Your SlideShare is downloading. ×
Informativo abrato sc
Informativo abrato sc
Informativo abrato sc
Informativo abrato sc
Informativo abrato sc
Informativo abrato sc
Informativo abrato sc
Informativo abrato sc
Informativo abrato sc
Informativo abrato sc
Informativo abrato sc
Informativo abrato sc
Informativo abrato sc
Informativo abrato sc
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Informativo abrato sc

1,549

Published on

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
1,549
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
17
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Associação brasileira de terapeutas ocupacionais, Regional Santa Catarina Abrato-SCT erapia Ocupacional é... uma profissão da: área da saúde, do social e da educação que visa a estimulação e o desenvolvimento das habilidades do individuo objetivando facilitar e melhorar o seu desempenho nas atividades que realiza em sua vida. Núcleo de Estudos de Terapia Ocupacional do Centro-Oeste Mineiro – Netocom – POPULAÇÃO CONCIENTE – “TERAPIA OCUPACIONAL SÓ COM TERAPEUTA OCUPACIONAL”
  • 2. Associação brasileira de terapeutas ocupacionais, Regional Santa Catarina Abrato-SC E-mail: abrato-sc@hotmail.com www.abratosc.blogspot.com Diretoria Dra. Lizete Antunes Dra. Almerize Leite Dra. Lenita de Villa Dra. Luciane Frutuoso Dra. Beatriz Macali Dra. Suzana Elisa Sedrez Correa Dra. Camille Weiser Dra. Crystiane Castelen Dra. Renata Florez Rocha Dr. Regis Nepomuceno Dra. Paula Agnolin Dra. Ubiritan Oliveira Gestão: 2011-2013 ARTICULADORES DO INFORMATIVO Dra. Camille Weiser Dra Renata Florez Rocha Dra. Lizete Antunes AUTORES Dra. Almerize Leite Dra. Beatriz Macali Dra. Cibeli de Andrade Engler Dr. Regis Nepomuceno Dra. Sandra Fabiana Vieira Dra. Vera Lucia Lehn ENTREVISTA Dra. Paula Agnolin ANO I, NÚMERO 1/2011, JOINVILLE/SC
  • 3. TERAPIA OCUPACIONAL e sua história: • Desde os primórdios o ser humano utiliza a atividade (ocupação) como produtora de saúde física, mental e ATUALMENTE ... social. • Segundo o bom e velho ditado popular: “Quem canta seus males espanta.” A Terapia Ocupacional é uma profissão da saúde, daNo século XVIII, os grandes hospitais psiquiátricos, começam a ser educação e do social, regulamentada, de nível superiorsistematizadas o uso das atividades humanas como umapossibilidade de tratamento. Nesta época as atividades surgiram que tem a atividade humana como elementopara padronizar e normalizar comportamentos. Serviam também, centralizador e orientador, possibilitando mudançascomo forma de gerar mão de obra, recursos a ser utilizados pela criativas na busca da independência e autonomia dosprópria instituição. sujeitos. Para tanto, é necessário respeitar as singularidades e potencializar as multiplicidades de cada sujeito, ambiente, situação e contexto, levando em consideração as fragilidades e forças de cada um na superação das dificuldades. (ROCHA, 2009). Libertando lunáticos de suas correntes no Asilo Salpetrière em Paris” (Boston Harbor Museum) Tony Robert-Fleury: “Philippe Pinel (1745-1826)A Terapia Ocupacional surge oficialmente no final da PrimeiraGuerra Mundial nos EUA como uma profissão da saúde que vinhapara tratar dos mutilados (físicos e emocionais).Esta resultou em aumento de disfunções físicas de boa parte dapopulação atingida, sendo, necessário promover o retorno doindividuo ao convívio social junto à família e comunidade. Diantede tudo isso, a Terapia Ocupacional amplia e qualifica o empregodo treino das Atividades da Vida Diária (AVD´s), bem como buscao aperfeiçoamento das próteses de extremidade superior, entreoutros possíveis procedimentos. Estamos diante de umaabordagem curativa, clinica devido á demanda traumatológicados pacientes. Campo social e núcleos de saberesNo período da segunda guerra mundial no Brasil as atuaçõesestavam voltadas aos pacientes crônicos, tais como os portadoresde tuberculose, as deficiências congênitas, pois era comprovada a Fonte: ROCHA, Renata Florez.eficiência da Terapia Ocupacional, bem como os benefícios Cinedebate:(des)construindo territórios da loucura. 2009gerados ao Estado diante da alta deste tipo de paciente (JARDIM, [dissertação] / Renata Florez Rocha– Fpolis (SC):UFSC/PEN, 2009.2009). 117pFonte: JARDIM A. L. Revendo as Origens da Terapia Ocupacional – uma Gráfico: www.revistasusp.sibi.usp.br/scielo.php?pid=S1...possibilidade a mais para compreender o nosso papel na atualidade,Publicado no Blog Fisioterapia Hoje em 2009. Associação brasileira de terapeutas ocupacionais, regional de Santa Catarina – Abrato-SC e-mail: abrato-sc@hotmail.com
  • 4. Atividade simples e suas possibilidades sob o olhar da TERAPIA OCUPACIONAL Impossibilidade para abrir uma lata Com o adaptador melhora o posicionamento Causa: Acentuado estresse nas pequenas das articulações facilitando o desempenho. articulações da mão. Fonte: www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext www.ufmg.br/diversas/12/ciencias-da-saude.teras www.img.youtube.com/vi/g8v6swO0yUo/0.jpg www.revistasusp.sibi.usp.br/scielo.php?pid=s1415-91042004000300006&scrip=sci_arttext É possível melhorar o desempenho das atividades simples do cotidiano como o uso de adaptações, tais como nos talheres; no computador; ao subir ou descer uma escada, ou entre outras.Associação brasileira de terapeutas ocupacionais, regional de Santa Catarina – Abrato-SC e-mail: abrato-sc@hotmail.com
  • 5. ONDE ENCONTRAR UM TERAPEUTA OCUPACIONAL? CRIANÇAS E ADOLESCENTESNeonatologia e estimulação precoce; Atrasos do desenvolvimento psicomotor e cognitivo;Deficiências sensoriais; Disfunções neurológicas; Problemas ortopédicos e músculo-esqueléticos; Problemas cardiopulmonares; Deficiências do sistema auto-imune; Dificuldades psicossociais; Negligência e abuso infantil, entre outras, ... ADULTOS E IDOSOS Disfunções neurológicas (aspectos cognitivos, visuais e psicomotores) Problemas ortopédicos e músculo-esqueléticos; Problemas cardiopulmonares; Doenças imunológicas; Dificuldades psicossociais (saúde mental, gerontologia, presidiários, entre outros);Disfunções do sistema cutâneo (queimaduras e dermatoses); Saúde da mulher. TERAPIA OCUPACIONAL NO MUNDO DO TRABALHO Educação para o Trabalho Promoção de Saúde, Prevenção de Riscos Processos de Trabalho. Ergonomia; Adaptação e Reabilitação Profissional (inserção no Mercado de Trabalho; Creches, escolas eaproveitando as potencialidades e respeitando universidades; as limitações); Comunidade; - Saúde do Trabalhador; Empresas e fábricas; Outras instituições públicas ou privadas - TERAPIA OCUPACIONAL NA EDUCAÇÃO OUTRAS AREAS... Associação brasileira de terapeutas ocupacionais, regional de Santa Catarina – Abrato-SC e-mail: abrato-sc@hotmail.com
  • 6. ÓRTESES DE MÃOS Drª Vera Lúcia Mendes Lehm*ÓRTESES: Vem da palavra grega orthos que significa corrigir.O que é Órtese: é um dispositivo utilizado para suportar, imobilizar um segmento durante a fase de recuperação, ou para corrigir eprevenir deformidades, podendo ser estáticas, dinâmicas seriadas e progressivas.O principal objetivo: é promover o equilíbrio biomecânico, por meio da aplicação de forças de contenção externa ao segmentocomprometido.As indicações quanto seu uso: Imobilização de um segmento; auxílio nos movimentos da mão, correção e prevenção nasdeformidades, alívio da dor; melhorar o posicionamento da mão.Quanto sua classificação: Antebraço, mão, dedo, palmar, dorsal, rígido ou macioQuem pode indicar o uso da Órtese: O médico e o terapeuta responsável, poderá indicar qual o tipo de órtese adequada.Quanto ao material: Existem vários materiais disponíveis no mercado que distinguem por sua composição sintética. O material a seradotado depende da finalidade e a experiência do terapeuta.IMPORTANTE: As órteses são confeccionadas por um terapeuta ocupacional ou terapeuta de mão com especialidade em Terapia damão e com treinamento especializado e muita experiência.A órtese deverá ser: Simples, confortável, de fácil colocação, livre de pontos de pressão, facilmente ajustável, leve, prática, moldável e de fácilmanutenção para a limpeza. MODELOS: Órtese dinâmica para lesão de nervo mediano ou contratura articular Indicação: Quando a limitação do movimento da mão estiver comprometida e ainda, com encurtamento da musculatura intrínseca e extrínseca da mão. Objetivo: Para prevenção de contratura da musculatura intrínseca Órtese dinâmica para lesão do nervo radial da mão e no auxílio da flexão das metacarpofalangianas.Indicação: Lesão do nervo radial no pré e pós operatório.Objetivo: Promover a extensão de punho e dedos, facilitando amanipulação dos objetos, auxilia no fortalecimento da musculaturaextensora pela resistência oferecida pelos elásticos e melhorando oefeito tenodese. Órtese para Dupuytren Indicação: É uma intervenção terapêutica essencial no pós-operatório, sendo sua utilização iniciada precocemente. Objetivo: p/manter o ganho da extensão dos dedos pós-cirúrgico. Órtese Para Lesão Mista De Nervo Ulnar e Nervo MedianoIndicação: É comum este tipo de lesão nervosa próxima ao punhonazona de Verdan.Objetivo: Prevenção da deformidade em contratura em adução do1º espaço, mão em garra e dificuldade para oposição. Associação brasileira de terapeutas ocupacionais, regional de Santa Catarina – Abrato-SC e-mail: abrato-sc@hotmail.com
  • 7. Órtese do tipo Cock- up Órtese para dedo em martelo Indicação: Utilizada em várias patologias sendo elas neurológicas Indicação: O tratamento do dedo martelo depende do tempo de lesão e grau de deformidade em flexão. e/ou ortopédicas. Obj: Recomenda-se a imobilização interrupta por 6 a 8 Obj: Estabilizar, prevenir e corrigir o desempenho funcional da mão. semanas. Órtese modelo funcional Indicação:Utilizadas para patologias neurológicas e ortopédicas. Órtese dinâmica de punho Objetivo: Manutenção do arco funcional da mão e prevenção das deformidades. Indicação: Para ganho da extensão e flexão do punho. Obj: Restaurar a amplitude dos movimentos perdidos após uma lesão e/ou fratura. Órtese de nervo ulnar Indicação: Indicadas para lesões do nervo ulnar. Órtese dinâmica para rigidez da falange Objetivo: Para correção da musculatura intrínseca da mão e proximal restaurar a flexão das metacarpofalangiana causada pela lesão do nervo ulnar. Indicação: Para o uso em lesões tendinosas e fraturas de falange. Objetivo: Prevenção e correção de contratura muscular, rigidez articular e ganho de amplitude do movimento. * Terapeuta ocupacional, CREFITO Nº11023 Terapia da Mão Email: vera.lehm@hotmail.comObs.: A terapeuta ocupacional Vera Lehm foi à responsável pela confecção das órteses aqui ilustradas. Associação brasileira de terapeutas ocupacionais, regional de Santa Catarina – Abrato-SC e-mail: abrato-sc@hotmail.com
  • 8. TERAPIA OCUPACIONAL X COGNIÇÃO NA 3ª IDADE Dra Beatriz Macali Souza* Dra. Almerize Verônica Leite** Dra. Cibeli de Andrade Engle*** . A Secretaria de Assistência Social de Joinville no âmbito da Proteção Social Básica possui um Serviço específico a pessoa idosa, chamado Centro de Convivência do Idoso – CCI. O CCI possui na sua equipe técnica o profissional de TERAPIAOCUPACIONAL que realiza um projeto denominado “Projeto Cognição”. Partindo da compreensão de que a qualidade de vida naTerceira Idade está relacionada com o bem estar biopsicossocial do idoso, o Terapeuta Ocupacional atua no sentido de promover ações que visam à estimulação da memória para que possam contribuir na promoção da saúde cognitiva. O projeto é desenvolvido semanalmente por meio de: vivências de grupo, exercícios cognitivos (relaxamento,jogos diversos, história de vida dos idosos, contação de casos, documentários, vídeos e outros); oferecendo material informativo onde o idoso seja realmente um protagonista social. Sabe-se que as falhas da memória são episódios que podem acometer o ser humano em qualquer idade, embora seja uma queixa muito freqüente entre os idosos. Esta realidade justifica o fato de que durante o processo de envelhecimento ocorrem mudanças que interferem na qualidade do funcionamento da memória, destacando-se: perdas fisiológicas; diminuição da capacidade de concentração, atenção, aprendizado e processamento das informações. A perda da memória provocada pelo avanço da idade ocorre em parte, por uma adaptação do cérebro à nova condição de vida iniciada na terceira idade. As células relacionadas às atividades menos utilizadas seriam desativadas para concentrar esforços em áreas mais necessárias ao novo modo de vida. O que geralmente acontece é que, ao se aposentar, o indivíduo não é mais requisitado a utilizar a sua memória recente, conhecida como memória de trabalho e que se refere aos fatos do cotidiano.Sem se submeter à correria do dia-a-dia, que exigem a realização de muitas tarefas, essa função é praticamente descartada pelo cérebro. Ele, então, dá prioridade a outro tipo de memória, a remota, que o remete a lembrança do passando distante.É importante ressaltar que processo de aprendizagem não se interrompe na velhice! Aprender uma nova atividade e estimular o raciocínio por meio de jogos, por exemplo, é uma excelente atividade para o cérebro. Nesse sentido, o “Projeto Cognição” possibilita a manutenção dos papéis sociais, do exercício de cidadania e da autonomia, contribuindo para a promoção de um envelhecimento ativo e saudável.Fotos:Dra. Beatriz Macali * terapeuta ocupacional, Especialista em Gerontologia, CREFITO 10/4079 ** terapeuta ocupacional, Especialista em Psicopedagogia, CREFITO 10/4174 *** terapeuta ocupacional, Especialista em Gerontologia, Coordenadora do Centro de Convivência do Idoso, CREFITO 10/4465 Associação brasileira de terapeutas ocupacionais, regional de Santa Catarina – Abrato-SC e-mail: abrato-sc@hotmail.com
  • 9. TERAPIA OCUPACIONAL NA EDUCAÇÃO Dr. Régis Nepomuceno Peixoto*A Terapia Ocupacional é a profissão da área da saúde que atua na reabilitação e habilitação Funcional de pessoas quepor qualquer problema, seja de origem física, emocional ou social não consigam realizar as atividades básicas quepromoverão independência e autonomia, aquisição dos requisitos para continuidade no desenvolvimento humano epromoção do bem-estar biopsicossocial.O ser humano se desenvolve e adquire recursos para um viver saudável através da Ocupação. Entende-se porOcupação Humana as Atividades de Vida Diária, Atividades de Vida Prática ou Instrumentais de Vida Diária, Trabalhoe Lazer. Assim como o Desenvolvimento Humano a Ocupação Humana, que é o instrumento do Desenvolvimento,possui fases e evolui gradativamente de acordo com as necessidades de sobrevivência da pessoa.Considerando as necessidades de Desenvolvimento do ser humano, a criança, por sua vez, possui como suasOcupações o Brincar, a Independência nas Atividades de vida diária, iniciação de atividades de vida prática, Trabalhoe Lazer. Onde podem ser considerados Trabalho da criança as atividades escolares, sendo que o lazer e o brincar nãosão sinônimos, necessitando assim que a criança possua os dois itens para um melhor desenvolvimento global.Assim, por ser, o terapeuta ocupacional o profissional que possui a Ocupação humana como instrumento detrabalho, cabe a ele identificar e interferir em qualquer alteração nas Ocupações da criança e auxiliar no processo deaquisição ou de recuperação de atividades que são necessárias para o seu bem estar.A ampliação da carga horária da criança na escola é crescente a cada dia, com este aumento a maioria das suasOcupações é realizada no ambiente escolar, por isso, a Terapia Ocupacional está diretamente ligada à escola e estáprática é cada dia mais freqüente.Historicamente a Terapia Ocupacional era conhecida na atuação da Educação apenas na Educação Especial, onde temcomo objetivo reabilitar e habilitar pessoas com Deficiência Mental e múltiplas a obterem o maior nível deIndependência possível.As evoluções das teorias mundiais em educação fizeram com que o Brasil se adequasse as tendências mundiais eaprovaram Leis que preconizam a Inclusão do diferente no Ensino Regular ou Convencional, fazendo com que aEducação Inclusiva se tornasse uma área de atuação compatível ao conhecimento do terapeuta ocupacional, bemcomo sua significativa atuação no meio.De acordo com a lei 9.394, de 1996, a educação inclusiva é um processo em que se amplia a participação de todos osestudantes nos estabelecimentos de ensino regular. Trata-se de uma reestruturação da cultura, da prática e daspolíticas vivenciadas nas escolas de modo que estas respondam à diversidade de alunos. É uma abordagemhumanística, democrática, que percebe o sujeito e suas singularidades, tendo como objetivos o crescimento, asatisfação pessoal e a inserção social de todos.Mesmo assim, nos deparamos com a falta de preparo dos profissionais da educação tanto com as deficiências quantoaos métodos para ensinar, entretanto o terapeuta ocupacional pode estar auxiliando nos processos de adaptações etecnologia assistiva, sejam adaptações físicas ou curriculares.A Tecnologia Assistiva é o processo que permite acessibilidade e funcionalidade para as pessoas com algum tipo derestrição funcional. O terapeuta ocupacional atua no processo de inclusão no Ensino Regular adaptando material e oambiente para os Deficientes Visuais, Computadores em Comunicação. Associação brasileira de terapeutas ocupacionais, regional de Santa Catarina – Abrato-SC e-mail: abrato-sc@hotmail.com
  • 10. TERAPIA OCUPACIONAL NA EDUCAÇÃO(continuação)Alternativa para Paralisados Cerebrais, Rampas, mesas para cadeirantes e simples adaptações de engrossadoresde lápis para alunos com dificuldades na preensão. As adaptações de materiais e ambientes beneficiam osdeficientes a nível físico, porém os Deficientes Intelectuais necessitam de adaptações que trazem o conteúdopedagógico.As adaptações de materiais e ambientes beneficiam os deficientes a nível físico, porém os DeficientesIntelectuais necessitam de adaptações que trazem o conteúdo pedagógico programático em atividadesconcretas que permitam, dentro da capacidade do aluno, que ele assimile e possa utilizar do conhecimento demaneira funcional. A esta adaptações é dado o nome de Currículo Funcional, que se baseia nos conteúdosnecessários para um viver independente, ou seja, recrutar recursos dentro do ensino regular para realização deatividades de vida diária, atividades de vida práticas, trabalho e lazer.Por Lei o profissional habilitado para programar, habilitar e reabilitar as Ocupações Humanas, são os terapeutasocupacionais, ou seja as adaptações em Currículo Funcional devem ser programadas e orientadas por umterapeuta ocupacional que deve também viabilizar métodos e técnicas para utilização destas adaptações pelosEducadores.Hoje em dia, as preocupações com a eficácia na aprendizagem das crianças não estão somente em torno apenasdas crianças com deficiências. As dificuldades de aprendizagem vêm sendo a cada dia mais discutidas eestudadas. Alguns estudiosos associam o número crescente de crianças com Dificuldades no processo deaprender com falta de atividades psicomotoras nas primeiras fases da infância; outros com a diminuição dotempo que as crianças têm para brincar, entre outros fatores.A aprendizagem do ser humano é gradativa, evoluindo de acordo com a capacidade de cada individuopsicomotoras nas primeiras fases da infância; outros com a diminuição do tempo que as crianças têm parabrincar, entre outros fatores.A aprendizagem do ser humano é gradativa, evoluindo de acordo com a capacidade de cada individuo. Dessaforma, podemos pré defini-las em: Atenção, Concentração, Raciocínio Lógico e Memórias e poderão seravaliadas e tratadas pelo terapeuta ocupacional através de técnicas e métodos baseadas no Brincar, AtividadesPsicomotoras, Terapia da Integração Sensorial, Estimulação Cognitiva e Grafomotricidade.A dificuldade na escrita é um dos fatos que vem chamando atenção dos profissionais ligados à educação e sãocada vez mais presentes no meio escolar. Tais dificuldades permeiam em diversos fatores, como na alteração dacoordenação motora fina ligada a escrita, Grafomotricidade (na relação da coordenação dos movimentos dosolhos com as mãos), coordenação viso-motora e também os aspectos cognitivos e de linguagem. Os aspectosligados a cima citados, exceto a Linguagem que é trabalhada pelo profissional responsável pela área dacomunicação o fonoaudiólogo, são de responsabilidade do terapeuta ocupacional que é especialista nofuncionamento da extremidade do Membro Superior, a Mão.Apesar de pouco conhecida, a Terapia Ocupacional é eficaz e embasada em teorias e técnicas comprovadas, vemganhando seu espaço e importância nas áreas da educação.Percebendo a necessidade de atuação em um dos fatores anteriormente citados, consulte um terapeutaocupacional, que é um profissional graduado em nível superior, por Instituição reconhecida pelo MEC e comregistro no CREFITO de seu estado; ele poderá ajudar seu aluno, paciente ou filho. * terapeuta ocupacional, CREFITO-1011178 Contatos: regis.to@hotmail.com Associação brasileira de terapeutas ocupacionais, regional de Santa Catarina – Abrato-SC e-mail: abrato-sc@hotmail.com
  • 11. TERAPIA OCUPACIONAL NO SISTEMA PRISIONAL Dra. Sandra Fabiana Vieira A Penitenciária Industrial de Joinville conta com uma profissional terapeuta ocupacional, que realiza atividade juntamente com a equipe técnica, sendo responsável pelos projetos de Dependência Química, Oficinas Terapêuticas de Artes e Música, eacompanhamento aos canteiros de trabalho. Sendo esta Unidade Prisional a única no Estado que conta com esta modalidade de atendimento. Conforme CAVALCANTI, 2007; pg 3, a Terapia Ocupacional é um campo de conhecimento e intervenção em saúde, educação e na esfera social. Está fundamentada nas atividades humanas para desenvolver e oferecer atendimento adequado a indivíduos ou grupos que necessitem. Seu objetivo é o de melhorar a qualidade de vida em geral do indivíduo ou de gruposatendidos, reunindo tecnologias orientadas para a emancipação e autonomia destes, que apresentem dificuldade temporária ou definitiva na inserção ou participação na vida social. Ela é a arte e a ciência, que tem a atividade humana como elemento centralizador e orientador do processo terapêutico, sendo esta a mediadora da relação terapêutica, como forma de comunicação e expressão dos conteúdos internos dos pacientes, estabelecendo a tríade terapeuta – paciente - atividade. A Terapia Ocupacional no Sistema Prisional atende em grupos ou individualmente, pode lançar mão de Oficinas Terapêuticas ou acompanhar os grupos de trabalho já formados nas Unidades Prisionais, ou ainda criar Projetos específicos para reabilitação social. O profissional desta área baseia-se ainda na L.E.P. (Lei de Execuções Penais nº 7.210/84) que é a lei que regula o cumprimento das Sanções Criminais, e cita em seu Artigo 1º o objetivo de “efetivar as disposições de sentença ou decisão criminal e proporcionar condições para a harmônica integração social do condenado e do internado”. Levando em conta o que cita o Artigo 5º da LEP que fala da Individualização da Pena, onde cada condenado deve ter um atendimento individualizado e direcionado. Com o apenado especificamente, o terapeuta ocupacional realiza entre outras atividades: avaliações, aplica testes, produzlaudos para o Juizado da Vara Criminal, atua fortemente na questão da dependência química, trabalha no resgate da auto-estima e da cidadania, no acompanhamento de projetos de vida; busca conhecer a dinâmica familiar e orientá-los, encaminhando apenados e familiares à programas das três esferas governamentais. Abalizado no Artigo 6º da L.E.P., o qual refere à Comissão Técnica de Classificação, esta comissão direcionada à avaliação do apenado para o trabalho, estudo e terapias de qualquer natureza; o terapeuta ocupacional atua em conjunto com a equipe técnica, e tem um papel ímpar na avaliação do reeducando dentro da Unidade Prisional. Associação brasileira de terapeutas ocupacionais, regional de Santa Catarina – Abrato-SC e-mail: abrato-sc@hotmail.com
  • 12. TERAPIA OCUPACIONAL NO SISTEMA PRISIONAL(continuação) Abalizado no Artigo 6º da L.E.P., o qual refere à Comissão Técnica de Classificação, esta comissão direcionada à avaliação do apenado para o trabalho, estudo e terapias de qualquer natureza; o terapeuta ocupacional atua em conjunto com a equipe técnica, e tem um papel ímpar na avaliação do reeducando dentro da Unidade Prisional. Sua participação na referida Comissão consiste no levantamento do histórico laborativo prisional e anterior a sua prisão, para fins de aprovação dos internos na execução de atividades laborais, escolares e terapêuticas. Avaliando ainda o estado físico-funcional e mental para a execução de tais atividades; e no caso de ser diagnosticada alguma deficiência, identifica as necessidades no que diz respeito ao potencial funcional residual do interno avaliado, determinando claramente suas capacidades e definindo suas restrições nas situações de trabalho. Este constitui um documento específico da Terapia Ocupacional, que se traduz na apresentação descritiva e interpretativa das atividades exercidas pelo apenado, isto no seu cotidiano laborativo, delitivo e prisional; enquanto objeto de intervenção deste profissional. Este documento oferece subsídios técnico-específicos que possibilitam a tomada de decisões para a avaliação das A.V.Ls. (atividades de vida laboral). Para a construção do histórico laborativo o terapeuta ocupacional realiza um atendimento individual, no qual o profissional possui um contato maior com o interno, podendo assim ter um conhecimento da sua história. Neste mesmo atendimento são investigadas atividades sociais e de lazer ou grupos em que o interno esteve inserido antes de entrar no sistema prisional. A sistematização do referido documento é basicamente uma prática investigativa que deve ser orientada pelas dimensões ético-política, teórico-prática e técnica-operativa. Os itens analisados pelo terapeuta ocupacional consistem em verificar aspectos como habilidades profissionais e extras, seu desejo de estar participando de atividades dentro do sistema prisional; ainda a existência delimitações físicas, cognitivas, ou seqüelas adquiridas, que requeiram tecnologia assistiva, adaptações ou direcionamentos para canteiros específicos. O terapeuta ocupacional no Sistema Prisional tem seu trabalho voltado para as questões de integração e reinserção social; busca ações que visam introduzir os internos às práticas reais da vida cotidiana, e de possíveis projetos individuais, trabalhando para a desinstitucionalização do apenado e visando seu retorno à sociedade. Sua intervenção baseia-se no fazer e na significação desta atividade, buscando projetos orientados para novas formas de sociabilização, de narrativas de vida, de reconstrução do “eu” confinado, propondo novos percursos para a inserção social.BibliografiaCAVALCANTI, Alessandra. GALVÃO, Cláudia. Terapia Ocupacional: Fundamentos & Prática. Rio de Janeiro: Guanabara Kogan, 2007.PLANALTO, Lei no 7.210, de 11 de julho de 1984. Brasília: Lei de Execuções Penais Presidência da República,163º da Independência e 96º da República.1984. Acesso em 18/07/2010. Disponível em <<URL:http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L7210.htm. >>PORTAL SAÚDE, Portaria Interministerial 1.777 disponível em <<http www.portal.saude.gov.br/... Acesso em 18.07.2010.DE CARLO, M. e BARTALOTTI, C. Terapia Ocupacional no Brasil - Fundamentos e Perspectivas, Plexus, 2001.FRANCISCO, Berenice Rosa. Terapia Ocupacional. Campinas, SP: Papirus, 1988.CHAMONE, RJ. O Objeto e a Especificidade da Terapia Ocupacional. Belo Horizonte: GESTO, 1990. * terapeuta ocupacional, CREFITO-10 7637 atua no sistema prisional em Joinville/SC. Associação brasileira de terapeutas ocupacionais, regional de Santa Catarina – Abrato-SC e-mail: abrato-sc@hotmail.com
  • 13. ENTREVISTA Dra. Paula Agnolin *1) ABRATO-SC: Em linhas gerais quais as atribuições do terapeuta ocupacional na equipe do NASF?Dra. Paula O NASF é constituído por profissionais de diferentes áreas de conhecimento. O terapeuta ocupacional bem comotoda a equipe atua de forma conjunta com a Estratégia Saúde da Família, compartilhando saberes e propondo alternativas esoluções. É parte do processo de matriciamento, que propõe o suporte assistencial (produção clínica direta com os usuáriosem todos os níveis de atenção) e suporte técnico-pedagógico (produção do apoio educativo com e para a equipe).2) ABRATO-SC: Trabalhando em equipe interdisciplinar, destaque quais são as ações que diferenciam o terapeutaocupacional dos demais profissionais que atuam no NASF?Dra. Paula destaco as seguintes entre muitas outras:  Atividades de educação em saúde, individual/grupo, estimulando o auto-cuidado e AVDs: minimizando riscos à saúde.  Ações de educação em saúde para a prevenção de lesões e cuidados a grupos populacionais específicos;  Construção de espaços coletivos para as atividades lúdicas, intervenções ergonômicas, técnicas de relaxamento;  Desenvolver práticas de atividades da vida diária relacionada à promoção de hábitos alimentares saudáveis.  Orientações quanto ao uso de Tecnologia Assistiva nas adaptações necessárias à alimentação, vestuário e outras;  Atividades de educação em saúde, prevenir e minimizar traumas e violência doméstica, ocupacionais e de lazer;  Orientações a portadores de necessidades especiais, familiares e/ou cuidadores; Treinamentos de AVD, Atividades Instrumentais da Vida Diária (AIVD) e Tecnologia Assistiva;  Visitas para a identificação e orientação quanto à necessidade de adaptações domiciliares;  Reinserção social, escolar e ocupacional; Desenvolver ações de estimulação essencial em crianças identificadas com problemas neuropsicomotores;  Implementar ações intersetoriais de atenção integral a crianças com atraso no desenvolvimento neuropsicomotor e distúrbios de comportamento;  Orientações quanto ao planejamento familiar, prevenção de ST/AIDS, cuidados pessoais;  Realização de atividades terapêuticas integradas e intersetorializados que promovam a valorização da mulher;  Monitorar a situação epidemiológica local, identificando agravos prioritários e formas de intervenção coletiva subsidiando o planejamento de ações das equipes de saúde da família, a atenção à saúde da mulher;  Desenvolvimento de atividades laborais com mulheres, em situação de exclusão social, estimulando aprendizagem de novos ofícios e possibilitando a reinserção econômica e social;  Orientações a pessoas com transtornos mentais, familiares e cuidadores;  Atuar de forma integrada com as equipes multiprofissionais dos Centros de Atenção Psicossocial, promovendo a reinserção social, escolar e ocupacional;  Ações integradas visando à redução de riscos. Ex. usuários de drogas e álcool, drogas, tabaco;  Fomentar a constituição de espaços de reabilitação psicossocial. Ex. oficinas terapêuticas comunitárias;  Desenvolver ações integradas e intersetoriais que minimizem a exclusão a indiferença, estimulação a participação e a cidadania.3) ABRATO-SC: Como a população tem recebido as intervenções da Terapia Ocupacional dentro do NASF?Dra. Paula: O terapeuta ocupacional ainda é desconhecido. Não é incomum ouvir solicitações para explicar do que de fatotrata a Terapia Ocupacional. Embora ainda não saibam associar as ações ao profissional em Terapia Ocupacional, asintervenções são bem aceitas e compreendidas. Os encaminhamentos ainda são incomuns, o que tem gerado a necessidadede apresentar, principalmente às Unidades de Saúde o que é Terapia Ocupacional e qual seu papel no âmbito da atençãobásica. Não se pode deixar de acrescentar sobre a dificuldade em atuar em equipes multiprofissionais, sem antes a devidaexplicação acerca da ciência Terapia Ocupacional. *terapeuta ocupacional, Especialização (Latu Sensu) em Saúde Mental (Curitiba/PR) 06/07. Formação em Terapia Familiar Sistêmica – Terapia de Família e Casal – Março/08 a Janeiro/ 2011. Experiência anterior: Coordenadora e terapeuta ocupacional do Centro de Atenção Psicossocial I – Concórdia/SC. Período: 2006-2010. Região e local atual de atuação: Núcleo de Apoio a Saúde da Família – NASF – Criciúma/SC. Associação brasileira de terapeutas ocupacionais, regional de Santa Catarina – Abrato-SC e-mail: abrato-sc@hotmail.com
  • 14. Associação brasileira de terapeutas ocupacionais, regional de Santa Catarina – Abrato-SC e-mail: abrato-sc@hotmail.com

×