• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Poesias Parauara
 

Poesias Parauara

on

  • 1,481 views

Eu produção do Projeto Parauara.

Eu produção do Projeto Parauara.

Statistics

Views

Total Views
1,481
Views on SlideShare
1,128
Embed Views
353

Actions

Likes
0
Downloads
0
Comments
0

6 Embeds 353

http://aprendendocomalinguaparauara.blogspot.com.br 161
http://aprendendocomalinguaparauara.blogspot.com 116
http://comunidademagalhaesbarata.blogspot.com 61
http://comunidademagalhaesbarata.blogspot.com.br 12
http://www.aprendendocomalinguaparauara.blogspot.com 2
http://www.comunidademagalhaesbarata.blogspot.com 1

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Poesias Parauara Poesias Parauara Presentation Transcript

    • POESIAS PARAUARA
    • O Amor Paraense É um amor como um alguidar Que deve ser cuidado e protegido Um amor que não é fogo de palha O amor que invade as quebradas Como as bigs animada O amor paraense diz que é lindo Diacho de sentimento que meche comigo Ser paraense é como baião Que de tão gostoso aumenta a nossa paixão Amor sincero que não tem papo na língua E diz a verdade mesmo que seja doída Um relacionamnto firme entre os pavulagem Que termina numa tigela de açaí Com pato no tucupi na Cidade das mangueiras que nos faz sorrir Alunos: Danielle Cardoso Gleidson Aleixo Paulo José Raony Souza
    • Mulher caboca Mulher caboca! Adonde encontrar? Todos a espiá: Para bajular Quando encontrar. Mulher caboca! Adonde encontrar? Muita piema, vixe maria Mas nunca a pipira Sem pavulagem Mulher caboca! Adonde encontrar Seu jeito insinuante De me olhar Quem dera eu encontrar! Mulher caboca! Quem dera eu Dar um rolé com você? Teria um pitê Mas que panema Adonde encontrar você! Alunos: Felipe Ferradais Isabelle Catarine Jéssica Larisse Samanta Caroline
    • Periferia Em cada canto da quebrada Existe um bêco e em um bêco Existe uma baiuca e na baiuca Tem que ter um pinguço E ele é sempre um potoqueiro E na quebrada existe sempre Um latro a fim de pegar O malote E lá no bêco Vou quebrar com minha bossa O latro está urubuzando Mas o pinguço está de olho Tá ralado para o latro Ele quer o malote Mas a casa caiu. Se não vamos ficar sem o dinheiro do busão Ègua passa tudo lá vem os canas Vamos capar o gato Se não vamos em cana Alunos:Claudionor Kenji Saito Daniel Carlos Leão Jonathan Alberto Leão Leonardo dos Santos Jefferson William
    • Sentimento pai d'égua Diz que o amor é lindo Bagulho doido de sentir Ainda mais quando é verdadeiro É um motivo pra viver Ele diz que me curti Mas não sei como é esse curtir Eu fico sem entender Por que o amor faz isso? Por que não sei sentir? Fico imaginando Porquê tu me largo Te adorava tanto De rocha tu não me deu valor Agora me pergunto, o que faço com esse amor? Sentimento que vêm com caramba Sentimento Pai d'égua Um sentimento muito firme Que mexe com a gente Sentimento Pai d'égua. Alunas: Beatriz Quinto Dandara Trindade Millena Souza Tamara Ribeiro
    • O Pingunço Gleidson vivia a reclamar quero parar de beber hoje passei da hora gastei bufunfa além do que devia não consigo me desfazer pois a cachaça é minha vida Sua mãe vivia reclamando do filho chapado mais quando mais falava mais seu filho enchia a cara Trabalho não conseguia estudar, axi credo , nem queria só pensava em curtir a vida no barzinho da esquina Hoje soluço ao ver a coroa amargurada por mim cai na real e entendi que beber não era tudo q que queria e hoje vivo melhor com minha família. Alunos: Adriane Duarte Helena di Paula Jonas França Wellinngton da Silva
    • Rouba-me logo Entrei no bêco muito perigoso Avistei um migué Ele estava com o ferro na cintura Embargou-se e levou todos dos meus pertences... Ele mandou eu capar o gato e não olhar para trás... Sai rapidamente atrás dos canas Para eles irem atrás do migué A gente o encontrou numa quebrada próximo do bêco com todo malote ... Aí o migué disse: - A casa caiu mano! saiu varando por todos os bêcos ... Os canas saíram malucos atrás do migué . Que estava com ferro atirando na rua. Saiu invadindo todas as casas que estavam ao seu redor. Os camaradas dele chegaram metendo Bala para aliviar a barra do migué Os canas saíram atrás do migué Para recuperar os pertences da vítima. Levaram-no para a casa de pedra Com ele preso a violência tende à diminuir. Alunas: Lorrana Kimberlly Iêda Alana Izabel Cristina Stephanie Monteir
    • ESCOLA ESTADUAL DE ENSINO MÉDIO “MAGALHÃES BARATA” DIRETOR: JERÔNIMO BAHIA SALA DE INFORMÁTICA: TURNO MANHÃ COORDENADORA: ADEMILDE GIRARD MENDONÇA 1ª PRODUÇÃO DO PROJETO PARAUARA AUTORA DO PROJETO: ALZIRA LOPES (PROFª DE PORTUGUÊS) PRODUÇÃO DA APRESENTAÇAO: ADEMILDE GIRARD