Revista Visão Ampla 2ª edição

  • 494 views
Uploaded on

 

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
494
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
4
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. visãoampla A sua revista Ampla para clientes corporativos ANO I • nº 2 • julho/2008 Excelência dos profissionais garante nosso crescimento
  • 2. Gerenciador de energiaA solução que encontramos para ajudar vocêa controlar ainda melhor os seus gastos.Medir, controlar e gerenciar todo o consumo de energia da suaempresa gera uma grande economia com toda a segurançapara o seu negócio. E o gerenciador de energia, que a Amplacoloca à sua disposição, é o equipamento ideal para isso.Entre outras vantagens, este aparelho possibilita a extraçãode relatórios históricos e comparativos de consumo,demanda, fator de potência, fator de carga, tensão,corrente e outros elementos importantes para auxiliar natomada de decisões.A Ampla, além de instalar o equipamento, oferecetodo o suporte e treinamento necessários para que ainformação seja utilizada no diagnóstico de ajustes edimensionamentos para um consumo eficiente deenergia. E tudo isso com a garantia da suaconcessionária de energia.Agora que você já conhece a força dos benefícios dogerenciador de energia, solicite a sua instalação. Para mais informações, converse com o seu executivo de contas ou ligue para a Ampla: 0800 28 02 375 ou 2613-7940.
  • 3. Seções Eletrizante 4 Transmissão de energia 5 Geração de resultado 7 Visão da capa 8 Editorial Fio condutor 11 Mais por menos 13Decolando juntos Transformador 15 Para 2009, estão previstos investi- dora, lançada em março, mentos no sistema elétrico pela Ampla da que consiste em trocar lixo ordem de R$ 42 milhões nos projetos de reciclável por bônus nas contas de demanda, com um investimento global luz. Dois postos de coletas estão em no sistema de aproximadamente R$ 134 funcionamento e a previsão é de termos milhões. A retomada do crescimento eco- seis até o fim do ano. nômico do Estado do Rio e como a Ampla vem se preparando para isso são tema da Estamos sempre atentos para co- reportagem de capa nesta edição. laborar com a preservação do meio am- biente. Fazemos isso incansavelmente, Na seção Transmissão de energia estimulando nossos clientes a incorpora- citamos alguns projetos em desenvolvi- rem hábitos simples ao dia-a-dia, capazes mento na área de Novos Negócios que de proporcionar o uso mais consciente da 3 atendem os empreendimentos ergui- energia e de outros recursos naturais por Nosso compromisso com o de- dos em várias regiões que compõem o meio de programas de eficiência ener-senvolvimento do Rio de Janeiro faz parte cinturão dos grandes investimentos em gética. A seção Mais por Menos abordado nosso dia-a-dia. A companhia, que dis- curso, como Macaé, em decorrência do o tema. A Ampla entende que somentetribui energia a 73% do Estado, está pron- petróleo; e São João da Barra, com o ar- dessa forma podemos ter uma práticata para atender ao aumento de demanda rojado projeto do Porto do Açu, da MMX verdadeiramente sustentável, crescendoque se descortina de forma rápida. Para Mineração e Metálicos (empresa do gru- com responsabilidade socioambientalisso, os investimentos que realizaremos ao po EBX). O Porto do Açu será o centro num planeta muito melhor para todos.longo deste ano são 28% maiores que os de escoamento da produção de miné-realizados em 2007. São investimentos rio de ferro do Sistema Integrado MMXdestinados a projetos de construção de Minas-Rio. Cristián Fierronovas subestações e linhas de transmissão, Presidente da Amplaessenciais para o crescimento econômico A seção Transformador destacadas cidades que a companhia atende em um dos projetos socioambientais da Am-sua área de concessão. pla, o Ecoampla. Uma iniciativa inova- Expediente – Publicação trimestral da Ampla. Criação e produção: Casa do Cliente Comunicação 360 º e Marketing Ampla – Pryscila Civelli e Denise Monteiro – Conteúdo Novos Negócios: Márcio Araújo e Carlos Alberto Gregório – Colaboração: Comunicação Ampla – Janaina Villela; Casa do Cliente Comunicação 360 º – Regina Teixeira. Fotos: Ampla e Banco de imagens Casa do Cliente Comunicação 360º. Tiragem: 4 mil exemplares
  • 4. Eletrizante Com a palavra, nossos especialistas Esta seção aborda as perguntas mais freqüentes dos clientes corporativos que buscam as soluções da Ampla. Voltamos a pedir sua participação, enviando perguntas e sugestões para o e-mail publicado no fim da página ou contatando diretamente nossos executivos de contas. Lembramos que sua participação é muito importante para nós. Afinal, a proposta da Visão Ampla é ser mais um instrumento de comunicação entre a companhia e seus clientes corporativos. A Ampla quer estar cada vez mais alinhada com você. Perguntas e respostas Executivos de contas tiram dúvidas dos clientes José Vagnir Carlos Augusto Sardinha Executivo de clientes empresariais da regional noro- Executivo de clientes empresariais este fluminense da regional norte-fluminense Pergunta: Por que algumas vezes em minha conta co- Pergunta: Tive conhecimento, pela bra-se energia reativa? revista Visão Ampla, de que a área Trata-se de uma cobrança a título de excedente, pelo Ampla Negócios está com uma sé- baixo fator de potência, determinada pela Agência Nacional rie de produtos e serviços. Como de Energia Elétrica (Aneel) de, no mínimo, 0,92. A energia posso obter mais informações sobre4 reativa é necessária para o funcionamento de alguns equipa- isso? mentos, mas, em excesso, é prejudicial para instalações do Ficamos satisfeitos em saber cliente e rede elétrica. Para corrigir o fator de potência é ne- que a informação sobre os nossos pro- cessário o uso de bancos de capacitores, que extingüem dutos foi obtida com a leitura da revista o excedente. Isso gera mais economia para o cliente e Visão Ampla. Nossa meta com o lançamento da publicação confiabilidade das instalações elétricas. Na região noro- é ampliar o relacionamento com os clientes corporativos. A este do Estado do Rio, atendemos muitos casos deste filosofia da Ampla é desenvolver soluções sob medida e apro- tipo e realizamos vários serviços de correção de fator de veitar cada contato com o cliente para apresentar as soluções potência. Para solicitar o serviço, entre em contato com que aumentem a capacidade produtiva de sua empresa. o seu executivo de contas. Contatos: caugusto@ampla.com, tel.: (22) 2772-2306 Contatos para informações: ramal 200 jvagnir@ampla.com, tel.: (22) 3851-0732 Leandro Viana Pereira Executivo de clientes empresariais da regional serrana Pergunta: Gostaria de entender melhor o meu tipo de fornecimento. O fornecimento em média tensão (Grupo A) pode ser feito em quatro modalidades tarifárias: convencional, com o pagamento de uma demanda; consumo mensal; pela tarifa ver- de (THS), onde existe uma demanda e a cobrança da energia conforme o horário e a tarifa; e tarifação azul, para clientes com características específicas. Há também a opção pela tarifação Grupo B, conforme a potência instalada. Os clientes empresariais regionais têm dúvidas em relação ao seu tipo de fornecimento. É importante que o primeiro contato do cliente seja com a Ampla, para juntos elaborarmos uma solução completa que atenda 100% das suas necessidades. Contatos: lvpereira@ampla.com, tel.: (24) 2231-4272 ramal 209 Envie sua pergunta para o e-mail amplanegocios@ampla.com. Na próxima edição, esperamos poder esclarecer suas dúvidas.
  • 5. Transmissão de energiaNa trilha dos grandes investimentosO potencial de desenvolvimento econômico na área de concessão da Ampla é mais do que satisfatório. Toda essevigor deve-se ao desenvolvimento das indústrias de petróleo, naval e mineração. “O que mais nos satisfaz é saberque a Ampla participa da construção dos principais empreendimentos como provedora de soluções integradas”,assinala o diretor técnico, Albino Motta (foto). Ele informa que os investimentos da companhia destinados aprojetos de construção de novas subestações e linhas de transmissão tiveram um aumento de 28% em relação aoano passado Entre as localidades con- agregar valor aos nossos clientes Visão Ampla – Além detempladas com os aportes finan- com soluções que viabilizem seus Macaé, Bom Jardim, Maricá e Ita-ceiros das indústrias está Macaé, investimentos. Entre os projetos, boraí apresentam potencial econô-com investimentos milionários em destacamos a construção de 30 mico. Que projetos são realizadosdecorrência do petróleo. “Essa quilômetros de linha de transmis- nessas regiões?é a região da nossa área de con- são em 34 mil volts, que suprirá a A. M. – Antecipando-se à ten-cessão que apresenta maior taxa subestação provisória para as obras dência de crescimento da região, ade crescimento. Além de estar- do Porto do Açu, em São João da Ampla expandiu a subestação demos atentos à aceleração eco- Barra, da MMX Mineração e Me- Maricá de 30 MVA para 47 MVA,nômica, procuramos nos anteci- tálicos (empresa do grupo EBX). melhorando a qualidade e a dispo-par às demandas dos clientes”, Estamos envolvidos com diversos nibilidade de energia para a região. Em Itaboraí, desenvolvemos estu- 5conta Motta. outros projetos importantes para o crescimento do país. dos para a implantação do canteiro Em Macaé, a Ampla está de obras do Pólo Petroquímico e oexpandindo a subestação Nossa Visão Ampla – Que esforços aumento de demanda do clienteSenhora D’Ajuda, de 12,5 MVA a empresa vem fazendo para a me- Cedae. No município de Bom Jar-de potência, para 25 MVA, o que lhoria de seus serviços? dim, estamos construindo uma su-beneficiará 56 mil pessoas. Ainda A. M. – Temos o Ampla Ne- bestação em 138 kV e potência decomo planejamento para a região, gócios, uma unidade voltada 15 MVA, visando o atendimentoa companhia destaca a construção para o atendimento de serviços ao novo pólo industrial de Barrade um alimentador para aumento ao mercado. Ela conta com a Alegre.de carga da unidade da Petrobras participação de executivos, en-em Cabiúnas. Em 2009, a Ampla genheiros e técnicos que identifi- Visão Ampla – A empresaprevê a adequação de 25 quilô- cam as expectativas dos clientes, está mapeando novos nichos demetros de linha de transmissão em prospectam a venda de serviços, mercado?138 kV, também para atender à Pe- mantêm um relacionamento com A. M. – A Endesa, como gru-trobras. Confira, a seguir, a entre- eles e prestam consultoria. Os po de energia, atua em diversosvista com Albino Motta. clientes ficam sabendo das ações segmentos, e essa visão está sen- por meio de canais como: aten- do ampliada para todas as suas Visão Ampla – Como analisa dimento, reportagens da revista empresas. Com o Ampla Negóciosa participação da Ampla no desen- Visão Ampla , comunicação dos oferecemos soluções em eficiênciavolvimento do Estado do Rio? serviços veiculada na conta de energética, buscando novas tecno- Albino Motta – Estamos energia, divulgação do portfólio logias e o desenvolvimento de par-confiantes no desenvolvimento nas agências, sites de jornais e cerias que atendam às necessidadessustentável do Estado e buscamos da Ampla. dos clientes.
  • 6. 6
  • 7. Geração de resultadoDez anos de uma sólida parceriaO Grupo New Temper, fabricante de vidros temperados, está celebrando duas datas importantes: uma década defundação e o primeiro ano de sua unidade industrial de 15 mil m² em Rio das Ostras, no noroeste fluminense. Umasubestação de 1.500 kVA e três transformadores de 500 kVA, instalados pela Ampla, formam o arsenal que dá suporteao bom funcionamento da nova unidade, erguida estrategicamente em uma região que se beneficia dos recursos dosroyalties do petróleo e dos investimentos que vêm sendo feitos na Zona Especial de Negócios (ZEN) Uma história de sucesso é resul- nas eram de segunda mão e os funcioná- com as especificações da subestação detado de boas parcerias. Foi assim que a rios, em sua maioria, vindos de uma fábri- 1.500 kVA que foi construída. “RealizamosNew Temper construiu e vem mantendo ca da região que acabava de fechar. toda a nova ligação e instalamos a subesta-uma marca sólida no mercado. Os sócios ção no prazo previsto”, destaca Sardinha.Fernando Pires do Vale e Ariston Morais O segundo passo, o mais difícil,de Lacerda tiveram desde o início com- foi montar uma rede de distribuidores. “Já no primeiro encontro apre-prometimento e vontade de crescer. Mas “Quase ninguém queria ter o nome asso- sentei ao Ariston o portfólio de soluçõesna sociedade dos dois um combustível fez ciado a uma empresa da qual nunca tinha integradas da Ampla. Ali imediatamentetoda a diferença: a bela amizade construí- ouvido falar. Mas tivemos também quem vislumbrei uma boa oportunidade de fe-da ao longo dos anos. A amizade aconte- acreditasse no nosso trabalho entre distri- char negócio com um excelente cliente”,ceu em um encontro inusitado. Fernando buidores, clientes e fornecedores”, lembra lembra Sardinha. Segundo ele, alguns fato-tinha um imóvel para vender em Bangu, Fernando. Com o crescimento, a indústria res precisam estar em perfeita sintonia para 7bairro do Rio de Janeiro, e Ariston procu- se transferiu, em 2003, para uma área de que o negócio se concretize e seja conside-rava uma casa para comprar. Fecharam 4.800 m² na Fazenda Botafogo, no Rio de rado um exemplo de sucesso: agilidade nonegócio e ali nascia uma amizade que Janeiro, que produz vidros de segurança atendimento, respeito ao prazo de entrega,um pouco mais tarde se transformaria em para boxes de banheiro, portarias e outras qualidade da solução vendida e a certezasociedade. instalações. de ter atendido às expectativas do cliente. Cada um trouxe na bagagem A fábrica em Rio das Ostras é uma “Estamos satisfeitos com o atendi-experiências diferentes. Ariston foi fun- aposta no crescimento da região. “Que- mento desde o primeiro momento. Alémcionário de uma indústria gráfica, en- remos sempre acompanhar o fluxo eco- disso, conseguimos negociar prazo com aquanto Fernando trabalhou desde os 12 nômico”, diz Fernando, que comanda Ampla, o que nos ajudou a ganhar fôlegoanos com o pai, proprietário da Vidraçaria junto com o sócio uma equipe de quase na nova unidade”, assinala Fernando.Bangu, em Bangu. O primeiro endereço 200 funcionários nas duas unidades. Acomercial dos sócios foi em Vilar dos Te- clientela da New Temper soma 1.300 A qualidade do atendimento les, na Baixada Fluminense. Eles pontos-de-venda que comercializam os conferido a New Temper é resul- alugaram um galpão nos produtos da marca. tado da sinergia entre as áreas da fundos de uma companhia. “A integração que há igreja. Todas Uma sintonia que hoje entre os colaboradores permi- as máqui- faz diferença te o cumprimento dos cronogra- Carlos Augusto Sardinha, exe- mas. O apoio da área técnica, por cutivo de contas da Ampla no noroeste meio do pólo técnico de Macaé, e fluminense, lembra que Ariston esteve a parceria do setor de novas liga- no escritório da companhia, em Macaé, ções foram indispensáveis ao bom no ano passado, levando um pré-projeto andamento do processo”, ressalta para instalação da indústria, inclusive Sardinha. Fernando destaca a qualidade do atendimento da Ampla
  • 8. Visão da capa Ampla marca presença na recuperação econômica do Estado do Rio8 Como um dos atores do processo de retomada Os investimentos de vulto anun- dida totalmente integradas, visando ciados para o Estado do Rio – segundo aumentar a capacidade produtiva das econômica do Estado do Rio de Janeiro, a Ampla maior pólo industrial do país, ancora- empresas. O palestrante foi o jornalista percebe os reflexos dessa aceleração no dia-a- do pelas indústrias de petróleo, naval e e economista George Vidor, colunista petroquímica, estão tornando a região de O Globo e comentarista econômico dia. Com uma política sustentável, a companhia um catalisador de novas iniciativas de da Globo News (veja mais no boxe da investe no desenvolvimento de soluções integradas negócios. O grupo espanhol Endesa – página ao lado). um dos dez maiores conglomerados de que agregam valor aos seus clientes corporativos energia do mundo – está bem atento a – grandes, médias e pequenas empresas –, todas as mudanças. No país, a corpora- ção é representada pela Endesa Brasil, sempre atenta à preservação ambiental. Para isso controlador acionário da Ampla. “Essa desenvolve, com empresas parceiras, projetos de retomada de investimentos foi um dos fatores que motivaram a constituição alta tecnologia com o objetivo de monitorar e da holding no país”, explica o diretor financeiro, Luiz Carlos Bettencourt. melhorar a distribuição de energia com soluções que asseguram eficiência, qualidade e economia com o O crescimento econômico do Estado do Rio foi tema de palestra re- seu uso. Os projetos também contemplam fontes cente realizada na companhia durante alternativas de energia como a solar, por exemplo o evento que marcou o lançamen- to da unidade Ampla Negócios, cuja Bettencourt: produtos e serviços meta é desenvolver soluções sob me- que agreguem maior valor aos negócios empresariais
  • 9. Convivência produtiva – Endesa Fortaleza e a Companhia Nunes (à esq.) assume de Interconexão Energética – Endesa o cargo de líder de Ocupando o 55º lugar entre os CIEN. O grupo tem 2.880 funcioná- processo de Serviçosmaiores grupos no território brasilei- rios e 14.269 parceiros, sendo 49% Corporativos emro em termos de receita bruta, a En- desse efetivo vinculados à Ampla. sintonia com o antigodesa vislumbra muitas possibilidades gestor, Celso Voto Akilde crescimento. Ele diz que a Ampla Na opinião do diretor financei-vem trabalhando com a perspectiva ro, a formação da holding traz váriasde crescimento do mercado desde vantagens. “Temos áreas de apoio2004, quando passou pelo processo integradas e diferentes culturas que sociedade, colaboradores, clientesde transformação com a mudança da promovem a sinergia e a troca de e acionistas, criando uma cadeia demarca e o novo posicionamento com melhores práticas. Com isso podemos valor. A constituição de uma holdingo cliente, o mercado e o acionista. importar e exportar idéias entre as consolidou essa estratégia”, assinala. companhias.” Ele cita o exemplo de Com a formação da Endesa um projeto socioambiental implanta- Para o responsável pela áreaBrasil, o prédio da Ampla, em Niterói, do primeiro na Coelce, em 2007, e por serviços corporativos na Dire-passou a abrigar também a holding, desde março em pleno funcionamen- toria Técnica, Júlio César Nunes, aestampando na fachada as duas mar- to no Estado do Rio. Batizado de Eco- nova estratégia de atuação adotadacas. “Isso demonstra a confiança do ampla, o projeto consiste na troca de pelo grupo ancora mais solidez àgrupo Endesa no Estado do Rio e lixo reciclável por bônus nas contas atuação da Ampla no Estado. Segun-pode ser considerado como marco de luz (leia mais sobre o projeto na do Nunes, a companhia está semprede melhorias, investimentos e maior seção Transformador). prospectando novos mercados. Porproximidade com o cliente e agentes isso, mapeia não só a área de con-da sociedade”, resume Bettencourt. Bettencourt conta que a práti- cessão, mas os nichos potenciais, an- ca da sustentabilidade está incorpo- tes mesmo de haver uma demanda 9 Segundo ele, as empresas que rada às empresas do grupo. “São di- específica. “A intenção é sempre sercompõem o grupo Endesa entendem retrizes com foco em quatro pilares: proativo”, diz.que para manter-se em um mercadocompetitivo é preciso ter diferencial,além de cuidar simplesmente da ati- Um motor que giravidade fim, desenvolvendo produtose serviços que agreguem maior valor Perspectivas da economia fluminense em um cenário de crescimento do Brasil.aos negócios empresariais. “Nesse Esse foi o tema da palestra do jornalista e economista George Vidor, queponto, o planejamento estratégico falou para 200 executivos e diretores de empresas clientes da Am-da Ampla está totalmente alinhado pla. Ele ressaltou que o Estado do Rio conseguiu dar a voltaao da holding, pois é sustentado em por cima, atraindo novos empreendimentos. Tambémmetas e indicadores. Trabalhamos citou a construção de plataformas de petróleo ecom a perspectiva de um mercado embarcações de apoio, iniciativas de grandecada vez mais maduro, exigente e porte que dão sustentação às expectativas.competitivo. Para essa avaliação, pe- Lembrou ainda que a região é detentorariodicamente fazemos estudos de ce- de 90% das reservas de petróleo e 50%nários”, explica. das reservas de gás natural. “São R$ 8 bilhões em royalties e participações No Brasil, a holding controla, especiais”, ressaltou. O evento foialém da Ampla, a Companhia Ener- o primeiro de outros já progra-gética do Ceará – Coelce; a usina hi- mados pela Ampla voltados aodrelétrica Centrais Elétricas Cachoeira cliente corporativo. Os próxi-Dourada – Endesa Cachoeira; a Cen- mos vão acontecer em Macaétral Geradora Termelétrica Fortaleza e depois em Angra dos Reis.
  • 10. 10
  • 11. Fio condutor mento da agenda garantiu ao cliente o início das atividades exatamente na data planejada, em outubro do ano passado. A indústria ocupa um espaço de quase 2 mil m² de área construída. O processo de resfriamento do leite do antigo posto já foi transferido para a unidade, que em breve passará a ab-Cumprimento de prazos por parte sorver também todas as atividades dada companhia garantiu o início matriz capixaba, que será desativada.das atividades da cooperativa nadata planejada “Agora, estamos na fase final da mon- tagem dos equipamentos para iniciar- mos a fabricação de produtos lácteos. Um sonho que Em julho começaremos a comercializar os 20 produtos dos quais temos regis- virou realidade tro (queijo, manteiga, requeijão cre- moso e em barra, iogurte, leite em sa- quinho, bebida láctea, entre outros)”, conta Teixeira. Inaugurado em outubro do ano passado, o novo Complexo Industrial da Cooperativa Agropecuária Vale do Itabapoana (Cavil), em Bom Jesus do Escoamento da produção Itabapoana, está às vésperas de concluir a segunda etapa do seu processo de A cooperativa tem 950 produ- 11 expansão. Em julho, além da ativação das áreas de recepção e resfriamento do tores associados, sendo 25% deles no leite, a unidade inicia a fabricação de laticínios. A Ampla é parceira da Cavil desde Estado do Espírito Santo e 75% no Rio o início da construção. A companhia projetou uma subestação de energia que de Janeiro. A área de abrangência com- garante o funcionamento permanente dos equipamentos preende o sul do Espírito Santo, os mu- nicípios de São José dos Calçados, Bom A história da Cooperativa Agro- de Souza, da empresa Eletrocidade, nos Jesus do Norte, Apiacá e Mimoso do pecuária Vale do Itabapoana começou apresentou ao José Vagnir (executivo de Sul; e, no Estado do Rio, os municípios em janeiro de 1948 com sua fundação contas de clientes empresariais da Am- de Bom Jesus do Itabapoana, Cam- em Bom Jesus do Norte, no Espírito San- pla na região noroeste fluminense). Foi pos, Itaperuna, Natividade e Varre-Sai. to. O tempo passou, mas um projeto re- a partir desse encontro que entendi me- A cooperativa comercializa leite para cente da diretoria para abrir uma indús- lhor a estrutura da Ampla. indústrias como Parmalat, Da Matta, tria láctea em Bom Jesus do Itabapoana Nestlé e Chamego Bom, entre outras. – município da região noroeste do Rio de Atendimento, o grande Janeiro –, onde a Cavil já mantinha um diferencial Vagnir (à esq.) e Teixeira: cumprimento da agenda posto de resfriamento de leite, virou rea- A instalação elétrica foi concluída lidade. Foram aplicados R$ 3 milhões na em dois meses. Em junho de 2007, ou- estruturação da unidade industrial. tra etapa finalizada: a Ampla entregava uma subestação de 225 kVA. “Tanto o Em setembro de 2006, as pare- término da instalação elétrica quanto a des da nova unidade começaram a ser construção da subestação aconteceram erguidas em um terreno de 15 mil m². dentro do prazo estipulado”, conta Tei- “Assim que iniciamos a elaboração do xeira, que destaca o quanto a qualidade projeto de instalação elétrica, o enge- do atendimento fez toda a diferença no nheiro eletricista Wlademen Magalhães momento da negociação. O cumpri-
  • 12. Mais por menosConsumo conscientenas empresas Projeto de eficiência pamento que faz o mapeamento de O in- energética pode promover todo o processo produtivo da empre- vestimento redução em torno de sa e fornece subsídios para uma ava- financeiro na aqui- 40% nas despesas liação técnica mais apurada. “Para a sição de painéis solares, Ampla, é importante que seus clientes por exemplo, tem prazo de tenham competitividade e cresçam de retorno em torno de 20 e 36 meses. As empresas brasileiras estão forma sustentável”, diz Gregório. “O cliente só gasta uma vez com a Carlos Gregóriocada vez mais conscientes da impor- aquisição do equipamento”, explica (à esq.) e Pedro Paulotância de se preservar o meio ambien- Avaliação técnica Pedro Paulo da Silva, diretor da Sage. da Silva: parceria note. Com isso, as fontes de energia lim- projeto de eficiência Segundo ele, antes da adoção Segundo ele, os bons resultados empa passam a ser consideradas como energética de uma solução eficiente de energia é gerenciamento energético são geral-alternativa para garantir a sustentabi- preciso reunir informações sobre a ro- mente conquistados com ações quelidade dos negócios e a redução dos tina produtiva da empresa. Isso pode exigem, antes de tudo, mudançacustos com o pagamento da conta de ser feito de forma mais abrangente de atitude.luz. Segundo Carlos Gregório, analistada gerência de Grandes Clientes no com o uso do gerenciador de energia. 13 “A avaliação técnica contempla a ve- A energia solar é uma alter-segmento Ampla Negócios, em um rificação de todo o processo produti- nativa viável em vários processos.mercado bastante competitivo a im- vo, que inclui estudo de viabilidade e “Primeiramente é uma fonte limpa,plantação de um projeto de eficiên- substituição de motores, equipamen- renovável e pode ser perfeitamen-cia energética torna-se condição para tos e lâmpadas. A conclusão do pro- te utilizada na construção civil, emo sucesso de qualquer empresa. “E cesso pode ser a troca de equipamen- clubes (para aquecimento de pis-pode significar redução nas despesas tos e também a possibilidade de se cinas) e hotéis”, indica Gregório.em torno de 20% a 40%”, explica. adotar uma fonte alternativa de ener- “No aquecimento de água, a redu- gia para complementar determinado ção de custos pode chegar a 70%”, Uma das ações em eficiência processo”, explica Gregório. estima Silva.energética é o uso da luz solar comofonte de energia complementar. Da-qui para frente, projetos envolvendo a Quem mais gasta com energiafonte energética passam a compor oportfólio da Ampla, em parceria com Segundo Silva, os setores varejista e de serviços despontam hoje como os novosa consultoria Sage. A empresa é es- protagonistas do consumo de energia elétrica, à frente muitas vezes da indús-pecializada nas áreas de consultoria, tria. “Por utilizar mais energia no processo produtivo, o setor industrial sempretreinamento, eficiência energética e foi visto como vilão na escala de consumo, mas isso vem mudando gradativa-gestão ambiental para os setores co- mente. Atualmente, várias ações ambientais estão sendo realizadas pelas indús-mercial, industrial e de serviço. trias com o intuito de promover o uso mais consciente da energia”, explica o consultor. Para descobrir mais rapida-mente os gargalos que provocam o Na relação de despesas, os itens que lideram o consumo são refrigeração edesperdício, a Ampla está comerciali- climatização. “São os que mais pesam no orçamento de um shopping, porzando o gerenciador de energia, equi- exemplo. Podem representar até 60% do consumo de energia”, conta Silva.
  • 13. TransformadorEcoampla terá novos postos de coletaLançado em março, com foco nos clientes residenciais e comerciais ligados em baixa tensão (Grupo B), oprojeto socioambiental Ecoampla já conta com dois postos de coleta de resíduos recicláveis: um emApolo II, Itaboraí, e outro no Jardim Botânico (Horto), em Niterói. A previsão da Ampla é estender o proje-to aos clientes do Grupo A, ou seja, aqueles atendidos pela rede de média tensão. Hoje, algumas empresasparticipam do projeto indiretamente, fazendo doações de resíduos recicláveis a famílias carentes Sustentabilidade, geração de dades. É desta forma que se desenvolve Como participarrenda e combate à ilegalidade. Com a cultura da sustentabilidade,” informa do projetobase nesses três pilares foi estruturado o Maluly. O projeto é viabilizado por meioprojeto Ecoampla, iniciativa social e de de parcerias. A Ampla envia o materialcomprometimento ambiental inovado- Outra forma de disseminar a recebido para empresas gerenciadorasra no Estado do Rio de Janeiro. O proje- idéia é por meio de visitas às comunida- de resíduos, que destinam corretamenteto consiste em trocar resíduos recicláveis des carentes, trabalho que já vem sendo o material para a indústria.por bônus na fatura de energia elétrica. feito. “A partir dessas visitas podemos mapear os futuros endereços de instala- Para participar, o interessado “A previsão é de que até dezem- ção de postos de coleta”, conta. deve ir até um dos postos de coleta,bro o Ecoampla esteja funcionando em no Fonseca ou em Itaboraí, levando aoutros três postos fixos de coleta (no Segundo Maluly, o Ecoampla faz conta de luz e o CPF. Lá, preenche oCentro de Niterói, em Magé e Petrópo- parte do compromisso socioambiental da cadastro e retira o cartão personaliza-lis) e também numa unidade móvel”, companhia de preservar o meio ambiente do. Ao entregar o lixo, o resíduo seráanuncia Gabriel Maluly Neto (foto), e diminuir a inadimplência dos clientes no pesado e o participante receberá ogestor de Inovação, Eficiência Energé- pagamento das faturas. “O projeto tem desconto na fatura mensal de energiatica, Pesquisa e Desenvolvimento da um viés social importante: faz com que elétrica. O cliente pode realizar quan-companhia. os consumidores mais carentes comecem tas trocas quiser ao longo do mês. a ter consciência ambiental, participando Todo o material reciclável deve ser se- Hoje, participam do projeto 900 da coleta seletiva e, assim, descobrindo a parado por categoria (papel, plástico,clientes ativos, fornecendo em torno de importância da reciclagem”, ressalta. “A metal etc.). De acordo com o peso20 toneladas mensais de material reci- meta é estender o programa gradativa- será definido o desconto correspon-clável. Mas a meta é muito mais ambi- mente aos municípios que compõem a dente na fatura mensal. Os postos deciosa. “Até o fim deste ano queremos área de concessão da Ampla no Estado coleta funcionam de segunda a sába-chegar a 30 mil pessoas cadastradas no do Rio de Janeiro”, diz. do, das 8h às 16h.programa”, assinala Maluly. Ele infor-ma, que além da instalação de postos, a Coelce, um modelo de sucessoAmpla deseja promover um trabalho deconscientização ambiental nas escolas O Ecoampla é inspirado no Ecoelce, programa socioambiental implantado em 2007públicas de Niterói. O projeto já está em pela Companhia Energética do Ceará (Coelce), empresa também da holding En-fase de formatação. desa Brasil. “Devido ao sucesso do projeto, a Ampla resolveu lançá-lo e seguir as mesmas diretrizes do modelo desenvolvido pela Coelce”, conta Maluly. Em um anoPor um futuro o Ecoelce resultou em 21 postos de coleta fixos e 24 móveis. São 40.135 clientessustentável cadastrados e 2,2 mil toneladas de resíduos desde o início do projeto. A região da “As crianças serão os porta-vozes Grande Fortaleza, quinta maior do país, gera aproximadamente 4 mil toneladas/diado projeto junto às famílias e comuni- de resíduo urbano, com implicações e impactos negativos ao meio ambiente.
  • 14. Nossas parcerias gerammuitos resultados positivos.O estreito relacionamento que a Ampla mantém com seus clientes corporativosé a fonte do nosso sucesso. Mais do que um consultor, o executivo da Ampla éum aliado de cada empresa, que encontra aqui um atendimento personalizado,soluções integradas e toda a energia que precisa para crescer.Procure já o seu executivo de contas ou se você ainda não é cliente Ampla Negócios,ligue para 0800 28 02 375 ou 2613-7940 e conheça nosso portfolio de soluções corporativas.