Souza; diego azambuja monica de o sangue de jesus

299 views
177 views

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
299
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
15
Actions
Shares
0
Downloads
1
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Souza; diego azambuja monica de o sangue de jesus

  1. 1. 4
  2. 2. 5 INTRODUÇÃO O objetivo desse trabalho de conclusão de curso é uma leitura expressionista do filme Paixão de Cristo através da pintura. Para isso pesquisei sobre os movimentos impressionista e expressionista e os artistas desse período. Os artistas citados nesse trabalho são: Monet, Van Gogh, Paul Cézanne, Munch, José Clemente Orozco, Oscar Kokoschka, Cândido Portinari. Ao pesquisar esses artistas fui influenciado pelas suas técnicas e linguagens poéticas e busquei transmitir através das minhas obras a expressividade e subjetividade propostas nos conceitos nos que foram criados por esses artistas. O filme Paixão de Cristo provocou em mim emoções fortes e que busquei representar através da pintura, visando expressar a dor, a angústia, o sofrimento, a violência e captar uma linguagem própria, subjetiva e expressiva. O primeiro capítulo trata especificamente do esclarecimento sobre a escolha do tema e trata de pesquisas sobre a polêmica no qual o filme foi envolvido. O segundo capítulo trata da relação entre os movimentos impressionista e expressionista e a sua contribuição para a minha linguagem de expressão. Depois de várias pesquisas em sites sobre o filme e na Bíblia Sagrada pode – se ver no trabalho uma profunda reflexão sobre o sacrifício de Jesus Cristo e a minha relação emotiva com o tema.
  3. 3. 6 1. A ORIGEM DO TEMA E A POLÊMICA DO FILME A polêmica e A brutalidade o filme Paixão de Cristo dirigido por Mel Gibson foi a minha fonte inspiradora. O filme prende muito a atenção do telespectador pela ênfase na dor, no sofrimento e humilhação, todavia, o filme também entre cenas de dor mostra o amor Ágape (amor altruísta), um amor esquecido na nossa geração e esse amor é a essência de Deus. È um amor que dá sem querer receber e sem precisar receber porque só o simples fato de amar já é a recompensa. De acordo com o filme, Jesus sofreu por amor, ele tomou o nosso lugar de punição para que não fossemos punidos; pelo contrário, para que nós recebêssemos proteção de Deus, amor, paz, intimidade com o próprio Deus, seja em nosso presente momento vivendo no corpo e depois da morte do corpo, tendo uma vida eterna com Deus. Esse tema me interessou pelo simples fato de que o filme não retratava a dor pelo intuito de transmitir terror ou apologia à tortura ou carnificina e sim um sofrimento tendo como alicerce o amor. Impactado pelo filme, produzi um trabalho em tela e tinta óleo representando a dor o sofrimento baseado nas cenas do filme de Mel Gibson, esse trabalho foi produzido na disciplina do professor Darwin Antonio Longo de Oliveira no terceiro ano do curso de Artes Visuais da UFMS. A produção foi uma surpresa, pois encontrei nela a semente para o projeto de conclusão do curso. O filme Paixão de Cristo foi envolvido em muitas polêmicas. O filme foi acusado de ser anti-semita por padres, católicos, acusado de não ser coerente e também foi acusado de ser um espetáculo de horror. Por outro lado, o filme de Mel Gibson foi o filme legendado de maior bilheteria nos Estados Unidos. Recebeu três indicações ao Oscar e uma indicação ao MTV Movie Awards de Melhor ator (Jim Caviezel), o ator que representou o personagem de Jesus. Para os evangélicos brasileiros o filme foi fiel à Bíblia Sagrada e o Jornal folha de São Paulo noticiou casos em que as salas de cinemas viraram igrejas. Um caso publicado
  4. 4. 7 no Jornal A Folha de São Paulo foi o de um homem que ao acender as luzes do cinema depois de ter terminado o filme o homem se levantou de sua poltrona, no alto da sala de cinema do shopping, e gritou: “Pessoal, é impossível sair daqui indiferente. Marquem o dia de hoje e mudem as suas vidas. Esse Jesus morreu por nós. Pensem nisso e vão com Deus”. Igrejas evangélicas reservaram salas para os fiéis e os pastores depois do término do filme se levantavam em frente da tela do cinema e pregavam o evangelho. Outro caso foi o da bispa Sonia Hernandes, fundadora da igreja Renascer em Cristo que ao ver as primeiras chibatadas nas cenas do filme começou a chorar. A Folha convidou três representantes de diferentes correntes evangélicas para assistirem ao filme e todos gostaram, disseram ser um retrato fiel à história, não anti-semita e que pretendiam discutir com fiéis sobre o filme nos cultos. “O que vimos foi uma retratação perfeita das últimas horas de Cristo”, disse o pastor Othoniel de Oliveira Queiroz, da igreja Batista Santa fé. Pesquisando no site www.uol.com.br, pude encontrar várias notícias da época em que foi lançado o filme de Mel Gibson, críticas de bispos católicos, de rabinos, advogados, imprensa e evangélicos. Uma das notícias encontradas no site tinha o título de “Bispo da Igreja Católica francesa condena o filme Paixão de Cristo”, notícia publicada na data de 31/03/2004. O teor da notícia era que bispos da igreja Católica francesa condenaram oficialmente o controverso filme de Mel Gibson, pois para eles o longa-metragem é potencialmente anti – semita e uma distorção da doutrina do cristianismo, e também numa conferência de bispos declararam que Mel Gibson fez um trabalho que pode ser usado para apoiar opiniões anti – semita. A notícia relata também que a França foi hostil em relação ao filme, com críticos de cinema e lideres da igreja denunciando a extrema violência das cenas de castigo e crucificação. A corte de Paris negou um pedido de três irmãos judeus de proibir o filme nos locais onde ele possa incitar violência anti-semita. Uma outra notícia publicada no site na data de 11/02/2004, foi da de que a imprensa italiana reprovou o filme Paixão de Cristo, um dia depois da pré – estréia, ao considerar que ele contem violência gratuita. “as cenas são tão cruéis que muitos espectadores tiveram que se virar ou fechar os olhos”, informou o jornal italiano Corriere della Sera ao mencionar o filme. Já o jornal La
  5. 5. 8 Republica, disse que o filme conta as horas finais de Cristo com a sensibilidade de um boxeador dos pesos – pesados. Outra notícia é a do rabino Henry Sobel publicada na data de 10/03/2004. O rabino disse que o filme Paixão de Cristo é um espetáculo de violência, sem fundamentação histórica e segundo ele bispos católicos que acompanharam a sessão ao seu lado reagiram com repúdio. O rabino ainda disse mais, “incomoda-me que os judeus da época de Jesus sejam retratados como sanguinários e vingativos, enquanto que as virtudes do amor e da compaixão sejam atribuídas exclusivamente aos romanos”. Apesar de desaprovar o filme, Sobel acredita que duas horas de cinema não irão mudar a cabeça de pessoas esclarecidas, mas poderão alimentar ódio e o preconceito em mentes predispostas ao anti-semitismo. Pesquisei também no site www.adorocinema.com.br em que abriu um espaço para as críticas e opiniões dos seus visitantes e pude encontrar a da Vanessa que deu a sua opinião dizendo: “O filme é perfeito, merece liderar o ranking. Foi um filme muito abençoado, com certeza para fazer todo mundo chorar dentro do cinema. Tem que ser, né? Mel Gibson está de parabéns”. A opinião de outro visitante do site, Júlio, foi: Os críticos de cima simplesmente odiaram esse filme, os judeus idem, os que são a favor do casamento gay mais ainda e os que odeiam o cristianismo são os que estão mais furiosos de todos. O motivo está claramente explicado no filme: “Se o mundo vos odeia, sabei que primeiro ele me odiou a mim”. “O discípulo não é maior que seu mestre, se eles me perseguiram, certamente vos perseguiram também”. O pior é que os furiosos com o filme não têm nem mesmo coerência nas acusações que fazem. Muitos estão dizendo que o filme incita ódio ao povo judeu. Dá para imaginar ódio sendo propagado no filme a frase: “Pai, perdoa- lhes, eles não sabem o que estão fazendo”. O filme Paixão de Cristo me fez refletir sobre o que realmente aconteceu na época. Procurei na Bíblia e lá encontrei os textos que asseguravam a história do sacrifício de Jesus, que foi representando no filme. Por exemplo, em Filipenses, capítulo 2, do versículo 5 ao 11, encontramos:
  6. 6. 9 Jesus subsistindo em forma de Deus, não julgou como usurpação o ser igual a Deus; antes, a si mesmo se esvaziou, assumindo a forma de servo, tornando-se em semelhança de homens; e, reconhecido em figura humana, a si mesmo se humilhou, tornando-se obediente até à morte e morte de cruz. Pelo que também Deus o exaltou sobremaneira lhe deu o nome que está acima de todo o nome, para que ao nome de Jesus se dobre todo joelho, nos céus terra e debaixo da terra, e todo a língua confesse que Jesus é o Senhor, para glória de Deus Pai. Sobre esse texto da bíblia concluo que Deus deixou o seu lar e veio como um homem e se humilhou até morrer numa cruz. O filme mostra o amor de Jesus sendo o amor do próprio Deus para com a sua criação, pois veio pagar o preço de toda a injustiça cometida pelos homens e renová-los para que eles pudessem novamente ter intimidade com o próprio Deus. Jesus veio salvar o homem da corrupção e do engano e firmá-los em uma aliança verdadeira com Deus. No filme mostra as partes em que Jesus, ensinava sobre a vontade de Deus. Já em Colossenses capítulo 2, do versículo 13 ao 14, a bíblia diz: É a vós outros que estáveis mortos pelas vossas transgressões e pela incircuncisão da vossa carne, vos deu vida juntamente com ele, perdoando todos os nossos delitos; tendo cancelado o escrito de dívida que era contra nós e que constava de ordenanças, o qual nos era prejudicial, removeu-o inteiramente, encravando-o na cruz. No filme mostra que Jesus foi encravado na cruz e comparando com esse versículo pude entender que, por causa da dívida que tínhamos Deus encravou Jesus na cruz, sendo assim, nos dando a vida em Jesus e perdoando assim todos os nosso delitos. Outro trecho da bíblia que assegura a história do filme é o que está escrito no capítulo5, versículo 12, 17 e 18 que coloca: Portanto, assim como por um homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado, a morte espiritual, assim também a morte espiritual passou a todos os homens, por que todos pecaram, mas se pela ofensa de um e por meio de um só reinou a morte espiritual, muito mais os que recebem a abundância da graça e o dom da justiça reinarão em vida por meio de um só, a saber, Jesus Cristo. Pois assim como, por uma só ofensa, veio o juízo sobre todos os homens para a condenação, assim também, por meio de um só ato de justiça veio a graça sobre todos os homens.
  7. 7. 10 Depois dos muitos açoites e chicotadas e da sua morte o filme Paixão de Cristo mostra a sua ressurreição. A cena mostra o olhar de Jesus de missão cumprida e vitória o que realmente me deixou emocionado. O filme me fez entender que a morte de Jesus não foi uma derrota e sim uma vitória e que a morte não pôde deter o Autor da vida, então ele ressuscitou. A bíblia diz em Romanos no capítulo 6, versículo 5, 6,11: Porque se formos unidos com ele na semelhança de sua morte, certamente, o seremos também na semelhança da sua ressurreição, sabendo isto: que foi crucificado com ele o nosso velho homem, para que o corpo do pecado seja destruído, e não sirvamos o pecado como escravo; “assim também vós considerais-vos mortos para o pecado, mas vivos para Deus”. Comparando o filme com a bíblia pude ver que o filme é coerente com a bíblia. Pude ver que toda a polêmica em que foi envolvido o filme é uma intolerância de religiosos para com os religiosos e que o filme mostrou lições muito importantes como família, amor, perseverança, que devemos ter fé em Deus e amar e perdoar o nosso próximo.
  8. 8. 11 2. A HISTÓRIA, A INFLUÊNCIA E A PRÓPRIA LINGUAGEM Através dos meus trabalhos procurei expressar a dor, o sentimento levando o expectador a refletir aquilo em que propus nas obras. Abstraí o figurativo para encontrar – me com um instinto expressivo, tendo assim, a liberdade em me expressar com pinceladas cheias de tintas com cores violentas e vibrantes, como Vicent Van Gogh que explorava os aspectos das cores. Procurei através delas representar a minha versão das cenas do filme Paixão de Cristo. Monet foi considerado por observação do pintor intelectual Cézanne, “Meramente um olho, mas que olho”, pois Monet traduzia para as suas telas as cenas mas com uma liberdade, um contexto criativo, isso porque Monet descobriu que a cor tem as suas próprias razões e a cor rompe com as nítidas exigências da linha. (Swunglehurst,1995) Monet buscava, então a verdadeira realidade por trás da aparência. Mas é o movimento expressionista que traduz a realidade por trás da aparência.a realidade do mundo interior, o subjetivo foi valorizado dando ao artista expressionista uma liberdade para exprimir os sentimentos do mundo mental e emocional. Pegando a obra ícone do expressionismo da pintura, a tela O Grito, de Edvard Munch, nela é fácil perceber a expressão de um ser humano em extrema convulsão interna, uma angústia transbordante. No meu primeiro trabalho “O Peso da Cruz”, que deu o alicerce para as idéias do meu projeto de conclusão de curso, é nítida a expressão de dor, de desespero e isso foi muito marcante como resultado de um trabalho. Ainda no movimento expressionista busquei influência de pintores como José Clemente Orozco, Oscar Kokoschka e o consagrado pintor brasileiro Cândido Portinari, de certa forma foi um alicerce para que eu firmasse os meus pés na arte instintiva, de expressão violenta e sentimental. A temática de José Clemente Orozco era sempre humanista, criava um mundo de heróis mortos, imagens de homens em luta e um sentimento nacionalista bem evidente em suas obras. Resolvi também nas obras retratar para apenas um herói Jesus Cristo, um herói
  9. 9. 12 eterno. O próprio Deus buscando trazer o homem de volta à liberdade, alertando ao mundo que não acreditasse no sistema. Já o pintor Austríaco Oscar Kokoschka, era um artista que denunciava a bestialidade humana, a injustiça social, a indiferença antes os níveis de classe e o exercício da guerra como partilha sangrenta. Kokoschka combateu em vários campos de batalha, e de todos regressou ferido mas vitorioso. Algumas obras de Oscar eram retratos de grande profundidade psicológica. Oscar era um artista que se identificava com as dores e angústias dos viventes. Os trabalhos dele sugerem um expressionismo de vez mais atormentado e mais rico de virtudes pictóricas e incomuns acordos de tons. O pintor se empenhava em estudar relações de luz, sombra, massa de cor e problemas de tridimensionalidade. No meu segundo trabalho “Carregado por Guardas”, justamente usei tonalidades incomuns numa cena totalmente violenta usei cores fortes e suaves no intuito de descobrir uma subjetividade ainda maior. A pesquisa sobre o movimento impressionista me influenciou muito, pois pude notar que os artistas mais conhecidos desse movimento perseveraram em uma meta artística comum, pois tentavam capturar a ampla luz ao ar livre; no nível do sentimento e procuravam também transmitir a intensidade das primeiras sensações. Através do movimento impressionista houve verdadeiramente um rompimento com a pintura histórica, mas o público burguês continuava a preferir os grandes quadros históricos e as representações alegóricas. Antes do despertar dos artistas impressionistas que eram Monet, Van Gogh, Renoir, Cézanne e outros, a máxima deles era que a linha predominava sobre a cor tendo como o alvo dos artistas a exatidão do desenho e a precisão dos contornos. A cor não servia mais que para a coloração. O movimento neoclassicicista mesmo baseava-se nesse conceito. Em meu trabalho “O Açoite”, (pg.19) que foi o meu primeiro, pude perceber pelo tempo que estive sem pintar, que me prendi as linhas e ao figurativo, buscando me prender a detalhes da cena do filme mais do que expressa a minha versão da cena, só depois de
  10. 10. 13 quase terminar a obra é que comecei a valorizar as cores, com pinceladas mais seguras e espontâneas sem me preocupar com o figurativo e sim liberando a minha expressividade e buscando o equilíbrio da composição. O Impressionismo tinha como o seu maior expoente o pintor francês Claude Monet que dedicou a sua vida à pintura, gostava de pintar ao ar livre, pois queria captar os efeitos mais fugazes e o instante único. Monet dizia que o tema para ele é secundário e que o que ele queria reproduzir era a relação entre a natureza e ele. Monet pintou pouquíssimos retratos, geralmente seus personagens eram inseridos nas paisagens. As paisagens às vezes tinham um clima que indicava o usado psicológico de Monet, estabelecendo ele um paralelismo entre a realidade exterior e a interior. Paul Cézanne foi um pintor impressionista, mas que depois transcendeu de muito o impressionismo. Ele também gostava de pintar ao ar livre, onde buscava inspirações para produzir, mas logo se desencantou com alguns aspectos do impressionismo, pois possuía um senso de construção e estrutura mais forte do que seus contemporâneos, cujas pinturas produziam o efeito de dissolver os objetos num jogo de cores luminosas e vibrantes. Cézanne conseguiu assimilar a união dos tons das formas. Mas no final da década de 1870, suas pinceladas se transformaram em traços de tinta alongados e repetidos, dispostos em linhas paralelas e regulares. Por volta de 1878, o artista se afastou definitivamente do Impressionismo para dedicar – se à análise dos objetos, enfatizando seu volume. Essa fase, chamada de “análise construtiva”, vê nascer telas cuja composição contraria radicalmente as regras tradicionais. À medida que seu estilo se desenvolvia, Cézanne tinha a certeza de que o aspecto bidimensional da pintura não poderia ser negado. Não tinha interesse nenhum em imitar o mundo real. Definia seus quadros como “construções a partir da recriados numa tela plana”. E para representar as verdadeiras relações espaciais entre os objetos sem quebrar a uniformidade da tela, desenvolveu um método próprio: a célebre “profundidade rasa”, que foi considerada um dos milagres da arte e que consistia em representar os objetos dentro de uma óptica de criativo geometrismo, onde volume e espaço estão unificados. Ele adquiriu essa técnica sobrepondo camadas de tinta. Para ele, as figuras deveriam ser
  11. 11. 14 recriadas por meio da cor. Além disso, Cézanne pintava os objetos de múltiplos e simultâneos ângulos, aparentemente trazendo-os à superfície. Essa nova concepção alterou de forma profunda a percepção da realidade, antecipando o aparecimento do Cubismo. Cézanne então se tornou um precursor de um novo movimento intitulado de movimento Expressionista. Sobre a idéia de Cézanne de que as figuras deveriam ser recriadas por meio de cor, produzi um trabalho intitulado “A dor”, onde o meu intuito realmente era construir a composição através da cor. A cena é a de Jesus carregando a sua cruz sentindo a cruz pesando sobe as suas feridas, em nenhum momento contornei ou risquei linhas, mas sim procurei através da justaposição das cores, fazer com que a figura brotasse no meio de uma explosão de cores, mas com equilíbrio, dando uma expressividade emocionante ao trabalho. O movimento Expressionista nasce na Alemanha por volta de 1905 seguindo a tendências de pintores do final do século XIX, como Cézanne, Gauguin, Van Gogh e Matisse marcou o início de uma nova forma de arte e tinha como principais características a pesquisa no domínio psicológico; cores resplandecentes e vibrantes, fundidas ou separadas; dinamismo improvisado, abrupto, inesperado; pasta grossa, martelada, áspera; técnica violenta: pincel ou espátula, fazendo e refazendo, empastando ou provocando explosões; preferência pelo patético, trágico e sombrio. O pintor Norueguês Munch (1863-1944) foi um ícone desse movimento, pois conseguia conceder às cores um valor simbólico e subjetivo. Por causa da morte de sua mãe posteriormente da sua irmã, Munch expressava todo o drama que viveu ao contemplar a sua mãe posteriormente a sua irmão doente. As suas obras transmitiam tristeza, angústia. As cenas eram mórbidas e as cores em suas telas levavam o espectador para um clima fúnebre e trágico. Uma de suas obras mais importantes é O Grito (1889). O Grito é um exemplo dos temas que sensibilizaram os artistas ligados a essa tendência. O Grito foi representação dos próprios problemas psicológicos de Munch, do seu desespero, pois estava grandemente atormentado pelas perdas e magos. Nela a figura humana não apresenta suas linhas reais mais contorce-se sob o efeito de suas emoções. Perseguido pela tragédia familiar, Munch
  12. 12. 15 foi um artista que recusou o banal, as cenas interiores pacíficas comuns na sua época e representam a dor e o trágico em seus quadros. Munch tinha um de seus mais importantes temas, A Criança Doente. Neste retrato da lembrança da triste impressão da irmã morrendo, ele parece ter rompido as amarras do naturalismo e encontrando uma linguagem mais poderosa, capaz de expressar as emoções pessoais mais fortes. Em retrospectiva, ele acreditava que essa obra de arte havia sido a semente para seus trabalhos posteriores de grande expressão de recordações pesarosas. No quadro “O Peso da Cruz”, uma familiarização com as obras de Munch que me influenciou, pois os temas utilizados por ele me deu o respaldo que precisava para pintar as telas baseadas no filme Paixão de Cristo. Mostrar a expressão de dor, de luto e de impacto. Já o pintor brasileiro Cândido Portinari, tinha a miséria como o motivo constante dos seus quadros mais famosos. È o artista cuja sensibilidade e inteligência lhe permitiram captar e exprimir agudamente a tragédia humana das estradas secas e dos campos estéreis. Em 1917, Anita Mafaltti fazia exposição de telas expressionistas que trouxera de seu aprendizado na Alemanha e nos Estados Unidos. Amostra que prenunciou a Semana de Arte moderna de 1922, a vida artística do Rio não foi abalada. As exposições continuavam raras, de um ou outro paisagista italiano de passagem, algum pintor português recém chegado. Até Lasar Segall expõe sem alarde em Campinas. Nesse ambiente, Portinari estudava e buscava definir um estilo. Ainda amarrado nos laços acadêmicos, seus trabalhos já mostravam uma liberdade de traço e maturidade. Em 1928, Portinari apresenta-se ao Salão Nacional e conquista um prêmio de viagem a Paris. Dois anos ficará na Europa. Observando, estudando, discutindo. Nesses dois anos, a produção de Portinari limita-se a três naturezas mortas. Logo que chega da Europa, Portinari é convidado a participar da primeira exposição coletiva moderna no Rio: o Salão de 1931. Ele evoluiu para um estilo figurativo, emancipando-se da linha clássica e mostrava uma segurança cada vez maior. Ele concentrava-se no homem, nos problemas sociais, na tentativa de exprimir a terra brasileira. Buscava retratar os morros, as favelas cariocas e começando a tentar para o monumental, que exaltava o trabalho braçal do homem da terra dando um novo rumo para a sua carreira artística.
  13. 13. 16 A guerra levou a obra de Portinari à vigorosa fase expressionista. Pois Portinari conheceu a crueza da guerra e a degradação provocada pelos conflitos. Dessa fase de vida, ele produziu a série de os Retirantes, as obras tinham personagens esquálidos e mutilados, famélicos e maltrapilhos. A citação dos artistas impressionistas e expressionistas, tem a devida importância pelo simples fato de que, todas as técnicas pesquisadas e todos os conceitos artísticos influenciaram nos meus trabalhos. Ao estudar sobre a linguagem de expressão de cada artista pude entender a conquista que foi adquirida para que hoje eu possa ter liberdade para produzir os meus trabalhos alicerçados na perseverança desses pintores citados neste trabalhos. Para mim a pintura não se trata apenas da representação do que a minha percepção visual é capaz de captar. Se vejo uma paisagem não tenho mais o anseio de imitar através da pintura o que eu vejo, mas sim deformar o que vejo. E essas pesquisas sobre pintores impressionistas me fez enxergar que cor representa liberdade, pinceladas curtas com ousadia, a luminosidade, o movimento, o colorido e a composição. Pude perceber que pintar é um momento de criação e não de imitação da realidade. A cor se tornou muito importante mas aprendi que é preciso ter sensibilidade para concluir uma obra, tendo sempre equilíbrio entre as cores, pois certas cores não combinam juntas. Não é só jogar uma porção aleatória de tinta numa tela branca e pronto, mas tem que haver uma harmonia entre os tons de cores. Pesquisando sobre Paul Cézanne, pude entender sua preocupação em buscar a sua própria linguagem, enfatizando o volume e dando valor ao aspecto bidimensional. Ele foi uma das pontes que levou os pintores a lutarem pela própria expressão. Os pintores que herdaram dos impressionistas, a liberdade na temática, nos conceitos artísticos e tendo as suas próprias descobertas. E esse momento foi extremamente oportuno para o início do movimento expressionista.
  14. 14. 17 O intuito ao escolher o filme Paixão de cristo, foi a de que teria uma vasta inspiração, pois as cenas são muito fortes e expressivas. E ao estudar o movimento expressionista, pude encontrar o respaldo artístico que precisava para a produzir de maneira violenta e expressiva. Artistas como Munch, Portinari, Orozco e Oscar Kokoschka, retratavam heróis na revolução no México sendo esfaqueados, sendo queimados, esqueletos num mar de sangue, a morte é representada como a conseqüência das lutas sociais da época. A violência é então sintetizada nas obras de Orozco. As doze últimas horas da vida de Jesus representadas no filme Paixão de Cristo, justamente enfoca a violência, a conseqüência de toda injustiça praticada pela humanidade culminou na morte de Jesus o enviado de Deus. Essa violência sugerida por Orozco foi de suma importância para a produção dos meus trabalhos. Inspirado pelo filme e pelas obras de Orozco tive um repertório amplo para a minha expressão artística. Portinari representava em suas obras a miséria, a tragédia humana e isso foi necessário para a linguagem expressiva dos meus trabalhos, que tiveram nos personagens de Portinari, a inspiração para representar o drama psicológico que Jesus sentiu. Jesus foi torturado fisicamente e psicologicamente e ainda sabendo que iria ser crucificado.
  15. 15. 18 3. A PRODUÇÃO ARTÍSTICA 3.1 A Dor Impactado pelo filme, produzi um trabalho em tela e tinta óleo representando a dor, o sofrimento baseado nas cenas do filme de Mel Gibson, esse trabalho foi produzido na disciplina do professor Darwin Antonio Longo de Oliveira no terceiro ano do curso de Artes Visuais da UFMS. A produção foi uma surpresa pois encontrei nela a semente para o projeto de conclusão do curso.
  16. 16. 19 3.2 O Açoite A cena do filme em que Jesus era açoitado me inspirou a começar o processo da criação das obras. O Açoite retrata a brutalidade, o meu intuito nesse trabalho foi de produzir uma cena forte e violenta pois ao assistir o filme tive vontade de expressar o impacto e não o meu próprio sentimento em relação ela. Ao pintar senti inicialmente uma insegurança em relação a minha própria expressão pois me prendi ao figurativo. Usei muito a cor vermelha para enfocar a violência, com pinceladas bruscas consegui desenvolver uma textura dando uma idéia de feridas no corpo inteiro de Jesus.
  17. 17. 20 3.3 Carregado Pelos Guardas Nessa obra a minha prioridade foi a de abstrair sem me importar em representar a figura de Jesus. Minha intenção foi de deformar o rosto de Jesus, pois o meu foco foi a expressividade e a subjetividade. É um trabalho que expressa uma morbidez e dramaticidade muito forte, pois o corpo de Jesus estava totalmente enfraquecido depois de ser torturado pelos guardas romanos. As cores são vibrantes. Usei a cor azul, o amarelo, o preto e muito vermelho e através de traços sobrepostos busquei uma harmonia entre as cores. Concluir esse trabalho foi uma conquista significativa para o processo criativo das próximas obras. A liberdade das pinceladas, o experimento das cores, a subjetividade da cena e a dramaticidade é o intuito desse trabalho.
  18. 18. 21 3.4 O Peso da Cruz A dor de levar uma cruz depois de ter sido torturado e humilhado me inspirou a produzir o trabalho O Peso da Cruz. Esse trabalho expressa uma dor gritante e angustiante que retrata o sofrimento de Cristo. As cores transmitem uma repulsa e uma atmosfera sombria, pois as cores são densas e violentas. As cores utilizadas foram o verde, o lilás, o amarelo, o preto, o ocre e o vermelho. È um trabalho de muita força expressiva.
  19. 19. 22 3.5 A Tortura Os guardas romanos acorrentaram Jesus em um toco e depois de açoitá-lo começaram a flagelar o corpo de Jesus com instrumentos de tortura. Busquei reproduzir o momento dramático mas experimentando a tonalidade das cores. As cores deram uma subjetividade e deram uma harmonia à composição. O fundo negro fez com que o foco estivesse na cena de Jesus sendo flagelado. As cores se misturam e se entrelaçam dando uma suavidade ao mesmo tempo em que é forte e violento.
  20. 20. 23 3.6 Sendo Pregado Essa obra é a confirmação do estudo que foi feito sobre as linguagens poéticas de artistas impressionistas e expressionistas. Depois de um processo gradativo de vários experimentos e tentativas pude sentir uma satisfação ao concluir essa obra. Essa tela agride os sentidos e tem uma impulsividade vibrante proporcionada pela explosão de cores. As cores levam essa obra à uma subjetividade e uma emotividade. O sentimento de dor foi representado nessa obra mas também um clima de alucinação é percebido ao analisá-la. A harmonia das cores proporciona uma leveza ainda que a cena seja dramática.
  21. 21. 24 3.7 Crucificado A crucificação é o ápice do filme, pois Jesus cumpriu a sua missão de salvar todos os homens da escravidão do pecado. Esse foi o último quadro e nele procurei captar o momento triste mais sublime. As cores quentes e vibrantes dão à obra uma beleza e uma singeleza, apesar do trabalho ser forte e emotivo. A representação de Jesus indefeso e angustiado proporciona uma reflexão de profundidade psicológica. Usei muito o vermelho para criar o aspecto de sangue e o amarelo para contrapor com o azul. Pinceladas cruzadas, pinceladas carregadas de tintas, o equilíbrio entre as cores resultaram uma obra expressiva e harmoniosa.
  22. 22. 25 CONSIDERAÇÕES FINAIS Este trabalho tratou especificamente de mostrar o avanço da liberdade da poética na pintura, que alicerçou meus estudos em relação às cores, formas e composições. Foi traçado um caminho de descobertas, analisando os movimentos impressionistas e expressionistas, fazendo experimentos até encontrar uma harmonia nas composições. O impressionismo acrescentou ao repertório artístico estabelecido um vasto conjunto de novos motivos que haviam sido negligenciados por seus predecessores e que foram perspectivos por seus sucessores, ao longo do pós-impressionismo e até os tempos modernos. A liberdade para a própria linguagem artística foi adquirida e o artista começou a valorizar a sua expressividade. O expressionismo enfoca a emoção psicológica de vários artistas que surgiram para dar à arte a sua contribuição poética. Usavam arte como um meio de dizer ao mundo sobre as suas perturbações, ansiedades, perversidades, sensibilidades e paixões. O tempo é usado pelo seu conteúdo transcendental, polêmico e violento, inspirou- me a produzir esse trabalho e me fez expressar neles as minhas próprias reflexões e emoções sobre o filme paixão de Cristo. Sobre o sacrifício do Sr. Jesus na Cruz do Calvário que aconteceu há 2.000 anos representado em 2004 no filme paixão de Cristo.
  23. 23. 26 BIBLIOGRAFIA ASH, Russel. Os Impressionistas, Estações do Ano. Trad. Barbosa Theoto Lombert, Cecília Camargo Bartalotte e Ilka Brunhilde Louríto. São Paulo: Cia Melhoramentos, 1998. BECKS, Ubrike. Malorny Cezánne. O pai da Arte Moderna. 1839-1906. Taschen, 1996. CAVENDISH, Marshall. Romantismo e Impressionismo, Moderno. São Paulo: Nova Cultural, 1991. PEREIRA, Aldo. Vincent Van Gogh. Rio de Janeiro: Globo S.A, (1991,1997). ABRIL CULTURAL Gênios da Pintura. SWINGLEHURST, Edmund. Vida e obra de Monet. Trad. de Talita M. Rodrigues. Rio de Janeiro: Ediouro, 1995. Tudo sobre o filme Paixão de Cristo. Disponível em: < http://www.google.com.br> Acesso em: 11 out. 2006.z Impressionismo e Expressionismo. Disponível em: < http://www.historiadoarte.com.br> Acesso em: 11 out. 2006. Especial “A Paixão de Cristo”: Saiba tudo sobre o polêmico filme que estreou em 512 salas no país. Disponível em: < http:// www.uol.com.br> Acesso em: 12 out. 2006. A Paixão de Cristo. Disponível em: < http://www.adorocinema.com> Acesso em: 13 nov. 2006.
  24. 24. 27 4. PORTIFÓLIO Impactado pelo filme, produzi um trabalho em tela e tinta óleo representando a dor, o sofrimento baseado nas cenas do filme de Mel Gibson, esse trabalho foi produzido na disciplina do professor Darwin Antonio Longo de Oliveira no terceiro ano do curso de Artes Visuais da UFMS. A produção foi uma surpresa pois encontrei nela a semente para o projeto de conclusão do curso. O Açoite A cena do filme em que Jesus era açoitado me inspirou a começar o processo da criação das obras. O Açoite retrata a brutalidade, o meu intuito nesse trabalho foi de produzir uma cena forte e violenta pois ao assistir o filme tive vontade de expressar o impacto e não o meu próprio sentimento em relação ela. Ao pintar senti inicialmente uma insegurança em relação a minha própria expressão pois me prendi ao figurativo. Usei muito a cor vermelha para enfocar a violência, com pinceladas bruscas consegui desenvolver uma textura dando uma idéia de feridas no corpo inteiro de Jesus. Carregado Pelos Guardas Nessa obra a minha prioridade foi a de abstrair sem me importar em representar a figura de Jesus. Minha intenção foi de deformar o rosto de Jesus, pois o meu foco foi a expressividade e a subjetividade. É um trabalho que expressa uma morbidez e dramaticidade muito forte, pois o corpo de Jesus estava totalmente enfraquecido depois de ser torturado pelos guardas romanos. As cores são vibrantes. Usei a cor azul, o amarelo, o preto e muito vermelho e através de traços sobrepostos busquei uma harmonia entre as cores. Concluir esse trabalho foi uma conquista significativa para o processo criativo das
  25. 25. 28 próximas obras. A liberdade das pinceladas, o experimento das cores, a subjetividade da cena e a dramaticidade é o intuito desse trabalho. O Peso da Cruz A dor de levar uma cruz depois de ter sido torturado e humilhado me inspirou a produzir o trabalho O Peso da Cruz. Esse trabalho expressa uma dor gritante e angustiante que retrata o sofrimento de Cristo. As cores transmitem uma repulsa e uma atmosfera sombria, pois as cores são densas e violentas. As cores utilizadas foram o verde, o lilás, o amarelo, o preto, o ocre e o vermelho. È um trabalho de muita força expressiva. A Tortura Os guardas romanos acorrentaram Jesus em um toco e depois de açoitá-lo começaram a flagelar o corpo de Jesus com instrumentos de tortura. Busquei reproduzir o momento dramático mas experimentando a tonalidade das cores. As cores deram uma subjetividade e deram uma harmonia à composição. O fundo negro fez com que o foco estivesse na cena de Jesus sendo flagelado. As cores se misturam e se entrelaçam dando uma suavidade ao mesmo tempo em que é forte e violento. Sendo Pregado Essa obra é a confirmação do estudo que foi feito sobre as linguagens poéticas de artistas impressionistas e expressionistas. Depois de um processo gradativo de vários experimentos e tentativas pude sentir uma satisfação ao concluir essa obra. Essa tela agride os sentidos e tem uma impulsividade vibrante proporcionada pela explosão de cores. As cores levam essa obra à uma subjetividade e uma emotividade. O sentimento de dor foi
  26. 26. 29 representado nessa obra mas também um clima de alucinação é percebido ao analisá-la. A harmonia das cores proporciona uma leveza ainda que a cena seja dramática. Crucificado A crucificação é o ápice do filme, pois Jesus cumpriu a sua missão de salvar todos os homens da escravidão do pecado. Esse foi o último quadro e nele procurei captar o momento triste mais sublime. As cores quentes e vibrantes dão à obra uma beleza e uma singeleza, apesar do trabalho ser forte e emotivo. A representação de Jesus indefeso e angustiado proporciona uma reflexão de profundidade psicológica. Usei muito o vermelho para criar o aspecto de sangue e o amarelo para contrapor com o azul. Pinceladas cruzadas, pinceladas carregadas de tintas, o equilíbrio entre as cores resultaram uma obra expressiva e harmoniosa.
  27. 27. 30 A Dor O Açoite Técnica: Tinta a Óleo sobre tela Técnica: Tinta a Óleo sobre tela Medida: 30 x 30 Medida: 50 x 80 Carregado Pelos Guardas Técnica: Tinta a Óleo sobre tela Medida: 60 x 60
  28. 28. 31 O Peso da Cruz Técnica: Tinta a Óleo sobre tela Medida: 70 x 70 A Tortura Técnica: Tinta a Óleo sobre tela Medida: 60 x 80
  29. 29. 32 Sendo Pregado Técnica: Tinta a Óleo sobre tela Medida: 60 x 80 Crucificado Técnica: Tinta a Óleo sobre tela Medida: 60 x 80
  30. 30. 33
  31. 31. 34
  32. 32. 35 CONSIDERAÇÕES FINAIS Este trabalho tratou especificamente de mostrar o avanço da liberdade da poética na pintura, que alicerçou meus estudos em relação às cores, formas e composições. Foi traçado um caminho de descobertas, analisando os movimentos impressionistas e expressionistas, fazendo experimentos até encontrar uma harmonia nas composições.
  33. 33. 36 O impressionismo acrescentou ao repertório artístico estabelecido um vasto conjunto de novos motivos que haviam sido negligenciados por seus predecessores e que foram perspectivos por seus sucessores, ao longo do pós-impressionismo e até os tempos modernos. A liberdade para a própria linguagem artística foi adquirida e o artista começou a valorizar a sua expressividade. O expressionismo enfoca a emoção psicológica de vários artistas que surgiram para dar à arte a sua contribuição poética. Usavam arte como um meio de dizer ao mundo sobre as suas perturbações, ansiedades, perversidades, sensibilidades e paixões. O tempo é usado pelo seu conteúdo transcendental, polêmico e violento, inspirou- me a produzir esse trabalho e me fez expressar neles as minhas próprias reflexões e emoções sobre o filme paixão de Cristo. Sobre o sacrifício do Sr. Jesus na Cruz do Calvário que aconteceu há 2.000 anos representado em 2004 no filme paixão de Cristo. BIBLIOGRAFIA ASH, Russel. Os Impressionistas, Estações do Ano. Trad. Barbosa Theoto Lombert, Cecília Camargo Bartalotte e Ilka Brunhilde Louríto. São Paulo: Cia Melhoramentos, 1998. BECKS, Ubrike. Malorny Cezánne. O pai da Arte Moderna. 1839-1906. Taschen, 1996. CAVENDISH, Marshall. Romantismo e Impressionismo, Moderno. São Paulo: Nova Cultural, 1991.
  34. 34. 37 PEREIRA, Aldo. Vincent Van Gogh. Rio de Janeiro: Globo S.A, (1991,1997). ABRIL CULTURAL Gênios da Pintura. SWINGLEHURST, Edmund. Vida e obra de Monet. Trad. de Talita M. Rodrigues. Rio de Janeiro: Ediouro, 1995. Tudo sobre o filme Paixão de Cristo. Disponível em: < http://www.google.com.br> Acesso em: 11 out. 2006.z Impressionismo e Expressionismo. Disponível em: < http://www.historiadoarte.com.br> Acesso em: 11 out. 2006. Especial “A Paixão de Cristo”: Saiba tudo sobre o polêmico filme que estreou em 512 salas no país. Disponível em: < http:// www.uol.com.br> Acesso em: 12 out. 2006. A Paixão de Cristo. Disponível em: < http://www.adorocinema.com> Acesso em: 13 nov. 2006.

×