Orientações Para Gestão de Investimentos

912 views
859 views

Published on

Published in: Technology
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
912
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
153
Actions
Shares
0
Downloads
12
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Orientações Para Gestão de Investimentos

  1. 1. ORIENTAÇÕES PARA<br /> GESTÃO <br />DE <br /> INVESTIMENTOS<br />
  2. 2. PARA UMA BOA GESTÃO<br /><ul><li>Estabelecer critérios para escolha de gestores terceirizados.
  3. 3. Desenvolvimento dos gestores dos RPPS.
  4. 4. Maior exploração dos mercados de investimento.
  5. 5. Alocação requer maior cautela dos administradores.
  6. 6. Acompanhar mercados de juros e inflação.
  7. 7. Carteiras / Fundos com melhores resultados de longo prazo.
  8. 8. Fundos com maior rentabilidade não são necessariamente as melhores escolhas.
  9. 9. Comparar fundos da mesma categoria com foco na Política de Investimento do RPPS.
  10. 10. Alterar a Política de Investimento conforme as alterações do Cenário Econômico.</li></li></ul><li>Cenário Econômico<br />
  11. 11. CENÁRIO INTERNACIONAL<br />EUROPA<br /><ul><li>Atividade econômica na zona do euro continua fraca. </li></ul>Alemanha e França tentam puxá-la para cima;<br /><ul><li> Aumento das pressões de curto prazo da inflação ao </li></ul>consumidor em virtude dos preços de commodities e <br />energia; <br /><ul><li> Taxa de desemprego nos países periféricos permanece</li></ul>bastante elevada;<br /><ul><li> Piora nas questões fiscais da Grécia.</li></ul>ESTADOS UNIDOS<br /><ul><li>Recuperação continua muito dependente de </li></ul>estímulos do setor público; <br /><ul><li> Piora nos dados divulgados sobre o mercado de</li></ul>trabalho;<br /><ul><li> Redução no consumo das famílias;
  12. 12. Mercado Imobiliário continua estagnado com </li></ul>estoque elevado de imóveis para venda e preços baixos;<br /><ul><li> O FED (Banco Central) deve manter a taxa de juros</li></ul>no mesmo patamar.<br />JAPÃO<br /><ul><li> Os desastres naturais que assolaram o país devem trazer</li></ul>sérios problemas para a economia enfraquecida do Japão;<br /><ul><li> Diversas fábricas foram fechadas e um dos principais </li></ul>portos foi destruído;<br /><ul><li> Assim como no terremoto de Kobe, o YEN vem se </li></ul>valorizando, dificultando as exportações nos próximos <br />meses, sendo a economia japonesa muito dependente <br />do mercado Internacional;<br /><ul><li> Deverá apresentar crescimento somente a partir de 2012.</li></ul>CHINA<br /><ul><li> China vem trocando sua política monetária de </li></ul>“moderadamente frouxa” para “prudencial estabilizadora”<br /><ul><li> Diminuição da atividade econômica mas não da inflação.
  13. 13. Medidas de redução de compulsório podem ser mais </li></ul>eficazes;<br /><ul><li> A política monetária durante 2011 será mais restritiva para </li></ul>reduzir a inflação por meio da diminuição da base monetária.<br /><ul><li> A inflação vem aumentando mês a mês com destaque para</li></ul>o grupo alimentos;<br /><ul><li> Volume de crédito concedido vem se desacelerando;</li></li></ul><li>BRASIL: DESEMPREGO E INFLAÇÃO<br />Desemprego<br />O mercado de trabalho no Brasil continua forte. <br />A taxa de desemprego vêm apresentando sucessivos <br />recordes de baixa.<br />Na última leitura a taxa ficou em 6,5%.<br />Apesar da elevação em relação ao mês anterior, essa é a <br />menor série para o mês de março desde o início da leitura, <br />em 2003.<br />O Crédito Pessoal deve continuar elevado, contribuindo<br />ainda mais para o aquecimento da economia.<br />Inflação<br />Em ABR/11 o IPCA ficou em 0,77% trazendo nervosismo<br />ao mercado ao ultrapassar o teto da meta de inflação<br />perseguida pelo BC. <br />A marca de 6,51% traz preocupação quanto a política <br />monetária utilizada até o momento para conter a pressão<br />Inflacionária.<br />A boa notícia é que os meses de maior pressão <br />inflacionaria já passaram. Temos agora um arrefecimento<br />sazonal nos meses de maio a setembro.<br />Altas na taxa de juros são sentidas nos índices de inflação<br />após 6 meses, o que deve ajudar a trazer a inflação <br />Acumulada em 12 meses para algo entre 5,5% e 6%<br />IPCA<br />Fonte: IBGE<br />
  14. 14. BRASIL: TAXA DE JUROS<br />Elevação na SELIC<br />Apesar do aumento de 0,25%. na reunião de Abril/11, abaixo do que o mercado esperava, o BC deixou aberta a <br />possibilidade de novos aumentos nas reuniões seguintes.<br />Aumento das incertezas no cenário para 2011. A inflação deverá permanecer pressionada até as medidas<br />macro-prudenciais e/ou a nova taxa de juros, convergirem-na para patamares menores.<br />Caso contrário, o Banco Central perceberá que o ajuste ainda não foi suficiente e prosseguirá com a contração<br />Monetária.<br />Fonte: Banco Central <br /> Projeção CAIXA/GERAT<br />
  15. 15. RISCO x RETORNO<br />RETORNO<br />RENDA FIXA IMA-B<br />Até 49% Titulos Privados<br />RENDA FIXA IMA-B<br />100% Títulos Públicos<br />RENDA FIXA IMA-B 5<br />100% Títulos Públicos<br />RENDA FIXA IMA GERAL<br />100% Títulos Públicos<br />RENDA FIXA IRF-M<br />100% Títulos Públicos<br />RENDA FIXA <br />100% Títulos Públicos<br />REFERENCIADO DI<br />RISCO<br /> A classificação risco x retorno apresentada é apenas ilustrativa e não está em escala.<br />
  16. 16. RENTABILIDADE (31/12/2007 a 31/03/2011)<br />
  17. 17. CENÁRIO X META ATUARIAL - Simulação <br />FUNDOS IMA-B & IMA-B 5<br />1) Avanço da inflação sem perspectivas de aumento na taxa de juros ou aumentos insuficientes, provavelmente:<br /><ul><li> Bom no curto prazo (prêmios das NTN-B curtas “tendem a fechar” .)
  18. 18. Ruim no Longo Prazo (prêmios das NTN-B mais longas “tendem a abrir” )</li></ul>2) Controle da inflação através de elevações da taxa de juros e/ou medidas macro prudenciais, provavelmente:<br /><ul><li> Ruim no curto prazo (prêmios das NTN-B curtas “tendem a abrir” até o ajuste das curvas.)
  19. 19. Bom no Longo Prazo (prêmios das NTN-B mais longas “tendem a fechar” )</li></ul>3) Alta volatilidade.<br />4) Variáveis Importantes: Leilões Primários e Mercado Secundário<br />5) Característica: Resultados de médio/longo prazos.<br />FUNDOS CDI/RENDA FIXA PÓS<br />1) Aumento na taxa de juros<br />2) Possibilidade de superação da Meta Atuarial de acordo com a magnitude dos aumentos da SELIC<br />3) Baixa volatilidade<br />4) Característica: Resultados de curto prazo.<br />
  20. 20. Avisos Legais<br />FUNDOS DE INVESTIMENTO NÃO CONTAM COM GARANTIA DO ADMINISTRADOR DO FUNDO, DO GESTOR DA CARTEIRA, DE QUALQUER MECANISMO DE SEGURO OU, AINDA, DO FUNDO GARANTIDOR DE CRÉDITOS – FGC.<br />A RENTABILIDADE OBTIDA NO PASSADO NÃO REPRESENTA GARANTIA DE RENTABILIDADE FUTURA.<br />É RECOMENDADA LEITURA CUIDADOSA DO PROSPECTO E REGULAMENTO DO FUNDO DE INVESTIMENTO PELO INVESTIDOR ANTES DE APLICAR SEUS RECURSOS.<br />
  21. 21. Vice-Presidência de <br />Gestão de Ativos de Terceiros<br />GEICO – Gerência Nacional de Investidores Corporativos <br />Ciro Augusto Miguel<br />(11) 3555-6473<br />(11) 3555-9615<br />

×