Your SlideShare is downloading. ×
  • Like
Crença verdadeira justificada - filosofia
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Now you can save presentations on your phone or tablet

Available for both IPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Crença verdadeira justificada - filosofia

  • 6,528 views
Published

 

Published in Education
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
No Downloads

Views

Total Views
6,528
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1

Actions

Shares
Downloads
78
Comments
0
Likes
1

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. CONHECIMENTO
    CRENÇA VERDADEIRA JUSTIFICADA
    Ana Margarida Pinto, nº2 11ºA
    Escola E.B. 2,3/s de Mora
  • 2. Elementos constitutivos do conhecimento
    Crença– convicção; opinião; acreditar em algo
    Conhecimento e verdade – Factividade (remeter para factos)
    NENHUMA crença falsa pode ser conhecimento
    Proposições
    Verdadeiras
    Falsas
    Ana Margarida Pinto, nº2 11ºA
  • 3. O conhecimento é FACTIVO
    6
    Só se pode conhecer o que é VERDADEIRO
    (aquilo que de facto acontece)
    A VERDADE é uma condição necessária para o conhecimento.
    Ana Margarida Pinto, nº2 11ºA
  • 4. Crença e ilusão
    Saber realmente algo

    pensar que se sabe algo
    A verdadeou falsidadede uma crença depende de algo exterior à crença
    ou seja,
    depende dos factos
    Ana Margarida Pinto, nº2 11ºA
  • 5. Crença e conhecimento*
    Como já vimos…
    Para haver conhecimento, é necessário que uma pessoa acredite em algo e que este algo seja verdadeiro.
    MAS
    Não há conhecimento ---------- > coincidência ou sorte
    Eu sabia que ia ganhar!!
    A crença verdadeira não é suficiente para o conhecimento.
    Ana Margarida Pinto, nº2 11ºA
  • 6. Conhecimento e justificação
    É necessário uma justificação que comprove a verdade da crença
    6
    Têm de haver boas razões que suportem a verdade da crença.
    A JUSTIFICAÇÃO é uma condição necessária para o conhecimento
    Ana Margarida Pinto, nº2 11ºA
  • 7. Justificar e ter justificação
    Não é necessário que se saiba explicar correctamente quais as razões da justificação.
    Conhecimento a priori
    O que importa é que haja uma justificação que torne válida a crença!
    Ana Margarida Pinto, nº2 11ºA
  • 8. Justificação e verdade
    A existência de justificação para acreditar em algo não garante a verdade da crença, simplesmente mostra que há boas razões a seu favor.
    Assim, também podemos não ter justificação para acreditar em certas verdades.
    Existência de fantasmas - não há boas razões para acreditar nisso, mesmo que seja verdade.
    A crença justificada não é suficientepara o conhecimento.
    Ana Margarida Pinto, nº2 11ºA
  • 9. CONHECIMENTO como CRENÇA VERDADEIRA JUSTIFICADA
    Cada uma das condições - crença, verdade e justificação - é necessária, mas não suficiente, para a existência de conhecimento.
    Mas,
    uma condição necessária e suficiente para haver conhecimento é ter uma crença verdadeira justificada.
    Ana Margarida Pinto, nº2 11ºA
  • 10. Ssabe que P se, e só se,
    - Sacredita que P.
    - P é verdadeira.
    - S tem uma justificação para acreditar que P.
    Ana Margarida Pinto, nº2 11ºA
  • 11. Discussão/Debate:
    Platão, no diálogo Ménon, coloca-nos o seguinte dilema: «Não compete a uma pessoa investigar o que sabe nem o que não sabe. Não investiga o que sabe, pois já o conhece. E para tal não há necessidade alguma de investigação. E também não investigaria o que não conhece, pois não sabe o que vai investigar.»Será este um dilema genuíno? Porquê?
    Ana Margarida Pinto, nº2 11ºA
  • 12. Não.
    Tanto se pode investigar o que se sabe – pois podemos saber sem saber que o sabemos – como o que não se sabe – pois apesar de não se saber, sabe-se o que se quer saber.
    Ana Margarida Pinto, nº2 11ºA