Empreendedorismo em enfermagem

1,418 views
1,086 views

Published on

VI FORUM INTERNACIONAL DE SAÚDE, ENVELHECIMENTO E REPRESENTAÇOES SOCIAIS
Simpósio: Saúde e Formação de Recursos

EMPREENDEDORISMO E INOVAÇÃO
EM ENFERMAGEM
um Estudo de Caso
Fernando de Cardoso de Sousa
Florbela Nunes
cardoso_sousa@hotmail.com
UFPB/UNIPÊ João Pessoa, 22 Out 2013

Published in: Health & Medicine
1 Comment
1 Like
Statistics
Notes
  • Parabéns pela divulgação do material empreendedorismo é um tema pouco discutido em enfermagem mais devemos rever nossa prática até no momento de formação para trabalhar questões de intra empreendedorismo. Parabéns novamente pela iniciativa.
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
No Downloads
Views
Total views
1,418
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
19
Comments
1
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Empreendedorismo em enfermagem

  1. 1. VI FORUM INTERNACIONAL DE SAÚDE, ENVELHECIMENTO E REPRESENTAÇOES SOCIAIS Simpósio: Saúde e Formação de Recursos EMPREENDEDORISMO E INOVAÇÃO EM ENFERMAGEM um Estudo de Caso Fernando de Cardoso de Sousa Florbela Nunes cardoso_sousa@hotmail.com UFPB/UNIPÊ João Pessoa, 22 Out 2013
  2. 2. Empreendedorismo em enfermagem é algo estranho à profissão: A palavra empreendedorismo não faz parte do léxico tradicional da saúde (Hewinson, 2006) Um estudo em Portugal revela que os finalistas do ensino superior, da área da saúde, foram os que mais referiram não possuir conhecimentos essenciais e ferramentas para montar um negócio (Rosário, 2007) Mas: • O índice de dependência pode duplicar em 25 anos e atingir 60% da população em 2050 • A área da enfermagem tem vindo a sofrer perda progressiva nos salários, vinculo laboral e horários
  3. 3. A literatura evidencia a urgência da criatividade e da inovação nas organizações : …para se manterem competitivas no mercado global, as organizações necessitam de desenvolver, continuamente, produtos e serviços inovadores e de elevada qualidade, e de renovar a forma como operam, com base na capacidade continuada dos seus colaboradores para inovar (Huhtala & Parzefal (2007; 302) Apenas através da criação e sustentação de uma força de trabalho criativa a organização poderá desenvolver um potencial suscetível de ultrapassar problemas e situações difíceis, que não podem ser resolvidas exclusivamente através de investimentos (Cebon, Newton & Noble, 1999)
  4. 4. OBJETIVO Ilustrar até que ponto a lógica aparentemente desfavorável do empreendedorismo em enfermagem pode ser contrariada. Mostrar a forma como uma empresa portuguesa desenvolve o seu sistema de inovação organizacional, isto é, a transformação da criatividade dos colaboradores em valor acrescentado para a organização. REALIZOU-SE Um estudo de caso, num lar de terceira idade, que se concentrou na análise da liderança e das práticas existentes, relativas à manutenção de um serviço de qualidade. A recolha de elementos de informação assentou num conjunto de seis entrevistas a gestores, pessoal auxiliar, colaboradores externos e utentes empresa, entre Janeiro e Março de 2013.
  5. 5. A EMPRESA E OS CLIENTES 22 Funcionários a tempo inteiro, com horários e funções rotativas Profissionais em regime de avença que asseguram serviços pessoais, animação e lazer Formação em posto de trabalho assegurada pela empresária e colaboradores Prestações fixas sem apoio da Segurança Social Horários de visita flexíveis Relação atenta com os stakeholders 52 Utentes em estado de debilitação avançado e com hábitos conservadores Entendem o lar como a sua casa Vêem a empresária como membro da família
  6. 6. A EMPRESÁRIA .Enfermeira de profissão .Funcionária pública com 20 anos de experiência clínica Alentejana, viveu e trabalhou nesta região .Tornou-se gestora quando, animada pelo marido, comprou um lar de idosos numa imobiliária .Entrega-se totalmente à gestão directa do lar e garante as tarefas de maior responsabilidade .Trata a empresa como trata os utentes: com dedicação, disciplina, respeito e paixão .Tem os olhos vivos e é despretensiosa na relação.
  7. 7. RESULTADOS Oportunidades e desafios .Manter a qualidade da oferta .Potenciar as parcerias existentes .Apostar na divulgação boca-a-boca .Acentuar a gestão de proximidade .Reinvestir todos os recursos na empresa, dado que vive exclusivamente dos clientes .Ultrapassar os efeitos da crise, mantendo as oportunidades criadas
  8. 8. RESULTADOS Fatores de Sucesso .Sistema de parcerias diversificadas .Empresa centrada nos utentes e no capital relacional .Boa capacidade de análise e de resolução de problemas .Estreita ligação com os colaboradores
  9. 9. CONCLUSÃO este caso sublinha que: Contrariando a opinião expressa de que se torna fundamental para o gestor dispor de uma formação sólida em áreas como o marketing e a gestão (Ferreira, 2010), a responsável pelo Lar é a expressão viva de que muitas das premissas relativas à gestão, à inovação e ao empreendedorismo podem não ser obrigatórias, desde que a gestão se regule por uma honestidade e transparência inquestionáveis perante os clientes, fornecedores e os próprios colaboradores, complementadas por uma liderança de proximidade e uma competência técnica em constante atualização, partilhada com os colaboradores

×