, North of Portugal DIVE SCHOOL - PADI Dive Travel Services Marine Ecology & Awareness Programs Scuba Refreshment Sessions Try Scuba - (Bubble Makers) WWW.ADNGDIVING.COM facebook.com/ADNGDIVING
  • 15. 162. CURSO DE ILUSTRAÇÃO CIENTÍFICAMini-curso de Desenho Biológico (8h)Desenhar a Natureza - TRANSPARENCIASA ilustração científica é um domínio gráfico que trabalha num campo de intervenção bastante vasto,diversificado e motivador, conciliando a CIÊNCIA e a ARTE num único modelo de comunicação.Constitui em si uma ferramenta extremamente útil, versátil e poderosa no processo deaprendizagem e educação e de construção do conhecimento do Individuo (cognoscitivo) e deuma Sociedade/Cultura (memória/repositório visual do entendimento à época).Ilustrar com rigor científico é assim crescer numa corrente de alfabetização visual, onde aimagem desenhada mais do que ser Bela, prima por ser funcionalmente Útil e credivelmenteHonesta. Dar a conhecer, estimular a capacidade relacional, fomentar a descoberta e aconstrução do novo são metas de uma ilustração científica que medeia, que Comunica e queDivulga o Conhecimento Científico.Formador: Fernando CorreiaBíólogo & Ilustrador Científico (www.efecorreia-artsudio.com)Docente da Universidade de Aveiro (Ilust. Científica)
  • 16. 173. CURSO DE EFR — Suporte Básico de VidaO novo programa denominado EFR (Emergency First Response) é o resultado das mais recentesinovações em termos de resposta a uma emergência e proporciona os conhecimentos elementaresque qualquer pessoa, mergulhador ou não de qualquer idade ou estatuto, deveria ter como parte dasua educação cívica. Este programa segue os mais recentes protocolos definidos pelos profissionaisde emergência médica do Basic Life Suport - Comité Internacional de Ressuscitação (ILCOR) e tambémpelo Concelho Europeu de Ressuscitação.Descrição:Basicamente constituído por 3 módulos distintos, que podem ou não, ser combinados em um ou maiscursos separados:Emergency First Response 1 — Programa de Suporte Básico de Vida complementado com maisinformação em áreas actualmente consideradas chaves.Providenciam conhecimentos, treino e cuidados básicos bem como protocolos para lidar com situaçõesde emergência médica que passam pela segurança, avaliação, reanimação cardiopulmonar, sufocamento,hemorragias, gestão do choque e lesões da coluna.Opcionalmente podem fazer-se os módulos de Desfibrilhador Automático Externo e administração deOxigénio em emergências.Emergency First Response 2 — Cuidados complementares ou secundáriosUm complemento na área dos primeiros socorros e está desenvolvido para uma avaliação complementar,que inclui, avaliação de lesões, avaliação de doenças, aplicação de talas e ligaduras.Emergency First Response — Care for ChildrenUm curso muito interessante vocacionado para o Socorro a bebés e crianças, com aplicação de técnicasespecíficas.Formação: ADNG—Diving — Escola de Mergulho
  • 17. 18SOBRE Artur LagoáVer curriculum vitae anexoSOBRE Prof. Dr Bordalo e SáVer curriculum vitae anexoSOBRE Prof. Dr Paulo Vaz PiresVer curriculum vitae anexoSOBRE Prof Dr António AfonsoVer curriculum vitae anexoSOBRE Prof Dr Veloso Gomes e o seu trabalhoVer anexoSOBRE Prof Dr Veloso Gomes e o seu trabalhoVer anexoSOBRE José Pedro OliveiraBiólogo marinho licenciado em Ensino de Biologia e Geologia pela Faculdade de Ciências da Universidadedo Porto e em Ciências do Meio Aquático pelo Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar, finalizouMestrado em Ciências do Mar Recursos Marinhos (Especialização em Ecologia Marinha) em 2009,encontrando-se neste momento a realizar Doutoramento na mesma área. Desde sempre evidenciouinteresse pela área da Ecologia, nomeadamente pela marinha, realizando investigação sobre a zonaintertidal desde 2005. Neste momento, procura determinar a incidência de vários impactos humanose naturais sobre esta zona.SOBRE Manuel Silva — FotógrafoVer curriculum vitae anexoSOBRE Fernando CorreiaVer curriculum vitae anexo
  • 18. 19SOBRE Edifício TransparenteSituado no ponto de encontro entre a cidade, o parque e o mar, o Edifício Transparente oferecetodas as vantagens desta localização única e privilegiada. Na Via Castelo do Queijo, entre oCastelo do Queijo e a Circunvalação, na frente marítima do Parque da Cidade, o EdifícioTransparente é um espaço multifuncional e diversificado. Com uma vasta oferta de espaçoscomerciais, da restauração à moda e desporto, passando pelos ginásios e lazer, de espaçosculturais, para realização de eventos/ exposições/ conferências e de espaços lúdicos, dediversão e animação, destina-se a públicos de todas as idades e com os mais diversosinteresses.Caracteriza-se como um lugar de vivências marcantes, um espaço dinâmico, intenso e único.O Edifício Transparente é o pretexto sempre ideal: para uma tarde de compras; para relaxarno final de um passeio pela marginal ou pelo Parque da Cidade; para praticar desporto e cuidarde si; para visitar uma exposição; para um encontro de amigos nas esplanadas à beira-marou para descontrair num ambiente saudável; para um saboroso almoço com vista panorâmicaou o início de noite com um jantar junto ao mar, admirando o pôr-do-sol, um cenário todos osdias diferente e exclusivo.Alternativa à rotina, o Edifício Transparente é um espaço único para momentos únicos, sempreexcepcionais pela presença do mar.Como o mar, o Edifício Transparente é um espaço imenso, diversificado, vivo e dinâmico.EDÍFICIO TRANSPARENTE Piso Rua Comércio -BikeZonePiso Praia Comércio - Luz e SomRestauração - Picaba Comércio - Bang & OlufsenRestauração - Tira-Linhas Comércio - SeaYouRestauração - Chillout Comércio - EliteModelRestauração - Pizzaria Quatro Estações Ginásio - wellness TransparenteGelataria - Farggi QuiosqueBar - Creme Lounge BarSurf Trainning School Piso Box in The BoxFlower Power Surf School Espaço para Eventos Piso Parque Restauração - Cufra Grill Restauração - Teppan Restauração - Real Indiana Bar - Insence Oriental Lounge
  • 19. 20Planta de implantação do evento Sala Mezzanine Biombos — Exposição espécies Exposição fotosubaquática Mostra actividades Área Palestras
  • 20. 21ContactosArtur Lagoá/ ADNG—DIVINGM 91 660 8010artur@adngdiving.comEdifício TransparenteResponsável pela Comunicação Visual do ETTRIPLEDESIGN—Gabinete de DesignRenata ArezesM 96 513 7747renata.arezes@tripledesign.ptVia Castelo do Queijo, 3954100-429 PortoPortugalT.: +351229385130latitude: 41°1017.39 Nlongitude: 8°4116.80 Wet@edificiotransparente.comwww.edificiotransparente.com
  • 21. Europass-Curriculum Vitae Informação pessoalApelido(s) / Nome(s) próprio(s) SANTOS, ARTUR JOSÉ MOREIRA LAGOÁ OLIVEIRA Morada(s) R. Falcão, 873 – 4300-184 Porto Portugal Telefone(s) +351—91-660-8010 Correio(s) electrónico(s) seartur@gmail.com | artur@adngdiving.com Nacionalidade Portuguesa BI: 11040725 Data de nascimento 19,Março, 1977 Sexo Masculino Página 1/ 4- Curriculum vitae de Para mais informações sobre o Europass, consulte http://europass.cedefop.europa.eu Lagoá, Artur © União Europeia, 2002-2010 24082010
  • 22. Experiência profissional [2008-2011] Administração e Gestão da Escola e Centro de Mergulho ADNG DIVING. Datas www.adngdiving.com Função ou cargo ocupado [2007] Principais Actividades ou Name and address of employer Responsabilidades Nome e Morada do Empregador Dr. Samuel H. Gruber Tipo de Empresa ou sector Bimini Biological Field Station 9300 SW 99 St Miami FL 33176-2050 305 274 0628 fax or phone Elasmobranch Research: Telemetry and genetics. Lemon Shark Project 2007 • Occupation or position held: Graduation Internship. • Main activities and responsibilities Deployment and activation of telemetry receivers and transmitters; Capture & Release Procedures for the evaluation of the population spatial and temporal variation as well as sibling relationships between geographical separated populations of Negaprion brevirostris. Screening of the Tissue samples retrieved from the captured individuals at the Field Museum , Chicago IL, through evaluation and comparison of DNA microsatellites from the samples retrieved in FL, USA. Please see annexes. Página 2/ 4- Curriculum vitae de Para mais informações sobre o Europass, consulte http://europass.cedefop.europa.eu Lagoá, Artur © União Europeia, 2002-2010 24082010
  • 23. [2003-2005] Professora Doutora Fernanda Russel Pinto (CIIMAR/ICBAS) , Currently Retired CIIMAR: Rua dos Bragas, 289 | 4050-123 Porto | Portugal ICBAS: Largo Prof. Abel Salazar, 2, 4099-003 Porto PORTUGAL -Scientific Research:Parasitology - Trematodes -Occupation or position held Research Assistant -Main activities and responsibilities OM;Optical Microscopy; SEM; Scanning electron Microscopy; molecular biology sample preparation; animal sampling; animal maintenance for experimental procedures. Please see annexes. [2001-2003] Name and address of employer Professor Doutor António Afonso. IBMC Rua do Campo Alegre, 823 4150-180 Porto – Portugal - Type of business or sector Fish Immunology – Project: Intraperioneal immunopathological reactions following vaccination on farmed fish. - Occupation or position held Research Assistant (paid) - Main activities and responsibilities Cytological processing and analysis; mostly Leukocyte mobilization. Aquatic systems; Please see annexes. Educação e formação [2009] – Curso de Instrutores de Mergulho PADI (Professional Association of Diving Instructors) [2009] – Curso de Instrutores de Suporte Básico de Vida (EFR) Datas [1997-2007] - Frequência Universitária na Licenciatura de Ciências do Meio Aquático ICBAS [1996 -1997] - Frequência Universitária na Licenciatura de Engenharia de Minas - FEUP Designação da qualificação atribuída [1994 -1995] - Conclusão do 12º Ano, na Escola Secundária do Cerco do Porto Principais disciplinas/competências profissionais Name and type of organization providing education and training:Nome e tipo da organização de ensino ou EFR (Emergency First Response, adult and child). formação PADI (Professional Association of Diving Instructors) ICBAS - Institute for Biomedical Sciences Abel Salazar - U. Porto FEUP - Engineering - U. Porto - Principal subjects/occupational skills covered PADI – “Professional Association of Diving Instructors” – Diving Instructor training. ICBAS - Aquatic Sciences FEUP - Mining Engineering Página 3/ 4- Curriculum vitae de Para mais informações sobre o Europass, consulte http://europass.cedefop.europa.eu Lagoá, Artur © União Europeia, 2002-2010 24082010
  • 24. Aptidões e competências pessoais Língua(s) materna(s) Português Outra(s) língua(s) Auto-avaliação Nível europeu (*) Compreensão Conversação Escrita Inglês Compreensão oral Leitura Interacção oral Produção oral Francês C2 Excelente C2 Excelente C2 Excelente C2 Excelente C2 Excelente C1 Bom C1 Bom A1 Básico A1 Básico A1 Básico (*) Nível do Quadro Europeu Comum de Referência (CECR) Aptidões e competências de Organização e sociais Gestão, Instrução e Publicidade da empresa ADNG DIVING, como Escola e Centro de Mergulho reconhecida pelo Instituto de Desporto Português. [ Events organization: Workshop, Conferences,– [2010 ] DEEP&TECH Norte – Event regarding Technical Diving in Portugal. Coordenation, CMA Department (AEICBAS) 2005-2006. 2006/2007 ] I Ciclo de Ciência e Formação, III CMA Workshop; Aquaculture: “Potential and Innovation”; “Um Mar de Saídas”; “Uma Tarde na Aquariofilia”. Aptidões e competências informáticas Ambiente Windows; Powerpoint, Word, Excel, Frontpage, Photoshop.Aptidões e competências artísticas Outras aptidões e competências 1999 Curso de ilustração Científica: Dr. Pedro Salgado, Universidade de Arquitectura do Porto Fotografia e Video, conhecimento básico/ Edição de Imagem. Instrutor Nacional de Mergulho N1 Instrutor de Suporte Básico de Vida (EFR) Emergency First Response. Carta de condução Mergulho Técnico/Profundo formação pela agência TDI (Technical Diving International e DSAT). Anexos P-1168612 1 B cat. Estágio de Licenciatura e Descrição Carta de Recomendação referente a [2003-2005] Carta de Recomendação referente a [2001-2003] Informação sobre eventos realizados. Página 4/ 4- Curriculum vitae de Para mais informações sobre o Europass, consulte http://europass.cedefop.europa.eu Lagoá, Artur © União Europeia, 2002-2010 24082010
  • 25. PROGRAMA III WORKSHOP “ Formação, Ciência e Cultura em CMA”15 de Dezembro13.15 – Concentração no átrio do ICBAS – Transporte BUS - para APDLTransportation by BUS from ICBAS to APDL. (Gathering at ICBAS Hall)14:00 – Sessão de Abertura – Professor Doutor Alexandre Lobo da Cunha (Conselho Directivo do ICBAS ecoordenador do curso de CMA) e Professor Doutor Eduardo Rocha (Presidente do Conselho Pedagógico doICBAS)Opening Session: Prof. Dr. Alexandre Lobo da Cunha (Directive Council of ICBAS and Coordinator of CMAand Prof. Dr. E. Rocha (President of the Pedagogic Council of ICBAS)14:30 – Yorgos Stratoudakis (IPIMAR): Campanhas acústicas e de ovos do IPIMAR: distribuição eabundância da sardinha e monitorização do ecossistema pelágicoAcoustic campaigns and eggs; distribution, abundance of sardine and monitoring of the pelagicecosystem.15:30 - Sara Pereira / Marco Santos (Universidade dos Açores) –“Identificação das espécies de epibiontespresentes em Chelonia mydas capturadas em currais de pesca na área de Almofala e circunvizinhanças” /“Conservação da tartaruga-boba, Care t ta care t ta , no Arquipélago dos Açores: duas décadas deinvestigação”Identification of species of epibionts presented in Chelonia mydas , captured in fishing currals in the areaof Almofala (Brazil) and circunscript vicinities.“Conservation of the turtle Care t ta care t ta in the Açores archipelago: two decades of research. ”16:30 – Coffee break17:00 – Samuel Gruber (Bimini Biological Field Station ) – Biologia e Ecologia do Tubarão-limão,Negaprion brevirost risBiology and Ecology of the Lemon-Shark (Negaprion brevirost ris)18:00 – Teresa Saraiva (CEAI) – As aves no meio aquáticoBirds in the aquatic ecosystem.18.30 – Ana Meirinho (SPEA) – Proj ecto LIFE IBAs (Important Bird Areas) MarinhasProj ect Life IBAs (Important Bird Areas) – (aquatic)19:00 – Cláudia Dias (Universidade de Aveiro) – O choco Sepia of ficinalis (Cephalopoda: Sepiidae) na Riade Aveiro.The cut tlefish (Sepia officinalis) in Ria de Aveiro.
  • 26. PROGRAMA III WORKSHOP “ Formação, Ciência e Cultura em CMA”16 de Dezembro10.30 – Prova de amostras da indústria conserveira na Biblioteca de Química (ICBAS)Free Sample session of industrial canned fish and sea-fruits. (Held at the Chemistry Library (ICBAS).12.00 – Almoço na Faculdade de CiênciasLunch at the Faculty of Science.13.30 – Partida de autocarro para Leça da Palmeira.Bus transportation from ICBAS to APDL´s.14:00 – Gonçalo Calado (IPM) – “Aquacultura de Lesmas do mar para extracção de substâncias com finsfarmacológicos” .Aquaculture of sea slugs for extraction of pharmacological substances.15:00 – Paulo Monteiro (FEUP) – Estado da água em Portugal.15:30 – Graça Oliveira (APDL) – Gestão do Porto de LeixõesRepresentative of APDL16:00 - Manuel José Silva – Fotógrafo subaquático autor da exposição “Marés de Luz ” ; Palestra: “Mar deBiodiversidade ”Underwater photographer: lecture: “Sea of Biodiversity”; author of the photo exposition “Marés deLuz” (means: Tides of Light)16:30 – Coffee break17:00 – Rui Prieto (Universidade dos Açores) – Ecologia Marinha “Cetáceos nos Açores”Cetacean Marine Ecology in Açores archipelago.18:00 – Nuno Monteiro (FCUP) – Reprodução em Syngnathidae (família dos cavalos-marinhos)Ethology: Reproduction in sea horses Syngnathidae Family.18:30 – Marina Sequeira (ICN) – Rede Nacional de Recuperação de Mamíferos MarinhosNational Ne twork of Marine Mammals Conservation.19:00 – Sessão de Encerramento – Professor Doutor João Coimbra (Director do CIMAR) e representanteda AEICBASClosing Session: Director of CIMAR Prof. Dr. João Coimbra, and a Representative of CMA department fromAEICBAS20:30 - Jantar de EncerramentoWorkshop closure dinner-party
  • 27. NAAUP AQUAICBAS I Ciclo de Conferências 2008 Ci l d C f ê i Merg gulhar no Con nhecime ento O I Ciclo de Confe erências e Foormação orga anizado pelo NAAUP (Nú o úcleo de Acctividades Aq quáticas –– UP –– AQUAICBAS, pretend desta form P) de ma trazer oradores e formadores convidados para aborda r s arem temátic cas importantes e relativas à área das Ciência do Mar bem como a as promover oportunidades de F Formação pa todos os interessados ara s. NAAU AQUAICB UP BASSed Instituto d Ciências Bio de: de omédicas Abe el Salazar Largo do Proffessor Abel Sa alazar, nº 2 40 003 Porto 099 o Telefone: 351 22 338 89251 Fax.: 351 22 33905 546E: a aquaicbas[A]ci ienciasdomeiooaquatico.comm Site: http p://aquaicbass.pt.vu
  • 28. Objectivo: Promover o acesso à informação previlegiada a todos os interessados, bem como oportunidades de formação especializadas. Seguidamente serão apresentados pormenores relativos ao conteúdo das conferências e as temáticas abordadas no sentido de esclarecer o público em geral. Público Alvo:Biólogos, aquacultores, comunidade de mergulho e todos aqueles que se interessam pela ampliação de conhecimentos.
  • 29. Conteúdo programático e notas relativas a cada uma da das temáticas a serem abordadas:Peter Wirtz:Descoberta de Novas EspéciesJoão Pedro Silva:Nudibrânquios da Costa Portuguesa e curso de Identificação.Pedro Neves:Mergulho Científico, aplicações, projectos e FormaçãoManuel Silva:workshop de Fotografia Subaquática
  • 30. Descoberta e Descrição deNovas Espécies:Biólogo de origem alemã residente naIlha da Madeira com diversaspublicações que descrevem e Peter Wirtz, investigador do Centro decatalogam a fauna e flora Ciências do Mar do Algarve (CCMAR),subaquáticas bem como interacções de foi um dos investigadores que integrouvárias espécies e respectivo a expedição da National Geographiccomportamento biótico. Vinculado ao Society a São Tomé e Princípe, duranteCCMAR e Universidade da Madeira. a qual foram detectadas 60 espécies nunca antes identificadas naquela zonaNeste Ciclo de Palestras apresentará o geográfica.seu mais recente trabalho relativo àdescoberta de novas espécies emPortugal insular.Citação relativamente à Expedição daNational Geographic relativa a SãoTomé e Príncipe em 2006, onde foramcatalogadas também, 10 novasespécies. A equipa que fez a descoberta In: Ciência Hoje (Esq.Peter Wirtz)http://www.cienciahoje.pt/index.php?oid=9761&op=allInvestigadores encontram dez A expedição em Fevereiro deste anonovas espécies ao largo do Golfo permitiu ainda concluir que de entreda Guiné: 2006 11 20 estas 60 espécies, dez nunca haviam sido classificadas, pelo que representam uma grande descoberta para a Ciência (ver foto abaixo). Os cientistas chamaram à área de São Tomé e Príncipe um dos ““hot spots”” da diversidade marinha do mundo, ainda mal explorado. De entre as novas espécies descobertas destaca se um peixe góbio, pertencente
  • 31. a um novo género, que vive emassociação com uma espécie decamarão.Desta equipa de investigadores fizeramainda parte quatro biólogos brasileirose dois norte americanos. Os resultadosda descoberta foram submetidos àrevista científica Zootaxa, de renomeinternacional.
  • 32. Nudibrânquios da CostaPortuguesa: Palestra e Curso deIdentificação.Por João Pedro Silva._______________________________Informação Adicional:O que são afinal Nudibrânquios?Esclarecimento baseado nacitação de um artigo por MariaJoão Correia, disponível online noPortal: Naturlink.ptCitando um exemplo deinvestigação científica de carizbiomédico baseada na exploraçãosustentável dos recursos naturais,Gonçalo Calado (Presidente doInstituto Português deMalacologia) apresentou em2006 o projecto: ““Aquacultura deLesmas do Mar com interessefarmacológico”” no III Workshopde Ciências do Meio Aquático,que teve lugar no Auditório daAPDL, sob a organização doDep.CMA/AEICBAS.
  • 33. caracóis. Embora sejam moluscos gastrópodes, o estádio adulto perdeuOs Pequenos e Espectaculares completamente a concha, bem como aNudibrânquios cavidade paleal ou opérculo, o quePor: Maria João Correia permitiu a estes organismos assumiremDisponível em: naturlink.pt formas muito diversas.Aparentados com os búzios e os Existem cerca de 3000 espécies nocaracóis, os nudibrânquios são Mundo, quase todas de água salgada,pequenos predadores marinhos de desde as regiões tropicais até aoscores e formas inesperadas e mares da Antártida. O seu tamanhoespectaculares. Ainda pouco varia entre os 3 mm e os 28 cm,conhecidos, em Portugal têm se vindo a medindo a maioria entre 5 a 7 cm.Osrealizar alguns estudos sobre a sua hábitos alimentares e as estratégiasbiologia. utilizadas por este grupo de seres vivos na defesa contra predadores, e no Os nudibrânquios são pequenos seres ataque a presas, são extremamentevivos marinhos, de cores e formas eficazes. Estão muito bem preparadosexóticas, cuja espectacularidade atrai para se defenderem dos predadores,tanto biólogos marinhos como normalmente peixes de pequeno efotógrafos submarinos. médio porte, uma vez que podem assumir a cor das suas presas, onde se refugiam. Esta característica é também extremamente útil quando pretendem atacar anémonas, esponjas, etc. Todas as espécies de nudibrânquios conhecidas são carnívoras, e a maioria são predadores especializados, muito selectivos no tipo de presas. Dentro de uma mesma família é normal encontrar diferentes espécies a alimentarem se de presas muito semelhantes. Existem espécies, inclusivé, nas quais a metamorfose do estádio larvar para o adulto está dependente da presença de uma espécie presa particular. AFig. 1 –– Doto fragilis (Picton e Morrow, 1994). longevidade dos nudibrânquios O nome nudibrânquio significa também pode estar associada à das““brânquias a descoberto””, e refere se suas presas, sendo reconhecidas duasaos orgãos respiratórios externos que categorias de nudibrânquios: aquelesestes organismos possuem, e que se que se alimentam de presas efémeras,localizam ao longo do corpo. como os hidrozoários, que tendem a exibir várias gerações de curta duraçãoOs nudibrânquios pertencem à classe em cada ano; e os que se alimentam dede moluscos gastrópodes, na qual se presas não sazonais, como as esponjas,incluem também os búzios e os
  • 34. que podem viver durante um ano ou cópula potencial, aumentando destapossivelmente mais tempo. forma as possibilidades de fertilização, podendo cada indivíduo pôr ovos eQuando se alimentam de anémonas ou maximizando o esforço reprodutor. Aoutros organismos com células autofertilização é provavelmentevenenosas, têm a capacidade de ingerir possível em muitas espécies, mas poucoessas mesmas células venenosas –– vulgar.nematocistos –– destes animais, eutilizá las em defesa própria. Os nudibrânquios normalmente efectuam as suas posturas sobre oOs nudibrânquios alimentam se usando organismo do qual se alimentam, ouuma estrutura especializada chamada a num objecto proeminente dasrádula, que significa em latim imediações. Muitas vezes as posturas““raspador””. A rádula é um orgão são a única indicação de que existemlaminar, resistente, munido de nudibrânquios presentes no local,numerosos dentículos, que reveste uma dadas as suas reduzidas dimensões. Oformação muscular lingual, e que tamanho, forma e cor das posturas deexecuta essencialmente funções de nudibrânquios também são um caractermastigação. A forma e número de distintivo da espécie.dentes radulares é variável de espéciepara espécie, e a morfologia radular éum caracter importante naidentificação de nudibrânquios. Fig. 3 –– Postura de nudibrânquio, mostrando as massas de ovos com características elaboradas (Picton e Morrow, 1994). O desenvolvimento nos nudibrânquios é normalmente incompleto, i.e., existe um estádio larvar denominado deFig. 2 Par de nudibrânquios. Cópula na posição cabeça cauda.(Picton e Morrow, 1994). veligera. Após eclosão, a larva anda à Os nudibrânquios são hermafroditas. deriva no plâncton, dando se aPossuem os orgãos sexuais feminino e metamorfose para a forma adulta,masculino, sendo a cópula recíproca, ou muitas vezes apenas quando a veligeraseja, ambos os indivíduos dão e está na presença da sua espécie presa.armazenam espermatozóides. Os Num reduzido número de espécies oorgãos reprodutores abrem para o desenvolvimento é directo, não seexterior do lado direito do corpo, e os verificando a libertação da larvaindivíduos realizam a cópula colocando veligera, e emergindo do ovo umase em direcções opostas, com o lado miniatura do adulto.direito de cada um junto ao par. Ohermafroditismo tem a vantagem deque cada encontro com um indivíduomaturo da mesma espécie é uma
  • 35. Mergulho cientifico: primeiro e único instrutor qualificado em Portugal até à data para abordar a temática e paralelamente promover aEsta vertente do mergulho aplicada possibilidade de formação na área.directamente à ciência nem sempre é Para tal, foi convidado Pedro Nevestotalmente referenciada na literatura responsável pelo Centro de Mergulhopublicada recorrente de investigações Científico da Universidade do Algarve.científicas que basearam os seusresultados com dados recolhidos eaferidos por mergulhadores. Fonte citada:Desde amostragens , mapeamentos Sayer, M.2007 ““Scientific diving: a bibliographicsubaquáticos, colocação de analysis of underwater research supported byinstrumentos para determinação de SCUBA diving, 1995 2006. Underwaterparâmetros, movimentação das Technology The International Journal of the Society for Underwater, Volume 27, Number 3,espécies, atribuição de perfis pp. 75 94(20).topográficos e geológicos, avaliaçõesquantitativas de stocks de pesqueiros eprevalência de espécies, análisecomportamental e respectiva recolhade dados etológicos, densidadespopulacionais, etc.Estes factos foram analisados por Sayer(2007) que analisou uma diversidade depublicações e estudos efectuados querecorreram a estas técnicas de forma adeterminar a sua importância..Desta forma a promoção ereconhecimento da formaçãoespecífica e extremamente necessáriapara a ciência e respectivas implicaçõessócio económicas dependentes dasconclusões e resultados decorrentes deestudos amplamente baseados nomergulho, tornam se uma necessidade.É também igualmente necessárioprovidenciar a possibilidade deformação adequada; para tal, e pelaprimeira vez no Norte do País, oNAAUP AQUAICBAS decide trazer o
  • 36. Workshop:Fotografia SubaquáticaPor Manuel Silva11th Underwater Sea Photography WorldChampionship in Mauritius (2007) WorldBronze Medal Category FishConteúdo: Breve história da fotografia subaquática Segurança no mergulho Equipamentos fotográficos(contacto com os equipamentos) Fotografia digital Iluminação artifiial Composição da imagem Slideshow de imagens subaquáticas.(Fotografia Ambiente, Macro e Peixes) Respeito pelo meio ambienteCarga Hóraria 4 horas. Portefólio e Curricum consultar www.manuelsilva.com.pt
  • 37. CV resumido - Paulo Vaz-Pires CURRICULUM VITAE - RESUMONome:Paulo Manuel Rodrigues Vaz-PiresHabilitações principais:1986 - Licenciatura em Ciências do Meio Aquático pelo Instituto de Ciências Biomédicas de Abel Salazar da Universidadedo Porto;1991 - Finalização da parte lectiva do Mestrado (correspondente a pós-graduação) em Ciência e Engenharia Alimentar daEscola Superior de Biotecnologia da Universidade Católica Portuguesa, como bolseiro da JNICT.1996 - Doutoramento em Biotecnologia pela Escola Superior de Biotecnologia da Universidade Católica Portuguesa, noPorto. Área: Ciência e Engenharia Alimentar - Microbiologia e Conservação de Pescado. Título da tese: Efficacy of heattreatments for reducing microbial activity during refrigerated storage of fresh fish (1995).Actividades desenvolvidas:1986-1997 - Formação profissional no sector das Pescas como formador do Centro Forpescas. Principais disciplinasministradas: Tecnologia da Pesca; Processamento de Pescado; Manutenção e Conservação do Pescado; Pescado naAlimentação Humana; Tecnologia dos Produtos Alimentares; Construções, Equipamentos e Manutenção (parte relativa amateriais para Aquacultura); Conservas de Peixe.1987-1990 - Investigação científica na área dos peixes migradores no projecto "Estudo da Distribuição e AbundânciaIctiológica dos Rios da Região do Norte", da responsabilidade do Prof. Doutor Nuno Grande, realizado no ICBAS efinanciado pela CCRN/PIDR do Alto Minho.1991-1997 - Trabalho de investigação na área da qualidade microbiológica do pescado refrigerado, no âmbito depreparação de tese de Doutoramento e de trabalho de pós-Doutoramento na Escola Superior de Biotecnologia daUniversidade Católica Portuguesa, como bolseiro da JNICT.1997 - Contrato como Professor Auxiliar Convidado do Instituto de Ciências Biomédicas de Abel Salazar da Universidadedo Porto (regente das disciplinas de Tecnologia do Pescado, Equipamentos e Manutenção, Qualidade na IndústriaAlimentar da licenciatura em Ciências do Meio Aquático e Tecnologia Alimentar da licenciatura em Medicina Veterinária;colaboração nas disciplinas de Inspecção Sanitária II (Pescado) da licenciatura em Medicina Veterinária e na de Nutriçãoe Tecnologia dos Alimentos do Mestrado em Ciências do Mar - Recursos Marinhos do ICBAS.1999 - Contrato como Professor Auxiliar do ICBAS.2005 - Contrato como Professor Associado do ICBAS.2009 - Colaborador em grupo de trabalho da EFSA (Autoridade Europeia de Segurança Alimentar) sobre bem-estar animalem peixes de aquacultura.Actualmente, realiza docência e investigação na área alimentar (segurança e qualidade do pescado).Orientação de alunos de pré e pós-graduação- Responsável por 80 estágios de licenciatura de Ciências do Meio Aquático e Medicina Veterinária- Orientação de 2 teses de Mestrado (finalizadas)- Orientação de 6 teses de Doutoramento (4 finalizadas, 2 em curso)- Orientação de 1 trabalho de pós-Doutoramento (finalizado)Publicações (últimos 2 anos):Cardoso C., Mendes, R., Vaz-Pires, P. and Nunes, M.L. (2011) Quality differences between heat-induced gels from farmedgilthead seabream (Sparus aurata) and sea bass (Dicentrarchus labrax). Food Chemistry, accepted 14 Sept. 2011.Available on-line 21 Sept. 2011.Sant’Ana, L., Soares, S. and Vaz-Pires, P. (2011) Quality index method (QIM) scheme developed for blackspot seabream(Pagellus bogaraveo) and sensory, physical and microbiological changes during storage in ice". LWT (Lebensmittel-Wissenschaft und -Technologie) - Food Science and Technology 44 (10) (Dec. 2011), 2253-2259. Accepted 5 July 2011,available on-line 14 July 2011.Barrento, S., Marques, A., Vaz-Pires, P. and Nunes, M.L. (2011) Physiological changes during simulated live transportCancer pagurus and recovery in holding tanks. Aquaculture Research, accepted 22 June 2011, available on-line 15 Aug.2011.Barrento, S., Marques, A., Vaz-Pires, P. and Nunes, M.L. (2011) Cancer pagurus (Linnaeus, 1758) physiological responses ®to simulated live transport: influence of temperature, air exposure and AQUI-S . Journal of Thermal Biology 36 (2), 128-137, March 2011.Cardoso C., Mendes, R., Vaz-Pires, P. and Nunes, M.L. (2011) Production of high quality gels from sea bass: effect ofMTGase and dietary fibre. LWT - Food Science and Technology 44 (5), June 2011, p. 1282-1290. pág. 1 / 2
  • 38. CV resumido - Paulo Vaz-PiresCardoso C., Mendes, R., Vaz-Pires, P. and Nunes, M.L. (2011) Chemical reagents as probes: application to fish proteingels and detection of a cysteine TGase in hake. LWT - Food Science and Technology 44 (4), May 2011, p. 825-833.Cardoso, C., Mendes, R., Vaz-Pires, P. and Nunes, M.L. (2011) Effect of MTGase, dietary fibre and UV irradiation uponheat-induced gilthead seabream (Sparus aurata) gels. Food Science and Technology International 17 (2) (April 2011), p.155-165. Available on-line 18 March 2011.Cardoso, C.L., Mendes, R.O., Salvador, A.M., Saraiva, J.A., Vaz-Pires, P. and Nunes, M. L. (2010) Quality characteristicsof high pressure-induced hake (Merluccius capensis) protein gels with and without MTGase". Journal of Aquatic FoodProduct Technology 19 (July 2010), 193-213.Cardoso, C., Mendes, R., Vaz-Pires, P. and Nunes, M.L. (2010) Effect of salt and MTGase on the production of high qualitygels from farmed sea bass. Journal of Food Engineering 101 (Nov. 2010), 98-105.Barrento, S., Marques, A., Teixeira, B., Mendes, R., Bandarra, N., Vaz-Pires, P. and Nunes, M.L. (2010) Chemicalcomposition, cholesterol, fatty acid and amino acid in two populations of brown crab Cancer pagurus: Ecological andhuman health implications. Journal of Food Composition and Analysis 23 (7) (Nov. 2010), p. 716-725.Barrento, S., Marques, A., Vaz-Pires, P. and Nunes, M.L. (2010) Live shipment of immersed crabs Cancer pagurus fromEngland to Portugal and recovery in stocking tanks: stress parameter characterization. ICES Journal of Marine Science 67(April 2010), 435-443.Cardoso, C., Mendes, R., Pedro, S., Vaz-Pires, P. and Nunes, M.L. (2010) Quality changes during storage of minced fishproducts containing dietary fibre and fortified with ω3 fatty acids. Food Science and Technology International 16 (1) (Feb.2010), 31-42. OnlineFirst April 16, 2010.Martins da Costa, P., Bica, A., Vaz-Pires, P. and Bernardo F. (2010). Changes in antimicrobial resistance among faecalenterococci isolated from growing broilers prophylactically medicated with three commercial antimicrobials. PreventiveVeterinary Medicine 93 (March 2010), 71-76.Projectos (5 mais recentes):2007-2010 - Participação como responsável pelas áreas “abate de pescado” e “certificação de produtos” no projectointernacional do 6º Programa Quadro da União Europeia SEACASE - Sustainable extensive and semi-intensive coastalaquaculture in Southern Europe (FP6-2005-SSP5A). Inclui análises laboratoriais sobre a qualidade dos produtos deaquacultura não intensiva.2003-2005, Junho - Participação como organizador e responsável científico pela análise sensorial do efeito dostratamentos nos peixes no projecto “Elevação do teor em ácido linoleico conjugado dos peixes de cultivo por via alimentar:potencial benefício para a saúde humana", referência POCTI/CVT/39237/2001.2003-2006 - Participação, como representante do CIMAR e organizador da componente científica, no projecto europeuCRAFT 1999-72052, intitulado “Pulsefish: Technical improvement of the utilization of pulse proteins and fish proteinconcentrate in fish feeds” (finalizado em 2006).2002-2005 - Participação, como representante do ICBAS e organizador da componente científica, no projecto europeuCRAFT 1999-70817, intitulado “ProtCon: production of a protein and energetic concentrate for animal feeds, based on thetransformation of fisheries and industrial fish processing residues” (finalizado em 2005).2000-2002 - Participação, como representante de Portugal, no projecto de acção concertada "Traceability of FishProducts", coordenado pelo Norwegian Institute of Fisheries and Aquaculture Ltd., com 22 participantes de 11 paíseseuropeus. Porto, Outubro de 2011. Paulo M. R. Vaz-Pires pág. 2 / 2
  • 39. Erosão Costeira: É prioritário rever os Planos deOrdenamento da Orla Costeira (POOC) -- especialistaAutor:Data de Publicação: May 20, 2011 1:30 AMÚltima actualização: May 20, 2011 3:23 AMVila do Conde, 20 de mai (Lusa) -- A revisão dos Planos de Ordenamento da OrlaCosteira (POOC) é uma das prioridades defendidas pelo presidente do Instituto deHidráulica e Recursos Hídricos no âmbito da problemática da erosão Costeira.Vila do Conde, 20 de mai (Lusa) -- A revisão dos Planos de Ordenamento da Orla Costeira (POOC)é uma das prioridades defendidas pelo presidente do Instituto de Hidráulica e Recursos Hídricos noâmbito da problemática da erosão Costeira.Veloso Gomes realçou na noite de quinta feira, durante uma palestra que decorreu em Vila doConde, que esses planos têm "mais de 10 ou 12 anos e estão desatualizados", havendo umanecessidade "urgente" de os "corrigir e adaptar" à atual realidade.O especialista falava durante uma palestra que visou assinalar a abertura de uma exposição queestá patente no Centro de Monitorização e Interpretação Ambiental (CMIA)local, subordinada aotema "Erosão Costeira no norte de Portugal e litoral de Vila do Conde".Veloso Gomes identificou ainda as zonas problemáticas, a norte do país, onde o mar temconquistado a terra como em Moledo do Minho, Vila Praia de Âncora Caldeirão, Amorosa, Castelodo Neiva, S. Bartolomeu do Mar, Ofir/Apúlia, Aguçadoura, marginal de Vila do Conde, Mindelo,Granja e Espinho.Para o também professor catedrático "não há soluções concretas" para evitar esta perda deterritório a que temos assistido, mas poderemos ter uma "atitude preventiva" que deverá passar,por exemplo, pela "recolocação das areias das dragagens em canais de navegação nas praias".É que, e nos últimos anos, "foram retirados milhões e milhões de metros cúbicos de sedimentos"que fazem parte do mar e das praias, lamentou.É só com a recolocação desses sedimentos poderemos "contribuir para a alimentação das nossaspraias", defendeu.Veloso Gomes também fez questão de referir que as causas deste problema, que afeta a nossacosta, deriva do fato de, nos últimos 50 anos, termos "construído tanto, tanto" que a erosãocosteira acabou por ser uma realidade.Além disso, "mudamos rios, ocupamos dunas, praias e arribas, construímos quebramaresportuários, parques de estacionamento e edificamos restingas".Aliás, e segundo dados fornecidos pela exposição patente no CMIA, "a subida do nível médio domar contribuiu apenas em 15 por cento para a erosão costeira. Os restantes 85 são daresponsabilidade humana".Apesar das medidas que podem ser tomadas para minimizar este problema, que é de âmbito"mundial ao atingir entre 70 a 80 por cento de toda a costa", Veloso Gomes lembrou que a erosãocosteira "tem sido, é e vai a ser um problema para as próximas gerações".
  • 40. O que o homem fez nos últimos 100 anos, "foi antecipar esses problemas" com intervenções emzonas de risco que acabaram por "agravar" o avanço do mar sobre a terra.MYVLusa/fim© Impresa, Lisboa, Portugal
  • 41. ADNG DIVING  : i-DIVE  Spirit    Programa  CoralWatch     Preservação dos Santuários de Coral em Portugal Os   corais   são   animais   dos   mais   belos   dimensões   reduzidas   ou   crustáceos   como  e  abundantes  existentes  no  mar.  Vivem  como   camarões.  Uma  vez  que  os  corais  são  animais  animais   solitários   ou   em   colónias,   compostos   sésseis   (não   se   movem),   utilizam   os   seus  de   estruturas   rígidas,   semi-­‐rigidas   ou   moles,   tentáculos   para   imobilizar   as   suas   presas.  que  se  protegem  por  baixo  de  rochas  ou  que   Estes   têm   normalmente   toxinas   que   as  crescem   erectas   como   árvores;   existem   os   paralisam,  facilitando  o  seu  transporte  até  ao  que   preferem   exposição   directa   ao   sol   e   os   estômago   e   posterior   digestão.   Salvo   raras  que   vivem   em   zonas   de   escuridão   quase   excepções,   estas   toxinas   são   fracas   de   mais  absoluta;   alguns   desenvolvem-­‐se   em   baixas   para   paralisar   humanos,   podendo,   no   Gprofundidades  outros  a  mais  de  5000  metros;   entanto,   causar   reacções   alérgicas   de  os   pólipos   de   algumas   espécies   renovam-­‐se   dimensões   variáveis.   Por   esta   razão,   se   INtodos   os   anos   enquanto   noutras   demoraram   houver   necessidade   de   se   manusear   estes  entre  50  a  1000  anos  a  crescer.   animais,   deve-­‐se   fazê-­‐lo   com   bastantes   cautelas.   Os  corais  são  pertencentes  ao  filo  dos   IVcnidários   (ao   qual   também   pertencem,   por  exemplo,  as  anémonas  e  as  alforrecas).  Neste  grupo,   podem   existir   duas   formas   de   vida   A   associação   de   várias   colónias   de   corais   origina   os   recifes   de   coral.   Estas   são   estruturas   presentes   em   águas   tropicais   e   D semi-­‐tropicais,   normalmente   a   profundidades  gerais:   pólipos   (uma   estrutura   com   forma   de   relativamente   reduzidas.   Os   recifes   são  saco,  que  vive  fixa  ao  substrato)  e  as  medusas   ecossistemas   extraordinariamente   diversos,  (em   forma   de   sino,   com   capacidade   onde   se   podem   encontrar   milhares   de   Gnatatória).  O  ciclo  de  vida  de  muitos  cnidários   espécies   de   peixes,   cnidários,   moluscos   e  inclui  ambas  estas  fases,  enquanto  que  outras   outros  grupos  animais.  espécies   vivem   permanentemente   como   N  pólipos  ou  medusas.     Na   zona   Norte   de   Portugal   D   Medusa   Continental,   apesar   de   não   existir   a   mesma     abundância  que  é  registada  noutras  latitudes,  A   também   se   pode   encontrar   exemplares   de   grande  beleza  e  dimensões.  São  de  realçar  as     Pólipo   espécies   Cladocora   cespitosa,   Alcyonium   digitatum,   as   gorgóneas   como   Eunicella   A   maior   parte   dos   corais   pertencem,   verrucosa   ou   as   penátulas   (também  no   entanto,   à   classe   Anthozoa,   cuja   principal   conhecidas   por   cenoura-­‐do-­‐mar)   Pennatula  característica  é  a  ausência  de  fase  de  medusa.     phosphorea.    Alimentam-­‐se   de   pequenos    organismos   como   plâncton,   peixes   de   WWW.ADNGDIVING.COM    |  E:  INFO@ADNGDIVING.COM  |  T:  +351-­‐91-­‐660-­‐8010   PROJECT  AWARE  CORALWATCH  OPERATOR  
  • 42. ADNG DIVING  : i-DIVE  Spirit    Programa  CoralWatch     Preservação dos Santuários de Coral em Portugal é   utilizado   para   nutrir   o   coral.   Uma   das   Alcyonium digitatum   reacções   destes   cnidários   ao   stress   (causado   pelas   alterações   climáticas)   é   precisamente   a   perda  destas  algas,  o  que  implica  uma  menor   capacidade   para   se   alimentarem   e   a   perda           Em   Portugal,   como   no   resto   do     Eunicella verrucosa   mundo,   este   fenómeno   está   bem   presente.   G Imagens  de  Miguel  Oliveira   Por  esta  razão  torna-­‐se  essencial  a  realização   Neste   momento   os   corais   estão   de   um   censo   o   mais   completo   possível   para  seriamente   ameaçados   pelas   alterações   IN aferir  das  suas  reais  condições  e  se  promover  climáticas   que   têm   decorrido   no   nosso   iniciativas   para   a   sua   protecção.   Os  planeta,   bem   como   pela   intervenção   directa   mergulhadores   voluntários,   porque   são   os  do   Homem   (por   exemplo,   a   pesca   de   arrasto  de   fundo).   Alterações   como   o   aumento   da  temperatura   ambiental   e   da   água   do   mar,   da  frequência   de   tempestades,   secas   IV e   que  maior   contacto  têm   com  estes  animais  e   porque  têm  um  prazer  especial  em  observar  e   compreender   a   vida   marinha,   são   o   grupo   D mais  indicado  para  fazer  esta  avaliação.  Deles  inundações,   bem   como   da   acidificação   dos   dependerá,   em   grande   parte,   a   avaliação   da  oceanos   têm   colocado   em   perigo   os   recifes   condição   geral   dos   corais   e,   portanto,   a  de  coral,  estando  estes  em  claro  declínio.  Um   magnitude  das  iniciativas  de  protecção  que  se   Gdos   sintomas   mais   visíveis   do   mal-­‐estar   dos   seguirá  a  esse  passo.            corais   é   o   fenómeno   do   seu     Colaboração  e  Texto  por:   N Muitos  corais  vivem  em  simbiose  com   José  Pedro  Oliveira  algas  chamadas  Zooxantelas,  que  lhes  dão  as    Biólogo  marinho  licenciado  em  Ensino   de   Biologia   e   Geologia   pela   Faculdade   Dsuas   cores.   Nesta   relação,   durante   a   de  Ciências  da  Universidade  do  Porto  e  fotossíntese,  as  algas  produzem  alimento  que   em   Ciências   do   Meio   Aquático   pelo     Instituto   de   Ciências   Biomédicas   Abel  A Salazar,   finalizou   Mestrado   em   Interessado(a)  em  colaborar  numa  acção  de   Ciências   do   Mar     Recursos   Marinhos   (Especialização   em   voluntariado  para  protecção  dos  corais  em  Portugal?   Ecologia  Marinha)  em  2009,  encontrando-­‐se  neste  momento   Envie  um  email  para:  info@adngdiving.com     a   realizar   Doutoramento   na   mesma   área.   Desde   sempre   demonstrando  o  seu  interesse  e  contactos.   evidenciou   interesse   pela   área   da   Ecologia,   nomeadamente   pela   marinha,   realizando   investigação   sobre   a   zona   intertidal  desde  2005.  Neste  momento,  procura  determinar   a   incidência   de   vários   impactos   humanos   e   naturais   sobre   esta  zona.         WWW.ADNGDIVING.COM    |  E:  INFO@ADNGDIVING.COM  |  T:  +351-­‐91-­‐660-­‐8010   PROJECT  AWARE  CORALWATCH  OPERATOR  
  • 43. Manuel SilvaNasceu em Leça da Palmeira a 11/04/1968. Desde cedo que o mar lhedespertou grande curiosidade. Especializou-se em fotografia subaquáticaa partir de 1995. Efetuou várias exposições e alguns dos seus trabalhossaíram publicados em importantes revistas da especialidade. Os Oceanose a sua beleza foram o meio escolhido para transmitir a mensagem doautor usando um diferente modo de comunicar. O seu amor pela vidamarinha é enorme, já o levou a fotografar desde os mais minúsculos seresaos maiores mamíferos do Planeta: as Baleias. A maioria das suasimagens pretende ilustrar a beleza incontestável de uma miríade deecossistemas tão frágeis quanto magníficos.curriculum1995Three Stars Diver FPAS CMAS POR/P3/96/0053PADI Divemaster 937539Night Diver CMAS POR/F00/P3/0053/000045Search and Rescue Diver CMAS Por/F00/P3/0053/000008Underwater Navigator CMAS Por/F00/P3/0053/0000026Compressors and Filling Stations - INDUMA POR/F00/P3/0053/00007Oxigen Administration - Centro Português deRessuscitação.POR/F00/P3/000007Basic Life-Support - Centro Português de RessuscitaçãoPOR/F00/P3/0053/000108Mixed Gás Diving CMAS Por/F00/P3/0053/000009Enriched Air Nitrox TDI E00900Advanced Nitrox Diver IANTD 32.850Gas-Blunder IANTD 35677First Aid Training Course - Portuguese Red Cross 12/270/FOR/972000Project: International Diving Center at Ilhéu das Rolas - S.Tomé ePríncipeDive master Instructor - International Diving Center at Ilhéu das Rolas -S.Tomé e Príncipe2008Two stars Underwater Photography Instructor CMASUnderwater Photography Juriman FPASHigher Competition Athlete - Sport Club do Porto
  • 44. photographic shows and expositions1999Photo show Fernando Pessoa University - PortoPhoto show Escola Mergulho do Norte - Castêlo da MaiaPhoto show Mar e Aventura - Leça da Palmeira2000Photo show Via Catarina - Shopping Center - Porto2002Photo show Café do Mar - Bar Galeria - Matosinhos2003Photo show Ibla Café Bar Galeria - Leça da PalmeiraCollective photo show: VIII Salão do Mar. Aquário Vasco da Gama -Lisboa2005Photo show Marginal da praia de MatosinhosPhoto show Marginal da Praia da MemóriaCollective photo show: IX Salão do Mar Aquário Vasco da Gama -Lisboa2006Collective photo show Quercus - Câmara Municipal de MatosinhosPhoto show Marina de Leixões - Leça da Palmeira2007Collective photo show: X Salão do Mar Fórum da Maia2008Photo show Museu da Chapelaria - São João da Madeira2010Photo presentation at CPASPhoto Show: Sempre IDawards19992nd place in Contest “O Homem e o Mergulho”, organized by Citizenand Mundo Submerso Magazine.1st place in fish category Fotosub Açores – Ilha de S.Miguel – Portugal.20007th place: International Animal Photography Festival of Cassis - France20011st place in Macro category. Fotosub 2001 Sesimbra – Portugal.
  • 45. 20031st place in Underwater photography category: VIII Salão do Mar -Portugal.1st place in Fish category 3rd place in Environment category. Sesimbra -Portugal.Vice-National Champion of Underwater Photography.20042nd place in Environment category and 3rd place in fish category; XIIIFotosub. Açores Ilha Graciosa – Portugal.12th place: Open Internacional de Fotografia Submarina “ Mima –Imatge I Medi Ambient”- Spain.6th place. International Open of Galiza - Spain20051st place in environment category. XIV Fotosub in Berlengas - Portugal.5th place" 1º Trofeo Internacional del Mediterraneo di Caccia Fotosub" -Catania - Italy.2006Vice-National Champion of Underwater Photography.2nd place "in Macro category and 2nd place in Environment category XVFotosub in Faial - Açores - Portugal.2007World Bronze Medal Category Fish 11th Underwater Sea PhotographyWorld Championship in Mauritius.6th Place 11th Underwater Sea Photography World Championship inMauritius.1st place in Fish category and 3rd place general classification XVIFotosub in S.Cruz - Madeira - Portugal.4th place in 1st championship of Aquarium Porto Moniz - Madeira -Portugal.20082nd place in XVII National Championship Fotosub - Açores (Graciosa) -Portugal.Qualified to 12th Underwater Sea Photography World Championship inSouth Korea (2009).2nd place in II International Open - Açores (Graciosa) - Portugal.2009Vice-champion of the world Category Fish 12th Underwater SeaPhotography World Championship in Jeju Island - Korea.8 th Place 12th Underwater Sea Photography World Championship inJeju Island - Korea. Vice-champion of the world for countries in 12thUnderwater Sea Photography World Championship in Jeju Island -Korea.
  • 46. 20103rd place in XVII National Championship Fotosub - Sagres - Portugal.20111st place in XX National Championship Fotosub – (National Shampion)Madeira - Portugal.1st in the National Ranking2nd in I Open International Master Photosub – Ilha de Santa Maria –Açores1st place in Open Fotosub Madeira Island - Portugal.2nd price United Photo Press Sport Categoryseminars1996Escola de Mergulho Norte: Mar Vermelho Fauna e Flora MarinhaRecife“Tobya Arba”1999Fernando pessoa University: "Internacional Conference on SustainableManagement of Costal Ecosystems" Fauna e Flora Marinha OPortoCoast.2005Departamento de Ciências do Meio Aquático da DAE do Instituto deCiências Biomédicas de Abel Salazar: “III Workshop: Formação eCultura em CMA (Oral presentation and photo show).2005Fotodigisub Matosinhos Journey. Portuguese Federation (Oralpresentation).2008Workshop de Fotografia Subaquática - São João da Madeira.Workshop de Fotografia Subaquática - I Ciclo de Conferências eFormação - NAAUP - AQUAICBAS.publications1997Noticias do Mar. “Mergulho em Sesimbra”.1998Noticias do Mar. “Ilhas Medas”.1999
  • 47. Noticias do Mar. “Mar Vermelho 99”.2003Cooperation in:" Mediterranean and Atlantic Invertebrate Guide" PeterWirtz & Helmut Debelius. Ed. Concha Books.2004"Marés de Luz ". Ed: SMAS-Matosinhos and APDL."Leixões, Mar imprevisível". Mundo Submerso.2006"Portefólio". Mundo Submerso."Baleia à Vista". Mundo Náutico.media interventions1999Açoriano Oriental - Suplemento Desportivo (Press).Correio dos Açores (Press).Açores Magazine (Press).Mundo Submerso (Press).Mundo Náutico (Press).Noticias do Mar (Press).200024 Horas (Press).Jornal Correio da Manhã (Press).Jornal Público (Press).Jornal Diário de Notícias (Press).Jornal de Noticias (Press).Jornal Matosinhos Hoje (Press).Jornal Expresso (Press).A Capital (Press).Independente (Press).Jornal Comercio do Porto (Press).Revista Shopping (Press).Revista Visão (Press).Semanário (Press).Jornal O Dia (Press).Jornal Matosinhos (Press).2003"Obra-Prima" NTV. (TV)"Cumplicidades" NTV. (TV)2004"Mar à Vista" RTP-Açores. (TV)Jornal Noticias do Mar. (Press)Jornal de Matosinhos. (Press)
  • 48. 2005Telejornal RTP (TV)Jornal Nacional TVI (TV)Jornal da Noite SIC (TV)SIC Noticias (TV)Jornal de Noticias. (Press)Jornal "O Independente". (Press)Jornal Comércio do Porto. (Press)Jornal 1º de Janeiro. (Press)Jornal Matosinhos Hoje. (Press)Revista Planeta Dágua. (Press)2006Jornal Noticias do Mar. (Press)Revista Mundo Submerso. (Press)2007Jornal Matosinhos Hoje. (Press)Revista Mundo Submerso. (Press)Revista Octopus - França. (Press)Revista Plongeur - França. (Press)Revista Mundo Submerso. (Press)UW Photo Magazine - Inglaterra. (Press)Revista Imerssion - Espanha. (Press)Revista Buceadores - Espanha. (Press)Revista Mergulho - Brasil. (Press)Revista Diver - Inglaterra (Press)Oceânica TV - França. (TV)RTP - Madeira. (TV)Noticias da Madeira. (Press)Diário de Noticias da Madeira. (Press)2008MVM TV - Moda, Vida e Música. (TV)2009Antena I “Conversas Improváveis”Jornal de Noticias “ A História de...” – “Fotografo dos Mares”2011Revista FocusTime Out Porto
  • 49. Jornal Noticias da MadeiraJornal Diário de Noticias da MadeiraRTP – Açores - TelejornalJornal Noticias do Mar  
  • 50. Fernando Correia(www.efecorreia-artstudio.com).1. Breve Sinopse CurricularFernando Jorge Simões Correia é Biólogo e Mestre em Ecologia Animal pela FaculdadedeCiências e Tecnologia da Universidade de Coimbra (FCTUC). Exerceu atividade de docênciana Universidade de Coimbra e de Évora, bem como nos Instituto Piaget (Pólo de Viseu) eInstituto Politécnico de Leiria (Pólo Nazaré). Foi pioneiro na reintrodução da IlustraçãoCientífica enquanto disciplina integrada no plano curricular do Ensino Superior em Portugalmoderno (Universidade de Évora, Métodos de Desenho Biológico, 1996-2000).Atualmente é o Diretor do Laboratório de Ilustração Científica e também o Coordenador edocente do "Curso de Formação Especializada em Ilustração Científica" (pós-graduação1 ano, 60 ECTS), ambos do Departamento de Biologia, Univ. de Aveiro.Especializado em Ilustração Científica (IC) e Design de Comunicação, trabalha nesta áreacomo profissional liberal desde 1988.Fernando Correia foi, em 1998, o pioneiro na introdução da Ilustração Científica Digital (ICD)em Portugal, enquanto nova e eficiente abordagem plástica e técnica passível de serutilizada pelos ilustradores científicos profissionais. Volvidos 12 anos, continua ainda hoje ausufruir do reconhecimento nacional e internacional na pedagogia e na promoção desta novacategoria da Ilustração Científica, a qual cada vez reúne um maior número de seguidores.Para isso têm contribuído todas as acções de sensibilização iniciadas e mantidas por estesautor - palestras, cursos, imagens editadas e artigos que assina em várias revistas derenome e prestígio (como a National Geographic Magazine/Portugal ou a APS Arte Digital,congénere portuguesa da revista inglesa Advanced Photoshop).Os seus trabalhos de ICD integram projectos elaborados para Museus, Municípios(Prefeituras), Empresas Ambientais e de Design/Publicidade/Marketing, Parques e JardinsTemáticos, Universidades e Pólos de Investigação, Empresas Estatais (Inst. da Água,Eólicas, etc), Revistas (como Fórum Ambiente, Vega, Ouro Virgem, NGMPortugal, Biologia eSociedade, etc.) e Editoras nacionais e internacionais.Com mais de 75 publicações sobre a biologia e ilustração científica, incluindo artigos e várioslivros publicados em Portugal e em outros países, foi convidado para participar nos maisdestacados livros da especialidade, como "La Carte a Gratter de A a Z" (Marc Elliot; cap.13; livro sobre scratchboard) e no também muito conceituado “The Guild Handbook ofScientific Illustration” (Elaine Hodges; entradas em 2 capítulos - ilustração cartográfica escratchboard; 2o edição), bem como na Guild of Natural Science Illustrators Newsletter, ondetem publicado regularmente vários artigos. A publicação do capítulo "Paleontologia -existência riscado" (pp. 459-558) editados no primeiro volume (3 a edição) do livro"Paleontologia", pelo Prof Ismar Carvalho (UFRJ, 2010), e "Retratos raianos" (2011) foram assuas últimas publicações na domínio da Ilustração Científica. “Mealhada - Naturezas semigual” (396 pp) é o seu mais recente livro no ano de 2011.Enquanto autor, participou em mais de 62 exposições e várias outras mostras internacionais(Estados Unidos da América e Europa - Reino Unido, Espanha e Itália), individualmente oucomo parte de um coletivo. Suas obras estão representadas em várias colecções privadas ouinstituições (como o New York State Museum, EUA; GNSI Travelling Exhibit/ EUA, etc.).Galardoado com vários prémios/distinções em Portugal, Estados Unidos e Europa (UK eEspanha), destaca o Grande Prémio Stuart de Imprensa Nacional El Corte Inglés (categoriaIlustração2005), o Focus On Nature VIII Natural History Illustration Award (N. Y. StateMuseum), o PAWS98, o Digital Art Competition (2000 TAACCLs Science & TechnologyDigital Art Competition, tutelado pela prestigiada revista Scientific American) e vários GNSIMembership Directory Awards.  

×