Your SlideShare is downloading. ×
Apresentação ELIATB
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Saving this for later?

Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime - even offline.

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Apresentação ELIATB

735
views

Published on

Published in: Design

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
735
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
4
Actions
Shares
0
Downloads
35
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. INTERVENÇÃO PRECOCEdo paradigma à prática Chaves 26 de Janeiro de 2013
  • 2. INTERVENÇÃO PRECOCE NA INFÂNCIA:ENQUADRAMENTO TEÓRICO
  • 3. Aspetos legislativos Publicação do DL 281/2009, de 6 de Outubro: Criação do Sistema Nacional de Intervenção Precoce na Infância (SNIPI); Tem como missão garantir a Intervenção Precoce na Infância (IPI), entendendo-se como um conjunto de medidas de apoio integrado centrado na criança e na família, incluindo ações de natureza preventiva e reabilitativa, no âmbito da educação, da saúde e da ação social; Objetivos: Assegurar às crianças a proteção dos seus direitos e o desenvolvimento das suas capacidades; Detetar e sinalizar todas as crianças com necessidades de intervenção precoce; Intervir junto das crianças e famílias, em função das necessidades identificadas, de modo a prevenir ou reduzir os riscos de atraso de desenvolvimento; Apoiar as famílias no acesso a serviços e recursos dos sistemas de segurança social, de saúde e de educação; Envolver a comunidade através da criação de mecanismos articulados de suporte social.
  • 4. Aspetos legislativos Publicação do DL 281/2009, de 6 de Outubro: O SNIPI abrange crianças entre os 0 e os 6 anos, com alterações nas funções eestruturas do corpo que limitam a participação nas atividades típicas para a respetivaidade e contexto social ou em risco grave de atraso de desenvolvimento, bem como assuas famílias. Critérios de elegibilidade: 1. Crianças com alterações nas funções ou estruturas do corpo 1.1. Atraso de desenvolvimento sem etiologia conhecida; 1.2. Condições específicas. 2. Crianças com risco grave de atraso de desenvolvimento 2.1. Crianças expostas a fatores de risco biológico; 2.2. crianças expostas a fatores de risco ambiental: 2.2.1. Fatores de risco parental; 2.2.2. fatores contextuais.
  • 5. Abordagem IPI – princípios básicos A família é o principal cenário de desenvolvimento dacriança: Criança e família não podem ser dissociadas. A criança deve ser vista como um todo: Inter-relação entre os diferentes domínios do desenvolvimento.
  • 6. Abordagem IPI – princípios básicos Os primeiros anos de vida são marcados por uma maiorplasticidade do sistema nervoso central – períodossensíveis do desenvolvimento. O desenvolvimento resulta das transações mútuas,contínuas e dinâmicas entre um indivíduo e o seu meio(social ou físico). Sameroff & Fiese (2000)
  • 7. Abordagem IPI – princípios básicos Ansiedade DepressãoMãe Complicações à nascença Dificuldades na auto- Atraso de DSV nosCriança regulação domínios da linguagem e da cognição Tempo
  • 8. Práticas Recomendadas em IPI Abordagem centrada na família; Inclusão; Práticas Desenvolvimentalmente Adequadas; Coordenação inter-serviços.
  • 9. Práticas Centradas na Família Reconhecimento da família como contexto principal eprimário para promover a saúde e o bem-estar da criança; Respeito pelas escolhas e decisões da família; Ênfase nas potencialidades da criança e da família enos recursos necessários para promover padrõesnormativos de vida; Relação família-profissionais como catalisador paramobilizar os recursos necessários às escolhas realizadas epara atualizar as escolhas; Respeito mútuo família-profissional para alcançar osresultados desejados.
  • 10. Práticas Centradas na Família Benefícios ao nível do empowerment e do bem-estarfamiliar; Promove perceções positivas dos pais em relação àssuas próprias competências; Promove julgamentos positivos, por parte dos pais,acerca do comportamento, funcionamento edesenvolvimento dos seus filhos; Enfoque da intervenção na família, sendo o objetivomanter e melhorar o bem-estar da unidade familiar.
  • 11. Práticas Centradas na Família Papel do profissional de IPI: Recurso e suporte à família; Criar oportunidades para a família exercer as suas competências, no sentido da sua capacitação; Delega o poder de decisão à família: 1. Quais os objetivos prioritários de intervenção; 2. Qual o contexto de intervenção.
  • 12. Inclusão Proporcionar à criança o meio mais adequado para oseu desenvolvimento, que é o contexto normal dedesenvolvimento das crianças da sua idade. Almeida (2000) Papel do profissional de IPI: Sensibilizar os pais para a importância e benefícios da inclusão; Prestar apoio aos agentes educativos, no sentido de proporcionar à criança um ambiente de qualidade que responda às suas necessidades específicas.
  • 13. Práticas Desenvolvimentalmente Adequadas “Atividades de ensino/aprendizagem que têmsimultaneamente em conta, a idade de desenvolvimento dacriança e as suas características individuais, baseando-senum currículo que contemple as suas necessidadesespecíficas”. Bredekamp (1987, cit in Almeida, 2000) Conhecimento aprofundado das competências desenvolvimentais da criança; Conhecimento aprofundado dos interesses e motivações da criança; Integração das práticas de intervenção nas rotinas da criança e da família, tornando o processo de ensino/aprendizagem mais natural.
  • 14. Coordenação inter-serviços Responsabilização dos serviços para proporcionar àfamília uma resposta coordenada e consistente; Proporcionar uma resposta integrada em IPI; Importância da existência do gestor de caso: Elo de ligação entre a família e a equipa de profissionais; Implementação e monitorização do PIIP delineado com a família.
  • 15. Intervenção – a importância das rotinas Rotinas: Início, meio e fim; Orientada para um resultado; Possuidora de sentido; Previsível; Sequencial e sistemática; Repetitiva Orientada por um adulto Requisitos facilitadores da aprendizagem
  • 16. Intervenção – a importância das rotinas No âmbito de uma rotina podem ser desenvolvidasatividades/estratégias que permitem o alcance dosobjetivos delineados: •Colocar brinquedos de um lado e do outro e incentivar a criança a alcançá-los; Banho •Nomear/identificar os objetos utilizados na rotina; • Incentivar a criança a sequenciar ações – colocar champô na mão e lavar a cabeça.
  • 17. Intervenção – a importância das rotinas Selecionar atividades interessantes e agradáveis, querpara a criança, quer para a família: Seleção cuidadosa das rotinas em que são integradas as atividades promotoras de desenvolvimento; Seleção cuidadosa dos materiais utilizados.
  • 18. Intervenção – a importância das rotinas ATIVIDADES
  • 19. OBRIGADA PELA V. ATENÇÃO!