INTERVENÇÃO PRECOCEdo paradigma à prática              Chaves       26 de Janeiro de 2013
INTERVENÇÃO PRECOCE NA INFÂNCIA:ENQUADRAMENTO TEÓRICO
Aspetos legislativos Publicação do DL 281/2009, de 6 de Outubro:   Criação do Sistema Nacional de Intervenção Precoce na I...
Aspetos legislativos   Publicação do DL 281/2009, de 6 de Outubro:   O SNIPI abrange crianças entre os 0 e os 6 anos, com ...
Abordagem IPI – princípios básicos    A família é o principal cenário de desenvolvimento dacriança:        Criança e famíl...
Abordagem IPI – princípios básicos   Os primeiros anos de vida são marcados por uma maiorplasticidade do sistema nervoso c...
Abordagem IPI – princípios básicos                              Ansiedade                           DepressãoMãe          ...
Práticas Recomendadas em IPI Abordagem centrada na família; Inclusão; Práticas Desenvolvimentalmente Adequadas; Coordenaçã...
Práticas Centradas na Família   Reconhecimento da família como contexto principal eprimário para promover a saúde e o bem-...
Práticas Centradas na Família   Benefícios ao nível do empowerment e do bem-estarfamiliar;   Promove perceções positivas d...
Práticas Centradas na Família Papel do profissional de IPI:   Recurso e suporte à família;    Criar oportunidades para a f...
Inclusão   Proporcionar à criança o meio mais adequado para oseu desenvolvimento, que é o contexto normal dedesenvolviment...
Práticas Desenvolvimentalmente Adequadas     “Atividades de ensino/aprendizagem que têmsimultaneamente em conta, a idade d...
Coordenação inter-serviços   Responsabilização dos serviços para proporcionar àfamília uma resposta coordenada e consisten...
Intervenção – a importância das rotinas  Rotinas:   Início, meio e fim;   Orientada para um resultado;   Possuidora de sen...
Intervenção – a importância das rotinas   No âmbito de uma rotina podem ser desenvolvidasatividades/estratégias que permit...
Intervenção – a importância das rotinas  Selecionar atividades interessantes e agradáveis, querpara a criança, quer para a...
Intervenção – a importância das rotinas                       ATIVIDADES
OBRIGADA PELA V. ATENÇÃO!
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Apresentação ELIATB

1,028

Published on

Published in: Design
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
1,028
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
5
Actions
Shares
0
Downloads
37
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Apresentação ELIATB

  1. 1. INTERVENÇÃO PRECOCEdo paradigma à prática Chaves 26 de Janeiro de 2013
  2. 2. INTERVENÇÃO PRECOCE NA INFÂNCIA:ENQUADRAMENTO TEÓRICO
  3. 3. Aspetos legislativos Publicação do DL 281/2009, de 6 de Outubro: Criação do Sistema Nacional de Intervenção Precoce na Infância (SNIPI); Tem como missão garantir a Intervenção Precoce na Infância (IPI), entendendo-se como um conjunto de medidas de apoio integrado centrado na criança e na família, incluindo ações de natureza preventiva e reabilitativa, no âmbito da educação, da saúde e da ação social; Objetivos: Assegurar às crianças a proteção dos seus direitos e o desenvolvimento das suas capacidades; Detetar e sinalizar todas as crianças com necessidades de intervenção precoce; Intervir junto das crianças e famílias, em função das necessidades identificadas, de modo a prevenir ou reduzir os riscos de atraso de desenvolvimento; Apoiar as famílias no acesso a serviços e recursos dos sistemas de segurança social, de saúde e de educação; Envolver a comunidade através da criação de mecanismos articulados de suporte social.
  4. 4. Aspetos legislativos Publicação do DL 281/2009, de 6 de Outubro: O SNIPI abrange crianças entre os 0 e os 6 anos, com alterações nas funções eestruturas do corpo que limitam a participação nas atividades típicas para a respetivaidade e contexto social ou em risco grave de atraso de desenvolvimento, bem como assuas famílias. Critérios de elegibilidade: 1. Crianças com alterações nas funções ou estruturas do corpo 1.1. Atraso de desenvolvimento sem etiologia conhecida; 1.2. Condições específicas. 2. Crianças com risco grave de atraso de desenvolvimento 2.1. Crianças expostas a fatores de risco biológico; 2.2. crianças expostas a fatores de risco ambiental: 2.2.1. Fatores de risco parental; 2.2.2. fatores contextuais.
  5. 5. Abordagem IPI – princípios básicos A família é o principal cenário de desenvolvimento dacriança: Criança e família não podem ser dissociadas. A criança deve ser vista como um todo: Inter-relação entre os diferentes domínios do desenvolvimento.
  6. 6. Abordagem IPI – princípios básicos Os primeiros anos de vida são marcados por uma maiorplasticidade do sistema nervoso central – períodossensíveis do desenvolvimento. O desenvolvimento resulta das transações mútuas,contínuas e dinâmicas entre um indivíduo e o seu meio(social ou físico). Sameroff & Fiese (2000)
  7. 7. Abordagem IPI – princípios básicos Ansiedade DepressãoMãe Complicações à nascença Dificuldades na auto- Atraso de DSV nosCriança regulação domínios da linguagem e da cognição Tempo
  8. 8. Práticas Recomendadas em IPI Abordagem centrada na família; Inclusão; Práticas Desenvolvimentalmente Adequadas; Coordenação inter-serviços.
  9. 9. Práticas Centradas na Família Reconhecimento da família como contexto principal eprimário para promover a saúde e o bem-estar da criança; Respeito pelas escolhas e decisões da família; Ênfase nas potencialidades da criança e da família enos recursos necessários para promover padrõesnormativos de vida; Relação família-profissionais como catalisador paramobilizar os recursos necessários às escolhas realizadas epara atualizar as escolhas; Respeito mútuo família-profissional para alcançar osresultados desejados.
  10. 10. Práticas Centradas na Família Benefícios ao nível do empowerment e do bem-estarfamiliar; Promove perceções positivas dos pais em relação àssuas próprias competências; Promove julgamentos positivos, por parte dos pais,acerca do comportamento, funcionamento edesenvolvimento dos seus filhos; Enfoque da intervenção na família, sendo o objetivomanter e melhorar o bem-estar da unidade familiar.
  11. 11. Práticas Centradas na Família Papel do profissional de IPI: Recurso e suporte à família; Criar oportunidades para a família exercer as suas competências, no sentido da sua capacitação; Delega o poder de decisão à família: 1. Quais os objetivos prioritários de intervenção; 2. Qual o contexto de intervenção.
  12. 12. Inclusão Proporcionar à criança o meio mais adequado para oseu desenvolvimento, que é o contexto normal dedesenvolvimento das crianças da sua idade. Almeida (2000) Papel do profissional de IPI: Sensibilizar os pais para a importância e benefícios da inclusão; Prestar apoio aos agentes educativos, no sentido de proporcionar à criança um ambiente de qualidade que responda às suas necessidades específicas.
  13. 13. Práticas Desenvolvimentalmente Adequadas “Atividades de ensino/aprendizagem que têmsimultaneamente em conta, a idade de desenvolvimento dacriança e as suas características individuais, baseando-senum currículo que contemple as suas necessidadesespecíficas”. Bredekamp (1987, cit in Almeida, 2000) Conhecimento aprofundado das competências desenvolvimentais da criança; Conhecimento aprofundado dos interesses e motivações da criança; Integração das práticas de intervenção nas rotinas da criança e da família, tornando o processo de ensino/aprendizagem mais natural.
  14. 14. Coordenação inter-serviços Responsabilização dos serviços para proporcionar àfamília uma resposta coordenada e consistente; Proporcionar uma resposta integrada em IPI; Importância da existência do gestor de caso: Elo de ligação entre a família e a equipa de profissionais; Implementação e monitorização do PIIP delineado com a família.
  15. 15. Intervenção – a importância das rotinas Rotinas: Início, meio e fim; Orientada para um resultado; Possuidora de sentido; Previsível; Sequencial e sistemática; Repetitiva Orientada por um adulto Requisitos facilitadores da aprendizagem
  16. 16. Intervenção – a importância das rotinas No âmbito de uma rotina podem ser desenvolvidasatividades/estratégias que permitem o alcance dosobjetivos delineados: •Colocar brinquedos de um lado e do outro e incentivar a criança a alcançá-los; Banho •Nomear/identificar os objetos utilizados na rotina; • Incentivar a criança a sequenciar ações – colocar champô na mão e lavar a cabeça.
  17. 17. Intervenção – a importância das rotinas Selecionar atividades interessantes e agradáveis, querpara a criança, quer para a família: Seleção cuidadosa das rotinas em que são integradas as atividades promotoras de desenvolvimento; Seleção cuidadosa dos materiais utilizados.
  18. 18. Intervenção – a importância das rotinas ATIVIDADES
  19. 19. OBRIGADA PELA V. ATENÇÃO!
  1. ¿Le ha llamado la atención una diapositiva en particular?

    Recortar diapositivas es una manera útil de recopilar información importante para consultarla más tarde.

×