Revista Visão Ampla 6ª edição
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Revista Visão Ampla 6ª edição

on

  • 1,163 views

 

Statistics

Views

Total Views
1,163
Views on SlideShare
1,163
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
3
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Revista Visão Ampla 6ª edição Revista Visão Ampla 6ª edição Document Transcript

  • visãoampla A sua revista Ampla para clientes corporativos ANO II • nº 6 Julho, Agosto e Setembro/2009 Antônio Carlos Cotrim, da GE Celma Eficiência energética A estratégia competitiva da GE Celma - pág. 8 Subestação Barra Alegre Mais emprego e renda para Bom Jardim - pág. 5 Carro elétrico Ampla dá exemplo de economia verde - pág. 15
  • Subestação Blindada: segurança máxima para a energia da sua empresa. Para abrigar potências a partir de 300 kVA é preciso2 contar com proteção total. Em resposta a essa exigência, a Ampla inova ao lançar a Subestação Blindada em substituição à Subestação Abrigada Convencional, capaz de inibir o arco elétrico interno e totalmente de acordo com as Normas de Segurança da ABNT e NR10. Além de ser a única aprovada pelo Cepel, a Subestação Blindada Ampla é de fácil montagem e tem preço competitivo. Estabeleça contato conosco pelo e-mail amplanegocios@ampla.com e saiba mais detalhes sobre o produto.
  • Seções Eletrizante 4 Transmissão de energia 5 Geração de resultado 7 Editorial Visão da capa 8Um crescimento Fio condutor Mais por menos 11 13orientado pela qualidade Transformador 15 Vivemos um tempo em que gem, você vai conhecer a trajetória de custos e responsabilidade socioam-garantir produção para atender o mer- do Mercado Fri Carnes, de Cabo Frio, biental. O pioneirismo da distribuidoracado é apenas uma das condições do que contou com a Ampla para instalar em iniciativas que visam a eficiêncianegócio. Hoje, tomar as decisões certas uma subestação própria e obter energia energética não para por aí. Na seçãoem toda a cadeia produtiva é crucial de qualidade, de forma a expandir seu Transformador, você ficará por dentropara a empresa se manter competitiva empreendimento, que se diversificou dos benefícios proporciados pelo carroe sustentar seu crescimento no longo e hoje ocupa uma área quatro vezes elétrico – inovação econômica e poucoprazo. Ciente disso, a Ampla investe maior que a original. Além de garan- poluente, incorporada em junho àsem soluções diferenciadas, que vão ao tir mais conforto aos consumidores, operações da Ampla.encontro das metas estipuladas pelo em função do aumento de carga, oplanejamento estratégico de seus clien- equipamento deve reduzir entre 10% Já em Transmissão detes corporativos. Na reportagem de e 15% o valor da conta de energia. Es- Energia, você vai conhecer umcapa desta edição apresentamos o case clarecimentos fundamentais como este verdadeiro case de cidadania.GE Celma – empresa do grupo General foram tema do Workshop Gestor de São as novas perspectivasElectric, especializada na revisão de tur- Conta de Energia, realizado em maio geradas para o município debinas aeronáuticas –, que aposta forte- no Edifício-Sede da concessionária. Os Bom Jardim, na serra flumi-mente no uso inteligente da energia principais pontos abordados no encon- nense, com a inauguraçãopara reduzir custos e promover seu tro – que contou com a participação da subestação Barra Alegre. Ocrescimento. Ao perceber que o in- de cerca de 40 clientes corporativos da investimento da distribuidorasumo é vital para suas operações, a Ampla e promete novas edições – es- contribui para levar energia comunidade brasileira da organização ad- tão reunidos na seção Fio Condutor. mais qualidade para os mais de 22quiriu um sistema de medição capaz mil habitantes da cidade, além de be-de mapear o consumo de cada área Crescer de forma sustentável, neficiar indústrias locais e atrair novase de obter informações importantes como desejamos, implica investir ain- empresas, contribuindo para o desen-para a melhoria de seu desempenho da nas dimensões ambiental e social volvimento socioeconômico da região.operacional. do negócio. Em Geração de Resulta- do, você acompanhará o crescimento Cristián Fierro A percepção de que a energia do mercado de equipamentos solares Presidente da Amplaé matéria-prima importante para con- para aquecimento de água. Nessequistar uma posição de destaque fren- contexto, conhecerá as vantagens date aos públicos de interesse também bomba de calor, um dos produtos doestá em Mais por Menos. Na reporta- Ampla Negócios que conjuga redução Expediente - Publicação trimestral da Ampla. Criação e produção: Casa do Cliente Comunicação 360° e Marketing Ampla – Pryscila Civelli e Denise Monteiro. Conteúdo Novos Negócios: Eduardo Vale e Cruz e Bruno Cordeiro (estagiário) – Colaboração: Comunicação Ampla – Janaina Vilella; Casa do Cliente Comunicação 360° – Eliane Levy de Souza (edição), Júlia Lomba (coordenação e reportagem), Mariana Gouvêa e Sânia Motta (reportagem). Projeto gráfico: Casa do Cliente Comunicação 360°. Fotos: Antonio Pinheiro/EKTAR4 e Banco de imagens Casa do Cliente Comunicação 360°. Tiragem: 4 mil exemplares Anuncie na Visão Ampla Para mais informações, entre em contato pelo e-mail amplanegocios@ampla.com ou pelo tel. (21) 2613-7495, com Bruno Cordeiro
  • Eletrizante Tarifas eficientes Criada com o objetivo de esclarecer dúvidas, a seção Eletrizante aborda as perguntas mais frequentes dos clientes, respondidas por executivos de contas. Nesta edição, você aprenderá as diferenças entre período úmido e seco e de que forma pode adaptar sua modalidade tarifária a cada um. Além disso, saberá quais impostos compõem sua conta de luz e como são estabelecidos os reajustes anuais. Continue enviando suas perguntas para amplanegocios@ampla.com ou entre em contato com nossos executivos de contas. Lembre-se de que esse espaço é um canal de comunicação com você, cliente Perguntas e respostas Executivos de contas tiram dúvidas dos clientes Emerson Caçador Rubim Responsável pela Regulação Econômica Explicando melhor: a revisão tarifária – que aconte- ce a cada cinco anos, conforme previsto no contra- Pergunta: Que impostos compõem o valor to de concessão da Ampla – consiste na definição pela da minha conta de luz? Como é estabeleci- Aneel dos componentes de custos mencionados acima, com do o reajuste anual da tarifa? base em seus regulamentos, parâmetros nacionais e interna- cionais, além da legislação existente. Toda alteração tarifária A tarifa é constituída por um conjunto de cus- é estabelecida pela Aneel, que apresenta a definição do valor tos que compreende a geração, o transporte da tarifário por meio de notas técnicas publicadas em seu site e energia pelas linhas de transmissão e os gastos divulgadas em audiência pública. Já o reajuste tarifário – que operacionais do serviço de distribuição de energia, acontece nos anos em que não há revisão tarifária – é uma bem como recursos necessários para novos investi- correção dos preços constituintes das tarifas. Para os custos4 mentos. A conta de luz ainda abrange um quarto compo- de compra de energia, transporte e encargos setoriais são nente: os encargos setoriais, definidos por lei, e os impostos aplicados os valores definidos pela Aneel. A parcela restante pagos ao governo, como o Imposto sobre Circulação de da tarifa é reajustada pela variação do Índice Geral de Preços Mercadorias e Serviços (ICMS). Com base nesses custos, do Mercado (IGP-M) no período, deduzido de um fator de a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) estabelece produtividade definido pela Aneel, chamado Fator X. o valor das tarifas, alterado anualmente, seja por meio da revisão tarifária, seja por meio do reajuste tarifário. Contatos: (21) 2613-7025 – erubim@ampla.com Leandro Castilho Executivo de Atendimento do Noroeste Pergunta: Quais são as diferenças entre os Com base nessa variação climática, a resolução 456 períodos úmido e seco? De que forma eles da Aneel – que rege o sistema elétrico brasileiro – per- podem interferir na modalidade tarifária de mite que a concessionária disponibilize para o clien- minha empresa? te as modalidades tarifárias horo-sazonais. Assim, ele tem a oportunidade de contratar uma demanda de O período úmido compreende os meses de energia elétrica para o período úmido, e outra dife- mais chuvas, ou seja, de dezembro a abril. Nessa rente para o período seco. No entanto, é importante época, as hidrelétricas acumulam mais água, ten- lembrar que o cliente tem direito a alterar sua moda- do a possibilidade de produzir e, consequentemen- lidade tarifária apenas uma vez ao ano. te, ofertar mais energia. Os meses de maio a novembro, por sua vez, são secos devido à escassez de chuvas. Contatos: (22) 2737-2003 – lcsilva@ampla.com Envie sua pergunta para o e-mail amplanegocios@ampla.com
  • Transmissão de energiaSubestação Barra AlegreEm Bom Jardim, o cultivode novas oportunidades O município de Bom Jardim, de novos empreendimentos. Com a em equipamentos mais modernos,localizado na serra fluminense, ga- determinação da Ampla de construir mais sensíveis a picos de energia”,nhou, em 6 de julho, energia elétrica a subestação, as empresas locais têm explica o empresário.de qualidade superior. Isso porque a condições de adquirir maisAmpla inaugurou na cidade a subes- equipamentos e mão detação Barra Alegre, com potência ins- obra, gerando maistalada de 15MVA e possibilidade de receita e empregosexpansão para 66MVA. O investimen- para a cidade”, afir-to da distribuidora na construção da ma. A energia desubestação, de um trecho de linha de melhor qualidadetransmissão em 138KV e de 8km de atrai empresas derede de distribuição – R$ 6,9 milhões, outros estados,no total – contribuirá para levar ener- que estão em fasegia com mais qualidade para os mais final de negocia-de 22 mil residentes no município. ção para se instalar 5Além dos clientes residenciais, serão no município.beneficiadas as diversas indústrias lo-cais e outras, que, com o crescimento Ganhos parade Bom Jardim, estudam levar suas a produção industrial O prefeito Affonso Henriques (à esq.) e Cristián Fierro, presidente da Ampla, na inauguração da subestação Barra Alegrefábricas para a região. “O empreen-dimento vem ao encontro do plano As expectativas positivas de Oswaldo Resende, diretor daestratégico para o município, propi- Affonso são compartilhadas por em- empresa de embalagens CBS Elos dociando o crescimento do distrito in- presários locais, como Rodrigo Bue- Brasil – sediada na cidade de Arujá (SP)dustrial, permitindo a conexão de no- no, sócio-diretor da PlastSeven, pro- desde 1987 e com crescimento anualvos clientes e o aumento da demanda dutora de embalagens flexíveis criada de 20% ao ano –, lembra que, antescontratada”, afirma André Barata, da em Mogi-Guaçu (SP) em 1997, que da subestação, a qualidade da energiaDiretoria Técnica da Ampla, respon- ganhou outra unidade em Bom Jar- de Bom Jardim praticamente impossi-sável pelo processo de engenharia e dim em 2007. “A subestação é fun- bilitava a atividade industrial no muni-obras de alta tensão. damental em nossa estratégia de cípio. Os problemas de interrupção no crescimento imediato da produção e fornecimento prejudicavam, além da Para o prefeito da cidade, Affon- para o aumento da capacidade ins- indústria, os moradores e o comércioso Henriques, que compareceu à ceri- talada a médio e longo prazos. Além da região. “A construção da subesta-mônia de inauguração, a subestação é disso, vai permitir uma melhora subs- ção resolveu os nossos problemas,um marco na história do município e tancial e imprescindível na qualidade que eram sérios. Antes dela, duranteserá fundamental para seu crescimen- de nossos produtos”, afirma Rodrigo. três anos, a energia caía frequente-to. “Não fosse por ela, Bom Jardim A solução também ajudará a empresa mente, causando problemas de pro-continuaria como estava há 50 anos: a continuar investindo em tecnologia dução e prejuízos. Hoje isso acabou,sem energia de qualidade para gran- de ponta, pela qual se tornou conhe- pois temos uma energia excelente, dedes indústrias, impedindo a captação cida. “Teremos condições de investir primeiríssima qualidade”, atesta.
  • Geração de resultadoInvestimentos que fazem a diferença Reduzir custos e minimizar os programa ‘Minha Casa, Minha Vida’impactos ao meio ambiente gerados – em investir R$ 34 bilhões para quepelo acúmulo de gases poluentes. milhões de brasileiros tenham acessoEsta é a fórmula da eficiência ener- à moradia, em casas equipadas comgética, incorporada à estratégia de aquecedores solares, demonstra queempresas que buscam a sustentabi- as vantagens dessa solução já foramlidade. Merece destaque, por exem- comprovadas”, comenta Carlos Feli-plo, o crescimento do mercado de pe. E acrescenta: “Se ainda existemequipamentos solares para aque- resistências em relação à essa fontecimento de água, como informa o alternativa de energia, é devido àconsultor Carlos Felipe Faria, diretor falta de informação. Apesar de im-da Associação Brasileira de Refrige- plicar um custo inicial mais elevado,ração, Ar-Condicionado, Ventilação obtém-se o retorno do capital empre- Piscina aquecida pelae Aquecimento (Abrava). “Registra- gado em cerca de três anos, gerando bomba de calor (à esq.)mos, neste segmento, um aumen- economia de 60 a 70% para o negó-to de 18% no Brasil e de 60% no cio de forma sustentável.”mundo. Os números reforçam o 7que foi apontado por especialistas Bomba-calor:de 190 países que participaram da sustentabilidade na práticaConferência das Nações Unidas so-bre Mudança Climática, realizada Entre as diversas soluções de Henrique revela que o uso dasem Bali, em 2007: o uso de energia eficiência energética propostas pela bombas de calor pelo setor hotelei-solar é a solução mais confiável no Ampla a seus clientes está a bomba ro tem repercutido nas empresas doscurto prazo para atender a urgência de calor – que captura a temperatu- segmentos comercial e industrial,de consumo eficiente dos recursos ra ambiental para aquecer a água. De como hospitais, academias de ginás-naturais do planeta.” acordo com Henrique Goulart, res- ticas e construtoras. “Apesar de a tec- ponsável pela Divisão de Água Quente nologia ter sido inventada no Canadá, Segundo o consultor, um in- da Jelly Fish, parceira da distribuidora, país de temperaturas mais baixas, eladicador dessa tendência de merca- os orçamentos solicitados este ano se aplica ao Rio de Janeiro, caracteri-do é a criação de políticas públicas somaram um total de R$ 8 milhões. zado por uma alta umidade relativaque tendem a tornar obrigatórios os Um setor que tem experimentado as do ar e temperatura média de 26º”,aquecedores solares. A partir de 2010, vantagens da tecnologia é o hoteleiro, informa. Com vida útil de aproxima-todos os edifícios da União Europeia que tem alto custo com o aquecimen- damente 10 anos, a bomba de calor édevem se adequar à nova exigência. to de água. “Os resultados têm sido uma solução compacta, de fácil insta-No Brasil tem havido uma adesão bastante expressivos. Em alguns ca- lação e manutenção. “Integrada aosvoluntária, e mais de 150 cidades, sos, o retorno do investimento ocor- painéis solares, ela compõe o sistemacomo São Paulo e Niterói, já formula- re em apenas um ano e a economia ideal para consumo eficiente. Se umram planos de eficiência energética. pode ultrapassar 70% em relação ao prédio consegue economizar 40% de“Isso mostra que temos um grande gás natural, dependendo da tarifa. O energia com o aquecedor solar, a re-potencial a ser explorado. A iniciati- aquecimento uniforme reduz ainda o dução de custos chega a 90% com ova do Governo Federal – por meio do consumo de água”, afirma. apoio da bomba”, ilustra.
  • 8 Funcionários da GE Celma trabalham na reforma de turbina aeronáutica Visão da capa Energia como diferencial para o crescimento Como estratégia competitiva, a acordo com as características do negó- de energia de cada setor (leia quadro GE Celma, empresa do grupo General cio, bem como adquirir soluções para Atendimento sob medida). As informa- Electric especializada na revisão de tur- uso eficiente do recurso, pode fazer a ções geradas por esses equipamentos binas aeronáuticas, aposta fortemente diferença na estratégia de crescimento são traduzidas por um gerenciador na redução de custos a partir do uso de nossos clientes”, analisa Leonardo de demanda, que produz, em tempo inteligente de energia. A estimativa da Kaufmann, Executivo de Grandes In- real, relatórios sobre o comportamento unidade brasileira, localizada em Petró- dústrias da Ampla. das áreas. De acordo com Leonardo, o polis, é promover um salto de cresci- acompanhamento on-line das opera- mento, ampliando a marca atual, de Um investimento importante da ções antecipa possíveis anormalidades, 330 revisões de turbinas/ano, para 500 GE Celma foi a instalação, com o apoio que anteriormente só poderiam ser ob- em 2012. “A percepção das empresas, da Ampla, de um sistema composto servadas após o recebimento da con- de que a conta de luz é uma despesa por 25 transdutores fixados nas 12 su- ta de luz. “Isso permite, por exemplo, fixa, vem mudando ao longo dos anos. bestações internas da empresa, capaz corrigir algum processo e até mesmo Hoje, escolher um modelo tarifário de de medir individualmente o consumo verificar o desempenho de um novo
  • motor de forma imediata. A emissãode alarmes sinaliza também quandohá ultrapassagem [excesso] de deman- Atendimento sob medidada”, detalha. Em andamento desde janeiro deste ano, a instalação do novo siste- Para Antonio Carlos Cotrim, ge- ma de medição deve ser concluída neste segundo semestre. Todo projetorente de Manutenção e Utilidades da foi conduzido de modo a respeitar a disponibilidade das áreas operacio-GE Celma, o novo sistema de medição nais da GE Celma. “Tínhamos um grande receio na administração dasfavorecerá a compreensão do cenário paradas [interrupções programadas], mas contamos com a flexibilidadeatual da empresa – formada por uma da Ampla para efetuar as manobras nos momentos certos”, destaca. Nes-estrutura que demanda muita energia se contexto, o gerente ressalta também a parceria com a concessionáriapara seu pleno funcionamento. “As para viabilizar, em 2007, a implantação de dois geradores de energiavariações desse consumo podem in- previamente adquiridos pela empresa. “Hoje eles funcionam nos horáriosdicar, entre outros aspectos, os níveis de ponta, entre 18 e 21h”, revela.de produção atingidos pela empresa.Este insumo é fundamental em todasas etapas de revisão das turbinas. Sãofornos, tanques, estações de trata- Uma trajetória ascendentemento e diversos equipamentos mo-vidos a eletricidade”, enumera. Entre Criada em 1951 para fabricar eletrodomésticos – entre eles, ventilado-as expectativas de Antônio está ainda res –, a então Companhia Eletromecânica Celma foi adquirida pela Panair doa chance de estudar a viabilidade e Brasil em 1957 e incorporada em 1965 pelo Ministério da Aeronáutica, comrentabilidade de processos da empre- o objetivo de revisar turbinas de aviões da Força Aérea Brasileira. Em 1991 asa. “A partir de informações técnicas, organização foi privatizada, com suas ações distribuídas entre construtoras,teremos respaldo para tomar decisões bancos e a General Electric. Cinco anos depois a GE efetuou a compra total 9importantes, como trocar um equi- do empreendimento, que hoje representa a única base do grupo que atua nopamento por outro mais eficiente e segmento de revisão de turbinas aeronáuticas em toda a América Latina. Asestimular o uso consciente do recurso outras quatro plantas do grupo estão localizadas nos Estados Unidos, País deentre os clientes internos”, prevê. Gales, Escócia e na Malásia. Com aproximadamente mil funcionários e cerca de 450 con- tratados, a GE Celma tem em sua carteira de clientes companhias aéreas internacionais (que cor- respondem a 90% do total) e nacionais (10%). Hoje, a empresa é especializada na revisão das turbinas CFM56 e CF6, modelos fabricados pela GE e utilizados em aviões fa- bricados pela Boeing e Airbus. “A Ampla se sente honrada em prestar consultoria e exe- cutar serviços para a GE Celma, muito exigente com a qualida- de – tanto de seus fornecedores quanto dos produtos que oferece ao mercado”, comenta Leonardo.Antônio Carlos Cotrim, da GE Celma (à esq.), e Leonardo Kaufmann, da Ampla
  • Fio condutorVocê sabe ler sua conta de luz? Estar sempre a postos para ofe- Logo no início do workshop, azul, pois o valor do kWh é inferior aorecer os esclarecimentos necessários Ricardo apresentou um panorama da da verde nesse intervalo.”sobre seus serviços é um atributo in- atuação da Ampla e do setor elétricodispensável para uma empresa cons- brasileiro, composto atualmente por Carlos detalhou também ostruir relacionamentos transparentes uma estrutura de mercado na qual itens da conta de luz. “Fornecemoscom o mercado. A Ampla deu mais os segmentos industrial e comercial um CD com a apresentação emum passo nessa direção ao promo- são responsáveis por 59% e 27,5%, powerpoint, uma cópia da resoluçãover o Workshop Gestor de Conta de respectivamente, do consumo total 782 da Aneel, que preconiza os va-Energia, no auditório do Edifício-Sede de energia. Em seguida, o executivo lores da tarifa da distribuidora parada concessionária. Realizado em 27 pontuou as definições da resolução 2009, e uma planilha comparativade maio, o encontro – que promete 456 da Agência Nacional de Energia com as taxas do ano passado, alémnovas edições – teve como objetivo Elétrica (Aneel) – responsável pela ta- de documentos que devem ser pre-orientar os clientes corporativos a fa- rifação (leia mais na seção Eletrizante) enchidos caso os clientes precisemzerem a leitura técnica da conta de –, com os termos técnicos que fazem solicitar ligação nova ou aumento deluz e contribuir para a redução de parte do universo dos clientes. “Isso capacidade de suas subestações”, conta.custos, a partir da identificação de permitiu que eles tivessem uma visãoeventuais problemas que podem ele- mais ampla de sua inserção nesta ca- Carlos Thomas em palestra durante o Workshopvar o valor da fatura. Os participantes deia, além entenderem que, antes da Gestor Conta de luzdo workshop tiveram ainda a opor- distribuição, há empresas encarrega-tunidade de visitar o Call Center e o das de gerar e transmitir energia. Um 11Centro Operacional do Sistema – que dos principais assuntos abordados foiconcentra todos os comandos reali- a importância de realizar, sempre quezados pela distribuidora. necessário, a correção do baixo fator de potência de instalações elétricas, “A ação foi inovadora e muito causado principalmente pelas perdasimportante para que nossos clientes elétricas internas das instalações”, in-visualizassem com clareza diversos forma o executivo.aspectos do negócio da Ampla. En-contros presenciais como este tam- Por dentro das tarifasbém são fundamentais para aumen-tarmos ainda mais a percepção sobre Com a finalidade de apresentar Em palestra, o executivo desuas dificuldades e apontar soluções os quatro modelos de contratação ta- Vendas de Novos Negócios, Alexan-pertinentes, vislumbrando novas opor- rifária (convencional, optante b, verde dre Santiago, apresentou o portfóliotunidades de parceria”, analisa Ricardo e azul), o executivo de Atendimento do Ampla Negócios. Um assunto queLopes, executivo de Atendimento de de Grandes Indústrias e Clientes Li- despertou grande interesse foramGrandes Comércios. O evento reuniu vres, Carlos Thomas, realizou simula- as soluções de eficiência energética,cerca de 40 clientes corporativos da ções para que os clientes pudessem como bombas de calor e painéis so-distribuidora, incluindo representantes identificar a melhor opção para seu lares. “Nosso objetivo é promoverde empresas como Águas de Niterói, negócio. “Estudar o empreendimen- novos encontros, dessa vez com con-Corn Products do Brasil, Duvale In- to no longo prazo é fundamental teúdos personalizados para determi-dústria e Comércio de Papéis, Estaleiro para se tomar a decisão correta. Por nados segmentos do mercado”, enfa-Mac Laren, Labs Cardiolab, Oi, Oriente exemplo, se o cliente consumir mais tiza Alexandre. No final do workshop,Construção Civil, Parmalat, Shell, TV energia no horário de ponta (entre foram distribuídos kits para osCidade, Usina Barcelos e Werner. 18 e 21h), ele pode optar pela tarifa participantes.
  • 12
  • Mais por menosMercado Fri Carnes:energia como base da expansão Paulo Roberto da Silva: investimento em Há 18 anos, o Mercado Fri subestação permitiu transformar açougue emCarnes era mais um açougue do mercado completomunicípio fluminense de Cabo Frio.Com o tempo, o empreendimentodo empresário Paulo Roberto da Silvafoi crescendo. A compra de lojas aoredor e a obra recente de ampliaçãodo espaço – que, de 400m2, passou ater 1.600m2, divididos em dois anda-res – transformaram o Fri Carnes emum mercado completo. A expansãoteve a Ampla como um dos parceirosfundamentais: para obter a energiade qualidade que um estabelecimen-to desse porte necessita, o MercadoFri Carnes contou com a distribuidora 13para a instalação de uma subestaçãoprópria, que vem promovendo im-portantes benefícios ao negócio.Opção pela qualidade Alessandra dos Santos Costa, Desafio transformado os benefícios já se fizeram sentir: Pau-executiva responsável pelo atendi- em benefícios lo Roberto estima uma economia demento ao Mercado Fri Carnes, ex- 10% a 15% na conta de luz do es-plica a necessidade de construção O projeto apresentou um de- tabelecimento, devido à redução dede uma subestação no local: “Para safio: a subestação deveria ser insta- tarifa com o aumento de carga.fornecer a energia necessária aos lada no terceiro piso do prédio, quan-equipamentos que seriam instalados do o usual é o térreo. O equipamento O empresário está seguro deno mercado, como ar-condicionado precisou ser içado até a altura neces- que a subestação – primeira soluçãocentral, o cliente precisava passar da sária. “Além do espaço limitado, nos de eficiência energética que adquiriucategoria de baixa tensão (grupo B) deparamos com o desafio de cons- do Ampla Negócios – apoiará o cres-para a de média tensão (grupo A). truir uma subestação especial, abri- cimento de seu mercado. “A instala-Era imprescindível o aumento de car- gada, com transformador a seco, que ção me deu a garantia de que tereiga”. A opção pela Ampla, segundo demandou um trabalho ainda mais energia de qualidade na minha loja”,Paulo Roberto, teve como critério a especial”, conta. O serviço foi finali- afirma ele, que demonstrou sua satis-qualidade. “Um colega empresário zado com sucesso em dezembro do fação com o atendimento: “O supor-me recomendou muito a empresa e ano passado dentro do cronograma te que tenho da equipe da Ampla éme senti seguro da qualidade do ser- proposto, e, embora a obra no mer- muito bom. Ligo para esclarecer dú-viço prestado”, afirma o proprietário. cado ainda não tenha sido concluída, vidas e sempre sou bem atendido”.
  • 14
  • TransformadorMovido a eletricidade,rumo à preservação ambiental A Ampla conta com um novoaliado pela preservação do meio am-biente: o carro elétrico. Lançado em15 de maio e em operação desde aprimeira semana de junho, o novoautomóvel apresenta inúmeros bene-fícios em relação ao modelo conven-cional: é mais econômico e menospoluente. Com a iniciativa, a Amplareforça seu pioneirismo em práticassustentáveis: a distribuidora é a pri-meira empresa de energia a promo-ver o uso desse veículo em suas ope-rações. “Nosso objetivo é despertartanto a empresa quanto a sociedade 15para uma fonte alternativa que pode O ministro Carlos Mincser utilizada”, comenta o responsável Economia e sustentabilidade experimenta o carropor Cobranças do polo Centro, Mar- elétrico no lançamento do veículocelo Maciel, que ficou encarregado Mais importante do que a eco-de receber o carro, testá-lo e instruir nomia que o carro elétrico representaos motoristas. para a Ampla é sua contribuição para Ficha técnica um ar mais limpo: o veículo não emite Marca: Revai De fabricação indiana, os dois dióxido de carbono (CO2), principal Motor: elétrico, AC trifásicoveículos 100% elétricos da frota da gás causador do aquecimento global Potência: 13kW (18cv)Ampla atualmente atendem as ope- e liberado pela combustão dos mo- Torque: 5,3mkgf a 1rpmrações de religação em Niterói, onde tores tradicionais. “Entendemos que Peso: 700kgestá localizada a sede da distribui- o maior benefício é para o meio am- Tempo para atingir 40km/h:dora. É simples reabastecer o carro biente, e, consequentemente, para a 7 segundoselétrico – basta ligá-lo na tomada. sociedade. Além disso, por ser com- Autonomia: 80 quilômetrosO veículo tem o mesmo consumo pacto, o veículo proporciona eco- Velocidade máxima: 80km/hde energia mensal de uma geladei- nomia de espaço na cidade e é mais Tempo para carregar a bateria:ra duplex e é até sete vezes mais fácil de estacionar”, afirma Marcelo. 8 horaseconômico que um modelo comum Seu motor – movido a bateria recar- Capacidade: quatro pessoasmovido a gasolina ou álcool. “A eco- regável com duração de oito horas – (adaptado para duas)nomia de combustível é muito sig- é bastante silencioso e, dessa forma, Dimensões: 2,64m (comprimento)nificativa, pois as despesas para per- contribui também para a redução da x 1,32m (largura) x 1,51m (altura)correr 80 quilômetros, por exemplo, poluição sonora. Com a boa aceita- x 1,71m (entre-eixos)podem cair de R$ 17 para R$ 4,50”, ção dos carros elétricos, a Ampla temexemplifica Marcelo. planos para aumentar sua frota.
  • 16