Resumo d. internacional para a oab
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Resumo d. internacional para a oab

on

  • 22,824 views

 

Statistics

Views

Total Views
22,824
Views on SlideShare
22,824
Embed Views
0

Actions

Likes
2
Downloads
554
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Resumo d. internacional para a oab Resumo d. internacional para a oab Document Transcript

  • RESUMO – DIREITO INTERNACIONAL PARA A OABProf: Adriano GrigoriniMonitor: Adler MartinsResumo elaborado por Adler Martins e Caroline de Melo LopesPARTE I 1- Conceito de Direito Internacional Privado -Direito interno, com natureza de norma pública -Objeto: Conflitos de lei no espaço, Condição jurídica do estrangeiro e Nacionalidade.2 Aplicação direta da lei estrangeiraConceito: Em determinados casos, o juiz brasileiro irá aplicar a lei de outrospaíses (Ex: irá pedir às partes que traduzam o código civil alemão para oportuguês e irá aplicar o direito civil da Alemanha)Base legal: Lei de Introdução ao Código Civil.OBS: O Direito Processual sempre é o brasileiro.Limites: Art. 17 da LICC + doutrina + JurisprudênciaAplicações da lei estrangeira x lei brasileira – percorrer artigos 7º, 8º e 9ºda LICC, lembrando que.OBJETO DE CONEXÃO: É o problema. Exemplo: Contrato celebrado comempresa estrangeira. Nesse caso, o objeto de conexão é o contrato, ouseja, o Direito das Obrigações.ELEMENTO DE CONEXÃO: É a solução que a lei dá. No exemplo acima, aLICC diz que o direito aplicável será o do domicílio do proponente. Logo,o elemento de conexão é o domicílio.3 Aplicação indireta da lei estrangeiraConceito: Reconhecimento, pelo direito brasileiro, de atos jurídicos e decisõesde origem estrangeira
  • Competência do STJ (CR. Art. 105, I, “i”): “Exequatur” (vide protocolo de Las Leñas, art. 8º) Homologação de Sentenças EstrangeirasSobre a homologação de sentenças estrangeiras:Sistema utilizado no Brasil: DelibativoExecução das sentenças homologadas: Justiça Federal (CR. Art. 109, X.)Requisítos extrínsecos de validade da sentença estrangeira: (vide Art. 15 daLICC + art. 217 do Regimento Interno no STF)A questão das sentenças meramente declaratórias do estado daspessoas:Artigo 15, parágrafo único da LICC versus Art. 483 do CPC. Conclusão: A OAB/MG entende que, pelo critério temporal, o Art. 483 doCPC REVOGOU tacitamente a artigo correspondente da LICC. Em face disso,toda sentença estrangeira, ainda que meramente declaratória, deverá serhomologada.Sentença arbitral: Arts. 34 a 40 da Lei 9.307. Requisitos de validade dasentença arbitral.4 Regras processuais – Quando a jurisdição brasileira é competente?Competência: Arts. 88 e 89 do CPC. Quando é relativa, é também concorrente. Ou seja, há casos que tanto o Brasil quanto outros países podem julgar. Quando é absoluta, é também exclusiva: ou seja, há casos que só o Brasil pode julgar. Ex: Ações relativas a imóveis no Brasil.Litispendência: Art. 90 do CPC Nos casos de competência concorrente, quando houver ações correndosimultaneamente no Brasil e no exterior, valerá no Brasil a que primeiro chegara uma decisão definitiva. Ou seja: se a decisão estrangeira for homologadaantes que o processo nacional transite em julgado, a decisão estrangeiraprevalecerá.
  • PARTE IICondição jurídica do estrangeiro – Estatuto do Estrangeiro Lei 6.815/801 Tipos de visto Art. 4º do Estatuto do Estrangeiro:  Trânsito  Turista  Temporário o Viagem cultural o Viagem de negócios o Artistas e desportistas o Estudantes o Trabalho o Jornalista o Missão religiosa  Permanente  Cortesia  Oficial  DiplomáticoRequisitos que impedem a entrada de estrangeiros no Brasil: Art. 7º do E.E.2. Saída compulsória de estrangeiros  Deportação1. O que é deportação?É o processo de devolução de estrangeiro que aqui chega ou permaneceirregularmente para o país de sua nacionalidade ou procedência. Estatuto do Estrangeiro - TÍTULO VII Da Deportação Art. 57. Nos casos de entrada ou estada irregular de estrangeiro, se este não se retirar voluntariamente do território nacional no prazo fixado em Regulamento, será promovida sua deportação. (Renumerado pela Lei nº 6.964, de 09/12/81)
  • § 1º Será igualmente deportado o estrangeiro que infringir o disposto nos artigos 21, § 2º, 24, 37, § 2º, 98 a 101, §§ 1º ou 2º do artigo 104 ou artigo 105. (Renumerado pela Lei nº 6.964, de 09/12/81) § 2º Desde que conveniente aos interesses nacionais, a deportação far- se-á independentemente da fixação do prazo de que trata o caput deste artigo. Art. 58. A deportação consistirá na saída compulsória do estrangeiro. (Renumerado pela Lei nº 6.964, de 09/12/81) Parágrafo único. A deportação far-se-á para o país da nacionalidade ou de procedência do estrangeiro, ou para outro que consinta em recebê-lo. Art. 59. Não sendo apurada a responsabilidade do transportador pelas despesas com a retirada do estrangeiro, nem podendo este ou terceiro por ela responder, serão as mesmas custeadas pelo Tesouro Nacional. (Renumerado pela Lei nº 6.964, de 09/12/81) Art. 60. O estrangeiro poderá ser dispensado de quaisquer penalidades relativas à entrada ou estada irregular no Brasil ou formalidade cujo cumprimento possa dificultar a deportação. (Renumerado pela Lei nº 6.964, de 09/12/81) Art. 61. O estrangeiro, enquanto não se efetivar a deportação, poderá ser recolhido à prisão por ordem do Ministro da Justiça, pelo prazo de sessenta dias. (Renumerado pela Lei nº 6.964, de 09/12/81) Parágrafo único. Sempre que não for possível, dentro do prazo previsto neste artigo, determinar-se a identidade do deportando ou obter-se documento de viagem para promover a sua retirada, a prisão poderá ser prorrogada por igual período, findo o qual será ele posto em liberdade, aplicando-se o disposto no artigo 73. Art. 62. Não sendo exeqüível a deportação ou quando existirem indícios sérios de periculosidade ou indesejabilidade do estrangeiro, proceder-se- á à sua expulsão. (Renumerado pela Lei nº 6.964, de 09/12/81) Art. 63. Não se procederá à deportação se implicar em extradição inadmitida pela lei brasileira. (Renumerado pela Lei nº 6.964, de 09/12/81) Art. 64. O deportado só poderá reingressar no território nacional se ressarcir o Tesouro Nacional, com correção monetária, das despesas com a sua deportação e efetuar, se for o caso, o pagamento da multa devida à época, também corrigida. (Renumerado pela Lei nº 6.964, de 09/12/81)2 Quais são exigências, quanto à deportação, para retorno ao país?Pagamento de multaReembolso da passagem paga pelo BrasilApresentação de documentos legítimos para novo vistoOBS: para voltar, o extraditado só precisa cumprir as condições acima e obter visto. 3 Qual a diferença entre exportação, deportação e expulsão?Na deportação e na expulsão a questão é administrativa. Há doutrinadores que aschamam de “sanções administrativas”. Não há participação do Poder Judiciário. Naextradição, há participação do Poder Judiciário, sendo a competência do STF (CF, art.102, I, “g”).
  •  ExpulsãoO que é expulsão?É um ato do governo para a retirada de um estrangeiro que ameace o interessenacional. É ato discricionário do governo. Os requisitos necessários à expulsão são osmesmos da extradição, no que couber. Estatuto do Estrangeiro TÍTULO VIII Da Expulsão Art. 65. É passível de expulsão o estrangeiro que, de qualquer forma, atentar contra a segurança nacional, a ordem política ou social, a tranqüilidade ou moralidade pública e a economia popular, ou cujo procedimento o torne nocivo à conveniência e aos interesses nacionais. (Renumerado pela Lei nº 6.964, de 09/12/81) Parágrafo único. É passível, também, de expulsão o estrangeiro que: a) praticar fraude a fim de obter a sua entrada ou permanência no Brasil; b) havendo entrado no território nacional com infração à lei, dele não se retirar no prazo que lhe for determinado para fazê-lo, não sendo aconselhável a deportação; c) entregar-se à vadiagem ou à mendicância; ou d) desrespeitar proibição especialmente prevista em lei para estrangeiro. Art. 66. Caberá exclusivamente ao Presidente da República resolver sobre a conveniência e a oportunidade da expulsão ou de sua revogação. (Renumerado pela Lei nº 6.964, de 09/12/81) Parágrafo único. A medida expulsória ou a sua revogação far-se-á por decreto. Art. 67. Desde que conveniente ao interesse nacional, a expulsão do estrangeiro poderá efetivar-se, ainda que haja processo ou tenha ocorrido condenação. (Renumerado pela Lei nº 6.964, de 09/12/81) Art. 68. Os órgãos do Ministério Público remeterão ao Ministério da Justiça, de ofício, até trinta dias após o trânsito em julgado, cópia da sentença condenatória de estrangeiro autor de crime doloso ou de qualquer crime contra a segurança nacional, a ordem política ou social, a economia popular, a moralidade ou a saúde pública, assim como da folha de antecedentes penais constantes dos autos. (Renumerado pela Lei nº 6.964, de 09/12/81) Parágrafo único. O Ministro da Justiça, recebidos os documentos mencionados neste artigo, determinará a instauração de inquérito para a expulsão do estrangeiro. Art. 69. O Ministro da Justiça, a qualquer tempo, poderá determinar a prisão, por 90 (noventa) dias, do estrangeiro submetido a processo de expulsão e, para concluir o inquérito ou assegurar a execução da medida, prorrogá-la por igual prazo. (Renumerado pela Lei nº 6.964, de 09/12/81) Parágrafo único. Em caso de medida interposta junto ao Poder Judiciário que suspenda, provisoriamente, a efetivação do ato expulsório, o prazo de prisão de que trata a parte final do caput deste artigo ficará interrompido, até a decisão definitiva do Tribunal a que estiver submetido o feito. Art. 70. Compete ao Ministro da Justiça, de ofício ou acolhendo solicitação fundamentada, determinar a instauração de inquérito para a expulsão do estrangeiro. (Renumerado pela Lei nº 6.964, de 09/12/81) Art. 71. Nos casos de infração contra a segurança nacional, a ordem política ou social e a economia popular, assim como nos casos de comércio, posse ou facilitação de uso indevido de substância entorpecente ou que determine dependência física ou psíquica, ou de desrespeito à proibição especialmente prevista em lei para estrangeiro, o inquérito será sumário e não excederá o prazo de quinze dias, dentro do
  • qual fica assegurado ao expulsando o direito de defesa. (Renumerado pela Lei nº 6.964, de 09/12/81) Art. 72. Salvo as hipóteses previstas no artigo anterior, caberá pedido de reconsideração no prazo de 10 (dez) dias, a contar da publicação do decreto de expulsão, no Diário Oficial da União. (Renumerado pela Lei nº 6.964, de 09/12/81) Art. 73. O estrangeiro, cuja prisão não se torne necessária, ou que tenha o prazo desta vencido, permanecerá em liberdade vigiada, em lugar designado pelo Ministério da Justiça, e guardará as normas de comportamento que lhe forem estabelecidas. (Renumerado pela Lei nº 6.964, de 09/12/81) Parágrafo único. Descumprida qualquer das normas fixadas de conformidade com o disposto neste artigo ou no seguinte, o Ministro da Justiça, a qualquer tempo, poderá determinar a prisão administrativa do estrangeiro, cujo prazo não excederá a 90 (noventa) dias. Art. 74. O Ministro da Justiça poderá modificar, de ofício ou a pedido, as normas de conduta impostas ao estrangeiro e designar outro lugar para a sua residência. (Renumerado pela Lei nº 6.964, de 09/12/81) Art. 75. Não se procederá à expulsão: (Renumerado e alterado pela Lei nº 6.964, de 09/12/81) I - se implicar extradição inadmitida pela lei brasileira; ou (Incluído incisos, alíneas e §§ pela Lei nº 6.964, de 09/12/81) II - quando o estrangeiro tiver: a) Cônjuge brasileiro do qual não esteja divorciado ou separado, de fato ou de direito, e desde que o casamento tenha sido celebrado há mais de 5 (cinco) anos; ou b) filho brasileiro que, comprovadamente, esteja sob sua guarda e dele dependa economicamente. § 1º. não constituem impedimento à expulsão a adoção ou o reconhecimento de filho brasileiro supervenientes ao fato que o motivar. § 2º. Verificados o abandono do filho, o divórcio ou a separação, de fato ou de direito, a expulsão poderá efetivar-se a qualquer tempo.Regulamento da expulsão: Decreto 86.715 de 1981.  ExtradiçãoO que é extradição?Outro Estado pede a entrega do estrangeiro para responderprocesso ou cumprir penapor ato considerado crime por ambos os países.Em que se fundamenta a extradição?No Tratado bilateral de extradição ou na promessa de reciprocidade. E.E. Art. 76. A extradição poderá ser concedida quando o governo requerente se fundamentar em tratado, ou quando prometer ao Brasil a reciprocidade. (Renumerado e alterado pela Lei nº 6.964, de 09/12/81)O tratado de extradição, se houver, prevalece sobre a Lei 6815/80.
  • O que é ubiquidade?Competência do Brasil para julgar o crime cometido pelo extraditado no exterior.Nesses casos, não há extradição.O que significa dizer que o sistema brasileiro é deliberativo?Não entra no mérito do processo estrangeiro. Somente verifica-se se há cumprimentodos pré-requisitos legais e formais.REQUISITOS Art. 78. São condições para concessão da extradição: (Renumerado pela Lei nº 6.964, de 09/12/81) I - ter sido o crime cometido no território do Estado requerente ou serem aplicáveis ao extraditando as leis penais desse Estado; e II - existir sentença final de privação de liberdade, ou estar a prisão do extraditando autorizada por Juiz, Tribunal ou autoridade competente do Estado requerente, salvo o disposto no artigo 82. Art. 82. Em caso de urgência, poderá ser ordenada a prisão preventiva do extraditando desde que pedida, em termos hábeis, qualquer que seja o meio de comunicação, por autoridade competente, agente diplomático ou consular do Estado requerente. (Renumerado pela Lei nº 6.964, de 09/12/81) Art. 77. Não se concederá a extradição quando: (Renumerado pela Lei nº 6.964, de 09/12/81) I - se tratar de brasileiro, salvo se a aquisição dessa nacionalidade verificar-se após o fato que motivar o pedido; II - o fato que motivar o pedido não for considerado crime no Brasil ou no Estado requerente; III - o Brasil for competente, segundo suas leis, para julgar o crime imputado ao extraditando; IV - a lei brasileira impuser ao crime a pena de prisão igual ou inferior a 1 (um) ano; V - o extraditando estiver a responder a processo ou já houver sido condenado ou absolvido no Brasil pelo mesmo fato em que se fundar o pedido; VI - estiver extinta a punibilidade pela prescrição segundo a lei brasileira ou a do Estado requerente; VII - o fato constituir crime político; e VIII - o extraditando houver de responder, no Estado requerente, perante Tribunal ou Juízo de exceção. § 1° A exceção do item VII não impedirá a extradição quando o fato constituir, principalmente, infração da lei penal comum, ou quando o crime comum, conexo ao delito político, constituir o fato principal. § 2º Caberá, exclusivamente, ao Supremo Tribunal Federal, a apreciação do caráter da infração. § 3° O Supremo Tribunal Federal poderá deixar de considerar crimes políticos os atentados contra Chefes de Estado ou quaisquer autoridades, bem assim os atos de anarquismo, terrorismo, sabotagem, seqüestro de pessoa, ou que importem propaganda de guerra ou de processos violentos para subverter a ordem política ou social.
  • Brasileiro nato X NaturalizadoBrasileiro nato não é extraditado em nenhuma hipótese. O naturalizado pode serextraditado por crime ocorrido antes da naturalização e a qualquer tempo por tráfico deentorpecentes.O § 4º do artigo 5º da Constituição permite a entrega do nacional para o TribunalPenal Internacional, mas não se trata de extradição.Processo de extradição?É misto, pois possui fase política e fase judicial.1 – O Ministério das Relações exteriores recebe o pedido.2- O Ministério da Justiça recebe o pedido do Ministério das Relações Exteriores eexpede o mandado de prisão preventiva.3 – O STF recebe o pedido do MJ. Art. 79. Quando mais de um Estado requerer a extradição da mesma pessoa, pelo mesmo fato, terá preferência o pedido daquele em cujo território a infração foi cometida. (Renumerado pela Lei nº 6.964, de 09/12/81) § 1º Tratando-se de crimes diversos, terão preferência, sucessivamente: I - o Estado requerente em cujo território haja sido cometido o crime mais grave, segundo a lei brasileira; II - o que em primeiro lugar houver pedido a entrega do extraditando, se a gravidade dos crimes for idêntica; e III - o Estado de origem, ou, na sua falta, o domiciliar do extraditando, se os pedidos forem simultâneos. § 2º Nos casos não previstos decidirá sobre a preferência o Governo brasileiro. § 3º Havendo tratado ou convenção com algum dos Estados requerentes, prevalecerão suas normas no que disserem respeito à preferência de que trata este artigo. (Redação dada pela Lei nº 6.964, de 09/12/81) Art. 80. A extradição será requerida por via diplomática ou, na falta de agente diplomático do Estado que a requerer, diretamente de Governo a Governo, devendo o pedido ser instruído com a cópia autêntica ou a certidão da sentença condenatória, da de pronúncia ou da que decretar a prisão preventiva, proferida por Juiz ou autoridade competente. Esse documento ou qualquer outro que se juntar ao pedido conterá indicações precisas sobre o local, data, natureza e circunstâncias do fato criminoso, identidade do extraditando, e, ainda, cópia dos textos legais sobre o crime, a pena e sua prescrição. (Renumerado pela Lei nº 6.964, de 09/12/81) § 1º O encaminhamento do pedido por via diplomática confere autenticidade aos documentos. § 2º Não havendo tratado que disponha em contrário, os documentos indicados neste artigo serão acompanhados de versão oficialmente feita para o idioma português no Estado requerente. (Redação dada pela Lei nº 6.964, de 09/12/81)
  • Art. 81. O Ministério das Relações Exteriores remeterá o pedido aoMinistério da Justiça, que ordenará a prisão do extraditando colocando-oà disposição do Supremo Tribunal Federal. (Renumerado pela Lei nº6.964, de 09/12/81)§ 1º O pedido, que noticiará o crime cometido, deverá fundamentar-seem sentença condenatória, auto de prisão em flagrante, mandado deprisão, ou, ainda, em fuga do indiciado.§ 2º Efetivada a prisão, o Estado requerente deverá formalizar o pedidoem noventa dias, na conformidade do artigo 80.§ 3º A prisão com base neste artigo não será mantida além do prazoreferido no parágrafo anterior, nem se admitirá novo pedido pelo mesmofato sem que a extradição haja sido formalmente requerida.Art. 83. Nenhuma extradição será concedida sem prévio pronunciamentodo Plenário do Supremo Tribunal Federal sobre sua legalidade eprocedência, não cabendo recurso da decisão. (Renumerado pela Lei nº6.964, de 09/12/81)Art. 84. Efetivada a prisão do extraditando (artigo 81), o pedido seráencaminhado ao Supremo Tribunal Federal. (Renumerado pela Lei nº6.964, de 09/12/81)Parágrafo único. A prisão perdurará até o julgamento final do SupremoTribunal Federal, não sendo admitidas a liberdade vigiada, a prisãodomiciliar, nem a prisão albergue.Art. 85. Ao receber o pedido, o Relator designará dia e hora para ointerrogatório do extraditando e, conforme o caso, dar-lhe-á curador ouadvogado, se não o tiver, correndo do interrogatório o prazo de dez diaspara a defesa. (Renumerado pela Lei nº 6.964, de 09/12/81)§ 1º A defesa versará sobre a identidade da pessoa reclamada, defeitode forma dos documentos apresentados ou ilegalidade da extradição.§ 2º Não estando o processo devidamente instruído, o Tribunal, arequerimento do Procurador-Geral da República, poderá converter ojulgamento em diligência para suprir a falta no prazo improrrogável de 60(sessenta) dias, decorridos os quais o pedido será julgadoindependentemente da diligência.§ 3º O prazo referido no parágrafo anterior correrá da data da notificaçãoque o Ministério das Relações Exteriores fizer à Missão Diplomática doEstado requerente.Art. 87. Se o Estado requerente não retirar o extraditando do territórionacional no prazo do artigo anterior, será ele posto em liberdade, semprejuízo de responder a processo de expulsão, se o motivo da extradiçãoo recomendar. (Renumerado pela Lei nº 6.964, de 09/12/81)Art. 89. Quando o extraditando estiver sendo processado, ou tiver sidocondenado, no Brasil, por crime punível com pena privativa de liberdade,a extradição será executada somente depois da conclusão do processoou do cumprimento da pena, ressalvado, entretanto, o disposto no artigo67. (Renumerado pela Lei nº 6.964, de 09/12/81)Parágrafo único. A entrega do extraditando ficará igualmente adiada se aefetivação da medida puser em risco a sua vida por causa deenfermidade grave comprovada por laudo médico oficial.Art. 90. O Governo poderá entregar o extraditando ainda que responda aprocesso ou estejacondenado por contravenção. (Renumerado pela Lei nº 6.964, de09/12/81)
  • Art. 91. Não será efetivada a entrega sem que o Estado requerente assuma o compromisso: (Renumerado pela Lei nº 6.964, de 09/12/81) I - de não ser o extraditando preso nem processado por fatos anteriores ao pedido; II - de computar o tempo de prisão que, no Brasil, foi imposta por força da extradição; III - de comutar em pena privativa de liberdade a pena corporal ou de morte, ressalvados, quanto à última, os casos em que a lei brasileira permitir a sua aplicação; IV - de não ser o extraditando entregue, sem consentimento do Brasil, a outro Estado que o reclame; e V - de não considerar qualquer motivo político, para agravar a pena. Art. 92. A entrega do extraditando, de acordo com as leis brasileiras e respeitado o direito de terceiro, será feita com os objetos e instrumentos do crime encontrados em seu poder. (Renumerado pela Lei nº 6.964, de 09/12/81) Parágrafo único. Os objetos e instrumentos referidos neste artigo poderão ser entregues independentemente da entrega do extraditando. Art. 93. O extraditando que, depois de entregue ao Estado requerente, escapar à ação da Justiça e homiziar-se no Brasil, ou por ele transitar, será detido mediante pedido feito diretamente por via diplomática, e de novo entregue sem outras formalidades. (Renumerado pela Lei nº 6.964, de 09/12/81) Art. 94. Salvo motivo de ordem pública, poderá ser permitido, pelo Ministro da Justiça, o trânsito, no território nacional, de pessoas extraditadas por Estados estrangeiros, bem assim o da respectiva guarda, mediante apresentação de documentos comprobatórios de concessão da medida. (Renumerado pela Lei nº 6.964, de 09/12/81)2.1 Refúgio e AsiloO que é um refugiado? Lei 9.474: Art. 1º Será reconhecido como refugiado todo indivíduo que: I - devido a fundados temores de perseguição por motivos de raça, religião, nacionalidade, grupo social ou opiniões políticas encontre-se fora de seu país de nacionalidade e não possa ou não queira acolher-se à proteção de tal país; II - não tendo nacionalidade e estando fora do país onde antes teve sua residência habitual, não possa ou não queira regressar a ele, em função das circunstâncias descritas no inciso anterior; III - devido a grave e generalizada violação de direitos humanos, é obrigado a deixar seu país de nacionalidade para buscar refúgio em outro país.Em suma, motivo político, perseguição étnica, doenças, conflitos armados.
  • O que é asilo político?Refere-se a um único indivíduo que sofre perseguição política em seu país. Asilopolítico é gênero, do qual são espécies: asilo territorial e asilo diplomático.Quais as características do asilo diplomático?É concedido na embaixada pelo chefe da missão (pedido no exterior)A concessão é um direito do Estado.O país não é obrigado a conceder salvo-conduto para retirada do indivíduo daembaixada.Para sair do país, o asilado precisa de autorização do governo brasileiro. Caso não ofaça, perde a condição de asilado.Quais as características do asilo territorial?É pedido no momento em que o estrangeiro ingressa no país.O Estado admite a presença do estrangeiro no território nacional. É concedido pelo Ministro da Justiça, por prazo limitado, no máximo por dois anos,renovável enquanto subsistem as condições adversas.Asilados e refugiados podem ser extraditados?Não.3.NacionalidadeConceito: É o vínculo jurídico político que liga um indivíduo aum certo edeterminado Estado, fazendo deste indivíduo um componente do povo, dadimensão pessoal deste Estado, capacitando-o a exigir sua proteção esujeitando-o ao cumprimento de deveres impostos (CARVALHO, 1956, p.11apud MORAES, 2008, p.204.)Modo de aquisição:i) Origináriaii) Derivada (Processo de naturalização)
  • Critérios: i) Jus Soli: Nacionais nascidos no território ii) Jus sanguinis: nacionais filhos de seus nacionais. HereditariedadePrincipal regra: Art. 12 da Constituição CAPÍTULO III DA NACIONALIDADE Art. 12. São brasileiros: I - natos: a) os nascidos na República Federativa do Brasil, ainda que de pais estrangeiros, desde que estes não estejam a serviço de seu país; b) os nascidos no estrangeiro, de pai brasileiro ou mãe brasileira, desde que qualquer deles esteja a serviço da República Federativa do Brasil; c) os nascidos no estrangeiro de pai brasileiro ou de mãebrasileira, desde que sejam registrados em repartição brasileira competente ou venham a residir na República Federativa do Brasil e optem, em qualquer tempo, depois de atingida a maioridade, pela nacionalidade brasileira; (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 54, de 2007) II - naturalizados: a) os que, na forma da lei, adquiram a nacionalidade brasileira, exigidas aos originários de países de língua portuguesa apenas residência por um ano ininterrupto e idoneidade moral; b) os estrangeiros de qualquer nacionalidade, residentes na República Federativa do Brasil há mais de quinze anos ininterruptos e sem condenação penal, desde que requeiram a nacionalidade brasileira.(Redação dada pela Emenda Constitucional de Revisão nº 3, de 1994) § 1º Aos portugueses com residência permanente no País, se houver reciprocidade em favor de brasileiros, serão atribuídos os direitos inerentes ao brasileiro, salvo os casos previstos nesta Constituição.(Redação dada pela Emenda Constitucional de Revisão nº 3, de 1994) § 2º - A lei não poderá estabelecer distinção entre brasileiros natos e naturalizados, salvo nos casos previstos nesta Constituição. § 3º - São privativos de brasileiro nato os cargos: I - de Presidente e Vice-Presidente da República; II - de Presidente da Câmara dos Deputados; III - de Presidente do Senado Federal; IV - de Ministro do Supremo Tribunal Federal; V - da carreira diplomática; VI - de oficial das Forças Armadas. VII - de Ministro de Estado da Defesa(Incluído pela Emenda Constitucional nº 23, de 1999) § 4º - Será declarada a perda da nacionalidade do brasileiro que: I - tiver cancelada sua naturalização, por sentença judicial, em virtude de atividade nociva ao interesse nacional; II - adquirir outra nacionalidade, salvo no casos: (Redação dada pela Emenda Constitucional de Revisão nº 3, de 1994) a) de reconhecimento de nacionalidade originária pela lei estrangeira; (Incluído pela Emenda Constitucional de Revisão nº 3, de 1994) b) de imposição de naturalização, pela norma estrangeira, ao brasileiro residente em estado estrangeiro, como condição para permanência em seu território ou para o exercício de direitos civis; (Incluído pela Emenda Constitucional de Revisão nº 3, de 1994)
  • Que tipo de legislação define a aquisição da nacionalidade?Somente a Constituição da República. Legislação infraconstitucional não podeprever caso de nacionalidade originária.O que é nacionalidade originária?Também chamada primária, resulta do nascimento a partir do qual, através decritérios sanguíneos, territoriais ou mistos será estabelecida.Quais as 3 hipóteses de aquisição de nacionalidade originária brasileira?Jus soliJus sanguinis + jus laborisJus sanguinis + residência (critério residencial) + opção (opção confirmativa)Artigo Tipo Requisitos Exceção (não será brasileiro)12,I, a Jus soli  Nascidos no  Ambos os pais Brasil, ainda que de estrangeiros. pais estrangeiros.  Um dos pais, no mínimo, deve estar no território brasileiro, a serviço de seu país.12,I, b Jus sanguinis +  Nascidos no jus laboris exterior  Ser filho de pai ou mãe brasileira  O pai ou a mãe devem estar a serviço do Brasil12,I, c Jus sanguinis +  Nascidos no registro; ou exterior Jus sanguinis +  Nascidos de residência pai ou mãe brasileira (critério  Pai ou mãe residencial) + que não estivessem a opção (opção serviço do Brasil e confirmativa)  Registro em repartição brasileira no exterior, ou  Fixação de residência no Brasil a qualquer tempo + Realização de opçãoa qualquer tempo, depois de obtida a maioridadeO artigo 12, I, a.
  • Critério de jus soli. Art. 12. São brasileiros: I - natos: a) os nascidos na República Federativa do Brasil, ainda que de pais estrangeiros, desde que estes não estejam a serviço de seu país; OBS: Basta que um pai estrangeiro esteja a serviço de seu país. Se o estrangeiro estiver a serviço de outro país, a criança é brasileira nata. O artigo 12, I, b. Art. 12. São brasileiros: b) os nascidos no estrangeiro, de pai brasileiro ou mãe brasileira, desde que qualquer deles (os pais) esteja a serviço da República Federativa do Brasil; O que é nacionalidade derivada? Também chamada secundária ou adquirida é a que se adquire por vontade própria, após o nascimento e, em regra, pela naturalização. Quais as formas de aquisição de nacionalidade derivada?Artigo Quem se submete Requisitos Tipo Tipo do ato naturalização12, II, a Estrangeiros Residência por UM Ordinária Discricionário. A(CR) originários de ANO ininterrupto e simples países de língua idoneidade moral; satisfação dos portuguesa requisitos não garante a naturalização.112 lei 6.815 Estrangeiros, - capacidade civil, Ordinária Discricionário. A excluídos os segundo a lei brasileira; simples originários de satisfação dos países de língua II - ser registrado como requisitos não portuguesa permanente no Brasil; garante a naturalização. III - residência contínua no território nacional, pelo prazo mínimo de QUATRO ANOS, imediatamente anteriores ao pedido de naturalização; IV - ler e escrever a língua portuguesa, consideradas as condições do naturalizando;
  • V - exercício de profissão ou posse de bens suficientes à manutenção própria e da família; VI - bom procedimento; VII - inexistência de denúncia, pronúncia ou condenação no Brasil ou no exterior por crime doloso a que seja cominada pena mínima de prisão, abstratamente considerada, superior a 1 (um) ano; e VIII - boa saúde.12, II, b Os estrangeiros de Residentes na Extraordinária Vinculado.(CR) qualquer República Federativa nacionalidade, do Brasil há mais de QUINZE ANOS ininterruptos e sem condenação penal, desde que requeiram a nacionalidade brasileira O artigo 12, II, a. A que lei se refere? É ato discricionário? Qual o tipo de naturalização? II - naturalizados: a) os que, na forma da lei, adquiram a nacionalidade brasileira, exigidas aos originários de países de língua portuguesa apenas residência por um ano ininterrupto e idoneidade moral; Na forma da lei 6815/80. É ato discricionário (o governo concede se quiser). Naturalização ordinária. O artigo 12, II, b. É ato discricionário? Qual o tipo de naturalização? II - naturalizados: b) os estrangeiros de qualquer nacionalidade, residentes na República Federativa do Brasil há mais de quinze anos ininterruptos e sem condenação penal, desde que requeiram a nacionalidade brasileira.(Redação dada pela Emenda Constitucional de Revisão nº 3, de 1994) Não há discricionariedade. Basta requerer. Naturalização extraordinária.
  • No caso da Lei 6.815, no prazo de 4 anos, onde se requer a naturalização?Requer-se a naturalização no Ministério da Justiça, mas recebe-se na JustiçaFederal, onde se faz a leitura do juramento à bandeira.Pacto de San Jose da Costa Rica: toda pessoa tem direito a uma nacionalidadeDistinção entre brasileiros natos e nacionalizados:Lei infraconstitucional pode diferenciar nato de naturalizado?CR. Art.12, § 2º - A lei não poderá estabelecer distinção entre brasileiros natose naturalizados, salvo nos casos previstos nesta Constituição.Quando há diferenciação entre brasileiros natos e naturalizados?Para ocupar certos cargos.§ 3º - São privativos de brasileiro nato os cargos:I - de Presidente e Vice-Presidente da República;II - de Presidente da Câmara dos Deputados;III - de Presidente do Senado Federal;IV - de Ministro do Supremo Tribunal Federal;V - da carreira diplomática;VI - de oficial das Forças Armadas.VII - de Ministro de Estado da Defesa(Incluído pela Emenda Constitucional nº23, de 1999)Para ocupar assento no Conselho da RepúblicaQuanto à extradição (vistas acima)PARTE ESPECIAL: DIREITO DE FAMÍLIAEstar casado com brasileira(o) implica naturalização? Qual o benefício?No Brasil, não existe a idéia de naturalização decorrente do casamento ou porter filho com estrangeiro. O que ocorre é a diminuição do prazo de residêncianecessário para naturalização. Cai de 04 para 01 ano.Qual outra causa de diminuição de tempo para naturalização?I - ter filho ou cônjuge brasileiro;II - ser filho de brasileiro;III - haver prestado ou poder prestar serviços relevantes ao Brasil, a juízo do Ministroda Justiça;IV - recomendar-se por sua capacidade profissional, científica ou artística; ouV - ser proprietário, no Brasil, de bem imóvel, cujo valor seja igual, pelo menos, a milvezes o Maior Valor de Referência; ou ser industrial que disponha de fundos de igual
  • valor; ou possuir cota ou ações integralizadas de montante, no mínimo, idêntico, emsociedade comercial ou civil, destinada, principal e permanentemente, à exploração deatividade industrial ou agrícola.3 IMUNIDADE DE JURISDIÇÃOConceito: Imunidade das embaixadas e corpos consulares estrangeiros face àjurisdição brasileira.Teoria adotada pelo Brasil:Atos de império: Imunidade absolutaAtos de gestão: (Ex: direitos trabalhistas de brasileiros que trabalham emembaixadas) Brasil pode processar, mas não executa.PARTE IIIDIREITO INTERNACIONAL PÚBLICOConceito: Direito que regula as relações entre Estados (Países)Fontes: Listadas no art. 38 do Estatuto da Corte Internacional de Justiça: Artigo 38 1. A Corte, cuja função seja decidir conforme o direito internacional as controvérsias que sejam submetidas, deverá aplicar; 2. as convenções internacionais, sejam gerais ou particulares, que estabeleçam regras expressamente reconhecidas pelos Estados litigantes; 3. o costume internacional como prova de uma prática geralmente aceita como direito; 4. os princípios gerais do direito reconhecidos pelas nações civilizadas; 5. as decisões judiciais e as doutrinas dos publicitários de maior competência das diversas nações, como meio auxiliar para a determinação das regras de direito,sem prejuízo do disposto no Artigo 59. 6. A presente disposição não restringe a faculdade da Corte para decidir um litígio ex aequo et bono, se convier às partesSujeitos de Direito Internacional:  Estados  Organizações Internacionais (ONU, OMC, etc)  Organizações não estatais reconhecidas pelo costume: Santa sé, Cruz Vermelha;
  •  Pessoa Humana: Sim, em relação ao tribunal penal internacional. Mas não pode celebrar tratados.TRATADOSTratados: Acordo internacional concluído por escrito entre Estados e/ouOrganizações Internacionais, quer conste de um único instrumento ou dedois ou mais instrumentos-Brasil não ratificou a Convenção de Viena de 1969, que regula o Direitodos Tratados, mas utiliza suas disposições.Principais termos da Convenção de Viena de 1969:Negociação, assinatura, ratificação, depósito/registroOs tratados só têm validade no nosso ordenamento a partir da publicaçãodo decreto executivo do presidente da república, que vem após apublicação do decreto legislativo pelo congresso nacional.EC45/04 – Tratados sobre direitos humanosTrâmite da aprovação do tratadoObs: Em regra o tratado entra como Lei Ordinária, salvo casos especiais daEC 45/04.1) Presidente, Ministro das relações exteriores/plenipotenciários: negociam/assinam tratado2) Presidente encaminha, se quiser, mensagem ao congresso nacional, para o presidente da câmara dos deputados que encaminha à Comissão de Relações exteriores e daí para a Comissão de Constituição e Justiça e Redação (que analisará a constitucionalidade, legalidade, técnica legislativa).3) A Comissão de relações exteriores elabora um Projeto de Decreto Legislativo e submete ao presidente da Câmara, que passa o texto ao plenário da câmara, para votação: 3.1 Plenário não aprova: só pode entrar em pauta na próxima sessão legislativa; 3.2 Plenário aprova: segue para o Senado4) Se o Senado aprova, o Presidente do Senado promulga um Decreto legislativo e publica do D.O.U.5) O Decreto legislativo é submetido ao presidente que, pode
  • 5.1 não fazer nada ou 5.2 Fazer decreto executivo que ordena a publicação do decreto legislativo de aprovação do D.O.U, dando validade ao tratado dentro do ordenamento jurídico brasileiro. Simultaneamente, faz o depósito do tratado na ONU e em eventual outro órgão de administração do tratado.ONUSede em NY.Princípios e propósitos: Artigos 1º e 2º da Carta das Nações:  Paz/segurança internacionais  Relações amistosas entre as nações  Cooperação internacionalÓrgãos da ONU: 1) Assembléia geral: todos os estados participam. Pode discutir todos os assuntos que estiverem nas finalidades da Carta; 2) Conselho de Segurança: 15 membros, com 5 permanentes (Rússia, Grã-Bretanha, China, França e EUA); 10 eleitos pela Assembléia Geral para o período de 2 anos, sem recondução imediata. Mantém a paz e a segurança internacionais. Decisões simples: maioria de 9; decisões importantes: maioria de 9 com o voto afirmativo de todos os 5 membros permanentes; 3) Conselho econômico e social: 54 membros eleitos pela AG. Estudos e relatórios de caráter econômico, social, cultural, educacional, internacionais, podendo fazer recomendações sobre tais assuntos; 4) Conselho de Tutela, substituído pelo Comitê Especial para a Implementação da Declaração de Independência dos povos/países coloniais; 5) Secretariado: registro e publicação dos tratados internacionais; 6) Corte Internacional de Justiça: Sede em Haia. Órgão judiciário das Nações Unidas. Não podem figurar nacionais de um mesmo Estado entre os juízes. Só estados podem ser julgados.ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHOSede em Genebra
  • Objetivos: Justiça social por meio de convenções e recomendações elaboradaspela Conferência Internacional do Trabalho, pleno emprego, direito ànegociação coletiva, entre outros 1) Conferência internacional do trabalho: órgão supremo, reúne-se pelo menos 1 vez por ano e elabora a regulamentação internacional do trabalho; 2) Conselho de administração: órgão administrativo/executivo 3) Repartição Internacional do Trabalho: secretaria técnico-executiva A OIT emite/celebra: Convenções, Recomendações e Resoluções PROCESSO DE INTEGRAÇÃO É o processo político entre governos nacionais visando à redução de barreiras que limitem o comércio e o intercâmbio recíprocos. ETAPA DE INTEGRAÇÃO CARACTERÍSTICAS Área de tarifas preferenciais Redução das tarifas alfandegárias para alguns produtos Área de livre comércio Abolição das tarifas do comércio intra-área; Unificação da política tarifária União aduaneira TEC- unifica estrutura tarifária; Harmonias política, fiscal, monetária e cambial União econômica/monetária Unificação das políticas monetárias, fiscal e cambial dos países membros; Moeda única + banco central independente; Autoridade supranacional Mercado Comum União aduaneira + livre circulação de todos os fatores de produção; Legislação comum; Unifica sistema tributário, previdenciário e leis trabalhistas; Sincronia entre políticas econômicas.
  • SANÇÕES NO DIREITO INTERNACIONAL: 1) Rompimento das relações diplomáticas; 2) Retorsão (olho por olho, dente por dente) 3) Represália 3.1 Bloqueio pacífico: Ex: portos 3.2 Embargo: Ex: navios – seqüestro 3.3 boicote: Ex: econômico